LIPÍDIOS PROF. ALEXANDRE S. OSÓRIO. LIPÍDIOS Moléculas apolares. Moléculas apolares. Insolúveis em água. Solúveis em solventes orgânicos (éter, álcool

  • View
    109

  • Download
    2

Embed Size (px)

Text of LIPÍDIOS PROF. ALEXANDRE S. OSÓRIO. LIPÍDIOS Moléculas apolares. Moléculas apolares....

  • Slide 1
  • LIPDIOS PROF. ALEXANDRE S. OSRIO
  • Slide 2
  • LIPDIOS Molculas apolares. Molculas apolares. Insolveis em gua. Solveis em solventes orgnicos (ter, lcool e clorofrmio). Solveis em solventes orgnicos (ter, lcool e clorofrmio).
  • Slide 3
  • LIPDIOS - CLASSIFICAO LIPDIOS SIMPLES -Glicerdios, Triglicerdios e Cerdios. LIPDIOS COMPOSTO -Fosfolipdios, Glicolipdios e Lipoprotenas. ESTERIDES - Hormnios sexuais, Vitamina D, Sais biliares e Colesterol.
  • Slide 4
  • LIPDIOS SIMPLES CIDO GRAXO + LCOOL EXEMPLOS GLICERDIOS cido Graxo + Glicerol - leos e gorduras
  • Slide 5
  • DIFERENA ENTRE LEOS E GORDURAS GORDURAS Apresentam cido graxo de cadeia saturada (simples ligaes). Slidas temperatura ambiente. LEOS Apresentam cido graxo de cadeia insaturada (dupla ligao). Lquidos temperatura ambiente.
  • Slide 6
  • LIPDIOS SIMPLES EXEMPLOS TRIGLICERDIOS 3 cidos Graxo + Glicerol -leos e gorduras
  • Slide 7
  • LIPDIOS SIMPLES EXEMPLOS CERDIOS 1 cido Graxo (ou +) + Polilcool (16 C) - Ceras
  • Slide 8
  • LIPDIOS SIMPLES FUNES - Reserva de energia - Isolante trmico - Isolante eltrico - Proteo contra impactos - Impermeabilizao de superfcies (Ceras)
  • Slide 9
  • LPDIOS COMPOSTOS CIDO GRAXO + LCOOL + OUTRA SUBSTNCIA EXEMPLOS FOSFOLIPDIOS 2 cidos Graxos + Glicerol + grupo fosfato. - Lecitinas, Cefalinas e Esfingomielinas
  • Slide 10
  • LIPDIOS COMPOSTOS EXEMPLOS GLICOLIPDIOS cido Graxo + Glicerol + glicdio. -Encontrado no Glicoclix. LIPOPROTENAS - cidos Graxo + Glicerol + protenas. - Encontradas no plasma e membranas celulares.
  • Slide 11
  • Slide 12
  • MODELO MOSAICO FLUDO
  • Slide 13
  • LPDIOS COMPOSTOS FUNES - Formao de membranas celulares. - Presentes no tecido nervoso e no plasma.
  • Slide 14
  • ESTERIDES Molculas constitudas por um grupo central de quatro anis carbnicos ligados entre si.
  • Slide 15
  • ESTERIDES - FUNES -Produo de hormnios. testosterona caracteres sexuais masculinos testosterona caracteres sexuais masculinos estrgeno caracteres sexuais femininos estrgeno caracteres sexuais femininos -Composio de vitaminas vitamina D anti-raqutica vitamina D anti-raqutica ESTRGENO
  • Slide 16
  • COLESTEROL obtido por meio de sntese celular (colesterol endgeno -70%) e da dieta (colesterol exgeno- 30%). Exceto em pessoas com alteraes genticas do metabolismo do colesterol, o excesso dele no sangue resulta dos pssimos hbitos alimentares que possumos (que so adquiridos desde a infncia) e que nos levam a grande ingesto de colesterol e gorduras saturadas (geralmente de origem animal).
  • Slide 17
  • COLESTEROL O colesterol pode ser transportado no sangue humano associado a lipoprotenas: - LDL (Low Density Lipoprotein) : Fornece colesterol aos tecidos (mau colesterol) - HDL (High Density Lipoprotein): Remove o colesterol dos tecidos e leva ao fgado que excreta na forma de sais biliares.
  • Slide 18
  • Outras lipoprotenas : "Quilomicrons": grandes partculas, que transportam as gorduras alimentares e o colesterol para os msculos (para energia), para os tecidos. "Very-Low Density Lipoproteins" (VLDL) e Intermediate Density Lipoprotein (IDL): transportam triiglecirdeos (TAG) e colesterol endgenos do fgado para os tecidos. Na medida em que perdem triglicerdeos, estas partculas podem coletar mais colesterol e tornarem-se LDL.
  • Slide 19
  • O colesterol endgeno sintetizado pelo fgado, em um processo regulado por um sistema compensatrio: quanto maior for a ingesto de colesterol vindo dos alimentos, menor a quantidade sintetizada pelo fgado.
  • Slide 20
  • COLESTEROL
  • Slide 21
  • O COLESTEROL NO SANGUE 1- O colesterol forma um complexo com os lipdeos e protenas, chamado lipoprotena. A forma que realmente apresenta malefcio, quando em excesso, a LDL. 2- Nesta interao, a LDL pode acabar sendo oxidada por radicais livres presentes na clula.
  • Slide 22
