LEI ORGÂNICA DO MUNICÍPIO DE ANGÉLICA ESTADO 0rganica  · promulgamos a Lei Orgânica

  • View
    213

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of LEI ORGÂNICA DO MUNICÍPIO DE ANGÉLICA ESTADO 0rganica  · promulgamos a Lei Orgânica

LEI ORGNICA DO MUNICPIO DE ANGLICA ESTADO DE.MATO GROSSO DO SUL

A MESA DIRETORA DA CMARA MUNICIPAL DE ANGLICA, Estado

de Mato Grosso do Sul, faz saber que em decorrncia das Emendas Constitucionais Federal, e nos termos do Inciso IV do Artigo 27 e Artigo 39 da Lei Orgnica Municipal em vigor, combinado corn o Artigo 29 da Constituio Federal, o Plenrio aprovou e ela visando assegurar a autonomia municipal, garantir a dignidade e pleno exerccio de seus direitos, garantir o acesso de todos a Educao, ao Esporte, a sade, ao Saneamento Bsico, a Moradia, ao Servio Pblico, a Cultura e ao Lazer, e promover urn desenvolvimento subordinado aos interesses. humanos., visando ainda a Justia Social para garantia do Estado Democrtico, invocando a proteco de Deus, promulgamos a Lei Orgnica do Municpio de ANGLICA - MS, corn as respectivas alteraes.

TTULO I

PRINCPIOS FUNDAMENTAIS.

ART. 1 - 0 Municpio de ANGLICA, parte territonal do Estado de Mato Grosso do Sul criado pela Lei Estadual N. 3.691 de 13 de maiode 1976 pessoa Jurdica de Direito Pblico Interno corn autonomia poltica administrativa e financeira, reger-se-a por esta Lei Orgnica e pelas leis que editar, tendo corno fundamentos:

I - a autonomia; II - a cidadania; III - a dignidade da pessoa humana; IV - os valores sociais do trabalho e da livre iniciativa; V - o pluralismo poltico. Pargrafo nico - Todo o poder emana do povo, que o exerce por meio de

representantes ou diretamente, nos termos das Constituies Federal e Estadual e desta Lei Orgnica.

ART. 2 - So Poderes do Municpio, independentes e .harmnicos entre si, o Legislativo e o Executivo. . . .

ART. 3 - Constituem objetivos fundamentais do Municpio de ANGLICA: I - construir uma sociedade livre, justa e solidria, sem qualquer forma de

discriminao; II - garantir o desenvolvimento municipal; III - reduzir as desigualdades sociais.

TITULO II

DA ORGANIZAO DO MUNICPIO Captulo I

DISPOSIES GERAIS ART. 4 - So smbolos do Municpio o braso, a bandeira.e o hino. ART. 5 - A sede do Municpio de ANGLICA a cidade de ANGLICA. 1 -.A mudana de denominao do Municpio, bem como a transferncia da

sede, depender da-lei estadual, aps consulta plebiscitaria e atendendo representao fundamentada, subscrita pelo Prefeito ou pelo menos por dois. teros dos. membros da Cmara Municipal.

2 - 0 Municpio de ANGLICA constituido pelo Distrito de Ipezal. 3 - 0 Municpio poder dividir-se para fins administrativos em Distritos, cuja

criaco, organizao, extino ou fuso ser efetuado nos termos da legislaco estadual.

ART. 6 -0 Municpio instituir, direta ou indiretarente, rgo oficial de imprensa para publicao dos atos administrativos do Municpio, compreendendo o Executivo e o' Legislativo.

ART. 7 - A Administrao Pblica Municipal , obrigada a fornecer Certido de seus atos a qualquer cidado, para atender a defesa de direitos, no prazo de 15 (quinze) dias, se outro no for fixado as requisies judiciais.

Captulo II

DA AUTONOMIA MUNICIPAL ART. 8 - A autonomia municipal fica assegurada pela: I - eleiao do Prefeito, do Vice-Prefeito e dos Vereadores, nos termos da

legislaco federal; II - administrao de suas peculiaridades; III - arrecadao dos tributos de sua competncia; IV - aplicao de suas rendas; e V - organizaco de seus servios.

Captulo III DA COMPETENCIA DO MUNICPIO

ART. 9 - Ao Municpio compete prover a tudo quanto diga respeito ao seu peculiar interesse e ao bem-estar de sua populao, cabendo-Ihe privativamerite e em comum, dentre outras as seguintes atribuies:

Seo I DA COMPETNCIA PRIVATIVA

ART. 10 - Compete Privativamente ao Municpio: I - legislar sobre assunto de interesse local; II - suplementar a legislacao federal e estadual, no que couber; III - elaborar a Plano Diretor de Desenvolvimento lntegrado; IV - criar, organizar, extinguir ou fundir Distritos, observada a legislao

estadual; V - manter corn a cooperaco tcnica e financeira da Unio e do Estado,

programas de educao infantil e de ensino fundamental; VI - elaborar o oramento anual e plurianual de investimentos; VII - instituir e arrecadar tributos de sua competncia, bem como aplicar as suas

rendas, sem prejuzo da obrigatoriedade da prestao de contas e da publicao de batancetes, nos prazos fixados em lei;

