of 30 /30
[email protected] www.merolli.com.br – (92) 98151-7136 1 de 30 LAUDO TÉCNICO PERICIAL 02 INDEPENDENTE REFERENTE AO DESPAÇO EM PLANTÃO MS 0000364-82.2016.5.11.000 MANAUS 25 DE OUTUBRO DE 2016

LAUDO TÉCNICO PERICIAL 02 · LAUDO TÉCNICO PERICIAL 02 ... Trabalhista, chegam-se às ... Continuação do Laudo 01Conforme mencionado no Laudo anterior, os registros contábeis

  • Author
    lynhi

  • View
    253

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of LAUDO TÉCNICO PERICIAL 02 · LAUDO TÉCNICO PERICIAL 02 ... Trabalhista, chegam-se às ......

  • [email protected] www.merolli.com.br (92) 98151-7136 1 de 30

    LAUDO TCNICO PERICIAL 02

    INDEPENDENTE

    REFERENTE AO DESPAO EM PLANTO

    MS 0000364-82.2016.5.11.000

    MANAUS 25 DE OUTUBRO DE 2016

    mailto:[email protected]://www.merolli.com.br/
  • Pgina 2 de 30

    Atendendo solicitao da Junta Governativa Provisria do Sindicato dos Empregados nas Indstrias Mecnicas e Metalrgicas

    do Estado do Amazonas para este Eng. Perito Avaliador Gustavo Merolli, a fim de que conclusse este primeiro laudo tcnico pericial

    independente, para anlise do procedimento utilizado pelo SindMetal, quanto: a) prestao de contas; b) o modelo financeiro; c) os

    critrios de gesto; d) a tratativa do patrimnio imobilizado.

    Feitos os procedimentos necessrios investigao perfunctria, para fins de exibio dos segundos resultados ao Juzo

    Trabalhista, chegam-se s seguintes concluses:

    O objetivo deste trabalho, apresentar as irregularidades, quanto aos fatos, todos com provas objetivas.

    Junta Governativa Provisria

    Presidente da Junta Governativa Adriano Simes Mendes

    Tesoureira/Financeiro da Junta Governativa Mrcia Cavalcante Npoles

    Secretria Geral da Junta Governativa Danielly Moreira de Souza

    DESPACHO EM PLANTO

    MS 0000364-82.2016.5.11.0000

    Impetrante: Marcia Cavalcante Npoles

    Impetrada: Exma. Sra. Juza Elaine Pereira da Silva 12a. VT de Manaus

    DATA BASE 25 DE OUTUBRO DE 2016

  • Pgina 3 de 30

    De acordo com nossas anlises, evidenciamos que:

    Agradecemos a oportunidade de elaborarmos este trabalho e, por gentileza, contate-nos se houver qualquer dvida ou necessidade de esclarecimento.

    Atenciosamente,

    1. DOS REGISTROS CONTBEIS - Continuao do Laudo 01Conforme mencionado no Laudo anterior, os registros contbeis do SindMetal AM realmente foram retirados do local e encontram-se em total desorganizao, conforme comprovados nas

    fotografias.

    2. DAS IRREGULARIDADES NA CONTA DO BRADESCO A movimentao financeira apresenta irregularidades graves na conta corrente, do Banco Bradesco. Extrato bancrio de 2013 at 2016. FOI SACADO DA CONTA DO SINDICATO DOS

    TRABALHADORES SEM NENHUM COMPROVANTE CONTBIL NA SEDE DO SINDICATO SOMENTE NO

    PERIDO DE 2013 A 2016 SOMENTE NAS CONTAS NO BANCO BRADESCO. R$ 38.100.923,37 (trinta e oito milhes,

    cem mil, novecentos e vinte e trs reais e trinta e sete centavos)

    3. CEF, Para apurao de irregularidades por esta percia, solicitamos o Extrato da movimentao financeira do SindMetal AM em sua conta na Caixa Econmica Federal.

    4. DA IRREGULARIDADE NO JURDICO Foi detectado que um dos advogados da SindMetal - AM, o Dr. Luis Fernando Moreira, tem sua inscrio principal no Estado do Rio de Janeiro, sob o n- 59.101, logo, poderia atuar somente em at 5 causas

    por ano em outro Estado que no seja o de sua inscrio principal, no entanto possui mais de 527 aes ativas no AM, por

    este sindicato.

    5. DO PROCESSO N. 01847-2010-013-11-00-8 - Continuao do Laudo 01, Alm disso, foi realizada uma consulta no Sistema Infojud/ DOI (Declarao sobre Operaes Imobilirias) nas IRPJ/ RPF nos anos de 2012 a 2016 no CNPJ da

    SindMetal e CPF dos outros rus, onde encontrou-seuma aplicao no Banco Bradesco PRMIOS ACUMULADOS EM

    VGBL COM SALDO DE RENDIMENTOS, EM 31/12/2016 NO VALOR DE 3.519.550,40 e em 31/02/2015 de

    4.283.080,62.Diante disto, foi determinado o bloqueio da quantia de R$ 1.052.281,70 (um milho, cinquenta e dois mil e

    duzentos e oitenta e um reais e setenta centavos) proveniente da aplicao no Banco Bradesco Prmios acumulados em VGBL

    com rendimentos no resgatados, conforme supracitado, ordenando o depsito da quantia na conta judicial a disposio da

    13- Vara de Trabalho de Manaus.

