of 20 /20
FOTO: LINDOMAR FOTÓGRAFO Conquiste seu automóvel ou caminhão com parcelas que cabem no seu bolso. Venha conhecer nossas novas taxas e prazos! FINANCIAMENTO SICOOB VEÍCULOS LAGOA DA PRATA Av. Benedito Valadares, 590 - Centro - Lagoa da Prata/MG - Telefax (37)3262-5600 MOEMA Rua Tupinambás, 325 - Centro - Moema/MG - Telefax (37) 3525-1577 ESTEIOS Praça João Batista do Couto, 460 - Centro - Esteios distrito de Luz/MG - Telefax (37) 3425-1213 JAPARAÍBA Av. Francisco Tavares de Moraes, 193 - Centro - Japaraíba/MG - Telefax (37) 3354-1105 Página 18 Página 04 Vereadores mirins tomam posse em Lagoa da Prata ALUNOS DA ESCOLA VIRGÍNIO PERILO EXERCERÃO O MANDATO NA PRIMEIRA GESTÃO DO PROGRAMA ll Câmara Municipal realiza sessão solene de posse e eleição da primeira presidente da câmara mirim. Veja nesta edição um perfil de cada um dos pequenos vereadores que ocuparão volun- tariamente o cargo pelo período de seis meses. Página 03 ll Sindicalista reclama que entidade não foi convidada a participar dos encontros em defesa da indústria pirotécnica. Página 08 ll Recursos serão utilizados para investi- mentos em estrutura física e equipamen- tos. Dinheiro já foi depositado. Página 06 “Tõe Ratinho” diz que Sindifogos foi excluído das negociações. Deputado destina R$ 800 mil para Santa Casa de S. A. do Monte APAE de S. A. do Monte realiza Festa da Família Página 13 Ex-funcionário cobra da prefeitura apoio a famílias rurais de LP Página 07 Chaiene é campeã brasileira de karatê Página 19 Página 18 OPINIÃO Crédito Consciente para um consumo saudável INFORMÁTICA A palavra do momento é “Selfie” MARKETING E seu estiver gastando dinheiro com o cliente errado (parte 2)

Jornal Cidade - Ano II - Nº 24

Embed Size (px)

DESCRIPTION

http://www.jornalcidademg.com.br >Acesse e veja mais notícias Jornal Cidade - Ano II - Nº 24 - 26 de Abril de 2014 Principais notícias das cidades do centro-oeste mineiro. Notícias de Lagoa da Prata, Santo Antônio do Monte, Moema, Pedra do Indaiá e Japaraíba.

Text of Jornal Cidade - Ano II - Nº 24

  • Foto: LINDoMAR FotGRAFo

    Conquiste seu automvel ou caminho com parcelas que cabem no seu bolso. Venha conhecer nossas novas taxas e prazos!

    FINANCIAMENTO SICOOB

    VECULOS

    LAGOA DA PRATAAv. Benedito Valadares, 590 - Centro - Lagoa da Prata/MG - Telefax (37)3262-5600MOEMARua Tupinambs, 325 - Centro - Moema/MG - Telefax (37) 3525-1577ESTEIOSPraa Joo Batista do Couto, 460 - Centro - Esteios distrito de Luz/MG - Telefax (37) 3425-1213JAPARABAAv. Francisco Tavares de Moraes, 193 - Centro - Japaraba/MG - Telefax (37) 3354-1105

    Pgina 18Pgina 04

    Vereadores mirins tomam posse em Lagoa da Prata

    ALUNOS DA ESCOLA VIRGNIO PERILO EXERCERO O MANDATO NA PRIMEIRA GESTO DO PROGRAMA

    ll Cmara Municipal realiza sesso solene de posse e eleio da primeira presidente da cmara mirim. Veja nesta edio um perfil de cada um dos pequenos vereadores que ocuparo volun-tariamente o cargo pelo perodo de seis meses.

    Pgina 03

    ll Sindicalista reclama que entidade no foi convidada a participar dos encontros em defesa da indstria pirotcnica.

    Pgina 08

    ll Recursos sero utilizados para investi-mentos em estrutura fsica e equipamen-tos. Dinheiro j foi depositado. Pgina 06

    Te Ratinho diz que Sindifogos foi excludo das negociaes.

    Deputado destina R$ 800 mil para Santa Casa de S. A. do Monte

    APAE de S. A. do Monte realiza Festa da Famlia

    Pgina 13

    Ex-funcionrio cobra da prefeitura apoio a famlias rurais de LP

    Pgina 07

    Chaiene campe brasileira de karat

    Pgina 19

    Pgina 18

    OPINIO

    Crdito Consciente para um consumo saudvel

    INFORMTICA

    A palavra do momento Selfie

    MARKETINGE seu estiver gastando dinheiro com o cliente errado(parte 2)

  • 2 26 de Abril de 2014ANO I I - N [email protected]mg

  • Veja outras notcias no sitewww.jornalcidademg.com.br

    26 de Abril de 2014ANO I I - N 24 3POLTICA

    ll Nove alunos da Esco-la Estadual Virgnio Perilo tomaram posse para o pri-meiro mandato dos verea-dores mirins em Lagoa da Prata. A cerimnia foi rea-lizada no dia 11 de abril na Cmara Municipal. o p-blico lotou o plenrio para prestigiar os pequenos le-gisladores, que iro exercer o mandato voluntariamen-te durante seis meses. Par-ticiparam da sesso solene toda a comunidade escolar, vereadores e o juiz Dr. Aloy-sio Lbano de Paula Jnior. De acordo com o ve-reador Adriano Moreira (Adriano do S.o.S), autor do projeto, os parlamenta-

    Jadiel Duarte Martins Silva, 13 anos. Aluno do 8 ano do Ens. Fund.Pais: Ronaldo Ferreira da Silva e Elzi Martins da Silva.

    Erick Csar Santos Silva,14 anos. Aluno do 9 ano do Ens. Fund. Pais: Jnior Csar da Silva e Carla Cristina Santos Silva.

    Augusto Csar Xavier Pinto, 13 anos. Aluno do 8 ano do Ens. Fund. Pais: Evaldo Aparecido Pin-to e Helosa Aparecida Xavier Pinto.

    Vitria Arajo Silva, 14 anos. Aluna do 9 ano do Ens. Fund. Pais: Jos Henrique da Silva e Elizete de Arajo Silva.

    Gabrielle Miranda Ferreira,14 anos.Aluna do 9 ano do Ens. Fund.Pais: Cludio Lopes Ferreira (in memoriam) e Glcia Margari-da Miranda Ferreira.

    Laura Luiza dos Santos Amo-rim, 15 anos.Aluna do 1 do Ens. Med. Pais: Leda Miranda dos Santos e Jardel Amorim Pinto.

    Laura Silva de Paulo, 13 anos.Aluna do 8 ano do Ens. Fund. Pais: Francisco de Paulo Sobri-nho e Edna da Silva de Paulo.

    Andressa Ferreira de Almei-da, 13 anos. Aluna do 8 ano do Ens. Fund.Pais: Wanderley Geraldo de Al-meida e Sibele Aparecida Fer-reira de Almeida.

