LER / DORT - saude- LER DORT Cerest - RC... · 4 O que é L/DORT A sigla LER - Lesões por Esforços

  • View
    216

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of LER / DORT - saude- LER DORT Cerest - RC... · 4 O que é L/DORT A sigla LER - Lesões por...

  • LER / DORT

    PREVINA-SE

  • 2

    Rio Claro SP Apoio: Prefeitura de Rio Claro Fundao Municipal de Sade de Rio Claro Conselho Gestor CEREST Conselho Municipal de Sade Rede Nacional de Ateno Sade do Trabalhador

    Ano: 2008

  • 3

    As Leses por Esforos Repetitivos (LER) ou os Distrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho (DORT), cada vez mais freqentes entre os trabalhadores, podem lev-los incapacidade para o trabalho, parcial ou total. A doena faz com que muitos tenham de interromper suas atividades temporria ou definitivamente. A alta prevalncia das LER/ DORT tem sido explicada por transformaes do trabalho e das empresas, cuja organizao tem se caracterizado pelo estabelecimento de metas e produtividade, considerando suas necessidades, particularmente de qualidade dos produtos e servios e aumento da competitividade de mercado, sem levar em conta os trabalhadores e seus limites fsicos e psicossociais. As empresas diminuindo o contingente de trabalhadores sobrecarregam aqueles que permanecem empregados. Com isso, o ritmo acelerado, a presso por produtividade e o nvel de exigncias tornam-se cada vez maiores. Tudo em detrimento da sade e dos limites dos trabalhadores. Em funo da presso e do trabalho extenuante sem pausas, para aqueles que trabalham nos setores operacionais, restam os movimentos repetitivos e as interminveis horas em posio desconfortvel. Nessa situao, fundamental que se resgate a condio humana dos trabalhadores e seu direito sade. Esse manual foi desenvolvido com o objetivo de informar sobre os vrios aspectos das LER/ DORT (preveno, diagnstico e reabilitao), orientar os trabalhadores sobre seus direitos e ajudar a organizar a ao sindical para a preveno.

  • 4

    O que L/DORT A sigla LER - Leses por Esforos Repetitivos a traduo de um termo internacional, criada para identificar um conjunto de doenas que atingem msculos, tendes, nervos e articulaes principalmente dos membros superiores (dedos, mos, punhos, antebraos e braos) e eventualmente membros inferiores e coluna vertebral (pescoo, coluna torcica e lombar), decorrentes de sobrecarga do sistema msculo-esqueltico no trabalho. A sigla DORT - Distrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho tambm a traduo de um termo internacional e tem sido adotada pelo INSS desde 1998. Em linhas gerais, do ponto de vista tcnico, tem o mesmo significado de LER. Porm, a reviso da norma tcnica do INSS de 1998, ao mesmo tempo em que alterou a terminologia, trouxe restries de direitos previdencirios. Assim, os termos LER e DORT tm sido utilizados como sinnimos. As LER /DORT so consideradas doenas do trabalho e equiparadas ao acidente do trabalho para todos os efeitos e garantias de direito do trabalhador segurado da previdncia social.

    Outras denominaes Outros sinnimos de LER/ DORT so Leses por Traumas Cumulativos (LTC), Distrbios Cervicobraquiais Ocupacionais (DCO), Sndrome Ocupacional do Overuse (sobrecarga). Cada denominao tem relao com a histria do processo de reconhecimento da doena como ocupacional em diferentes pases.

    Outras denominaes

  • 5

    o de L

    As LER/ DORT abrangem doenas do sistema msculo-esqueltico cuja ocorrncia decorrente

    de sobrecarga no trabalho.

    Abaixo relacionamos algumas doenas que podem ter relao com o trabalho e podem

    ser consideradas LER /DORT.

    Tenossinovite e tendinite

    Inflamao de tendes e suas bainhas

    Epicondilite

    Inflamao de msculos e tendes do cotovelo

    Bursite Inflamao das bursas Miosites ou sndrome miofascial

    Inflamao de grupos musculares de forma isolada ou em vrias regies do corpo

    Sndrome do tnel do carpo

    Compresso do nervo mediano no nvel punho

    Sndrome cervicobraquial

    Dor difusa em membros superiores e regio cervical

    Sndrome do desfiladeiro torcico

    Compresso do plexo braquial (nervos e vasos) na regio da 1 costela

    Doena de Quervain

    Inflamao da bainha de tendes do polegar

    Cisto sinovial

    Tumorao esfrica no tecido perto da articulao ou tendo

    A relao completa pode ser encontrada nas listas de doena ocupacionais

    do Ministrio de Sade (Portaria MS n 1339/GM - 1999) e da

    Previdncia Social (Decreto n 3048 - 1999)

  • 6

    O processo de adoecimento dos trabalhadores tem relao com o modo de trabalhar, principalmente em funo das exigncias do mercado. De olho nos lucros, o capital prioriza a diminuio dos custos de produo, reduo do emprego e o aumento da produtividade. Para isso, introduz novas formas de organizao, tecnologia e equipamentos desprezando as conseqncias para a sade de quem trabalha. Na prtica, isso tem significado a limitao da autonomia dos trabalhadores sobre os movimentos do prprio corpo e reduo de sua criatividade e liberdade de expresso com a execuo de atividades repetitivas por tempo prolongado. As LER/ DORT so formas de adoecimento relacionadas a esse trabalho.