    6. Existe um vnculo entre o Sindicato e a empresa TM Sports (CNPJ 05.008.109/0001-99), cujo proprietrio o Sr. Thiago Medeiros, filho de Valdemir Santana, que abrange todos os servios que o sindicato controla no Distrito Industrial.

    Inclusive o proprietrio possui uma Conta Bradesco (Agncia 2164-4 C/C 67182-7). Conforme o Cadastro Nacional de

    Pessoa Jurdica desta empresa, sua atividade principal est descrita como Reparao e manuteno de computadores

    e de equipamentos perifricos. Porm, na descrio das atividades secundrias, esto detalhados servios como

    corretora de seguro e sade, comrcio varejista de roupas e acessrios, construo de rodovias e ferrovias, atividades

    de sonorizao e de iluminao, servios de alimentao para eventos e recepes buf, at impresses de jornais,

    livros e revistas so descritos, entre outros.

    7. Esta percia vem desenvolvendo um trabalho tambm perante o DETRAM referente a frota de veculos vinculados a este sindicato, que ser apresentado no prximo laudo 03.

  • Pgina 4 de 30

    DATA BASE, 25 DE OUTUBRODE 2016.

    LAUDO TCNICO PERICIAL INDEPENDENTE 02

    REFERENTE AO DESPAO EM PLANTO

    MS 0000364-82.2016.5.11.000

  • Pgina 5 de 30

    INTRODUO

    Senhores, apresentamos a seguir nosso Laudo Tcnico Independente, que foi elaborado com a estrita

    observncia dos postulados constantes dos Cdigos de tica Profissional, com seus clculos e concluses

    consubstanciadas no presente.

    Na elaborao deste trabalho foram utilizados dados e informaes fornecidos por terceiros, na forma de

    documentos, entrevistas verbais e vistoria nos sites operacionais. As afirmaes utilizadas neste processo esto

    baseados nos documentos, os quais constam neste Laudo. O trabalho desenvolvido baseado nos mais rgidos

    critrios tcnicos da engenharia de avaliao, todos reconhecidos pela legislao vigente no Brasil.

    A metodologia adotada baseada em normas e procedimentos utilizados no Brasil, Estados Unidos e

    Europa, correspondentes aos seguintes rgos:

    Conselho Federal de Engenharia, Agronomia (CONFEA) O conhecimento das resolues n 205, 218 e 345 do CONFEA so de fundamental importncia. A

    Resoluo n 205, de 30/9/1971 introduz o Cdigo de tica Profissional. As atribuies de cada

    categoria profissional so definidas pela Resoluo n 218, de 29/06/1973. E as atividades de Engenharia

    de Avaliaes e Percias de Engenharia esto reguladas na Resoluo n 345, 27/7/1990.

    Conselho Regional de Engenharia (CREA) As atividades de avaliao de imveis e a realizao de percias nas reas ligadas s respectivas carreiras

    so de competncia de engenheiros e arquitetos, de acordo com a Lei n 5194, de 24/12/66, CREA. O

    CREA organiza o exerccio da profisso para Engenheiros, atribuindo as percias e avaliaes de

    imveis, mquinas e equipamentos, a estes profissionais.

    Associao Brasileira de Normas Tcnicas (ABNT) nico rgo responsvel pela normalizao tcnica no pas, fornecendo a base necessria ao

    desenvolvimento tecnolgico brasileiro. preciso seguir as Normas da rea que apresenta os

    procedimentos e critrios a serem cumpridos nas avaliaes. NBR 14.653 - Avaliaes de Bens; Parte

    1 - Procedimentos Gerais; Parte 2 - Imveis Urbanos; Parte 3 - Imveis Rurais; Parte 4 -

    Empreendimentos; Parte 5 - Mquinas e Equipamentos - em vigor desde 05/07/2006; Parte 6 - Recursos

    Naturais (em estudo); Parte 7 - Patrimnio Cultural (em estudo) que apresenta os procedimentos e

    critrios a serem cumpridos nas avaliaes.

    Instituto Brasileiro de Avaliaes e Percias (IBAPE) Entidade brasileira que congrega os Institutos Estaduais e filiados, constitudos de engenheiros,

    agrnomos e empresas que atuam na rea de Avaliao e Percia.

    Ad.Hoc.Commitee-USA, atravs da Uniform Standard of Professional Appraisal Practice (USPAP)

    International Valuation Standards (IVS)

    USPAP (Uniform Standards of Professional Appraisal Practice)

    Alm das exigncias impostas por diferentes rgos, tais como: Ministrio da Fazenda, Banco Central, Banco do Brasil, CVM (Comisso de Valores Mobilirios), SUSEP (Superintendncia de

    Seguros Privados).

