Manual de Biosseguranca Iml

  • View
    303

  • Download
    7

Embed Size (px)

Text of Manual de Biosseguranca Iml

Manual de BiosseguranaInstituto Mdico-Legal Aristoclides Teixeira

2009

Superintendncia de Polcia TcnicoCientfica

SECRETARIA DE SEGURANA PBLICA Superintendncia de Polcia Tcnico-Cientfica

Governo do Estado de Gois Secretaria de Segurana Pblica Superintendncia de Polcia Tcnico-Cientfica

Alcides Rodrigues Filho Governador do Estado de Gois

Ernesto Guimares Roller Secretrio de Segurana Pblica

Helena Fernandes Martins Superintendente de Polcia Tcnico-Cientfica

Ademar Cndido de Souza Gerente do Instituto Mdico-Legal (IML)

Valquria Soares de Freitas Veronice Elizabeth Abraho dos Santos Comisso de Elaborao do Manual de Biossegurana do IML - Gois

DEZEMBRO / 2009

SECRETARIA DE SEGURANA PBLICA Superintendncia de Polcia Tcnico-Cientfica

Elaborao e informaes: Superintendncia de Polcia Tcnico-Cientfica do Estado de Gois Comisso de Elaborao do Manual de Biossegurana do IML Av. Atlio Correia Lima, 1223, Cidade Jardim CEP: 74.425-030 - Goinia Gois (62) 3201-9545

Elaborao: Valquria Soares de Freitas Veronice Elizabeth Abraho dos Santos Comisso de Elaborao do Manual de Biossegurana do IML-GO Portaria n. 16/2009, de 19 de fevereiro de 2009

Apoio Administrativo: Dinarci Neres da Silva

Colaborao: Servio Especializado em Segurana e Medicina do Trabalho - SESMT-SSP Vigilncia Sanitria do Municpio de Goinia - VISA-GO Centro de Referncia em Sade do Trabalhador - CEREST

Reviso de Texto e Capa: Leandro Cunha da Silveira

Reviso Bibliogrfica: Carla Beatriz Rodrigues Oliveira

Este documento substitui a verso submetida consulta do pblico em geral, nos termos da Portaria n. 91/2009, de 12 de novembro de 2009, da Superintendente de Polcia Tcnico-Cientfica.

SUMRIO

1. 2. 3.

APRESENTAO ........................................................................................................1 DEFINIES, SIGLAS E ABREVIATURAS .............................................................3 CLASSIFICAO DE RISCOS...................................................................................4 3.1 3.2 MEDIDAS GERAIS DE SEGURANA ................................................................5 GERNCIA DE MEDICINA LEGAL....................................................................5 3.2.1 Medidas de Segurana da Gerncia de Medicina Legal................................6 3.3 SERVIO DE TANATOLOGIA FORENSE..........................................................6 3.3.1 Medidas de Segurana nas Salas de Necropsia ............................................8 3.3.1.1 Medidas de Segurana no Procedimento de Remoo de Corpos....10 3.3.1.2 Medidas de Segurana no Procedimento de Necropsia ...................11 3.3.1.3 Medidas de Segurana no Procedimento de Coleta de Impresses Papilares em Cadveres em Decomposio ....................................13 3.3.1.4 Medidas de Segurana no Procedimento de Coleta de Impresses Papilares em Cadver de Morte Recente ........................................14 3.3.2 Medidas de Segurana na Sala de Cmaras Frias .......................................15 3.3.3 Medidas de Segurana na Sala de Observao para Reconhecimento de Corpos 16 3.3.4 Medidas de Segurana para a Sala de Depsito de EPI ..............................16 3.3.5 Medidas de Segurana para a Sala de Vestirios........................................16 3.3.6 Medidas de Segurana para a Sala de Expurgo ..........................................17 3.3.7 Medidas de Segurana para a Sala de Digitao de Laudos........................18 3.3.8 Medidas de Segurana para a Sala de Higienizao (lavagem) e Acondicionamento (Guarda) de Bandejas e Caixes Morturios................18 3.3.9 Sala de Guarda de Pertences de Cadveres Necropsiados ..........................19 3.3.10 Sala de Raio X ..........................................................................................20 3.3.10.1 Procedimentos em Caso de Acidentes e Situaes de Emergncia Radiolgica....................................................................................21 3.4 SERVIO DE CLNICA MDICA......................................................................21 3.4.1 Seo de Antropologia Forense e Odontologia Legal - SAFOL .................23 3.4.1.1 Medidas de Segurana no Atendimento nos Consultrios Mdico e Odontol-Legal................................................................................25 3.4.1.2 Medidas de Segurana no Procedimento de Manipulao do Equipamento de Radiologia Odontolgica .....................................27 3.4.1.3 Medidas de Segurana no Procedimento de Necropsia ...................28

3.4.1.4

Medidas de Segurana no Procedimento de Preparao de Ossadas para o Exame Antropolgico e Odonto-Legal.................................30

3.4.2 Servio de Psiquiatria Forense...................................................................31 3.5 3.6 3.7 3.8 3.9 SALA DA CIPA E DA COMISSO DE CONTROLE DE INFECO ..............32 SERVIO DE ATENDIMENTO .........................................................................34 SEO DE NECROPAPILOSCOPIA .................................................................34 SEO DE CONTROLE DE EXAMES ..............................................................35 SEO DE CADVER IGNORADO .................................................................37

3.10 SALA DA SECRETARIA....................................................................................39 3.11 SALA DO CARTRIO........................................................................................40 3.12 SALA DE ARQUIVO ..........................................................................................41 3.13 SALA DE ALMOXARIFADO.............................................................................42 3.14 SEO DE APOIO PSICOLGICO ...................................................................44 3.15 SERVIO DE COPA E REFEITRIO ................................................................45 3.15.1 Medidas de Segurana para os Profissionais da Copa e Refeitrio .............45 3.15.2 Higienizao do Ambiente ........................................................................46 3.15.3 Acondicionamento do Lixo .......................................................................46 3.15.4 Recomendaes gerais quanto ao uso do refeitrio ....................................46 3.16 MEDIDAS DE SEGURANA A ESTAGIRIOS E ESTUDANTES..................47 4. SERVIO DE LIMPEZA ...........................................................................................48 4.1 MEDIDAS DE SEGURANA PARA OS PROFISSIONAIS DO SERVIO DE LIMPEZA 48 4.2 4.3 4.4 5. TIPOS DE LIMPEZA...........................................................................................50 CLASSIFICAO DAS REAS E ROTINAS DE LIMPEZA E DESINFECO50 FREQUNCIA DE LIMPEZA.............................................................................51

SERVIOS DE MANUTENO ...............................................................................53

6. PROCEDIMENTOS PARA PREPARAO E ESTERILIZAO DE MATERIAIS.......................................................................................................................53 6.1 MTODOS FSICOS DE ESTERILIZAO: PELO CALOR MIDO...............54 6.1.1 Autoclave - Vapor D'gua Sob Presso......................................................54 6.1.2 Mtodos Fsicos de Esterilizao: Pelo Calor Seco ....................................55

6.1.2.1 6.1.2.2

Estufa ............................................................................................55 Manuseio de estufa ........................................................................56

6.1.3 Mtodos Qumicos de Esterilizao...........................................................56 7. PROCEDIMENTOS EM CASO DE ACIDENTE DE TRABALHO ........................58 7.1.1 Procedimentos em Caso de Acidente Tpico ou Acidente de Trajeto..........58 7.1.2 Procedimentos em Caso de Acidente com Material Biolgico ...................59 7.1.3 Procedimentos em Caso de Doena Ocupacional.......................................62 7.1.4 Treinamento e Palestras Educativas...........................................................65 8. 9. PROGRAM A DE GERENCIAM ENTO DE RESDUOS DE SADE - PGRSS......66 PERIGOS DA ELETRICIDADE................................................................................70

10. PROCEDIMENTOS DE COMBATE AO FOGO .....................................................70 11. EQUIPAMENTO DE PROTEO INDIVIDUAL EPI.........................................74

12. HIGIENIZAO DAS MOS ...................................................................................76 13. CONTROLE INTEGRADO DE ROEDORES E INSETOS .....................................78 14. PROCEDIMENTO OPERACION AL PADRO - POP............................................81 REFERNCIAS BIBILIOGRFICAS .............................................................................82

LISTA DE TABELAS

TABELA 1 Tabela Simplificada de Riscos Ambientais ....................................................................4 TABELA 2 - Levantamento de Riscos da Gerncia de Medicina Legal ...............................................6 TABELA 3 - Levantamento de Riscos do Servio de Tanatologia Forense ..........................................7 TABELA 4 - Levantamento de Riscos do Servio de Clnica Mdica ................................................21 TABELA 5 - Levantamento de Riscos da Seo de Antropologia Forense e Odontologia Legal ........24 TABELA 6 - Levantamento de Riscos do Servio de Psiquiatria Forense ..........................................31 TABELA 7 - Levantamento de Riscos da Comisso de Controle de Infeces e CIPA ......................32 TABELA 8 - Levantamento de Riscos do Servio de Atendimento ...................................................34 TABELA 9 - Levantamento de Riscos da Seo de Necropapiloscopia..............................................34 TABELA 10 - Levantamento de Riscos da Seo de Controle de Exames .........................................35 TABELA 11 - Levantamento de Riscos da Seo de Cadver Ignorado.............................................37 TABELA 12 - Levantamento de Riscos da Secretaria........................................................................39 TABELA 13 - Levantamento de Riscos do Cartrio ..........................................................................40 TABELA 14 - Levantamento de Riscos da Sala de Arquivo ..............................................................41 TABELA 15 - Levantamento de Riscos da Sala de Almoxarifado .....................................................42 TABELA 16 - Levantamento de Riscos da SAP................................................................................44 TABELA 17 - Mtodos de Esterilizao ...........................................................................................53 TABELA 18 - Vacinao para Profissionais da rea da Sade e Cuidadores.....................................64 TABELA 19 - Resduos Slidos: Segregao e Acondicionamento ...................................................67 TABELA 20 - Smbolos de identificao dos grupos de resduos ......................................................69 TABELA 21 - Tipos de extintores de incndio e seu uso ...................................................................73 TABELA 22 - Tipos de Mscara Usadas nos Servios de Sade........................................................75 TABELA 23 Medidas Preventivas Gerais e Especficas no Combate a Roedores e Insetos .............78

Manual de Biossegurana

IML Aristoclides Teixeira

Manual de Biossegurana do Instituto Mdico-Legal Aristoclides Teixeira

1.

