MÁSCARAS E OBSTRUÇÕES EXERCÍCIOS RESOLVIDOS .1/Aula8_ Máscaras são construídas

  • View
    212

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of MÁSCARAS E OBSTRUÇÕES EXERCÍCIOS RESOLVIDOS .1/Aula8_ Máscaras são construídas

  • Universidade Ibirapuera

    Arquitetura e Urbanismo

    CONFORTO AMBIENTAL: INSOLAO E ILUMINAO

    Docente: Claudete Gebara J. Callegaro

    2 semestre de 2014

    Aplicao da Geometria Descritiva e da Carta Solar

    para determinao de protees em relao radiao solar

    MSCARAS E OBSTRUES EXERCCIOS RESOLVIDOS

  • O traado da sombra produzida por um Objeto depende de:

    latitude do Plano do Horizonte do Observador (PH),

    dia do ano e horrio da exposio do objeto radiao solar em dia claro,

    orientao do Objeto em relao ao Norte.

    A Carta Solar da latitude daquele

    Observador pode fornecer as demais

    informaes para o traado da sombra:

    direo da sombra em PH (azimute),

    direo da sombra em PV (altura).

    VISTA

    PLANTA

    LT

    Imagens de aulas anteriores.

    CAII - Prof Claudete Gebara J. Callegaro. ltima alterao em 22/10/2014.

  • Os passos para o traado de sombras em pura (Planta e Vista) so:

    1)Alinhar eixo N-S da Carta Solar daquela latitude com o eixo N-S do Projeto de Arquitetura;

    2)Definir um nico ponto (aresta, haste) de referncia do Projeto para incio do traado e transferir o Azimute Solar da Carta Solar para o Plano Horizontal da pura, obtendo a direo da sombra projetada sobre o solo;

    3)Transferir a Altura Solar obtida na Carta Solar para o Plano Vertical da pura, em Verdadeira Grandeza, obtendo o ponto em que a sombra acaba (LT);

    4) Rebater (compasso) o fim da sombra em LT sobre a direo da sombra em PH, definindo seu comprimento em Planta;

    5)Retornar com esse ponto encontrado para a LT e unir com o topo da haste, onde a sombra iniciou, definindo a Vista da sombra em PV.

    Imagens de aulas anteriores.

    CAII - Prof Claudete Gebara J. Callegaro. ltima alterao em 22/10/2014.

  • A mesma tcnica utilizada para determinao de sombras aplicada s aberturas, para determinao da insolao de

    reas internas.

    CARVALHO, 1970:41 em planta.

    CAII - Prof Claudete Gebara J. Callegaro. ltima alterao em 22/10/2014.

  • A insolao dos ambientes

    dos principais fatores de

    conforto ambiental e

    salubridade.

    A radiao solar pode entrar em

    uma edificao:

    lateral ou zenitalmente,

    direta ou indiretamente,

    interferindo na

    luminosidade,

    temperatura.

    MONTEIRO, 2006:96 SHED

    CAII - Prof Claudete Gebara J. Callegaro. ltima alterao em 22/10/2014.

  • FROTA, 2004, p.116-118

    CAII - Prof Claudete Gebara J. Callegaro. ltima alterao em 22/10/2014.

  • OBSTRUES RADIAO DIRETA

    CAII - Prof Claudete Gebara J. Callegaro. ltima alterao em 22/10/2014.

  • Imagens de OLGYAY, 2004, obtidas em http://www.ufrgs.br/labcon/aulas_2009-1/Aula8_ProtecaoSolar.pdf

    Mscaras so construdas com o transferidor auxiliar para

    traado de mscaras.

    Esse artifcio vlido para todas as latitudes.

    construdo por projeo

    estereogrfica, ou seja, apresenta distoro em

    relao realidade.

    Acompanha a Normal fachada (90).

    Um mascaramento de cu considerado EFICIENTE,

    quando impede a entrada de raios solares

    num determinado perodo desejado.

    FROTA, 2004, p. 206

    CAII - Prof Claudete Gebara J. Callegaro. ltima alterao em 22/10/2014.

  • Dispositivos de sombreamento (brises) horizontais impedem a entrada dos raios solares atravs da abertura, a partir de

    determinado ngulo de altura do Sol.

    O ngulo corresponde menor altura solar daquela

    mscara.

    Ou seja, se seu comprimento for infinito,

    a partir desse ngulo at a altura mxima daquele dia,

    toda a radiao direta ser impedida de atingir o ambiente

    interior por aquela janela.

    http://www.labcon.ufsc.br/anexosg/148.pdf

    Eficientes para fachadas voltadas

    para o Norte (hemisfrio sul)

    CAII - Prof Claudete Gebara J. Callegaro. ltima alterao em 22/10/2014.

  • Brises verticais impedem a entrada dos raios solares atravs da abertura, a partir de determinado ngulo de azimute solar.

    O ngulo direita da abertura (de quem olha de dentro para fora da janela) corresponde ao menor azimute solar daquela mscara.

    Ou seja, se seu comprimento for infinito, a partir desse azimute at 270, toda a radiao direta ser impedida de atingir o ambiente interior por aquela janela.

    http://www.labcon.ufsc.br/anexosg/148.pdf O ngulo esquerda da abertura corresponde ao maior azimute solar daquela mscara.

    Ou seja, se seu comprimento for infinito, desde 270 at esse azimute, toda a radiao direta ser impedida de atingir o ambiente interior por aquela janela.

    Eficientes para fachadas voltadas

    para Leste ou Oeste

    CAII - Prof Claudete Gebara J. Callegaro. ltima alterao em 22/10/2014.

