MACROECONOMIA: PRÁTICA

  • View
    231

  • Download
    3

Embed Size (px)

Text of MACROECONOMIA: PRÁTICA

  • MACROECONOMIA:

    PRTICA

    Antonio Ferraz

    (Professor Catedrtico Aposentado da

    Escola de Economia e Gesto da

    Universidade do Minho)

    2014

  • (I) INDICADORES DO MERCADO DE TRABALHO (PORTUGAL)

    Rubricas 2T-

    2011

    3T-

    2011

    4T-

    2011

    1T-

    2012

    2T-

    2012 1. Populao total (milhares)

    2. Populao total (15 e mais anos)

    (milhares)

    10 643,3

    9 033,6

    10 648,7

    9 039,7

    10 653,8

    9 045,5

    10 606,7

    9 013,9

    10 600,8

    9 011,1

    3. Populao activa (15 e mais anos)

    (milhares)

    4. Taxa de actividade (15 e mais anos)

    (%)

    5. Emprego (15 e mais anos) (milhares) 4 893,0 4 853,7 4 735,4 4 662,5 4 688,2

    6. Taxa de emprego (15 e mais anos) (%)

    7. Inactivos (15 e mais anos) (milhares)

    8. Taxa de inactividade (15 e mais anos)

    (%)

    9. Desemprego (15 e mais anos)

    (milhares)

    675,0 689,6 771,0 819,3 826,9

    10. Taxa de desemprego (%)

    11. Taxa de desemprego jovem

    (dos 15 aos 24 anos (%)

    27,0 30,0 35,4 36,2 35,5

    12. Taxa de desemprego de longa

    durao (12 e mais meses) (%)

    6,7 6,4 7,4 7,6 8,0

    FONTE: INE

    PEDIDOS:

    1. Preencha as celas em branco.

    2. Atualize para o trimestre e ano correntes.

  • MERCADO DOS PRODUTOS FINAIS E MERCADO DO

    TRABALHO: A LEI DE OKUN

    O desemprego uma das questes mais importantes para os eleitores.

    Quando o desemprego elevado em anos de eleies, os polticos so

    despedidos dos cargos. Em geral, em perodos de depresses e recesses

    os partidos do poder perdem as eleies. Pelo contrrio, em anos de

    expanso, com reduzido desemprego, os lderes polticos em exerccio

    foram reeleitos.

    Suponha que era conselheiro econmico do lder poltico X que foi

    recentemente eleito. Eis a questo levantada por este lder a si:

    Lder poltico X:

    O desemprego est demasiado elevado. Gostaria de adoptar uma poltica

    oramental e monetria (mistura de polticas policy mix) para que a

    taxa de desemprego baixe de 7% para 5% quando estiver a disputar a

    reeleio. A que ritmo deve a economia crescer anualmente (sabendo que

    o PIB potencial da economia cresce 3% ao ano), atualmente) nos

    prximos 4 anos para atingir este objectivo?

    Admita de acordo com a lei de Okun que o valor do parmetro w igual

    a 2.

  • 1

    (I) INDICADORES DO MERCADO DE TRABALHO

    (PORTUGAL)

    Rubricas 2T-

    2011

    3T-

    2011

    4T-

    2011

    1T-

    2012

    2T-

    2012 1. Populao total (milhares)

    2. Populao total (15 e mais anos)

    (milhares)

    10 643,3

    9 033,6

    10 648,7

    9 039,7

    10 653,8

    9 045,5

    10 606,7

    9 013,9

    10 600,8

    9 011,1

    3. Populao activa (15 e mais anos)

    (milhares)

    5 568,0 5 543,4 5 506,5 5 481,7 5 515,2

    4. Taxa de actividade (15 e mais anos)

    (%)

    61,6 61,3 60,9 60,8 61,2

    5. Emprego (15 e mais anos) (milhares) 4 893,0 4 853,7 4 735,4 4 662,5 4 688,2

    6. Taxa de emprego (15 e mais anos) (%) 54,2 53,7 52,4 51,7 52,0

    7. Inactivos (15 e mais anos) (milhares) 3 465,6 3 496,3 3 539,1 3 532,2 3 495,9

    8. Taxa de inactividade (15 e mais anos)

    (%)

    38,4 38,7 39,1 39,2 38,8

    9. Desemprego (15 e mais anos)

    (milhares)

    675,0 689,6 771,0 819,3 826,9

    10. Taxa de desemprego (%) 12,1 12,4 14,0 14,9 15,0

    11. Taxa de desemprego jovem

    (dos 15 aos 24 anos (%)

    27,0 30,0 35,4 36,2 35,5

    12. Taxa de desemprego de longa

    durao (12 e mais meses) (%)

    6,7 6,4 7,4 7,6 8,0

    FONTE: INE

  • 2

    (II) MERCADO DOS PRODUTOS FINAIS E MERCADO DO TRABALHO: A LEI DE OKUN

    O desemprego uma das questes mais importantes para os eleitores.

    Quando o desemprego elevado em anos de eleies, os polticos so

    despedidos dos cargos. Em geral, em perodos de depresses e recesses

    os partidos do poder perdem as eleies. Pelo contrrio, em anos de

    expanso, com reduzido desemprego, os lderes polticos em exerccio

    foram reeleitos.