    Gabriel Henrique Brando,14 anos. Aluno do 9 ano do Ens. Fund. Pais: Daniele Brando Silva e Adilson da Costa Pereira.

    res mirins podero discu-tir e propor pautas que te-nham abrangncia em todo o municpio. A atuao de-les transcender a escola. Vai acatar os problemas da comunidade escolar, mas tambm os problemas de Lagoa da Prata. Vamos ten-tar lev-los na Assemblia para conversar com os de-putados, para levar os nos-sos anseios enquanto po-pulao de Lagoa da Pra-ta, acrescenta Moreira. Para a professora Elzira Madr de oliveira, que co-ordenou o projeto na esco-la, o exerccio da cidadania um dos principais benef-cios desse programa. Nos-

    sa meta principal a edu-cao. Educando a crian-a e o jovem para ser um cidado, estamos comba-tendo a violncia, a corrup-o, fazendo do nosso pa-s um pas de pessoas s-rias. o maior desafio a ci-dadania. Estamos amadu-recendo a democracia. E ela s concretizada com o conhecimento. Estamos passando por um momen-to de descrdito poltico. necessrio a gente mostrar o que uma administrao, quais so os deveres. E isso se comea com os jovens, disse Madr. Na primeira reunio, os vereadores mirins ele-

    geram Gabriele Miranda Ferreira como presidente. Cada um j pensou em um

    projeto e vamos tentar de-senvolv-los juntos, asse-gura Gabrielle.

    CONHEA OSVEREADORES MIRINS:

    Vereadores mirins so empossados

  • 4 26 de Abril de 2014ANO I I - N [email protected]

    ll A poltica nacional es-t em descrdito. A popula-o j est cansada de tan-tas mentiras, promessas falsas e governos que fa-zem de conta. os bons po-lticos (sim, isso mesmo que voc leu. uma esp-cie rara, mas existem pou-cos e bons polticos) pagam pela generalizao da clas-se, cuja maioria legisla ou governa fundamentada em interesses prprios e tendo em vista a reeleio. os vereadores mirins, empossados pela Cmara de Lagoa da Prata, tero a oportunidade de aprender a fazer poltica interessan-do desinteressadamente pelo outro, pela coletivida-de. Com apreo pela causa e discutindo de forma tc-nica e objetiva. os vereadores mirins exercero o mandato du-rante seis meses de forma

    ll No ltimo ano a utiliza-o da palavra na internet aumentou 17.000% , o que a levou a conquistar a distin-o por parte dos dicionrios oxford. Esta palavra teria sido uti-lizada pela primeira vez num frum online australiano em 2002, mas foi a sua mais re-cente utilizao principal-mente nas redes sociais que transformou selfie num su-cesso. Selfie significa, segundo o dicionrio online de oxford, uma fotografia que uma pes-soa tirou de si prpria (autor-retrato), normalmente com um smartphone ou webcam, e que foi colocada numa rede social. Um projeto chamado Selfiecity analisou 3200 autorretratos para estudar o comportamento em cin-co cidades: So Paulo, Berlin, Moscou, Nova York e Bang-coc. Com as imagens os pes-quisadores compilaram da-

    dos sobre sexo, idade, posi-o da cmera, nvel de feli-cidade, se os olhos estavam abertos ou fechados, o ngulo da foto, entre outras informa-es. os resultados mostram que em todas as cidades, mu-lheres tiram bem mais selfies do que os homens. E a cidade com mais sorrisos foi Bang-coc, seguida de perto por So Paulo. A mais carrancuda Moscou. Mulheres usam um ngulo de 15 graus mais alto para retratar mais o corpo, e em So Paulo esse ngulo ainda maior, 17 graus. E voc a!? o que pensa sobre as selfies? Gosta? No gosta? Costuma tirar algu-mas selfies e postar no Face-book, por exemplo? Saiba que atravs delas pode-se identi-ficar muitas coisas a seu res-peito, ou na minha humil-de opinio tambm pode-se passar uma imagem de uma pessoa que talvez voc no seja. Minha dica , cautela antes de publicar uma selfie.

    voluntria, pois a Cma-ra entende que o trabalho deles de relevante inte-resse pblico. Se, pela lgi-ca, o trabalho dos vereado-res mirins voluntrio por-que de relevante interes-se pblico, no seria de in-teresse pblico a legislatu-ra dos parlamentares adul-tos, que so pagos por vo-c, pelo seu vizinho e por todos ns? Esse apenas um ponto para que o leitor faa uma reflexo sobre o custo/benefcio dos nossos polticos e aqui incluo os vereadores e prefeitos (e vi-ce-prefeitos, quando, nes-te caso, a administrao alardear que a cidade ser governada por dois entes). Por favor, no leiam a lti-ma frase em voz alta para no ter uma interpretao duvidosa do texto. Que os vereadores mi-rins aprendam que, ao se

    fazer poltica com serie-dade, o poltico desnuda--se de suas vaidades e liga-es partidrias para pro-ver a felicidade das outras pessoas. Que o poltico de-ve trabalhar para garantir a felicidade da cidade, em to-dos os aspectos. Que os vereadores mi-rins aprendam, quando se tornarem adultos e poten-ciais polticos, que o gestor de uma cidade deve unir os cidados em torno do bem comum. E no ser simplis-ta e maniquesta ao ponto de dividir o municpio entre os seus e os demais, os do bem e os do mal, como se faz em qualquer sistema to-talitrio. Que eles aprendam que ser criticado pelos seus er-ros ser melhor do que ser questionado por no ter co-ragem de tomar uma medi-da necessria, mesmo que

    A palavra do momento ...

    Selfie Que os vereadores mirins faam diferente dos polticos atuais

    Rodrigo lvaro (TR Computadores)[email protected]

    InformticaCARTA AO LEITOR Juliano [email protected]

    impopular. Que os vereadores mi-rins aprendam que os ca-nais pelos quais o rgo pblico se comunica com o cidado devem ser usados com parcimnia e sempre de forma objetiva. Que eles no aprendam com alguns polticos que usam o espa-o pblico para vomitarem improprios contra quem eles entendem ser um ad-versrio poltico. Para finalizar, esse pro-jeto de autoria do vereador Adriano Moreira (Adriano do S.o.S) nos d pelo me-nos a esperana de que a poltica no futuro possa ser usada para o bem comum. outras escolas, inclusive de todas as cidades da re-gio, devem participar e es-sas crianas e adolescen-tes devem ser encorajadas a fazer o bem, no importa a quem.

  • Veja outras notcias no sitewww.jornalcidademg.com.br

    26 de Abril de 2014ANO I I - N 24 5

  • 6 26 de Abril de 2014ANO I I - N [email protected]

    ll o deputado federal Jaime Martins (PSD/MG) esteve na segunda-fei-ra (14/04) com lideran-as polticas, represen-tantes do Sindiemg (Sin-dicato das Indstrias de Explosivos no Estado de Minas Gerais) e empre-srios do setor pirotcni-co da cidade de Santo An-tnio do Monte. Na pau-ta, a preocupao deste setor quanto ao futuro da

    ll o deputado federal Jai-me Martins (PSD/MG) via-bilizou e j est depositada na conta bancria da Santa Casa de Santo Antnio do Monte uma emenda parla-

    produo, comercializa-o e transporte dos ar-tefatos. o deputado vem se posicionando em Bra-slia quanto importn-cia deste setor para a ci-dade, que considerada um dos principais plos fabricantes deste tipo de material em toda a Am-rica Latina. Durante o encontro os representantes do sindi-cato e demais empre-

    mentar no valor de R$ 800 mil. os recursos sero apli-cados nos projetos de me-lhoria do atendimento, for-talecimento e estruturao da unidade de sade que

    srios expuseram suas dvidas e inseguranas quanto atual situao do tema em todo o pas, j que depois dos fatos en-volvendo este tipo de pro-duto, como a tragdia re-gistrada no ano passado na boate em Santa Maria, no sul do pas, e a recente morte de um cinegrafista da Rede Bandeirantes de televiso, tem motivado a criao de leis que atin-gem negativamente a co-mercializao de fogos de artifcio em todo o pas. o setor pirotcnico se mostrou aberto a expor a importncia desta inds-tria para o cenrio nacio-nal e cogitou a ida ao Dis-trito Federal para acom-panhar de perto todo o andamento destas leis

    atende inmeras pessoas da cidade e municpios vi-zinhos. Em entrevista, o parla-mentar destacou a impor-tncia dos recursos. Fico

    que, se aprovadas, pode-ro prejudicar no s a economia de seus plos de produo bem como todo o Brasil. Jaime Martins afir-

    feliz de sempre poder aju-dar a sade de Santo Ant-nio do Monte e regio. Es-sa no a primeira emen-da que destino para a San-ta Casa e a cada ano, esta-

    mou aos presentes que tem acompanhado o an-damento destas propo-sies em Braslia e que no deixar de ajudar Santo Antnio do Monte,

    mos promovendo investi-mentos para estrutura f-sica, equipamentos, mo-dernizao e, consequen-temente, melhorando os servios que l so ofereci-

    que tem como fonte de renda principal este tipo de indstria. o deputado se comprometeu a apoiar o sindicato e empresrios do ramo pirotcnico.

