manual tracoma 2014c - .Manual de vigil¢ncia do tracoma e sua elimina§£o como causa de cegueira

  • View
    217

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of manual tracoma 2014c - .Manual de vigil¢ncia do tracoma e sua elimina§£o como causa...

Biblioteca Virtual em Sade do Ministrio da Sadewww.saude.gov.br/bvs

Braslia / DF 2014

MINISTRIO DA SADE

Manual de vigilncia dotracoma e sua eliminaocomo causa de cegueira

2 edio revisada do

Manual de Controle do Tracoma

VENDA P

ROIBIDADI

STRIB

UIO

GRATATA UITATAT

Manual de vigilncia do tracoma e sua eliminao

como causa de cegueira2 edio revisada do

Manual de Controle do Tracoma

Braslia / DF 2014

MINISTRIO DA SADESecretaria de Vigilncia em Sade

Departamento de Vigilncia das Doenas Transmissveis

Manual de vigilncia do tracoma e sua eliminao

como causa de cegueira2 edio revisada do

Manual de Controle do Tracoma

2014 Ministrio da Sade.Esta obra disponibilizada nos termos da Licena Creative Commons Atribuio No Comercial Compartilhamento pela mesma licena 4.0 Internacional. permitida a reproduo parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte.

A coleo institucional do Ministrio da Sade pode ser acessada, na ntegra, na Biblioteca Virtual em Sade do Ministrio da Sade: .

Elaborao, distribuio e informaes:

MINISTRIO DA SADE Secretaria de Vigilncia em SadeDepartamento de Vigilncia das Doenas TransmissveisCoordenao-Geral de Hansenase e Doenas em EliminaoSCS Quadra 4, bloco A, Edifcio Principal, 3 andarCEP: 70304-000 Braslia/DFSite: www.saude.gov.br/svsE-mail: tracoma@saude.gov.br

Produo:

Ncleo de Comunicao / GAB / SVS

Elaborao:

Oswaldo Monteiro de Barros Expedito de Albuquerque LunaNorma Helen MedinaRosana Maura Gentil

Impresso no Brasil / Printed in Brazil

Coordenao:

Claudio Maierovitch Pessanha HenriquesJarbas Barbosa da Silva JrRosa Castlia Frana Ribeiro Soares

Reviso da 2 edio:

Expedito de Albuquerque LunaNorma Helen MedinaMaria de Ftima Costa LopesAndreia de Pdua Careli DantasDaniela Vaz Ferreira

Normalizao:

Delano de Aquino Silva Editora MS / CGDI

Reviso:

Eveline de Assis Editora MS / CGDIKhamila Silva Editora MS / CGDI

Capa e diagramao:

Fred Lobo Nucom / GAB / SVS

Ficha Catalogrfica__________________________________________________________________________________________________________

Brasil. Ministrio da Sade. Secretaria de Vigilncia em Sade. Departamento de Vigilncia das Doenas Transmissveis. Manual de vigilncia do tracoma e sua eliminao como causa de cegueira / Ministrio da Sade, Secretaria de Vigilncia em Sade, Departamento de Vigilncia das Doenas Transmissveis. 2. ed. Braslia : Ministrio da Sade, 2014. 52 p. : il.

Segunda edio do livro Manual de Controle do Tracoma.

ISBN 978-85-334-2132-5

1. Tracoma. 2. Vigilncia epidemiolgica. 3. Cegueira. I. Ttulo.

CDU 617.7_________________________________________________________________________________________________________________________ Catalogao na fonte Coordenao-Geral de Documentao e Informao Editora MS OS 2014/0079

Ttulos para indexao:

Em ingls: Trachoma surveillance manual and its elimination as a cause of blindnessEm espanhol: Manual de vigilancia del tracoma y su eliminacin como causa de la ceguera

