Mrio€Campos, Pedro Paulo Depr, Ren© Brenzikofer ... mario@fef. € UNICAMP€ Cineantropometria

  • View
    223

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of Mrio€Campos, Pedro Paulo Depr, Ren© Brenzikofer ... mario@fef....

  • Rev. bras. Educ. Fs. Esp., So Paulo, v.20, p.303-331, set. 2006. Suplemento n.5. 303

    XI Congresso Cincias do Desporto e Educao Fsicados pases de lngua portuguesa

    343

    ADAPTAES GEOMTRICAS DA COLUNA VERTEBRAL,NO PLANO FRONTAL, DURANTE A MARCHAMrio Campos, Pedro Paulo Depr, Ren Brenzikofer mario@fef.unicamp.br UNICAMP

    Cin

    ea

    ntr

    op

    om

    etr

    ia e

    De

    se

    nv

    olv

    ime

    nto

    Mo

    tor

    ALTERAES DA COMPOSIO CORPORAL EM ATLETASPRATICANTES DO FUTEBOL DE CAMPOValter Silva, Cesar Augusto Ferraz Martins,Patricia Berbel Leme de Almeida patriciaberbel@pop.com.br Fac. Educao Fsica, ACM de Sorocaba

    ANLISE ANTROPOMTRICA DA SELEO BRASILEIRA DE VOLEIBOLINFANTO-JUVENILMarcos Augusto Rocha, Luiz Cludio Reeberg Stanganelli,Valdir Jos Barbanti rocha@uel.br UEL; USP

    ANLISE DA DENSIDADE SSEA: QUAL STIO UTILIZAR?Maria Ftima Glaner, Renato Andr Sousa da Silva mfglaner@pos.ucb.br UCB

    Introduo: O diagnstico funcional da coluna lombar pode ser realizado atravsda anlise quantitativa da coluna durante o movimento. Neste contexto,salientamos a escassez de estudos que proporcionem descries detalhadas dacinemtica vertebral durante a locomoo. No presente trabalho, descrevemosas adaptaes geomtricas da regio lombar da coluna vertebral, no planofrontal, durante a marcha. Material e Mtodo: Quatro homens participaramvoluntariamente do estudo (caractersticas da amostra: 60 a 70 kg, 30 a 42anos, 1,65 a 1,75 m). Os voluntrios caminharam em uma esteira ergomtricaregulada em 1,2 m/s. Utilizando o mtodo proposto por BRENZIKOFER et al.(2000), quantificamos as curvas da coluna vertebral de cada voluntrio ao longode 15 passadas completas, informaes que foram sobrepostas para formaode um ciclo padro de passada. Dois componentes cinemticos foramidentificados: a Curva Neutra e o Componente Oscilatrio. A Curva Neutrafoi definida como a curvatura mdia das posturas dinmicas apresentadasdurante o ciclo da marcha (CAMPOS et al., 2005). O Componente Oscilatriofoi calculado pela subtrao da Curva Neutra de cada uma das curvas medidasao longo do ciclo da locomoo e analisado atravs de inspeogrfica.Resultados: No plano frontal, a coluna lombar de todos os sujeitosapresentou duas regies, superior e inferior, com oscilaes da curvatura emoposio de fase. No incio do passo direito o Componente Oscilatrio naregio inferior (em torno de L5) apresentou concavidade para direita, enquantoque na regio superior (L1), concavidade para esquerda. Durante o 1 apoioduplo observamos a inverso da concavidade superior e no 1 apoio simples,uma inverso da concavidade inferior. J no passo esquerdo, ocorreram osmesmo fenmenos, em sentidos opostos. A regio intermediria da colunalombar caracterizou-se como uma zona de transio entre estescomportamentos. Concluso: O mtodo utilizado possibilitou uma anlisedetalhada e indita das adaptaes geomtricas da regio lombar durante amarcha.

