Click here to load reader

Jornal Vitrine Lageana Edição 105

  • View
    237

  • Download
    9

Embed Size (px)

DESCRIPTION

 

Text of Jornal Vitrine Lageana Edição 105

  • Lages, 15 de novembro de 2013 - Ano 3Ano 3 - Edio 105 - Lages, 15 de novembro de 2013

    R$ 2,00

    Natal mais feliz em 2013

    Paulo C

    hagas

    CVC LAGESVia Gastronmica

    3222-0887Hipermercado BIG

    3224-9293

    Lages ter um Natal diferenciado neste ano. No lanamento do projeto Natal Felicidade, foi dito que a decorao e a programao prometem ser muito atrativas. | PG. 12

    Paulo Chagas Nilton Wolff

    Viva de Malinverni Filho fala dos problemas do Museu

    Entrevista14Inter a um empate do ttulo

    da Diviso de Acesso

    Esporte22

    Daniele Mendes de Melo Paulo Chagas

    Visitantes europeus vo s compras antes de cavalgar

    Cidade07Fim da espera por

    matrculas nas escolas

    Educao10

  • Lages, 15 de novembro de 2013 - Ano 3

    Para que as pessoas alcancem o sucesso existem inmeros atalhos, todavia quase todas tentativas acabam se extinguindo no curto prazo. Via de regra as veredas do sucesso fcil apontam para alter-nativas nicas ou voltadas para si mesmo. Parece que a vitria individual deve prevalecer sobre os demais requisitos sociais.

    Construir o sucesso pessoal deve levar em conta que aquilo que car-regamos como bagagem cultural, tcnica e de informao no basta para alavancar coisa alguma. preciso muito mais, pois, caso contrrio, ficaremos estagnados no mesmo patamar, longe do desejado sucesso e, o que pior, cansados e at extenuados pelo simples tentar e no alcanar. Algo como ficar no trampolim de uma piscina, pulando, pulando e com medo de se jogar na gua... o cansao vir e o fracasso chegar junto.

    O primeiro S fala em Supe-rao, isso mesmo: uma SUPER--AO, vamos l: ATITUDE. Saia da sua zona de conforto e enfrente seus medos: pule do trampolim. Quando mais tempo ficar procras-tinando mais deficiente estar em relao aos seus concorrentes e mais distante do seu sonho. Supe-rar sinnimo de exceder, mostre a voc mesmo que existe muito mais a dar do que simplesmente prometer e acreditar que isso bas-

    ta. No h espao para medianos no patamar do sucesso!

    Superao foco, determinao e tambm transpirao, claro. No imagine superar seus nmeros sem esforo. Mas no pense apenas em extrapolar suas medidas sem um objetivo bem traado e com as necessitadas alternativas para as mudanas de rota que, com certe-za, viro. No desista nunca!

    Mas no basta mudar o jogo a seu favor sem pensar no coletivo, por isso e cada vez mais, precisamos pensar no mundo de hoje e naquele de amanh. Assim, o segundo S fala de Sustentabilidade... no faa nada que v se arrepender amanh, especialmente se falamos em nome do planeta. As catstrofes, cada vez mais presentes, nascem de peque-nas atitudes de muitas pessoas e que somadas transformam o belo de hoje em ameaa futura.

    A Sustentabilidade est em todas as nossas atitudes, sejam elas voltadas para o meio ambiente, empresarial, familiar ou pessoal. No gaste aquilo que no ganhou ou que pensa que vai ganhar, plante confiana e colha credibi-lidade! A sustentabilidade est na capacidade de preservar recursos e viabilizar que outros possam tam-bm se beneficiar daquela situao da mesma forma que voc, com os mesmo prazeres e sorrisos. No faa ningum chorar!

    Compartilhe! Fuja do isolamen-to! O sucesso exige ser comparti-lhado! As estradas para a vitria apontam para aproximao entre as pessoas, empresas, pases, raas, credos e mundos. O meu amanh depende do nosso hoje e no est escrito em lugar algum que fare-mos isso sozinhos. Permita que a vida se mostre por inteiro, com suas falhas e mazelas, no tenha medo de interagir.

    Socializar significa tolerncia e aceitao, no venha com dogmas e espante a discriminao, seja ela qual for. Mostre a todos o quanto voc pode e capaz, pois no existe sucesso para aqueles que s enxer-gam suas prprias convices. Por isso, socializar tambm sinnimo de mudana, no queira menos que isso: reinvente-se e entenda que a cada volta de tempo ns precisa-mos cada vez mais uns dos outros.

    Aceite o desafio: supere-se, res-peite e mostre seu lado relacional! No importa o termo, qualquer um ser um clich para o prximo passo! Sucesso!

    Opinio

    Opinio do Leitor

    Os Trs S para o Sucesso

    Espao reservado opinio de nossos leitores. Caso voc queira tambm se ex-pressar, nos envie um email com sua opinio ou sugesto para:[email protected]

    Por Leon Iotti

    O prefeito Elizeu Mattos, e todos sabem, adotou ainda em campanha o discurso da mudana. Em pleno exerccio do governo, segue ainda se relacionando com o mesmo discurso. Porm, Lages aguar-da os fatos para ver quando a mudana realmente acontece e em quais reas. Mas, j co-mearam. possvel observar

    que o processo de transfor-mao j est acontecendo. H realmente questes novas sendo efetivadas em todos os setores. Elizeu, comea, definitivamente empreender o que vem dizendo no campo das modificaes. E, sero mais transparentes em 2014, quando dever ser o ano da efetivao de seus projetos.

