Luiza Watanabe Dal Ben

  • View
    1.159

  • Download
    3

Embed Size (px)

Text of Luiza Watanabe Dal Ben

  • O empreendedorismo na gesto

    Ferramentas para a gesto

    contempornea da enfermagem

    Doutora pela Escola de Enfermagem da USP.

    Presidente do Grupo Dal Ben Home Care.

    Diretora do SINDHOSP-Depto de Assistncia Contnua

    Coordenadora do Ncleo de Assistncia Domiciliar Polo So Paulo-

    REBRAENSP- Rede Brasileira de Enfermagem e Segurana do Paciente

    Membro do GEPAG e GEPAV-SE - UNIFESP

    Autora do Livro com a Prof. Dr. Raquel Gaidzinski

    Home Care: Planejamento e Administrao da Equipe de Enfermagem

    Luiza Watanabe Dal Ben

  • Agenda

    1. Relevncia do tema empreendedorismo e a Assistncia Domiciliar Sade

    2. Trajetria profissional, transformando ambiente externo e interno

    3. Etapas do Planejamento da Assistncia de Enfermagem Domiciliar

    4. Qualidade e Segurana ao Paciente e seus familiares e da equipe em Assistncia Domiciliar

    5. Vdeo institucional

  • World Health Organization

    Relevncia do Tema:

    Assistncia Domiciliar

    Rehabilitation

    Health Promotion

    Home

    Care

    NURSING

    Medical care

    for chronic

    disease

    Palliative care

    Medical care

    for acute

    disease

  • Trajetria profissionalEnfermeira formada EEUSP 03/78 Licenciada pela Faculdade de Educao da USP -1980Experincia em nico Hospital 9 de Julho privado UTI geral , Dilise, RPA, por 4 anos1982 casamento, atuao unidades de internao, CC, UTI neonatal 1985 1994 - Educao Continuada subordinada Diretoria Administrativa Desenvolvimento de programas de liderana FGV, FEAUSP, APRH, redesenho dos setores do hospital.1991- Curso de Administrao FSPUSPEntendimento de outros Sistemas de Sade Europa e Norte Americano Goldsmith (1981) - Futuro dos hospitais grandes centros de tecnologia e monitoramento dos pacientes em seus domiclios

  • Incio : set dez 1991 Plano de Negcio

    Ser uma empresa de enfermagem domiciliar especializada com superviso de enfermeiros 24 horas.

    Jan 1992 Pessoa Jurdica

    2 - Trajetria profissional,

    transformando ambiente externo e interno

  • Empreendedorismo

    Aspectos Legais COREN-SP e COFEN

    Resoluo COFEN n 267/2001 atividades do enfermeiro em Home Care

    Resoluo COFEN n 270/2001 Empresas de Home Care

    2 - Trajetria profissional,

    transformando ambiente externo e interno

  • 2 - Trajetria profissional,

    transformando ambiente externo e interno

    Convico / Determinao necessidade do produto no mercado qualidade alcanada com a superviso de enfermeiros

    4 9 %

    19 %

    6 %

    15%11%

    0%

    10%

    20%

    30%

    40%

    50%

    Home Care Assist . Espec. Acomp. Hosp. Monit orament o Procediment o

    Atendimento por Produto e Procedimento

    INT DOM ASS. ESP ACOM HOSP PROCEDIMENTOS

  • Acreditava equilbrio financeiro em 3 anos

    Doutores em economia e administrao da FSPUSP

    Capital relacional

    Conhecimento profundo da rea de enfermagem

    2 - Trajetria profissional,

    transformando ambiente externo e interno

  • Inquietao demonstrar a necessidade de horas dirias de assistncia de enfermagem

    especializada

    ME 1996- 2000 - EEUSPTISS Intermedirio adaptadoInstrumento para calcular horas dirias de assistncia de enfermagem domiciliar

    Estgio Copenhagen e GenebraDoutorado - 2001-2005 EEUSPDimensionamento do pessoal de enfermagem em assistncia domiciliar

    2- Trajetria profissional,

    transformando ambiente externo e interno

  • 010

    20

    30

    40

    50

    60

    70

    80

    90

    Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez

    Paciente/Famlia

    Enfermeiro/Ms

    77666 7

    JAN 9,28

    FEV 10,71

    MAR 11,28

    ABR 10,37

    N de pacientes de Internao Domiciliar /ms

    N de Enfermeiros

    0

    20

    40

    60

    80

    100

    120

    140

    160

    180

    200

    Jan Fev Mar Abr Mai Jun

    CidaDebora

    DeniseSabrinaCintia Y

    AlineIvan Cinthya SCamila

    PatriciaMartaPriscila A

    Priscila BGustavo

    1067417 472 895861

    Visitas de Enfermagem 2011

  • Aspectos Legais -Assistncia domiciliar no Brasil

    ANVISA - RDC n 11 - 26/01/2006

    Dispe sobre o Regulamento Tcnico de funcionamento de Servios

    que prestam Ateno Domiciliar (Assistncia e Internao

    Domiciliar) www.anvisa.org.br

    Lei n 9.656, de 3 de junho de 1998

    Regulamenta o seguro suplementar de sade no Brasil.

    Resoluo Normativa RN n 211 de 11 janeiro de 2010 atualiza o Rol de Procedimentos e Eventos em Sade, incluindo a internao domiciliar em substituio a internao hospitalar, contratados a partir de 1 de janeiro de 1999.

