of 12 /12
Jornal da UFOPA [Santarém/PA, abril-maio de 2012 - Ano II, nº 7] anos CALOUROS Mais de 1.000 novos alunos ingressaram na UFOPA em 2012. A seleção foi pelo Exame Nacional do Ensino Médio Página 6 HONORIS CAUSA DOUTORADOS [página 4] [página 7] Foto: Daniel Ramalho [página 5] VISITA DO MINISTRO FERNANDO BEZERRA

JORNAL DA UFOPA ANO II N 7

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Jornal da ufopa

Text of JORNAL DA UFOPA ANO II N 7

  • Jornal da UFOPA

    [Santarm/PA, abril-maio de 2012 - Ano II, n 7]a n o s

    CALOUROSMais de 1.000 novos alunos ingressaramna UFOPA em 2012. A seleo foi peloExame Nacional do Ensino Mdio

    Pgina 6

    HONORIS CAUSA DOUTORADOS HONORIS CAUSA[pgina 4] [pgina 7]

    Fo

    to:

    Dan

    iel R

    am

    alh

    o

    [pgina 5]

    VISITA DO MINISTRO FERNANDO BEZERRA

  • pgina

    22

    E x p e d i e n t eUniversidade Federal do Oeste do Par

    Reitor: Jos Seixas Loureno | Vice-Reitor: Clodoaldo Alcino Andrade dos Santos | Pr-Reitor de Ensino de Graduao: |Reitor de Ps-Graduao, Pesquisa e Inovao Tecnolgica: Marcos Ximenes Ponte | Pr-Reitor de Planejamento Institucional: Aldo Gomes Queiroz | Pr-Reitora de Administrao: Arlete Moraes

    Coordenadora de Comunicao: Maria Lcia Morais | Jornalistas Responsveis: Jussara Kishi (DRT/PA 2309), Lenne Santos (DRT/PR 3413), Maria Lcia Morais (DRT/MG 6261) e Talita Baena (DRT/PA 1991)| Reviso: Jlio Csar da Assuno Pedrosa | Fotos: Daniel Ramalho, Guilherme Feij , Lenne Santos, Luciana Leal, Maria Lcia Morais, Talita Baena e Ediclei dos Santos | Projeto grfico e Diagramao: Luciana Leal | Finalizao: Ediclei dos Santos Coordenao de Comunicao da UFOPA | Campus Tapajs, Prdio da Reitoria | R. Vera Paz, s/n - Sal - Santarm, PA - 68035-110 | [email protected], [email protected]| Tel. (93) 2101- 4922

    Jos Antnio de Oliveira Aquino Pr-

    Internacionalizando o ensino superior

    FORMAZON lana livro sobre educao do campo

    As mudanas no sistema de educao superior europeu, analisadas por Alex

    Fiza de Mello durante estgio ps-doutoral nos anos de 2009 e 2010, em

    Madri (Espanha), teve como resultado Globalizao, sociedade do

    conhecimento e educao superior: os sinais de Bolonha e os desafios do

    Brasil e da Amrica Latina, lanado pela Editora da Universidade de

    Braslia, em 2011. Durante a Aula Magna deste ano, a UFOPA teve a honra de

    receber o ex-reitor da UFPA, que abordou aspectos da obra e tambm lanou

    o livro em Santarm.

    Na obra, a dinmica do mundo contemporneo, que desafia o papel da

    educao superior em todo o mundo, elemento para reflexo. O estudo

    tipolgico do Processo de Bolonha, configurado como o esforo que reuniu

    estados europeus em um sistema de graus acadmicos comparveis e

    compatveis, visando criao de um Espao Europeu de Educao Superior

    (EEES), evidencia, de acordo com o autor, as tendncias do atual momento de

    reestruturao do capitalismo mundial, o seu novo paradigma tecnolgico e

    seus impactos no modelo universitrio tradicional em todo o mundo.

    Leitura fundamental para professores, alunos e pesquisadores brasileiros

    de diversas reas do conhecimento, o livro revela ainda quais os desafios da

    reforma universitria brasileira e os valores para sua transformao.

    PERFILAlex Fiza de Mello socilogo, com doutorado em Cincia Poltica pela

    Unicamp e ps-doutorado pela Escola de Altos Estudos em Cincias Sociais

    de Paris (Frana) e pela Universidade Politcnica de Madri (Espanha). Foi

    reitor da UFPA (2001-2009) e integrou o Conselho Nacional de Educao do

    MEC (2004-2008). Atualmente secretrio de Cincia e Tecnologia do Par.

    Seu livro foi lanado pela Editora da UnB com o apoio da Associao Nacional

    dos Dirigentes das Instituies Federais de Ensino Superior (Andifes).

    Lanado na Aula Magna da UFOPA livro de Alex Fiza de Mello

    Servio O livro Globalizao, sociedade do conhecimento e educao superior: os sinais de Bolonha e os desafios do Brasil e da Amrica Latina pode ser adqui-rido na Pr-Reitoria de Planejamento Institucional (PROPLAN) da UFOPA.

    O grupo de Estudo e Pesquisas Formao de Professores na Amaznia

    Paraense (FORMAZON) publicou pela editora CRV, em janeiro deste ano, o

    livro intitulado Formao de Professores: Pesquisas com nfase na Escola

    do Campo, que rene o resultado de estudos feitos por pesquisadores acerca

    da escola do campo. So estudos instigantes que muitas vezes contestam os

    discursos generalizantes sobre a escola do campo, e por esta razo servem de

    base para novas pesquisas, afirmam as organizadoras, Solange Ximenes-

    Rocha e Maria Llia Imbiriba.

    Para o lanamento, o Instituto de Cincias da Sociedade (ICED), por meio da

    Escola de Gestores, convidou o Prof. Dr. Pedro Goergen (que redigiu o

    prefcio) para proferir a conferncia: A pesquisa como fonte de

    desenvolvimento humano e social.

    Servio: O livro custa R$ 35,00 e pode ser adquirido na sala do Grupo de Pesquisa FORMAZON, localizada na sala 321 (3 andar) do Centro Empresarial Amaznia Boulevard (Av. Mendona Furtado), no horrio das 8h s 11h e das 14h s 18h.

  • pgina

    33

    Lanamento do programa Jovens Talentos para a Cincia

    UFOPA firma parceria com universidade americana

    O reitor da UFOPA, Prof. Dr. Jos

    Seixas Loureno, participou da

    reunio de lanamento do programa

    Jovens Talentos para a Cincia,

    realizado no dia 5 de maro de 2012,

    em Braslia (DF), pela Coordenao de

    Aperfeioamento de Pessoal de Nvel

    Superior (Capes) e pelo Conselho

    Nacional de Desenvolvimento

    Cientfico e Tecnolgico (CNPq). A

    iniciativa destinada a graduandos

    de todas as reas do conhecimento e

    t e m o o b j e t i v o d e i n s e r i r

    precocemente os estudantes no meio

    cientfico.

    Estudantes e professores da UFOPA podero estudar e at realizar pesquisas

    com a Universidade da Virgnia Ocidental (West Virginia University, WVU),

    Estados Unidos. O termo de inteno para futura cooperao tcnica foi

    assinado em maro de 2012 durante o simpsio intitulado Recursos Naturais e

    Sade na Amaznia, promovido pela UFOPA e pelo Instituto Esperana de

    Ensino Superior (IESPES), o qual contou com a parceria da Universidade do

    Estado do Par (UEPA), das Faculdades Integradas do Tapajs (FIT) e do Centro

    Universitrio Luterano de Santarm (CEULS/ULBRA).

