Lesões por Esforços Repetitivos (LER) Distúrbios ...· Introdução O que é LER/Dort ? São danos

  • View
    214

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of Lesões por Esforços Repetitivos (LER) Distúrbios ...· Introdução O que é LER/Dort ? São...

  • Leses por Esforos Repetitivos (LER)Distrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho (Dort)

  • Introduo O que LER/Dort ?

    So danos decorrentes da utilizao excessiva imposta ao sistema msculo-esqueltico e da falta de tempo para recuperao. Caracterizam-se pela ocorrncia de vrios sintomas concomitantes ou no, de aparecimento insidioso, geralmente nos membros superiores, tais como dor, parestesia, sensao de peso e fadiga. Acometem tambm a coluna e os membros inferiores (quadris, joelhos, tornozelos e ps).

    Sintomas: Sensao de peso e cansao; Alterao da sensibilidade; Dor; Perda de fora ou coordenao das mos; Choque, dormncia, formigamento, cimbras; Falta de firmeza nas mos; Limitao dos movimentos; Acometimento psicolgico ( ansiedade, medo do futuro, irritao, entre outros); Dificuldade para dormir e para realizar AVDs (Atividades de Vida Dirias); Fraqueza muscular.

    Etiologia:Multifatorial.

  • Introduo Fatores de risco:

    Repetitividade de movimentos;Esforo e fora repetitivos;Posturas inadequadas;Choques e impactos;Vibrao;Presso mecnica;Frio;Fatores organizacionais (ritmo de trabalho acelerado, jornada prolongada, presso no trabalho...);Fatores ergonmicos.

    Observao: Deve-se levar em considerao a regio anatmica submetida, intensidade do fator de risco, variao de tempo dos fatores e tempo de exposio aos fatores de risco.

    Como prevenir?No processo de preveno faz-se necessrio observar particularidades do processo de trabalho,

    detalhes de cada local e funo, visando alter-los, por exemplo:Aumento do nmero de pausas;Ambiente de trabalho com temperatura, rudo e iluminao adequados;Adequao do posto de trabalho para evitar posturas corporais incorretas;Realizao de exames peridicos.

  • Histrico As LER/Dort, no Brasil, foram descritas inicialmente como tenossinovite ocupacional.

    Foram apresentados no XII Congresso Nacional de Preveno de Acidentes do Trabalho em 1973, casos de tenossinovites ocupacionais em lavadeiras, limpadoras e engomadeiras, recomendando-se que fossem observadas pausas de trabalho daqueles que operavam intensamente com as mos.Na dcada de 1980, os sindicatos dos trabalhadores em processamento de dados travaram uma luta pelo enquadramento da tenossinovite como doena do trabalho.

    Nos ltimos anos vrias outras doenas foram includas entre as LER/Dort.

    Em 17 de fevereiro de 2016, o Ministrio da Sade publicou a Portaria N 205 (Revogando a Portaria n 1.984/GM/MS, de 12 de setembro de 2014), definindo a lista de doenas e agravos a serem monitorados por meio da estratgia de vigilncia em unidades sentinelas e suas diretrizes.

  • ProtocoloTipo de Protocolo:

    Diagnstico e Tratamento.Pblico Alvo:

    Profissionais da rede de sade que atendem os trabalhadores, seja no SUS e rede privada.Objetivo:

    Orientar os profissionais que prestam assistncia a trabalhadores a identificar e notificar os casos.Benefcios:

    Melhor identificao e abordagem dos casos.Epidemiologia:

    Estudos tm evidenciado que trabalhadores de diversos ramos de atividades esto expostos a condies de trabalho que propiciam a ocorrncia e/ou agravamento de quadros relacionados s LER/ Dort (soldadores de estaleiros, cortadores de carne, empacotadores, digitadores...)MetodologiaDiagnstico: Na rede assistencial da ateno bsica (anamnese):

    a) Histria das queixas atuais;b) Indagao sobre diversos aparelhos;c) Comportamentos e hbitos relevantes;d) Antecedentes pessoais;e) Antecedentes familiares;

  • Protocolo f) Anamnese ocupacional;

    g) Exame fsico geral e especfico;h) Exames complementares e / ou avaliao especializada;i) Investigao do posto/ atividade de trabalho in loco.

