Leitura Vicente Torga

  • View
    2.020

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of Leitura Vicente Torga

Nome:__________________________________ N._____ Turma:______ Data: __/__/__Avaliao:_______________ Prof.:_________________ Enc. Educao: _______________ Guio de leitura do conto Vicente de Miguel Torga

Oralidade (compreenso oral)

1. Atenta na audio ou leitura do texto e toma as tuas notas, preenchendo o quadro seguinte:

Primeira audio / leitura

1.1 Tema

1.2 Assunto

1.3 Tpicos a.

b.

c.

d.

e.

Segunda audio / leitura

2. Centra a tua ateno no terceiro tpico do texto.

2.1. Escolhe a opo correta. Com esta sequncia, ao dirigir-se a No, Deus pretende:

a) inform-lo sobre a construo da arca; b) explicar-lhe a construo da arca; c) persuadi-lo a construir a arca; d) justificar a construo da arca.

2.2 Justifica a tua opo.

3. Escolhe a opo correta. O valor semntico do futuro do indicativo, utilizado por Deus quando se dirige a No de:

a) sugesto; b) possibilidade; c) obrigao; d) permisso.

3.1 Justifica a tua opo.

4. Seleciona, dentre os textos seguintes, o que melhor sintetiza o que ouviste.

A. Deus, amargurado com a maldade dos homens, decidiu elimin-los da face da Terra, juntamente com os animais, atravs de um grande dilvio. Ordenou a No que construsse uma arca na qual deveria embarcar com a mulher e os filhos, juntamente com um par de cada um dos animais existentes na Terra. Quarenta dias depois da grande inundao, No soltou um corvo e uma pomba; apenas esta regressou.

B. Deus desiludiu-se com a imperfeio dos homens que criou e decidiu, por isso, elimin-los da face da Terra atravs de uma grande inundao. Estabeleceu com No uma aliana e ordenou-lhe que construsse um barco onde ele deveria embarcar com alguns casais de animais devidamente selecionados. Quarenta dias aps a grande inundao, No soltou um corvo e uma pomba que apenas regressaram sete dias depois.