    O pr-reitor de Pesquisa, Ps-Graduao e Inovao Tecnolgica (PROPPIT) da

    UFOPA, Prof. Marcos Ximenes, que na ocasio representou o reitor, Prof. Jos

    Seixas Loureno, apresentou o modelo acadmico da UFOPA ao grupo de

    americanos composto por dois funcionrios da reitoria da WUV e trs

    professores ligados s reas da administrao e meio ambiente.

    Em Santarm, o grupo visitou os campi universitrios das instituies de ensino

    envolvidas no projeto e conheceu as principais linhas de pesquisas que podem

    vir a se transformar em futuras parcerias. Discutimos tambm o intercmbio

    de professores, a elaborao de projetos de pesquisa conjuntos, at mesmo a

    doao de equipamentos, desde que justificado seu uso em pesquisas aqui no

    Brasil, afirmou o Prof. Roberto Branco Filho (UFOPA/IEG).

    As oportunidades, no entanto, no param por a. Nosso objetivo assinar um

    convnio amplo, que facilite ligaes tambm entre professores que no vieram

    ao Brasil nesta viagem, mas que, no entanto, possuem interesse em parcerias

    conosco. Com isso, outras reas diversas das reas dos professores que aqui

    vieram podem fechar parcerias. Um dos integrantes do grupo, George Lies, ir

    realizar um levantamento de quais professores (e suas respectivas reas de

    interesse, por exemplo, engenharia, lnguas, etc.) poderiam realizar futuras

    pesquisas em parceira conosco, completou o professor.

    A presidente do Frum de Pesquisadores das Instituies de Ensino Superior de

    Santarm (FOPIES), Irene Escher, apresentou a entidade aos pesquisadores

    americanos e ressaltou a importncia de parcerias como esta. Ns,

    pesquisadores aqui da regio, realizamos pesquisas cujos resultados sero

    utilizados no processo de tomadas de decises para melhorar a qualidade de

    vida na regio Oeste do Par.

    A WVU uma tradicional universidade americana, criada no fim do sculo XIX,

    que atua numa perspectiva multidisciplinar. L, em vez de institutos, h centros

    interdisciplinares nas reas de geocincias, biotecnologia, entre outras. Os

    principais temas desenvolvidos nas pesquisas na WVU envolvem

    principalmente as reas da agricultura, recursos naturais, turismo e recreao e

    gesto de florestas.

    Colquio de MatemticaDe 6 a 11 de agosto de 2012 a UFOPA recebe o

    II Colquio de Matemtica da Regio Norte,

    em Santarm (PA). O evento congregar

    pesquisadores, professores e alunos de

    Matemtica e de reas afins. A iniciativa da

    Sociedade Brasileira de Matemtica (SBM),

    com apoio do Instituto de Matemtica Pura e

    Aplicada (IMPA) e das universidades federais

    da regio Norte. Mais informaes:

    w w w . s b m . o r g . b r e

    www.clubedematematica.com.br/coloquionor

    te2012.

    ENEM ser usado no Processo Seletivo 2013 O Processo Seletivo 2013 da UFOPA adotar

    como referencial de seleo o maior resultado

    do Exame Nacional do Ensino Mdio (ENEM)

    de 2011 e 2012. O candidato dever preencher

    formulrio de inscrio especfico e informar

    seus respectivos nmeros de inscrio no

    ENEM destes anos. O PS 2013 habilitar para

    admisso UFOPA no semestre inicial,

    denominado Formao Interdisciplinar I.

    SIG-UFOPAEm breve, a UFOPA ter novo sistema de

    gesto o SIG-UFOPA. Com sistemas

    operacionais integrados, o SIG-UFOPA vem

    sendo implantado de forma gradual pelo

    Centro de Tecnologia de Informao e

    Comunicao (CTIC). Trs mdulos do sistema

    j foram lanados o mdulo Frias e o mdulo

    Cadastro do sistema SIGRH, alm do mdulo

    P r o t o c o l o . P a r a i n f o r m a e s e

    acompanhamento de todas as fases de

    implantao do sistema SIG-UFOPA, o CTIC

    criou um blogue, que o servidor pode acessar

    n o s e g u i n t e e n d e r e o e l e t r n i c o :

    http://www.ufopa.edu.br/sigufopa/.

    Eletronorte apoiar projetos da UFOPAA UFOPA e a Eletronorte firmaro acordo de

    cooperao e de parceria tcnica ainda no

    primeiro semestre deste ano. A assinatura do

    termo de parceria entre as duas instituies

    ocorrer em junho de 2012, em Santarm (PA).

    Na oportunidade tambm ser implantada a

    pedra fundamental da base cientfica da

    UFOPA na Hidreltrica de Curu-Una.

    CircularUFOPA

    [ Jornal da UFOPA - Ano II, n 7 ]

    Fo

    to:

    Gu

    ilh

    erm

    e F

    eij

    - A

    CS

    /CA

    PE

    S

    Reitor Seixas Loureno acompanhado dos diretores da Capes, Jorge Almeida Guimares, e do CNPq, Glaucius Oliva

  • pgina

    44

    Seminrio Amaznia na Rio+20

    O Secretrio de Cincia, Tecnologia e Inovao do Estado do Par (SECTI), Alex

    Fiza de Mello, defendeu uma mudana de foco no que se refere preservao

    da Amaznia. No podemos defender a Amaznia do ponto de vista apenas da

    preservao. A Amaznia tem de ser resgatada como sendo o que realmente :

    grande celeiro de produo de materiais estratgicos para as necessidades do

    mundo. Fiza foi um dos palestrantes na abertura do I Seminrio Amaznia

    na Rio+20, ocorrido em Santarm, na UFOPA, nos dia 19 e 20 de janeiro de 2012.

    necessrio levar em conta tambm a incluso social e a aplicao de

    conhecimento em bases sustentveis que sejam capazes de gerar um modelo

    racional de aproveitamento das nossas riquezas renovveis, isso levando em

    conta a aplicao de Cincia e Tecnologia, completou o secretrio Alex Fiza

    de Mello.

    Organizado pela UFOPA, Universidade Federal do Par (UFPA),

    Universidade Federal Rural da Amaznia (UFRA) e Universidade do Estado do

    Par (UEPA), com o apoio da Coordenao de Aperfeioamento de Pessoas de

    Nvel Superior (CAPES), o seminrio reuniu representantes de universidades e

    instituies de pesquisa com sede na Amaznia e instncias nacionais de

    fomento ao desenvolvimento da cincia e tecnologia. Entre os debatedores

    esteve presente o presidente da Capes, Jorge Almeida Guimares.

    A partir das discusses realizadas durante o Seminrio, ser elaborado um

    documento com propostas das instituies de Cincia e Tecnologia da

    Amaznia, a ser apresentado na Conferncia das Naes Unidas sobre

    Desenvolvimento Sustentvel (Rio+20), a ser realizada na cidade do Rio

    Janeiro, em junho deste ano.

    A base para as propostas ser o documento j elaborado pela Academia

    Brasileira de Cincias, intitulado Amaznia Desafio Brasileiro do Sculo XXI:

    a necessidade de uma revoluo cientfico-tecnolgica. Neste documento

    esto indicados pontos de fundamental importncia e alguns grandes

    desafios, entre eles a criao de universidades como a UFOPA, afirmou o

    reitor da UFOPA, Jos Seixas Loureno. Anfitrio do I Seminrio, Seixas

    Loureno disse que o prximo passo ser a consolidao do documento com as

    propostas debatidas em Santarm.

    necessrio levar em conta tambm a incluso social e a

    aplicao de conhecimento em bases sustentveis que sejam capazes de

    gerar um modelo racional de aproveitamento das nossas riquezas

    renovveis, isso levando em conta a aplicao de Cincia e

    Tecnologia.