    Anlise dos dados coletados, aspectos epidemiolgicos e achados de exame fsico: Rede Assistencial da Ateno Secundria:

    O clnico da unidade de sade da ateno bsica encaminha pacientes aos especialistas com dvidas referentes ao quadro clnico, uma vez que os casos de baixa complexidade podem ser diagnosticados e acompanhados na prpria unidade bsica de sade.

    Diagnstico diferencial. Rede e urgncia/ emergncia e pronto-atendimento

    Aps a assistncia de pronto-atendimento deve ser encaminhado para investigao e procedimentos adequados rede de ateno bsica.

    Procedimento Teraputicos Tratamento multidisciplinar (fisioterapia, terapia ocupacional, psicoterapia, medicamentoso...)

  • ProtocoloExistem doenas que podem ser relacionadas ao trabalho e que especificamente podem ser enquadradas como LER/ Dort, que constam da lista de doenas relacionadas ao trabalho do Ministrio da Sade e do Ministrio da Previdncia Social, por exemplo:

    Sndrome cervicobraquial (M53.1); Dorsalgia (M54.-); Cervicalgia (M54.2); Citica (M54.3); Lumbago com citica (M54.4); Lumbago com citica (M54.4); Sinovites e tenossinovites (M65.-); Dedo em gatilho (M65.3); Tenossinovite do estilide radial (De Quervain) (M65.4); Outras sinovites e tenossinovites (M65.8); Sinovites e tenossinovites no especificadas (M65.9); Transtornos dos tecidos moles relacionados com o uso, o uso excessivo e a presso, de origem

    ocupacional (M70.-); Sinovite crepitante crnica da mo e do punho (M70.0);

  • Protocolo Bursite da mo (M70.1); Bursite do olecrano (M70.2); Outras bursites do cotovelo (M70.3); Outros transtornos dos tecidos moles relacionados com o uso, o uso excessivo e a presso (M70.8); Transtorno no-especificado dos tecidos moles relacionados com o uso excessivo e a presso

    (M70.9); Fibromatose da fscia palmar: contratura ou molstia de Dupuytren (M72.0); Leses do ombro (M75.-); Capsulite adesiva do ombro (ombro congelado, periartrite do ombro) (M75.0); Sndrome do manguito rotador ou sndrome do supra-espinhoso (M75.1); Tendinite biciptal (M75.2); Tendinite calcificante do ombro (M75.3); Bursite do ombro (M75.5); Outras leses do ombro (M75.8); Leses do ombro no-especificadas (M75.9); Outras entesopatias (M77.-); Epicondilite medial (M77.0); Epicondilite lateral (cotovelo do tenista) (M77.1); Outros transtornos especificados dos tecidos moles no classificados em outra parte (inclui mialgia)

    (M79.-).

  • IMPORTANTE

    A etapa do estabelecimento da relao de causa e/ou agravamento entre o trabalho e o quadro clnico atribuio multidisciplinar, pressupe a

    tcnica de realizar uma boa anamnese ocupacional, que no atribuio exclusivamente mdica.

  • IMPORTANTE

    O objetivo dos profissionais de sade na abordagem s LER/ Dort, no deve se restringir ao acolhimento humanizado e qualificado nos servios assistenciais, mas tambm, de manter uma atitude ativa frente s possibilidades de preveno que cada caso pode

    oferecer, ou seja, a cada caso diagnosticado, buscar a possibilidade de uma ao de vigilncia e interveno para que se evitem novos

    casos.

  • Monitoramento

    A lista Nacional de doenas e Agravos Relacionados a Sade devem ser monitorados por meio da estratgia de vigilncia em unidades sentinelas.

  • OBRIGADA!

    cerest.goias@hotmail.com 3241-2695

    Slide 1Slide 2Slide 3Slide 4Slide 5Slide 6Slide 7Slide 8Slide 9Slide 10Slide 11Slide 12