Tiragem: 2 edio 2014 10.000 exemplares

S U M R I O

1 ApReSentAO 7

2 ObjetIvO 7

3 DeScRIO 7

4 HIStRIcO e DIStRIbUIO 8

5 O tRAcOMA nO bRASIl 8

6 ASpectOS epIDeMIOlgIcOS 14

6.1 Agente etiolgico 14

6.2 Fonte de infeco e reservatrio 15

6.3 Modo de transmisso 15

6.4 Perodo de incubao e suscetibilidade 15

7 ASpectOS clnIcOS 16

7.1 Quadro clnico 16

7.2 Diagnstico do tracoma 17

7.3 Diagnstico laboratorial 20

7.4 Diagnstico diferencial 22

7.5 Prognstico 22

8 tRAtAMentO 23

8.1 Contraindicao do tratamento com a Azitromicina 23

8.2 Alternativas de tratamento medicamentoso 23

8.3 Estratgias de tratamento 24

8.4 Tratamento do caso e seus comunicantes 24

8.5 Tratamento coletivo em escolares 25

8.6 Tratamento coletivo 25

8.7 Tratamento cirrgico 25

8.8 Controle do tratamento 25

8.8.1 Tratamento domiciliar 25

8.8.2 Tratamento coletivo 25

8.8.3 Tratamento cirrgico 26

8.9 Critrios de alta 26

8.10 Recidiva do caso 26

8.11 Reinfeco 26

Secretaria de Vigilncia em Sade/MS

9 vIgIlncIA epIDeMIOlgIcA 27

9.1 Definio de caso 27

9.1.1 Caso suspeito 27

9.1.2 Caso confirmado 27

9.2 Investigao epidemiolgica 28

9.2.1 Investigao domiciliar 28

9.2.2 Investigao em instituies educacionais 28

9.2.3 Investigao na comunidade 29

9.3 Sistema de informao 29

9.3.1 Fluxo de dados 30

10 MeDIDAS De cOntROle pARA A elIMInAO DO tRAcOMA cOMO cAUSA De cegUeIRA

30

10.1 Medidas relativas fonte de infeco 31

10.2 Medidas referentes s vias de transmisso 31

10.3 Medidas em relao ao novo hospedeiro 31

10.4 Medidas de vigilncia epidemiolgica e de controle para a eliminao do tracoma como causa de cegueira

31

11 InDIcADOReS 32

11.1 Indicadores operacionais 32

11.2 Indicadores epidemiolgicos 32

11.3 Indicadores de monitoramento da eliminao do tracoma como causa de cegueira

33

11.3.1 Indicadores de atividades 33

12 eDUcAO eM SADe 34

13 AtRIbUIeS eSpecFIcAS DOS pROFISSIOnAIS De AtenO bSIcA/SADe DA FAMlIA nO cOntROle DO tRAcOMA

36

13.1 Atribuies dos profissionais da Ateno Bsica 36

13.1.1 Do agente comunitrio de sade (ACS) 36

13.1.2 Do agente de controle de endemias (ACE) 37

13.1.3 Do mdico 37

13.1.4 Do enfermeiro 37

13.1.5 Do tcnico de Enfermagem 38

ReFeRncIAS 39

AneXOS 41

Manual de vigilncia do tracoma e sua eliminao como causa de cegueira

7

1 Apresentao

O tracoma compe o grupo de doenas relacionadas pobreza que ocorrem com grande carga nas populaes mais vulnerveis, em termos de desigualdades sociais e que persistem, apesar de instrumentos e ferramentas disponveis para o seu controle.

A Organizao Mundial de Sade (OMS) preconiza a eliminao do tracoma como causa de cegueira no mundo. Para atender ao compromisso de eliminao da doena fundamental a adoo de prticas de vigilncia e controle que ampliem o conhecimento de situao epidemiolgica dirigidas s populaes mais vulnerveis, para a identificao de espaos geogrficos de maior risco, promover um maior acesso ao diagnstico, ao tratamento e s aes educativas para a preveno.

O impacto para se atingir a eliminao requer a integrao de medidas articuladas de interveno, em conjunto com as demais doenas relacionadas pobreza. tambm fundamental a adoo de polticas pblicas intersetoriais que contemplem melhorias nas condies de saneamento bsico e no meio ambiente.

Espera-se com a presente publicao, revisada no ano de 2013, contribuir no fortalecimento para ampliao de aes estratgicas da vigilncia epidemiolgica e controle do tracoma, no mbito dos servios de ateno sade, com vistas diminuio da morbidade e eliminao deste agravo, enquanto causador de cegueira evitvel.

2 Objetivo

Normatizar as atividades de vigilncia e o controle do tracoma com vistas eliminao da doena, enquanto causa de cegueira, e fornecer as informaes e os subsdios necessrios ao planejamento, execuo e avaliao dessas atividades.

3 Descrio

O tracoma uma afeco inflamatria ocular crnica, uma ceratoconjuntivite crnica recidivante, que em decorrncia de infeces repetidas, produz cicatrizes na conjuntiva palpebral, podendo levar formao de entrpio (plpebra com a margem virada para dentro do olho) e triquase (clios invertidos tocando o olho). As leses resultantes desse atrito produzem alteraes na crnea, que podem resultar em baixa da acuidade visual e cegueira.

8

Secretaria de Vigilncia em Sade/MS

4 Histrico e distribuio

O tracoma continua a ser uma das doenas de maior disseminao no mundo. A Organizao Mundial da Sade estimou a existncia de 21 milhes de pessoas no mundo com o tracoma ativo, 8 milhes com triquase tracomatosa e em torno de 1,3 milho de cegos devido doena.

O tracoma reconhecido milenarmente como uma importante causa de cegueira. Referncias a sua ocorrncia foram encontradas desde os primeiros registros humanos, em diferentes civilizaes e momentos histricos, tais como na China (sculo XXVII a.C.), Sumria (sculo XXI a.C.), Egito (sculo XIX a.C.), Grcia (sculo V a.C.) e Roma (sculo I a.C.).

Na Idade Mdia, a doena era abundante no Mundo Islmico e na Grcia. Com as guerras e as grandes migraes, o tracoma foi disseminado para o restante da Europa, onde se tornou endmico. A partir da Europa, foi introduzido pela colonizao no Continente Americano. Na segunda metade do sculo XIX e no incio do sculo XX, o tracoma achava-se amplamente disseminado em todo o mundo. No decorrer do sculo XX, com a melhoria das condies de vida, consequente industrializao e ao desenvolvimento econmico, desapareceu da Europa, da Amrica do Norte e do Japo.

No entanto, o tracoma continua a ser um importante problema de sade pblica, enquanto causa de morbidade, deficincia visual e cegueira em grande parte dos pases subdesenvolvidos, principalmente na frica, no Oriente Mdio, no Subcontinente Indiano e no sudoeste da sia. O tracoma existe tambm, em menores propores, na Amrica Latina e na Oceania.

5 O tracoma no brasil

O tracoma no existia entre as populaes nativas do Continente Americano. A doena foi trazida pela colonizao e imigrao eur