Click here to load reader

Lei de responsabilidade fiscal 821 - · PDF filedestacam os limites com gastos de pessoal e com o montante do endividamento público. ... sobre a composição do patrimônio, ... Com

  • View
    212

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of Lei de responsabilidade fiscal 821 - · PDF filedestacam os limites com gastos de pessoal e...

  • 1

    XV CONVENO DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL 26 a 28 de agosto de 2015 Bento Gonalves-RS

    REA 4 CONTABILIDADE GOVERNAMENTAL E DO TERCEIRO SETOR

    LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL: UM ESTUDO E AVALIA O DOS GASTOS COM PESSOAL NAS PREFEITURAS DA MICRORREGIO DE

    GETLIO VARGAS-RS, NO PERODO DE 2009 A 2013

    CLAUDECIR BLEIL Contador CRCRS n 76.486

    JUCILIA GIOACOMIN Contadora CRCRS n 86.040

    PAULO HENRIQUE FASSINA Contador CRCRS n 57.588

    VANESSA KOHLER

  • 2

    rea Temtica: Contabilidade Governamental e do Terceiro Setor

    LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL: um estudo e avaliao dos gastos com pessoal nas Prefeituras da microrregio de Getlio Vargas-RS no perodo de 2009 a 2013

    Resumo: O setor pblico necessita evidenciar suas aes em sua totalidade, com transparncia e credibilidade, desta forma, para auxiliar neste processo surge a Lei 101/2000 Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), segundo Gerigk e Corbari (2011), a lei estabelece s administraes pblicas de todas as esferas de governo o conceito e objetivo principal de gesto fiscal responsvel, que pressupe a ao planejada e transparente; visando a preveno de riscos. Desta forma a presente pesquisa objetivou realizar a aplicao dos conceitos clssicos da LRF no desempenho dos pequenos municpios, verificando se as prefeituras da amostra esto enquadradas com relao Lei de Responsabilidade Fiscal, analisando o percentual de gastos com pessoal e recursos humanos. Trata-se de uma pesquisa exploratria e quantitativa. As prefeituras analisadas so da microrregio de Getlio Vargas-RS, dentre os perodos de 2009 a 2013. Foi possvel identificar a importncia da Lei de Responsabilidade Fiscal, sendo que se no houvesse esta normatizao, certamente ocorreriam problemas com valores elevados em gastos com pessoal, pois conforme verificou-se na amostra estudada, em perodo eleitoral, as prefeituras tendem a aumentar os seus gastos com pessoal, sendo que algumas delas chegaram ao limite permitido pela lei. Palavras-chave: Lei de responsabilidade fiscal. Administrao pblica. Gastos com pessoal.

    1 INTRODUO

    A alta competitividade e as mudanas organizacionais que vem ocorrendo deixam as empresas expostas a algumas necessidades fundamentais, como apresentar bom desempenho, agilidade nos processos, confiana e credibilidade nas suas informaes e desenvolvimento eficaz e eficiente das suas atividades, sejam elas relacionadas ao comrcio, indstria ou prestao de servios. A competitividade, impacta na adaptao das entidades a este novo cenrio de constante exigncias, e conseqentemente, instigando as empresas para que estejam sempre buscando melhorar seus processos e resultados atravs da informao, melhorando suas estratgias, seus produtos e servios, visto que a informao uma ferramenta chave para o sucesso deste processo.

    Padoveze (2007, p. 28), aduz que o valor da informao reside no fato de que ela deve reduzir a incerteza na tomada de deciso, ao mesmo tempo que procura aumentar a qualidade da deciso. Corrobando com esta ideia, Mendes e Escrivo Filho (2007) complementam que a falta de qualidade, confiabilidade ou preo competitivo, em quaisquer dos elos da cadeia, pode comprometer a competitividade de todas as empresas que dela fazem parte.

    Ademais, neste cenrio o setor pblico tambm est inserido, necessitando evidenciar aes em sua totalidade, com transparncia e credibilidade, desta forma, para auxiliar o setor pblico, surge em 2000 um novo mecanismo para estruturar e regrar este processo, a Lei 101/2000 Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), que segundo Gerigk e Corbari (2011), a lei estabelece s administraes pblicas de todas as esferas de governo o conceito e objetivo principal de gesto fiscal responsvel, que pressupe a ao planejada e transparente; visando a preveno de riscos e corrigir desvios que possam afetar o equilbrio das contas pblicas; o

  • 3

    cumprimento de metas e de resultados; e o cumprimento de vrios limites, dentre os quais se destacam os limites com gastos de pessoal e com o montante do endividamento pblico.

    Luque e Silva (2004), discorrem que a LRF torna-se um importante instrumento, pelo motivo de que a mesma ressalta a noo bsica de que a atuao apropriada do setor pblico no desempenho de suas funes passa pela obteno de finanas corretamente administradas, pois para que se tenha uma ao eficiente do setor pblico, algumas etapas so necessrias passando por uma aplicao adequada dos recursos, bem como por uma distribuio adequada dos bens pblicos e essenciais para os segmentos mais carentes da populao.