APRESENTAO

O Instituto Mdico-Legal Aristoclides Teixeira IML, situado na cidade de Goinia, no Estado de Gois, rgo integrante da Superintendncia de Polcia Tcnico-Cientfica que, por sua vez, faz parte da Secretaria da Segurana Pblica daquele Estado, conforme estabelecido por meio do Decreto n 6.161, de 3 de junho de 2005. O IML responsvel pela produo da prova material do crime, cabendo a ele as funes de determinar, por meio do exame mdico-legal, as causas e as circunstncias da morte de origem violenta ou suspeita, avaliar a ocorrncia e a intensidade das leses corporais de indivduos vitimados pelo crime ou acidente, examinar a integridade fsica de presos sob a custdia da polcia, identificar corpos mediante exames papiloscpico e odonto-legal e identificar pessoas vivas por meio de confronto de imagem facial. Pela prpria natureza das funes, e dada grande circulao de pessoas no rgo, fcil perceber que tanto os profissionais quanto os usurios do IML esto expostos a tipos de riscos que lhe so prprios e que sugerem a adoo de um programa de preveno e reduo de riscos voltado aos conceitos de Biossegurana. A Biossegurana uma rea de conhecimento relativamente nova, regulada em vrios pases por legislao e diretrizes especficas. No Brasil, a legislao foi criada em 1995, e, ao menos por enquanto, remete apenas tecnologia de engenharia gentica e aos requisitos para o manejo de organismos geneticamente modificados. No meio acadmico, cientfico e tecnolgico, no entanto, a Biossegurana foi definida como um conjunto de medidas para a segurana, minimizao e controle de riscos nas atividades de trabalho biotecnolgico que era aplicado, especialmente, nas reas das cincias da sade e biolgicas. O conceito evoluiu e se expandiu para outras reas e contempla o controle dos mtodos de segurana para evitar riscos de acidentes qumicos, fsicos, microbiolgicos e ecolgicos para o trabalhador (profissional tcnico e de apoio), cliente, paciente e cidado, buscando a preservao do meio-ambiente e melhor qualidade de vida. neste contexto que foi criado o presente Manual de Biossegurana, o primeiro documento deste gnero para o IML Aristoclides Teixeira, que foi organizado a partir do levantamento de riscos para profissionais, para o meio ambiente e para as populaes vizinhas ao rgo. Os riscos foram obtidos com base na observao direta das atividades desenvolvidas em cada uma das sees e salas que compem o IML e nas competncias e atribuies especificadas em Regimento Interno. Depois de levantados e classificados os tipos de risco, foram definidas as medidas preventivas e de controle (medidas de segurana), objetivo final do documento, e que1

Manual de Biossegurana

IML Aristoclides Teixeira

devero ser observadas pelos profissionais e pelos gestores responsveis pelas sees. Alm das reas comumente tratadas em manuais de biossegurana, foram contempladas tambm as reas administrativas, pois, ainda que em menor grau do que as reas tcnicas, no deixam de estar expostas aos riscos prprios do rgo. Alm disso, o documento contm informaes sobre temas que so tipicamente tratados parte, ou seja, em documentos especficos, como so os casos de acidente de trabalho, combate a incndio, servio de limpeza e gerenciamento de resduos de servios de sade. A abordagem introdutria conferida a estas informaes evitou, contudo, eventuais sobreposies prejudiciais no tratamento da informao. Por fim, espera-se que, transcorrido o perodo de um ano de sua aplicabilidade, o Manual seja revisado de forma a garantir o seu constante aprimoramento e a compatibilidade com a premissa que fundamentou sua criao, qual seja: proporcionar um ambiente saudvel e seguro a todos os profissionais do IML e a seus usurios.

2

Manual de Biossegurana

IML Aristoclides Teixeira

2.

DEFINIES, SIGLAS E ABREVIATURAS

rea Tcnica CEREST CIPA CLT EPC EPI

rea na qual so desempenhadas atividades tcnico-cientficas que exigem uma capacitao especfica do trabalhador. Centro de Referncia em Sade do Trabalhador. Comisso Interna de Preveno de Doenas e Acidentes do Trabalho. Consolidao das Leis Trabalhistas. Equipamento de Proteo Coletiva. Equipamento de Proteo Individual: compreende todo dispositivo de uso pessoal, fornecido pela instituio de acordo com o trabalho a ser executado, destinado a proteger os profissionais do IML no desempenho das suas funes. Equipamento de Proteo Respiratria. Ambiente destinado limpeza, desinfeco e guarda de materiais contaminados, bem como guarda temporria de resduos. Atividade exercida pelo Mdico-Legista, que utiliza o conhecimento mdico para subsidiar a elaborao e a aplicao das Leis. O laudo Mdico-Legal emitido pelo legista utilizado para a instruo de processos judiciais e de inquritos policiais. Norma Regulamentadora do Ministrio do Trabalho e Emprego. Plano de Gerenciamento de Resduos de Servios de Sade. Procedimento Operacional Padro. Programa de Preveno de Riscos Ambientais. Servio Especializado em Engenharia de Segurana e em Medicina do Trabalho. Sistema de Informao de Agravos de Notificao.

EPR Expurgo Medicina Legal

NR PGRSS POP PPRA SESMT SINAN

3

Manual de Biossegurana

IML Aristoclides Teixeira

3.

CLASSIFICAO DE RISCOS

O estabelecimento de medidas de Biossegurana, tratado nos captulos seguintes, se baseou na observao direta dos riscos a que esto expostos os profissionais e usurios do IML, de acordo com as atribuies e atividades desempenhadas em cada uma de suas reas de atividade. Os riscos foram classificados de acordo com sua natureza, segundo o mtodo comumente adotado no exame de atividades laborais, quais sejam: A) riscos fsicos; B) riscos qumicos; C) riscos biolgicos; D) riscos ergonmicos; e E) riscos de acidentes. Alm do nome, cada tipo de Risco est associado a uma cor que lhe identifica. Tal esquema usado ao longo de todo o documento: VERDE, VERMELHA, MARROM, AMARELA e AZUL. Os graus de risco foram estabelecidos em Pequeno, Mdio e Grande, conforme referncia documental atual do curso da CIPA, da Escola de Governo do Estado de Gois. A Tabela 1 a seguir relaciona os riscos ambientais, segundo tal classificao: TABELA 1 Grupo IRiscos Fsicos

Tabela Simplificada de Riscos Ambientais Grupo III Riscos Biolgicos Vrus Bactrias Protozorios Grupo IVRiscos Ergonmicos

Grupo IIRiscos Qumicos

Grupo VRiscos de Acidentes

Rudo Vibrao Radiaes ionizantes e no ionizantes Presses anormais Frio Calor

Poeira Fumos metlicos Nvoas

Trabalho fsico pesado Posturas incorretas Esforo fsico intenso Jornadas de trabalho prolongadas Trabalho noturno Levantamento e transporte manual de peso Monotonia e repetitividade Imposio de ritmos excessivos Outras situaes causadoras de stress fsico e/ou psquico

Arranjo fsico deficiente Mquinas sem proteo Armazenamento inadequado Equipamentos inadequados Ferramentas defeituosas Iluminao deficiente Eletricidade

Vapores Gases Neblinas

Fungos Ricktisias Parasitas

Substncias, compostos ou produtos qumicos em geral

Prons

Probabilidade de incndio e/ou exploso.

4

Manual de Biossegurana

IML Aristoclides Teixeira

3.1

MEDIDAS GERAIS DE SEGURANA

Todos os profissionais do IML devem: Manter calendrio de imunizao atualizado. Levar imediatamente ao conhecimento do supervisor responsvel a ocorrncia de qualquer acidente, a fim de que sejam tomadas as medidas necessrias. Utilizar de maneira apropriada o mobilirio ou equipamento, conforme sua finalidade, evitando possveis acidentes de trabalho ou desgaste do mesmo. Manusear com cuidado portas e gavetas. Manusear equipamentos e objetos cortantes ou perfurantes (estilete, tesouras, grampeadores, etc.) com ateno e percia. Sempre que utilizarem tais objetos, acondicion-los de maneira segura de modo que no ofeream riscos a si mesmo e a terceiros. Prestar mxima ateno durante a realizao de cada procedimento em sua rea de trabalho. Ter cuidado e ateno ao introduzir mos em gavetas, pois pode haver objetos pontiagudos e cortantes (estiletes, tesouras, etc.). Humanizar o ambiente de trabalho sempre que possvel, utilizando-se de plantas, quadros ou som ambiente (quando permitido) e investindo na convivncia social entre os funcionrios; Atentar-se para as seguintes medidas ao utilizar computadores: - A parte superior do monitor deve estar a altura dos olhos, de maneira que uma linha reta horizontal imaginria possa ser traada entre a poro superior do monitor e seus olhos. - Manter o monitor a uma distncia entre 45 e 70 cm do corpo. - Os punhos devem estar sempre retos e apoiados na mesa ou no teclado. Se necessrio, utilizar um apoio de punho. - Manter o cotovelo junto ao corpo. - Manter a cabea e o pescoo em posio reta, com os ombros relaxados; - Trabalhar com os ps apoiados no cho. A cadeira deve estar regulada de maneira que o trabalhador apie os ps no cho. 3.2 GERNCIA DE MEDICINA LEGAL

As atividades desempenhadas pela Gerncia de Medicina Legal so: Executar, planejar, coordenar e supervisionar as atividades de percia mdico e odontolegais.5

Manual de Biossegurana

IML Aristoclides Teixeira

Elaborar e emitir laudos periciais, pareceres e outros. TABELA 2 - Levantamento de Riscos da Gerncia de Medicina Legal

FSICOS QUMICOS BIOLGICOS

Sem riscos identificados.

ERGONM ICO

Possibilidade de ocorrncia de posturas incorretas, escassez ou inexistncia de treinamentos, excesso de responsabilidades, surgimento de conflitos, monotonia, entre outros. Grau de Risco: MDIO

ACIDENTES

Assim como em qualquer ambiente, existe a possibilidade da ocorrncia de quedas no ambiente de trabalho. Grau do Risco: PEQUENO

3.2.1

Medidas de Segurana da Gerncia de Medicina Legal

Participar de Programas de Educao Postural, de aes voltadas para a rea de Valorizao Profissional e Qualidade de Vida, capacitao nas reas gerenciais, de atendimento ao pblico, melhoria dos processos de trabalho e diviso de tarefas. Nas reas administrativas, usar os corrimes das escadas, cuidar para no deixar fios eltricos, de telefone ou obstculos no caminho; observar avisos quando o piso estiver molhado e demais avisos de segurana. Observar o cumprimento das Medidas Gerais de Segurana . SERVIO DE TANATOLOG IA FORENSE

3.3

O Servio de Tanatologia Forense compreende as seguintes dependncias: A) Salas de necropsia; B) Sala de cmaras frias; C) Sala de observao para reconhecimento de corpos; D) Sala de depsito de EPI; E) Vestirios;6

Manual de Biossegurana

IML Aristoclides Teixeira

F) Sala de expurgo; G) Sala de digitao de laudos; H) Sala de higienizao e acondicionamento de bandejas e caixes morturios; I) Sala de guarda de pertences de cadveres necropsiados; e J) Salas de Raio X. As atividades desenvolvidas pelo Servio de Tanatologia Forense so a execuo das atividades de percias oficiais mdico-legais em cadveres vtimas de morte violenta ou suspeita, alm da identificao de corpos com identidade ignorada.

