Click here to load reader

Memorial Descritivo PROJETO ELÉTRICO DE IMPLANTAÇÃO · PDF file1 de 15 memorial descritivo projeto elÉtrico de implantaÇÃo de subestaