of 6 /6
JORNAL CIDADE JORNAL CIDADE - DISTRIBUIÇÃO DE PÁGINAS JORNAL CIDADE - ACONTECIMENTOS MUNDIAIS JORNAL CIDADE - CONTATOS COM A REDAÇÃO (PÁGINAS POST (PÁGINAS POST (PÁGINAS POST (PÁGINAS POST (PÁGINAS POSTADAS NO SITE WWW ADAS NO SITE WWW ADAS NO SITE WWW ADAS NO SITE WWW ADAS NO SITE WWW.JOT .JOT .JOT .JOT .JOTACIDADE.COM) ACIDADE.COM) ACIDADE.COM) ACIDADE.COM) ACIDADE.COM) Capa Capa Capa Capa Capa ..................................................................... ..................................................................... ..................................................................... ..................................................................... ..................................................................... 1 Opinião/Cidade Opinião/Cidade Opinião/Cidade Opinião/Cidade Opinião/Cidade ........................................... ........................................... ........................................... ........................................... ........................................... 2 Cidade Cidade Cidade Cidade Cidade ................................................................ ................................................................ ................................................................ ................................................................ ................................................................ 3 Cidade Cidade Cidade Cidade Cidade ................................................................ ................................................................ ................................................................ ................................................................ ................................................................ 4 Cidade Cidade Cidade Cidade Cidade ................................................................ ................................................................ ................................................................ ................................................................ ................................................................ 5 Coluna Coluna Coluna Coluna Coluna ................................................................ ................................................................ ................................................................ ................................................................ ................................................................ 6 História - História - História - História - História - Parte da definição de ‘História’: ‘Narração metódica dos fatos notáveis ocorridos na vida dos povos, em particular, e na vida da humanidade, em geral. Con- junto de conhecimentos adquiridos através da tradição e/ ou por meio dos documentos, relativos à evolução, ao pas- sado da humanidade...’. (Fonte: (Fonte: (Fonte: (Fonte: (Fonte: Dicionário Aurélio Dicionário Aurélio Dicionário Aurélio Dicionário Aurélio Dicionário Aurélio [editora Nova Fronteira]) [editora Nova Fronteira]) [editora Nova Fronteira]) [editora Nova Fronteira]) [editora Nova Fronteira]) JORNALISMO: TELEFAX (62) 3357-4158/9657-1441/8425-2052/9949-4411 [email protected] - www.jotacidade.com COMERCIAL: TELEFAX (62) 3357-4158/9657-1441/8425-2052/9949-4411 JC ( IMPRESSO): DESDE FEVEREIRO/2002 - JC ( ON- LINE): DESDE SETEMBRO/2005 Visite Uruaçu, Terra do Caju e do Lago Serra da Mesa ‘Se o Senhor não edificar a casa, em vão trabalham os que a constroem.’ - Salmo 126:1 Uruaçu e o mundo ganham Memorial Serra da Mesa, complexo educativo, ecológico, histórico, social, cultural... Prefeita de Uruaçu, Marisa (foto 1), com populares e autoridades (entre elas o reitor Wolmir Amado, da UCG; e, Roberto Malheiros, do ITS), momentos antes do corte da fita de inauguração do Memorial, onde estão dezenas de atrações, como essa que retrata famílias pobres (2). Espaço foi anunciado com grande Parada Cultural, na avenida Tocantins (3) URUAÇU GOIÁS, 1º DE OUTUBRO DE 2008 - EDIÇÃO 82 - ANO VII - R$ 2,50 WWW.JOTACIDADE.COM EDITOR-CHEFE: JOTA MARCELO Auditório do SIM, em Uruaçu, dia 29: parte dos pescadores artesanais da nova Colônia Pescadores artesanais, com Colônia Pescadores artesanais que atuam no Município de Urua- çu e em Municípios lindeiros ao lago Serra da Mesa participa- ram de Assembléia Geral dia 29 de setembro, no auditório do Serviço Imediato Municipal (SIM), para a criação oficial da Colônia dos Pescadores Z-04 do Lago Serra da Mesa. Uni- dades dos projetos Fábrica de Gelo; e, Caminhão Refrige- rado beneficiarão membros da pesca das regiões envolvidas. Página 2 As lentes de Marcello Jr., em coluna Fotos diferenciadas, retratando ângulos de várias áreas. Aprecie a arte do uruaçuense. Página 6 OPINIÃO/CIDADE - Páginas 2 a 5 Inaugurado dia 26 de setembro, Memorial Serra da Mesa é divisor de água do cenário cultural do Norte de Goiás. Idealização que impressiona, dentre outros fatores, pela sua riqueza de diversidade, se tornou realidade através de parceria entre a Prefeitura de Uruaçu, a Fundação de Desenvolvimento da Região da Serra da Mesa e a Universidade Católica de Goiás (UCG), que, com muitos projetos e sonhos, foram ao encontro de outros parceiros nas esferas das iniciativas pública e privada. Nesta edição especial, o leitor ganha mais (merecidos) conhecimentos. COLUNA Fotos: Márcia Jota Jota

Jornal Cidade 82 - jotacidade.com · jornal cidade jornal cidade - distribuiÇÃo de pÁginas jornal cidade - acontecimentos mundiais jornal cidade - contatos com a redaÇÃo (pÁginas

Embed Size (px)

Text of Jornal Cidade 82 - jotacidade.com · jornal cidade jornal cidade - distribuiÇÃo de pÁginas...

  • JORNAL CIDADE

    JORNAL CIDADE - DISTRIBUIO DE PGINAS JORNAL CIDADE - ACONTECIMENTOS MUNDIAIS JORNAL CIDADE - CONTATOS COM A REDAO

    (PGINAS POST(PGINAS POST(PGINAS POST(PGINAS POST(PGINAS POSTADAS NO SITE WWWADAS NO SITE WWWADAS NO SITE WWWADAS NO SITE WWWADAS NO SITE WWW.JOT.JOT.JOT.JOT.JOTACIDADE.COM)ACIDADE.COM)ACIDADE.COM)ACIDADE.COM)ACIDADE.COM)

    C a p aC a p aC a p aC a p aC a p a ......................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................... 11111Op in io /C idadeOp in io /C idadeOp in io /C idadeOp in io /C idadeOp in io /C idade ....................................................................................................................................................................................................................... 22222C idadeC idadeC idadeC idadeC idade ................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................ 33333

    C idadeC idadeC idadeC idadeC idade ................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................ 44444C idadeC idadeC idadeC idadeC idade ................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................ 55555C o l u n aC o l u n aC o l u n aC o l u n aC o l u n a ................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................ 66666

    Histria -Histria -Histria -Histria -Histria - Parte da definio de Histria: Narraometdica dos fatos notveis ocorridos na vida dos povos,em particular, e na vida da humanidade, em geral. Con-junto de conhecimentos adquiridos atravs da tradio e/ou por meio dos documentos, relativos evoluo, ao pas-sado da humanidade....

    (Fonte: (Fonte: (Fonte: (Fonte: (Fonte: Dicionrio AurlioDicionrio AurlioDicionrio AurlioDicionrio AurlioDicionrio Aurlio [editora Nova Fronteira]) [editora Nova Fronteira]) [editora Nova Fronteira]) [editora Nova Fronteira]) [editora Nova Fronteira])

    JORNALISMO: TELEFAX (62) 3357-4158/9657-1441/8425-2052/9949-4411

    [email protected] - www.jotacidade.com

    COMERCIAL: TELEFAX (62) 3357-4158/9657-1441/8425-2052/9949-4411

    JC (IMPRESSO): DESDE FEVEREIRO/2002 - JC (ON-LINE): DESDE SETEMBRO/2005

    Visite Uruau, Terra do Caju e do Lago Serra da MesaSe o Senhor no edificar a casa, em vo trabalham os que a constroem. - Salmo 126:1

    Uruau e o mundo ganham MemorialSerra da Mesa, complexo educativo,ecolgico, histrico, social, cultural...

