Maquetas espa±ol n 17.qxd (Page 1) - segib.org .a rvore da escravatura.â€‌ Com estas palavras,

  • View
    214

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of Maquetas espa±ol n 17.qxd (Page 1) - segib.org .a rvore da escravatura.â€‌...

  • IBEROAMRICA

    Boletim da Secretaria-Geral Ibero-

    EmMarcha

    4

    Trimestre

    de 2011Americana

    I Encontro AfroXXI reali-zado entre 16 e 19 de

    novembro em Salvador da Baa,foi um xito maior do que espera-do por todos, e, certamente, farparte da histria da luta contra oracismo e pela igualdade racial naAmrica Latina e na Ibero-Amrica.

    Conseguiu-se montar um grandeevento com xito, no qual partici-param mais de 2500 pessoas de 33pases da Amrica, frica eEuropa. Graas a este esforo,conseguimos o mais difcil: a con-fiana dos movimentos sociais detoda a Ibero-Amrica que lutamcontra o racismo, e um excelente

    dilogo com os governos para quese empenhassem no bom resulta-do desta celebrao.

    Passa para a pgina 8

    EN ESTE NMERO

    www.segib.org

    AFROXXI histrico pactoregional pela igualdade racial

    O esquerda, um momento da inaugurao dascerimnias do Encontro de Afro-descendentes.Sobre estas linhas o que aconteceu no Palciode Rio Branco, em Salvador. Da esquerdapara a direita, o Presidente do Uruguai, Jos Mujica, o Governador do Estado da Baa,Jaques Wagner e a Presidente do Brasil, Dilma Rousseff.

    Resultados da XXI Cpula de Assuno 3

    VII Encontro Cvico Ibero-Americano 4

    Programa Ibero-Americano de Alto Governo 5

    Prmios Ibero-Americanos 2011 6

    Programas Ibero-Americanos aprovados na Cpula de Assuno 7

    II Encontro sobre Idosos 8

    Encontro Afro-descendentes 10

    Seminrio sobre Alteraes Climticas 13

    Criao da Rede Ibero-Americana dePreservao do Patrimnio Sonoro 19

    Reunio Inter-governamental doPrograma TEIB 20

    Enrique V.Iglesias

    Secretrio-Geral

    Ibero-Americano

    Uni-vos, irmos, e lutemos pelamesma causa. Arrancai de raiz comigoa rvore da escravatura. Com estaspalavras, Dominique Toussait-Louverture ergueu-se no dia 29 deagosto de 1793 para encabear a revo-luo haitiana. Deu a sua vida para queoutros, muitos outros, fossem ganhan-do a dignidade dos homens livres.

    O dia 2 de dezembro foi o Dia interna-cional para a abolio da escravatura.E fez mais sentido do que nunca nesteano 2011 em que comemoramos oAno Internacional da Afro-descendn-cia.

    Para contribuir com o seu gro deareia, a SEGIB promoveu a CpulaIbero-Americana Afro-XXI, que se cele-brou entre 17 e 19 de novembro emSalvador da Baa, Brasil. Conseguimosum grande apoio institucional ao contar,entre outros, com a Presidente doBrasil, Dilma Roussef, e o Presidentedo Urugai, Jos Mujica.

    Os 16 pases participantes criaram oFundo ibero-americano a favor dosAfro-descendentes para financiar proje-tos dedicados preservao da cultu-ra, da memria e das tradies africa-nas.

    Calcula-se que cerca de 200 milhesde afro-descendentes vivem naAmrica Latina e Caribe. Para conhe-cer com preciso a sua presena tam-bm se criou o Observatrio de DadosEstatsticos sobre os Afro-descenden-tes.

    Durante a reunio do Brasil, em queparticiparam mais de duas mil pessoas,decidiu-se, por fim, continuar a apostarna educao como elemento impres-cindvel para lutar contra os preconcei-tos e a xenofobia. uma dvida histri-ca para com a nossa populao afro-descendente.

    No Ano dos Afro-descendentes

    Siga-nos no

    facebook

  • XXI Cpula Ibero-Americana realizada em

    Assuno, Paraguai, em 28 e 29 deoutubro passado, deixa-nos comouma das suas principais contribui-es a discusso gerada em tornoda Transformao do Estado eDesenvolvimento, tema propostopelo Presidente do Paraguai,Fernando Lugo, como eixo centralda Cpula.

    As intervenes dos Chefes deEstado e de Governos centraram-se precisamente, durante a sessoplenria, sobre alguns dos aspetosdas polticas pblicas levadas acabo para implementar aes con-cretas de reforma do Estado, espe-cialmente no que diz respeito necessidade de fortalecer a capaci-dade reguladora do mbito econ-mico e financeira por parte dosEstados como requisito indispen-svel para manter um crescimentoequitativo e resguardar as polticassociais de incluso e coeso social,particularmente em pocas decrise.

    Da crise que afeta to significati-vamente os mais pases mais des-envolvidos falaram tambm osmandatrios ibero-americanos nasesso de retiro, ocasio na qual oschefes de Governo de Espanha ePortugal se referiram ao alcancedas medidas propostas no quadrodo Conselho Europeu para superara crise.

    Em todo o caso, a Declarao deAssuno, aprovada pelos Chefesde Estado e de Governo, no final

    da Cpula, apresenta o sentido doriqussimo debate que se realizouao longo do ano tanto nas reuniespreparatrias de CoordenadoresNacionais e de Responsveis deCooperao, nos seminrios tem-ticos realizados em Madrid,Mxico e Assuno, nas ReuniesMinisteriais e nos FrunsParlamentares e de GovernosLocais e nos Encontros Cvico eEmpresarial.