TABELA 3 - Levantamento de Riscos do Servio de Tanatologia Forense

Radiao ionizante. Necessidade de exames radiolgicos frequentes em vtimas de projteis de arma de fogo. Grau do Risco: GRANDE

FSICOS

Vibrao da serra de craneotomia. Exposio frequente, porm por perodos reduzidos de tempo. Grau de Risco: PEQUENO

Rudo da serra de craneotomia. Exposio frequente, porm por perodos reduzidos de tempo. Grau de Risco: PEQUENO

Pesticidas, substncias qumicas diversas, formol, cido fnico, gases do processo de decomposio (gs sulfdrico, mercaptanos, dixido de carbono, metano, amonaco e fosfina). Os pesticidas e substncias qumicas diversas so substncias provenientes de corpos de vtimas de suicdio ou envenenamentos, que podem ser conhecidas ou no (durante o exame). H ainda o uso do formol para preparao de vsceras para exame histopatolgico e preparao de corpos no reclamados para a doao a instituies de ensino e pesquisa e os gases exalados de corpos em putrefao. Grau de Risco: GRANDE

QUMICOS

7

Manual de Biossegurana

IML Aristoclides Teixeira

Contato com sangue, secrees e objetos potencialmente infectados com microorganismos quase sempre de origem e patogenicidade desconhecidas; aerosis expelidos durante a manipulao dos corpos.

BIOLGICOS

A exposio se inicia com a remoo do corpo do local da ocorrncia e continua no ato da necropsia, ocasio em que os profissionais esto expostos ao contato com sangue, vsceras, secrees, vestes e objetos contaminados que acompanham o corpo. Grau de Risco: GRANDE

Trabalho fsico pesado, posturas incorretas, trabalho noturno, jornadas de trabalho prolongadas, tenses emocionais, desconforto devido ao mal cheiro (em alguns casos).

ERGONM ICOS As atividades exigem a movimentao constante dos profissionais e requeremesforo fsico considervel para a manipulao dos corpos na mesa, durante a remoo e no acondicionamento do corpo nas geladeiras. Grau de Risco: GRANDE

ACIDENTES

Acidentes com instrumentao cirrgica e/ou perfurocortante, serra eltrica, manipulao de macas e bandejes, quedas e acidentes durante as remoes em locais ngremes ou de difcil acesso, choques eltricos. Grau de Risco: GRANDE

A seguir so listadas as medidas de segurana para o Servio de Tanatologia Forense. 3.3.1 Medidas de Segurana nas Salas de Necropsia

Seguir orientaes do POP. Participar de Programas de Educao Postural, de aes voltadas para a rea de Valorizao Profissional e Qualidade de Vida, capacitaes, melhoria dos processos de trabalho e diviso de tarefas. Nas reas administrativas, usar os corrimes das escadas, cuidar para no deixar fios eltricos, de telefone ou obstculos no caminho; observar avisos quando o piso estiver molhado e demais avisos de segurana. Observar o cumprimento das Medidas Gerais de Segurana . Usar equipamentos de proteo individual - EPI recomendados para cada atividade. Usar vestimentas de proteo (jalecos, macaces, touca e mscara); calados impermeveis de cor clara ou pr-ps para entrar nas salas de necropsia.8

Manual de Biossegurana

IML Aristoclides Teixeira

No utilizar os calados das salas de necropsia fora deste ambiente. No utilizar jalecos, pr-ps e luvas contaminadas fora da sala de necropsia. Orientar-se sobre a utilizao e adequao dos diferentes tipos de mscara. Higienizar as mos (seguir orientaes do item Higienizao das Mos ). Manter unhas aparadas e limpas. Se fizer uso de esmalte, que seja de cor clara, de forma a no camuflar contaminao por fluidos biolgicos. Manter os cabelos presos. Evitar o uso de adornos (anis, brincos, correntes), pois alm de acumular sujeira ou albergar microorganismos, podem ser causa de acidentes. No fumar em recintos coletivos fechados (Lei Municipal n. 8.811, de 2 de julho de 2009). Realizar refeies e lanches em ambiente apropriado (Copa). Manusear com cuidado portas e gavetas de mobilirio. Manusear equipamentos e objetos cortantes ou perfurantes (estilete, tesouras, grampeadores, etc.) com ateno e percia. Sempre que utilizar tais objetos, acondicion-los de maneira segura, de modo que no ofeream riscos a si mesmo e a terceiros. Desligar sempre os aparelhos eltricos aps o trmino do seu uso e/ou expediente. Utilizar de maneira apropriada o mobilirio ou equipamento, conforme sua finalidade, evitando possveis acidentes de trabalho ou desgaste do mesmo. Ter cuidado e ateno ao introduzir mos em gavetas, pois pode haver objetos pontiagudos e cortantes (estiletes, tesouras, etc.). Procurar orientaes sobre a distribuio e o funcionamento dos extintores de incndios. Manter as botas limpas. Lav-las ao trmino de cada procedimento. Manter o lavador de botas constantemente abastecido com gua, sabo e sanitizantes. No manuseio de vidros ou sacos contendo produtos qumicos ou amostras biolgicas (urina, sangue, rgos, entre outros), trat-los como se contaminados estivessem. Usar as luvas adequadas ao trabalho em todas as atividades que possam resultar em contato acidental direto com sangue e materiais infecciosos. Aps o uso, as luvas devem ser removidas cuidadosamente e descartadas como resduo potencialmente infectante (autoclav-las antes da disposio no abrigo externo). Ao abrir as portas, usar punhos e cotovelos evitando toc-las com mos e luvas9

Manual de Biossegurana

IML Aristoclides Teixeira

contaminadas. Ao utilizar bebedouros, computadores e ao atender telefone, retirar as luvas descartando-as em lixo prprio para resduos biolgicos. Comunicar ao supervisor sempre que houver vidrarias quebradas. Manter fechadas as portas das salas de necropsias e demais laboratrios durante o trabalho. Manter materiais biolgicos potencialmente infectados fechados e identificados. Evitar produzir aerossol desnecessrio por agitao violenta e ao abrir vasilhames com presso interna maior que a externa. Proteger ferimentos e mucosas contra o perigo de contaminao. Nunca colocar objetos de qualquer espcie sobre os equipamentos, a fim de evitar danos e contaminaes. Evitar perfuraes em si e nos colegas com agulhas ou outros objetos pontiagudos ou perfurocortantes, principalmente aqueles sujos com sangue. Somente permitir a entrada nas reas de servio dos laboratrios ou necrotrio s pessoas devidamente avisadas sobre os eventuais perigos e devidamente orientadas sobre a utilizao dos EPIs. No permitir que crianas tenham acesso s reas tcnicas e aos laboratrios. Qualquer acidente, com exposio efetiva aos possveis materiais infecciosos, deve ser levado imediatamente ao conhecimento do Supervisor responsvel para tomada de medidas necessrias. No usar sandlias, chinelos ou calados abertos em geral. Ao sair do necrotrio e demais salas de exames mdico-legais, retirar as luvas e jaleco.

3.3.1.1

Medidas de Segurana no Procedimento de Remoo de Corpos

Seguir orientaes do POP. Participar de programas de Educao Postural, de aes voltadas para a rea de Valorizao Profissional e Qualidade de Vida, capacitaes, melhoria dos processos de trabalho e diviso de tarefas. Nas reas administrativas, usar os corrimes das escadas, cuidar para no deixar fios eltricos, de telefone ou obstculos no caminho; observar avisos quando o piso estiver molhado e demais avisos de segurana. Observar o cumprimento das Medidas Gerais de Segurana .10

Manual de Biossegurana

IML Aristoclides Teixeira

Fazer uso de filtro protetor ou bloqueador solar com fator de proteo adequado ao tipo de pele (procurar orientao mdica). Na remoo de corpos em putrefao, usar purificador de ar com pea semifacial com filtros. Para as demais remoes, utilizar respirador semifacial filtrante (PFF2). Em ambos os casos, utilizar luvas cirrgicas ou de procedimento, alm de culos de proteo. Utilizar calados fechados e preferencialmente impermeveis sendo que as botas de PVC so as mais indicadas, sobretudo para remoes em locais de alta umidade no solo ou sob o risco de picada de animais peonhentos. Manter os calados limpos. Trajar-se com vestimenta limpa e apropriada para a atividade e que oferea conforto e segurana. No devero ser usadas camisas que apresentem botes aparentes. Estes botes podem eventualmente prender-se a outros objetos podendo ser causa de acidentes. No pendurar chaves, culos ou outros objetos nas roupas. Dever ser utilizada vestimenta de apoio contendo faixas reflexivas que facilitem a visualizao do trabalhador durante o perodo noturno. A medida visa preveno de acidentes durante o atendimento de ocorrncias no perodo noturno. Lavar as mos aps o trmino de cada remoo (seguir orientaes do item Higienizao das Mos ). Proteger ferimentos e mucosas contra o perigo de contaminao. No descartar luvas, jalecos ou qualquer item de proteo individual nas vias pblicas ou em local que no possua o coletor especfico para resduo biolgico ou de lixo hospitalar.

3.3.1.2

Medidas de Segurana no Procedimento de Necropsia

Seguir orientaes do POP. Participar de programas de Educao Postural, aes voltadas para a rea de Valorizao Profissional e Qualidade de Vida, capacitaes, melhoria dos processos de trabalho e diviso de tarefas. Nas reas administrativas, usar os corrimes das escadas, cuidar para no deixar fios eltricos, de telefone ou obstculos no caminho; observar avisos quando o piso estiver molhado e demais avisos de segurana. Observar o cumprimento das Medidas Gerais de Segurana . Usar mscara de proteo do tipo purificador de ar no motorizado com pea facial com filtros substituveis durante as necropsias em geral. Usar gorro descartvel, culos de proteo, calados impermeveis (preferencialmente botas de PVC de cor clara) e luvas cirrgicas descartveis de ltex em todos os tipos de necropsias.11

Manual de Biossegurana

IML Aristoclides Teixeira

Os calados utilizados nas salas de necropsia no devem ser usados fora deste ambiente. Ter cuidado ao manusear estmago, vestimentas e secrees de suicidas ou vtimas de envenenamento. Nas necropsias de cadveres em decomposio dever ser usado macaco descartvel impermevel com mangas longas e capuz evitando a exposio da pele e couro cabeludo. Usar cala comprida descartvel, jaleco descartvel impermevel com mangas longas, afixadas ao dedo (para evitar exposio da pele) nas necropsias comuns ou nos demais casos. Lavar as mos aps o trmino de cada exame ou procedimento (seguir orientaes do item Higienizao das Mos ). vedado o uso de adornos (anis, brincos, correntes) que possam acumular sujeira ou albergar possveis microorganismos patognicos, alm de propiciarem a ocorrncia de acidentes. No guardar ou consumir alimentos ou bebidas nas reas de trabalho. Proteger ferimentos e mucosas contra o perigo de contaminao. Manter unhas aparadas e limpas. No fumar. Manter mxima ateno durante a realizao dos procedimentos. Jamais utilizar os dedos como anteparo durante a realizao de procedimentos que envolvam materiais perfurocortantes. As agulhas no devem ser reencapadas, entortadas, quebradas ou retiradas da seringa com as mos. Todo material perfurocortante (agulhas, scalp, lminas de bisturi, vidrarias, entre outros), mesmo que estril, deve ser desprezado em recipientes resistentes perfurao e com tampa. Os recipientes especficos para descarte de material no devem ser preenchidos acima do limite de 2/3 de sua capacidade total e devem ser colocados sempre prximos do local onde realizado o procedimento. No deixar instrumentos perfurocortantes em locais que ofeream riscos aos demais e a si mesmo. Manter calendrio de imunizao atualizado. proibida a presena de pessoas estranhas s atividades do necrotrio. Guardar objetos pessoais no vestirio. Jamais levar objetos pessoais estranhos ao servio para a sala de necropsia. Usar instrumentao cirrgica adequada a cada procedimento.12

Manual de Biossegurana

IML Aristoclides Teixeira

Os equipamentos de proteo individual, tais como mscaras de gs, aventais plsticos, culos de proteo, dentre outros, devero ser guardados nos armrios prprios do vestirio aps um rigoroso processo de higienizao e desinfeco. Em hiptese alguma estes itens podero ser levados para os armrios dos alojamentos. Manusear vidros, sacos contendo produtos qumicos e amostras biolgicas (urina, sangue, rgos) como se estivessem contaminados; Aps cada procedimento de necropsia, os instrumentais cirrgicos devero ser lavados com germicida. Ao encerramento dos trabalhos, o instrumental utilizado dever ser secado e esterilizados na estufa ou autoclave; antes de serem acondicionados em local prprio. Descontaminar previamente qualquer equipamento que esteja sendo encaminhado para manuteno, evitando causar riscos a terceiros. Se possvel identificar o equipamento informando sobre os cuidados necessrios manipulao do mesmo.