    Prefeita de Uruau, Marisa (foto 1), com populares e autoridades (entre elas o reitor Wolmir Amado, da UCG; e, Roberto Malheiros, do ITS), momentos antes do corte da fita deinaugurao do Memorial, onde esto dezenas de atraes, como essa que retrata famlias pobres (2). Espao foi anunciado com grande Parada Cultural, na avenida Tocantins (3)

    URUAU GOIS, 1 DE OUTUBRO DE 2008 - EDIO 82 - ANO VII - R$ 2,50 WWW.JOTACIDADE.COMEDITOR-CHEFE: JOTA MARCELO

    Auditrio do SIM, em Uruau, dia 29: parte dos pescadores artesanais da nova Colnia

    Pescadores artesanais, com ColniaPescadores artesanais que

    atuam no Municpio de Urua-u e em Municpios lindeiros aolago Serra da Mesa participa-ram de Assemblia Geral dia

    29 de setembro, no auditrio doServio Imediato Municipal(SIM), para a criao oficial daColnia dos Pescadores Z-04do Lago Serra da Mesa. Uni-

    dades dos projetos Fbrica deGelo; e, Caminho Refrige-rado beneficiaro membros dapesca das regies envolvidas.

    Pgina 2

    As lentes de Marcello Jr., em colunaFotos diferenciadas, retratando ngulos de vrias reas. Aprecie a arte do uruauense.

    Pgina 6

    OPINIO/CIDADE - Pginas 2 a 5

    Inaugurado dia 26 de setembro, Memorial Serra da Mesa divisor de gua do cenrio cultural do Norte de Gois. Idealizao que impressiona, dentre outros fatores, pela sua riqueza dediversidade, se tornou realidade atravs de parceria entre a Prefeitura de Uruau, a Fundao de Desenvolvimento da Regio da Serra da Mesa e a Universidade Catlica de Gois (UCG),que, com muitos projetos e sonhos, foram ao encontro de outros parceiros nas esferas das iniciativas pblica e privada. Nesta edio especial, o leitor ganha mais (merecidos) conhecimentos.

    COLUNA

    Fotos: Mrcia

    Jota

    Jota

  • OPINIO/CIDADEOPINIO/CIDADEOPINIO/CIDADEOPINIO/CIDADEOPINIO/CIDADE2 - Jornal Cidade (PGINA POST(PGINA POST(PGINA POST(PGINA POST(PGINA POSTADA EM WWWADA EM WWWADA EM WWWADA EM WWWADA EM WWW.JOT.JOT.JOT.JOT.JOTACIDADE.COM)ACIDADE.COM)ACIDADE.COM)ACIDADE.COM)ACIDADE.COM) Uruau, 1 de outubro de 2008

    OPINIO/CIDADE ASSINATURAS para o Municpio de Uruau: Motta Filho(62) 9991-0870 * 3357-5374 * [email protected]

    EditorialMemorial: vale conhecer e saber

    Abrindo mais espao para o Memorial Serra da Mesa, inau-gurado dia 26 de setembro em Uruau, a Editoria-chefe do JCcompartilha o Editorial desta edio com:

    -Roberto Malheiros (professor/Instituto do Trpico Sub-mido [ITS], de Goinia-GO): O Memorial foi construdo porvrias mos e por vrios gigantes. O ITS foi criado,tambm, para ser grande mensageiro dessa misso.

    -Eunice Faria (secretria municipal de Educa-o de Uruau e presidente da Fundao de Desen-volvimento da Regio Serra da Mesa): Com o Me-morial, a partir de hoje Uruau tem nova histria.

    -Marisa dos Santos (prefeita de Uruau, peloPMDB): O Memorial uma faculdade da vida evai transformar vidas. O povo tinha um sonho e omesmo est realizado.

    -Professor Neilson Mendes (coordenador do curso de His-tria, da Universidade Estadual de Gois [UEG] - UnidadeUruau): O espao destinado cultura e produo do co-nhecimento o maior legado de uma cidade, e, isso que re-presenta o Memorial Serra da Mesa para Uruau.

    -D. Jos Silva Chaves (bispo emrito de Uruau): Marisa sbia, dinmica, tem competncia administrativa. Isso aqui,obra do Memorial, essa maravilha, um ponto de referncia.

    Memorial:idia de

    primeiraque j

    entrou paraa histria

    Imagem...

    ...Com o incio de operao da Usina Hidreltrica Serra da Mesa,ocorrido em 1998, FURNAS Centrais Eltricas S. A. (Rio de Janeiro-RJ) e CPFL Energia (Campinas-SP), empresas responsveis pelo em-preendimento, enxergaram a necessidade de repassar o comandodas aes de sade pblica por elas desenvolvidas para os Munic-pios envolvidos, no permitindo soluo de descontinuidade no pro-cesso. Da, dia 29 de agosto daquele ano, nasceu o hoje ConsrcioIntermunicipal de Desenvolvimento Integrado Serra da Mesa (CIDI-SEM), que tem sede em Uruau e que rene outros 11 Municpios:Alto Horizonte, Barro Alto, Campinau, Campinorte, Colinas do Sul,Estrela do Norte, Mara Rosa, Minau, Niquelndia, Nova Iguau deGois e Santa Rita do Novo Destino. Prefeita de Uruau pelo PMDB,Marisa dos Santos (foto) presidente do CIDISEM. Falando im-prensa em 26 de setembro, Marisa informou que a entidade renovoupor mais quatro anos o convnio que o CIDISEM mantm com FUR-NAS e a CPFL, totalizando R$2 milhes. Os recursos so emprega-dos no controle e na profilaxia da raiva em herbvoros; e, no controleda malria nessas localidades. Observa Marisa: A renovao docontrato importante. Ns conseguimos, para que os que estiveremnos comandos das Prefeituras a partir de janeiro, trabalhem com maistraqilidade, quanto a essa questo (Mrcia Cristina).

    -Professor Altair Sales (doutor em Arqueologia e Antropo-logia/ITS e vice-presidente da Fundao de Desenvolvimentoda Regio Serra da Mesa): Uma grande Nao se constricom a educao. Existe um fio de esperana para salvar o pla-neta.

    -Carlos Alberto Vidal de Oliveira (pro-fessor e, candidato a vereador de Uruau[PMDB]): o resgate da histria arqueol-gica, geomorfolgica, cultural de todos os ha-bitantes anteriores ao surgimento do lago Serrada Mesa, atingindo oito Municpios.

    -Wolmir Amado (reitor da UniversidadeCatlica de Gois [UCG]): O Memorial es-creve as histrias do povo de Uruau e deoutros lugares. Nesse dia indescritvel vimosUruau dar um passo histrico, em momento

    mgico.

    -Professor Alan Kardec (gelogo/ITS): Dentro de poucotempo, com eventos de grande monta entre quinta-feira e do-mingo, o Memorial poder receber de 10 mil a 12 mil pessoas.

    Memorial: idia de primeira que j entrou para a histria.Uruau ganha enorme referncia cultural e histrica. Que oleitor possa conhecer, tomar conhecimento, aumentando seusaber.

    Mrcia

    Antnio Machado (esq.), Felipe Brant e Domcio Vieira, no encontro: a Colnia foi criada

    Jota Marcelo

    Categoria cria Colnia dosPescadores, com sede em Urua-u. Entre os objetivos est o degarantir a defesa dos direitos einteresses coletivos ou individu-ais dos militantes artesanais.

    Pescadores artesanais com atu-ao no Municpio de Uruau eem Municpios lindeiros ao lagoSerra da Mesa participaram de As-semblia Geral dia 29 de setembro,no auditrio do Servio ImediatoMunicipal (SIM), quando foi ofi-cializada a criao da Colnia dosPescadores Z-04 do Lago Serra daMesa. O termo Z-04 devido ofato de essas representaes se-rem especificadas por zonas de-terminadas de atuao, dentro doterritrio nacional. Os pescadoresartesanais so responsveis hojepor cerca de 60 por cento da pes-ca nacional, o que representa maisde quinhentas mil toneladas/ano.

    Criada com prazo de atuaopor tempo indeterminado, a Col-nia uma associao civil daque-les que fazem da pesca artesanalsua profisso ou meio principal devida. Sediada na GO-237/PonteVelha (margens do lago), a entida-de tem ideal de desenvolver aes,com finalidade e representao es-pecficas de defender direitos, in-teresses dos associados, confor-me normas da Confederao Na-cional de Pescadores (CNP).

    O lago integra uma zona terri-torial, motivo pelo qual a Colniaj nasce com o mnimo de 150 ca-

    dastrados exercentes de pesca; oteto mximo ilimitado. Alm dospescadores artesanais, podero seassociar pescadores profissio-nais, desde que exeram ativida-des na categoria artesanal, aps aobteno das devidas matrculas.A Colnia poder contar com s-cios artesanais, scios coopera-dos e scios benemritos.

    Para a pescadora Ivonete Ro-drigues da Silva, a Colnia repre-senta fortalecimento da classe,pois alm de representar e defen-der os pescadores, unir mais osenvolvidos. Segundo AntnioMachado de Almeida, que se tor-nou presidente pioneiro da enti-dade, o surgimento da Colnia timo. um benefcio que es-pervamos h tempos. Tnhamosque nos organizar melhor, pois docontrrio seria impossvel a vindade algum benefcio, inclusive ossociais, como o seguro-defeso[espcie de seguro-desemprego].Temos luta danada no sentido defortalecer a classe de pescadores,disse ao JC. Assim ficou consti-tuda a diretoria da Colnia, almda presidncia - Tesoureira: Mag-na Maria de Oliveira Almeida. Se-cretria: Maria Natalino Morais.Conselheiros fiscais titulares ati-vos: Jaon Francisco de Souza, Ni-cola Manduca Neto e Vantuir Cris-tino de Amorim, que tm como su-plentes: Adelmo Pagno, Jos Eu-clides e Hebert Mendes Santana.

    Plano e Ministrio da PescaLanado no incio de agosto

    pelo governo federal, atravs da

    Colnia dos Pescadores fundada em Uruau

    EXPEDIENTEEditor-chefeEditor-chefeEditor-chefeEditor-chefeEditor-chefeJos Marcelo Lopes dos Reis (Jota Marcelo)

    Registro Profissional GO01589JP/DRT-GO

    Matriz: rua Minas Gerais, 37-A - bairro So Vicente - Uruau, Estado de Gois = Divulgao/Servios em Goinia: (62) 8425-2052Telefax (62) 3357-4158 - 9657-1441 - 8425-2052 = [email protected] = Jornal Cidade On-line: www.jotacidade.com

    FUNDADO EM 11 DE SETEMBRO DE 2001Exclusivamente editado pela

    CIDADE EDITORA JORNALSTICA LTDA,empresa situada em URUAU GOIS

    No

    jog

    ue e

    ste

    impr

    esso

    ou

    part

    e de

    le e

    m v

    ias

    pbl

    icas

    Filiado a Associao dasEmpresas de Jornais e

    Revistas do Estado de Gois(Assejor)

    Editores/ColaboradoresEditores/ColaboradoresEditores/ColaboradoresEditores/ColaboradoresEditores/ColaboradoresPoltica - Poltica - Poltica - Poltica - Poltica - Jota Marcelo/9657-1441Comunidades - Comunidades - Comunidades - Comunidades - Comunidades - Mrcio Sousa Filho/e-maile Cylene Gama/e-mailEsporte - Esporte - Esporte - Esporte - Esporte - Motta Filho/9991-0870Social - Social - Social - Social - Social - Mrcia Cristina (2197/DRT-GO)/8425-2052FFFFFotografia - otografia - otografia - otografia - otografia - Marcello Jr./9949-4411

    Editor-assistenteEditor-assistenteEditor-assistenteEditor-assistenteEditor-assistenteMrcio Sousa Filho

    Articulistas - Colaboradores do Articulistas - Colaboradores do Articulistas - Colaboradores do Articulistas - Colaboradores do Articulistas - Colaboradores do JCJCJCJCJCPe. Crsio Rodrigues/[email protected] Rogrio Espndula/[email protected] Cylene Gama/[email protected] Marconi Perillo/[email protected] Rodrigo Gabriel Moiss/[email protected] Mariano Peres/[email protected] Jos Carlos Mendona/[email protected] Lourencinho/(LICENCIADO)MAIS NOVIDADES.../(EM BREVE)

    Os artigos, colunas assinadas e entrevistas so de inteira responsabilidade de seus autores ou entrevistados, e no refletem necessariamente, a opinio do jornal. Os editores ou colaboradores e divulgadores ou servios no tm vnculos empregatcios com o jornal.

    Gerncia AdministrativaGerncia AdministrativaGerncia AdministrativaGerncia AdministrativaGerncia Administrativa(publicidade, assinatura(publicidade, assinatura(publicidade, assinatura(publicidade, assinatura(publicidade, assinaturae circulao):e circulao):e circulao):e circulao):e circulao):Mrcia Cristina (8425-2052)

    Circulao/Assinantes:Circulao/Assinantes:Circulao/Assinantes:Circulao/Assinantes:Circulao/Assinantes:Parte de Gois (Goinia einterior), parte do DistritoFederal, parte de outrosEstados e parte do exterior

    Divulgadores/Servios (comercial e jornalismo)Divulgadores/Servios (comercial e jornalismo)Divulgadores/Servios (comercial e jornalismo)Divulgadores/Servios (comercial e jornalismo)Divulgadores/Servios (comercial e jornalismo)Gois (interior) -Gois (interior) -Gois (interior) -Gois (interior) -Gois (interior) - Isomar Lopes, [email protected] do Jornal e Rodrigues Neto * Gois (Goinia) -Gois (Goinia) -Gois (Goinia) -Gois (Goinia) -Gois (Goinia) - Joo Souza e Mrcio Sousa Filho * Braslia-DF -Braslia-DF -Braslia-DF -Braslia-DF -Braslia-DF - Cida Carvalho

    Alzira (esq.), Ana Lcia e Adelmo Pagno exibem carteiras

    Secretaria Especial de Aqicultu-ra e Pesca da Presidncia da Re-pblica (SEAP/PR), o Mais Pescae Aqicultura (Plano de Desen-volvimento Sustentvel) conteraes com o objetivo de fomentara produo de pescado no Pas emetas a serem cumpridas at 2011.Alm de representar resposta crescente demanda mundial poralimentos, o Plano ser respons-vel pela gerao de empregos epelo aumento de renda dos traba-lhadores do setor. Na mesma oca-sio, em Salvador-BA, o presiden-te Lula (PT) assinou Medida Pro-visria (MP) transformando aSEAP/PR em Ministrio da Pescae Aqicultura (MPA). Com a mu-dana, o novo rgo passa a ternovas competncias para desen-volvimento de polticas voltadaspara o setor.

    Lula, que considera uma ver-gonha o fato de o Brasil (com 8,5milhes de quilmetros quadra-dos, 8 mil quilmetros de costa e190 milhes de habitantes) s pro-duzir 1 milho de toneladas depescado/ano, comparou o Pas,em agosto, com o Peru, que pescanove vezes mais e s tem 27 mi-lhes de habitantes, e, o Chile, quetem populao de apenas 13 mi-lhes e pesca o dobro do Brasil.

    Hoje ministro, o catarinenseAltemir Gregolin comanda o ago-ra MPA desde abril de 2006. Vete-rinrio com especializao em Ad-

    ministrao Rural e mestrado emDesenvolvimento, Agricultura eSociedade pela Universidade Fe-deral Rural do Rio de Janeiro (aUFFRJ), adentrou o rgo em no-vembro de 2004 como subsecre-trio de Desenvolvimento de Aqi-cultura e Pesca. No ano 2005, tor-nou-se secretrio adjunto daSEAP/PR. Antes, o titular da Pas-ta da Pesca foi Jos Fritsch, que,no cargo, visitou Uruau.

