MEDICINA • PROVA A

Embed Size (px)

Text of MEDICINA • PROVA A

  • VESTIBULAR / 201720 / NOVEMBRO / 2016

    MEDICINA PROVA ACandidato: _______________________________________________________________ Inscrio: ________

    Opo de Lngua Estrangeira: ( 1 ) Ingls ( 2 ) Espanhol

    Assinatura do Candidato

    INSTRUES1) Esta prova individual. No podem ser utilizados dicionrios, calculadoras, rguas,

    compassos, tabelas ou quaisquer outros materiais de consulta.2) A durao da prova ser de 4h (quatro horas), incluindo a transcrio da redao, a

    resoluo da prova e o preenchimento da folha de respostas.3) Para a resoluo da questo de redao, voc poder utilizar o espao destinado ao rascunho,

    constante deste caderno de prova. Ao terminar, transcreva o texto, em sua forma definitiva, caneta, para a folha de redao.

    4) A interpretao das questes faz parte da prova. No podem ser feitas perguntas sobreelas.

    5) Em cada questo, h somente uma resposta correta.6) Ao receber a folha de respostas e a folha de redao, confirme se os dados nelas constantes

    esto corretos. Em seguida, assine no local indicado.7) Assine a folha de respostas e preencha-a cuidadosamente com caneta esferogrfica, tinta

    azul-escura ou preta, ponta mdia. Preencha assim: 8) Assinale o modelo de prova (A) ou (B), na folha de respostas e na ficha de identificao.9) Assine a folha de redao somente no local indicado.10) Assinale a sua opo de lngua estrangeira ( 1 ) Ingls ou ( 2 ) Espanhol, na folha de

    respostas, na ficha de identificao e na capa deste caderno de prova.11) Lembre-se de que no pode haver rasura ou ser usado corretivo na folha de respostas nem

    na folha de redao.12) Entregue ao fiscal o caderno de prova, a folha de respostas, a folha de redao e a ficha de

    identificao, antes de deixar a sala de provas.13) Ser eliminado o candidato que sair do local de prova antes de haver decorrido 2h (duas

    horas) do incio da mesma.14) Os dois ltimos candidatos de cada sala devero sair simultaneamente e assinar a ata de

    sala.

  • VESTIBULAR /2017 Prova A

    2

    O MDICO E O COMPUTADORA Microsoft est usando o seu conhecimento em sistemas de tecnologia da

    informao para avanar o estudo do cncer e de seus tratamentos. Opioneirismo pode ajudar a empresa a se posicionar frente da concorrncia nofuturo mundo da computao.

    Os mundos da computao e da medicina parecem bastante distantes entre si. Executi-vos de tecnologia, envolvidos com os seus processadores, servidores, softwares e aplicati-vos de celular, em nada se parecem com mdicos, que ainda so lembrados pela figura doprofissional vestido de jaleco branco, carregando um estetoscpio e bisturis. Mas esses doisprofissionais e o conhecimento que acumulam podem ter mais similaridades do que o imagi-nado. Aos poucos, os dois mundos esto se aproximando e podem combinar conhecimen-tos. Se depender da Microsoft, essa realidade vai chegar antes do esperado.

    A empresa divulgou que est se dedicando a jogar luzes em uma das doenas que maispreocupam mdicos e pacientes, e que afeta cada vez mais famlias de todo o mundo.Equipes de cientistas da companhia esto se dedicando ao que chamam de solucionar ocncer. O uso do verbo importante. A Microsoft no pretende curar a doena, mas darsubsdios para os mdicos entenderem melhor como a imensa quantidade de variaes detumores se comporta e escolher o tratamento adequado. O objetivo, explica a companhia, trazer uma abordagem computacional ao problema: fazer a programao de dados biolgi-cos como se fosse um software.

    Isso significa utilizar a lgica dos zeros e uns da linguagem binria para encontrarsolues no mundo das letras A, T, G e C que representam as bases nitrogenadas do DNA.Se olharmos para a combinao de coisas que a Microsoft realiza bem, faz todo sentidopara a empresa estar nesse setor, disse, em comunicado da empresa, Andrew Phillips, ochefe do grupo de pesquisas de computao biolgica da Microsoft, em Cambridge, noReino Unido. So vrias as abordagens possveis. Uma delas, mais distante, criar umminicomputador molecular que vai ficar dentro de uma clula e monitorar as doenas emdesenvolvimento. Qualquer alterao perigosa pode ser combatida prontamente.

