Click here to load reader

LENITA PORTILHO FURLAN - Livros Grá · PDF fileuniversidade estadual paulista instituto de artes lenita portilho furlan aprendizagem da lecto-escrita musical ao piano: um diÁlogo

  • View
    214

  • Download
    2

Embed Size (px)

Text of LENITA PORTILHO FURLAN - Livros Grá · PDF fileuniversidade estadual paulista instituto...

  • UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA

    INSTITUTO DE ARTES

    LENITA PORTILHO FURLAN

    APRENDIZAGEM DA LECTO-ESCRITA MUSICAL AO PIANO:

    UM DILOGO COM A PSICOGNESE DA LNGUA ESCRITA

    SO PAULO 2007

  • Livros Grtis

    http://www.livrosgratis.com.br

    Milhares de livros grtis para download.

  • LENITA PORTILHO FURLAN

    APRENDIZAGEM DA LECTO-ESCRITA MUSICAL AO PIANO:

    UM DILOGO COM A PSICOGNESE DA LNGUA ESCRITA

    Dissertao apresentada ao programa de Ps-Graduao em Msica, do Instituto de Artes da Universidade Estadual Paulista-UNESP, como exigncia parcial para obteno do ttulo de Mestre em Msica.

    Orientadora: PROF. DR. MARISA TRENCH DE OLIVEIRA FONTERRADA

    SO PAULO 2007

  • A todos que constroem e reconstroem o saber, eternamente...

    A meus pais...

  • AGRADECIMENTOS

    A concluso deste trabalho s foi possvel graas colaborao direta e indireta de muitas pessoas.

    A todas elas a minha gratido.

    Prof. Dr. Marisa Trench de Oliveira Fonterrada, pela confiana em mim depositada desde o incio, por toda a

    orientao e apoio para a execuo desta dissertao.

    s crianas: Evelly, Jonathas, Lgia, Lus e Stephanie e suas famlias, por colaborarem em participar da

    pesquisa.

    CAPES, pela Bolsa de Estudo, no perodo de maro de 2006 a maro de 2007.

    Aos professores: Prof. Dr. Alberto T. Ikeda, Prof. Dr. Dorotia M. Kerr, Prof. Dr. Glria M. Machado,

    Prof. Dr. Luiza H. Christov, Prof. Dr. Martha Herr, Prof. Dr. Sonia R. A. Lima, da UNESP,

    e Prof. Dr. Pedro Paulo Salles, da USP, pelas contribuies formao do meu pensamento cientfico.

    A todos os funcionrios do Instituto de Artes da UNESP, em especial:

    Rosngela D. Canassa, Thas Magalhes e M.de Lourdes T. Garces, da Secretaria da Ps-Graduao;

    Cristina da S. Santos, Fabiana Colares, Laura R. P. Pinho, Odair P. de Jesus, Sebastiana Freschi, da Biblioteca;

    Carlos H. Francisco, Expedito Manfrinato, Moacir V. da Silva,

    da Seo de Apoio ao Ensino, Pesquisa e Extenso (SAEPE);

    Edmilson R. Blio, da Portaria, pela agradvel recepo s crianas da pesquisa;

    monitora Helena K. T. Alves, do Setor de Computao.

    Profa. Maria Apparecida F. M. Bussolotti, pela leitura e copidesque da dissertao.

    Aos amigos: Ana Carolina Carvalho pelas fotos; Fbio Miguel, Leila Vertamatti e Scheilla R. Glaser, pelo

    emprstimo de material bibliogrfico; Priscila M. Oliveira e Valria Mastrorosa, pela reviso do abstract, e

    Virgnia M. Oliveira pelos slides.

    tia Nelma e Francisco por todo o apoio.

    Em especial, a meus Pais por tudo: incentivo, ateno, pacincia, carinho e amor, a quem dedico este trabalho.

  • Minha funo como investigadora tem

    sido mostrar e demonstrar que as crianas

    pensam a propsito da escrita, e que seu

    pensamento tem interesse, coerncia, validez e

    extraordinrio potencial educativo. Temos de

    escut-las.

    Emilia Ferreiro (2002)

  • RESUMO: Nesta pesquisa estuda-se o desenvolvimento da habilidade de leitura e escrita musical, a partir dos trabalhos de Emilia Ferreiro e Ana Teberosky, que demonstram a

    existncia de fases conceituais antecessoras plena compreenso do sistema alfabtico. O

    objetivo da pesquisa foi averiguar a existncia de fases semelhantes no processo de

    aprendizagem da lecto-escrita de msica. A metodologia empregada foi a pesquisa

    participativa, com crianas com idade entre 6 e 7 anos, na qual se utilizou o piano como

    instrumento principal. O tempo de realizao deste estudo no foi suficiente para que se

    conclua quais so estas fases, mas pode-se afirmar que h diferentes comportamentos

    psicolgicos nas crianas-sujeitos do estudo, observados no processo ao qual foram

    submetidas. Acredita-se que o trabalho possa contribuir para a Educao Musical, ao revelar

    hipteses de leitura e escrita de partituras e, principalmente, para a Pedagogia do Piano, ao

    demonstrar que alunos iniciantes, mesmo antes de compreenderem plenamente a notao

    tradicional, pensam acerca de como podem ser os registros grficos para este instrumento.

    PALAVRAS-CHAVE: alfabetizao musical; educao musical; pedagogia do piano; cognio

    musical; psicologia da aprendizagem.

