LIVRO DE RESUMOS PROVISÓRIO - pnum.arq.up.pt .LIVRO DE RESUMOS PROVISÓRIO ... (C. Universitário

Embed Size (px)

Text of LIVRO DE RESUMOS PROVISÓRIO - pnum.arq.up.pt .LIVRO DE RESUMOS PROVISÓRIO ... (C. Universitário

A Produo do Territrio: Formas, Processos, Desgnios

LIVRO DE RESUMOS PROVISRIO

Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto - 18 e 19 de Julho de 2018

1.1. FORMAS I

FERRAMENTAS, MTODOS E TCNICAS

Sala G 2.1 | Moderao: Ivo Oliveira e Nuno Travasso Descodificar a fragmentao urbana: contributos de interpretao morfolgica na

rea Metropolitana de Lisboa

Joo Rafael Santos

Hipertexto e urbanizao difusa. Um fragmento de Vila Nova de Gaia como

laboratrio de anlise

Sara Sucena

Da expanso disperso: As diferentes escalas da morfologia urbana: as

particularidades da formao da cidade industrial brasileira

Luiz de Pinedo Quinto

Luiza Naomi Iwakami

Mutaes Urbanas em Campinas: suas tipologias e padres de implantao Daniel Teixeira Turczyn

Evandro Ziggiatti Monteiro

Mutaes Urbanas na Regio Metropolitana de Campinas: seus padres de

paisagem

Daniel Teixeira Turczyn

Evandro Ziggiatti Monteiro

Formas da expanso urbana na cidade de Campinas no perodo 2007-2016 Marcio Rodrigo Barbutti

Denio Munia Benfatti

As novas runas urbanas: leituras a partir de dois projetos suspensos em

Guimares e Vizela, Portugal

Joo Sarmento

Rui Pereira

Ivo Oliveira

MORPHO Amaznia? Uma morfologia de reas rurais

Giselle Fernandes de Pinho

Evandro Ziggiatti Monteiro

Silvia Mikami Pina

1.1. FORMAS 1

FERRAMENTAS, MTODOS E TCNICAS

1.1_1

Descodificar a fragmentao urbana: contributos de interpretao morfolgica na rea

Metropolitana de Lisboa

Joo Rafael Santos (CIAUD, Faculdade de Arquitetura, Universidade de Lisboa; Portugal)

Palavras-chave: Territrios metropolitanos, fragmentao territorial, loteamento, rea Metropolitana de Lisboa

Da transformao do territrio metropolitano de Lisboa ao longo do ltimo sculo foi resultando um mosaico

fragmentrio de espaos abertos, na sequncia da construo de potentes redes infraestruturais e da implementao de

formas muito diversas de expanso urbana. Identificam-se situaes problemticas de desqualificao territorial,

nomeadamente efeitos de barreira, descontinuidades da rede de espaos coletivos, degradao de servios urbanos,

segregao socio-espacial e riscos ambientais diversos. reas significativas de espao aberto foram destacadas e

desarticuladas do seu suporte ecolgico matricial, perdendo utilidade agroflorestal produtiva e econmica. Por outro

lado, so reas sujeitas a mltiplas expectativas, servides e compromissos urbansticos, frequentemente no sentido da

sua ocupao edificada.

A investigao desenvolvida por autores como Secchi (2005) ou Tatom (2009) aponta para a necessidade de traar

novas metodologias e conceptualizaes perante um territrio que se constri a partir de estruturas de natureza mais

elementar, num sistema territorial mais aberto, difuso e centrfugo, intersticialmente caracterizado por espaos incertos

e atravessado por elementos arteriais (Font, 1999). Coloca-se, pois, a hiptese de que estas paisagens da fragmentao

metropolitana, contm em si os elementos para uma potencial regenerao multi-escalar e multidimensional,

nomeadamente ao nvel: 1) da conteno da expanso/disperso urbana, 2) da redefinio de limites e de formas de

transio entre o urbano e o rural, 3) de qualificao do espao pblico como instrumento de promoo da mobilidade

ativa, 4) de inovao no domnio dos usos agrcolas e florestais em contexto urbano, e 5) no reforo da infraestrutura

ecolgica e dos servios de ecossistema.

Neste quadro, o artigo apresenta alguns dos resultados preliminares do projeto de investigao AdaptPolis

descodificar a fragmentao urbana, em curso na FA-ULisboa, que, tendo por base estudos anteriores (Santos, 2012,

2017), procura contribuir para respostas societais ps-crescimento e de regenerao territorial. O projecto tem como

territrio de explorao a rea envolvente aos aglomerados de Agualva- Cacm e Massam (Sintra), fortemente

caracterizada por fenmenos de fragmentao e descontinuidade espacial.

Os primeiros resultados interpretativos a apresentar incidem sobre a caracterizao morfolgica e dos processos de

formao destes tecidos, numa perspectiva evolutiva desde meados do sculo XX, em particular nas relaes entre uma

matriz fundiria rstica e a sua transformao atravs da figura do loteamento.

Estes primeiros elementos de caracterizao e interpretao constituem uma base crtica para a identificao de factores

de conflito, mas tambm de oportunidade para adaptao de polticas e de redes espaciais locais.