    Fbrica de Gelo e CaminhoRefrigerado para pescadores

    Dentro da estrutura do MPA,existem as representaes nos Es-tados e no Distrito Federal. Chefede Escritrio em Gois, DomcioVieira da Silva permanece algunsdias no Municpio de Uruau. Seuprimeiro compromisso oficial foiparticipar do encontro de 29 desetembro, quando exps srie deinformaes aos pescadores - quej integravam a Associao dosComerciantes e Barqueiros Arte-sanais do Lago Serra da Mesa (aACBALSE). Domcio orientou queos membros permaneam com asduas representaes. A Assem-blia decidiu que a Colnia vaisustentar a ACBALSE, informao dirigente Antnio Almeida, es-clarecendo que a colocao vaisustentar mera formalidade.Domcio aconselhou que a Col-nia seja filiada Federao dosPescadores do Estado de Gois.

    Motivando a classe, pontuou ovalor da existncia de entidadesfortalecidas. Para uma Colniaforte, Colnia essa que ter des-pesas, preciso que existam pes-cadores que contribuam regular-mente, pagando mensalidades.Para a Colnia, a contribuio men-sal ser de R$10. No encontroCarteiras de Pescadores (as) fo-ram entregues para registrados.

    Com a meta de beneficiar ospescadores artesanais, o MPA estimplantando Fbricas de Gelo epodem se cadastrar no projetoentidades privadas sem fins lucra-tivos e rgos da AdministraoPblica Direta, interessados emdesenvolver aes conjuntas deestruturao da cadeia produtivado pescado. O gelo o principalmeio de conservao da cadeia eseu acesso determinante para aatividade pesqueira, pois o pes-cado produto perecvel. A anli-se feita que boa parte da defici-ncia estrutural do setor est vin-culada ao acesso a esses meiosde conservao. Uruau foi o pri-meiro Municpio goiano que pe-diu o benefcio. Certamente, vo-cs pescadores daqui, receberouma unidade, disse Domcio, quesolicitou urgncia uruauense naelaborao de reivindicao de umCaminho Refrigerado. O Chefede Escritrio frisou que com umaunidade do Caminho possveltransportar peixe de um lado para

    o outro com segurana maior.Marisa dos Santos (PMDB),

    prefeita de Uruau, presidentedo Consrcio Intermunicipal deDesenvolvimento Integrado Ser-ra da Mesa (CIDISEM). Com sedeem Uruau, o CIDISEM coordenao funcionamento do projeto Uni-dade Demonstrativa de Criao dePeixes em Tanques-redes no Com-plexo de Reservatrios de Serra daMesa, idealizao em curso queincentiva melhorias econmicasnas vidas de famlias participan-tes. Dando emprego e renda, a ini-ciativa agrupa os Municpios deUruau, Niquelndia e Colinas doSul (lago Serra da Mesa); e, Mina-u (lago Cana Brava). Sobre a F-brica e o Caminho, ao JC Marisadisse que o CIDISEM no deixapassar nenhuma oportunidadequando a questo obter benef-cios para os pescadores locais.

    Presente ao evento e compon-do mesa, Felipe Brant de Carva-lho, secretrio executivo do CIDI-SEM, convidou (juntamente comDomcio) todos para participarem,s 9h do dia 2 de outubro no mes-mo local, da Reunio de Defini-o do Grupo de Trabalho paraElaborao do Parque Aqicolado Complexo de ReservatriosSerra da Mesa, em referncia aoPrograma Nacional de ParquesAqicolas Continentais, lanadapelo governo federal para organi-zar o setor e aumentar a produode pescados nacionais, garantin-do mais oferta ao mercado internoe mais produtos para exportaes.

    O propsito delimitar em to-das as regies brasileiras reaspropcias para o desenvolvimen-to ordenado de projetos de aqi-cultura, gerando expressivo au-mento na produo de pescados,a democratizao do uso dasguas pertencentes Unio, agerao de empregos, renda e in-cluso social. Felipe registrou queestaro presentes representantesda Coordenao-geral de Aqicul-tura Continental do MPA; de ou-tros rgos federais; alm de no-mes estaduais/municipais ligados aqicultura, ao meio ambiente.

    Fotos: Jota

  • CIDADECIDADECIDADECIDADECIDADE3 - Jornal Cidade (PGINA POST(PGINA POST(PGINA POST(PGINA POST(PGINA POSTADA EM WWWADA EM WWWADA EM WWWADA EM WWWADA EM WWW.JOT.JOT.JOT.JOT.JOTACIDADE.COM)ACIDADE.COM)ACIDADE.COM)ACIDADE.COM)ACIDADE.COM) Uruau, 1 de outubro de 2008

    Na avenida, contagiante Parada Cultural

    Muitas alas de atores/atrizespermanentes e espordicos, mui-tas cores, muitas performances,muitas cenas para despertar a aten-o da comunidade, muitas razespara fortes emoes, muitas his-trias, muitas apresentaes cul-turais. Outras muitas poderiam serinseridas aqui, tamanha a relevn-cia da realizao da Parada Cul-tural na tarde de 26 de setembro,na avenida Tocantins, via pblicacentral do Municpio de Uruau,que se transformou quando doanncio oficial da chegada do Me-morial Serra da Mesa, inauguradona noite daquela mesma data.

    Entre o Monumento PssaroGrande e o Museu Municipal DomFrancisco Prada Carrera, com dis-tintas apresentaes e manifesta-es de cultura popular da terra ede outros lugares, personagens,e, relquias materiais foram se su-cedendo. No teve quem deixas-se de centrar ateno ou de sau-dar os componentes do espetcu-lo coletivo. Entre os componen-tes, valorosos profissionais daeducao; alunado; servidores;atores; dirigentes artstico-cultu-rais; gente comum da sociedade.

    Marisa: Festa do povoQuantidade considervel de

    expectadores assistiu a Parada,que teve incio na hora divulgada.Para testemunhar a festa popular,muita gente buscou concentraoadequada na Tocantins. A repor-tagem anotou comparecimentosde pessoas de idades diversas,combinando com os integrantesda caravana cultural e histrica.

    Para Marisa dos Santos, pre-feita de Uruau pelo PMDB, omovimento teve, inclusive, intui-to de contagiar, empolgar, chamaras pessoas para a causa. O Me-morial, desde sua inaugurao, isso. Uma festa do povo, para opovo. Queremos que essa impor-tante novidade atraia cada vez

    mais o povo para seu interior, afi-nal dentro do Memorial esto atra-tivos inestimveis, comemora.

    Explicando que o Memorial,com seus setores, um complexomultidisciplinar voltado para aeducao, o meio ambiente, res-gate da memria pr-histrica, his-trica, social e cultural do Muni-cpio e da regio, Marisa incenti-va o envolvimento do alunado coma novidade, classificada por ela defaculdade da vida. Para a pre-feita, conforme mostra o Editori-al desta edio, o povo tinha umsonho e o mesmo est realizado.

    Para apresentarem costumesdeles e regionais, entre os que atra-vessaram parte da avenida, esta-vam legtimos representantes datribo Kariri-xoc, moradores da re-serva indgena Bananal/setor No-roeste, tudo dentro do Santuriodos Pajs - uma rea, sob confli-to, dentro do Distrito Federal. Maspara liderar os ndios visitantes,Uruau recebeu uma animada n-dia: Tanon. Enfim, animada gamade colaboradores mandou ver,com exposies basicamente liga-das histria dos antepassados.

    De um casal caracterizadocomo Cndida e Coronel Gaspar(o fundador da hoje Uruau). Pas-sando pela figura do primeiro pre-feito local (representado pelo his-toriador Ezecson Fernandes deS); passando pela figura de Bel-chiolina Alves Teixeira (Tia Bel),durante anos dona de pontos decabars (o que no nada de ou-tro mundo). E, chegando aos tem-pos atuais, muita histria foi con-tada, o que continuou dentro doMemorial - Museu de Histria Na-tural; Abrigo Pr-histrico; AldeiaIndgena; Vila Cenogrfica; Qui-lombo; Concha Acstica; Centrode Treinamento; rea de Cam-ping. Cada reduto com sua genteinterpretando e, com gente parti-cipando, divulgando o complexo(Jota Marcelo/Mrcia Cristina).