    Fatores de risco Fatores de risco Aqui esto algumas situaes que podem propiciar a ocorrncia de LER /DORT.

    Trabalho automatizado, sob presso, em que o trabalhador no tem controle sobre suas atividades (caixa, digitador, operador de telemarketing e outros).

    Obrigatoriedade de manter o ritmo acelerado para garantir a produo.

    Trabalho fragmentado, em que cada um exerce uma nica tarefa de forma

    repetitiva. Trabalho rigidamente hierarquizado, sob presso permanente das chefias.

    Nmero insuficiente de funcionrios.

    Jornadas prolongadas de trabalho, com freqente realizao de horas extras. Ausncia de pausas durante a jornada de trabalho.

    Trabalho realizado em ambientes frios, ruidosos e mal ventilado.

    Mobilirio inadequado (cadeiras, mesas etc.) que obriga a adoo de posturas

    incorretas do corpo durante a jornada de trabalho.

    LER

    DORT

  • 7

    A organizao do trabalho retrata a concepo da empresa e determina os procedimentos necessrios para o seu desenvolvimento. Na maioria das vezes, a concepo predominante obter alta produtividade com o menor nmero de trabalhadores, sem levar em conta os limites do trabalhador. Na prtica, isso representa jornadas prolongadas, sem pausas nem para necessidades fisiolgicas, presso de chefias para atingir metas de produtividade, autoritarismo, controle rgido de produo, sem considerar as diversidades, punies, diminuio do contingente de funcionrios, horas extras freqentes. As atividades operacionais so representadas por repetitividade de movimentos, perodos prolongados, manuteno de posturas desconfortveis, execuo de vrias tarefas ao mesmo tempo.

  • 8

    As LER /DORT podem atingir trabalhadores de qualquer ramo de atividade, desde que estejam expostos aos fatores de risco. Entre os profissionais mais atingidos esto digitadores, operadores de telemarketing, caixas (bancos e comrcio em geral), os trabalhadores de linha de montagem e produo, escriturrios, trabalhadores da rea de comunicaes, confeces, indstrias alimentcias, grficas e etc.

    Preveno e atualizao sindical Preveno e atualizao sindical

    As LER /DORT so resultantes da organizao do trabalho e sua interao com posto de trabalho e trabalhador. Para preveni-las preciso conhecer a fundo o processo de trabalho - suas particularidades, detalhes de cada local e funo - e mudar a forma como ele executado e estruturado. O maior desafio para a preveno das LER/ DORT o de resgatar o trabalhador como sujeito, recuperar sua potencialidade intelectual e garantir espao para sua criatividade. Dessa forma, monotonia, repetitividade, estresse e sobrecarga de certos grupos musculares deixaro de fazer parte do trabalho. Para se chegar a esse estgio os trabalhadores devem reivindicar:

  • 9

    Controle do ritmo de trabalho pela pessoa que o executa.

    Enriquecimento das tarefas, no permitindo a fragmentao do trabalho.

    Eliminao das horas extras.

    Pausas durante a jornada de trabalho para que msculos e tendes descansem,

    sem que por isso haja aumento do ritmo ou do volume do trabalho.

    Adequao do posto de trabalho para evitar a adoo de posturas incorretas. O

    mobilirio e as mquinas devem ser ajustados s caractersticas fsicas

    individuais dos trabalhadores.

    Ambiente de trabalho com temperatura, rudo e iluminao adequados, que

    propiciem conforto ambiental.

    Vigilncia da sade dos trabalhadores, com monitoramento contnuo e programas

    de preveno voltados prioritariamente para as doenas de maior prevalncia,

    para que possam ser detectados precocemente.

    Cobrar do Estado (na esfera federal, estadual e municipal) a formulao de

    poltica para prevenir doenas relacionadas ao trabalho.

    Fiscalizao atravs da CIPA, Delegacia Regional do Trabalho e Emprego,

    Sindicato, CEREST e da Vigilncia Sanitria do SUS nos ambientes de trabalho.

    Clusulas nos acordos coletivos de trabalho que privilegiem a preveno de

    doenas do trabalho ou profissionais, tratamento e reabilitao dos trabalhadores.

    Posturas ticas no atendimento a trabalhadores vtimas de doenas profissionais

    ou acidente do trabalho nos servios mdicos das empresas e na percia do INSS.

  • 10

    Pouco conhecidas at os anos 70, as LER/ DORT tiveram rpido crescimento nos ambientes de trabalho em todo o mundo. No Brasil, na dcada de 80, casos de tenossinovite entre digitadores levaram os sindicatos de trabalhadores em processamento de dados a lutar pelo reconhecimento das leses como doenas profissionais. Em 6 de agosto de 198