AB

VICENTE

5

10

15

20

25

30

35

40

45

50

55

60

65

70

75

80

85

90

95

100

105

110

115

120

125

130

135

Naquela tarde, hora em que o cu se mostrava mais duro e mais sinistro, Vicente abriu as asas negras e partiu. Quarenta dias eram j decorridos desde que, integrado na leva dos escolhidos, dera entrada na Arca. Mas desde o primeiro instante que todos viram que no seu esprito no havia paz. Calado e carrancudo, andava de c para l numa agitao contnua, como se aquele grande navio onde o Senhor guardara a vida fosse um ultraje criao. Em semelhante balbrdia lobos e cordeiros irmanados no mesmo destino , apenas a sua figura negra e seca se mantinha inconformada com o procedimento de Deus. Numa indignao silenciosa, perguntava: a que propsito estavam os animais metidos na confusa questo da torre de BabeI1? Que tinham que ver os bichos com as fornicaes2 dos homens, que o Criador queria punir? Justos ou injustos, os altos desgnios que determinavam aquele dilvio batiam de encontro a um sentimento fundo, de irreprimvel repulsa. E, quanto mais inexorvel3 se mostrava a prepotncia4, mais crescia a revolta de Vicente. Quarenta dias, porm, a carne fraca5 o prendeu ali. Nem mesmo ele poderia dizer como descera do Lbano6 para o cais de embarque e, depois, na Arca, por tanto tempo recebera das mos servis de No a rao quotidiana. Mas pudera vencer-se. Conseguira, enfim, superar o instinto da prpria conservao, e abrir as asas de encontro imensido terrvel do mar. A inslita partida foi presenciada por grandes e pequenos num respeito calado e contido. Pasmados e deslumbrados, viram-no, temerrio, de peito aberto, atravessar o primeiro muro de fogo com que Deus lhe quis impedir a fuga, sumir-se ao longe nos confins do espao. Mas ningum disse nada. O seu gesto foi naquele momento o smbolo da universal libertao. A conscincia em protesto ativo contra o arbtrio7 que dividia os seres em eleitos e condenados. Mas ainda no ntimo de todos aquele sabor de resgate, e j do alto, larga como um trovo, penetrante como um ralo8, terrvel, a voz de Deus: No, onde est o meu servo Vicente? Bpedes e quadrpedes ficaram petrificados. Sobre o tombadilho varrido de iluses, desceu, pesada, uma mortalha de silncio. Novamente o Senhor paralisara as conscincias e o instinto, e reduzia a uma pura passividade vegetativa o resduo da matria palpitante. No, porm, era homem. E, como tal, aprestou as armas de defesa. Deve andar por a... Vicente! Vicente! Que do Vicente?!...Nada. Vicente!... Ningum o viu? Procurem-no! Nem uma resposta. A criao inteira parecia muda. Vicente! Vicente! Em que stio que ele se meteu? At que algum, compadecido da msera pequenez daquela natureza, ps fim comdia. Vicente fugiu... Fugiu?! Fugiu como? Fugiu... Voou... Bagadas de suor frio alagaram as tmporas do desgraado. De repente, bambearam-lhe9 as pernas e caiu redondo no cho. Na luz pardacenta do cu houve um eclipse momentneo. Pelas mos invisveis de quem comandava as frias, como que passou, rpido, um estremecimento de hesitao. Mas a divina autoridade no podia continuar assim, indecisa, titubeante, merc da primeira subverso. O instante de perplexidade durou apenas um instante. Porque logo a voz de Deus ribombou de novo pelo cu imenso, numa severidade tonitruante. No, onde est o meu servo Vicente?Acordado do desmaio poltro, trmulo e confuso, No tentou justificar-se. Senhor, o teu servo Vicente evadiu-se. A mim no me pesa a conscincia de o ter ofendido, ou de lhe haver negado a rao devida. Ningum o maltratou aqui. Foi a sua pura insubmisso que o levou... Mas perdoa-lhe, e perdoa-me tambm a mim... E salva-o, que, como tu mandaste, s o guardei a ele... No!... No!... E a palavra de Deus, medonha, troou de novo pelo deserto infinito do firmamento. Depois, seguiu-se um silncio mais terrvel ainda. E, no vcuo em que tudo parecia mergulhado, ouvia-se, infantil, o choro desesperado do Patriarca, que tinha ento seiscentos anos de idade. Entretanto, suavemente, a Arca ia virando de rumo. E a seguir, como que guiada por um piloto encoberto, como que movida por uma fora misteriosa, apressada e firme ela que at ali vogara indecisa e morosa ao sabor das ondas , dirigiu-se para o stio onde quarenta dias antes eram os montes da Armnia. Na conscincia de todos a mesma angstia e a mesma interrogao. A que represlias recorreria agora o Senhor? Qual seria o fim daquela rebelio? Horas e horas a Arca navegou assim, carregada de incertezas e terror. Iria Deus obrigar o corvo a regressar barca? Iria sacrific-lo, pura e simplesmente, para exemplo? Ou que iria fazer? E teria Vicente resistido fria do vendaval, escurido da noite e ao dilvio sem fim? E, se vencera tudo, a que paragens arribara? Em que stio do universo havia ainda um retalho de esperana? Ningum dava resposta s prprias perguntas. Os olhos cravaram-se na distncia, os coraes apertavam-se num sentimento de revolta impotente, e o tempo passava.Subitamente, um lince de viso mais penetrante viu terra. A palavra, gritada a medo, por parecer ou miragem ou blasfmia, correu a Arca de ls a ls como um perfume. E toda aquela fauna desiludida e humilhada subiu acima, ao convs, no alvoroo grato e alentador de haver ainda cho firme neste pobre universo. Terra! Nem planaltos, nem veigas, nem desertos. Nem mesmo a macicez tranquilizadora dum monte. Apenas a crista de um cerro a emergir das vagas. Mas bastava. Para quantos o viam, o pequeno penhasco resumia a grandeza do mundo. Encarnava a prpria realidade deles, at ali transfigurados em meros fantasmas flutuantes. Terra! Uma minscula ilha de solidez no meio dum abismo movedio, e nada mais importava e tinha sentido. Terra! Desgraadamente, a doura do nome trazia em si um travor. Terra... Sim, existia ainda o ventre quente da me. Mas o filho? Mas Vicente, o legtimo fruto daquele seio? Vicente, porm, vivia. medida que a barca se aproximava, foi-se clarificando na lonjura a sua presena esguia, recortada no horizonte, linha severa que limitava um corpo, e era ao mesmo tempo um perfil de vontade. Chegara! Conseguira vencer! E todos sentiram na alma a paz da humilhao vingada. Simplesmente, as guas cresciam sempre, e o pequeno outeiro, de segundo a segundo, ia diminuindo. Terra! Mas uma poro de tal modo exgua, que at os mais confiados a fixavam ansiosamente, como a defend-la da voragem. A defend-la e a defender Vicente, cuja sorte se ligara inteiramente ao telrico destino. Ah, mas estavam rotas as fontes do grande abismo e abertas as cataratas do cu! E homens e animais comearam a desesperar diante daquele submergir irremedivel do ltimo reduto da existncia ativa. No, ningum podia lutar contra a determinao de Deus. Era impossvel resistir ao mpeto dos elementos, comandados pela sua implacvel tirania. Transida, a turba sem f fitava o reduzido cume e o corvo pousado em cima. Palmo a palmo, o cabeo fora devorado. Restava dele apenas o topo, sobre o qual, negro, sereno, nico representante do que era raiz plantada no seu justo meio, impvido, permanecia Vicente. Como um espetador impessoal, seguia a Arca que vinha subindo com a mar. Escolhera a liberdade, e aceitara desde esse momento todas as consequncias da opo. Olhava a barca, sim, mas para encarar de frente a degradao que recusara. No e o resto dos animais assistiam mudos quele duelo entre Vicente e Deus. E no esprito claro ou brumoso de cada um, este dilema, apenas: ou se salvava o pedestal que sustinha Vicente, e o Senhor preservava a grandeza do instante genesaco a total autonomia da criatura em relao ao criador , ou, submerso o ponto de apoio, morria Vicente, e o seu aniquilamento invalidava essa hora suprema. A significao da vida ligara-se indissoluvelmente ao ato de insubordinao. Porque ningum mais dentro da Arca se sentia vivo. Sangue, respirao, seiva de seiva, era aquele corvo negro, molhado da cabea aos ps, que, calm