  • O COLESTEROL NO SANGUE 3- Esta oxidao aciona o mecanismo de defesa, desencadeando um processo inflamatrio com infiltrao de leuccitos. Molculas inflamatrias acabam por promover a formao de uma capa de cogulos sobre o ncleo lipdico. 4- Aps algum tempo cria-se uma placa (ateroma) no vaso sanguneo; sobre esta placa, pode ocorrer uma lenta deposio de clcio, numa tentativa de isolar a rea afetada.
  • Slide 23
  • O COLESTEROL NO SANGUE 5- Isto pode interromper o fluxo sanguneo normal (aterosclerose) e vir a provocar inmeras doenas cardacas. De fato, a concentrao elevada de LDL no sangue a principal causa de cardiopatias.
  • Slide 24
  • ATEROSCLEROSE
  • Slide 25
  • TAXAS DE COLESTEROL VALORES PARA ADULTOS ( mg/dL) DESEJVEISLIMTROFESAUMENTADOS Colesterol totalAbaixo de 200200-239Acima de 240 LDL colesterolAbaixo de 130130-159Acima de 160 HDL colesterolAcima de 35-- TriglicerdeosAbaixo de 200-Acima de 200
  • Slide 26
  • PREVENO H trs fatores bsicos a observar para controlar os nveis de colesterol e prevenir as doenas cardiovasculares. 1 - No Fume - o tabagismo aumenta substancialmente o risco de doenas, sobretudo cardiovasculares. Conjugado com outros fatores de risco aumenta o risco global.
  • Slide 27
  • PREVENO 2 - Mantenha um peso adequado - evite os excessos. Existe um peso ideal para cada pessoa, que se deve procurar manter. Isto consegue-se combinando o exerccio regular com uma alimentao equilibrada saudvel.
  • Slide 28
  • PREVENO 3 - Faa uma alimentao saudvel e equilibrada: - No esquea o caf da manh, fundamental no seu dia. Leite ou iogurte, de preferncia magros, po ou cereais e uma pea de fruta, constituem uma alimentao saudvel. - Faa vrias refeies por dia. Merendar a meio da manh e da tarde, ajuda a controlar o apetite e evitar os grandes almoos e jantares. - Ateno ao acar. Diminua o consumo de bolos e doces. Prefira os caseiros. Reduza gradualmente o acar que adiciona s bebidas, substituindo-o por adoante - Cuidado com o sal! Modere a quantidade quando cozinha e evite usar saleiro na mesa. - Reduza a gordura na confeco de alimentos usando recipientes no aderentes, Em vez de fritar, opte pelos assados, grelhados ou cozidos no vapor. - Reduza a gordura na confeco de alimentos usando recipientes no aderentes, Em vez de fritar, opte pelos assados, grelhados ou cozidos no vapor. - Beba gua com e sem sede. A gua fundamental para o equilbrio do nosso organismo.
  • Slide 29
  • ESTERIDES ANABOLIZANTES
  • Slide 30
  • EFEITOS NO ORGANISMO Crebro * dores de cabea * tonturas * aumento da agressividade * irritao * alterao de humor * comportamento anti-social * parania
  • Slide 31
  • EFEITOS NO ORGANISMO Laringe * alterao permanente das cordas vocais em mulheres (a voz fica mais grave) Corao * aumento do msculo cardaco, que pode levar a infarto em jovens Fgado * aumento da produo da enzima transaminase, responsvel pelo metabolismo das substncias. O rgo passa a trabalhar demais. Foram registrados casos de tumor, cirrose, ictercia e peliosis hepatis (cistos cheios de sangue que podem levar a hemorragias).
  • Slide 32
  • EFEITOS NO ORGANISMO Aparelho reprodutor * atrofia dos testculos e dor no saco escrotal * ginecomastia (crescimento da mama em homens) * esterilidade feminina e masculina (so necessrios de seis a trinta meses para que o homem volte a produzir espermatozides) * aumento do clitris (cresce como se fosse um pequeno pnis) * alterao do ciclo menstrual * atrofia do tero e da mama, aumento da libido inicialmente e queda depois do uso repetido
  • Slide 33
  • EFEITOS NO ORGANISMO Msculos * aumento da massa muscular pelo depsito de protenas nas fibras musculares * diminuio da quantidade de gordura do corpo Sistema lipdico * reduo do bom colesterol (HDL) e aumento do mau colesterol (LDL) Ossos * na puberdade, os anabolizantes aceleram o fechamento da epfises (regies do osso responsveis pelo crescimento), reduzindo o perodo de crescimento, resultando em uma estatura menor.
  • Slide 34
  • Slide 35
  • CAROTENIDES - So pigmentos acessrios da fotossntese (de cor vermelha, laranja ou amarela). - Insolveis em gua. - Solveis em solventes orgnicos - Matria-prima para produo de vitamina A (precursora de retinal)
  • Slide 36
  • Slide 37
  • Slide 38