    Novo modelo de desenvolvimento para a Amaznia

    [ Jornal da UFOPA - Ano II, n 7 ]

    HONORIS CAUSA

    Ao final do evento, foi realizada a solenidade de entrega do primeiro ttulo de

    Doutor Honoris Causa concedido pela UFOPA; o agraciado foi o presidente da

    CAPES, Jorge Almeida Guimares. A concesso de ttulo de Doutor Honoris

    Causa uma das mais importantes comendas dentro de todo o ritual

    universitrio. A prtica adotada h pelo menos oito sculos e reflete a

    importncia da pessoa que o recebe na vida de todos os envolvidos no

    ambiente acadmico.

    Jorge Almeida Guimares preside a CAPES desde 2004, doutor em Biologia

    Molecular pela Escola Paulista de Medicina (atual Universidade Federal de So

    Paulo, Unifesp), com ps-doutorado no National Institute of Health

    (NHI/EUA). Foi diretor cientfico do CNPq, diretor nacional e binacional do

    Centro Brasil-Argentina de Biotecnologia, secretrio nacional de Polticas

    Estratgicas e Desenvolvimento Cientfico do MCT. Publicou 155 artigos

    cientficos originais, dos quais recebeu mais de 2.100 citaes. Orientou 30

    mestres e doutores em qumica de macromolculas, toxinas proteicas,

    farmacologia bioqumica e molecular. J participou tambm de diversas

    comisses de avaliao institucional.

    Reitor Jos Seixas Loureno e Jorge Guimares

    Fo

    tos: Lene S

    anto

    s

  • pgina

    55

    [ Jornal da UFOPA - Ano II, n 7 ]

    Ministro da Integrao Nacional conhece projetos na UFOPA

    disse, citando o Simpsio Brasileiro de leos Essenciais, a ser realizado no prximo semestre, e o VI Simpsio

    Brasil/Alemanha de Desenvolvimento, a ocorrer em 2013. Seixas Loureno tambm citou a Criao do Parque de Cincia e

    Tecnologia do Tapajs como um dos principais avanos da UFOPA.

    "Podemos nos transformar em um polo de produo de fitoterpicos que possa atender, por exemplo, pacientes do SUS de

    toda a regio Oeste do Par". A referncia apenas a um dos projetos que vo integrar o parque. Outro projeto do PCT e que

    j est em processo de implantao o Ncleo Tecnolgico em Aquicultura (NTA), resultado de parceria entre a UFOPA e o

    Ministrio da Integrao Nacional, por meio da SUDAM.

    O diretor do Instituto de Cincias e Tecnologia das guas (ICTA), Prof. Dr. Jos Reinaldo Pacheco Peleja, fez um breve

    relato do processo de implantao do Ncleo Tecnolgico em Aquicultura, que alm de dar suporte aos cursos de graduao

    e mestrado do ICTA, ir realizar pesquisas que auxiliaro agricultores familiares no manejo das espcies tambaqui e aracu-

    cabea-gorda. "O terreno para a construo da estrutura fsica j foi adquirido e parte dos equipamentos j est comprada.

    A previso de que at o final do ano de 2013 o projeto esteja concludo".

    "Ficamos muito felizes em apoiar esse projeto, na rea da pesca e aquicultura, por meio da parceira com a SUDAM, que

    poder agregar mais emprego e renda aos moradores do Oeste. Projeto esse que no futuro poder servir de referncia para

    toda a regio Norte", afirmou Bezerra Coelho. O ministro deixou aos pesquisadores da UFOPA o desafio de realizar

    pesquisas que possam contribuir para a elaborao de polticas pblicas que beneficiem a populao desta regio. Desafio

    imediatamente aceito pelo reitor, que afirmou levar ao conhecimento do ministrio os diversos projetos que so

    desenvolvidos na UFOPA. "Estamos abertos a ampliar a cooperao e os investimentos aqui na regio Norte, e com isso

    cumprir uma meta da presidenta Dilma Roussef, que intensificar a presena do Ministrio da Integrao Nacional nas

    diversas regies do Pas", finalizou o ministro.

    O ministro da Integrao Nacional, Fernando Bezerra Coelho,

    conheceu, no dia 11 de maio de 2012, projetos que esto sendo

    desenvolvidos na UFOPA, em parceira com o ministrio, por meio da

    Superintendncia de Desenvolvimento da Amaznia (SUDAM), os

    quais somam cerca de 2 milhes de reais, durante audincia com o

    reitor da UFOPA, Jos Seixas Loureno, da qual participaram tambm

    diretores de institutos e pr-reitores, alm da prefeita de Santarm,

    Maria do Carmo Martins. O reitor Seixas Loureno apresentou ao

    ministro o modelo acadmico da UFOPA e os avanos conquistados

    pela universidade nos ltimos dois anos. "Construmos modernas salas

    de aula com capacidade para 50 alunos, temos tambm um moderno

    auditrio que est ajudando a transformar a cidade de Santarm em

    um importante polo de eventos cientficos nacionais e internacionais",

    UFOPA e Santander ampliam parceria

    Durante audincia ocorrida em maio, em Santarm (PA), da qual participaram o reitor Jos Seixas Loureno e a assessora

    de Relaes Nacionais e Internacionais, Profa. Patrcia Chaves, o gerente do Programa Amaznia 2020 das Universidades

    Federais da Rede Centro-Oeste-Norte do Santander/Universidades, Alexssandro da Silva Lima, informou que o programa

    est ampliando o nmero de bolsas que sero ofertadas para a Universidade Federal do Oeste do Par (UFOPA) em 2012.

    Vamos oferecer mais 100 bolsas de estudo de Ingls e mais 200 bolsas de Espanhol, que no estavam previstas

    inicialmente, isso porque a quantidade de inscries dos alunos em todos os nossos programas aqui na UFOPA tm

    chamado a ateno do Santander, o que faz com que olhemos para a UFOPA de forma diferente.

    Alm das bolsas de estudo, o Santander tambm ir oferecer UFOPA uma sala digital, cujo local de instalao est sendo

    definido. Ao todo sero instalados 16 computadores. O banco ser responsvel por toda a infraestrutura, como o

    mobilirio, impressora, escner, cabeamento etc., alm de garantir a manuteno do espao por 5 anos.

    Outra parceria foi firmada para a doao, pelo banco, da Targeta Universitria Inteligente (TUI), ou seja, o Santander ir

    fornecer a professores e tcnicos carto de identificao e, aos alunos, carteira estudantil. Vamos patrocinar para a

    UFOPA o TUI, que uma espcie de identificao inteligente que comporta at 60 funes a serem definidas pela prpria

    Universidade, afirmou Alexssandro. Com o TUI, os alunos podem, por exemplo, registrar desde a presena em sala de

    aula at um pagamento de fotocpias, ou ainda pagar sua refeio. Ele refora que o carto da Universidade, e no do

    banco, portanto no ser necessria a abertura de conta para desfrutar dos benefcios.

    Alexssandro define a parceria com a UFOPA: Sucesso. Eu fiz questo de trazer pessoalmente a carta do programa

    assinada pelo Sr. Jamil Hannouche, presidente do programa Santander/Universidades no Brasil. O crescimento desta

    Universidade visual. H um ano estive aqui, e hoje percebo o quanto os espaos foram ampliados. O Santander quer

    crescer junto com a UFOPA.

    Fo

    to:

    Ma

    ria

    Lcia

    Mo

    rais

    Reitor Seixas Loureno apresentou ao ministro da Integrao Nacional, Fernando Bezerra, projetos desenvolvidos na UFOPA

  • pgina

    66

    UFOPA recebe calouros 2012

    A Universidade Federal do Oeste do Par (UFOPA) recebeu, no ltimo dia 27

    de fevereiro, mais uma turma de novos alunos. o segundo processo seletivo

    da Universidade, criada h dois anos. De acordo com o modelo acadmico da

    UFOPA, os calouros ingressam no Centro de Formao Interdisciplinar (CFI),

    onde cursam mdulos do primeiro semestre, cujo contedo vai de Lngua

    Portuguesa a Meio Ambiente, passando por Produo de Textos e Estatstica,

    sempre com foco nas questes amaznicas.

