Lei Orgânica do Município Preâ .Lei Orgânica do Município Preâmbulo O POVO DE GUARATINGUETÁ,

  • View
    214

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of Lei Orgânica do Município Preâ .Lei Orgânica do Município Preâmbulo O POVO DE GUARATINGUETÁ,

Lei Orgnica do Municpio

Prembulo

O POVO DE GUARATINGUET, invocando a proteo de Deus, e inspirado nos princpios constitucionais da Repblica e do estado de So Paulo, no ideal de assegurar Justia e bem-estar a

todos, decreta e promulga, por seus representantes, a LEI ORGNICA DO MUNICPIO.

TTULO I

DISPOSIES PRELIMINARES

CAPTULO I

DO MUNICPIO

Art. 1 O Municpio de Guaratinguet, unidade do territrio do Estado, com personalidade jurdica de direito pblico interno e autonomia, nos termos assegurados pela Constituio Federal, reger-se- pela presente Lei Orgnica.

Art. 2 Os limites do territrio do Municpio s podem ser alterados na forma

estabelecida na Constituio Federal. Pargrafo nico. A criao, organizao e supresso de distritos compete ao

Municpio, observada a Legislao Estadual e o previsto nesta Lei Orgnica. Art. 3 So smbolos do Municpio: a Bandeira, o Braso de Armas e o Hino. Art. 4 So Poderes do Municpio, independentes e harmnicos entre si, o

Legislativo e o Executivo.

CAPTULO II

DA COMPETNCIA

Art. 5 Compete ao Municpio prover a tudo quanto respeite a seu interesse local, tendo como objetivo o pleno desenvolvimento de todas suas funes, visando ao bem estar de seus habitantes, como:

I transparncia de seus atos e aes; II moralidade; III participao popular; e IV descentralizao administrativa.

Art. 6 Compete, ao Municpio, privativamente: I elaborar o Oramento, prevendo a Receita e fixando a Despesa, com base

em planejamento adequado; II instituir e arrecadar os tributos de sua competncia, fixar e cobrar preos,

bem como aplicar suas rendas, sem prejuzo da obrigatoriedade de prestar contas e publicar Balancetes, nos casos e prazos fixados em Lei;

III organizar e prestar, prioritariamente, por Administrao Direta ou sob

regime de concesso ou permisso, os servios pblicos de interesse local, inclusive o de transporte coletivo, que tem carter essencial;

IV organizar o Quadro de Pessoal e estabelecer o regime de seus servios; V dispor sobre a administrao, utilizao e alienao de seus bens; VI adquirir bens, inclusive mediante desapropriao por utilidade pblica,

necessidade pblica ou por interesse social; VII dispor sobre concesso, permisso e autorizao de servios locais; VIII elaborar o Plano Diretor de Desenvolvimento Integrado; IX estabelecer normas de edificao, de loteamento, de arruamento e de

zoneamento urbano, bem como as limitaes urbansticas convenientes ordenao de seu territrio;

X estabelecer servides necessrias aos seus servios; XI promover adequado ordenamento territorial, mediante planejamento e

controle do uso, do parcelamento e da ocupao do solo urbano; XII criar, organizar e suprimir Distritos; XIII participar de Entidades e/ou Consrcios que congreguem outros

Municpios; XIV regulamentar a utilizao dos logradouros pblicos e, especialmente no

permetro urbano, determinar o itinerrio e os pontos de parada dos transportes coletivos; XIV - regulamentar a utilizao dos logradouros pblicos e, especialmente no

permetro urbano, determinar o itinerrio e os pontos de parada dos transportes coletivos; XV - fixar os locais de estacionamento de txis e demais veculos;

XVI - conceder, permitir ou autorizar os servios de transporte coletivo e de txis, fixando as respectivas tarifas;

XVII - fixar e sinalizar as zonas de silncio e de trnsito e trfego em condies

especiais; XVIII - disciplinar os servios de carga e descarga e fixar a tonelagem mxima

permitida a veculos que circulem em vias pblicas municipais; XIX - sinalizar as vias pblicas e as estradas municipais, bem como

regulamentar e fiscalizar sua utilizao; XX - prover sobre a limpeza das vias e logradouros pblicos, remoo e destino

do lixo domiciliar e de outros resduos de qualquer natureza; XXI - ordenar as atividades urbanas, fixando condies e horrios para

funcionamento de estabelecimentos industriais, comerciais e de servios, observadas as normas federais pertinentes, sempre ouvidas as Entidades de Classe a serem afetadas por quaisquer alteraes;

XXII - dispor sobre os servios funerrios e de cemitrios; XXIII - regulamentar, licenciar, permitir, autorizar e fiscalizar a afixao de

cartazes e anncios, bem como a utilizao de quaisquer outros meios de publicidade e propaganda, nos locais sujeitos ao poder de polcia municipal;

