LEGISLAÇÃO GED SAÚDE

Embed Size (px)

Text of LEGISLAÇÃO GED SAÚDE

  • ALESSANDRA COTTAALESSANDRO OLIVEIRALEONISSES MANHLUANA CASTRO

  • I. Introduo 2. Legislao 3. GED na sade 3.1 hospital universitrio3.2 pronturios ELETNICOS3.3 RESOLUO CFM N 18213.4 MANUAL DE CERTIFICAO PARA SISTEMAS DE REGISTRO ELETRNICO EM SADE 3.5 CARTO NACIONAL DE SADE 4. Consideraes finais

  • Nos Estados Unidos da America, a sociedade acadmica j discutia a necessidade de gesto de documentos. Neste sentido, j aconteciam algumas iniciativas privadas. Rondinelli (2002) indica que, em 1991, a Sociedade Histrica de Minnesota realizou um encontro de pesquisa em documentos eletrnicos, em que decidiram realizar uma srie de pesquisas sobre o assunto, obtendo resultados de aplicaes gerais.

  • Depois da concluso da primeira etapa deste projeto vrios pases, em eventos, discutiam suas aplicaes e concluses. No Brasil, segundo Rondinelli (2002), as primeiras iniciativas vieram do Poder Executivo Federal, mas, no que diz respeito s tecnologias da informao, deixando de fora o gerenciamento arquivstico de documentos eletrnicos, limitaram-se implantar um sistema de programas, direcionados em disponibilizar servios e informaes aos cidados atravs, da internet, denominado Programa Sociedade da Informao.

  • O CENADEM, Centro Nacional da Gesto da Informao, foi o pioneiro no que diz respeito ao GED. Pode-se dizer que o Centro Nacional da Gesto da Informao o rgo de maior especialidade no assunto, em esfera nacional. Empresas esto inserindo o sistema de gerenciamento, e a cada ano este percentual cresce mais, na medida em que as instituies vo sentido a necessidade

  • A sociedade vem desenvolvendo ferramentas como suporte de trabalho para facilitar as atividades organizacionais, visando o fluxo da informao e organizao documental. Segundo Rodrigues (2006, p. 103), A [...] gesto de documentos no surgiu da prtica ou teoria dos arquivos, mas por uma necessidade da administrao pblica. 22

  • com a crescente massa documental e informacional, foi inevitvel o uso de um sistema que auxiliasse na gesto documental e no fluxo informacional. Com rgos pblicos e privados adotando este novo mtodo de gerir documentos e informao, se fez necessrio a criao de regras, como leis, normas, legislao, decretos, artigos nacionais e internacionais, sobre arquivo e a prtica de gerenciamento eletrnico de documentos. Estes so instrumentos importantes para a elaborao, execuo e implantao de um sistema de GED, como tambm para a gesto de um arquivo. Tudo deve estar dentro da lei e atender as especficas normas, por isso a importncia das mesmas.

    [...] a regulamentao e a definio do status jurdico-legal e dos mecanismos de preservao do documento eletrnico faz-se necessrio, sobretudo quando se pensa nos documentos produzidos na esfera publica. Sabe-se que o destino final desses documentos ser os arquivos Pblicos que devero ter polticas norteadas para a gesto arquivstica desse tipo de acervo. (Santos, 2005, p. 98)

  • Alguns Marcos para o GED:

    Lei n 5.433 de 08 de maio de 1968

    Lei n 8.159 de 08 de janeiro de 1991

    Decreto n 4.915, de 12 de dezembro de 2003

    Resoluo n 25, de 27 de abril de 2007

    Lei n 12.527, de 18 de novembro de 2011

    Decreto n 7.724, de 16 de maio de 2012

  • Grf1

    1

    0

    1

    25

    40

    2

    Percentual de legislaes criadas entre a dcada de 60 - 2012

    Plan1

    Percentual de legislaes criadas entre a dcada de 60 - 2012

    Dcada 19601

    Dcada 19700

    Dcada 19801

    Dcada 199025

    Dcada 200040

    Dcada 20102

    Para redimensionar o intervalo de dados do grfico, arraste o canto inferior direito do intervalo.

  • Atualmente as principais fontes de Atos legislativos so:GED Gesto Eletrnica de Documentos www.ged.net.brDOU Imprensa Nacional portal.in.gov.brCONARQ Conselho Nacional de Arquivo www.conarq.arquivonacional.gov.brSIGA Sistema de gesto de documentos de arquivos da administrao pblica www.siga,arquivonacional.gov.brCmara de Deputados www2.camara.leg.br

  • Nos sites do CONARQ e CENADEM, encontram-se disponveis as legislaes arquivsticas brasileiras, como tambm as resolues, as leis e decretos-leis, as medidas provisrias, os decretos, as resolues, as portarias, as instrues normativas, os atos do judicirio, os atos constitutivos dos sistemas de arquivos, e a legislao estadual e municipal.

  • 3.1 HUCFF (histrico)

    Atende 42 especialidades mdicas e 23 programas em alta complexidade. Possui um Programa de Transplante credenciado no Sistema Nacional de Transplante do Ministrio da Sade, para transplantar rim, fgado, crnea e medula ssea. Tem capacidade instalada atual de 250 leitos, com potencial para at 450 leitos ativos, na dependncia do resgate de reas no utilizadas e investimento em recursos humanos. Realiza por ms cerca de 20 mil consultas ambulatoriais, 450 cirurgias, e 700 internaes.