  • Pgina 6 de 30

    RESPONSVEL TCNICO

    RAZO SOCIAL ALFAGAIA AVALIAES E PERCIAS LTDA

    CNPJ 04.578.127/0001-53

  • Pgina 7 de 30

    CERTIFICADO INTERNACIONAL DO RESPONSVEL TCNICO

    COMOMEMBRO RICS

    . http://www.rics.org/jp/

    . http://www.rics.org/br/find-a-member/member-profile/7505239

    http://www.rics.org/jp/http://www.rics.org/br/find-a-member/member-profile/7505239
  • Pgina 8 de 30

    DECLARAO

    Em atendimento as normas vigentes, declaramos que:

    A ALFAGAIA AVALIAES E PERCIAS uma empresa de consultoria em engenharia de avaliao

    e percia e no de consultoria jurdica e contbil, essa avaliao no tem por finalidade a confirmao de aspectos

    relativos regularidade formal, legal e contbil dos documentos considerados.

    ALFAGAIA AVALIAES E PERCIAS e seus scios no so titulares e no possuem sob sua

    administrao discricionria qualquer ao e/ou cota do contratante ou de suas subsidirias.

    Os consultores e avaliadores no possuem inclinao pessoal em relao matria envolvida neste Laudo

    e tampouco dela auferem qualquer vantagem. Os honorrios profissionais da ALFAGAIA AVALIAES E

    PERCIAS no esto, de forma alguma, sujeitos s concluses deste Laudo. O Laudo foi elaborado pela

    ALFAGAIA AVALIAES E PERCIAS, e ningum, a no ser seus prprios consultores, preparou as anlises

    e respectivas concluses.

    Dentre os critrios de avaliao apresentados neste laudo, consideramos que as metodologias adotadas

    so as mais adequadas para a definio dos valores encontrados.

    De acordo com as normas profissionais estabelecidas pelo Conselho Federal de Engenharia e o IBAPE

    Instituto de Avaliao e Percia, no h conhecimento de conflito de interesse, direto ou indireto, bem como de

    qualquer outra circunstncia em relao aos servios prestados por ns.

    Efetuamos no passado, recentes avaliaes desvinculadas com o contratante, todas devidamente registras

    no CREA Conselho de Engenharia e Agronomia e com suas respectivas ART Anotaes de

    Responsabilidade Tcnica.

    O responsvel pela elaborao deste Laudo o Sr. Gustavo Merolli, Engenheiro Civil, Avaliador e Perito,

    CONFEA Registro Nacional no. 040549835-7, CREA AM 10.610-D, IBAPE AM 54 e scio diretor da

    ALFAGAIA AVALIAES E PERCIAS

    CONFIDENCIALIDADE

    O laudo considerado pela ALFAGAIA AVALIAES E PERCIAS como documento sigiloso,

    absolutamente confidencial. Ressalta-se que este laudo no deve ser utilizado para outra finalidade que no seja

    as estabelecidas no termo de referncia.

  • Pgina 9 de 30

    OBJETIVOE FINALIDADE

    O presente Laudo Tcnico de Avaliao tem como finalidade atender a contratao realizada pela Junta Governativa

    Temporria para cumprir o Despacho em Planto MS 0000364-82.2016.5.11.0000com, objetivo de apurar irregularidades

    na movimentao financeira e do patrimnio imobilizado, com data base 07 de outubro de 2016 no Sindicato dos

    Trabalhadores nas indstrias metalrgicas, mecnicas, eletroeletrnicas, materiais e componentes eltricos, eletrnicos,

    motocicletas, veculos da construo naval e similares de Manaus e do estado do amazonas SINDMETAL, com sede na

    cidade de MANAUS, AM.

    LIMITAESDE RESPONSABILIDADE

    vlido cientificar que a avaliao de uma empresa, seus ativos e negcio no podem ser entendidos como uma

    cincia exata, e as suas concluses so subjetivas e dependem de julgamento individual. Apenas um dos diversos fatores a

    serem considerados.

    Na eventualidade de tomarmos conhecimento de fatos ou informaes que no tenham sido fornecidos antes da

    emisso do laudo final, nos reservamos o direito de rever os clculos e os valores deste laudo. No nos responsabilizaremos

    pela atualizao deste laudo em funo de eventos ou circunstncias ocorridas aps a data de sua emisso.

    Este laudo foi desenvolvido unicamente para a finalidade e objetivo descritos anteriormente. Em vista disso, no

    dever ser publicado, circulado, reproduzido, divulgado ou utilizado para outra finalidade e objetivo, que no sejam os

    estipulados neste laudo. No entanto, caso seja necessrio, para cada caso, o contratante dever solicitar previamente, por

    escrito, se autorizaremos ou no o emprego deste laudo para outra finalidade e objetivo.

