Laudo bombeiros

  • View
    4.789

  • Download
    1

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Laudo do Corpo de Bombeiros sobre a Universidade Federal de Rondnia (2011)

Transcript

J;.

ESTADO DE RONDNIA ~I ~ SECRETARIA DA SEGURANA, DEFESA E CIDADANI /;.1DO DE ?O~W CORPO DE BOMBEIROS MILITAR .. DIRETORIA DE SERViOS TCNICOS LD VT N 098/2011 LAUDO DE VISTORIA TCNICA Solicitante: Universidade Federal de Rondnia- UNIR; Local: Campus Universitrio - Porto Velho; Endereo: BR 364 km 723 - Porto Velho/RO; Classificao: Instituio de Ensino Acompanhante: Equipe de Professores do Curso de Eng. Eltrica; Funo: Docentes; Fone: (69)2182-2100; Data/Equipe: Ao dcimo quarto dia do ms de outubro do ano de dois mil e onze, equipe de vistoriantes da Diretoria de Preveno e Servios Tcnicos - DPST/CBM-RO composta pelos Bombeiros Militares AL SGT BM RE 0252-7 Fabio Ferreira Bentos, BM RE 0308-8 Francisco KLEBER Pimenta Aguiar, Eng. Civil Carlos Renor da Silva e o Eng.Eletricista Bris Medeiros de Cabral,esteve "in loco" vistoriando e observando o que segue: 9. Da Vistoria Tcnica: 9.1. LOCAL O local vistoriado refere-se ao campus da Universidade Federal de Rondnia, instituio de ensino superior composta por cinco ncleos distribudos em prdios construdos em alvenaria com variadas construtivas e diferentes estilos arquitetnicos. Desde 1984, ano de sua fundao, o campus da universidade vem se ampliando, construindo novas unidades prediais a fim de atender a demanda por espao fsico, com novas salas de aulas e laboratrios, geradas pela implantao de novos cursos universitrios. Paralelamente ao crescimento da Instituio, no vem acontecendo a execuo dos servios de manuteno das construes existentes, acarretando sua gradativa deteriorao. Fato este que vem prejudicando as atividades de ensino e oferecendo riscos segurana de alunos, professores e funcionrios; 9.2. OBSERVAES Durante a vistoria foram observados diversos itens apresentando deficincia no funcionamento e foram identificamos os pontos mais crticos, a seguir relatados: a) NI)aSQlnsta eSd~lt~bri~a~ lao d . d e ua ros d IS ri uiao e energia: - instalados em locais imprprios expostos chuva e ao sol; - sem identificao dos circuitos eltricos; - No possui tampa de proteo apresentando conexo de deteriorados por corroso; - com emendas de fios no isolados. 11) Circuitos eltricos: - sem proteo de eletrodutos; - com emendas desencapadas expostos chuva; - passando externamente pelo piso e parede;"VIDAS ALHEIAS E RIQUEZAS Rua Cassiterita, SALVAR" nO193 - Bairro Marechal Rondon - Fone: 3216-5588

1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. 8.

!

Laudo de Vistoria

)0 - tocando em estrutura metlica de janelas e basculantes de V~'(~tila , circuito eltrico utilizando a tubulao de ralo de drenagem de g is como ponto de passagem. 11I)Aparelhos de ar-condicionado com instalaes improvisadas ~~~8m . ~~/ exposta e desprotegidas exposta chuva; , ....;,. ~ .. Q

LD VT 098/2011

- Continuao

I~~

v~.~

IV) Caixas de passagem de alimentadores instalados no cho, cu aberto, sem tampa de proteo com emendas no isoladas; instaladas em corredor de passagem inundado por guas pluviais; V) Caixas de interruptores e tomadas mdias e baixas expondo fiao desencapadas instaladas em corredores de circulao e salas de aulas prximo s cadeiras metlicas. VI) Ventilador de teto e luminrias apresentando goteiras de chuva; VII) Tomadas, interruptores e quadros de distribuio de energia eltrica com infiltrao de guas de chuva.

b) Nas Instalaes FsicasNos telhados, a pequena declividade existente favorece o acmulo de folhas e galhos de rvores obstruindo a drenagem rias calhas; 11) A ausncia de manuteno nos telhados da cobertura causam o aparecimento de pontos de infiltrao nos prdios; 11I)As infiltraes no telhado provocam o apodrecimento das estruturas de madeira e corroem as partes metlicas; IV) As guas infitradas nas lajes de concreto so drenadas pelos dutos das luminrias e tomadas e interruptores trazendo risco choque eltrico aos usurios; V) As goteiras danificam o teto e as paredes; alagam salas de aula e laboratrios e podem destruir os equipamentos nela instalados; VI) As canaletas de drenagem no entorno dos prdios encontram-se obstrudas, provocando alagamento das caladas de circulao; VII) A arquitetura utilizada na construo do pavilho de salas de aula aparenta ser inadequada, apresentando o "p-direito" baixo e vigas altas sob o teto, dificultando a circulao do ar ambiente, prejudicando a iluminao e comprometendo a acstica das salas; VIII) Algumas salas de laboratrios apresentam ventilao e iluminao deficientes e no possuem exaustores de segurana; IX) As caractersticas de acessibilidade oferecidas nos prdios no favorecem o deslocamento dos portadores de deficincia: as passarelas so descontinuas: X) Existem desnveis em degrau nos pisos. Algumas rampas de acesso estreitas e possuem declividade acentuada. Outras no possuem corrimos de apoio ou piso anliderrapanle, no existe de elevador para "cadeirantes" e a sinalizao de orientao quando existente esto fora dos padres normativos; XI) Das situaes de risco identiticadas a mais crtica encontra-se no Laboratrio de Biologia onde esto armazenadas centenas de espcimes animais, conservadas em lcool, acondicionadas em recipientes de vidro de diversos tamanhos. As amostras encontram-se expostas em prateleiras metlicas que foram montadas sem o travamento adequado e sem o espaarnento regulamentar de circulao. O Prdio que abriga o laboratrio tem quase trinta anos (o mais antigo do campus) e todo construdo em madeira. Encontra-se, atualmente, em precrio estado de conservao e no oferece condies satisfatrias de uso. Nas salas e corredores do prdio esto armazenados grande quantidade lquido combustvel obstruindo as sadas de emergncia e o mesmo no dispe de nenhum meio de combate a incndio. I)

#

f

~

't

c) Proteo Contra Incndio e PnicoO quadro dos sistemas de proteo contra incndio e pnico prdios vistoriados encontram-se nas seguintes situaes:"VIDAS ALHEIAS E RIOUI=:ZAS SALVAR" Rua Cassiterita, n? 193 - Bairro Marechal Rondon - Fone: 3216-5588

"I'f'" r.:>

Laudo de Vistoria LD VT 098/2011 - Continuao I)

,~f!,

/f(l .

Sistema de Hidrantes: encontra-se inoperante, por ausncia' de tubulao do sistema e ausncia mangueiras e demais equipam \\r,