    Jaiminho Martins se encontra com empresrios do Setor Pirotcnico em Santo Antnio do Monte

    Deputado destina R$ 800 mil para Santa Casa Recursos destinados por meio de emenda parlamentar j esto na conta do hospital

    dos, destacou. os recursos fazem parte da cota de emendas do par-lamentar e sero convenia-dos atravs do Ministrio da Sade (MS).

    FotoS: PAULo REIS / ASSESSoRIA DE IMPRENSA DEPUtADo JAIME MARtINS

  • Veja outras notcias no sitewww.jornalcidademg.com.br

    26 de Abril de 2014ANO I I - N 24 7POLTICA

    DR. OTAVIANO EST COORDENANDO O PROGRAMA DE HABITAO

    RURAL

    DR. OTAVIANO, DEPUTADO REGINALDO LOPES, PREFEITO PAULO TEODORO E SECRETRIO DE ADMINIS-

    TRAO ZEZINHO RIBEIRO EM REGISTRO FEITO NO GABINETE DO PREFEITO.

    Ex-funcionrio da prefeitura diz que Lagoa da Prata pode perder o Instituto FederalAo discursar na Tribuna Popular durante sesso da Cmara, Otaviano de Oliveira tambm reclamou da falta de apoio da prefeitura a um projeto que beneficia famlias na zona rural

    ll otaviano de oliveira foi servidor comissiona-do do governo Paulo teo-doro durante mais de um ano. Principal articulador e responsvel direto pela implantao de uma uni-dade do Instituto Federal de Minas Gerais em Lagoa da Prata, Dr. otaviano, co-mo conhecido, fez uso da tribuna Popular em uma sesso da Cmara Municipal no dia 7 de abril para denunciar a falta de apoio do governo muni-cipal a um projeto que ir beneficiar 75 famlias que moram na zona rural. o ex-servidor do munic-pio tambm fez um alerta: Esto fazendo pouco ca-so da escola federal e ela pode fechar, avisou. De acordo com Dr. ota-viano, a escola Dr. Jacin-to Campos, escolhida pe-la prefeitura para a reali-

    zao das aulas, no ofe-rece estrutura adequada para atender a demanda dos cursos. trabalhei du-rante um ano na prefeitu-ra. Fui despedido. Mas sa com a conscincia limpa de que executei um traba-lho muito importante pa-ra Lagoa da Prata, trazen-do o que muita gente no d valor. talvez o Executi-vo no esteja valorizando uma escola federal CEFEt. Esto fazendo pouco ca-so da escola. E ela poder fechar porque o Chefe do Executivo tem o compro-misso de oferecer em con-trapartida salas de aula adequadas para o ensino profissionalizante. Como voc vai dar aula de a-car e lcool, plantao de cana, numa escola como o Jacinto Campos? Como vamos ter um curso de es-cola agrcola se no temos

    uma propriedade rural?, argumenta. o ex-servidor do mu-nicpio afirma que props ao Chefe do Executivo que adquirisse um terreno no Fundo, zona rural de La-goa da Prata, mas as ne-gociaes no evoluram. oferecemos ao prefeito um terreno que perten-ce ao extinto banco Ba-merindus. o terreno est abandonado e poderia ser desapropriado por 350 mil reais. So 60 hectares de terra. Pelejamos com ele para comprar esse terre-no ou desapropriar. A sim seria uma desapropriao justa. Mas ele nem recebe a gente na prefeitura, re-clama Dr. otaviano. A unidade do Institu-to Federal de Minas em Lagoa da Prata oferece os cursos tcnicos em Ali-mentos, Acar e lco-ol, Eletromecnica e Produo de Moda.

    FAMLIAS SEM APOIO Dr. otaviano tambm reclamou do posiciona-mento do Governo Mu-nicipal em no celebrar o convnio que iria be-neficiar 75 famlias resi-dentes no campo, que es-to inscritas no Progra-ma Nacional de Habitao Rural (PNHR). A iniciativa do Governo Federal uma extenso do programa Minha Casa, Minha Vi-da, que concede o finan-ciamento de quase 30 mil reais para a construo da moradia. o beneficiado ir pagar apenas 4% desse va-lor, aproximadamente R$ 1.200,00 em quatro parce-las anuais. treze projetos j esto prontos, faltando apenas a celebrao do convnio entre o munic-

    pio e o banco. lamentvel que o Poder Executivo esteja enterrando esse projeto do Governo Federal, no sei se por poltica ou por qualquer outro motivo. o prefeito tem medo que a prefeitura no tenha di-nheiro e no possa fazer esse programa. todos os candidatos casa prpria assinaram um documen-to isentando o munic-pio e agradecendo ao se-nhor Prefeito: no que-remos nada do senhor. o que queremos que o se-nhor assine um convnio que est mofando nas ga-vetas do Banco do Brasil. lamentvel. Lamento muito! o Chefe do Execu-tivo se recusou a me rece-ber em seu gabinete, co-mo se eu fosse um cachor-ro, como se fosse um ho-mem sem valor. Modstia parte, tenho uma noo de dever cumprido. Passei pela prefeitura, mas traba-lhei. No ficava l como vagabundo. Ganhava R$

    2.700 por ms, mas cum-pri com meu dever. No possvel que o Chefe do Executivo, por um capri-cho sei l por qu, se for por mim, saio do progra-ma na hora. No ganho um centavo. Estou mui-to chateado e desencan-tado com Lagoa da Pra-ta, Arcos j tem casas em andamento. Em Santo An-tnio do Monte o prefeito est ajudando muito. So 60.000 moradias rurais para Minas Gerais. A ns vamos passar batido em Lagoa da Prata porque o prefeito no quer?, desa-bafa Dr. otaviano.

    O OUTRO LADO Sobre o Programa Na-cional de Habitao Rural, a administrao munici-pal informou por meio da assessoria de comunica-o a existncia de uma clusula no contrato que gera um custo para o Mu-nicpio. Por isso mesmo houve uma preocupao em assinar o convnio,

    explicou a assessora Sa-brina Silva. Segundo ela, a reclamao de que o pre-feito Paulo teodoro tenha se recusado a receber Dr. otaviano para tratar do assunto no verdica. A Ascom (assessoria de comunicao da pre-feitura) garantiu, por meio de nota enviada ao Jor-nal Cidade, que a prefei-tura no tem a obrigao de oferecer o terreno pa-ra a construo da sede do Instituto Federal de Mi-nas Gerais, embora o go-verno tenha a inteno de constru-la. o Municpio precisa oferecer estru-tura de laboratrio quan-do se iniciar as aulas pr-ticas, o que j est sendo providenciada em parce-ria com a Embar, Usina e outras. o Municpio ofe-rece todo o apoio ao IFMG e Pronatec, mas Lagoa da Prata pertence ao plo de Formiga, que respons-vel por toda a administra-o dos cursos, informou a Ascom.