    Suponha que era conselheiro econmico do lder poltico X que foi

    recentemente eleito. Eis a questo levantada por este lder a si:

    Lder poltico X:

    O desemprego est demasiado elevado. Gostaria de adoptar uma poltica

    oramental e monetria (mistura de polticas policy mix) para que a

    taxa de desemprego baixe de 7% para 5% quando estiver a disputar a

    reeleio. A que ritmo deve a economia crescer anualmente (sabendo que

    o PIB potencial da economia cresce 3% ao ano), nos prximos 4 anos

    para atingir este objectivo?

    Admita de acordo com a lei de Okun que o valor do parmetro w igual

    a 2.

  • 3

    Resposta:

    Duas alternativas:

    (1) Podemos calcular o ritmo a que a economia deve crescer

    (PIB efetivo) anualmente a partir da lei de Okun.

    A economia tem desde logo que crescer (anualmente) ao nvel da

    taxa de crescimento do PIB potencial (3% ao ano, por hiptese)

    MAIS a parcela suficiente para reduzir a taxa de desemprego em

    0,5 pontos percentuais todos os anos.

    A taxa de crescimento anual do PIB efectivo tem, ento, dever ser

    igual (anualmente) ao somatrio dos 3% devido a tendncia

    (crescimento anual do PIB potencial) MAIS a parcela de

    crescimento do PIB efetivo anual de 1% (que permite a reduo do

    desemprego efectivo em 0,5% ano a ano).

    PORTANTO, A TAXA DE CRESCIMENTO DO PIB

    EFETIVO DEVER SER DE 4% AO ANO AT A

    REELEIO (E ASSIM, REDUZIR A TAXA DE

    DESEMPREGO DOS 7 % INICIAL PARA O OBJETIVO DE

    5%).

  • 4

    (2) Utilizando taxas de crescimento do PIB efectivo e do

    PIB potencial.

    Sendo:

    y t = taxa de crescimento anual do PIB efectivo.

    y p, t = taxa de crescimento anual do PIB potencial (tendncia)

    u = u t u p, t (variao da taxa de desemprego)

    u t = taxa de desemprego efectivo

    u p, t = taxa de desemprego natural/de pleno emprego

    Temos:

    u = - g* (y t y p, t)

    g = 1 / w w =2 ento g = 1 / w = 1 / 2 = 0,5

    - 0,5 = - (0,5) * (y t 3)

    (0,5) * y t = 2,0

    y t = 4 u = - 2 % (em 4 anos) u = - 0,5%

    (ano a ano).

  • Exerccios sobre Fronteira de Possibilidades

    deProduo (FPP)

    Comente sumariamente os seguintes grficos: (1.)

    (a) Pas Pobre (b) Pas Desenvolvido

    A

    A

    A

    B

    .

    Alimentos (1 necessidade) Alimentos (1 necessidade)

    Lu

    xo

    (au

    tom

    ve

    is,

    man

    ses,

    L L

    A

  • (2.)

    (a) Sociedade de Pioneiros (Rural) (b) Sociedade Urbana

    . B

    .A .A

    Pr

    r

    P u

    Bens privados Bens privados

    Ben

    s p

    bli

    cos

    P u

    Pr

  • 3. ESCOLHA INTERTEMPORAL DO CONSUMO

    (a) Antes do investimento (b) Depois do investimento

    (escolha do presente) (consequncias futuras)

    .A1

    .A2 .A3

    .B1 .B2

    C C

    I I

    .B3

    Pas 3

    Pas 2

    Pas 1

  • RESPOSTAS (FIGURAS SOBRE FPP)

    FIGURA 1

    O CRESCIMENTO ECONMICO FAZ DESLOCAR A FPP

    PARA O SEU EXTERIOR

    (a) Antes do desenvolvimento, um pas pobre. Tem de aplicar a maior parte dos seus recursos na alimentao e usufrui poucas

    comodidades.

    (b) O crescimento dos factores produtivos e a inovao tecnolgica deslocam a FPP. Com o crescimento econmico, um pas move-

    se de (A) para (B), expandindo o consumo alimentar mas menos

    do que o consumo de bens de luxo (de comodidade, de bem

    estar). Note-se que o pas pode aumentar o seu consumo de

    ambos os bens se o desejar.

    FIGURA 2

    AS ECONOMIAS TM DE ESCOLHER ENTRE BENS

    PBLICOS E BENS PRIVADOS

    (a) Uma economia de pioneiros (rural), pobre e dispersa. A proporo de recursos aplicados em bens pblicos (defesa,

    cincia, sade pblica) pequena.

    (b) Uma economia industrial moderna mais prspera e concentrada e decide despender uma maior parte do seu

    rendimento em bens pblicos ou servios do Estado (estradas,

    defesa, programas antipoluio, sade pblica, educao).

  • FIGURA 3

    O INVESTIMENTO PARA O CONSUMO NO FUTURO

    EXIGE O SACRIFCIO DO CONSUMO PRESENTE

    Um pas pode produzir quer bens de consumo (pizzas e

    concertos) como bens de investimento (camies e casas).

    (a) Trs pases partem equiparados. Tm a mesma FPP, indicada no painel da esquerda, mas diferentes taxas de investimento. O pas 1

    no investe para o