    Mudana

    Em Lages tudo segue parado quando disponibilidade de voos regulares. A ltima not-cia se referiu possibilidade de a empresa Azul Linhas Areas prospectar voos a partir de fevereiro ou maro de 2014. Nada disso ficou oficializado. O municpio deveria determinar Secretaria de Desenvolvi-

    mento Econmico, para que mantenha aes continuadas a respeito da questo, atravs de contatos e novas perspecti-vas que possam atrair outras empresas areas, alm da Azul. Fechar o ano sem nenhuma certeza a respeito do assunto, ruim. Caso haja informao nova, seria bom divulgar.

    Aeroporto II

    Hora de que algum as-suma a responsabilidade e d todas as informaes necessrias a respeito do Aeroporto de Correia Pinto. A populao est cansada de ver obra comeando e parando. Alis, os noticirios tm se fartado dessas infor-maes. Mas, na real neces-sidade, preciso que haja a

    prospeco de como tudo por l deve funcionar. preciso mais clareza nas aes. O que todos querem saber quando tudo ficar pronto; como vai ser o sistema operacional; quem vai administrar, e, prin-cipalmente, quando comea a funcionar. Infelizmente, por mais que se fale, ningum assume a responsabilidade.

    Aeroporto I

    A Regio Serrana no tem mais nenhum projeto que possa implementar nova campanha visando fortalecer a representatividade polti-ca, e fazer com que candida-tos pangars se recolham e pensem na coletividade. Como no existe apelo das

    entidades, cabem aos for-madores de opinio ressaltar a necessidade de o eleitor observas esta peculiaridade e observar o voto a candidatos regionais e no nos estran-geiros, mas, principalmen-te, nos que tenham chance real de se eleger.

    Fique fora

    Em nosso artigo da edio pas-sada, o Nossa Opinio abordou o assunto turismo de forma abran-gente e crtica, sobre a forma em que o setor vem sendo tratado nos ltimos anos. O comentrio versou sobre as seguidas reuni-es que acontecem na regio, e nada de prtico feito depois. E, infelizmente, isso tem sido a rea-lidade. Porm, a esperana de que as coisas possam entrar nos eixos e comecem a aplicar os pontos que decidem nestes encontros, renas-ce. Ressalte-se o exemplo do Viva Serra que deu reacendeu o turismo de eventos. Talvez, seja j um dos resultados dessas reunies pratica-das seguidamente nos municpios serranos, abordando a questo do fomento turstico. Mas, tirando o Viva Serra, ainda falta muito para

    que a vocao se aflore.Em Lages, no passar dos anos,

    nem mesmo grandes discusses acontecem. As poucas realizadas, tambm no passam do discurso. A prtica esperada, demora ou nunca tomada. No entanto, que a justia seja feita. Um novo encontro revela a possibilidade de que o turismo lageano possa avanar. Dia desses, na Secretaria de Turismo, uma reunio envol-vendo o pessoal da Casa e alguns proprietrios de fazendas rurais, apontaram para a necessidade de efetivamente fazer com que, pelo menos, a regio da Coxilha Rica, possa ser mais bem explorada. um momento importante aconte-ce quando as palavras entram em jogo e em meio discusso. Cria-se uma esperana de que as coisas

    realmente podem acontecer. O Jornal Vitrine Lageana, entra

    na questo, igualmente acredi-tando de que a partir de agora, o turismo em Lages possa ser transformado em algo prtico e atraente. Portanto, no que tange Coxilha Rica, a partir do claro diagnstico de todos os potenciais que a regio oferece, j no comeo de 2014, tudo pode mudar. E olha que esse parecer j deveria ter sido feito h muitos anos. Mas, enfim, um fato marcante, novo, e que deve ser incentivado. Por fim, turistas estrangeiros aportam a tempo na Coxilha Rica. No novidade. Fica a impresso, que eles, vindo da Europa, sabem mais da existncia na nossa Coxilha, do que ns, da Regio, do Estado, ou do Brasil.

    Nossa Opinio Fazendo justia

    02

  • Lages, 15 de novembro de 2013 - Ano 3 03Ruy Sard BehlingEconomista

    Hoje, a partir do governo Lula l o Brasil est seguindo a cartilha da Ditadura Boli-variana, adotada por Cuba, Venezuela e Bolvia. Graas ao Governo Militar, com a tomada do poder em 31 de maro de 1964, o Brasil se livrou do Jan-go que estava se direcionando Cuba e China, e ainda por um bom tempo ficamos distan-tes da pelegada e do assdio comunista.

    O sonho do Lula implantar uma ditadura permanente aqui no Brasil, sendo ele o chefe supremo, o todo poderoso. Podemos dizer, sem receio de errar, que desde 2003, estamos vivendo, convivendo e supor-tando a ditadura Lula/Dilma/PT. Liberdade de expresso, que eles tanto defendiam, s para eles, a turma de oportu-nistas e bajuladores. Em favor do seu governo e do PT, tudo vlido. Nos seus inflamveis discursos as suas claques esto de prontido e atentas, ofus-cando quaisquer vaias e apu-pos. O Lula e Dilma no podem ser contrariados, eles gostam de palmas, aplausos, afagos e bajulao. So para os seus partidrios e seguidores uns semideuses. O Brasil atravessa uma sria e grave crise de liber-dade