    Foto: ARQUIVo PESSoAL

  • 8 26 de Abril de 2014ANO I I - N [email protected]

    ll o presidente do Sindi-fogos (Sindicato dos tra-balhadores nas Fbricas de Fogos de Santo Antnio do Monte e Regio), Ant-nio Camargos dos Santos (te Ratinho), afirma que a entidade foi excluda das negociaes com de-

    putados nas assemblias e Congresso sobre os pro-jetos de lei que restringem a venda de fogos de artif-cio no pas. Uma comiti-va de polticos e empres-rios da cidade participou de encontros em Belo Ho-rizonte, Porto Alegre e Bra-

    slia para tratar sobre o as-sunto, mas sem a presen-a do Sindifogos. A nica vez em que convidaram foi durante a visita do deputa-do Eros Biondini, reclama te Ratinho. o sindicalista disse que a entidade tem o apoio de deputados da bancada tra-balhadora que tambm po-deriam defender a inds-tria pirotcnica. Eu es-tive com um patro e ele me disse que no estamos querendo ajudar. Mas eles fizeram reunies com de-putados e no nos chama-ram. temos a deputada J Moraes, que da rea tra-balhadora. Acho que al-guns tm raiva de mim. A gente precisa do trabalho, vivemos do foguete. A gen-te quer ajudar, mas no se-remos escravos deles no, avisa.

    MELHORIAS SALARIAIS os trabalhadores filia-dos ao sindicato realiza-ram duas assemblias e aprovaram a pauta de rei-

    vindicao. Entre os itens, os trabalhadores pedem 12% de reajuste, piso sala-rial de R$ 850 e a negocia-o da Participao dos Lucros e Resultados (PLR). Uma negociao justa pa-ra o trabalhador no mni-mo 10%. o trabalhador j sentiu demais. No ano pas-sado fechamos com o au-mento de 9%. o salrio au-menta, a inflao aumenta, e eles no querem aumen-tar o nosso salrio, afirma te Ratinho.

    Para o presidente, outro problema enfrentado pelos trabalhadores o fato da carteira de trabalho ser as-sinada sobre um valor bem menor do que o ganho real. Na carteira o trabalhador ganham somente 1,3 sal-rio. Se ele recebe R$ 2.000, mas na carteira est ape-nas R$ 940, ele tem preju-zo. E se o trabalhador tiver de ser afastado pelo INSS? J tenho companheiro que adoeceu, queimou o bra-o, o mdico no o liberou

    para trabalhar, mas, mes-mo assim, teve que voltar ao trabalho. Como ele iria manter a famlia com o sa-lrio que est na carteira?, finaliza o presidente. A entrevista com o sin-dicalista foi realizada no dia 18 de abril. A negocia-o com os patres esta-va marcada para o dia 24, aps o fechamento desta edio do Jornal Cidade. Informaremos o desfecho da assemblia na prxima edio.

    Presidente diz que sindicato foi excludo das negociaes

    Indstria pirotcnica

    Foto: ARQUIVo SINDIFoGoS

    ANTNIO CAMARGOS (TE RATINHO), PRESIDENTE DO SINDIFOGOS

    TRABALHADORES APROVAM ESTADO DE GREVE NA PENLTIMA ASSEMBLIA

    Foto: JULIANo RoSSI

  • Veja outras notcias no sitewww.jornalcidademg.com.br

    26 de Abril de 2014ANO I I - N 24 9ECONOMIA

    Lagoacred cresce 39% em 2013Ativo da cooperativa nos ltimos 12 anos obteve crescimento de mais de 30% ao ano.

    ll o ativo total da Lago-acred (todos os bens e di-reitos que uma institui-o econmica possui e que possam ser valoriza-dos em termos monet-rios) ultrapassou o mon-tante de R$ 61,4 milhes em 2013. A instituio cresceu 39% em relao a 2012. os resultados foram apresen-tados na Assemblia Geral ordinria, realizada no dia 11 de abril, no Salo Divina Gula e so maiores do que a mdia de todas as coopera-tivas de crdito filiadas ao Sicoob Cecremge (Central das Cooperativas de Eco-nomia e Crdito de Minas Gerais). A economia bra-sileira, no mesmo perodo, cresceu 2,3%. A previso da Lago-acred crescer 37% em 2014. Mas diante das in-certezas da economia na-cional e mundial, a gesto da cooperativa quer asse-gurar um crescimento m-nimo de 6%, o que ainda considerado muito bom ao ser comparado com a pre-viso de 1,7% para o PIB na-

    cional, informou a coope-rativa em seu relatrio de gesto. No cenrio social, a La-goacred tambm parti-

    cipou de diversas aes. Contribumos financeira-mente com oNGs e entida-des sociais. Doamos bolsas de estudo para que crian-

    as de baixa renda pudes-sem freqentar e estudar nas escolas de futebol. Re-alizamos mais uma edio da Copa Lagoacred Card de Futsal, objetivando pro-porcionar entretenimento comunidade e a doao de alimentos arrecadados s entidades de caridade. Apoiamos iniciativas cul-turais. No mbito da educa-o lanamos o projeto Jo-vem Cooperativista nas es-colas, envolvendo crianas, adolescentes e jovens de 5 a 18 anos com o tema Coo-perar, onde, atravs de car-tilhas, falamos sobre o in-cio da prtica do coopera-

    tivismo pela humanidade. Foi um trabalho rico e gra-tificante, que, certamente, complementar e enrique-cer a formao da vida de muitas crianas e adoles-

    centes, disse Nilson Bes-sas, presidente do Conse-lho de Administrao do Sicoob Lagoacred Gerais. A Lagoacred possui 17.158 associados.

    Foto: JULIo MARCoS / LAGoACRED

  • 10 26 de Abril de 2014ANO I I - N [email protected]

    No Encontro Empresarial, diretoria afirma que ACE-CDL ir promover o evento Mrito EmpresarialEmpresa anuncia a criao de uma incubadora para gerir e incentivar novos talentos e projetos em Lagoa da Prata

    ll A ACE-CDL de Lagoa da Prata realizou nes-ta semana o 8 Encon-tro Empresarial. A edi-o de 2014 contou com as palestras de Eduar-do Shinyashiki (escritor e conferencista interna-cional), Ciro Botini (con-siderado um dos melho-res vendedores da televi-so brasileira) e Daniel Bi-zon, que combina conhe-cimento e mgica em su-as palestras. Essas pa-lestras, alm de entre-ter e emocionar, transfe-rem conhecimento aos empresrios e s pesso-as que trabalham no co-mrcio para que tenham mais qualificao para desempenhar suas fun-es, disse o presiden-te da CDL, Paulo Roberto Agostinho Pereira.

    o empresrio ressal-tou em seu discurso na abertura do evento o fo-co de atuao da nova di-retoria. Nunca podere-mos deixar de lembrar a importncia do trabalho do ex-presidente Valdir Andrade. Foi ele que es-truturou e amadureceu a instituio. Agora, temos uma misso com esta no-va diretoria jovem e com-petente. A ACE-CDL ser voltada somente para o empresrio, afirmou Pe-reira. Dentre as novidades anunciadas pelo presi-dente, est a realizao do evento Mrito Empre-sarial. A partir de 2014 a ACE-CDL vai promover o Mrito Empresarial. comum vrias empresas promoverem esse even-

    to, mas a associao co-mercial tem a capacida-de de faz-lo de uma for-ma mais transparente, na qual o ttulo seja mereci-do, desta.

    SEBRAE INTEGRA o presidente da ACE, G e r a l d o d e A l me i d a , agradeceu a confiana das empresas que patro-cinam e apoiaram o en-contro empresarial e fa-lou de um novo servio que j est disposio das empresas associa-das. A Carmen e a Ceclia estaro disponveis para apresentar o Sebrae Inte-gra, que uma consulto-ria dentro da sua empre-sa cujo objetivo orientar as mudanas necessrias para o crescimento do ne-gcio.

    Almeida tambm fa-lou da implantao do novo departamento de cobrana e do servio de correspondente do Ban-co de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG), que oferece s empresas a possibilidade de contrair financiamentos com ju-ros baixos.