    Em qualquer instncia que este laudo venha a ser utilizado para outra finalidade e objetivo, ou o nosso nome

    associado aos resultados nele apresentados, nos reservamos o direito de analisar o contexto em que ser utilizado, antes de

    nossa aprovao. Em qualquer caso de divulgao ou publicao deste laudo, solicitaremos que seja sempre na ntegra, o

    anexo que faz parte integrante e indissocivel do mesmo.

    No aceitamos qualquer responsabilidade por perdas ocasionadas ao contratante, aos seus cotistas, acionistas diretos

    ou indiretos, diretores, membros da administrao, empresas relacionadas ou a outras partes como consequncia da

    utilizao de dados e informaes que nos foram fornecidos, assim como da publicao, divulgao, reproduo ou

    utilizao de nosso laudo de forma contraria ou sem observncia das ressalvas dos pargrafos anteriores.

    Apurar irregularidades

    Financeira

    Patrimonio Imobilizado

    MS 0000364-82.2016.5.11.0000

  • Pgina 10 de 30

    DEFINIES

    Para o melhor entendimento dos mtodos, critrios e nomenclaturas utilizadas neste laudo de avaliao,

    abaixo esto relacionados alguns dos termos definidos pelas normas tcnicas de avaliaes. Para os efeitos deste

    trabalho segue as seguintes definies:

    Amostra: conjunto de dados de mercado representativos de uma populao;

    Avaliao de bens: Anlise tcnica, realizada por engenheiro de avaliaes, para identificar o valor de um bem, de seus custos, frutos e direitos, assim como determinar indicadores da viabilidade de sua utilizao

    econmica, para uma determinada finalidade, situao e data.

    Bem: coisa que tem valor, suscetvel de utilizao ou que pode ser objeto de direito, que integra um patrimnio.

    Benfeitoria: resultado de obra ou servio realizado num bem e que no pode ser retirado sem destruio, fratura ou dano.

    Campo de arbtrio: intervalo de variao no entorno do estimador pontual adotado na avaliao, dentro do qual pode ser arbitrado o valor do bem, desde que justificado pela existncia de caractersticas prprias no

    contempladas no modelo.

    Custo de reedio: custo de reproduo, descontada a depreciao do bem, tendo em vista o estado em que se encontra.

    Custo de reproduo: gasto necessrio para reproduzir um bem, com a mesma funo e caracterstica assemelhadas ao avaliando.

    Custo de substituio: custo de reedio de um bem, com a mesma funo e caractersticas assemelhadas ao avaliando.

    Dado de mercado: conjunto de informaes coletadas no mercado relacionadas a um determinado bem.

    Depreciao: perda de valor de um bem, devido modificao em seu estado ou qualidade, ocasionada por: decrepitude, deteriorao, mutilao, obsoletismo.

    Fator de comercializao: razo entre o valor de mercado de um bem e o seu custo de reedio ou de substituio, que pode ser maior ou menor do que 1 (um).

    Inferncia estatstica: parte da cincia estatstica que permite extrair concluses sobre a populao a partir de amostra.

    Laudo de avaliao: relatrio tcnico elaborado por engenheiro de avaliaes em conformidade com a norma especifica para avaliar o bem.

    Valor de mercado: quantia mais provvel pela qual se negociaria voluntariamente e conscientemente um bem, numa data de referncia, dentro das condies do mercado vigente.

    Valor em risco: valor representativo da parcela do bem que se deseja segurar.

    Valor patrimonial: valor correspondente totalidade dos bens de pessoa fsica ou jurdica.

    Valor residual: quantia representativa do valor do bem ao final de sua vida til.

    Vida til: prazo de utilizao funcional de um bem.

    Vida remanescente: vida til que resta a um bem.

    Vistoria: constatao local de fatos, mediante observaes criteriosas em um bem e nos elementos e condies que o constituem ou o influenciam.

    Quanto ao uso: residencial, comercial, industrial, institucional e misto. Quanto ao tipo: terreno (lote ou gleba), apartamento, casa, escritrio (sala ou andar corrido), loja, galpo,

    vaga de garagem, misto, hotis e motis, hospitais, escolas, cinemas e teatros, clubes recreativos, prdios

    industriais.

    Quanto ao agrupamento: loteamento, condomnio de casas, prdio de apartamentos, conjunto habitacional (casas, prdios), conjunto de salas comerciais, prdio comercial, conjunto de prdios comerciais, conjunto de

    unidades comerciais, complexo industrial.

    Tipos de finalidade: locao, aquisio, doao, alienao, dao em pagamento, permuta, garantia, fins contbeis, seguro, arrematao, adjudicao e outros.

    Tipos de objetivo: valor de mercado de compra e venda ou de locao, valor em risco, valor patrimonial, custo de reedio, valor de liquidao forada, valor de desmonte, indicadores de viabilidade.

