Maré Cheia nº 73

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Agenda de Eventos no Concelho da Moita

Text of Maré Cheia nº 73

  • MARCHEIAagenda de eventos no concelho da moita

    www.cm-moita.pt

    JAN

    EIR

    O 2

    010

    73PICOTAD

    Oleve-m

    e consigo

    JANEIRO 2010

    73

    Este suplemento faz parte integrante da A

    genda de Eventos do Concelho da M

    oita MA

    RC

    HEIA

    PROGRAMA MENSAL

    OLHAR O CU

    H bons motivos para olhar o cu nocturno em Janeiro. Se no houver nuvens, logo no incio do Novo Ano, pode observar as estrelas candentes que estaro no mximo da sua intensidade

    nos dias 3 e 4; so as Quadrntidas, luminosos meteoros ou restos de um cometa extinto que se cruzam com a Terra.No fi nal do ms, a Lua Cheia a mais famosa do calendrio: No h luar como o de Janeiro, l diz a tradio popular

  • CAIXA DE SUGESTES:Se tem informaes que queira partilhar, se pretende contribuir com sugestes para a melhoria contnua da Mar Cheia ou receber mensalmente a edio impressa em sua casa, contacte-nos atravs dos endereos marecheia@mail.cm-moita.pt ou Diviso de Informao e Relaes Pblicas - Cmara Municipal da Moita, Praa da Repblica, 2864-007 Moita.A Cmara Municipal da Moita reserva-se o direito de selecionar a informao a divulgar, de acordo com os critrios editoriais.A programao divulgada pode ser alterada por motivos imprevistos.

    MARCHeIAagenda de eventos no concelho da moita

    www.cm-moita.pt

    JAn

    eIR

    O 2

    010

    73PICOTAD

    Oleve-m

    e consigo

    JANEIRO 2010

    73

    Este suplemento faz parte integrante da A

    genda de Eventos do Concelho da M

    oita MA

    RC

    HEIA

    PROGRAMA MenSAl

    OLHAR O CU

    H bons motivos para olhar o cu nocturno em Janeiro. Se no houver nuvens, logo no incio do Novo Ano, pode observar as estrelas candentes que estaro no mximo da sua intensidade

    nos dias 3 e 4; so as Quadrntidas, luminosos meteoros ou restos de um cometa extinto que se cruzam com a Terra.No fi nal do ms, a Lua Cheia a mais famosa do calendrio: No h luar como o de Janeiro, l diz a tradio popular

    tem a palavra 3 | o ms de 4_7 | vai acontecer msica | dana | exposies | livros | cinema | actividades para crianas | outros eventos 8_9 | a escolha de... 10_11| cumplicidades apetece ler | ir em cantigas | 7 arte| distncia de um clique 12_13 | aqui to perto 14_15associativismo 16_17 | sabores & saberes 18| utilidades contactos | calendrio | aprender 19_23| picotado (leve-me consigo) destacvel

    TTU

    LO: M

    ar

    Che

    ia -

    Age

    nda

    de E

    vent

    os n

    o C

    once

    lho

    da M

    oita

    EDI

    O

    : Cm

    ara

    Mun

    icip

    al d

    a M

    oita

    CO

    OR

    DEN

    A

    O

    DA

    ED

    I

    O, R

    EDA

    C

    O

    E F

    OTO

    GR

    AFI

    A: D

    ivis

    o d

    e In

    form

    ao

    e R

    ela

    es

    Pb

    licas

    PR

    OJE

    CTO

    GR

    FI

    CO

    : Edg

    ar M

    elit

    oC

    OLA

    BO

    RA

    O: D

    epar

    tam

    ento

    de

    Ass

    unto

    s So

    ciai

    s e

    Cul

    tura

    ; Dep

    arta

    men

    to d

    e A

    mbi

    ente

    e S

    ervi

    os

    Urb

    anos

    ; D

    ivis

    o d

    e A

    ctiv

    idad

    es E

    con

    mic

    as e

    Tur

    ism

    oA

    GR

    AD

    ECIM

    ENTO

    S: J

    os

    Mar

    iano

    , Div

    iso

    de

    Salu

    brid

    ade

    e A

    mbi

    ente

    /CM

    M; C

    oman

    dant

    e C

    arlo

    s P

    icad

    o/A

    ssoc

    ia

    o H

    . dos

    Bom

    beir

    os V

    . da

    Moi

    ta; P

    roje

    cto

    Set

    bal

    Pen

    nsu

    la D

    igita

    l/A

    MR

    S; G

    rupo

    O

    s In

    defe

    ctv

    eis

    ; R

    esta

    uran

    te

    O M

    arti

    mo

    IMP

    RES

    SO

    : Tip

    ogra

    fia B

    elgr

    fica

    Esta

    pub

    lica

    o u

    tiliz

    a pa

    pel r

    ecic

    lado

    , pr

    oduz

    ido

    por

    empr

    esa

    cert

    ifica

    da s

    egun

    do

    as n

    orm

    as IS

    O 9

    001

    e IS

    O 1

    4001

    .(C

    erti

    fica

    es

    de s

    iste

    mas

    de

    Ges

    to

    de

    Qua

    lidad

    e e

    sist

    emas

    de

    Ges

    to

    Am

    bien

    tal)

    CU

    IDE

    DO

    MEI

    O A

    MB

    IEN

    TE

    TIR

    AG

    EM: 1

    5.00

    0 Ex

    .P

    ERIO

    DIC

    IDA

    DE:

    Men

    sal

    ISSN

    164

    7-18

    57VE

    RS

    O O

    N-L

    INE:

    ww

    w.c

    m-m

    oita

    .pt

    DIS

    TRIB

    UI

    O

    GR

    ATU

    ITA

    ndice

    MISSO: Divulgar a programao municipal e as potencialidades ldicas e culturais do concelho da Moita, contribuindo para aproximar os cidados do Municpio.