    Ana Paula de Oliveira Bicalho, 20 anos, veio de Paragominas para cursar

    Geofsica. muito diferente do que imaginei. Aqui estudamos, logo no

    primeiro semestre, Estatstica e ao mesmo tempo Meio Ambiente, Lngua

    Portuguesa; enfim, gostei muito dessa metodologia.

    O processo seletivo Em 2011, 16.725 candidatos disputaram uma vaga,

    dos quais 1.150 foram os aprovados. Destes, 35.65% so oriundos da regio

    Oeste do Par; quase a metade, ou seja, 38,26%, so da regio Metropolitana

    de Belm; 2,96% do Sul do Par e 22,52% de outros estados brasileiros. A

    maior nota neste segundo processo de seleo foi 792,74, e a menor, 624,10.

    A UFOPA oferta 1.200 vagas distribudas em cinco institutos temticos.

    Dessas vagas, 50 so destinadas ao Processo Seletivo Especial Indgena. Em

    2012 a Universidade realizou 5 cinco chamadas complementares.

    A UFOPA no realiza vestibular; utiliza integralmente a nota do Exame

    Nacional do Ensino Mdio (ENEM) para o acesso dos candidatos. Entre os

    aprovados para a UFOPA pelo ENEM, o primeiro lugar geral ficou com

    Clariano Pires de Oliveira Neto. Entre os candidatos da regio Oeste do Par,

    o primeiro colocado foi Fbio Henrique Dolzany Rosales. Fernando Silva

    Almeida conquistou o segundo lugar e o terceiro lugar ficou com Jair

    Marlon Vtor Oliveira, calouro 2012: "Escolhi a UFOPA."

    muito diferente do que imagi-

    nei. Aqui estudamos, logo no

    primeiro semestre, Estatstica e

    ao mesmo tempo Meio Ambiente,

    Lngua Portuguesa; enfim, gostei

    muito dessa metodologia.

    Com um modelo acadmico inovador, a UFOPA se pauta pela

    interdisciplinaridade. Oferta mdulos, em vez de disciplinas isoladas, os

    quais abrangem as mais diversas reas do conhecimento. Antes de

    chegar a um dos cinco institutos temticos da Universidade, o aluno

    cumpre um percurso acadmico que o faz entrar em contato com

    conhecimentos ligados rea pretendida. a nica universidade

    brasileira que adota integralmente esse modelo.

    O panorama das universidades brasileiras, no que se refere evaso e

    reteno de vagas, cruel. De cada cem alunos que ingressam, apenas

    50 chegam at o final do curso. A afirmao do pr-reitor de Ensino de

    Graduao, Prof. Jos Antonio de Oliveira Aquino. De acordo com ele,

    nas universidades federais a evaso de 25%. Nesses trs semestres de

    funcionamento do modelo acadmico da UFOPA, a nossa evaso ficou

    em torno de 15%; isso mostra que estamos no caminho certo. Aquino

    afirmou ainda que a evaso alcanou esse patamar por causa do

    desconhecimento da maioria dos alunos sobre o processo de mobilidade

    acadmica interna. Nosso alunos tm a possibilidade de optar por um

    percurso acadmico que os levar ao curso pretendido, concluiu.

    Marlon Vtor Oliveira, 20 anos, um exemplo disso. Em 2011 foi

    aprovado no curso de Teatro da Universidade Federal do Par (UFPA),

    chegou a cursar um semestre e desistiu. No era o que eu queria, tinha

    uma viso errada do curso. Desisti e voltei para a UFOPA, porque aqui

    terei tempo para me decidir enquanto curso esse primeiro semestre,

    disse, ao se referir ao modelo acadmico da UFOPA, pautado na

    interdisciplinaridade.

    O modelo acadmico

    Fo

    tos: Lene S

    anto

    s

    [ Jornal da UFOPA - Ano II, n 7 ]

  • pgina

    77

    UFOPA lana novos cursos de doutorado

    Focando no objetivo de consolidar o ensino e a pesquisa no corao da regio amaznica, a Universidade Federal do Oeste do Par lanou, nos

    meses de abril e maio deste ano, dois novos cursos de ps-graduao, nvel stricto sensu: o doutorado interdisciplinar em Sociedade, Natureza

    e Desenvolvimento e o doutorado interinstitucional em Educao, este em parceria com a Universidade de Campinas (Unicamp).

    O doutorado em Sociedade, Natureza e Desenvolvimento ser o primeiro doutorado ofertado, integralmente, pela UFOPA. A aprovao pela

    Coordenao de Aperfeioamento de Pessoal de Nvel Superior (Capes) foi anunciada no ms de abril, durante coletiva de imprensa que teve a

    participao da coordenadora do curso, Prof. Dra. Tereza Ximenes, e do reitor, Prof. Dr. Jos Seixas Loureno.

    Como esclareceu a coordenadora, o curso ser conduzido por uma metodologia interdisciplinar, que buscar a interface entre as cincias

    sociais e naturais, possibilitando, desta forma, a realizao de pesquisas relevantes sobre a regio Amaznica. Este curso ser muito

    importante para a regio, pois ele conduzido pela metodologia interdisciplinar, o que significa a interao entre cincias sociais e cincias

    naturais. Teremos vrias linhas de pesquisa, o que permitir ao aluno, ao integrar este conhecimento, trabalhar com problemticas que

    demandam uma viso holstica da realidade, considera a Profa. Tereza Ximenes.

    Foto

    : Talita

    Baena

    Inicialmente, sero ofertadas 15 vagas e a seleo est

    prevista para o ms de julho. O incio das aulas dever

    ocorrer na segunda quinzena do ms de agosto.

    Dinter em Educao

    Outra conquista na ps-graduao na rea da

    Educao. A consolidao de parceria entre a Unicamp

    e a UFOPA ir possibilitar a oferta de doutorado

    interinstitucional (Dinter) voltado para a rea da

    Educao. Com a parceria, ser atendido um grande

    anseio por cursos de ps-graduao stricto sensu da

    comunidade docente em toda a regio do Baixo

    Amazonas.

    Podero participar do processo seletivo do Dinter os professores das instituies de ensino superior (IES) que j possuem o ttulo de mestre. O

    curso ter durao de quatro anos e os aprovados no processo de seleo, que dever ser realizado durante o ms de junho, cursaro as

    disciplinas em Santarm, na UFOPA, durante o 2 semestre de 2012 e 1 semestre de 2013. Aps esta etapa, o pesquisador dever deslocar-se

    at a cidade de Campinas, onde ter a vivncia dos grupos de pesquisa da Unicamp, com oferta de bolsa. Esta fase de preparao do

    pesquisador ter a durao de um ano e, ao trmino dela, o pesquisador voltar a Santarm para a concluso de sua tese de doutorado.

    O edital com as diretrizes do processo seletivo do curso ser publicado pela Unicamp ainda este ms. Ao todo sero ofertadas 20 vagas,

    distribudas em trs linhas de pesquisa: Histria e Filosofia em Educao; Polticas de Educao e Sistemas Educacionais; e Ensino e

    Prticas Culturais.

    De acordo com o coordenador do Programa de Ps-Graduao em Educao da Unicamp, Dario Fiorentini, a Unicamp recebeu 15 propostas de

    parceria interinstitucional, e a escolhida foi a UFOPA. A parceria com a UFOPA foi vista como uma oportunidade de a Unicamp ter uma

    experincia diferente de formao de professores e de pesquisadores, devido ao projeto diferente de organizao institucional da UFOPA. O

    Instituto de Cincias da Educao (ICED), por exemplo, um instituto no qual todas as disciplinas Matemtica, Fsica, Qumica, Biologia,

    Histria, Letras enfim, todas esto alocadas em um mesmo instituto, que o de Educao. E isso nos faz pensar a formao do professor das

    diferentes reas de conhecimento de forma mais articulada, integrada, ou seja, pensar a Qumica, a Fsica e a Matemtica na perspectiva da

    relao com o outro, com o aluno, com o aprendiz, de modo que essa Matemtica, que todo mundo acha chata, possa ter uma outra relao, um

    outro sentido para os alunos, que esses encontrem, nestes contedos, algo de valor, que faa sentido, e portanto passem a se interessar e a

    gostar, se interessar por este tipo de conhecimento. Enfim, ns vimos aqui a oportunidade de um projeto interessante, e pensamos que

    podemos contribuir, sim, mas tambm podemos aprender junto, avalia o coordenador.

    Demanda histrica

    A necessidade de formao continuada para os professores formados em experincias de interiorizao, em Santarm, histrica. De acordo

    com o Prof. Dr. Anselmo Colares, h uma demanda que se prolonga desde a dcada de 1980, quando foram ofertados os primeiros cursos de

    licenciatura. Essas pessoas que se formaram em licenciatura e permaneceram aqui no passaram do nvel da especializao. Alguns dos

    doutores que aqui encontramos buscaram sua formao em outras cidades, e alguns no voltaram. Ou seja, este Dinter em Educao de

    grande importncia estratgica para a regio e para a universidade, pois a partir dele poderemos alcanar a independncia, com a criao do

    nosso programa de ps-graduao em Educao, atendendo esta demanda antiga por ps-graduao stricto sensu, destaca.

    Foi com o intuito de superar estas e outras desigualdades educacionais histricas, vividas pela populao do interior da Amaznia, que, da

    unio das unidades da UFPA e da UFRA no Oeste do Par, surgiu a UFOPA, um marco no que se refere ao ensino superior pblico na regio

    Amaznica. Para se ter uma ideia da velocidade com que a UFOPA est se consolidando: estamos caminhando para superar o nvel de

    professores da UFRA, uma das instituies que nos deram origem. Em apenas dois anos alcanamos a marca de 228 professores; a UFRA tem

    250, e com a realizao de mais de 100 concursos para professor adjunto da UFOPA, daremos um salto que superar uma das instituies que

    nos deram origem, salienta o reitor da UFOPA, Prof. Dr. Jos Seixas Loureno.

    [ Jornal da UFOPA - Ano II, n 7 ]

  • A Universidade Federal do Oeste do Par recebeu, nesta segunda-feira, dia

    27, no Auditrio Curu-Una do Barrudada Tropical Hotel, cerca de 1.200

    novos alunos egressos do Enem. A solenidade, que teve a participao do

    reitor da UFOPA, Prof. Dr. Jos Seixas Loureno, e do Prof. Dr. Alex Fiza de

    Mello, abriu as atividades do ano letivo de 2012.

    Antes do incio da Aula Magna, proferida pelo Prof. Alex Fiza de Mello, o

    reitor felicitou os novos alunos por dois motivos: primeiramente, por terem

    eles vencido a grande concorrncia que ingressar em um curso

    universitrio; e, segundo, por, a partir de agora, estarem integrados a um

    projeto universitrio inovador e que j se destaca no Brasil e no exterior.

    Com pouco mais de dois anos de existncia como universidade autnoma, a

    UFOPA j pode comemorar, alm das primeiras obras estruturais, as muitas

    conquistas na graduao, na ps-graduao, na pesquisa e na articulao

    com a sociedade, conquistas estas que foram amplamente reconhecidas pela

    comunidade acadmica e pela sociedade, manifestadas pelos prmios

    conseguidos neste perodo. importante registrar que, neste curto perodo

    de tempo, conseguimos implantar trs mestrados e um doutorado, e com

    este crescimento qualitativo a UFOPA se consolida como uma genuna

    universidade, no seu sentido legtimo e legal, j que atualmente cerca de 40%

    das universidades no cumprem os critrios exigidos pelo MEC, enfatizou.

    Aula inaugural Aps as boas-vindas, foi dada a palavra ao Prof. Dr. Alex

    Fiza de Mello, ex-reitor da Universidade Federal do Par (UFPA) e atual

    secretrio de Estado de Cincia, Tecnologia e Inovao. Em seu

    pronunciamento, enfatizou inicialmente que a oportunidade de proferir a

    Aula Magna tem simbolismo particular para ele. Estar aqui e ver realizado

    um sonho de tantos e durante tanto tempo na busca da constituio desta

    instituio, que na verdade um smbolo diferenciado para esta regio e

    para o pas. Primeiro, porque resultado de um trabalho de tantos e de

    tantas geraes que aspiraram por ela, da sociedade local que aspirou por

    ela; mas porque a universidade tambm tem uma caracterstica nica e

    impar e que histrica, ela primeira universidade pblica do interior da

    regio amaznica, declarou.

    O professor lembrou que, tradicionalmente, as universidades se situaram

    nas capitais. A UFOPA, portanto, por estar no corao da regio amaznica,

    tem um destino diferenciado das tradicionais instituies universitrias. Se

    ns tivermos a grandeza de perceber isso, e construirmos nessa perspectiva

    um destino impar e que pode, na verdade, destac-la dentro do cenrio da

    educao superior brasileira, e eu diria tambm no cenrio latino-

    americano, ns estamos apenas no incio de um processo, cujo futuro ns no

    temos conscincia possvel para saber.

    O orador defendeu a tese de que a universidade, uma das instituies mais

    antigas da sociedade, vive uma crise, pois seu modelo histrico vem

    passando por transformaes, tambm vivenciadas pela prpria sociedade,

    marcada pela globalizao e pelo conhecimento, que no se d mais apenas

    na escola. A crise a crise da reestruturao da instituio universitria.

    Ento, a UFOPA, como instituio nova, tem que pensar em constituir-se de

    uma forma que possa vir a atender a esses novos tipos de demanda que so

    colocados para as velhas estruturas universitrias. Uma universidade, para

    ser uma boa universidade e atender sua finalidade social e histrica, no

    mnimo tem que ser uma universidade com um quadro de professores bem

    qualificados, que saibam produzir conhecimento e que saibam ensinar aos

    alunos a aprender e a conhecer, aplicando o conhecimento universal

    disponvel s necessidades da regio onde ela se encontra; isso que

    fundamental para que ela se torne til e sirva de referncia; eu diria que isso

    j uma grande agenda para UFOPA, concluiu.

    pgina

    88

    [ Jornal da UFOPA - Ano II, n 7 ]

    Aula Magna recebe novos alunos

    Em sua Aula Magna, o Prof. Dr. Alex Fiza de Mello apresentou os desafios das instituies universitrias no sculo XXI

    Prof. Fiza de Mello: A crise da educao superior a crise da reestruturao da instituio universitria.

    Mais de mil calouros participaram da cerimnia

    Foto

    s:

    Edic

    lei O

    liveira

  • A implantao do Parque de Cincia e Tecnologia (PCT) do Tapajs foi o tema central

    de reunio entre os representantes da UFOPA e do Centro de Gesto e Estudos

    Estratgicos (CGEE), organizao social, sem fins lucrativos, que est realizando um

    estudo, para o Ministrio da Cincia, Tecnologia e Inovao (MCTI), sobre a

    implantao de Parques Tecnolgicos e Cientficos da Amaznia.

    Ocorrido em maro de 2012, na Reitoria da UFOPA, o encontro contou com a

    participao de professores, pesquisadores e representantes de diferentes

    segmentos da sociedade civil, que apresentaram suas expectativas com relao ao

    PCT Tapajs, que ser implantado no Campus da UFOPA, em Santarm (PA).