  • Pgina 11 de 30

    CONTATO

    SOLICITANTE E INTERESSADOS NA PERCIA

    RAZO

    SOCIAL

    SINDMETAL

    JUNTA GOVERNATIVA PROVISRIA

    Adriano Simes Mendes

    Presidente da Junta Governativa Provisria

  • Pgina 12 de 30

    PRESSUPOSTOS, RESSALVASE FATORES LIMITANTES.

    Os pressupostos, ressalvas e fatores limitantes, influenciadores considerados no desenvolvimento desta

    avaliao e na convico do valor do imvel avaliando foram os seguintes:

    Pressuposto:

    As inspees nos documentos, as vistorias no imvel avaliando e os registros fotogrficos foram

    realizados de forma tcnica e independente, assim como a anlise de mercado, a escolha da metodologia,

    fundamentao e preciso, tratamento dos dados e determinao do valor de mercado para venda e locao.

    Para efeito dos clculos realizados e projees dos Impactos Sociais e Comercias partimos do pressuposto

    da inexistncia de nus ou gravames de qualquer natureza, judicial ou extrajudicial, atingindo o objeto avaliando

    do trabalho em questo.

    Quanto ao ttulo de propriedade do Imvel Avaliando e as Benfeitorias, objeto do processo acima

    mencionado, presume-se como sendo bom e admite-se que esteja livre de quaisquer nus que possam prejudicar

    a sua negociao junto ao mercado.

    Ressalva:

    As informaes verbais utilizadas na elaborao desse laudo so consideradas vlidas e de boa f, no

    sendo de nossa responsabilidade sua exatido e veracidade. No foram efetuados temas de engenharia de projeto,

    bem como elaborados estudos de carter ambiental visando averiguao de substncias que possam ser

    prejudiciais sade, s estruturas ou ao meio-ambiente, por no fazerem parte do escopo deste laudo. Assim, o

    resultado deste trabalho est considerando o imvel avaliando como adequado s condies de utilizao.

    Sendo assim a ALFAGAIA AVALIAES E PERCIAS reserva a si o direito de rever as concluses

    desse trabalho caso seja identificada qualquer caracterstica dessa natureza e que possa afetar o potencial de

    venda dos imveis.

    Fatores Limitantes:

    O Laudo apresenta todas as condies limitativas impostas pelas metodologias adotadas, que afetam as

    anlises, opinies e concluses contidas nos mesmos.

    O tamanho do lote foi considerado sendo o somatrio da (s) rea (s) conforme documentao

    apresentada, a qual faz parte deste laudo.

    Tudo indica que as benfeitorias valorizadas esto contidas no limite da rea total descrita na vistoria.

    Sendo assim, caso exista a necessidade de obter com preciso a poro de terra e sua respectiva edificao, ser

    preciso do servio de topografia.

    O contexto analisado foi no qual o imvel est inserido, ou seja, sua localizao, predominncia de usos

    na regio, disponibilidade de servios, equipamentos comunitrios existentes nas proximidades, assim como os

    atributos do imvel, tais como a topografia, caractersticas fsicas e econmicas.

  • Pgina 13 de 30

    1 DOS REGISTROS CONTBEIS - Continuao do Laudo 01

    Conforme mencionado no Laudo anterior, os registros contbeis do SindMetal AM realmente foram retirados do

    local e encontram-se em total desorganizao, conforme comprovados nas fotografias.

  • Pgina 14 de 30

  • Pgina 15 de 30

  • Pgina 16 de 30

  • Pgina 17 de 30

  • Pgina 18 de 30

  • Pgina 19 de 30

  • Pgina 20 de 30

    2. DAS IRREGULARIDADES NA CONTA DO BRADESCO

    A movimentao financeira apresenta irregularidades graves de gesto em uma das contas corrente, do Banco

    Bradesco, no perodo demonstrado abaixo:

    Extrato bancrio de 2013 at 2016 das relaes de dbito do Banco Bradesco;

    FOI SACADO DA CONTA DO SINDICATO DOS TRABALHADORES SEM NENHUM COMPROVANTE

    CONTBIL NA SEDE DO SINDICATO SOMENTE NO PERIDO DE 2013 A 2016 SOMENTE NAS CONTAS

    NO BANCO BRADESCO

    R$ 38.100.923,37 (TRINTA E OITO MILHES, CEM MIL, NOVECENTOS E VINTE E TRS REAIS E TRINTA E SETECENTAVOS)