    O exerccio fsico contribui para estimular o aumento da estatura, melhorar o controledo peso corporal, aumentar a fora e hipertrofia muscular, e melhorar a resistnciacardiorrespiratria. Ao estimular as crianas a praticarem regularmente exercciosfsicos, possibilita-se a estas alcanarem uma melhor condio fsica, evitar obesidadee sedentarismo, fato que lhes permitir um melhor rendimento nas tarefas dirias, eprevenir doenas hipocinticas. Com isso, o objetivo do presente estudo foi analisaras alteraes da composio corporal em atletas praticantes de futebol de campo.Para tanto, foram avaliados 189 atletas, do sexo masculino, na faixa etria de 6 a 15anos. Foram mensurados peso corporal, estatura, massa magra e gordura relativa.Para anlise dos dados foi utilizado estatstica descritiva e anlise de varincia ANOVAone-way (p< 0,05). Em relao ao peso corporal observou-se uma tendncia crescentecom o passar das idades, porm, aos 9 anos houve um aumento significante dopeso em relao aos 10 anos. Aos 14 anos, durante o perodo da puberdade, observou-se tambm um aumento significante do peso corporal quando comparado com osatletas de 15 anos. A estatura apresentou uma tendncia crescente com o passar dasidades, sendo que dos 7 para os 8 anos, dos 8 para os 9 anos e dos 9 para os 10 anosesse aumento foi significante. Tambm houve aumento significante dos 11 para os12 anos, dos 12 aos 13 anos e dos 14 aos 15 anos. Em relao massa corporalmagra observou-se uma tendncia crescente com o passar das idades, porm, aos10 anos houve um aumento significante, e a partir da um aumento crescente at os14 anos. Aos 15 anos, durante o perodo da puberdade, observou-se tambm umaumento significante da massa magra. Na gordura relativa, observou-se umairregularidade com o aumento de idade, ou seja, dos 6 aos 9 anos houve um aumentolinear; aos 10 anos observou-se um pico dos valores dessa varivel; dos 11 aos 15anos houve uma reduo da quantidade de gordura, porm, essas alteraes noforam estatisticamente significantes. Somente aos 14 anos observou-se uma reduosignificante dessa varivel em relao aos 13 anos. De acordo com os resultadosencontrados, concluiu-se que as alteraes da composio corporal em atletas defutebol de campo foram positivas, pois o aumento de peso corporal foi acompanhadopelo aumento de massa magra, sendo que a gordura corporal apresentou umcomportamento diferenciado.

    O objetivo deste estudo foi o de verificar e comparar as caractersticasantropomtricas do voleibol brasileiro infanto-juvenil masculino, na tentativade identificar um perfil antropomtrico para a categoria. A amostra foi compostapor atletas das selees brasileiras com idade at 18 anos (infanto-juvenil), nosanos de 1995 (n=13), 1997 (n=17), 1999 (n=17), 2001 (n=13), 2003 (n= 21) e2005 (n= 13). Os dados foram coletados nas fases de preparao para oscampeonatos mundiais. As variveis analisadas foram, estatura (m), peso (kg),espessura de dobras cutneas (mm) do trceps (DCTRIC), subescapular(DCSES), suprailaca (DCSIL), panturrilha (DCPAN) e abdome (DCABD),dimetros sseos (cm) do fmur (DIAF) e mero (DIAUM), circunferncias(cm) de bceps (CIRCBI) e panturrilha (CIRCPAN). O modelo estatsticoutilizado foi a ANOVA seguido do teste Tukey, com nvel de significncia dep= 0,05. Os resultados demonstrados em valores mdios apresentaramhomogeneidade para as variveis de estatura, peso, IMC, dimetro de fmur ecircunferncia de panturrilha em todos os anos. Porm, apresentaram diferenassignificativas as variveis DCTRIC entre os anos 1995 (9.66) e 2001 (6.66),DCSES tambm nos anos 1995 (9.97) e 2001 (8.05), DCSIL entre os anos2001 (8.91) e 2003 (12.61) e 1995 (7.75) e 2003 (12.61). A varivel DCPANapresentou diferenas entre os anos 1997 (8.52) e 2001 (5.84) e 1995 (8.35) e2001 (5.84). Tambm houve diferenas na varivel DCABD entre 2001 (7.84),com os anos de 1995 (11.48), 1997 (11.41) e 2003 (10.39). As variveis deDIAUM tambm apresentaram diferenas entre o ano de 1995 (6.80) e osanos de 1999 (7.45), 2001 (7.48), 2003 (7.32) e 2005 (7.53), e finalmente avarivel CIRCBI apresentou diferenas significantes entre os anos 1999 (33.98)e 2003 (31.86), 1997 (31.74) e 2005 (34.76), e 2003 (34.76) e 2005 (34.76).Aparentemente os resultados demonstraram que a equipe de 2001 apresentoundices mais desejveis, no entanto, estes resultados podem ser frutos doprocesso de treinamento ou mesmo da potencialidade do prprio gruposelecionado. Ainda assim, estes dados no deixam de ser consideradosreferenciais para a categoria.