    Movimentado anncio oficial da inaugurao do Memorial Serra da Mesa ofereceu dezenas de apresentaes e manifestaes culturais populares na avenida Tocantins, Centro de Uruau.

    Casal na vida real, Carmosina Ribeiro de Freitas e Dety Fernandes de Carvalho fizeraminterpretaes de Cndida Martins Pereira e Coronel Gaspar Fernandes de Carvalho.Ele, o fundador do Municpio de Uruau. Na Parada Cultural, representaes de primeira

    No papel de primeiro prefeito de Uruau (Francisco Fernandes de Carvalho), historiadorEzecson Fernandes de S ficou emocionado e emocionou o pblico da Parada Cultural

    Habitantes das cavernas: sim, a regio possua inmeras!

    A representao perfeita das fiandeiras de algodo, numapoca em que todo tecido tinha origem bem diferenciada

    Vivi (da sanfona p-de-bode [oito baixos]) e outros ferasintegram aes que resgatam em Uruau a Dana Chimite

    Bois na subida da Tocantins, como nas antigas ladeiras...

    ...Puxam o carro, com a famlia l dentro. Bonita histria!

    Al, al Belchiolina Alves Teixeira (Tia Bel)!!! A senhoramaior da Casa da Luz Vermelha ganhou homenagem, napele de Osmarina Rosa Glavo (foto) (e as suas meninastambm foram lembradas). E olha a PINGONA 29 DA BOA!

    O rangir dos faces ecoou por todos os lados da Tocantins Cairo Terra: educador, apresentador e grande atoooorrr!!!

    Grupo Quilombola, de Minau. Dana do Tambor em destaque: riqueza cultural regionalO servidor pblico D virouEsttua, pra orientar o povo

    De famlia tradicional, Vany Custdio cavaleiro/tropeiro

    Fotos: Jota e Mrcia

  • CIDADECIDADECIDADECIDADECIDADE4 - Jornal Cidade (PGINA POST(PGINA POST(PGINA POST(PGINA POST(PGINA POSTADA EM WWWADA EM WWWADA EM WWWADA EM WWWADA EM WWW.JOT.JOT.JOT.JOT.JOTACIDADE.COM)ACIDADE.COM)ACIDADE.COM)ACIDADE.COM)ACIDADE.COM) Uruau, 1 de outubro de 2008

    Inaugurado o Memorial Serra daMesa, til espao para a eternidade

    Texto: Jota MarceloFotos: Mrcia Cristina

    Autoridades poltico-adminis-trativas, religiosas, educacionaise populares assistiram na noitede 26 de setembro em Uruau, ainaugurao do Memorial Serrada Mesa, cravado s margens dolago de mesmo nome, na GO-237,distante apenas sete quilmetrosasfaltados do Centro de Uruau.

    Uma idealizao da Prefeiturade Uruau, nascida do sonho gran-de da prefeita Marisa dos Santos(PMDB), que com sua equipe eseus parceiros, no poupou con-centrao de esforos para com acausa. Iniciativa tambm da Fun-dao de Desenvolvimento da Re-gio Serra da Mesa, presidida porEunice Faria, secretria municipalde Educao local.

    Na relao de parceiros, est oInstituto do Trpico Submido(ITS), brao da Universidade Ca-tlica de Gois (UCG), da capital,responsvel pela parte tcnica daedificao e que se baseou no Me-morial do Cerrado, igualmenteconstrudo pelo mesmo, situadoem Goinia. Com rea de 20 mil me-tros quadrados, o complexo mul-tidisciplinar uruauense est vol-

    tado para a educao, o meio am-biente, resgate da memria pr-histrica, histrica, social e cultu-ral do Municpio e da regio.

    O Memorial se torna realidade,contando com o Museu de Hist-ria Natural, Abrigo Pr-histrico,a Aldeia Indgena, Vila Cenogrfi-ca, Quilombo, Concha Acstica,Centro de Treinamento, e, rea deCamping. Cada setor, detentor defortes representatividades, co-mentado na pgina seguinte. Aomesmo tempo, finalidade do Me-morial, conforme a direo: O pro-jeto estimula a gerao de novosofcios, como oficinas artesanais;paisagismo voltado para os par-ques temticos e cermica; incen-tivo a pesquisa fundamental, apli-cada e experimental; e, tambm oestudo do valor medicinal dos fi-toterpicos. Ele ainda favorece ointercmbio organizacional, cien-tfico e cultural com diversas ins-tituies [...].

    Visitao, com espetculosQualificadssimos para apre-

    sentarem o Memorial, ProfessorAltair; Roberto Malheiros (Profes-sor Roberto); e, Alan Kardec Al-ves de Oliveira (Professor Alan) -ambos do ITS -, trabalham ardua-mente de tempos pra c e, ainda

    arrumam espao para apresenta-ram o espao. Os trs, juntamentecom a prefeita, os assessores e co-laboradores, se desdobraram paraapresentar a enorme obra paraautoridades, personalidades epblico em geral, que atendendoconvites, compareceram.

    Tambm projetado para resga-tar a histria de regies atingidaspela construo da Usina Hidre-ltrica Serra da Mesa, que entrouem operao no ano de 1998, oMemorial engrandece Uruau e aregio, ponto turstico e servede fundamento estrondoso paraestudos e levantamentos contnu-os histricos e culturais, com aclasse estudantil, entre o primrioe o superior, passando a ser alia-da permanente do complexo mul-tidisciplinar. Dialogando com aimprensa na manh do dia da inau-gurao, Marisa relembrou que,com a construo da Hidreltricahouve grande impacto ambientale grande impacto social nesta re-gio, com muitas famlias deixan-do suas terras, as suas origens. Oque fizeram? Elas foram para as ci-dades prximas, deixando parte docerrado e de suas histrias debai-xo das guas. O Memorial resgataesses valores. Por isso, entre ou-tros fatores, classifico que ele

    uma faculdade da vida. O Memo-rial vai transformar vidas. Expres-sou ainda que a novidade foi pen-sada com propsitos de fins edu-cativos; e, de incentivo ao turis-mo e ecoturismo. Ns estamos,tambm, gerando mais empregos,concluiu.

    Essas e outras falas foram es-pelhadas aps os atos de descer-ramento da placa; da bno feitapor d. Jos Silva Chaves (bispoemrito de Uruau); e, do cortesimblico da fita colocada no por-to central. Foi quando uma mul-tido adentrou o Memorial, pas-sando a visitar os atraentes seto-res criados, conjunto bem elabo-rado, com dedicao histria doMunicpio e de outros de Gois.

    Tendo como condutor o Pro-fessor Altair - de microfone na moe conhecimento profundo na men-te -, o cerimonial foi seguindo, osespetculos se sucedendo nostrajetos do Memorial. Receberamvisita coletiva os setores: Museude Histria Natural; Abrigo Pr-histrico; Aldeia Indgena; VilaCenogrfica; Quilombo; ConchaAcstica; e, Centro de Treinamen-to. Por onde passavam, autorida-des, personalidades e povo de-paravam com espetculos encena-dos pelos personagens que des-

    filaram em parte da avenida Tocan-tins (Centro) no perodo da tarde,durante a Parada Cultural. Du-rante permanncia na Concha, fo-ram apresentadas canes musi-cais. Oportunidade em que todosos figurantes se juntaram para se-rem mostrados de uma s vez aopblico, que aplaudiu bonitamen-te.

    Enfim, conforme o JC publicouanteriormente, entre a manh dodia 26 (reunio com a imprensa) ea tarde do dia seguinte (apresen-taes itinerantes artstico-cultu-rais, na estrutura do Memorial), aprogramao de inaugurao foirepleta de atividades. Dentro des-se perodo, foram disponibilizadasOficinas Rurais e Interativas.