  • Pgina 21 de 30

    RELATORIO CONSOLIDADO CONTA CORRENTE 17163-8 BRADESCO DE

    01/01/2013 04/10/2016 TOTAL

    Cheques R$ 29.867.393,60

    Cheque Compensado nesta data

    R$ 29.867.393,60

    Conscios

    R$ 932.637,51

    Pagto Cobrana Bradesco Auto Re S/A

    R$ 52.626,03

    Pagto Cobrana Bradesco Consrcio

    R$ 880.011,48

    Conta de Telefone

    R$ 243.541,93

    Conta de Telefone Vivo/Am. R$ 243.541,93

    Recibo Retirada Espcie

    R$ 2.038.250,00

    Recibo Retirada Espcie R$ 2.038.250,00

    Operao Capital de giro R$ 1.232.277,03

    Operao Capital de giro R$ 1.232.277,03

    Mora Capital de giro R$ 435.687,63

    Mora Capital de giro R$ 435.687,63

    Estorno Lanamento Espcie

    R$ 190.375,87

    Estorno Lanamento Espcie R$ 190.375,87

    Pagto Autorizado

    R$ 12.679,07

    Pagto Autorizado R$ 12.679,07

    Regularizao R$ 2.000,00

    Regularizao R$ 2.000,00

    Seguros R$ 52.348,96

    Seguro Aqui/Dev. Diversos Receb. R$ 26.734,48

    Vida e Previdncia Seguro Vida R$ 25.614,48

    Ted Elet. Dest. R$ 161.270,63

    Doc. Ted. Pessoal R$ 65,75

    Ted. Eletr. Dest. Conf. Nac. dos M. R$ 8.040,00

    Ted. Eletr. Dest. GutembergAlencar R$ 23.040,00

    Ted. Eletr. Dest. SIND. T.N.I.M.E.E.I.E R$ 24.124,88

    Ted. Eletr. Dest. L. M. da Amaznia R$ 15.000,00

    Ted. Eletr. Dest. Luiz Fernando M. R$ 91.000,00

  • Pgina 22 de 30

    Ttulo de Capitalizao R$ 139.321,15

    Ttulo de Capitalizao R$ 139.321,15

    R$

    (35.307.783,38)

    RELATORIO CONSOLIDADO AGNCIA 3355-3 BRADESCO DE 04/01/2016

    23/09/2016 TOTAL

    Cheque Compensado R$ 2.690.144,78

    Cheque Compensado nesta data R$ 2.690.144,78

    Conta de Luz R$ 74.422,61

    Conta de Luz Manaus Energia R$ 74.422,61

    Conta de Telefone R$ 10.178,35

    Conta de Telefone OI Fixo Am R$ 10.178,35

    Net Servios R$ 8.779,03

    Dbito Automtico Net Servios R$ 8.779,03

    Seguros R$ 4.112,22

    Vida e Previdncia R$ 4.112,22

    Bloqueio Juducial R$ 3.251,50

    Bloqueio Ordem Judicial R$ 3.251,50

    Ted Ofcio R$ 2.251,50

    TED Transferncia Elet. DIS Ofcio R$ 2.251,50

    R$

    (2.793.139,99)

    Diante do exposto a cima, SOLICITO todos os Contratos de Consrcio, Cheques, e microfilmagem dos demais dbitos,

    demonstrados nos quadros acima para apurao por esta percia.

    1. DAS IRREGULARIDADES NA CONTA DA CAIXA ECONMICA FEDERAL

    Para apurao de irregularidades por esta percia, solicitamos o Extrato da movimentao financeira do SindMetal

    AM em sua conta na Caixa Econmica Federal.

  • Pgina 23 de 30

    3. DA IRREGULARIDADE NO JURDICO

    Foi detectado que um dos advogados da SindMetal - AM, o Dr. Luis Fernando Moreira, tem sua inscrio principal no Estado do Rio de Janeiro, sob o n- 59.101, logo, poderia atuar somente em at 5 causas por ano em outro

    Estado que no seja o de sua inscrio principal.

    O Estatuto da Advocacia e da Ordem dos Advogados do Brasil - Lei 8.906/94 assim dispe no art. 10:

    Art. 10. A inscrio principal do advogado deve ser feita no Conselho Seccional em cujo

    territrio pretende estabelecer o seu domiclio profissional, na forma do regulamento geral.(...)

    2 Alm da principal, o advogado deve promover a inscrio suplementar nos Conselhos

    Seccionais em cujos territrios passar a exercer habitualmente a profisso considerando-se

    habitualidade a interveno judicial que exceder de cinco causas por ano.

    Logo, ultrapassando o nmero de 5 causas por ano, deve o advogado requerer a sua inscrio suplementar junto ao

    Conselho Seccional em cujo territrio esteja atuando, sob pena de exerccio ilegal da profisso. Segundo o site de Cadastro

    Nacional de Advogados, usado como base de pesquisa, no foi feita a inscrio suplementar do Dr. Luis Fernando Moreira.

    Apesar da irregularidade, foi celebrado um Contrato de prestao de servios advocatcios entre a SindMetal AM

    e o Dr. Luis Fernando Moreira, que tinha como objeto a prestao de assessoria jurdica diretoria da entidade sindical,

    bem como acompanhamento e ajuizamento de processos, entre outras funes, por um valor mensal de R$ 3.000, 00 (trs

    mil reais).

    Segundo buscas no portal do Tribunal Regional do Trabalho do Amazonas, foi encontrado um nmero exorbitante

    de processos vinculados a ele. Em um curto perodo pesquisado, de 17/06/2015 e 17/10/2016, existem 527

    processos pelo qual ele responde, ultrapassando significativamente o limite legal imposto pelo Estatuto da

    Advocacia e da Ordem dos Advogados do Brasil - Lei 8.906/94.