    Estudos apontam a manuteno ou aumento da densidade ssea (DO) decorrentede programas de exerccio fsico, alimentao e uso de frmacos. A DO geralmente medida em diferentes stios. Porm, faltam informaes a respeito da qualidadedos dados da DO coletada atravs da absortometria de raio-x de dupla energia.Portanto, o objetivo foi verificar se existem diferenas na DO entre as quatro poresdo stio fmur (colo, tringulo de wards, trocanter e eixo), obtidas em duas anlisesfeitas em dias distintos a partir de uma nica mensurao (nicaM). A amostra foicomposta por 26 mulheres e 13 homens com mdias e desvio padro (dp) deidade= 45.1 dp 14.8 e 32.0 dp 11.9 anos; massa corporal= 63.2 dp 13.6 e 75.0 dp 6.8kg; estatura= 161.2 dp 6.9 e 176.8 dp 5.0 cm. A nicaM da DO foi feita conformemanual da mquina Lunar DPX-IQ. Uma anlise foi feita no dia da nicaM (1aanlise) e a outra 30 dias aps (2a anlise). As anlises foram feitas por um tcnicoque possui 3 anos de experincia. Os dados foram tratados atravs do teste-tdependente e correlao linear de Pearson. Os resultados mdios, e de correlao(r), para as 1a e 2a anlises, foram, respectivamente: colo= 1,03132 dp 0,1999 e1,04682 dp 0,2175 g/cm2 (r= 0,939); tringulo de wards= 0,89521 dp 0,2598 e0,89297 dp 0,2598 g/cm2 (r= 0,997); trocanter= 0,84842 dp 0,1741 e 0,85413 dp0,1753 g/cm2 (r= 0,986); eixo= 1,22429 dp 0,2226 e 1,22382 dp 0,2221 g/cm2 (r=0,999). No foram evidenciadas diferenas estatsticas (p>0,05) entre as DO dasquatro pores do fmur e, as correlaes foram altas (p

  • 304 Rev. bras. Educ. Fs. Esp., So Paulo, v.20, p.303-31, set. 2006. Suplemento n.5.

    XI Congresso Cincias do Desporto e Educao Fsicados pases de lngua portuguesa

    ANLISE DAS ALTERAES DE VARIVEIS ANTROPOMTRICASEM MULHERES PRATICANTES DE MUSCULAORafael Nunes, Roberto Silva, Luis Gustavo Lopes rafaeln3@yahoo.com.br PUC-Campinas

    ANLISE DAS ALTERAES DE VARIVEIS ANTROPOMTRICASEM MULHERES ATUANTES DE ACADEMIAS NAS AULAS DE DEEP-RUNNINGRafael Nunesrafaeln3@yahoo.com.br PUC-Campinas

    ANLISE DA FORA DE PREENSO MANUAL DURANTEO CAMPEONATO MINEIRO DE JUDRicardo Freitas Dias, lvaro Penoni, Douglas Marques,Aline Maria dos S