  • ABSTRACT: This research is a study of the development of the ability to read and write musical language. It is based on the studies of Emilia Ferreiro and Ana Teberosky which

    present the different cognitive levels through which a student passes before being able to

    understand the alphabet system. It investigates if there are similar levels in the process of

    learning, reading and writing music notation. The method for this research was centered on

    six and seven year old piano students. The studys time period was not enough to name the

    levels of learning, but it is possible to say that there are different psychological behaviors in

    the children of this study. This work might contribute to Music Education as it demonstrates

    hypotheses about reading and writing scores and, mainly, because it contributes to Piano

    Pedagogy demonstrating that beginner piano students think about the piano scores even

    before they completely understand them.

    KEY WORDS: music literacy; music education; piano pedagogy; music cognition; psychology

    of learning.

  • SUMRIO

    INTRODUO.... 9

    PRIMEIRA PARTE DOS FUNDAMENTOS TERICOS......20

    1 A INICIAO LECTO-ESCRITA EM MSICA NA VISO DOS MSICO-EDUCADORES.....21

    2 A ALFABETIZAO SEGUNDO EMILIA FERREIRO: A PSICOGNESE DA LNGUA ESCRITA ....55

    SEGUNDA PARTE - DA EXPERINCIA......71

    3 O PENSAMENTO DA CRIANA TRADUZIDO EM SUA LEITURA E ESCRITA MUSICAL......72

    CONSIDERAES FINAIS...122

    REFERNCIAS BIBLIOGRFICAS....129

    BIBLIOGRAFIA CONSULTADA.....135

    APNDICES....138

  • INTRODUO

  • O bom msico aquele que entende a msica sem partitura e a partitura sem a msica.

    O ouvido no deve precisar do olho e o olho no deve precisar do ouvido externo.

    (Robert Jourdain, 1998).

    Desde 1995, exercia a funo de pianista preparadora junto a um coral cnico de uma

    escola de idiomas na cidade de So Paulo. A cada ano, o regente do grupo escolhia uma obra

    a ser ensaiada ao longo do ano e apresentada em espetculos cnico-musicais ao final do

    segundo semestre. Como a reta final das montagens exigia muitos ensaios extras, era comum

    que em tal perodo mais um ou dois pianistas fossem contratados. Assim, quando, em 1998, se

    aproximavam as apresentaes do espetculo de final de ano, o regente orgulhosamente me

    apresentou mais nova integrante do grupo: uma pianista recm-chegada de uma grande

    universidade norte-americana, onde esteve, sob a orientao de um renomado professor,

    cursando o mestrado em interpretao pianstica. Na verdade, j a conhecia por nome de

    longa data, por ser ela vencedora de vrios concursos de jovens talentos do piano, o que, no

    primeiro momento, me causou at certo amedrontamento por vir a dividir tarefas com uma

    pessoa to altamente qualificada. Porm, quando, aps algum tempo sentada a meu lado,

    vendo-me tocar repetidas vezes a mesma pgina de um trecho musical, convidei-a a me

    substituir ao piano, ouvi-a dizer que no poderia tomar meu lugar naquele momento do ensaio

    por sua falta de capacidade de tocar lendo! Para tocar, teria que ler vagarosamente em casa at

    decorar! Ela s tocava de memria: no tinha domnio de leitura suficiente para tocar

    primeira vista! E, no caso, a partitura era simples e escrita em idioma tonal de fcil realizao

    tcnico pianstica...

    Este fato, aliado prtica como professora, em que, por muitas vezes, encontrei alunos

    com dificuldade de leitura e escrita musical, levou a querer compreender mais precisamente

    como se d a aquisio da lecto-escrita em msica, e, especificamente, da partitura pianstica.

    O desenvolvimento da habilidade musical, ou seja, da capacidade de se expressar

    musicalmente, pode passar por vrios caminhos, seja por meio da prtica no orientada, seja

    pela prtica sob orientao. Neste ltimo caminho, o da prtica orientada, h a possibilidade

    de o potencial de cada aspirante expresso musical ser atingido com ou sem o uso da leitura

    e escrita. Nas prticas de Msica Popular e Folclrica, comum que o conhecimento musical

    seja transmitido por geraes, sem o uso da escrita musical ocidental, porm, no campo da

    chamada Msica Erudita, o uso da leitura e escrita musicais se faz presente durante a

    aprendizagem, sendo considerado essencial para a compreenso desse idioma musical. Nesta

  • rea, conforme a citao em epgrafe de ROBERT JOURDAIN (1998), o bom msico aquele

    que, ao ler uma partitura, sabe quais so os sons que dela devem resultar, mesmo que ainda

    no tenham sido fisicamente produzidos, pois seu domnio da lecto-escrita musical lhe

    permite imaginar e sentir como devem ser. Assim, no campo da chamada Msica Erudita,

    uma das tarefas do professor de msica qualificar o aluno decodificao e codificao de

    uma partitura musical, ou seja, ajud-lo a compreender o cdigo da escrita musical.

    A tarefa de leitura e escrita musicais, ao longo dos anos, tem passado por sucessos e

    fracassos. freqente, nas escolas de msica brasileiras em todos os nveis, deparar-se com

    queixas de alunos e professores a respeito da falta de domnio da leitura e escrita musicais,

    principalmente entre os alunos de piano, que, por vezes, por no estarem, desd

Search related