    PROJETOS INOVADORES Durante o encontro, o diretor-presidente da Pa-trimonium Contabilidade, Mrcio Bento, anunciou o novo projeto da empresa, intitulado de Colmia. temos muitos jovens ta-lentos em Lagoa da Pra-ta. A idia oferecer con-

    dies para que eles se prepararem e desenvol-vam seus projetos inova-

    dores. A idia da incuba-dora gerir e encubar es-sa idia. No ramo de tec-nologia podem surgir v-rias startups de desenvol-vimento de negcios, de aplicativos. A idia dar condio aos jovens de crescer. ser um anjo na vida desses meninos, ex-plica Mrcio Bento. o assessor de comu-nicao da Patrimonium, Rubens Macouff, acres-centou que a empresa ir fazer o investimen-to nesses talentos. Exis-tem muitas boas idias que morrem por falta de apoio, ressalta.

    NOVA DIRETORIA DA ACE/CDL LAGOA DA PRATA

    PBLICOU LOTOU O CENTRO CATEQUTICO NOS 3 DIAS DO ENCONTRO

    EQUIPE DO SICOOB LAGOACRED EM VISITA AO ESTANDE DA PATRI-

    MONIUM CONTABILIDADE

    EDUARDO SHINyASHIKI ABRIU O ENCONTRO

    FotoS: JULIANo RoSSI

  • Veja outras notcias no sitewww.jornalcidademg.com.br

    26 de Abril de 2014ANO I I - N 24 11EMPRESAS E NEGCIOS

    Planeta Diverso inaugura novo espao

    ll Com mais de trs anos de experincia, o Plane-ta Diverso inaugurou su-as novas instalaes com o objetivo de fazer sua fes-ta um momento nico e es-pecial. o novo espao ofe-rece trs ambientes am-plos e confortveis: salo principal, salo do meza-

    nino e rea infantil, com capacidade para acomo-dar 250 pessoas. Sob a coordenao das empresrias Alline Cristia-ne Lacerda Santos e Ana Luisa da Silveira, o Plane-ta Diverso est preparado para atender a qualquer ti-po de evento. Hoje temos um espao mais amplo e mais arejado. os brinquedos foram refor-mados e ficam em ambien-te separado do salo de fes-ta. Convido todos a conhe-cer o novo espao. Fizemos com muito carinho. Pen-samos muito no bem estar das crianas e dos pais. tu-do foi feito com muito cari-nho, afirma Alline.

    AS EMPRESRIAS ALLINE LACERDA SANTOS E ANA LUISA DA SILVEIRA

    INFORME PUBLICITRIO

  • 12 26 de Abril de 2014ANO I I - N [email protected]

    Quer aparecer aqui? Envie e-mail para [email protected]

    Rhaiane CarvalhoNOSSA TERRA, NOSSA GENTE

    ll os colaboradores do Sicoob Crediprata Clarisce Gon-tijo e Maurcio Rezende participaram da palestra de Ciro Botini, no 8 Encontro Empresarial de Lagoa da Prata.

    ll Isaas Ribeiro, dedicado policial militar e instrutor do Proerd, tambm um msico refinado e competente.

    ll o lagopratense Lindomar Duarte saboreia uma cerve-ja bem gelada em Piano di Bobbio, alto da montanha loca-lizada na cidade de Lecco, na Itlia.

    ll Mauro de Castro, reco-nhecido locutor comercial, tem atuado com grande su-cesso na rea de fotografia com sua esposa Claudia-na Gonzaga. Acesse o site www.jornalcidademg.com.br/ensaios e veja algumas fotos produzidas por eles.

    ll A Casa Eltrica foi uma das empresas patrocinadoras do 8 Encontro Empresarial de Lagoa da Prata. Na foto o gerente Lucas Morais e a esposa Kely Sylva.

  • Veja outras notcias no sitewww.jornalcidademg.com.br

    26 de Abril de 2014ANO I I - N 24 13CIDADES

    APAE de S. A. do Monte realiza Festa da Famliall Com o objetivo de pro-mover a socializao dos alunos comunidade, a APAE (Associao de Pais e Amigos dos Excepcio-nais) promoveu a Festa da Famlia no dia 10 de abril. o evento foi coordenado pelas professoras Aline Roberta de Arajo e Nilce Estelina Borghi e contou com a apresentao arts-tica de alunos da institui-o. A cantora Alessandra Lobato tambm se apre-sentou voluntariamente na festa. os prximos even-

    tos que sero promovidos pela APAE em 2014 so a Festa Junina, a Semana do Excepcional, Festa das Crianas e a Festa de Na-tal. Nas ltimas quintas--feiras de cada ms acon-tece um teatro com a par-ticipao dos alunos. um evento interno, on-de as pessoas que contri-buem com o tele Apae po-dem ver de perto o traba-lho feito pela instituio. A diretora da Escola Especial Marcelo Cardo-so de oliveira, Ana Apare-cida da Silva (Nena), des-

    taca a importncia dos re-cursos recebidos dos doa-dores do tele Apae na ma-nuteno dos trabalhos. A gente precisa de mais ade-ses. o nmero de profis-sionais poderia ser bem maior para poder aten-der a demanda inteira da escola, com mais atendi-mentos aos nossos 85 alu-nos, afirma. Agradecemos equipe organizadora da festa, aos demais colaboradores da Apae e principalmente ao apoio dos pais, que muito importante para a efetivi-

    dade de nosso trabalho. necessrio ressaltar tam-bm a importncia das pessoas que dedicam par-te de seu tempo volunta-riamente instituio, aos doares do tele Apae e um agradecimento especial cantora Alessandra Loba-to, finaliza Nena. O telefone do Tele Apae 3281-1332. As pes-soas podem fazer doaes de qualquer valor. A APAE possui um mensageiro credenciado que recolhe as doaes no endereo informado pelo doador. A DIRETORA NENA RECEBE O CARINHO DE DUAS ALUNAS

    FotoS: VALRIA CoStA FERREIRA

  • 14 26 de Abril de 2014ANO I I - N [email protected]

    Iniciativa que poder valer uma vidaTrabalho das agentes comunitrias de sade da UBS Nossa Senhora de Ftima, em Santo Antnio do Monte, influencia de forma efetiva no controle das doenas crnicas em pacientes idosos

    AGENTES DA UBS NOSSA SENHORA DE FTIMA

    ll o projeto Medica-mento Certo Na Hora Cer-ta, de iniciativa das agen-tes comunitrias de sa-de (ACS) da UBS Nossa Se-nhora de Ftima, foi um dos selecionados entre as 43 experincias mineiras bem sucedidas pelo Pr-mio Mineiro de Prticas Exitosas na Ateno Pri-mria Sade, promovi-do pela Secretaria de Es-tado de Sade de Minas Gerais. o prmio um re-

    conhecimento aos muni-cpios e suas equipes com relao a aes bem suce-didas e inovadoras. Cada uma das 18 pessoas que participaram do projeto recebeu R$ 429,22. As agentes de sa-de perceberam que mui-tos idosos (analfabetos ou no) estavam com di-ficuldades em tomar as medicaes prescritas no horrio certo e da forma correta. Para ajud-los,

    as ACS confeccionaram pequenas caixas, com divisrias claras e escu-ras, simbolizando o dia e a noite, de forma que os pacientes pudessem to-mar o medicamento cer-to e na hora certa. As cai-xas so personalizadas com o nome do usurio. Fiquei muito satisfeita, porque na hora em que eu cheguei com a caixi-nha, com o nome da pa-ciente, ela se sentiu mui-

    to importante. A pacien-te mora sozinha. A fam-lia veio at mim e agrade-ceu ao tratamento. gra-tificante, diz a agente K-tia Cristina Rezende, cuja experincia artesanal foi essencial para o projeto. Ela trabalhava anterior-mente com restauraes sacras e pinturas em ge-ral. De acordo com a co-ordenadora da ateno primria da secretaria de Sade, Juliana Ferreira Silva, a nica equipe de sade que se cadastrou foi a do UBS Nossa Se-nhora de Ftima, mas a iniciativa j repercute em outras unidades do muni-cpio. A agente Ktia dis-se que recebe diversos pe-didos para montar novas caixas. A gente no d conta de fazer caixinhas para todas as pessoas que precisam. Mas estamos disposio para ensinar o procedimento s outras agentes de sade do mu-nicpio, ressalta. A aposentada Eunice

    Limeira dos Santos (70) recebe mensalmente a visita da agente Apareci-da. Ela disse que a inicia-tiva foi muito importan-te. Ela me explicou direi-

    tinho. No cheguei a to-mar medicamento erra-do, porque a caixinha importante para organi-zar os horrios, finaliza a aposentada.