    Diante deste contexto, a LRF ganha papel preponderante na gesto dos recursos pblicos. A presente pesquisa, levando em considerao o pressuposto estabelecido, e as atribuies inerentes atividade pblica municipal, visa responder ao seguinte questionamento: os gastos com pessoal das prefeituras municipais da microrregio de Getlio Vargas-RS esto em conformidade em relao Receita Corrente Liquida no perodo de 2009 a 2013?

    Objetivo deste estudo realizar a aplicao dos conceitos clssicos da LRF no desempenho dos pequenos municpios, verificando se as prefeituras da amostra esto enquadradas com relao Lei de Responsabilidade Fiscal, analisando o percentual de gastos com pessoal e recursos humanos, destacando a importncia que os relatrios fiscais tm, nesta busca constante do equilbrio financeiro. A pesquisa delimita-se as prefeituras dos municpios da microrregio de Getlio Vargas - RS, sendo os seguintes municpios pertencentes a amostra: Getlio Vargas, Estao, Erebango, Charrua, Quatro Irmos, Serto, Ipiranga do Sul e Floriano Peixoto.

    Com a LRF as prefeituras ficam obrigadas a emisso e publicao dos relatrios fiscais, onde os gestores s podem gastar aquilo que foi arrecadado, sendo que o controle baseado no plano oramentrio. Trata-se de um tema relevante, onde para os autores Alesina e Perotti (1996), Mendes e Rocha (2003), o endividamento ocorre em virtude da falta de instituies oramentrias apropriadas para a manuteno da performance fiscal dos entes subnacionais, que seriam os estados e municpios. Com a ausncia de restries oramentrias, abre-se espao para o endividamento crescente dos governos subnacionais. E neste momento que a LRF faz sua contribuio, tendo como propsito de conter o dficit publico e o endividamento crescente por meio da manuteno do equilbrio fiscal permanente, mediante o cumprimento de metas de resultado fiscal.

    2 REFERENCIAL TERICO

    Neste tpico ser abordado conceitos relacionados a Contabilidade, Contabilidade Pblica e Lei da Responsabilidade Fiscal.

    2.1 Contabilidade

    A contabilidade de fundamental importncia para as todas as entidades, pois atravs dela que se tm as informaes necessrias da situao financeira e patrimonial da mesma. Sendo assim conceitua-se contabilidade como

    Cincia que tem por objeto o estudo do Patrimnio a partir da utilizao de mtodos especialmente desenvolvidos para coletar, registrar, acumular, resumir e analisar todos os fatos que afetam a situao patrimonial de uma pessoa. (GONALVES; BAPTISTA, 2007, p. 23).

  • 4

    Para Orru (1990), Jacinto(1990), Franco (1997) e S (1998) a contabilidade a Contabilidade a cincia que estuda os fenmenos ocorridos no patrimnio das entidades, obtendo evidncias e comportamentos dos mesmos, em relao eficcia das clulas sociais, evidncias que ocorrem mediante o registro, a classificao, a demonstrao expositiva, a anlise e a interpretao desses fatos, com o fim de oferecer informaes e orientao necessrias tomada de decises sobre a composio do patrimnio, suas variaes e o resultado econmico decorrente da gesto da riqueza patrimonial.

    Quanto aos objetivos da contabilidade, Iudcibus (1995), Crepaldi (1995), Franco(1997) e Favero et al. (1997) conceituam como: o objetivo bsico da contabilidade, se resume no fornecimento de informaes econmicas para os vrios usurios, de forma que propiciem decises racionais, ou seja, como as informaes que devero ser geradas para que os diversos usurios possam tomar conhecimento da situao da organizao em dado momento, com a finalidade de tomar as decises que considerarem necessrias.

    Atualmente, a contabilidade vem se aprimorando, pois conta com diversos sistemas informatizados, o que possibilita aos contadores e usurios gerar um nmero maior de informaes com exatido e preciso, as quais sero transmitidas, a sociedade e aos entes internos da administrao pblica. A contabilidade torna-se um instrumento gerenciador dentro das organizaes, neste sentido o autor fundamenta que

    A contabilidade o instrumento que fornece o mximo de informaes teis para a tomada de decises dentro e fora da empresa. Ela muito antiga e sempre existiu para auxiliar as pessoas a tomarem decises. Com o passar do tempo o governo comea a utilizar-se dela para arrecadar impostos e a torna obrigatria para a maioria das empresas. (MARION, 2008, p. 26).

    Gil, Biancolino e Borges (2010) ressaltam a exigncia de demonstraes contbeis cada vez mais claras e com a mnima possibilidade de incorreo, aliada a enorme quantidade de transaes e de grande complexidade operacional, fazem com que esse novo sistema de informao contbil opere em um novo ambiente tecnolgico, totalmente computadorizado com base em toda a trajetria da contabilidade. Greco, Arend e Grter (2007, p. 1) aduzem que a contabilidade:

    Ela registra, estuda e interpreta (por analise) os fatos financeiros e econmicos que afetam a situao patrimonial de determinada pessoa fsica ou jurdica. Essa situao patrimonial apresentada ao usurio (pessoa que tem interesse em avaliar a situao da entidade) por meio das demonstraes contbeis tradicionais e de relatrios de exceo especficos para determinadas finalidades.

    A partir dos registros realizados a contabilidade se torna um meio fcil de analisar a situao financeira e econmica da empresa em de