  • Abril/2002 - Lei n 10.424 de 15/04/2002, acresceu a

    Lei 8080 de 19 de setembro de 1990, o captulo VI, o qual

    prev dois tipos de assistncia domiciliar:

    o atendimento e a internao domiciliar.

    Pela PORTARIA N 2.529 de 19 de outubro de 2006

    Institui a Internao Domiciliar no mbito do SUS.

    http://rebraensp.blogspot.com/

  • ADAPTAO S EXIGNCIAS DO

    MERCADO DE SEGURADORAS DE

    SADE - 1998

    -Atuar com auxiliares e tcnicos de

    enfermagem de cooperativas de trabalho

    Investimento para melhorar a informao

    -Criao de ficha de alerta clnicos 105 itens 113 itens . Trabalho apresentado em 2004 Congresso de Telemedicina

    Londres, com Prof Chao Lung Wen - FMUSP-Prmio no CIAD 2009 FerramentaEducacional e de Gesto

  • Misso Dal Ben

    Ser uma empresa de gesto em sade que presta ateno

    domiciliar personalizada a pacientes, familiares e

    instituies, com transparncia e segurana, harmonizando

    sua relao com seus colaboradores, mdicos e equipe

    multiprofissional.

  • Viso Dal Ben

    Obter reconhecimento nacional por meio de certificao

    internacional de qualidade em assistncia domiciliar .

  • Valores Dal Ben

    Comprometimento com os colaboradores e famlia;

    Investir em conhecimento tcnico e cientfico;

    Atuar com tica;

    Investir em inovao e tecnologia;

    Respeitar o meio ambiente;

    Satisfazer os clientes internos e externos;

    Promover segurana aos colaboradores, pacientes e seus familiares;

    Manter-se reconhecida como referncia em qualidade no segmento

    de Home Care.

  • ORGANOGRAMA

    Diretoria

    Educ Permanente Qualidade

    Planejamento

    Enfermagem Pessoas Financ TI MK Farmcia Compras

    Jurdico

    CCI

    Ora/o

    Comerc

  • 3- Etapas do Planejamento da Assistncia de Enfermagem Domiciliar

    Consulta Presencial

    Enfermagem e

    mdica

    Escolha do perfil

    profissional

    Critrios de adaptao do

    domiclio

    Transferncia do hospital para

    a residncia

    Avaliao contnua

    Estrutura do ambiente

    Solicitao de

    atendimento

    integrada

  • Atendimento Domiciliar

    Avaliao Pr-admissional

    Plano Teraputico

    No Aprovado

    Aprovado

    Gerenciamento de Doenas

    Crnicas

    Atendimento Domicilirio

    Reabilitao

    Internao Domiciliar

    DM, DPOC , HAS

    Consulta Procedimento

    Alta

    bito

    ManutenoCuidados Paliativos

    bito

    Classificao

    Baixa complexidade 6h

    Mdia complexidade 12h

    Alta complexidade 24h

  • Modalidades de Assistncia Domiciliar

    Visita Domiciliar

    Internao Domiciliar(estrutura semelhante a do hospital)

    Ateno em tempo integral

    ao paciente com quadro clnico

    mais complexo e com necessidade

    de tecnologia especializada.

    Atendimento Domicilirio(atividades de carter ambulatorial)

    Procedimentos Orientaes de enfermagem, do mdico

    Consultas equipe interdisciplinarSesses de fisioterapia,

    fonoaudiologia

    Gerenciamento

    Condies Crnicas

    Necessidade de horas contnuas

    de assistncia de enfermagem

  • Premissas para elegibilidade do

    paciente em Assistncia Domiciliar

    Avaliar o nmero de horas

    dirias de assistncia de

    enfermagem

    ( TISS Adaptado - Dal Ben, 2000)

    Previso de Medicamentos,

    Materiais e Equipamentos

    Consentimento do cliente e da famlia

    e do mdico assistente

    Identificao do Interlocutor

    da famlia - cuidador

    Consulta de Enfermagem

    (Paciente/domiclio/ndice de Katz

    Genograma/ Ecomapa

    Risco de queda/ Escala de Braden

    Consulta mdica

    Cuidador

  • Assistncia Domiciliar Comunicao Equipe Paciente - Famlia

    Fisioterapeuta

    Assistente SocialNutricionista

    Dentista

    Mdico

    Enfermeiroe sua equipe

    Fonoaudilogo

    Psiclogo

    Arquiteto

    Farmacutico

    Eng Clnico

    Terapeuta

    Ocupacional

    Suporte

    Espiritual Call Center

    Especializadoveterinrio

  • 4 - Qualidade e Segurana ao

    Paciente e seus familiares e da

    equipe em Assistncia Domiciliar

  • LOGSTICA Assistncia Domiciliar

    Segurana transporte controle temperatura

    Casa certa, paciente certo

    Hora certa (agilidade)

  • Passo 1 Atuao do Enfermeiro Prtica Segura quanto a : Identificao do paciente

    Identificao do profissional para a famlia e ao

    paciente.

    - SAE

    Passo 2 - Cuidado Limpo e Cuidado Seguro Higienizao das mos

  • Preveno de UPP

  • Apresentao presencial dos profissionais auxiliares e tcnicos de enfermagem pelo enfermeiro referncia do

    paciente e famlia;

    Procedimentos invasivos somente o Enfermeiro

    Passo 3 Atuao do Enfe