    A APOSENTADA EUNICE LIMEIRA DOS SANTOS EXIBE A CAIXA DE

    MEDICAMENTOS OFERECIDA PELAS AGENTES DE SADE

    FotoS: JULIANo RoSSI

  • Veja outras notcias no sitewww.jornalcidademg.com.br

    26 de Abril de 2014ANO I I - N 24 15CIDADES

    Jos Antnio (Rdio Samonte FM)[email protected]

    Causos e Prosas

    ll Um dos meus primeiros servios foi de entregador de leite na rua. Eu estudava tar-de e na parte da manh entre-gava o leite. Arrumei o servi-o no stio do Carlinho Norato, abaixo do bairro Dom Bosco, na zona rural, chamado Ca-choeirinha. Eu j descia p. Chega-va l, pegava o cabresto, pega-va a eguinha no pasto e leva-va para o curral, arriava e pre-parava tudo direitinho. Na ho-ra que ele terminava de tirar o leite, colocava duas latas de leite em cima da eguinha. As latas tinham uma torneirinha para tirar o leite para os clien-tes. E assim a gente fazia. Nesse meio tempo, na ho-ra que terminava de tirar o lei-te, montava o Z Antnio nes-sa eguinha e corria a espora. Saa do stio do Carlinho No-rato, passava na porteira do curral do stio do Z Astolfo. Subia. tambm tinha um ter-reno do Davi do Couto, onde passava em frente. J no in-cio do bairro Dom Bosco, na travessa Ferreira, perto do boteco do Zauro, comeava a

    entrega s primeiras clientes. Eu gritava: ia o leite, dona Maria!. Ela vinha com a leiteira, tirava um ou meio litro. Eu debruava em cima do arreio, onde alcanava a tor-neira e despejava na leiteira das clientes. Eu chamava to-das de dona Maria. Elas no gostavam muito de mim. ti-nha vez que errava a boca da leiteira e derramava leite no brao delas. Dava um banho de leite em pelo menos duas todos os dias. Na segunda cliente do dia no saiu leite nenhum na tor-neira. Pensei: Uai, t errado esse trem! Leite na lata tem!. Ento tirei o leite da outra la-ta em que tinha tirado para a primeira cliente. Eu no po-dia destampar a lata na rua e olhar. Nesse angu tem caro-o. Subi a travessa Ferrei-ra, passei na porta do boteco do Joo Jil e do Bonito. Che-guei no campinho, onde ho-je o Centro Social Dom Bos-co. Resolvi destampar a lata e olhar o que aconteceu. Estava

    cheia de leite. Despejar o leite no podia. Enfiei o brao na lata de leite e dei uma mexida. Enfiei o dedo no buraquinho da tor-neira. Ento saiu uma perere-ca l de dentro. Ela pulou nos meus peitos, geladinha. Buru-rupu! Levei aquele susto da-nado! At a gua assustou. A fiz o teste na torneira e saiu o leite. Voltei no incio da rua e entreguei o leite. No podia jogar fora. Era uma ca-restia. Uma pitimba danada! Entreguei o leite em todas as clientes. Hoje fico olhando os meninos, j homens fei-tos. Ningum teve uma per-renguice por causa da pere-reca no leite. Esto at mais sadios os que tomaram o lei-te com a perereca.

    A perereca no leite

    Lagoa da Prata recebe mdico cubano

    ll Um mdico do Progra-ma Mais Mdicos, do Go-verno Federal, j est em Lagoa da Prata e est aten-dendo no PSF do Amrico Silva 2, na rua Belo Hori-

    zonte, desde a ltima quar-ta-feira, 23. Juan Carlos clnico geral e tem 20 anos de profisso. Ele trabalhou em Cuba, na Venezuela e na Bolvia. No Brasil ele esta-

    va atendendo em Guarapa-ri, no Esprito Santo. Lagoa da Prata j fez o pedido ao Governo Federal para que mais um mdico possa atuar no municpio.

    JUAN CARLOS (CAMISA AZUL) FOI RECEBIDO PELO PREFEITO PAULO TEODORO E EQUIPE DE GOVERNO.

    Foto: ASCoM/P. M. DE LAGoA DA PRAtA

  • 16 26 de Abril de 2014ANO I I - N [email protected]

  • Veja outras notcias no sitewww.jornalcidademg.com.br

    26 de Abril de 2014ANO I I - N 24 17

    Dr. Fabiano Lemos

    37 [email protected]

    R. Olegrio Maciel, 135 - Lagoa da Prata/MG

    Sade e Beleza

    ll Hoje, todos tm o sonho de corrigir algumas imperfeies que incomodam no corpo , que no so solucionadas apenas com dieta , tratamentos estti-cos ou academia , mas neces-sita de um procedimento ci-rrgico. o estar bem consigo mes-mo algo que necessita ser avaliado, pois transcende aos acontecimentos cotidianos e as transformaes ditadas pe-lo tempo. Equilibrar beleza e sade importantssimo nes-sa busca e lanar mo da cirur-gia plstica, pode ser um meio para estar bem consigo mesmo. o Brasil o segundo pa-s no mundo que mais realiza cirurgia plstica esttica, per-demos apenas para os Estados Unidos ,que tm uma popula-o maior que a nossa e ganha-mos da China, pas mais popu-loso do mundo. As brasileiras gostam de operar e sentirem mais bonitas, at porque esta-mos num clima tropical, onde os corpos ficam a mostra. A Cirurgia Plstica uma especialidade mdica nova, co-meou na poca da primeira e segunda guerra mundial, com

    objetivo de estudar , formular e realizar cirurgias reparadoras em soldados sequelados de guerra . Hoje o maior campo de ao do Cirurgio Plstico es-t na esttica e cada dia mais surgem novos procedimentos e aparelhos . Um grande invento na Ci-rurgia Plstica foi a Lipoaspi-rao no final da dcada de 70, por um mdico francs , cuja especialidade era ginecologis-ta e obstetra . Dr. Ilouz utilizou da ideia de fazer uma cureta-gem a vcuo, desenvolvendo a lipoaspirao de gordura do nosso corpo e tornou a cirurgia mais realizada no meio estti-co . outro grande invento fo-ram os implantes de silicones, que j esto na quarta gerao, aps vrios anos de desenvol-vimento de tecnologias. Fica-ram famosos na indicao de projeo das mamas, mas ho-je so colocados nos mais di-versos lugares do nosso corpo. So seguros, no causam cn-cer, feitos de gel coersivo, ou se-ja, no vazam se tiverem ruptu-ra. Muito se perguntam sobre a

    segurana das cirurgias plsti-cas , principalmente a lipoaspi-rao , procedimento em evi-dncia na mdia como causa-dora de agravo sade. Pode-mos falar que a cirurgia estti-ca um procedimento seguro desde que realizado por profis-sionais adequados com espe-cializao em Cirurgia Plstica. A maioria dos processos que esto no Conselho Regio-nal de Medicina, so procedi-mentos estticos que foram realizados por profissionais que no tinham o curso de re-sidncia mdica em Cirurgia Plstica, ou seja, por profissio-nais que no tiveram uma for-mao adequada para realizar tais cirurgias . Se voc tiver um sonho de realizar uma cirurgia para me-lhorar a forma do seu corpo , no deixe passar a oportunida-de, procure um bom cirurgio plstico, que tenha uma boa for-mao e tire todas as sua duvi-das com ele . Procure seu cirurgio nos sites CRM e Sociedade Brasilei-ra de Cirurgia Plastica www.crmmg.org.brwww.cirurgiaplastica.org.br