VIII- fixar, cobrar e fiscalizar tarifas ou precos dos servios pblicos; IX - dispor sobre a organizao, administrao e execuo dos servios locals; X - dispor sobre administrao, utilizao e alienao dos bens pblicos; XI - organizar o quadro de pessoal e estabelecer o regime jurdico nicos dos

seus servidores pblicos; XII - organizar e prestar, diretamente, ou sob regime de concesso ou

permisso, os.:servios pblicos de interesse local, incluido o servio de transporte coletivo, que tern carter essencial;

XIII - promover, no que couber, o adequado ordenamento territorial, mediante planejamento e controle do uso, do parcelamento e da ocupaco do solo urbano;

XIV- conceder e renovar licena para localizaco e funcionamento de estabelecimentos industriais, comerciais, prestadores de servicos e quaisquer outros;

XV - cassar a licena que houver concedido ao estabelecimento que tornar prejudicial sade, higiene, ao sossego, segurana ou aos bons costumes, fazendo cessar a atividade ou deleterminando o fechamento do estabelecimento;

XVI estabelecer servides administrativas necessrias a realizao de seus servios, inclusive a dos seus concessionrios;

XVII dispor de bens ou adquirir; na forma da lei, inclusive mediante dessa apropriao, quando for o caso;

XVIII regular a disposio, o traado e as demais funes dos bens pblicos de uso comum;

XIX - regulamentar a utilizao dos logradouros pblicos e, especialmente no permetro urbano, determinando o itinerrio e os pontos de parada do transporte coletivo;

XX fixar os locais de estacionamento de txis e demais veculos; XXI conceder, permitir ou autorizar os servios de transporte coletivo e de

txis, fixando as respectivas tarifas; XXII dispor sobre a organizaco administrativa do Municpio, atravs dos

Cdigos de Tributao, Posturas, uso e ocupao do solo e de Obras: XXIII constituio da Guarda Municipal, na forma da lei; XXIV - estabelecer e impor penalidades por infraes de suas leis e

regulamentos; XXV prestar, com cooperaco tcnica e financeira da Unio e do Estado,

servios de atendimento sade da populao; XXVI - promover a proteco do patrimnio histrico e cultural local, observada

a legislao e ao fiscalizadora federal.e estadual; XXVII criar, organizar e manter o arquivo pblico; XXVIII assegurar a defesa do meio ambiente; XXIX - incentivar, o comrcio, a indstria, a agropecuria e outras atividades

que visem o desenvolvimento econmico do Municpio e de sua populao; XXX - prover sobre a limpeza das vias e logradouros pblicos, a remoo e

destino do lixo domiciliar e hospitalar; XXXI ordenar as atividades urbanas, fixando condies a horrios para o

funcionamento de estabelecimentos comerciais, industriais e de servios, observada as normas federal pertinente;

XXXII promover os seguintes servios: a) mercados, feiras e matadouro pblico; b) construo, conservao e acessibilidade s estradas municipais; e c) iluminaco pblica; d) Transporte coletivo estritamente municipal.

Seo II DA COMPETNCIA COMUM

ART. 11 E de competncia comum do Municpio, Estado e Unio, observada a lei federal, a realizao das seguintes atividades:

I - zelar pela guarda da Constituio, das leis e das instituies democrticas e conservar o patrimnlo Pblico, bem como proteger o meio ambiente, combatendo a poluio, a preservao das florestas, a fauna e a flora;

II - cuidar da sade, educao, assistncia social e a proteo, garantias das pessoas portadoras de deficincia fsica;

III - proteger os documentos, as obras e outros bens de valor histrico, artstico e cultural, os monumentos e as paisagens naturais;

IV - proporcionar meios de acesso cultura, educao e a cincia; V - fomentar a produco agropecuria e organizar o abastecimento alimentar;

VI - promover programas de moradias e melhorias de condies habitacionais s famlias de baixa renda, e o saneamento bsico;

VII - combater as causas da pobreza e os fatores da marginalizao, promovendo a integrao social dos setores desfavorecidos;

VIII - registrar, acompanhar e fiscalizar as concesses de direitos de pesquisa explorao de recursos hdricos e minerais em seu territrio;

IX - estabelecer e implantar poltica de educao de trnsito e ambiental. X - criar e manter creches municipais atravs de recursos prprio, convnios e

doaes. Pargrafo nico - O Municpio poder celebrar convnios corn a Unio, corn o

Estado ou corn outros Municpios, para a realizao de obras de exploraco de servios pblicos de interesse comum.

Captulo IV DAS VEDAES

ART. 12 - Ao Municpio vedado: I - estabelecer cultos religiosos ou igrejas, subvencion-Ias, embaraar-lhes

funcionamento ou manter com eles ou seus representantes relaes de dependncias ou aliana, ressalvada, na forma da lei, a colaborao de interesse pblicos;

II - recusar f aos docurnentos pblicos; III - subvencionar ou auxiliar, de qualquer modo, com recursos do Municpio, a

imprensa escrita, falada, televisada ou qualquer outro rneio de comunicao, para. fins de propaganda poltico partidrio, os fins estranhos administrao;

IV - manter a publicidade de atos, programas, obras, servios e campanhas de rgos pblicos que no tenham carter educativo, informativo ou de orientao social, assim coma a publicidade da qual constem nomes, smbolos e imagens qua caracterizem promoo pessoal de autoridades ou servi