3.3.1.3

Medidas de Segurana no Procedimento de Coleta de Impresses Papilares em Cadveres em Decomposio

Seguir orientaes do POP. Participar de programas de Educao Postural, aes voltadas para a rea de valorizao profissional e qualidade de vida, capacitaes, melhoria dos processos de trabalho e diviso de tarefas. Nas reas administrativas, usar os corrimes das escadas, cuidar para no deixar fios eltricos, de telefone ou obstculos no caminho; observar avisos quando o piso estiver molhado e demais avisos de segurana. Observar o cumprimento das Medidas Gerais de Segurana . Usar mscara de proteo do tipo purificador de ar no motorizado com pea facial com filtros substituveis durante a coleta de impresses digitais de cadveres em decomposio. Usar macaco descartvel impermevel com mangas longas. Usar gorro descartvel, culos de proteo, calados impermeveis (preferencialmente botas de PVC de cores claras), luvas cirrgicas descartveis de ltex. Os calados utilizados nas salas de necropsia ou demais reas de contaminao biolgica no devem ser usados fora destes ambientes. Proceder higienizao das mos (seguir orientaes do item Higienizao das Mos ). vedado o uso de adornos (anis, brincos) que podem acumular sujeira ou albergar possveis microorganismos patognicos, alm de propiciarem a ocorrncia de acidentes. Proteger ferimentos e mucosas contra o perigo de contaminao. Manter unhas aparadas e limpas.13

Manual de Biossegurana

IML Aristoclides Teixeira

Vedada a guarda ou consumo de alimentos ou bebidas nas reas de trabalho. No deixar instrumentos perfurocortantes em locais que ofeream riscos aos demais e a si mesmo. Todo material perfurocortante (agulhas, scalp, lminas de bisturi, vidrarias, entre outros), mesmo que estril, deve ser desprezado em recipientes resistentes perfurao e com tampa.

3.3.1.4

Medidas de Segurana no Procedimento de Coleta de Impresses Papilares em Cadver de Morte Recente

Seguir orientaes do POP. Participar de programas de Educao Postural, aes voltadas para a rea de valorizao profissional e qualidade de vida, capacitaes, melhoria dos processos de trabalho e, diviso de tarefas. Nas reas administrativas, usar os corrimes das escadas, cuidar para no deixar fios eltricos, de telefone ou obstculos no caminho; observar avisos quando o piso estiver molhado e demais avisos de segurana. Observar o cumprimento das Medidas Gerais de Segurana . Usar respirador semifacial filtrante (PFF2) sem vlvula de exalao durante a coleta de impresses papilares dos demais cadveres. Usar jaleco descartvel impermevel com mangas longas. Usar cala descartvel, gorro descartvel, calados impermeveis (preferencialmente botas de PVC de cores claras) e luvas cirrgicas descartveis de ltex. Os calados utilizados nas salas de necropsia ou demais reas de contaminao biolgica no devem ser usados fora destes ambientes. O uso de culos de proteo facultativo, dada a manipulao restrita a que o papiloscopista est submetido. Proceder higienizao das mos (seguir orientaes do item Higienizao das Mos ). vedado o uso de adornos (anis, brincos) que podem acumular sujeira ou albergar possveis microorganismos patognicos, alm de propiciarem a ocorrncia de acidentes. Proteger ferimentos e mucosas contra o perigo de contaminao. Manter unhas aparadas e limpas. Vedada a guarda ou consumo de alimentos ou bebidas nas reas de trabalho.

14

Manual de Biossegurana

IML Aristoclides Teixeira

3.3.2

Medidas de Segurana na Sala de Cmaras Frias

A Sala de Cmaras Frias destina-se ao acondicionamento dos cadveres em cmaras individuais visando sua conservao. Seguir orientaes do POP. Participar de programas de Educao Postural, aes voltadas para a rea de valorizao profissional e qualidade de vida, capacitaes, melhoria dos processos de trabalho e diviso de tarefas. Nas reas administrativas, usar os corrimes das escadas, cuidar para no deixar fios eltricos, de telefone ou obstculos no caminho; observar avisos quando o piso estiver molhado e demais avisos de segurana. Observar o cumprimento das Medidas Gerais de Segurana . Observar o cumprimento das normas dispostas nas NR 11 - Transporte, Movimentao, Armazenagem e Manuseio de Materiais e NR 17 Ergonomia, no que couber*. Sempre que possvel, o transporte deve ser realizado com mquinas/equipamentos tais como empilhadeiras, carros (macas) de transporte pneumticas e/ou eltricos de maneira que o esforo fsico do trabalhador seja minimizado ao mximo. Utilizar tcnica correta para o levantamento de cargas (cadveres). O joelho deve ficar adiantado em ngulo de 90 graus. Braos esticados entre as pernas. Dorso plano. Queixo no dirigido para baixo. Pernas distanciadas entre si lateralmente. Carga prxima ao eixo vertical do corpo. Tronco em mnima flexo. A figura ao lado mostra a tcnica correta para o levantamento de cargas. Procurar no curvar a coluna vertebral. Transportar o peso na posio ereta. Durante o transporte, evite rir, espirrar ou tossir. Evitar movimentos de toro em torno do corpo. Posicionar os braos junto ao corpo mantendo a carga na posio mais prxima do eixo vertical. Levantar e transportar a carga com os braos esticados e virados para baixo. Procurar distribuir simetricamente a carga.(*) Observao: Estas Normas devero ser usadas como referncias inclusive para a atividade de transporte manual de corpos, at que seja realizado estudo de ergonomia especfico, com vistas a minimizar os efeitos do esforo e de posturas incorretas nessa atividade.

15

Manual de Biossegurana

IML Aristoclides Teixeira

3.3.3

Medidas de Segurana na Sala de Observao para Reconhecimento de Corpos

No foram identificados riscos para esta sala. 3.3.4 Medidas de Segurana para a Sala de Depsito de EPI

Sala destinada guarda dos Equipamentos de Proteo Individual EPI, composta por armrios individuais onde sero acondicionadas as botas de PVC, aventais plsticos, respiradores faciais, entre outros e uma outra rea destinada aos EPI de uso descartvel. Seguir orientaes do POP. Participar de programas de Educao Postural, aes voltadas para a rea de Valorizao Profissional e Qualidade de Vida, capacitaes, melhoria dos processos de trabalho e diviso de tarefas. Nas reas administrativas, usar os corrimes das escadas, cuidar para no deixar fios eltricos, de telefone ou obstculos no caminho; observar avisos quando o piso estiver molhado e demais avisos de segurana. Observar o cumprimento das Medidas Gerais de Segurana . Os EPIs descartveis estaro disponibilizados em prateleiras distribudos de maneira organizada, por critrio de tipo e tamanho. As prateleiras contendo os EPI descartveis no podero ser manipuladas com luvas contaminadas.

3.3.5

Medidas de Segurana para a Sala de Vestirios

Salas destinadas a paramentao dos funcionrios antes da entrada na sala de necropsia e demais reas tcnicas de risco biolgico. Seguir orientaes do POP. Participar de Programas de Educao Postural, aes voltadas para a rea de Valorizao Profissional e Qualidade de Vida, capacitaes, melhoria dos processos de trabalho e diviso de tarefas; Nas reas administrativas, usar os corrimes das escadas, cuidar para no deixar fios eltricos, de telefone ou obstculos no caminho; observar avisos quando o piso estiver molhado e demais avisos de segurana. Observar o cumprimento das Medidas Gerais de Segurana . Para terem acesso sala de necropsia os servidores devero paramentar-se no vestirio com16

Manual de Biossegurana

IML Aristoclides Teixeira

os equipamentos de proteo individual necessrios atividade que iro desempenhar. Um dos armrios individuais ser usado para o depsito temporrio de pertences. O outro para o armazenamento de EPIs no descartveis. Os adornos (pulseira, brincos, alianas, etc.), peas de vesturio bem como objetos pessoais devero ser retirados e guardados neste local. Aps a entrada na sala de necropsia ou demais dependncias de risco biolgico, o funcionrio s poder retornar ao vestirio aps a lavagem de mos e botas e depois de descartar os EPIs contaminados (luvas, jalecos, pr-p, gorro). Roupas descartveis usadas devero ser desprezadas nos coletores especficos para este fim. Os EPIs no descartveis, como botas, respiradores faciais, culos de proteo, entre outros, devero ser previamente higienizados antes de serem guardados nos armrios. Manter a organizao do vestirio. Antes de retornar s demais dependncias do IML, o funcionrio dever passar novamente pelo vestirio para retirada dos pertences e armazenamento dos EPIs no descartveis utilizados e j previamente higienizados. Utenslios de limpeza usados nos vestirios e banheiros no devero ser utilizados nos necrotrios, laboratrios ou reas administrativas. Estes devero ser exclusivos dos vestirios e banheiros e precisaro estar identificados com etiquetas ou cores.

3.3.6

Medidas de Segurana para a Sala de Expurgo

Sala destinada ao recebimento, conferncia, lavagem e esterilizao dos materiais cirrgicos utilizados nas salas de necropsia. Seguir orientaes do POP. Participar de Programas de Educao Postural, aes voltadas para a rea de Valorizao Profissional e Qualidade de Vida, capacitaes, melhoria dos processos de trabalho e diviso de tarefas. Nas reas administrativas, usar os corrimes das escadas, cuidar para no deixar fios eltricos, de telefone ou obstculos no caminho; observar avisos quando o piso estiver molhado e demais avisos de segurana. Observar o cumprimento das Medidas Gerais de Segurana . Usar EPI adequado para se protegerem de contaminaes provenientes do instrumental que dever ser lavado no local. Todo o material descartvel dos laboratrios e salas de necropsia dever ser encaminhado ao expurgo aps o uso.17

Manual de Biossegurana

IML Aristoclides Teixeira

Manter o local, para o expurgo, limpo e organizado.

3.3.7

Medidas de Segurana para a Sala de Digitao de Laudos

Sala destinada a digitao e encaminhamento de laudos. Seguir orientaes do POP. Participar de Programas de Educao Postural, aes voltadas para a rea de Valorizao Profissional e Qualidade de Vida, capacitaes, melhoria dos processos de trabalho e diviso de tarefas. Nas reas administrativas, usar os corrimes das escadas, cuidar para no deixar fios eltricos, de telefone ou obstculos no caminho; observar avisos quando o piso estiver molhado e demais avisos de segurana. Observar o cumprimento das Medidas Gerais de Segurana . Manipular os computadores com as mos limpas para no disseminar a contaminao no equipamento. Os panos de limpeza de mesas e computadores devero ser de uso exclusivo deste setor.

3.3.8

Medidas de Segurana para a Sala de Higienizao (lavagem) e Acondicionament o (Guarda) de Bandejas e Caixes Morturios

Sala destinada ao recebimento, lavagem e descontaminao de bandejas e caixes morturios. Seguir orientaes do POP. Participar de Programas de Educao Postural, aes voltadas para a rea de Valorizao Profissional e Qualidade de Vida, capacitaes, melhoria dos processos de trabalho e diviso de tarefas. Nas reas administrativas, usar os corrimes das escadas, cuidar para no deixar fios eltricos, de telefone ou obstculos no caminho; observar avisos quando o piso estiver molhado e demais avisos de segurana. Observar o cumprimento das Medidas Gerais de Segurana . Usar botas impermeveis, cala, jaleco, avental, mscaras, culos de proteo, touca e respirador facial contra respingos. Seguir orientaes destinadas ao pessoal da limpeza. As bandejas devero ser lavadas como descrito a seguir:18

Manual de Biossegurana

IML Aristoclides Teixeira

Fase 1: Tcnica de Lavagem: Utilizar um balde contendo soluo de gua e sabo lquido ou detergente cuja diluio dever estar conforme indicao do fabricante no rtulo do produto. Esfregue a bandeja ou caixo com vassoura e/ou escova embebida na soluo preparada acima, retirando os resduos das superfcies. Toda a matria orgnica dever ser removida durante a lavagem para que a fase seguinte de descontaminao tenha xito. OBS.: Se necessrio, antes do procedimento, deixe a bandeja ou caixo de molho com gua e sabo ou detergente para que os resduos absorvam gua facilitando assim o seu desprendimento durante a lavagem. Fase 2: Tcnica de Descontaminao Prepare uma soluo de hipoclorito de sdio a 1% de cloro ativo da seguinte forma: utilizando gua sanitria (2,5 % de cloro ativo): para preparar 10 (dez) litros de soluo a 1% de cloro, dilua 4 litros de gua sanitria em 6 litros de gua; utilizando hipoclorito comercial (10% de cloro ativo): para preparar 10 (dez) litros de soluo a 1% de cloro, dilua 1 litro de hipoclorito a 10% em 9 litros de gua; aplique a soluo sobre a superfcie da bandeja ou caixo com o auxlio de uma vassoura e deixe agir por no mnimo 10 minutos ou at secar. A aplicao poder ser tambm por asperso. No necessita enxgue.

3.3.9

Sala de Guarda de Pertences de Cadveres Necropsiados

Sala destinada guarda de pertences, de cadveres, recolhidos durante as remoes ou procedimento de necropsias. Seguir orientaes do POP. Utilizar mscaras do tipo PFF2, botas impermeveis ou pr-ps, jaleco, gorro, luvas descartveis na manipulao de pertences. Participar de Programas de Educao Postural, aes voltadas para a rea de valorizao profissional e qualidade de vida, capacitaes, melhoria dos processos de trabalho e diviso de tarefas. Nas reas administrativas, usar os corrimes das escadas, cuidar para no deixar fios eltricos, de telefone ou obstculos no caminho; observar avisos quando o piso estiver molhado e demais avisos de segurana. Observar o cumprimento das Medidas Gerais de Segurana . Acondicionar todo material recolhido do corpo em sacos para evidncias etiquetados e/ou identificados com dados que possibilitem a posterior localizao e o resgate dos pertences pela famlia.19

Manual de Biossegurana

IML Aristoclides Teixeira

Guardar os volumes de maneira organizada e higinica. Sala de Raio X

3.3.10

A atividade desenvolvida pela Sala de Raio X realizar exames radiolgicos em cadveres, visando a localizao de projteis de arma de fogo. A seguir so listadas as medidas de segurana para a Sala de Raio X: Cumprir medidas preventivas e de controle relacionadas Tanatologia Forense, no que couber. Seguir orientaes do POP. Participar de Programas de Educao Postural, aes voltadas para a rea de valorizao profissional e qualidade de vida, capacitaes, melhoria dos processos de trabalho. Participar da diviso de tarefas. Nas reas administrativas, usar os corrimes das escadas, cuidar para no deixar fios eltricos, de telefone ou obstculos no caminho; observar avisos quando o piso estiver molhado e demais avisos de segurana. Observar o cumprimento das Medidas Gerais de Segurana . Para a realizao do exame radiolgico de cadveres, os profissionais envolvidos devem utilizar os seguintes EPIs: a) b) c) d) respirador purificador de ar com pea semifacial com filtros; luvas cirrgicas e culos de proteo; obrigatrio o uso de avental de chumbo (longo ou curto), protetor de tireide e de gnadas e anteparos mveis de chumbo (biombo de proteo); outros EPIs como culos plumbferos, luvas e as mangas protetoras podero ser exigidas a critrio do SESMT.

Zelar pela conservao dos aventais de chumbo que so especialmente frgeis e devem ser manipulados cuidadosamente. Aps o uso, os mesmos devem ser guardados em cabides apropriados ou deixados na posio horizontal sem dobras. O mau uso pode causar fissuras e at mesmo o rompimento do lenol de chumbo, reduzindo o poder de proteo do mesmo e, consequentemente, sua vida til. A construo da sala radiolgica dever estar de acordo com as normas estabelecidas pelo rgo fiscalizador competente. O auxiliar de Autpsia e o Mdico-Legista no devero permanecer dentro da Sala de Raio X no momento em que o equipamento for acionado. Caso a permanncia seja estritamente necessria, os mesmos devero fazer uso de avental de chumbo (longo ou curto), protetor de tireide e de gnadas alm dos demais EPI bsicos (jaleco, gorro, respirador, etc.).20

Manual de Biossegurana

IML Aristoclides Teixeira

3.3.10.1 Procedimentos em Caso de Acidentes e Situaes de Emergncia Radiolgica Isolar a rea. Afastar as pessoas. Identificar a fonte de contaminao ou irradiao. Comunicar a Coordenao de Fiscalizao Sanitria da Secretaria de Estado de Sade sobre a ocorrncia para as devidas providncias. Proceder anlise da estimativa de doses. Descontaminar a rea, no caso de fontes no seladas. Convocar os potencialmente irradiados ou contaminados para se submeterem a exames mdicos. Analisar o ocorrido e implementar procedimentos para evitar novos acidentes.

3.4

SERVIO DE CLNICA MDICA

As atividades desenvolvidas pelo Servio de Clnica Mdica so tratar da execuo das percias oficiais mdico-legais em pessoas vivas, tais como exames de leses corporais, exames complementares, dentre outros.

TABELA 4 - Levantamento de Riscos do Servio de Clnica Mdica

FSICOS QUMICOS

Sem riscos identificados. Durante a realizao dos exames da clnica mdico-legal pode ocorrer o contato com ar expirado, sangue e secrees das pessoas atendidas. Grau do Risco: MDIO

BIOLGICOS

O atendimento nos consultrios exige a movimentao constante do mdico e a descrio de todos os elementos observados durante os exames, demandando o uso de muita escrita manual ou digitao, fato que pode ocasionar cansao das mos, pernas e ps. H tambm o trabalho noturno (planto), a possibilidade de ERGONM ICOS ocorrncia de posturas incorretas, excesso de responsabilidades, surgimento de conflitos, monotonia, entre outros. Grau do Risco: MDIO21

Manual de Biossegurana

IML Aristoclides Teixeira

ACIDENTES

Assim como em qualquer ambiente, existe a possibilidade da ocorrncia de quedas no ambiente de trabalho. Grau do Risco: PEQUENO

A seguir so listadas as medidas de segurana para o Servio de Clnica Mdica: O Mdico-Legista que atender na Clnica Mdica no dever acompanhar necropsias. Seguir orientaes do POP. Nas reas administrativas, usar os corrimes das escadas, cuidar para no deixar fios eltricos, de telefone ou obstculos no caminho; observar avisos quando o piso estiver molhado e demais avisos de segurana. Observar o cumprimento das Medidas Gerais de Segurana . Durante a realizao dos exames, o Mdico-Legista dever observar as seguintes medidas de segurana: Usar jalecos descartveis. Podero ser usados jalecos de tecido desde que limpos e de uso exclusivo dos consultrios do IML. Usar luvas cirrgicas descartveis de ltex esterilizadas sempre que o exame exigir o contato fsico com o atendido. Usar respirador semifacial filtrante (PFF2) sem vlvula de exalao para agentes biolgicos, substituindo-a sempre que necessrio. Usar calados apropriados que sejam fechados e confortveis. No usar sandlias ou outros calados abertos. Usar culos de proteo conforme risco de exposio. Usar gorro para proteo do couro cabeludo. Os cabelos devem estar presos. Lavar as mos aps o trmino de cada exame ou procedimento (seguir orientaes do item Higienizao das Mos ). No usar adornos como anis, brincos, pulseiras ou outros objetos que possam acumular sujeira ou albergar possveis microorganismos patognicos, alm de propiciarem a ocorrncia de acidentes. Proteger ferimentos e mucosas contra o perigo de contaminao. Manter unhas aparadas e limpas. No guardar e nem consumir alimentos ou bebidas nos consultrios.22

Manual de Biossegurana

IML Aristoclides Teixeira

Manter calendrio de imunizao atualizado. Evitar a presena de pessoas estranhas s atividades nos consultrios. Cobrar o adequado cumprimento do protocolo de limpeza dos consultrios e corredores de acesso previsto neste manual ou estabelecido por meio de Procedimento Operacional Padro POP. Observar o correto descarte de lenis, luvas, mscaras e demais materiais descartveis usados durante o exame em recipientes de lixo prprias para o resduo biolgico, conforme o Plano de Gerenciamento de Resduos de Sade PGRSS RDC 306 ANVISA/04. Para cada exame, o Mdico-Legista, bem como os funcionrios que o estejam auxiliando, devero cuidar para que a cada pessoa examinada sejam realizados os seguintes procedimentos de segurana: a) b) c) d) Usar lenol descartvel impermevel para forrao da maca; Substituir os lenis aps a realizao de cada exame; Proceder a higienizao e desinfeco da maca; e Fornecer camisola descartvel ou outra vestimenta de uso nico quando necessrio.

3.4.1

Seo de Antropologia Forense e Odontologia Legal - SAFOL

A atividade desenvolvida pela Seo de Antropologia Forense e Odontologia Legal - SAFOL a realizao de exames necroscpicos em cadveres carbonizados, mutilados e em outras situaes em que a identificao papiloscpica esteja prejudicada. Constituem tambm atividades desta seo realizar exame traumatolgico do complexo buco-maxilo-facial e confrontar imagens faciais entre fotografias de documentos ou filmagens de indivduos vtimas ou suspeitos de crimes. A Seo de Antropologia Forense e Odontologia Legal compreende as seguintes dependncias: A) Escritrio; B) Consultrio de Odontologia Legal; C) Sala de Preparo de Ossadas; D) Laboratrio de Antropologia; E) Depsito de Ossadas.