  • Pgina 24 de 30

  • Pgina 25 de 30

    4. DO PROCESSO N. 01847-2010-013-11-00-8 - Continuao do Laudo 01

    O Ministrio Pblico do Trabalho da 11Regio ajuizou uma Ao Civil Pblica em face deSindMetal AM,

    Valdemir de Souza Santana, Celso Valrio Frana Vieira e Amadeu Jardim Maus, em 28/09/2010, pedindo a condenao

    solidria dos rus no pagamento da indenizao, com fulcro nos arts.186, 927, 942 do Cdigo Civil, correspondente a

    quantia auferida em atos de disposio, sem autorizao judicial de bens penhorados de empresas reclamadas, bem como

    a diferena existente entre o valor total da avaliao de todos os bens penhorados no curso do processo n-

    0047000.48.2008.5.11.0013 e o valor total da avaliao dos bens que forem efetivamente localizados neste processo.

    Para tanto, alegou que no curso da execuo do Processo de n-0047000.48.2008.5.11.0013, os rus realizaram

    condutas ilcitas, uma vez que foram praticados atos de disposio, sem autorizao judicial de bens penhorados de

    empresas reclamadas, bem como dos bens de propriedade destas, mas que se encontravam nos estabelecimentos da Elcotec

    da AmazniaLtda e Masa da Amaznia por fora de Contrato de locao. Alm disto, o Sindicato requereu a expedio de

    Alvars para levantamento de valores de depsitos judiciais feitos pela empresa BENQ para pagamento de ex-empregados

    mais necessitados e de supostas despesas com o transporte de maquinrios realizados por empresas especializadas, aluguis

    de galpes, pagamentos de energia eltrica, vigilncia, entre outros.

    Inclusive foi solicitado por uma das empresas a prestao de contas do recebimento do dinheiro dos responsveis

    pelo Sindicato, no sendo atendido, e chegou a exortar um dos rus para receber o dinheiro para pagar os trabalhadores,

    porm sem sucesso.(fls.193).

    J as empresas que celebraram contratos de compra e venda com o Sindicato informaram que os rus afirmaram que

    as mquinas vendidas eram propriedade do sindicato, o qual as teria adjudicado no curso do processo n-

    0047000.48.2008.5.11.0013 (fls. 98,100,194,196), porm no houve adjudicao dos bens penhorados.

    Deste modo, induziram terceiros a erro, em prejuzo destes, tendo obtido vantagem ilcita, alm de terem precedido

    a disposio (venda, dao em pagamento e locao) de coisa alheia que estavam sob sua guarda, como se prpria fosse,

    quando deveria ter se limitado a guardar e conservar,inclusive, segundo um ex-funcionrio da empresa Benq que

    ocasionalmente foi ao escritrio profissional do advogado de um dos rus, viu uma impressora com etiqueta de

    identicaoda marcaBenq e um notebook IBQ da Benq, e os reconheceu, tendo em vista que trabalhava na rea de tecnologia

    da informao e os utilizava, objetos estes que deveriam ter sido penhorados para pagamento de ex-trabalhadores, mas

    foram apropriados indevidamente (fls174).

    Alm disso, foi realizada uma consulta no Sistema Infojud/ DOI (Declarao sobre Operaes

    Imobilirias) nas IRPJ/ RPF nos anos de 2012 a 2016 no CNPJ da SindMetal e CPF dos outros rus, onde

    encontrou-seuma aplicao no Banco Bradesco PRMIOS ACUMULADOS EM VGBL COM SALDO

    DE RENDIMENTOS, EM 31/12/2016 NO VALOR DE 3.519.550,40 e em 31/02/2015 de 4.283.080,62.

    Diante disto, foi determinado o bloqueio da quantia de R$ 1.052.281,70 (um milho, cinquenta e

    dois mil e duzentos e oitenta e um reais e setenta centavos) proveniente da aplicao no Banco Bradesco

    Prmios acumulados em VGBL com rendimentos no resgatados, conforme supracitado, ordenando o

    depsito da quantia na conta judicial a disposio da 13- Vara de Trabalho de Manaus.

    Parece haver, de maneira clara, uma direta relao entre a conta milionria do presidente de um sindicato (mais de

    4 milhes de reais em conta) e as quantias sacadas em espcie, na boca do caixa, conforme demonstrado acima.

    Diante disto, SOLICITO a relao de todas as Contas bancrias e os respectivos extratos, para apurao por esta

    percia.