    Na parte final da inauguraonoturna de 26 de setembro, os vi-sitantes se dirigiram at o Centrode Treinamento, abrigado por pre-cioso auditrio que Uruau ga-nhou. No palco do CT, mais espe-tculos: Sons do Cerrado, da UCG,que tem como base pesquisa emcampo das msicas dos povos docerrado, realizada pelo Centro deFolclore e Histria Cultural, doITS. Tambm: msicas da BigBand (da Polcia Militar do Esta-do de Gois [PM-GO]), que seapresentou em conjunto com aBanda Sinfnica do Centro Fede-ral de Educao Tecnolgica (CE-FET-GOIS). No mesmo reduto,novamente os ndios da tribo Ka-riri-xoc atraram olhares atencio-sos e dessa feita prestaram, ain-da, homenagem a prefeita Marisa,aniversariante do dia 23.

    Autoridades e popularesFora as autoridades e persona-

    lidades parceiras mencionadas namatria, compareceram: WolmirAmado, reitor da UCG (com ele,uma caravana de pessoas, como aprofessora Sandra de Faria, pr-reitora de Ps-graduao e Pes-quisa da instituio); Paulo CsarPereira, diretor-geral do CEFET-GO (idem, Joo Barbosa da Silva,diretor da Unidade Uruau); Mar-ly Carrijo, diretora da Universida-de Estadual de Gois (UEG) - Uni-dade Uruau; Ary Soares dosSantos, superintendente do Insti-tuto Brasileiro do Meio Ambientee dos Recursos Naturais Renov-veis (IBAMA), em Gois; e, LusCarlos Moreira Dias, gerente daCaixa Econmica Federal (CEF)/Uruau.

    Eugenio Montenegro, diretorregional dos Correios de Gois,acompanhado de Amarildo Fer-nandes Teixeira (diretor da RegioOperacional 04 [Reop]) e NivaldoJanurio (gerente dos CorreiosUruau), incentivou o empreendi-mento. A Empresa de Correios eTelgrafos (ECT) lanou carimbocomemorativo e conjunto de seisselos personalizados, focando oMemorial (leia ao lado).

    Do quadro de auxiliares da pre-feita, estavam, dentre outros: ElioCunha, vice-prefeito; Elias Bernar-do Campos (secretrio de Infra-Estrutura); Ademir Sandoval (Sa-de) - alm de nomes diversos dosegundo e terceiro escales. Dosnove vereadores de Uruau, o JCavistou Edilson Bispo (PR) e JoeliGomes (PMDB).

    Idealizao, sob parceriaInformaes da Prefeitura de

    Uruau e da Fundao do contaque a obra do Memorial consu-miu cerca de R$4 milhes, via apli-cao de recursos municipais e fe-derais. Verbas de emendas parla-mentares. E, apoio de Ministri-os, como o do Turismo; da Inte-grao Nacional; e, da Cultura(atravs da Lei Rouanet), sob par-ceria com FURNAS Centrais El-tricas S.A. e Anglo American, tam-bm foi alcanado. Alguns doconjunto de parceiros que ajuda-ram construir o Memorial, estavampresentes na cerimnia e por vri-as vezes a prefeita destacou o va-lor deles na luta por ideais.

    O endereo postal do Memori-al : avenida Generosa Fernandesde Carvalho, sn, Balnerio LagoSereno, CEP 76400-000, Uruau-GO/Brasil. E-mail: [email protected] Site,em planejamento e construo, www.memorialserradamesa.com.br.Contatos: (62) 3357-4118 ou 4100.

    O Memorial Serra da Mesa ga-nhou homenagem de repercussonacional j no dia de sua inaugu-rao. A Empresa Brasileira deCorreios e Telgrafos (ECT) lan-ou carimbo comemorativo e umconjunto de seis selos personali-zados, alusivos ao espao.

    Os selos retratam a composi-o de meia dzia de temas moti-vadores do Memorial, caracteri-zados em cones de rara beleza eprimor tcnico, uma inspirada cri-ao da artista plstica LarissaMalty, que com certeza valoriza apea e sintetiza, com primor, osideais de criao deste monumen-to humanidade, disse em dis-curso o diretor regional dos Cor-reios de Gois, Eugenio Monte-negro, na cerimnia de inaugura-o, na noite de 26 de setembro,no Centro de Treinamento doMemorial Serra da Mesa.

    Homenageados com selosPor iniciativa da Prefeitura de

    Uruau, foram entregues seis car-telas com os selos para parceirosdo Memorial. Uma homenagemjusta, reconhecendo a prestezadesses nossos parceiros, dissea prefeita Marisa Arajo (PMDB).Para Montenegro, trata-se de pe-as filatlicas de inestimvel va-lor. O carimbo fica exposto por 30dias na agncia dos Correios.

    Entre os agraciados com a hon-raria, constam a Universidade Ca-tlica de Gois (UCG/Goinia); oCentro Federal de Educao Tec-nolgica (CEFET Gois) - Unida-de Uruau; a Universidade Esta-dual de Gois (UEG) - UnidadeUruau; a Faculdade Serra daMesa (FaSem/Uruau); o Institu-to Brasileiro do Meio Ambiente edos Recursos Naturais Renov-veis (IBAMA) - Superintendnciado IBAMA em Gois-SUPES/GO;e, o Colgio Nossa Senhora Apa-recida (CNSA/Uruau) (MrciaCristina).

    ECT lanacarimboe selos

    Prefeita de Uruau, Marisa dos Santos (dir.); vice-prefeito Elio Cunha; reitor da UCG, Wolmir Amado; padre ClcioNogueira; bispo emrito Jos Chaves; Professor Altair; e, populares testemunham um dos espetculos da inaugurao

    Eunice Faria, secretria municipal de Educao de Uruau e presidente da Fundao de Desenvolvimento da Regioda Serra da Mesa, abriu os discursos, quando da inaugurao do Memorial Serra da Mesa, na noite de 26 de setembro

    Os seis selos personalizadosfocam novssimo Memorial

    Montenegro, diretor da ECT,no decorrer do lanamento

    ndios Kariri-xoc, num dos pontos mgicos da cerimnia Espetculos-aplausos: cenas j so comuns no Memorial

    Altair e Roberto, com Marisa: apresentao do Memorial Grupo Sons do Cerrado (UCG): alegria, com msicas jias

    Divulgao

  • CIDADECIDADECIDADECIDADECIDADE5 - Jornal Cidade (PGINA POST(PGINA POST(PGINA POST(PGINA POST(PGINA POSTADA EM WWWADA EM WWWADA EM WWWADA EM WWWADA EM WWW.JOT.JOT.JOT.JOT.JOTACIDADE.COM)ACIDADE.COM)ACIDADE.COM)ACIDADE.COM)ACIDADE.COM) Uruau, 1 de outubro de 2008

    Artigo

    Conheo um local,longe daqui, a que os n-dios chamavam de Uru-au, ou seja, onde o Uru grande e os habitantesmodernos chamam de rioMaranho, onde o riodas Almas que vem dosPirineus, chega carrega-do de peixes.

    Contam certa vez, emtempos recentes, que oSonho, sentido-se fracodiante da esplendorosadestruio da me nature-za, vendo os riachos degua cristalina secarem,percebendo a eroso cor-roer os valores humanos,ficou pensativo, sentadonum canto quietinho. En-to, esperou uma noite delua prateada e saiu pelomundo afora. Depois deandar vrios dias, j can-sado procurou descansonuma encruzilhada deuma estrada de areia bran-ca e a garrou no sono.Depois de algumas horas despertado por um rudosemelhante a parada deescola em dia de feriado.

    De longe, reconheceuuma velha amiga que em-punhava uma grande ban-deira branca. Era a Utopiaque por ali passava.

    Ao avistar o Sonho todeprimido, a Utopia lhe in-dagou, o que faz por essasbandas meu amigo? Foiquando o Sonho narrousua histria de tristeza edecepo.