23

Manual de Biossegurana

IML Aristoclides Teixeira

TABELA 5 - Levantamento de Riscos da Seo de Antropologia Forense e Odontologia LegalRadiao Ionizante Necessidade de exames radiolgicos frequentes em vtimas de projteis de arma de fogo ou morte suspeita. Grau do risco: GRANDE

Vibrao da Serra de craneotomia Exposio frequente, porm por perodos reduzidos de tempo. Grau do risco: PEQUENO

FSICOSRudo da serra de craneotomia Exposio frequente, porm por perodos reduzidos de tempo. Grau de risco: PEQUENO Risco de queimaduras No procedimento de preparao de ossadas, necessria a coco dos ossos. Grau de risco: GRANDE

QUMICOS

Pesticidas, formol, cido fnico, gases do processo de decomposio (gs sulfdrico, mercaptanos, dixido de carbono, metano, amonaco e fosfina). Uso de substncia qumica para esterilizao de instrumentao em consultrios odontolgicos. As substncias qumicas so provenientes de corpos de vtimas de suicdio ou envenenamentos e do processo de esterilizao qumica da instrumentao mdica e/ou odontolgica. Grau de risco: GRANDE

BIOLGICOS

Contato com sangue, secrees e objetos potencialmente infectados com microorganismos de origem e patogenicidade desconhecida, aerossis expelidos durante a manipulao dos corpos. A exposio inicia-se com a remoo do corpo do local da ocorrncia e continua no ato da necropsia, onde os profissionais esto expostos ao contato com sangue, vsceras, secrees, vestes e objetos contaminados que acompanham o corpo. Grau de risco: GRANDE

24

Manual de Biossegurana

IML Aristoclides Teixeira

Trabalho fsico pesado, posturas incorretas, trabalho noturno, tenses emocionais, desconforto devido ao mau cheiro (em alguns casos). As atividades exigem a movimentao constante do Auxiliar de Autpsia e requer ERGONM ICOS esforo fsico considervel para a manipulao dos corpos na mesa, durante a remoo (que inclui o motorista) e no acondicionamento do corpo nas geladeiras. Grau de risco: GRANDE

ACIDENTES

Acidentes com instrumentao cirrgica e/ou perfurocortante, manipulao de macas e bandejes, quedas. Grau de Risco: GRANDE

A seguir so listadas as medidas de segurana para a Seo de Antropologia Forense e Odontologia Legal: Participao em Programas de Educao Postural, de aes voltadas para a rea de Valorizao Profissional e Qualidade de Vida, capacitaes, melhoria dos processos de trabalho e diviso de tarefas. Nas reas administrativas, usar os corrimes das escadas, cuidar para no deixar fios eltricos, de telefone ou obstculos no caminho; observar avisos quando o piso estiver molhado e demais avisos de segurana. Observar o cumprimento das Medidas Gerais de Segurana . Medidas de Segurana no Atendimento nos Consultrios Mdico e Odontol-Legal

3.4.1.1

Seguir orientaes do POP. Nas reas administrativas, usar os corrimes das escadas, cuidar para no deixar fios eltricos, de telefone ou obstculos no caminho; observar avisos quando o piso estiver molhado e demais avisos de segurana. Observar o cumprimento das Medidas Gerais de Segurana . Usar jalecos descartveis. Usar luvas cirrgicas descartveis de ltex esterilizadas durante o atendimento. Usar respirador semifacial filtrante (PFF2) sem vlvula de exalao para agentes biolgicos, substituindo-o sempre que necessrio. Usar culos de proteo conforme risco de exposio. Usar gorro para proteo do couro cabeludo.25

Manual de Biossegurana

IML Aristoclides Teixeira

O Mdico-Legista ou o Odontolegista que estiver trabalhando em uma necropsia no poder atender pacientes vivos em seguida, a no ser que se submeta a rigorosa higiene pessoal (banho, troca de vestimentas, assepsia) antes do atendimento aos vivos. Aps deixar as reas crticas (sala de necropsia, ossrio), o profissional dever evitar fazer uso dos consultrios para evitar a transmisso de contaminao cruzada da rea crtica para reas menos contaminadas, salvo aps submeter-se a rigoroso procedimento de higiene pessoal (banho, troca de vestimentas, assepsia). Usar calados apropriados que sejam fechados e confortveis. No usar sandlias ou outros calados abertos. Os cabelos devem estar presos. Lavar as mos aps o trmino de cada exame ou procedimento (seguir orientaes do item Higienizao das Mos ). No usar adornos como anis, brincos, pulseiras ou outros objetos que possam acumular sujeira ou albergar possveis microorganismos patognicos, alm de propiciarem a ocorrncia de acidentes. Proteger ferimentos e mucosas contra o perigo de contaminao. Manter unhas aparadas e limpas. vedada a guarda ou consumo de alimentos ou bebidas nos consultrios. Manter calendrio de imunizao atualizado. Evitar a presena de pessoas estranhas s atividades nos consultrios. Cobrar o adequado cumprimento do Protocolo de Limpeza dos consultrios e corredores de acesso previsto neste manual ou estabelecido por meio de Procedimento Operacional Padro POP. Observar o correto descarte de lenis, luvas, mscaras e demais materiais descartveis usados durante o exame em recipientes de lixo prprias para o resduo biolgico conforme o Plano de Gerenciamento de Resduos de Sade PGRSS RDC 306 ANVISA/04. Para cada exame, o Mdico-Legista, o Odontolegista, bem como os funcionrios que os estejam auxiliando, devero cuidar para que em cada pessoa examinada, sejam realizados os seguintes procedimentos de segurana: Embalar o equipamento com filme de PVC transparente, fazendo o mesmo com as pontas (alta, baixa rotao), a seringa trplice, o carte e/ou mesa auxiliar, o espaldar da cadeira (pode ser usado tambm saco de lixo), o refletor (puxador e interruptor) e todas as superfcies com as quais o profissional mantenha contato. Todo material usado no atendimento odontolgico (gazes, algodo, sugadores descartveis, luvas e outros) deve ser desprezado em saco plstico prprio para lixo sptico (biolgico) e26

Manual de Biossegurana

IML Aristoclides Teixeira

colocado em local para ele destinado. O bisturi e todo material cortante e/ou pontiagudo precisam ser colocados ou desprezados em recipiente contendo soluo de hipoclorito de sdio a 0,5% e ser rotulado como contaminado . Todo e qualquer sangue derramado deve ser imediatamente limpo com soluo de hipoclorito de sdio a 1% ou glutaraldedo a 2%. Proceder, alm da lavagem, a anti-sepsia das mos com sabo lquido e/ou PVP-I degermante; enxugar as mos e fechar as torneiras com papel toalha. Verificar orientaes do item Higienizao das Mos . Desprezar gaze e algodo com sangue em invlucro prprio ou separar na cuba-rim at o descarte. O auxiliar do Odontolegista deverse paramentar, seguindo a mesma orientao destinada ao Odontolegista. Lavar o instrumental utilizado com detergente enzimtico e em seguida, trat-lo com substncia desincrostante e glutaraldedo a 2% por 30 minutos. Substituir todo o filme PVC utilizado para embalar os equipamentos do consultrio aps cada usurio atendido. Promover a desinfeco do consultrio seguindo as orientaes abaixo: a) superfcies metlicas - frico com lcool a 70% por 30 segundos; b) superfcies no metlicas - hipoclorito de sdio ou glutaraldedo. Fazer uso de lenol descartvel impermevel para forrao da cadeira odontolgica ou maca sempre que houver risco de contaminao. Promover a substituio destes lenis aps a realizao de cada exame e proceder higienizao e desinfeco da cadeira odontolgica e/ou maca. Se for necessrio, fornea ao usurio vestimentas descartveis para sua proteo.

3.4.1.2

Medidas de Segurana no Procedimento de Manipulao do Equipament o de Radiologia Odontolgica

Seguir orientaes do POP. Nas reas administrativas, usar os corrimes das escadas, cuidar para no deixar fios eltricos, de telefone ou obstculos no caminho; observar avisos quando o piso estiver molhado e demais avisos de segurana. Observar o cumprimento das Medidas Gerais de Segurana . Manter a maior distncia possvel do feixe de radiao, pois a intensidade da radiao27

Manual de Biossegurana

IML Aristoclides Teixeira

diminui com a distncia. Nunca permanecer na trajetria do feixe primrio, evitando a exposio direta. Utilizar prendedores de filmes; nunca segurar o filme na boca do paciente durante a exposio. Utilizar sempre o disparador com fio longo que possibilite ao operador permanecer a uma distncia de pelo menos 2 metros do tubo e do paciente durante a exposio. Submeter-se monitorao individual: realizada atravs de dosmetros para detectar exposies recebidas, possibilitando a avaliao das condies de trabalho. Em relao ao pblico atendido, o feixe til deve ser direcionado a algum material absorvedor, com espessura adequada (tijolo, concreto ou chumbo), para proteger pessoas que trabalham em reas adjacentes. Jamais o feixe dever estar voltado para portas ou janelas. Periodicamente dever ser realizado um levantamento radiomtrico para observar os nveis de radiao produzidos no local. Os equipamentos de raios-X calibrados devem ser recalibrados periodicamente por tcnico qualificado. Para garantir a eficincia do equipamento, testes anuais devero ser realizados para verificao do rendimento, tamanho focal, quilovoltagem, alinhamento do feixe, camada semi-redutora, estabilidade do tubo, tempo, miliamperagem. imprescindvel que o profissional e sua equipe estejam sempre atualizados, recebendo treinamento especfico e que sejam criteriosos para decidirem sobre a necessidade do exame radiogrfico. O usurio dever ser orientado sobre a necessidade dos exames radiogrficos, seus riscos e benefcios. Ao expor o paciente ao feixe de raios-X, garantir a utilizao da menor dose possvel para se obter uma imagem com qualidade aceitvel. Manter os equipamentos em perfeitas condies de funcionamento. Proceder ao exame com tcnicas atualizadas e adequadas. Possuir licenciamento para instalao do servio radiolgico.