  • Pgina 26 de 30

  • Pgina 27 de 30

    5. O MENSALINHO

    Foi descoberta uma listagem, denominada como Despesas extras contendo o nome de alguns funcionrios do

    Sindicato. Porm, o valor de aproximadamente 27 mil reais, estaria na verdade sendo usado como uma espcie de

    "Mensalinho", onde supostamente eram pagas valores para garantir o silncio total dos funcionrios que os recebiam,

    encobrindo os desvios de dinheiro das contas do sindicato pelos diretores. Diante disto, SOLICITO a declarao do Imposto

    de Renda e os extratos das Contas correntes de todos os envolvidos relacionados abaixo:

    Despesas Extras Valor Agncia Conta Corrente

    Malaquias (Paula Lidiane) 2.500,00 3736 1000219-2

    Franciney (Victor Lus) 2.500,00 2164 0091269-7

    Dulce 2.500,00 482 0618107-4

    Ervano 1.500,00 320 666035-5

    Rosalina 500,00 320 0703517-9

    Jardel 700,00 320 436856-8

    Alberto 700,00 320 0680079-3

    Edvaldo 300,00 3736 1002098-0

    Edvaldo 150,00 3736 1002098-0

    Edvaldo 1.645,00 3736 1002098-0

    Marluce 1.000,00 482 44577-0

    Raimundo Sidney 1.000,00 2811 459-6

    Ricardo Ferreira 1.000,00 3702 10001190-6

    Aldemir Miranda 1.000,00 320 0680006-8

    Marcilon 1.000,00 320 0692734-3

    Cosmo 800,00 320 0703437-7

    Haroldo 800,00 482 45271-8

    Jary (Rosanira Batalha) 2.000,00 2467 41736

    Washington (Rosanira Batalha) 2.990,00 2467 41736

    Washington (Rosanira Batalha) 1.000,00 2467 41736

    Cosmo 1.383,00 320 0703437-7

    Total 26.968,00

    2. DO VNCULO DOS DIRETORES E GESTORA DO SINDICATO

    Para consolidarmos evidncias objetivas como provas, SOLICITAMOS os Extratos das Contas correntes e do

    Imposto de renda de todos os diretores e da gestora do Sindicato, tendo em vista que existem fortes indcios de serem

    coniventes com possveis irregularidades.

    3. DA RELAO COM EMPRESA LAMONICA

    Comisses altssimas foram recebidas atravs da empresa La Monica, cuja propriedade pertence a Sra. Inara, que

    tem grande ligao com Valdemir Santana e a gestora da SindMetal, havendo fortes indcios de lavagem de dinheiro do

    sindicato.

    Para consolidao de evidncias como provas, SOLICITAMOS a Relao das Contas correntes e Imposto de Renda

    empresa La Monica, para devida apurao pericial.

  • Pgina 28 de 30

    6. DA VINCULAO DA EMPRESA DO FILHO DO PRESIDENTE

    Existe um vnculo entre o Sindicato e a empresa TM Sports (CNPJ 05.008.109/0001-99), cujo proprietrio o Sr.

    Thiago Medeiros, filho de Valdemir Santana, que abrange todos os servios que o sindicato controla no Distrito

    Industrial. Inclusive o proprietrio possui uma Conta Bradesco (Agncia 2164-4 C/C 67182-7).

    Conforme o Cadastro Nacional de Pessoa Jurdica desta empresa, sua atividade principal est descrita como

    Reparao e manuteno de computadores e de equipamentos perifricos. Porm, na descrio das atividades

    secundrias, esto detalhados servios como corretora de seguro e sade, comrcio varejista de roupas e acessrios,

    construo de rodovias e ferrovias, atividades de sonorizao e de iluminao, servios de alimentao para eventos

    e recepes buf, at impresses de jornais, livros e revistas so descritos, entre outros.

    Primeiramente, nenhuma empresa teria uma estrutura to grande e completa para cuidar de diversas atividades e

    setores distintos que no se vinculam. Alm disso, deveras estranha essa centralizao de atividades em uma s empresa,

    abrangendo todos os servios que o sindicato controla no Distrito Industrial. E o mais intrigante: esta empresa do filho

    de presidente do Sindicato.

    Diante do fato narrado, SOLICITAMOS a relao das Contas correntes e de Imposto de Renda de Thiago Medeiros,

    responsvel pela TM Sports, para apurao de irregularidades por esta percia, no sentido de identificar, de forma clara,

    como era feito o repasse do dinheiro do sindicato para o Sr. Valdemir Santana atravs de pessoa interposta, no caso, seu

    prprio filho.

  • Pgina 29 de 30

  • Pgina 30 de 30

    ENCERRAMENTO

    Conforme determinado pela Junta Governativa Provisria, ser elaborado novo laudo, nos prximos dias, para promover outras avaliaes, cuja exposio depende da localizao de documentos e aparelhos de informtica onde constem movimentos e registros do sindicato, os quais no foram localizados nesta primeira investigao.

    Oportunamente, quando forem exigidos, sero apresentados os documentos pertinentes ao assunto ora avaliado, entre outros que se fizerem necessrios.

    Nada a mais tendo a acrescentar, no presente momento, encerramos o presente Laudo Tcnico Independente.

    Somente nas pginas de frente, todas devidamente rubricada e assinada na ltima pgina.

    Manaus, 25 de outubro de 2016