    A LENDA DOMEMORIAL SERRA DA MESA

    Depois de ouvir atenta-mente a histria, a Utopiaretrucou:

    Muitas vezes, tambmfico igual a voc, com von-tade de virar as costas paraos homens e ir embora jun-tamente com a estrela damanh, mas esta bandeirabranca sempre impede aminha atitude, porque elacarrega no corao o brilhoda esperana, fato que nosfaz pensar que uma biqui-nha de gua pode-se trans-formar numa torrenge rugi-dora.

    Foi ento que o Sonho in-dagou:

    O que a amiga Utopiapode fazer para que eu pos-sa recuperar a juventude dosonhar.

    Sonhar com as bonan-zas, com a igualdade entreos homens, com os passa-rinhos um dia novamentenos galhos das rvores,com os riachos de gua lim-pa, sonhar com a bondadebrilhando nos cantos dessemundo!

    Precisaremos da com-panhia do amigo Trabalho,respondeu a Utopia.

    Por onde anda esse nos-so companheiro? Indagou oSonho.

    Neste meio tempo, nocentro de um redemoinhoeis que vai passando o Tra-balho. Ao ver seus amigosna encruzilhada ele pergun-ta:

    O que vocs esto fazen-do por estas bandas?

    Numa voz unssona, oSonho e a Utopia responde-ram. Estvamos falando noseu nome, para nos ajudara construir um lugar, ondeos viventes pudessem na-vegar nos seus sonhos e aUtopia pudesse despertarnas pessoas a vontade deconstruir um mundo novo.

    O Trabalho pensativo res-ponde:

    Eu tambm ando vagan-do, quase sem direo. Ostempos de ociosidade, mecorromperam na essncia.Desiludido, resolvi pegarcarona nos redemoinhosdos ventos, buscando tam-bm algo que preencha mi-nha felicidade.

    Ns trs, at podemos fa-zer algum alicerce, mas sequisermos construir o cami-nho, a vida, o despertar deum mundo novo, temos queurgentemente encontraraquela vossa velha compa-nheira denominada Sabe-doria.

    E por onde ela anda? In-dagaram o Sonho e a Uto-pia.

    No sei. Respondeu oTrabalho. E, continuandosua fala narrou: a ltima no-tcia que tenho que ela foivista vagando numa canoade casca de jatob, buscan-do as cabeceiras do rio Uru.

    Se vocs quiserem, po-demos procur-la.

    E assim, saram os trs:o Sonho, a Utopia e o Tra-balho em busca da Sabedo-ria. Aps dias de caminha-da, eis que a encontram re-pousando entre as rochasdas cabeceiras do rio Uru.

    Depois de algum tempo,os trs narram as suas de-siluses. E, aps algunsminutos indagam: o que po-demos fazer?

    Foi quando a Sabedoriaento falou:

    Conheo um local, longedaqui, a que os ndios cha-mavam de Uruau, ou seja,onde o Uru grande e oshabitantes modernos cha-mam de rio Maranho, ondeo rio das Almas que vem dosPirineus, chega carregadode peixes.

    L existe um local, ondetalvez pudssemos fincarum marco que funcionassecomo o farol de um novocaminho.

    E assim, resumindo ahistria, rumaram para olocal e l fundaram o Me-morial Serra da Mesa, comseus espaos que lem-bram, questionam e apon-tam.

    Assim da unio do So-nho com a Utopia, o Tra-balho e a Sabedoria, nas-ceu o Memorial Serra daMesa.

    Quem passa por aque-las bandas, dizem queavistam um grande portal,onde se l: o rio que pas-sa, fica. Dizem tambm osmais supersticiosos, queeste portal representa apassagem de um mundoreal para um mundo de uto-pias e que uma vez l den-tro, os sonhos se multipli-cam nas mentes das pes-soas.

    Contam os mais sbiosque s vezes esse Memo-rial funciona como umatempestade que aterrorizaas pessoas na escurido,mas que ao amanhecermostra os caminhos quese abrem. Dizem aindaque quando o vento soprade leste para oeste tocan-do as copas das rvores,ouve-se ao longe um rudoque se mistura aos cantosdos pssaros dizendo:

    ... o caminho! o caminho! o caminho!

    Uruau, 26 de setembrode 2008.

    Altair Sales Barbosa(Professor Altair) reside emGoinia-GO e, dentre ou-tras qualificaes, doutorem Arqueologia e Antropo-logia. membro do Insti-tuto do Trpico Submido(ITS) e vice-presidente daFundao de Desenvolvi-mento da Regio Serra daMesa

    Altair Sales Barbosa

    Memorial, espao com setores temticosJota Marcelo/Mrcia Cristina

    Criado para beneficiar infini-dade de interessados (e eles exis-tem de sobra), o Memorial Serrada Mesa ganhou inaugurao comgrande movimentao, numa mos-tra do que ser o complexo multi-disciplinar. Espao tem setorestemticos, levando o visitante a vi-agens marcantes.

    Apresentando temas atrativos,o Memorial se torna realidade con-tando com o Museu de HistriaNatural, Abrigo Pr-histrico, aAldeia Indgena, Vila Cenogrfi-ca, Quilombo, Concha Acstica,Centro de Treinamento, e, reade Camping. Cada setor detmforte representatividade e tem con-tedos para oferecer aos visitan-tes e estudantes em geral.

    Ao mesmo tempo, finalidadedo Memorial, conforme a direo(sob coordenao maior da Pre-feitura de Uruau; e, da Fundaode Desenvolvimento da RegioSerra da Mesa, hoje presidida porEunice Faria, secretria municipalde Educao local): O projeto es-timula a gerao de novos ofci-os, como oficinas artesanais; pai-sagismo voltado para os parquestemticos e cermica; incentivo apesquisa fundamental, aplicada eexperimental; e, tambm o estudodo valor medicinal dos fitoterpi-cos. Ele ainda favorece o intercm-bio organizacional, cientfico e cul-tural com diversas instituies[...].

    Qualificadssimos para apre-sentarem, de todas as formas, oMemorial, nomes do ITS - Profes-sor Altair; Roberto Malheiros(Professor Roberto); e, Alan Kar-dec Alves de Oliveira (ProfessorAlan) -, ganham assdios perma-nentes para exercerem o ofcio. OProfessor Altair garante que Uru-au o primeiro Municpio interi-orano do Brasil a contar com com-plexo desse naipe. Ao apresentaro complexo, na inaugurao de 26de setembro, ele narrou s autori-dades, personalidades e ao pbli-co a histria sobre a formao docosmos e sobre o cerrado (desdeo perodo pr-cambriano at a atu-alidade). Toda a estrutura filos-fica est pautada em textos cient-ficos e nos documentos escritospor Charles Darwin em A Origemdas Espcies, publicado no anode 1856, disse o professor em re-lao ao espao.

    Detalhando como se formaramas comunidades de animais na re-gio, como foi o desenvolvimen-to, a criao de caractersticas ti-das como nicas, para sobreviver,Malheiros faz ligao com o Me-morial, pregando que uma das me-tas do santurio, destacando oMuseu de Histria Natural, mu-dar o modelo predador em relaoaos animais e ao meio ambiente.

    Marisa dos Santos (PMDB),prefeita de Uruau, tem a viso deque o Memorial nasceu para to-dos. As pessoas vo poder usu-fruir do Memorial Serra da Mesa,sem indiferena alguma. Aquiquem manda o povo, adianta achefe do Poder Executivo em se-gundo mandato.

    -Museu de Histria NaturalEspao composto por um con-

    junto de exposies, painis e ce-nrios. Representa, por meio defragmentos seqenciais e globais,

    a histria evolutiva da regio daSerra da Mesa, incluindo a ocu-pao humana, inserida no con-texto do Sistema Biogeogrfico doCerrado e as relaes com a evo-luo do Planeta Terra.

    -Abrigo Pr-HistricoRepresenta o habitat dos pri-

    meiros seres humanos que chega-ram regio h 11 mil anos. Aolongo das escarpas desta Serra,inmeros abrigos hoje inundadospelo lago, serviram como habita-o e locais de cerimoniais dosprimeiros povos indgenas que vi-viam ao longo do rio Tocantins.