3.4.1.3

Medidas de Segurana no Procedimento de Necropsia

Alm dos procedimentos gerais de segurana e das medidas de segurana voltadas sala de necropsia, devem ser observados os seguintes procedimentos especficos para os exames da Antropologia Forense e Odontologia-Legal:28

Manual de Biossegurana

IML Aristoclides Teixeira

Seguir orientaes do POP. Seguir orientaes do Programa de Educao Postural, investir na melhoria do relacionamento interpessoal entre servidores, no atendimento ao pblico e na melhoria dos processos de trabalho. Participar da diviso de tarefas. Nas reas administrativas, usar os corrimes das escadas, cuidar para no deixar fios eltricos, de telefone ou obstculos no caminho; observar avisos quando o piso estiver molhado e demais avisos de segurana. Observar o cumprimento das Medidas Gerais de Segurana . Usar mscara de proteo do tipo purificador de ar no motorizado com pea facial com filtros substituveis durante as necropsias em geral. Ter cuidado ao manusear estmago, vestimentas e secrees de corpos vitimados por envenenamento ou por quaisquer substncias que possam causar leses ou prejuzos sade. Nas necropsias de cadveres em decomposio dever ser usado macaco descartvel impermevel com mangas longas e capuz evitando a exposio da pele e couro cabeludo. Usar cala comprida descartvel, jaleco descartvel impermevel com mangas longas afixadas ao dedo (para evitar exposio da pele) nas necropsias comuns ou nos demais casos. Usar gorro descartvel, culos de proteo, calados impermeveis (preferencialmente botas de PVC de cor clara) e luvas cirrgicas descartveis de ltex em todos os tipos de necropsias. Os calados utilizados nas salas de necropsia ou demais reas de contaminao biolgica no devem ser usados fora destes ambientes. Lavar as mos aps o trmino de cada exame ou procedimento (seguir orientaes do item Higienizao das Mos ). vedado o uso de adornos (anis, brincos, correntes) que possam acumular sujeira ou albergar possveis microorganismos patognicos, alm de propiciarem a ocorrncia de acidentes. Proteger ferimentos e mucosas contra o perigo de contaminao. Manter unhas aparadas e limpas. Vedada a guarda ou consumo de alimentos ou bebidas nas reas de trabalho. No fumar em recintos coletivos fechados (Lei Municipal n. 8.811, de 2 de julho de 2009). Dispensar a mxima ateno durante a realizao dos procedimentos. Jamais utilizar os dedos como anteparo durante a realizao de procedimentos que envolvam materiais perfurocortantes. As agulhas no devem ser reencapadas, entortadas, quebradas ou retiradas da seringa com as mos.29

Manual de Biossegurana

IML Aristoclides Teixeira

No utilizar agulhas para fixar papis. Todo material perfurocortante (agulhas, scalp, lminas de bisturi, vidrarias, entre outros), mesmo que estril, deve ser desprezado em recipientes resistentes perfurao e com tampa. Os recipientes especficos para descarte de material no devem ser preenchidos acima do limite de 2/3 de sua capacidade total e devem ser colocados sempre prximos do local onde realizado o procedimento. No deixar instrumentos perfurocortantes em locais que ofeream riscos aos demais e a si mesmo. Manter calendrio de imunizao atualizado. proibida a presena de pessoas estranhas s atividades do necrotrio. Os objetos pessoais devero ser guardados no vestirio. Jamais levar objetos pessoais estranhos ao servio para a sala de necropsia. Usar instrumentao cirrgica adequada a cada procedimento. Os equipamentos de proteo individual tais como: mscaras de gs, aventais plsticos, culos de proteo, entre outros devero ser guardados nos armrios prprios do vestirio aps um rigoroso processo de higienizao e desinfeco. Em hiptese alguma estes itens podero ser levados para os armrios dos alojamentos. No manuseio de vidros ou sacos contendo produtos qumicos ou amostras biolgicas (urina, sangue, rgos), trate-os como contaminados. Aps cada procedimento de necropsia, os instrumentais cirrgicos devero ser lavados com gua e sabo e deixados de molho em soluo de hipoclorito a 1% ou outra soluo germicida. Ao encerramento dos trabalhos, o instrumental utilizado dever ser secado e esterilizado na estufa ou autoclave; antes de ser acondicionado em local prprio. Descontaminar previamente qualquer equipamento que esteja sendo encaminhado para manuteno, evitando causar riscos a terceiros. Se possvel identifique o equipamento informando sobre os cuidados necessrios manipulao do mesmo.

3.4.1.4

Medidas de Segurana no Procedimento de Preparao de Ossadas para o Exame Antropolgico e Odonto-Legal

Devero ser seguidas as orientaes previstas no item anterior no que for aplicvel, alm das descritas a seguir: Seguir orientaes do POP. Nas reas administrativas, usar os corrimes das escadas, cuidar para no deixar fios eltricos, de telefone ou obstculos no caminho; observar avisos quando o piso estiver molhado e demais avisos de segurana.30

Manual de Biossegurana

IML Aristoclides Teixeira

Observar o cumprimento das Medidas Gerais de Segurana . Utilizar luvas trmicas durante a coco dos ossos para manusear os utenslios submetidos alta temperatura evitando queimaduras. Manter o rosto sempre afastado do recipiente onde est ocorrendo a coco dos ossos. Manter qualquer substncia inflamvel longe das chamas. Prestar ateno no bico de gs, verificando se no h vazamento e aps o uso feche imediatamente o registro. Em caso de dvidas, procure obter orientaes. Verificar as orientaes contidas no item documento. Procedimentos de Combate ao Fogo deste

Fazer ou solicitar periodicamente a reviso dos extintores de incndios, bem como procurar treinamentos com a brigada de incndio ou corpo de bombeiro. Servio de Psiquiatria Forense

3.4.2

As atividades desenvolvidas pelo servio de psiquiatria forense so a execuo das atividades de percias oficiais mdico-legais em pessoas com suspeita de distrbios psiquitricos, a realizao de exames de cessao de periculosidade nos sentenciados e a realizao de exames psicolgicos para avaliao da integridade psquica e mental de vtimas. TABELA 6 - Levantamento de Riscos do Servio de Psiquiatria Forense FSICOS QUMICOS BIOLGICOS

Sem riscos identificados.

ERGONMICOS

Possibilidade de ocorrncia de posturas incorretas, excesso de responsabilidades, surgimento de conflitos, entre outros. Grau do Risco: PEQUENO

ACIDENTES

Assim como em qualquer ambiente, existe a possibilidade da ocorrncia de quedas no ambiente de trabalho. Grau do Risco: PEQUENO

A seguir so listadas as medidas de segurana para o Servio de Psiquiatria Forense: Seguir orientaes do POP. Participar de Programas de Educao Postural, de projetos/aes voltadas para a rea de valorizao profissional e qualidade de vida, capacitaes, melhoria dos processos de31

Manual de Biossegurana

IML Aristoclides Teixeira

trabalho e diviso de tarefas. Nas reas administrativas, usar os corrimes das escadas, cuidar para no deixar fios eltricos, de telefone ou obstculos no caminho; observar avisos quando o piso estiver molhado e demais avisos de segurana. Observar o cumprimento das Medidas Gerais de Segurana . SALA DA CIPA E DA COMISSO DE CONTROLE DE INFECO As atribuies da CIPA esto previstas na NR n 5 do Ministrio do Trabalho.

3.5

As atividades da Comisso de Controle de Infeco so: Propor em conjunto com a CIPA e o SESMT a padronizao de procedimentos, bem como a elaborao de normativas que visem minimizar os riscos de acidentes e infeces laborais. Promover a investigao de surtos de infeco laboral e atuar com medidas de vigilncia epidemiolgica. Propor aes educativas. TABELA 7 - Levantamento de Riscos da Comisso de Controle de Infeces e CIPA FSICOS QUMICOS Sem riscos identificados Contato com as instalaes fsicas onde ocorre a manipulao de fluidos biolgicos de origem e patogenicidade desconhecida. A exposio se d no momento das inspees ou visitas tcnicas realizadas pelos membros da CIPA junto s reas de risco biolgico. Grau de Risco: MDIO

BIOLGICOS

Posturas incorretas, tenses emocionais. ERGONMICOS Grau de Risco: GRANDE

ACIDENTES

Assim como em qualquer ambiente, existe a possibilidade da ocorrncia de quedas no ambiente de trabalho. Grau do Risco: MDIO

A seguir so listadas as medidas de segurana para a Sala da CIPA e da Comisso de Controle de Infeco:32

Manual de Biossegurana

IML Aristoclides Teixeira

Seguir orientaes do POP. Seguir orientaes do Programa de Educao Postural, de aes voltadas para a rea de Valorizao Profissional e Qualidade de Vida, capacitaes, melhoria dos processos de trabalho, participar da diviso de tarefas. Nas reas administrativas, usar os corrimes das escadas, cuidar para no deixar fios eltricos, de telefone ou obstculos no caminho; observar avisos quando o piso estiver molhado e demais avisos de segurana. Observar o cumprimento das Medidas Gerais de Segurana . Usar mscara de proteo do tipo PFF2 semifacial ou purificador de ar no motorizado com pea facial ou semifacial com filtros substituveis. Usar jaleco descartvel, cala comprida, gorro descartvel, culos de proteo, calados fechados preferencialmente impermeveis e luvas cirrgicas descartveis de ltex em casos de qualquer manipulao de cadveres ou de objetos contaminados da rea tcnica. Lavar as mos aps o trmino de cada levantamento ou procedimento (seguir orientaes do item Higienizao das Mos ). vedado o uso de adornos (anis, brincos, correntes) que possam acumular sujeira ou albergar possveis microorganismos patognicos, alm de propiciarem a ocorrncia de acidentes. Proteger ferimentos e mucosas contra o perigo de contaminao. Manter unhas aparadas e limpas. Vedada a guarda ou consumo de alimentos ou bebidas nas reas de trabalho. No fumar nas reas de trabalho. Prestar mxima ateno durante a realizao dos levantamentos. Manter calendrio de imunizao atualizado. proibida a presena de pessoas estranhas s atividades nas reas tcnicas. Os objetos pessoais devero ser guardados no vestirio. Jamais levar objetos pessoais estranhos ao servio para o laboratrio. Os equipamentos de proteo individual de uso duradouro tais como: mscaras de gs, aventais plsticos, culos de proteo, entre outros devero ser guardados nos armrios prprios do vestirio aps um rigoroso processo de higienizao e desinfeco. Em hiptese alguma estes itens podero ser levados para os armrios dos alojamentos.

33

Manual de Biossegurana

IML Aristoclides Teixeira

3.6

SERVIO DE ATENDIMENTO

As atividades desenvolvidas pelo servio de atendimento so o atendimento ao pblico e o recebimento, registro e emisso de documentos. TABELA 8 - Levantamento de Riscos do Servio de Atendimento FSICOS QUMICOS BIOLGICOS

Sem riscos identificados

Possibilidade de ocorrncia de posturas incorretas, escassez ou inexistncia de treinamentos, excesso de responsabilidades, surgimento de conflitos, ERGONM ICOS monotonia, deambulao intensa, estresse, entre outros. Grau de Risco: GRANDE

ACIDENTES

Possibilidade de quedas no ambiente de trabalho. Grau de Risco: GRANDE

A seguir so listadas as medidas de segurana para a Sala do Servio de Atendimento: Seguir orientaes do POP. Participar de Programas de Educao Postural, de aes voltadas para a rea de Valorizao Profissional e Qualidade de Vida, capacitaes, melhoria dos processos de trabalho, participar da diviso de tarefas. Nas reas administrativas, usar os corrimes das escadas, cuidar para no deixar fios eltricos, de telefone ou obstculos no caminho; observar avisos quando o piso estiver molhado e demais avisos de segurana. Observar o cumprimento das Medidas Gerais de Segurana .

3.7

SEO DE NECROPAPILOSCOPIA

As atividades desenvolvidas pela Seo de Necropapiloscopia so a realizao de procedimentos de identificao em cadveres, utilizando o confronto de impresses papilares. TABELA 9 - Levantamento de Riscos da Seo de Necropapiloscopia FSICOS Sem riscos identificados QUMICOS BIOLGICOS ERGONM ICOS34

Manual de Biossegurana

IML Aristoclides Teixeira

Esforo visual e uso constante do mouse do computador, possibilidade de ocorrncia de posturas incorretas, excesso de responsabilidades, surgimento de conflitos, entre outros. Grau do Risco: MDIO

Existe a possibilidade da ocorrncia de quedas no ambiente de trabalho.