  • Portaria n 053, de 31 de julho de 2003O Diretor Geral do Hospital Universitrio Clementino Fraga Filho da Universidade Federal do Rio de Janeiro, no uso de suas atribuies, conferidas pelo Art. 10 do Regimento Interno do Hospital, e considerando: O estgio j alcanado de informatizao do processo de trabalho do HUCFF, que inclui a liberao eletrnica dos resultados dos laboratrios do Servio de Patologia Clnica em rede; A disponibilidade de terminais em todas as reas de pacientes internos do HUCFF, com livre acesso da equipe assistencial aos citados resultados de exames; A disponibilidade de um aplicativo de fcil uso que permite ao mdico assistente imprimir um resumo em tabela do conjunto de exames realizados; A necessidade de valorizar os trabalhadores no HUCFF, superando na medida do possvel tarefas rotineiras e repetitivas, como distribuio e colagem de resultados de exames; A necessidade de melhor gerir os recursos, evitando gastos agora desnecessrios com papel, tinta, equipamentos, etc;

  • RESOLVE: A partir de 11/08/03 o Servio de Patologia Clnica (SPC/DMD) deixar de imprimir e distribuir os resultados dos exames de pacientes internados no HUCFF; O mdico assistente poder usar o recurso "PRONTHU" do Medtrak para imprimir a tabela seqencial de resultados de exames e anex-la ao pronturio, sempre que necessrio; O Servio de Documentao Mdica fica dispensado de colar resultados de exames do SPC/DMD realizados durante a internao dos pacientes; Esta norma no se aplica, no momento, ao Laboratrio de Emergncia, que ainda no est informatizado. Permanecer inalterada a rotina referentes aos exames solicitados ambulatorialmente.Prof. Amncio Paulino de Carvalho Diretor Geral

  • sistemas de pronturio mdico padronizado e digital e que segundo o Institute of Medicine (IOM), consiste em um registro eletrnico elaborado com especificidade para apoiar o usurio, oferecendo acesso prtico inmeras informaes de banco de dados, recursos de apoio deciso, alertas e diversos outros recursos.

    No Brasil, o pronturio eletrnico digital foi implementado em 2002, a partir de uma resoluo do Conselho Federal de Medicina (CFM), esta resoluo de Nmero 1639 e aprova as Normas tcnicas para o Uso de Sistemas Informatizados para a Guarda e Manuseio do Pronturio Mdico"

  • A resoluo N 1821 de 2007 do Conselho Federal de Medicina, uma resoluo que aprova as normas tcnicas concernentes digitalizao e uso dos sistemas informatizadospara a guarda e manuseio dos documentos dospronturios dos pacientes, autorizando a eliminao do papel e a troca de informaoidentificada em sade, onde ela resolve em seus artigos:

    Art. 1 Aprovar o Manual de Certificao para Sistemas de Registro Eletrnico em Sade, verso 3.0 e/ou outra verso aprovada pelo Conselho Federal de Medicina, anexo e tambm disponvel nos sites do Conselho Federal de Medicina e Sociedade Brasileira de Informtica em Sade (SBIS), respectivamente, www.portalmedico.org.br e www.sbis.org.br.

  • O Manual de certificao para sistemas de registro eletrnico em sade, elaborado pelo Conselho Federal de Medicina e pela Sociedade Brasileira de Informtica em Sade dispe sobre o tempo de guarda dos pronturios, estabelecendo critrios para certificao dos sistemas de informao, alm de dar outras providncias.

    o Registro Eletrnico de Sade (RES) que um repositrio de informao a respeito da sade de indivduos, numa forma processvel eletronicamente; e Sistemas de Registro Eletrnico de Sade (S-RES) que um Sistema para registro, recuperao e manipulao das informaes de um Registro Eletrnico de Sade.

  • O Manual de certificao para sistemas de registro eletrnico em sade, elaborado pelo Conselho Federal de Medicina e pela Sociedade Brasileira de Informtica em Sade dispe sobre o tempo de guarda dos pronturios, estabelecendo critrios para certificao dos sistemas de informao, alm de dar outras providncias.

    o Registro Eletrnico de Sade (RES) a respeito da sade de indivduos, numa forma processvel eletronicamente; e Sistemas de Registro Eletrnico de Sade (S-RES) Sistema para registro, recuperao e manipulao das informaes de um Registro Eletrnico de Sade.

    Alguns padres brasileiros foram utilizados para a confeco deste manual, como:

    As resolues do CFM 1638/2002 e 1639/2002 .A Infra-Estrutura de Chaves Pblicas Brasileiras ICP Brasil, que d validade aos documentos eletrnicos no Pas; Os cadastros nacionais em SadeO Padro TISS (Troca de Informao em Sade Suplementar ) da ANS - registro e intercmbio de dados entre operadoras de planos privados de assistncia sade e prestadores de servios de sade.

  • O Sistema Carto Nacional de Sade, um sistema de informao de base nacional que permite a identificao unvoca dos usurios das aes e servios de sade, com atribuio de um nmero nico vlido em todo o territrio nacional uma medida do Ministrio da Sade, regulamentada pela Portaria N 940, de 28 de Abril de 2011:Art. 1 Esta Portaria regulamenta o Sistema Car