    A segunda soluo envolve a anlise de dados, adotando mquinas com sistemas deinteligncia artificial para interpretar informaes novas disponveis sobre a reproduocelular. Outra abordagem prev o uso de processos como o desenvolvimento de linguagensde programao e modelos de checagem comuns nos computadores para ler e alterarprocessos biolgicos. Ns construmos o computador. Sabemos como ele funciona. Noconstrumos a clula, e muito do seu complexo funcionamento interno ainda um mistriopara ns, diz Phillips. Ento, precisamos entender como a clula computa, para poderprogram-la. Vamos poder, dessa forma, desenvolver mtodos e software para analisar eprogramar clulas.

    Todas essas utilizaes representam um grande avano em relao s formas de setratar o cncer num passado no muito distante. H apenas uma dcada, os mdicos esco-lhiam os seus tratamentos de acordo com o tecido afetado. Um tumor cerebral merecia umtratamento diferente de um cncer de pulmo, por exemplo. Hoje, os bilogos e a indstria

  • VESTIBULAR /2017 MEDICINA

    3

    de medicamentos defendem que mais importante atacar o cncer de acordo com o seucomportamento genmico, e entender o que deu errado na reproduo dos genes. Paradescobrir isso, a tecnologia no to diferente de um software que identifica objetos emuma foto.

    S mais complexa, exigindo organizar milhes de peas de informao. A Microsoft,inclusive, fez uma parceria com a farmacutica AstraZeneca para entender arelao entre a aplicao de remdios e a resistncia de pacientes em casos deleucemia mieloide, que pode servir de aprendizado para outras aplicaes de medica-mentos. A estratgia de se aproximar da biologia faz parte do plano de Satya Nadella, oCEO da Microsoft desde 2014, que acredita que a empresa de US$ 85 bilhes de faturamentoprecisa se preparar para um futuro alm da dependncia dos softwares Windows e Office.

    A relao entre computao e biologia chamou a ateno da comunidade acadmicaquando pesquisadores da Universidade de Stanford na Califrnia apresentaram em 2012 oprimeiro modelo computacional completo de um organismo, do parasita Mycoplasmagenitalium. Ele resolvia um grande problema da gentica. A quantidade massiva de dadosno podia ser entendida sem que fosse concentrada num nico sistema. Mas, mesmo antesdisso, a Microsoft j percebia similaridades entre os dois mundos.

    Ainda na poca do cofundador Bill Gates como presidente do conselho, na dcada pas-sada, a companhia j aplicava os aprendizados no combate aos spams que infestavam ascaixas de email das pessoas, na poca, para prever as mutaes que o vrus HIV podiasofrer. No futuro, todo esse conhecimento deve mudar no s a medicina, mas tambm acomputao. Algumas previses de futurlogos imaginam que os computadores das prxi-mas dcadas no sero baseados no silcio, mas em material orgnico. E at mesmo o DNApode ser utilizado como a base de um novo mtodo de armazenagem de dados, no lugar dohardware atual. Chegar l logo pode salvar muitas pessoas e tambm a prpria Microsoft.

    http://www.istoedinheiro.com.br/noticias/mercado-digital/20160927/medico-computador/416137. Acesso em 30.09.2016

    A partir da leitura do texto acima, produza um texto argumentativoentre 20 e 30 linhas abordando a relao entre o mdico atual e a tecno-logia.

    Seu texto dever demonstrar um posicionamento pessoal a respei-to do tema.

    Utilize exemplos e argumentos do texto para referendar a sua opi-nio.

    ATENO. Utilize, para rascunho, o espao a seguir e aps concluir seu texto,

    transcreva-o de forma definitiva para a Folha de Redao. No assine ou se identifique em sua redao, alm do local indica-

    do.

  • VESTIBULAR /2017 Prova A

    4

    01. ____________________________________________________________________________________________

    02. ____________________________________________________________________________________________

    03. ____________________________________________________________________________________________

    04. ____________________________________________________________________________________________

    05. ____________________________________________________________________________________________

    06. ____________________________________________________________________________________________

    07. ____________________________________________________________________________________________

    08. ____________________________________________________________________________________________

    09. ____________________________________________________________________________________________

    10. ____________________________________________________________________________________________

    11. ____________________________________________________________________________________________

    12. ____________________________________________________________________________________________

    13. ____________________________________________________________________________________________

    14. ____________________________________________________________________________________________

    15. ____________________________________________________________________________________________

    16. ____________________________________________________________________________________________

    17. ____________________________________________________________________________________________

    18. ____________________________________________________________________________________________

    19. ____________________________________________________________________________________________

    20. ____________________________________________________________________________________________

    21. __________________