ACIDENTESGrau do Risco: PEQUENO

A seguir so listadas as medidas de segurana para a Seo de Necropapiloscopia: Seguir orientaes do POP. Uso de monitores com boa qualidade de imagem. Participar de Programas de Educao Postural, de aes voltadas para a rea de Valorizao Profissional e Qualidade de Vida, capacitaes, melhoria dos processos de trabalho, participar da diviso de tarefas. Nas reas administrativas, usar os corrimes das escadas, cuidar para no deixar fios eltricos, de telefone ou obstculos no caminho; observar avisos quando o piso estiver molhado e demais avisos de segurana. Observar o cumprimento das Medidas Gerais de Segurana .

3.8

SEO DE CONTROLE DE EXAMES

As atividades desenvolvidas pela Seo de Controle de Exames so o recebimento e conferncia do material biolgico coletado nas necropsias, o seu registro em livro prprio, e cuidar do acondicionamento e envio destes aos laboratrios. TABELA 10 - Levantamento de Riscos da Seo de Controle de Exames

FSICOS

Sem riscos identificados.

QUMICOS

FORMOL Manipulao e uso do formol para conservao de vsceras destinadas ao exame histopatolgico. Grau de Risco: GRANDE

35

Manual de Biossegurana

IML Aristoclides Teixeira

BIOLGICOS

Contato com sangue, secrees e objetos potencialmente infectados com microorganismos de origem e patogenicidade desconhecida, aerossis expelidos durante a manipulao de amostras de material biolgico. Manipulao de refrigeradores e cubas onde as amostras permanecem armazenadas at o envio aos laboratrios. Grau de Risco: GRANDE

Trabalho fsico pesado, posturas incorretas, tenses emocionais, desconforto devido ao mal cheiro (em alguns casos).

ERGONM ICOS esforo fsico para a manipulao de sacos, carrinhos, frzeres e cubas contendovsceras formolizadas. Grau de Risco: MDIO

As atividades exigem a movimentao constante do Auxiliar de Autpsia e requer

ACIDENTES

Acidentes com instrumentao cirrgica e/ou perfurocortante, manipulao de carrinhos transportadores e cubas, quedas. Grau de Risco: PEQUENO

A seguir so listadas as medidas de segurana para a Seo de Controle de Exames: Seguir orientaes do POP. Participao em Programas de Educao Postural, de projetos/aes voltadas para a rea de Valorizao Profissional e Qualidade de Vida, capacitaes, melhoria dos processos de trabalho, participar da diviso de tarefas. Nas reas administrativas, usar os corrimes das escadas, cuidar para no deixar fios eltricos, de telefone ou obstculos no caminho; observar avisos quando o piso estiver molhado e demais avisos de segurana. Observar o cumprimento das Medidas Gerais de Segurana . Usar mscara de proteo do tipo purificador de ar no motorizado com pea facial ou semifacial com filtros substituveis durante a manipulao de peas anatmicas em geral. Usar jaleco descartvel, gorro descartvel, culos de proteo, calados fechados preferencialmente impermeveis e luvas cirrgicas descartveis de ltex durante a manipulao de peas anatmicas e demais amostras de materiais, lminas e demais instrumentos do laboratrio. Ter cuidado ao manusear vsceras e secrees de corpos vitimados por envenenamento ou por quaisquer substncias que possam causar leses ou prejuzos sade. Lavar as mos aps o trmino de cada exame ou procedimento (seguir orientaes do item36

Manual de Biossegurana

IML Aristoclides Teixeira

Higienizao das Mos ). vedado o uso de adornos (anis, brincos, correntes) que possam acumular sujeira ou albergar possveis microorganismos patognicos, alm de propiciarem a ocorrncia de acidentes. Proteger ferimentos e mucosas contra o perigo de contaminao. Manter unhas aparadas e limpas. Vedada a guarda ou consumo de alimentos ou bebidas nas reas de trabalho. Manter calendrio de imunizao atualizado. proibida a presena de pessoas estranhas s atividades nos locais destinados a manipulao ou ao armazenamento de materiais destinados aos laboratrios. Os objetos pessoais do servidor devero ser guardados no vestirio. Jamais levar objetos pessoais estranhos ao servio para as reas tcnicas. O material perfurocortante eventualmente utilizado dever ser desprezado em recipiente prprio para este tipo de material (caixas resistentes perfurao e com tampa) que estaro disponibilizadas em locais predeterminados. Os equipamentos de proteo individual de uso duradouro tais como: mscaras de gs, aventais plsticos, culos de proteo, entre outros devero ser guardados nos armrios prprios do vestirio aps um rigoroso processo de higienizao e desinfeco. Em hiptese alguma estes itens podero ser levados para os armrios dos alojamentos. No manuseio de vidros ou sacos contendo produtos qumicos ou amostras biolgicas (rgos, urina, sangue), trate-os como contaminados. Descontaminar previamente qualquer equipamento que esteja sendo encaminhado para manuteno, evitando causar riscos a terceiros. Se possvel identifique o equipamento informando sobre os cuidados necessrios manipulao do mesmo.

3.9

SEO DE CADVER IGNORADO

As atividades desenvolvidas pela Seo de Cadver Ignorado so a organizao de cadastro de informaes referentes aos cadveres no reclamados, os atos necessrios para o sepultamento dos mesmos, a organizao das percias de exumao e o controle do procedimento de doao de corpos s instituies de ensino. TABELA 11 - Levantamento de Riscos da Seo de Cadver Ignorado

FSICOS

Sem riscos identificados.37

Manual de Biossegurana

IML Aristoclides Teixeira

Formol, cido fnico, gases do processo de decomposio (gs sulfdrico, mercaptanos, dixido de carbono, metano, amonaco e fosfina).

QUMICOS

Uso do formol e cido fnico para preparao de corpos no reclamados destinados doao para instituies de ensino e pesquisa. Grau de Risco: MDIO

Contato com sangue, secrees e objetos potencialmente infectados com microorganismos de origem e patogenicidade desconhecida, aerosis expelidos durante a manipulao dos corpos.

BIOLGICOS

Manipulao do corpo nas geladeiras, contato com sangue, vsceras, secrees, vestes e objetos contaminados que acompanham o corpo Grau de Risco: GRANDE

Posturas incorretas, tenses emocionais, desconforto devido ao mal cheiro (em alguns casos).

ERGONM ICOS As atividades exigem a movimentao constante do Auxiliar de Autpsia e requeresforo fsico para a manipulao dos corpos na mesa ou nas geladeiras. Grau de Risco: MDIO

Manipulao de cadveres, macas e bandejes, risco de quedas.

ACIDENTESGrau de Risco: MDIO

A seguir so listadas as medidas de segurana para a Seo de Cadver Ignorado: Seguir orientaes do POP. Participar de Programas de Educao Postural, de projetos/aes voltadas para a rea de Valorizao Profissional e Qualidade de Vida, capacitaes, melhoria dos processos de trabalho, participar da diviso de tarefas. Nas reas administrativas, usar os corrimes das escadas, cuidar para no deixar fios eltricos, de telefone ou obstculos no caminho; observar avisos quando o piso estiver molhado e demais avisos de segurana. Observar o cumprimento das Medidas Gerais de Segurana . Usar mscara de proteo do tipo PFF2 semifacial ou purificador de ar no motorizado com pea facial ou semifacial com filtros substituveis durante a manipulao de cadveres.38

Manual de Biossegurana

IML Aristoclides Teixeira

Usar jaleco descartvel, cala comprida, gorro descartvel, culos de proteo, calados fechados preferencialmente impermeveis e de cor clara e luvas cirrgicas descartveis de ltex durante a manipulao de cadveres. Guardar os equipamentos de proteo individual de uso duradouro tais como: mscaras de gs, aventais plsticos, culos de proteo nos armrios prprios do vestirio aps um rigoroso processo de higienizao e desinfeco. Em hiptese alguma estes itens podero ser levados para os armrios dos alojamentos. Lavar as mos aps o trmino de cada exame ou procedimento (seguir orientaes do item Higienizao das Mos ). vedado o uso de adornos (anis, brincos, correntes) que possam acumular sujeira ou albergar possveis microorganismos patognicos, alm de propiciarem a ocorrncia de acidentes. Proteger ferimentos e mucosas contra o perigo de contaminao. Manter unhas aparadas e limpas. Vedada a guarda ou consumo de alimentos ou bebidas nas reas de trabalho. Mxima ateno durante a realizao dos procedimentos. Manter calendrio de imunizao atualizado. proibida a presena de pessoas estranhas s atividades nas reas tcnicas. Os objetos pessoais devero ser guardados no vestirio. Jamais levar objetos pessoais estranhos ao servio para o laboratrio. SALA DA SECRETARIA

3.10

As atividades desenvolvidas pela Secretaria so redigir, registrar e expedir documentos oficiais (memorandos, ofcios, despachos, entre outros), aps submet-los avaliao e assinatura da Gerncia. TABELA 12 - Levantamento de Riscos da Secretaria FSICOS QUMICOS BIOLGICOS

Sem riscos identificados.

Possibilidade de ocorrncia de posturas incorretas, escassez ou inexistncia de treinamentos, excesso de responsabilidades, surgimento de conflitos, monotonia, ERGONM ICOS entre outros. Grau do Risco: MDIO39

Manual de Biossegurana

IML Aristoclides Teixeira

ACIDENTE

Assim como em qualquer ambiente, existe a possibilidade da ocorrncia de quedas no ambiente de trabalho. Grau do Risco: PEQUENO

A seguir so listadas as medidas de segurana para a Sala da Secretaria: Seguir orientaes do POP. Participar de Programas de Educao Postural, de aes voltadas para a rea de Valorizao Profissional e Qualidade de Vida, capacitaes, melhoria dos processos de trabalho, participar da diviso de tarefas. Nas reas administrativas, usar os corrimes das escadas, cuidar para no deixar fios eltricos, de telefone ou obstculos no caminho; observar avisos quando o piso estiver molhado e demais avisos de segurana. Observar o cumprimento das Medidas Gerais de Segurana . SALA DO CARTRIO

3.11

As atividades desenvolvidas na Sala do Cartrio so a digitao e a montagem dos diversos laudos emitidos pelos mdicos legistas. As atividades incluem as fases de digitao, juntada de documentos, fotos e resultados de exames complementares, envio do laudo para a avaliao e correo do Mdico-Legista, montagem final, arquivamento e expedio dos laudos para as partes interessadas, alm de providenciar a liberao de cadveres reclamados por familiares. TABELA 13 - Levantamento de Riscos do Cartrio FSICOS QUMICOS BIOLGICOS

Sem riscos identificados.

Possibilidade de ocorrncia de posturas incorretas, escassez ou inexistncia de treinamentos, excesso de responsabilidades, surgimento de conflitos, ERGONM ICO monotonia, entre outros.Grau do Risco: MDIO

ACIDENTE

Assim como em qualquer ambiente, existe a possibilidade da ocorrncia de quedas no ambiente de trabalho. Observar o cumprimento das Medidas Gerais de Segurana para as reas Administrativas descritas anteriormente.Grau do Risco: PEQUENO40

Manual de Biossegurana

IML Aristoclides Teixeira

A seguir so listadas as medidas de segurana para a Sala do Cartrio: Seguir orientaes do POP. Participar de Programas de Educao Postural, de projetos/aes voltadas para a rea de Valorizao Profissional e Qualidade de Vida, capacitaes, melhoria dos processos de trabalho, participar da d