    -Aldeia IndgenaRplica, em tamanho original,

    de uma aldeia indgena modeloTimbira. Em formato circular, cadacasa tem um caminho de acessoao ptio, o centro de atividadesda tribo. A aldeia retrata o cotidia-no dos ndios, seus costumes emateriais usados no dia-a-dia. Se-gundo dados de Arqueologia e deEtno-histria, esses povos tradi-cionalmente ocupavam o vale dorio Tocantins desde as cabeceirasmais altas do rio Uru.

    -Vila CenogrficaRepresenta um arraial tpico do

    incio da colonizao portuguesana regio e salienta alguns feitosarquitetnicos de Uruau eTrayras: um monumento nossamemria histrica, econmica, cul-tural e social.

    -QuilomboStio geogrfico de sobrevivn-

    cia e resistncia de escravos deorigem africana, que fugiam dasfazendas e garimpos em busca deuma vida mais digna. Representaa organizao social, econmica emilitar dos quilombolas, persegui-dos pelos capites do mato,que contavam com proteo e res-paldo do Estado e dos propriet-rios rurais.

    -Concha AcsticaO espao abrigar as manifes-

    taes artsticas e culturais e asreunies de descanso das pesso-as que visitam o Memorial Serrada Mesa.

    -Centro de TreinamentoNeste espao sero promovi-

    dos encontros regionais e locais,congressos, treinamentos, cursos,palestras e oficinas dirigidas aopblico de Uruau e regio.

    -rea de CampingEspao com infra-estrutura

    completa, destinado aos visitan-

    tes que queiram pernoitar ou pas-sar temporada de frias e aprovei-tar as belezas que o local oferece.

    Cabeas pensantesMais que o trio de educadores

    do ITS, outras pessoas esto en-volvidas na idealizao do Memo-rial Serra da Mesa. Bom exemplo Marisa, que surpreendeu e surpre-ende pela sua determinao e fa-cilidade para estimular os que atu-aram e atuam. Todas as pessoasque passaram, todos que perma-necem por aqui, merecem a nossaconsiderao e o nosso respeito.Desde os mais simples operrios,aqui no Memorial esto marcas depessoas diversas, salienta a pre-feita, que ressalta: o complexo foifeito pelo povo, para o povo.

    J que o assunto povo, a ser-tanista-escritora Sinvaline Pinhei-ro, filha de Uruau, responsvelpor trabalho recheado de elogios,em prol do desafio. Simples e dis-

    creta at demais, uma guerreiraque devia permanecer no cotidia-no do Memorial at o dia em quese sentisse bem (ateno, quemfor administrar Uruau entre2009 e 2012!). Sinva correu-cor-re atrs, vasculhou-vasculha su-portes materiais (como velhas te-lhas l postas) e humanos (comoos que forneceram informaessobre antepassados), com preten-so de qualificar tudo. SegundoMarisa, Sinvaline exemplo su-blime, atuando com conhecimen-to, dedicao, responsabilidade.

    So os cabeas pensantes quedo forma a recriao de tantaspreciosidades da histria dos po-vos da regio. O Professor Alanpraticamente morou em Uruaunos ltimos tempos, comentamamigos dele e profissionais envol-vidos com o Memorial. Para omesmo, no faltar pblico visi-tante. Devido a riqueza e a diver-sidade do Memorial, ele no deve

    ser visitado com pressa, orienta.

    Administrao do MemorialO Memorial, que tem tudo para

    ser gerido por centros de ensinossuperiores existentes no Munic-pio (e em outros envolvidos), de-ver lidar com planejamentos vin-dos de conselho cientfico a serconstitudo. A idia, no definida100 por cento, de que seriam jun-tados na gesto, o Centro Federalde Educao Tecnolgica (CEFETGois) - Unidade Uruau; a Uni-versidade Estadual de Gois(UEG) - Unidade Uruau; a Facul-dade Serra da Mesa (FaSem/Uru-au); a Universidade Vale do Aca-

    Professor/gelogo Alan: praticamente morou em Uruau

    Sertanista Sinvaline Pinheiro, de atuao maiscula, num dos cantinhos do Memorial

    ra (UVA); a Eadcon - Ensino aDistncia (Ca Universidade Virtu-al de Gois [UVG]/Plo Uruau);e, o Instituto Diocesano de Filo-sofia - Seminrio Maior So Jos(Diocese de Uruau).

    Por meio do Instituto do Tr-pico Submido (ITS), a Universi-dade Catlica de Gois (UCG/Goi-nia) est de portas abertas paraque parceria formal seja realidadetambm para o futuro. Citar taisinstituies na matria serve parareforar a idia do quanto o pla-nejamento do Memorial (que nodeve ser misturado/confundidocom inteno de construir praia ar-tificial) foi e bem pensado.

    CNPJ - 09.956.138/0001-33CNPJ - 04.818.128/0001-18

    Fotos: Mrcia

  • COLUNACOLUNACOLUNACOLUNACOLUNA6 - Jornal Cidade (PGINA POST(PGINA POST(PGINA POST(PGINA POST(PGINA POSTADA EM WWWADA EM WWWADA EM WWWADA EM WWWADA EM WWW.JOT.JOT.JOT.JOT.JOTACIDADE.COM)ACIDADE.COM)ACIDADE.COM)ACIDADE.COM)ACIDADE.COM) Uruau, 1 de outubro de 2008

    CLICADAS do Marcello Jr.Marcello Jr.Deparou com algo interessante para ser fotografado? Entre em contato com a coluna

    Como aluno da Faculdade Cambury (Fotografia e Imagem), este colunista foi atuar emreportagem feita para a matria de Fotojornalismo, juntamente com o colega de salaJoo Antonio Tavares. Registramos como a poluio do crrego Capim Puba (Goinia)atinge a populao ribeirinha. Na foto, a desempregada Maria de Ftima da Silva, 42anos, que relatou: a gua chega a invadir os barraces em dias muito chuvosos

    Em meio a tanta poluio do crrego Capim Puba, possvel encontrar animaisque se abrigam nas redondezas, buscando alimentos e moradia para suas crias

    Plena avenida T-2 (Goinia), nas margens do crrego Cascavel: entreos setores Bueno e Sol Nascente, h uma criao de bodes e cabras

    Na TRASH foram exibidos filmes e curtas de todo o Pase tambm o mais recente filme de Z: A Encarnaodo Demnio. A definio trash vem do ingls lixo e amaioria dos 250 inscritos se encaixava no tema

    O produtor carioca Ivan Cardoso, mestre do cinematerrir, que fez sucesso nos anos 80, teve seus filmesexibidos no sbado, dia 20 de setembro

    Em outra rea do Cascavel, tambm afetadopela poluio, uma gara divide o ambientecom pneus, garrafas PET e/ou dejetos

    Na programao da TRASH - 4 MOSTRA GOIANA DE FILMES INDEPENDENTES,realizada em Goinia entre os dias 19 e 21 de setembro, o idealizadorMrcio Jnior (produtora Monstro Discos) trouxe Jos Mojica Marins(o Z do Caixo) e Ivan Cardoso (o mestre do terrir - mistura de terror ecomdia). Venderam livros e DVDs de produes prprias e, deram autgrafos

    AS CENAS URBANA E RURAL DO MUNICPIOSO BENS PRECIOSOS DO PODER PBLICO

    E DA COMUNIDADE. INCENTIVAR OZELO DO PATRIMNIO PBLICO

    UMA DAS FUNES DA ADMINISTRAO.PARA QUE A ORDEM SEJA PRESERVADA

    PRECISO QUE A POPULAO DE URUAU E OSVISITANTES AJUDEM, NO PERMITINDO QUE

    AGRESSES SEJAM PROVOCADAS.

    ZELE DO PATRIMNIO PBLICO DE URUAU

    CN

    PJ -

    09.9

    88.7

    48/0

    001-

    19 -

    CN

    PJ 0

    4.81

    8.12

    8/00

    01-1

    8 CPF 222.475.438-80 - CNPJ 04.818.128/0001-18