    "Essa uma oportunidade excelente para estabelecermos um intercmbio maior

    com o CGEE e a sociedade local", afirmou, durante o encontro, o reitor da UFOPA,

    Prof. Dr. Jos Seixas Loureno. "Estamos buscando a nossa prpria identidade e

    estudando a melhor forma de governana para o Parque Tecnolgico do Tapajs,

    que se adeque s necessidades e exigncias tanto do governo estadual quanto

    federal".

    pgina

    99

    UFOPA e CGEE discutem implantao do Parque Tecnolgico do Tapajs

    Parque - "As definies de Parque

    Tecnolgico so to amplas que englo-

    bam desde incubadoras de empresas at

    o conceito de tecnpole. No entanto,

    cada regio ou comunidade tem o direi-

    to de inventar o seu parque tecnolgico,

    de definir uma identidade prpria para

    este", explicou Roberto Spolidoro, do

    CGEE. "O Parque Tecnolgico deve

    responder com eficcia aos desafios da

    economia globalizada e da sociedade do

    conhecimento. Ele deve ser concebido

    no mbito desse novo paradigma".

    Alm de explicar a estrutura acadmica

    da universidade, o reitor da UFOPA

    apresentou as principais reas indica-

    das para inovao no mbito do plano de

    negcios do PCT Tapajs. So elas:

    tecnologia da madeira; agricultura

    tropical e produtos da floresta; pesca e

    aquicultura; geologia mineral; energias

    renovveis; e produo de softwares.

    "Cada parque tecnolgico tem uma

    vocao e o papel da universidade de

    fundamental importncia na definio

    dessa identidade", afirmou Seixas

    Loureno, ao ressaltar ainda que a

    UFOPA tem o papel de formar pessoas

    com esprito empreendedor. "H uma

    preocupao muito grande de interagir-

    mos tambm com as cooperativas

    populares e de incentivarmos a criao

    de empresas juniores no PCT Tapajs".

    SINFRA integra projeto piloto de Gesto por Competncias

    O grupo de consultores internos da

    UFOPA, o qual atua no projeto piloto de

    implantao do Sistema de Gesto por

    Competncias na Superintendncia de

    Infraestrutura (SINFRA), entra na

    terceira fase. Nesta etapa, est sendo

    feita a validao do texto das

    competncias referentes aos cargos e a

    tambm a competncia institucional.

    Nas fases anteriores, por meio da anlise

    documental e da metodologia de grupo

    focal, foram redigidas as competncias

    relativas aos cargos. Como competncia

    e n t e n d e - s e o c o n j u n t o d e

    conhecimentos, habilidades e atitudes

    necessrias ao desempenho das funes

    dos servidores, visando ao alcance dos

    objetivos da instituio.

    A competncia institucional da

    Universidade ficou assim redigida: O

    conjunto de conhecimentos expressos

    pelos desempenhos didtico-cientfico-

    a d m i n i s t r a t i v o s c a l c a d o s n a

    interdisciplinaridade que caracterizam

    a UFOPA no cumprimento de seu papel

    institucional com foco na natureza, na

    sociedade e no desenvolvimento da

    Amaznia.

    O que A gesto por competncias

    uma exigncia do Decreto 5.707/2006 a

    todos os rgos da administrao

    pblica federal, o qual a define como a

    g e s t o o r i e n t a d a p a r a o

    desenvolvimento das habilidades e

    atitudes necessrias ao desempenho das

    funes dos servidores.

    Contratada para auxiliar a equipe de

    consultores internos responsveis pela

    implantao do projeto piloto, a

    Unitalentos, empresa fundada em 2006 e

    [ Jornal da UFOPA - Ano II, n 7 ]

    com sede em Braslia, atua na rea de

    c r i a o , d e s e n v o l v i m e n t o e

    g e r e n c i a m e n t o d e c u r s o s e

    metodologia para a rea de educao

    corporativa.

    A ideia de implantar o Sistema de

    Gesto por Competncias na UFOPA

    surgiu por meio da aprovao do

    projeto intitulado Gesto de pessoas

    c o m f o c o e m c o m p e t n c i a s :

    preparando um novo profissional para

    uma nova universidade na Amaznia,

    da Coordenadoria de Desempenho e

    Desenvolvimento (CDD), junto ao

    comit gestor da Secretaria de

    Recursos Humanos do Ministrio do

    Planejamento, Oramento e Gesto

    (SRH/MPOG), em outubro de 2010.

    Foto

    : M

    aria L

    cia

    Mora

    is

  • pgina

    10

    Comit de tica em Pesquisa elege coordenao

    O Comit de tica em Pesquisa (CEP) da

    UFOPA, durante reunio realizada no

    l t i m o d i a 1 4 d e m a r o , e l e g e u

    coordenadores e definiu diretrizes para a

    formao do Conselho de Pesquisa e o seu

    estatuto. O bilogo Lus Reginaldo

    Rodrigues e o mdico veterinrio Kedson

    Alessandrini Lobo Neves foram eleitos

    coordenador e v ice-coordenador ,

    respectivamente.

    De carter consultivo, deliberativo e

    e d u c a t i v o , c o m c o l e g i a d o s

    interdisciplinares, o Comit de tica tratar

    de pesquisas com envolvimento humano e

    dever funcionar como um fi ltro

    institucional.

    O pr-reitor de Pesquisa, Ps-Graduao e

    Inovao Tecnolgica, Marcos Ximenes

    Ponte, esteve presente reunio e explicou a

    origem dos comits de tica. Eles tm

    origem na rea da sade, quando se fazia

    pesquisa com experimentos clnicos etc.

    Atualmente, o entendimento dessa matria

    ultrapassa esse limite puramente humano

    do ponto de vista orgnico, e passa tambm a

    ter um envolvimento em pesquisas da rea

    de cincias sociais, na qual h envolvimento

    de pessoas ou grupos sociais. Como essas

    pessoas so envolvidas com informaes

    pessoais, ou informaes do grupo, h a

    exigncia de que se estabeleam critrios

    ticos para a realizao da pesquisa,

    explica. O prximo passo do comit ser a

    elaborao do regimento. Nele, sero

    estabelecidas as normas de operao e as

    agendas de pesquisa. Hoje o Conselho de

    tica um elemento muito importante na

    institucionalidade brasileira na rea da

    pesquisa. Muitos rgos cobram das

    instituies a aprovao dos seus projetos

    em comisses de tica. J utilizamos outros

    conselhos de tica instalados fora, para que

    eles pudessem avaliar os nossos projetos, e

    isso demonstra que, hoje em dia, a criao

    de conselhos de tica uma sistemtica que

    as instituies usam, e nenhuma

    universidade pode deixar de ter um

    conselho de tica, conclui.

    Novos servidores pblicos federais so empossados

    A UFOPA realizou no dia 3 de fevereiro de 2012, no Auditrio Wilson Fonseca,

    a cerimnia de posse dos seus novos servidores. Durante a cerimnia foram

    empossados 42 servidores pblicos federais aprovados nos concursos

    pblicos realizados pela instituio. So 10 professores, 7 tcnicos

    administrativos (nvel superior) e 32 assistentes administrativos.

    Llian Oliveira fez o juramento do servidor pblico e assumiu o cargo de assistente administrativo

    Organizada pela Pr-Reitoria de Planejamento Institucional (PROPLAN),

    por meio da Diretoria de Gesto e Desenvolvimento de Pessoas (DGDP), a

    solenidade contou com a participao da comunidade acadmica e foi

    presidida pelo reitor da UFOPA, Prof. Dr. Jos Seixas Loureno, que fez um

    balano sobre a atual situao da universidade. A iniciativa faz parte da

    poltica de valorizao dos recursos humanos da instituio e teve por

    objetivo proporcionar aos novos servidores pblicos federais um momento

    de acolhimento e de integrao com o ambiente institucional e a

    comunidade acadmica.