Font, A. et al. (1999). La construcci del territori metropolit. Morfognesi de la Regi urbana de Barcelona,

Barcelona: Mancomunitat de Municipis de lrea Metropolitana de Barcelona

Santos, J.R. (2017). Discrete landscapes in metropolitan Lisbon: open space as a planning resource in times of latency,

Planning Practice & Research, 32:1, 4-28

Santos, J.R. (2012). Espaos de mediao infraestrutural: Interpretao e projecto na produo do urbano no territrio

metropolitano de Lisboa, Tese de Doutoramento em Urbanismo, FAUTL

Secchi, B. (2005). La citt nel ventesimo secolo, Roma: Laterza

Tatom, J. (2009) Programs for a metropolitan urbanism in: Tatom, J., Stauber, J. (eds.), Making the Metropolitan

Landscape, New York: Routledge, 195- 201

1.1. FORMAS 1

FERRAMENTAS, MTODOS E TCNICAS

1.1_2

Hipertexto e urbanizao difusa. Um fragmento de Vila Nova de Gaia como laboratrio de

anlise

Sara Sucena (Universidade Fernando Pessoa; Portugal)

Palavras-chave: Cidade contempornea, Cidade difusa, Hipertexto, Anlise hipertextual, Lexia, Urbanismo

O artigo questiona a urbanizao contempornea as formas e as relaes que as produzem a partir da noo de

hipertexto. Tomada da literatura e da informtica, essa noo revela agora a sua pertinncia no campo do urbanismo e

na atribuio de sentido a conjuntos de peas territoriais que parecem no o ter, ou o no revelam meramente pelo

desmontar do collage visual em que se figuram. O recurso identificao de lexias, entendidas como elementos

constitutivos do territrio que se articulam em sentido no-linear, permite ento estabelecer relaes inusitadas entre

informao diversa/fundamental para a compreenso desses elementos e o seu sentido de conjunto, mais alm da que se

v e que manifestamente insuficiente para o explicar/revelar.

A urbanizao em contexto de cidade difusa, pela complexidade dos seus processos de formao e pelas morfologias

que gera, constitui portanto um cenrio privilegiado para o teste da metfora do hipertexto como ferramenta da sua

apreenso, um desgnio impossvel para os instrumentos convencionais de anlise, projecto ou planeamento quando se

quer perceber por que o que est est ali, a(s) lgica(s) das relaes entre peas, a sua espacialidade topolgica, etc. Um

fragmento territorial do municpio de Vila Nova de Gaia constitudo como laboratrio, uma rea que agrega elementos

de distintos tipos, escalas, funciones, lgicas, e se oferece como suporte interessante para a aplicao do mtodo de

anlise hipertextual, uma interpretao exploratria que procura a sua compreenso, explicao, e, eventualmente, os

fundamentos do seu projecto.

Referncias bibliogrficas:

Ascenso, A. T., Babo, M. A., e Torres, R. (2014). O hipertexto na cultura contempornea: do fim da linearidade

abertura conceptual. Cibertextualidades, 6, 121-38.

Babo, A. (2013). Desafios del hipertexto. In J. G Pinto, e J. A. B. Miranda (Ed.). Perspectivas de la comunicacin: arte,

cultura, tecnologia, (pp.134-45). Madrid: Slurp & Cream.

Barnett, J. (1995). The Fractured Metropolis: Improving the New City, Restoring the Old City and Reshaping the

Region. New York: Harper Collins.

Boeri, S., e Lanzani, A. (1992). Gli orizzonti della citt diffusa. Casabella, 588, 44-59. Brenner, N., e Schmid, C.

(2015). Towards a new epistemology of the urban? City, 19 (2-3), 151-82. Corboz, A. (1994). L'lpercitt. Urbanistica,

103, 6-10.

Domingues, A. (2016). Territrio como Hipertexto. In A. Domingues, e N. Travasso. Territrio Casa Comum (38-41).

Porto: Edies Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto.

Magnabosco, G. G. (2009). Hipertexto: algumas consideraes. CELLI Colquio de Estudos Lingusticos e Literrios,

3 (2007), 1389-98.

Martins, I. P. (2011). O porto do Porto. In Exposio Cidade e Patrimnio Arquitectnico do Sculo XX: 1910-1974.

Disponvel em: https://repositorio-aberto.up.pt/handle/10216/67797. (Consultado em 19/01/2018)

Sucena-Garcia, S. (2014). A cidade difusa e os instrumentos para o seu (re)conhecimento: O atlas eclctico de Stefano

Boeri. A Obra Nasce, 8, 113-23.

https://repositorio-aberto.up.pt/handle/10216/67797

1.1. FORMAS 1

FERRAMENTAS, MTODOS E TCNICAS

1.1_3

Da expanso disperso: As diferentes escalas da morfologia urbana: as particularidades da

formao da cidade industrial brasileira

Luiz de Pinedo Quinto (FAU-USP; Brasil)

Luiza Naomi Iwakami (C. Universitrio B. Artes de SP; Brasil)

O processo de urbanizao condicionado pelos diferentes ciclos econmicos no Brasil gerou particularidades na forma

de ocupao desenhada pelos eixos estruturadores produzidos pelo sistema virio. A p