    O Seminrio de Reflexo sobreTransformao do Estado eDesenvolvimento, de Assuno,organizado pela Secretaria-GeralIbero-Americana e pelaSecretaria Pro Tempore doParaguai, contou com a presenade especialistas de vrios organis-mos internacionais, como o BID,o Banco Mundial, o PNUD, aCAF, a FLACSO, AECID, oCLAD, a FIIAPP, o ProgramaIbero-Americano Proterritorios eo Instituto Complutense deEstudos Internacionais. OSeminrio sobre Poltica Fiscaldesenvolvido no Mxico teveapoio do governo desse pas, daCEPAL e da OCDE.

    O propsito destes Seminrios foicontribuir para definir o quadro dediscusso, e, sobretudo, o possvelmbito de aplicao das propostasque possam resultar do debate emreas como gesto pblica, regula-o econmica, planificao estra-tgica, pacto fiscal, descentraliza-o, servio pblico, participaocidad, luta contra a pobreza, equi-dade e polticas de redistribuio,

    investimento social e despesapblica, associaes pblico-pri-vadas ou governo eletrnico.

    A Declarao de Assuno renepois todos os compromissos assu-midos pelos chefes de Estado e deGoverno e estabelece um quadrode referncia geral sobre as polti-cas pblicas que os estados aspi-ram a implementar, num processode longo alcance, sempre de acor-do com as suas possibilidades eno mbito do seu quadro constitu-cional. Por isso, a Declarao deAssuno postula que a transfor-mao do estado um processocontnuo e constante, com carac-tersticas particulares em cadapas.

    Entre os seus pontos mais desta-cados, e assumindo uma impor-tante distncia da Declarao deVia del Mar de 1996, que postu-lava uma viso quase neutra dopapel do Estado perante a aodos mercados, a Declarao deAssuno reconhece a necessida-de de fortalecer o papel doEstados na conduo da estrat-gia de desenvolvimento integral,em defesa da democracia e dagovernabilidade, na promoo daigualdade, na justia social e nagarantia e expanso dos direitosdos cidados.

    Alm disso, a Declarao deAssuno sustem que as polticasfiscais podem contribuir de formasignificativa para conseguir equi-dade distributiva, o aumento dacobertura e melhoria da qualidade

    e do acesso aos servios pblicos,e inclusivamente compromete osEstados na promoo de altera-es progressivas nas estruturas tri-butrias para assegurar uma rela-o equilibrada entre a presso tri-butria e a utilizao dos recursospblicos que redunde a favor deuma redistribuio equitativa dorendimento.

    O contedo da declarao umpasso importantssimo na consoli-dao em toda a regio de polticasfiscais que redundem, por umlado, no fortalecimento do Estadoe, por outro, na capacidade de aodos estados em benefcio dos cida-dos.

    Isto ajudar a determinar, a mdioe a longo prazo, um maior equil-brio na carga fiscal, a diminuioda dependncia dos estados relati-vamente aos seus recursos estrat-gicos, e o aumento da sua capaci-dade de investimento e redistribui-o.

    Assuno deu sinais significativostambm da recuperao do papeldo Estado nos processos de plani-ficao compreensiva e estratgiade curto, mdio e longo prazo,que articulem polticas pblicasde acordo com as necessidadesnacionais e no estabelecimentode mecanismos, objetivos e verifi-cveis de medio, seguimento eavaliao de prestao de serviospblicos sujeitos ao controlo doscidados.

    Para alm das diferenas ideolgi-

    IBERO-AMRICA Em Marcha 4 Trimestre 2011

    2

    Cpula de Assuno

    ATransformao do Estado e Desenvolvimento:objetivos de longo alcance

  • cas e dos matizes que possam exis-tir entre os governos ibero-ameri-canos, existe um significativo con-senso relativamente necessidadede contar com estados e institui-es fortes, eficientes e eficazes comas quais se possa fazer frente sdificuldades que atravessam agoraou tenham atravessado num passa-do no to longnquo. E assimpoder cumprir as exigncias deuma cidadania cada vez maisconsciente dos seus deveres, mastambm dos seus direitos, entre osquais est, cada vez com maiornotoriedade, o direito a participarna tomada de decises.

    IBERO-AMRICA Em Marcha4 Trimestre 2011

    3

    Cpula de Assuno

    Resultados da XXI Cpula Ibero-Americana de Assunos dirigentes da ComunidadeIbero-Americana expressaram o

    seu agradecimento unnime aoPresidente Fernando Lugo e ao Governodo Paraguai pela esplndida organiza-o da Cpula que se celebrou emAssuno entre 28 e 29 de outubro ecujos resultados mais relevantes foram:

    Debate sobre a crise. Durante o seuretiro, os Chefes de Estado e de Governocontriburam com uma srie de reflexessobre, entre outras coisas, o diagnsticoprecoce da crise, a aplicao de progra-mas integrais, as medidas relacionadascom a liquidez, as polticas de apoio recuperao, o problema da falta de con-fiana, o possvel contgio, a eficinciana tomada de decises ou a reviso dosmecanismos institucionais que acelerema sada da crise.

    A Transformao do Estado e oDesenvolvimento. Sobre o tema centralda Cpula, a Declarao de Assuno

    enumera os compromissos de redefinir opapel do Estado como regulador da eco-nomia; um Estado que necessita derecuperar a capacidade de planificar aspolticas pblicas e orientar a sua reformapara o desenvolvimento social, luta con-tra a pobreza, educao, sanidade, infr