    Prof. Dr. Jos Seixas Loureno empossando novo servidor

    Reitor Seixas Loureno explicando aservidores sobre a estrutura acadmica da UFOPA

    os novos

    Foto

    s: Lucia

    na L

    eal

    [ Jornal da UFOPA - Ano II, n 7 ]

  • pgina

    11

    A busca por um turismo que v alm do turismo de sol e praia o que

    pretende o projeto de extenso Roteiros Santarenos, coordenado pela Profa.

    Deize Carneiro, gegrafa especializada em dinmicas fluviais, e tambm pelo

    Prof. Eduardo Martins, oceangrafo que atua na rea de sedimentologia.

    Vinculado ao programa de extenso Cultura, Identidade e Memria na

    Amaznia do Centro de Formao Interdisciplinar (CFI), o projeto

    promovido pelo Programa de Cincias da Terra do Instituto de Engenharia e

    Geocincias (IEG).

    A mobilizao da comunidade acadmica e da sociedade santarena em

    geral, para a necessidade de se conhecer a geologia e a histria da formao

    do lugar, o objetivo do projeto, que tambm promover um tipo de turismo

    voltado para a geoconservao, denominado geoturismo. uma forma

    alternativa de fazer educao ambiental, e est dentro de uma rea da

    Geologia, das Cincias da Terra, chamada Geoconservao, uma linha

    terica que contribui para a conservao de ambientes abiticos, isto ,

    rochas, relevos, minerais, ou seja, ambientes no vivos. todo um

    movimento, uma linha terica da Geologia que busca conservar a

    diversidade desses ambientes abiticos que chamamos geodiversidade. No

    temos s a biodiversidade, temos tambm a geodiversidade, que a

    diversidade de monumentos geolgicos, explica a coordenadora.

    ROTEIROS SANTARENOS: Projeto pretende mobilizar sociedade para turismo de conservao

    Conhecendo a terra em

    pesquisa e ao

    Conhecer, mas tambm transformar a

    realidade pesquisada, foi a sada

    encontrada pelos idealizadores do

    projeto para solucionar a questo dos

    professores vinculados ao programa de

    Cincias da Terra, do Instituto de

    Engenharia e Geocincias (IEG), que

    ainda no conhecem as caractersticas

    locais. O programa de Cincias da

    Terra existe h um ano, e como a

    maioria dos professores ainda no

    conhecem as caractersticas locais,

    tivemos a ideia de conhecer os

    ambientes que iremos explorar nos

    trabalhos de campo, nas disciplinas, nas

    pesquisas, considerando a vocao

    n a t u r a l , o t u r i s m o , q u e e s t

    acontecendo e a necessidade de haver

    uma educao ambiental e patrimonial,

    enfim, uma necessidade maior por

    parte da populao. Pensamos ento em

    unir a necessidade de explorar

    ambientes e abrir a experincia para a

    comunidade, realizando uma pesquisa

    tipo pesquisa-ao, ressalta.

    Ao todo, esto programadas 10

    excurses a lugares de grande potencial

    turstico de Santarm. Em cada

    excurso a comunidade poder

    participar por meio de inscrio via e-

    mail, informa a coordenao do projeto.

    Os participantes da excurso caminharam at a Serra da Piraoca, onde alunos participaram de aula de geologia ao ar livre

    Alter do Cho foi a primeira comunidade visitada pelo projeto Roteiros Santarenos

    Foto

    : Talita

    Baena

    Foto

    : Talita

    Baena

    Foto: Talita Baena

    Foto

    : Talita

    Baena

    [ Jornal da UFOPA - Ano II, n 7 ]

  • pgina

    12

    Um novo percurso para as Geocincias na Amaznia

    Gelogo de formao, com um extenso currculo acadmico-

    profissional, o professor Dr. Bernardino Ribeiro de

    Figueiredo, da Universidade Estadual de Campinas

    (UNICAMP), faz um balano sobre sua permanncia na

    UFOPA, onde, nos ltimos dois anos, vem contribuindo para

    a implantao do Instituto de Engenharia e Geocincias (IEG)

    e dos cursos de graduao de Geologia e Geofsica. Nascido

    em Belm (PA), Figueiredo possui formao ps-graduada

    pela Universidade de Uppsala, na Sucia, e atua em

    diferentes reas das Geocincias, como Metalogenia,

    Geoqumica Ambiental e Geologia Mdica. Atualmente tem

    focado suas pesquisas para um tema que considera

    preocupante: os efeitos das poeiras sobre o meio ambiente e

    s populaes humanas.

    A principal motivao foi o projeto da UFOPA, que bastante

    diferenciado no Brasil e vem ao encontro das discusses que

    se desenvolveram, ao longo das ltimas dcadas, sobre o que

    deve ser uma universidade. E tambm pelo fato de eu ter

    desenvolvido toda a minha carreira acadmica na UNICAMP,

    e ter essa oportunidade de contribuir para uma instituio

    na Amaznia.

    H alguns aspectos a se considerar. O primeiro de que as

    profisses de gelogos e geofsicos so regulamentadas por

    lei. Na formulao dos cursos da UFOPA esses regulamentos

    j estabelecidos tm que ser obedecidos, o que restringe o

    espao para grandes inovaes ou novidades. A universidade

    vai conferir o diploma de bacharel em Geologia ou em

    Geofsica a esses estudantes, que vo ter que se registrar no

    CREA (Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura) para

    poder exercer a profisso, e ns no vamos correr o risco de

    que, no final do curso, por conta de uma srie de mudanas,

    eles sejam impedidos de exercer a profisso por falta de

    registro no CREA.

    O que acontece, como resultado de todas as discusses no

    Brasil e nos pases desenvolvidos, que expor esses alunos a

    contedos de cincias humanas, de lnguas, informtica, ou

    seja, de uma srie de contedos complementares, resultar

    em um melhor desempenho profissional. Os gelogos tm

    que ser bons tcnicos, porm capazes de tambm analisar a

    realidade brasileira, o contexto internacional, de dominar

    outros contedos para melhorar seu desempenho. Nesse

    sentido, o projeto da UFOPA contribuir para a formao de

    um profissional diferenciado.

    A UFOPA como um videoteipe daquilo que j vivi, porm em

    uma escala muito maior, pois j no a implantao de um

    instituto, mas de toda uma universidade, uma situao

    muito mais complexa. Estou recebendo os novos professores

    e tenho mostrado para eles que todas essas dificuldades por

    que estamos passando so prprias do momento de

    implantao.

    Fui um dos pioneiros no Instituto de Geocincias da

    UNICAMP no incio da dcada de 1980. L partimos do zero,

    embora a Unicamp j existisse havia uns 15 anos. O Instituto

    de Geocincias da UNICAMP constava apenas dos estatutos.

    Partir do zero significa nenhum laboratrio, nenhum espao

    fsico, nada de biblioteca. Comeamos formulando os cursos

    de ps-graduao, elaborando os primeiros projetos de

    pesquisa, construindo os primeiros laboratrios e biblioteca,

    ocupando espaos fsicos j existentes na universidade.

    Aps 15 anos de curso de ps-graduao, tambm coordenei

    na Unicamp a comisso que criou os cursos de Geologia e

    Geografia, e essa experincia est sendo til aqui, no

    momento em que a UFOPA previu a criao do IEG, a criao

    Qual sua motivao para vir a Santarm atuar como

    professor na UFOPA? Como est sendo essa experincia?