  • Em geral necessrio introduzir um terceiro ngulo (gama), para limitar o sombreamento produzido pelos ngulos (alfa) e (beta).

    http://www.labcon.ufsc.br/anexosg/148.pdf

    A mscara sempre vista de dentro do

    ambiente para fora.

    CAII - Prof Claudete Gebara J. Callegaro. ltima alterao em 22/10/2014.

  • http://www.ufrgs.br/labcon/aulas_2009-1/Aula8_ProtecaoSolar.pdf

    CAII - Prof Claudete Gebara J. Callegaro. ltima alterao em 22/10/2014.

  • http://www.ufrgs.br/labcon/aulas_2009-1/Aula8_ProtecaoSolar.pdf

    CAII - Prof Claudete Gebara J. Callegaro. ltima alterao em 22/10/2014.

  • http://www.labcon.ufsc.br/anexosg/148.pdf

    A mscara sempre vista de dentro do

    ambiente para fora.

    CAII - Prof Claudete Gebara J. Callegaro. ltima alterao em 22/10/2014.

  • http://www.ufrgs.br/labcon/aulas_2009-1/Aula8_ProtecaoSolar.pdf

    CAII - Prof Claudete Gebara J. Callegaro. ltima alterao em 22/10/2014.

  • http://www.ufrgs.br/labcon/aulas_2009-1/Aula8_ProtecaoSolar.pdf

    CAII - Prof Claudete Gebara J. Callegaro. ltima alterao em 22/10/2014.

  • http://www.labcon.ufsc.br/anexosg/148.pdf

    CAII - Prof Claudete Gebara J. Callegaro. ltima alterao em 22/10/2014.

  • http://www.ufrgs.br/labcon/aulas_2009-1/Aula8_ProtecaoSolar.pdf

    CAII - Prof Claudete Gebara J. Callegaro. ltima alterao em 22/10/2014.

  • http://www.ufrgs.br/labcon/aulas_2009-1/Aula8_ProtecaoSolar.pdf

    CAII - Prof Claudete Gebara J. Callegaro. ltima alterao em 22/10/2014.

  • http://www.ufrgs.br/labcon/aulas_2009-1/Aula8_ProtecaoSolar.pdf

    CAII - Prof Claudete Gebara J. Callegaro. ltima alterao em 22/10/2014.

  • http://www.ufrgs.br/labcon/aulas_2009-1/Aula8_ProtecaoSolar.pdf

    CAII - Prof Claudete Gebara J. Callegaro. ltima alterao em 22/10/2014.

  • FROTA, 2004, p. 106

    CAII - Prof Claudete Gebara J. Callegaro. ltima alterao em 22/10/2014.

  • CAIXA, 2010:70

    CAII - Prof Claudete Gebara J. Callegaro. ltima alterao em 22/10/2014.

  • EXEMPLOS DE TRAADOS DE MSCARAS E

    CONSTRUO DE BRISES

    CAII - Prof Claudete Gebara J. Callegaro. ltima alterao em 22/10/2014.

  • CAII - Prof Claudete Gebara J. Callegaro. ltima alterao em 22/10/2014.

  • ATENO PARA A CONFIGURAO!!!!!!!!!! Aqui, o exemplo usa o ngulo interno.

    Observar que o eixo de alturas se inverte.

    ngulo externo = x ngulo interno = 90 - x

    CAII - Prof Claudete Gebara J. Callegaro. ltima alterao em 22/10/2014.

  • Carta solar para latitude 0e orientao 0 | Transferidor para traado de mscaras

    CAII - Prof Claudete Gebara J. Callegaro. ltima alterao em 22/10/2014.

  • TRAADO DE MSCARAS PARA QUALQUER LATITUDE

    = 10 = 30 = 70

    Cortes verticais da janela

    linha do horizonte do observador (LH)

    I E

    CAII - Prof Claudete Gebara J. Callegaro. ltima alterao em 22/10/2014.

  • TRAADO DE MSCARAS PARA QUALQUER LATITUDE

    = 10 = 30

    Cortes horizontais da janela

    limit

    e d

    a ab

    ertu

    ra

    limit

    e d

    a ab

    ertu

    ra

    I

    E

    esquerdo direito CAII - Prof Claudete Gebara J. Callegaro. ltima alterao em 22/10/2014.

  • TRAADO DE MSCARAS PARA QUALQUER LATITUDE

    CAII - Prof Claudete Gebara J. Callegaro. ltima alterao em 22/10/2014.

  • TRAADO DE MSCARA Latitude 30S

    Orientao Norte

    PAREDE VISTA EM PLANTA

    ATENO PARA A CONFIGURAO!!!!!!!!!! Aqui, o exemplo usa o ngulo externo.

    CAII - Prof Claudete Gebara J. Callegaro. ltima alterao em 22/10/2014.

  • TRAADO DE MSCARA Latitude 30S

    Orientao Norte

    CAII - Prof Claudete Gebara J. Callegaro. ltima alterao em 22/10/2014.

  • TRAADO DE MSCARA Latitude 30S

    Orientao Norte

    CAII - Prof Claudete Gebara J. Callegaro. ltima alterao em 22/10/2014.

  • Quando a abertura em anlise NO perpendicular ao eixo Norte-Sul, necessrio que se alinhe o Norte da planta com o Norte da Carta Solar daquela latitude, para ento se determinar o mascaramento.

    TRAADO DE MSCARA Latitude 30S

    Orientao Noroeste

    CAII - Prof Claudete Gebara J. Callegaro. ltima alterao em 22/10/2014.

  • TRAADO DE MSCARA Latitude 30S

    Orientao Noroeste

    CAII - Prof Claudete Gebara J. Callegaro. ltima alterao em 22/10/2014.

  • TRAADO DE MSCARA Latitude 30S

    Orientao Noroeste

    CAII - Prof Claudete Gebara J. Callegar