XXIV - prestar assistncia nas emergncias mdico-hospitalares de pronto-

socorro, por seus prprios servios ou mediante Convnio com instituio especializada; XV - organizar e manter os servios de fiscalizao necessrios ao exerccio de

seu poder de polcia administrativa; XXVI - fiscalizar, nos locais de vendas, peso, medidas e condies sanitrias

dos gneros alimentcios; XXVII - dispor sobre o depsito e venda de animais e mercadorias apreendidos

em decorrncia de transgresso da Legislao Municipal; XXVIII - dispor sobre registro, vacinao e captura de animais, com a

finalidade precpua de erradicar as molstias de que possam ser portadores ou transmissores; XXIX - estabelecer e impor penalidade por infrao de suas leis e

regulamentos; XXX - promover os seguintes servios: a) mercados, feiras e matadouros;

b) construo e conservao de estradas e caminhos municipais; c) transportes coletivos, estritamente municipais; d) iluminao pblica; e) bosques, hortos florestais, hortas comunitrias e reas de lazer; XXXI - regulamentar o servio de carros de aluguel, inclusive o uso de

taxmetro; XXXII - assegurar a expedio de certides requeridas s Reparties

Municipais, para defesa de direitos e esclarecimento de situaes, estabelecendo os prazos de atendimento.

Art. 7 Ao Municpio compete, concorrentemente: I - zelar pela guarda da Constituio, das Leis e das instituies democrticas e

conservar o patrimnio pblico; II - cuidar da sade e assistncia pblica, da proteo e garantia das pessoas

portadoras de deficincia; III - proteger os documentos, as obras e outros bens de valor histrico, artstico

e cultural, os monumentos, as paisagens naturais notveis e os stios arqueolgicos; IV - impedir a evaso, a destruio e a descaracterizao de obras de arte e de

outros bens de valor histrico, artstico ou cultural; V - proporcionar os meios de acesso Cultura, Educao e Cincia; VI - proteger o meio ambiente e combater a poluio em qualquer de suas

formas; VII - preservar as florestas, a fauna e a flora; VIII - fomentar a produo de agropecuria e organizar o abastecimento

alimentar; IX - promover programas de construo de moradias e a melhoria das

condies habitacionais, de saneamento bsico e de transporte; X - combater as causas da pobreza e os fatores de marginalizao, promovendo

a integrao social dos setores desfavorecidos;

XI - registrar, acompanhar e fiscalizar as concesses de direitos de pesquisa e explorao de recursos hdricos e minerais, em seus territrios;

XII - estabelecer e implantar poltica de educao para a segurana do trnsito; XIII - conceder licena, autorizao ou permisso, e respectiva renovao ou

prorrogao, para explorao de Portos de Areia, desde que apresentados laudos ou pareceres tcnicos dos rgos competentes.

Art. 8 Compete ao Municpio, suplementarmente: I - criar e organizar a Guarda Municipal, destinada proteo de seus bens,

servios e instalaes; II - suplementar a Legislao Federal e a Estadual no que couber e naquilo que

disser respeito ao seu peculiar interesse. Art. 9 Ao Municpio vedado: I - estabelecer cultos religiosos ou igrejas, subvencion-los, embaraar-lhes o

funcionamento ou manter com eles, ou seus representantes, relaes de dependncia ou aliana, ressalvada, na forma da Lei, a colaborao de interesse pblico;

II - recusar f aos documentos pblicos; III - criar distines entre brasileiros ou preferncias entre si; IV - manter a publicidade de atos, programas, obras, servios e campanhas de

rgos pblicos que no tenham carter educativo, informativo ou de orientao social, assim como a publicidade da qual constem nomes, smbolos ou imagens que caracterizam promoo pessoal de Autoridades ou Servidores Pblicos;

V - outorgar isenes e anistias fiscais, ou permitir a remisso de dvidas, sem

interesse pblico justificado, sob pena de nulidade do ato; VI - exigir ou aumentar tributo sem Lei que o estabelea; VII - instituir tratamento desigual entre contribuintes que se encontre em

situao equivalente, proibida qualquer distino em razo de ocupao profissional ou funo por eles exercida, independentemente da denominao jurdica, ttulos ou direitos;

VIII - estabelecer diferena tributria entre bens e servios, de qualquer

natureza, em razo de sua procedncia ou destino; IX - cobrar tributos:

a) em relao a fatos gerados, ocorridos antes do incio da vigncia da Lei que os houver institudo ou aumentados;

b) no mesmo Exerccio Financeiro em que haja sido publicada a Lei que os

instituiu ou aumentou; X - utilizar tributo com efeito de confisco; XI - estabelecer limitaes ao trfego de pessoas ou bens, por meio de tributos,

ressalvada a cobrana de pedgio pela utilizao de vias conservadas pelo Poder Pblico; XII - instituir impostos sobre: a) patrimnio, renda ou servios da Unio do Estado e de outros Municpios; b) templos de qualquer culto; c) patrimnio, renda ou servios dos Partidos Polticos, inclusive suas

Fundaes, das Entidades Sindicais, das Instituies de Educao e de Assistncia Social, sem fins lucrativos, atendidos os requisitos da Lei Federal;