    Qual sua opinio a respeito do modelo acadmico

    interdisciplinar adotado pela UFOPA? possvel formar

    bons profissionais, principalmente das geocincias, por

    meio desse sistema?

    Voc acompanhou a implantao do Instituto de Geocincias

    da Unicamp e hoje est participando da implantao do

    Instituto de Engenharia e Geocincias (IEG) da UFOPA. Como

    foi esse processo na UNICAMP?

    do Programa de Cincias da Terra e os cursos de Geologia e

    Geofsica, como esto sendo propostos hoje.

    Na UFOPA voc coordena a pesquisa Estudos Integrados de

    Solo Superficial em reas da Amaznia. Qual o objetivo

    dessa pesquisa e como ela est sendo realizada?

    A pesquisa analisa as partes mais superficiais do solo para

    verificar como ocorre a influncia das deposies

    atmosfricas, ou seja, as deposies dos aerossis e das

    poeiras. Essas poeiras tm diferentes origens: queimadas,

    erupes vulcnicas, ressuspenso de solo por vento, etc.

    Podem se originar tambm em fontes muito distantes da

    Amaznia, como o deserto do Saara, onde se originam as

    poeiras transocenicas. Trata-se de uma pesquisa muito

    difcil. Temos uma equipe que inclui professores do Instituto

    de Geocincias da Universidade Federal do Par (UFPA),

    alm de vrios colegas da UFOPA. J incorporamos dois

    bolsistas de iniciao cientfica e uma ps-doutora, com uma

    bolsa PRODOC, concedida pela Capes, sob a minha

    superviso.

    O mesmo projeto, com outro nome, Influncia das

    deposies atmosfricas em solos da Amaznia, foi

    aprovado no ltimo edital universal do CNPq, para o perodo

    2012 a 2014. Com a aprovao no CNPq, temos agora um

    financiamento maior, alm de uma equipe ampliada,

    incluso de estudantes da UFOPA e da Unicamp, uma ps-

    doutora e um fortalecimento com os nossos laos de

    cooperao com o Instituto de Geocincias da UFPA.

    J coletamos amostras de solo superficial nos municpios de

    Monte Alegre e Itaituba e na Floresta Nacional do Tapajs.

    Vamos adquirir um coletor de particulados, que

    instalaremos nesses locais, de maneira que saberemos a

    composio qumica desse material, ao mesmo tempo em

    que teremos amostras dos solos para comparar e verificar se

    h indicadores qumicos da influncia da atmosfera na

    composio dos solos. Isso uma novidade, porque o solo

    normalmente entendido como derivado apenas do substrato

    rochoso. Embora se saiba que existam micro-organismos,

    organismos vivos, vegetais e animais no solo, que existe uma

    grande atividade qumica, formando um sistema onde

    ocorre uma enormidade de processos, normalmente se

    esquece das deposies atmosfricas, que podem trazer uma

    srie de materiais completamente estranhos quela rea, de

    outras partes, e isso que estamos querendo analisar. Se for

    possvel, tambm tentaremos apontar efeitos benficos ou

    adversos sade humana dessas poeiras.

    Metalogenia ou Metalognese o campo do conhecimento

    onde se estudam as jazidas minerais, o que para o Par algo

    extremamente importante, porque o estado detm uma das

    maiores provncias mineral do planeta, Carajs, onde

    realizei estudos na dcada de 1980; enormes jazidas de

    bauxita e caulim; e, na bacia do Tapajs, inmeros depsitos

    de ouro. Esse estudo das provncias metalogenticas, da

    origem das provncias minerais e do uso racional dos bens

    minerais, importantssimo para o nosso curso de Geologia e

    para a regio amaznica.

    A Geoqumica tem vrias aplicaes, inclusive a prospeco

    para a localizao de jazidas minerais. A Geoqumica

    Ambiental usa os mesmos conhecimentos da Geoqumica, ou

    seja, a qumica da crosta terrestre e dos materiais terrestres.

    A Geoqumica pode contribuir muito para os estudos

    ambientais, identificando fontes naturais de contaminao,

    de fontes antrpicas, poluio causada pelo homem, dos

    mais variados materiais como guas, solo, poeiras,

    Como pesquisador, voc atua em diferentes reas, como

    Metalogenia, Geoqumica Ambiental e Geologia Mdica. Qual

    a importncia de se formar profissionais para atuar nessas

    reas, especialmente na regio amaznica?

    Prof. Dr. Bernardino Ribeiro de Figueiredo, da UNICAMP

    Professor visitante na UFOPA, Bernardino Figueiredo fala sobre sua trajetria acadmica, os desafios de uma universidade em construo no interior da Amaznia e os avanos das pesquisas em Geocincias, que esto na fronteira do conhecimento

    alimentos, objetos de estudos geoqumicos. a aplicao da

    Geoqumica em Cincias Ambientais. H na UFOPA ainda o

    interesse de aplicar os mtodos da Geoqumica em estudos

    de Geoarqueologia sob a liderana de pesquisadores do ICS.

    No final de dcada de 1990, comeou-se a difundir no

    mundo a ideia de utilizar a Geoqumica Ambiental para

    verificar os efeitos benficos ou adversos dos materiais

    terrestres sade humana e dos animais. o que se chama

    Geologia Mdica. J estive envolvido em pesquisas de

    populaes expostas a substncias txicas, como arsnio,

    chumbo, excesso de flor na gua, mercrio, etc. Cada uma

    dessas substncias tem efeitos, de maneira que a Geologia

    Mdica pode contribuir para, ao descobrir reas com

    anomalias geoqumicas, alertar as populaes, por meio de

    campanhas preventivas sobre o perigo de ingerir

    determinado tipo de gua, em que se descobriu excesso de

    substncia txica, ou de se utilizar um solo contaminado

    por metal para plantao de alimentos.

    A Geologia Mdica passou a ser muito difundida nesse

    sculo, a partir do ano 2000. Em 2006, publicamos o

    primeiro livro de Geologia Mdica do Brasil. No momento

    estou mais preocupado em estudar poeiras, que um tema

    de interesse internacional. Fazemos parte de um grupo

    internacional de pesquisas sobre poeiras, porm no est

    excluda a possibilidade de estudarmos essas poeiras

    tambm do ponto de vista da Geologia Mdica, das ameaas

    e dos perigos que elas podem representar para

    determinados grupos populacionais.

    um tema preocupante. Existem agravos sade causados

    pelas poeiras, principalmente a parte mais fina da poeira,

    chamada ultrafina, partculas que, uma vez inaladas, tm

    acesso direto aos alvolos dos pulmes. J foi constatado

    que em So Paulo, onde se queima a palha da cana antes do

    corte, essas queimadas provocam, alm do fechamento de

    aeroportos e outros transtornos, diversos problemas

    sade humana.

    Acho preocupante esse nvel de poeira que existe em

    Santarm, pela no pavimentao das ruas, e a Amaznia,

    assim como o Sudeste e o Centro-Oeste, tambm afetada

    pelas queimadas. Alm de material inorgnico, as poeiras

    tambm transportam micro-organismos, bactrias e vrus

    transmissores de doenas, que muitas vezes aparecem nos

    lugares de maneira inexplicvel, porque no houve

    contgio humano. Essas coisas esto na fronteira do

    conhecimento. A nossa pesquisa ainda no est entrando

    nisso. Estamos analisando apenas os materiais inorgnicos,

    mas a tendncia de aumentar bastante o estudo sobre

    poeira nos prximos anos.

    Por que esse tipo de estudo to importante?

    Foto

    : Edvald

    o P

    ereir

    a

    [ Jornal da UFOPA - Ano II, n 7 ]

    Pgina 1Pgina 2Pgina 3Pgina 4Pgina 5Pgina 6Pgina 7Pgina 8Pgina 9Pgina 10Pgina 11Pgina 12