    Cirurgia Plstica nos Tempos Modernos

    OPINIO

    Solange Barbosa (Buffet Divina Gula)[email protected]

    Alimentos e Culinria

    ll Para receber os amigos, nem sempre preciso fazer um jantar formal. Voc po-de organizar um encontro mais descontrado, reunin-do os convidados em torno da mesa de centro da sala de estar. Diversos cozinhei-ros tm oferecido uma sele-o variada de canaps e en-tradas como refeio princi-pal. Em muitos momentos, a refeio clssica de trs pra-tos est cedendo lugar s pe-quenas pores - as seduto-ras comidinhas. Dependendo do pa-s, esses pratos minimalis-

    tas so chamados de ape-ritivos (Brasil), tapas (Es-panha), mezzes(Lbano), antepastos(Itlia) ou entra-das. Mas seja qual for sua origem, eles compartilham a mesma semelhana: uma mescla de sabores salgados, doces, cidos e picantes que despertam o paladar. E no h como resistir: todos vo querer mais. No entanto, o sabor no o nico motivo para esse mo-vimento em direo mesa de centro; o outro o estilo de vida. Uma noitada ao re-dor de vrios pratos exti-

    cos promove uma atmosfe-ra mais socivel e descon-trada do que quando expe-rimentamos vrios pratos mais formais. Alm disso, uma maneira de receber com estilo, mesmo morando em um apartamento pequeno. Espero que tenha tan-to prazer em faz-las quan-to eu tive. Seus amigos fica-ro impressionados se voc os receber com uma combi-nao de entradas ou criar um cardpio completo. Se-gue a primeira sugesto, de muitas outras que viro pos-teriormente.

    Comidinhas (Finger Foods)

    INGREDIENTES500g de camares grandes , limpos, sem cas-ca, com a colinha125g de maizena4 claras ligeiramente batidas125g de coco desidratado sem acarSal, limo e pimenta a gosto600ml de leo vegetal (canola, milho ou gi-rassol)

    MODO DE PREPARO Preaquea o forno a 150C. Lave e seque os camares em papel toalha. Coloque a mai-zena, as claras de ovo levemente batidas e o coco em trs vasilhas separadas. tempere os camares com sal, limo e pimenta a gosto e passe na maizena. Retire o excesso. Passe na clara e por fim no coco. Aquea o leo numa wok grande ou numa panela mdia at que um pedao de po seco colocado no leo comece a fritar imediatamente. Mergulhe os camares no leo at dourarem, cerca de seis por vez. Deixe escorrer em papel toalha e mantenha quen-te no forno at terminar o procedimento. Sirva com o molho de manga e hortel e, se quiser, enfeite com raspas de limo.

    MOLHO DE MANGA E HORTEL1 manga grande em pedaosSuco de 2 limes1 pimenta dedo de moa de 1cm sem sementes picadaFolhas de hortelCoentro fresco picado1 colher (ch) de molho de peixe (hondashi)2 colheres de( sopa) de iogurte natural

    MODO DE FAZER:Bata bem todos os ingre-dientes no processador.

    Camaro ao Coco(Ao molho de manga e hortel)

  • 18 26 de Abril de 2014ANO I I - N [email protected]

    Nilson [email protected]

    Empreendedorismo e Negcios

    ll o consumo do brasileiro, nestes ltimos anos, atingiu um patamar jamais experi-mentado antes. Seria um fato positivo para a economia na-cional se o brasileiro no es-tivesse com boa parte de sua renda comprometida com em-prstimos e prestaes. o con-sumo em si importante para o crescimento do pas, geran-do empregos e recolhimento de impostos, porm, quando feito de maneira sustentvel.

    Isto , quando feito com base no aumento da renda do traba-lhador ou atravs de linhas de crditos planejadas. Mas o pro-blema que o crescimento do consumo que assistimos e par-ticipamos no teve esta proce-dncia e veio de forma inade-quada, atravs de linhas de crditos mirabolantes oferta-das por todos os lados, evadin-do a renda e capacidade de pa-gamento do trabalhador. Com isso, uma parte considervel

    de consumidores, sem orienta-o necessria, caiu numa ar-madilha financeira e se tornou refm de juros elevados e dvi-das impagveis, e sem muito o que fazer, viu seu nome habitar o banco de dados de inadim-plentes. Sinto, mais do que nunca, a falta de educao financeira nas escolas. Precisa, urgente-mente, que seja acrescentada esta matria na grade curricu-lar dos alunos. Se no, o pobre, cada vez mais ficar mais po-bre e o rico, cada vez mais fica-r mais rico. Quanto ao rico fi-car mais rico, timo, nada con-tra. o que no pode o pobre fi-car mais pobre. Explico: Quan-do um trabalhador de baixa renda, sem plano de consumo (que no junta o dinheiro antes da compra) e sem noo de fi-nanas (no sabe fazer clcu-lo de juros), procura uma loja de eletrodomstico para com-prar financiada uma geladei-ra no valor R$ 1.000,00, ele aca-ba ficando mais pobre. A gela-deira financiada no prazo de 24 meses, devido ao juro de vare-

    jo cobrado, passar seu preo final e real para mais ou me-nos R$ 1.900,00. Agora, quan-do uma pessoa com noo de finanas e com plano de con-sumo procura esta mesma loja, ele negocia um abatimento pa-ra pagamento vista. Portan-to, esta mesma geladeira com desconto, custar para este o preo de mais ou menos R$ 900,00. Considerando o valor vista da geladeira, o primeiro consumidor pagou duas e le-vou uma. J o segundo consu-midor levou a mesma geladei-ra por R$ 900,00 e ainda ficou com R$ 100,00. Considerando os R$ 900,00 perdidos com os juros mais os R$100,00 obtidos no desconto, o primeiro con-sumidor perdeu R$1.000,00, da a expresso de ter ficado mais pobre. E o segundo levou a mesma geladeira e ainda po-de aplicar R$100,00 na poupan-a. Da a expresso que o rico, cada vez mais, ficar mais ri-co. Este um simples exemplo do que ocorre corriqueiramen-te no mercado. Desde a compra

    de uma pea de roupa com-pra de um carro, praticamente, grande parte vem sendo feito deste jeito. Estas so comparaes verdadeiras, mas bem profun-das ao lidarmos com o com-portamento humano. tem gente que se preocupa somen-te com o agora e os recursos do amanh so comprometidos para lhe proporcionar o con-sumo hoje. E tem gente que se preocupa somente com o fu-turo e est sempre guardando seus recursos para o amanh. Porm, no d para dizer quem est certo e quem est errado. trata-se de um modo de vida e a economia precisa do equi-lbrio de ambos para funcionar. Entretanto, os consumido-res deste primeiro time preci-sam ficar atentos para no se tornarem vtimas do sistema financeiro e assistirem suas rendas escoarem pelo ralo. Fa-zer um simples clculo mate-mtico na hora da compra po-de-lhe ser uma arma poderosa contra as ofertas de financia-mentos com prticas de juros

    abusivos. Uma geladeira no pode sair pelo preo de duas. A grande rede varejista, mesmo sabendo do alto endi-vidamento das famlias brasi-leiras e presenciando o cami-nhar do consumo para um es-tado de esgotamento e fadi-ga, permanecer ofensiva pa-ra vender e financiar. o cres-cimento da economia e seus benefcios dependero mui-to disso, porm, no vejo isso com bons olhos. A economia para ser sustentvel em longo prazo precisa crescer atravs de investimentos pblicos e privados e de gerao de novas e mais rendas e no somente atravs de ofertas de crditos. E diante desse fato eminente, espero que o trabalhador saiba se posicionar. Consumir sem-pre bom, mas melhor ain-da, se o consumo for feito com cautela e conscincia.