    VISO: Valorizar a identidade cultural do concelho da Moita, promover a participao e a cidadania e contribuir para a coeso social na comunidade.

    Capa: Laranja-Limo produzida na Moita

  • JOO MANUEL DE JESUS LOBOPRESIDENTE DA CMARA MUNICIPAL DA MOITA

    No incio de cada Novo Ano, costume enaltecer os valores universais, renovar objectivos ou reformular os que no se

    conseguiram atingir. Nos votos proferidos, no faltam as palavras Solidariedade, Amizade, Justia, Paz. Difcil depois passar

    esses valores prtica, sobretudo por parte daqueles que mais responsabilidades tm a nvel mundial.

    nossa pequena escala, temos a certeza de que esses valores fundamentais so para estimar nos 365 dias de cada ano, ainda que cada dia que passe se torne num novo desafio, face s dificuldades de carcter scio-econmico e mesmo de sustentabilidade ambiental com que a sociedade se debate actualmente.Em 2010 o Ano Internacional da Biodiversidade o Municpio da Moita vai continuar a olhar pelas nossas margens e esteiros do Tejo (uma das maiores reservas de biodiversidade da Europa), prosseguindo o slido trabalho que tem vindo a ser desenvolvido no domnio da educao e sensibilizao ambiental junto da comunidade educativa, integrando, na sua actividade regular, diversas iniciativas que podem marcar a diferena e contribuir para um mundo melhor.Junte-se a ns nesta e noutras boas causas para 2010!

    3

  • o m

    s d

    e ...

    4A

    no

    Inte

    rnA

    cIo

    nA

    l d

    A B

    Iod

    Iver

    sId

    Ad

    e

  • 2010 O AnO InternACIOnAl dA BIOdIVerSIdAde

    O mundo confronta-se com a perda da sua biodiversidade nmero, variedade e variabilidade de organismos vivos a cada dia que passa. As alteraes nos habitats naturais provocadas por sistemas intensivos de produo agrcola, a construo civil e as indstrias extractivas, a explorao

    excessiva das florestas, dos oceanos, rios e lagos, a poluio e as alteraes climticas so as principais causas deste desastre escala planetria.

    UM MUndO MAIS pOBre A CAdA dIA qUe pASSA

    O que comemos, o que fazemos diariamente e a maneira como vivemos tm impacto directo ou indirecto na natureza e sobre as diferentes espcies de animais e plantas. Prev-se que a perda de biodiversidade acelere cerca de 10 vezes mais at 2050. A alimentao humana tal como a conhecemos, as curas para algumas doenas por descobrir, a qualidade do ar e da gua esto postas em causa, definitivamente.Alm das medidas j tomadas por organismos internacionais e pelos governos nacionais, urgente pr em prtica um conjunto de aces para travar a perda de biodiversidade, pois ainda possvel inverter esta tendncia e salvar algumas das muitas espcies de animais e plantas em vias de desaparecimento e com elas todo o patrimnio de diversidade, papis e funes insubstituveis, essenciais continuao da vida na Terra.

    Biodiversidade: Agir antes que seja tarde

  • ACeS InternACIOnAIS pArA trAVAr A perdA dA BIOdIVerSIdAde:

    Conveno das Naes Unidas sobre a Diversidade Biolgica (enquadra a aco a nvel mundial);

    Na Cimeira Mundial da ONU sobre Desenvolvimento Sustentvel, que decorreu em 2002 em Joanesburgo, os governos comprometeram-se a reduzir significativamente a taxa de perda de biodiversidade at 2010;

    A Unio Europeia tem legislado e tomado algumas medidas, desde 1970, para preservar a biodiversidade e estabeleceu tambm o objectivo de travar a perda de biodiversidade no seu territrio at 2010.

    A nVel lOCAl

    Sensibilizada para esta questo, a Cmara Municipal tem vindo a desenvolver o BIO-LOCAL - Diversidade de Aces Locais para a Biodiversidade, um projecto agregador de diversas iniciativas de sensibilizao para a biodiversidade, realizadas a nvel local, que envolve diversos parceiros da sociedade civil, com o intuito de promover uma conscincia activa e atitudes pro-biodiversidade junto do pblico escolar e dos consumidores.

    O BIO-LOCAL actua, essencialmente, em trs vertentes:

    Biodiversidade local e regional Procura-se dar a conhecer, em parceria com a Quercus Associao Nacional de Conservao da Natureza, a biodiversidade existente no concelho da Moita e na regio envolvente, junto das Escolas do 2 e 3 ciclos, atravs de visitas de campo, para que os alunos fiquem a conhecer melhor a zona ribeirinha, os diferentes habitats e a sua relao com a actividade humana, a fauna e a flora;

    Consumo e biodiversidade So realizadas aces de sensibilizao junto dos muncipes, enquanto consumidores, em parceria com a Fenacoop - Federao Naci