    Nilson Antonio BessasPresidente do Conselho de Ad-ministrao e Diretor Comer-cial / Financeiro do Sicoob La-goacred Gerais.

    Crdito consciente para um consumo saudvel

    Sinto, mais do que nunca, a falta de educao financeira nas escolas. Precisa, urgentemente, que seja acrescentada esta matria na grade curricular

    dos alunos. Se no, o pobre, cada vez mais ficar mais pobre e o rico, cada vez mais ficar mais rico.

    Rodrigo Castro (Agncia Blue360)[email protected]

    Marketing

    ll Na minha primeira vez aqui, falei da importncia de vocs desenvolverem um trabalho de CRM Ge-renciamento de Relaes com o Cliente ou at mes-mo na pior das hipteses, fazer aquela velha listi-nha de contatos dos seus clientes. Rodrigo, comecei mas e agora? Bom, e agora que voc tem em seu compu-tador (alguns ainda em su-as mos) um celeiro de in-formaes que podem ala-vancar e muito os resulta-dos de seu negcio. A primeira coisa a ser feita entender a segmen-tao, ou seja, quem so as mulheres, quem so os homens, qual a faixa et-ria, em qual cidade, bair-ro e rua eles moram, qual a frequncia de compras, o que eles compram, etc. Depois disso, use as infor-maes para transformar

    seus potenciais e atuais clientes em advogados da marca, isso que ns que-remos! Queremos clien-tes que defendam nossa causa, que comprem nos-sa marca/produto/servi-o at mesmo debaixo dagua. E isso se faz com relacionamento. o cliente quer ser exclusivo, ele pre-cisa perceber que exclu-sivo. Chame-o sempre pe-lo nome, j um excelente comeo. Abraos e at a prxi-ma.

    RODRIGO CASTRODesde sempre me interessei por comunicao. Por incrvel que parea, sou f de Polishop e do Shoptime porque a argu-mentao de vendas que eles usam de tirar o chapu. tal-vez por isso resolvi me formar em publicidade, me especia-lizar em Marketing e fundar a Blue360, agncia de Comunica-o, Design e Marketing. Acre-dito que a vida merece uma tri-lha sonora e por isso no vivo sem msica. Sou torcedor fa-ntico, workaholic, amo minha famlia e meus amigos!

    E seu estiver gastando dinheiro com o cliente errado (parte 2)

  • Veja outras notcias no sitewww.jornalcidademg.com.br

    26 de Abril de 2014ANO I I - N 24 19ESPORTES

    Chaiene conquista ouro e prata no campeonato brasileiro de karatAtleta lagopratense conquistou medalha nas disputas de kata e luta. Professor pede apoio para disputar o campeonato sul-americano

    ll A karateca Chaiene Queren Fonseca Martins, de Lagoa da Prata, con-quistou duas medalhas no Campeonato Brasileiro de karat Inter-Estilos, reali-zado em So Paulo nos dias 4, 5 e 6 de abril. A atleta faz parte da equipe Sei Shin Kai, comandada pelo pro-fessor Wagner Heleno (40). outros dois lutadores con-quistaram medalhas. Paul Richard ficou com o ter-ceiro lugar na disputa de luta. Iago Dias Jnior con-quistou a mesma posio, porm, na disputa de ka-ta (conjunto de movimen-tos de ataque e defesa rea-lizados em conjunto ou in-dividualmente). A delega-o de Lagoa da Prata este-ve representada na compe-tio por seis integrantes, que foram convocados pela Federao Mineira de Ka-rat para defender o Esta-do no torneio. os atletas tm a possi-bilidade de disputarem se-te competies ao longo do

    ano. Ao todo, so cinco eta-pas do campeonato minei-ro, o campeonato brasilei-ro e o sul-americano. Pa-ra o professor, a maior difi-culdade para a equipe pro-videnciar o transporte aos alunos. o que mantm as crianas treinando a pos-sibilidade de participar de competies. o desloca-

    mento fica muito caro. A maioria dos campeonatos realizada no Sul de Minas e em So Paulo. Geralmen-te viajamos durante a ma-drugada para competir du-rante o dia, o que dificulta ainda mais o nosso desafio. Nesta ltima etapa a equi-pe conseguiu a ajuda de 230 reais, por meio de doaes

    de voluntrios, mas a nossa despesa ficou em 2.000 re-ais, lamenta Wagner. A de-legao viajou a So Paulo para disputar o campeona-to brasileiro no prprio ve-culo do professor.

    POTENCIAL Para Wagner Heleno, muitos karatecas em Lagoa da Prata esto prontos para disputar qualquer competi-o, inclusive o campeona-to mundial. Mas falta apoio. o que no temos recur-sos para que eles cheguem l. A nossa aluna Maria Eduarda conquistou a me-dalha de ouro no campeo-nato mineiro. A atleta que perdeu para ela, na sema-na seguinte foi para a tur-quia disputar o mundial de karat. A nossa aluna no disputou nem o brasileiro porque no tinha recurso. os atletas esto prontos. Precisam de mais apoio, lamenta. De 30 de maio a 1 de ju-lho ser realizado o cam-

    peonato sul-americano de karat interestilos, no Gi-nsio Ibirapuera, em So Paulo. o professor diz que os alunos esto preparados para a competio, mas re-afirma a necessidade de ajuda. Acho que poss-vel conquistar no sul-ame-ricano um resultado mui-to maior. Depois da parti-cipao no Brasileiro, ga-nhamos muita experin-cia. Ns j estamos prepa-rados tecnicamente, mas no temos condies ne-nhuma. Quem puder ajudar que olhem tambm para o lado do karat, para o lado dos atletas que esto lutan-do muito para trazer os re-sultados para nossa cidade. Estamos tirando crianas da rua, acrescenta Wagner.

    EXPERINCIA o professor Wagner He-leno iniciou os estudos do karat aos sete anos. Ho-je possui duas graduaes: 4 grau Shotokan e 3 grau Shitoriu (estilos reconhe-

    cidos internacionalmente da arte marcial). No meu tempo era difcil demais. A mensalidade muito alta. Eu usei kimono feito de pa-no de cho durante muitos anos, pois no tinha con-dies de comprar. Estou abrindo mo de muita coi-sa para manter esse projeto funcionando, afirma o pro-fessor. o karateca tambm participa de um projeto vo-luntrio na Associao Sa-ra Aparecida, no qual ensi-na a arte marcial a crianas de famlias com baixa ren-da do bairro Sol Nascentes. Para mim esta a melhor equipe principiante que ti-ve em Lagoa da Prata. So pessoas carentes, humil-des, mas com uma vonta-de enorme de aprender. Fi-co orgulhoso de falar de-les. Esto muito empenha-dos. o desenvolvimento es-t sendo muito rpido. os alunos abraaram a causa com muita fora de vonta-de, ressalta.

    A CAMPE BRASILEIRA CHAIENE E O PROFESSOR wAGNER HELENO

    Foto: ARQUIVo PESSoAL

  • 20 26 de Abril de 2014ANO I I - N [email protected]

    sicoob.com.br

    Parabns , Trabalhador!Voc est associado

    fora do nosso Pas.

    1 de maio, dia do trabalhador.Homenagem do Sicoob aos trabalhadores do Brasil.

    Fotos produzidas coma participao de

    associados efuncionrios do Sicoob.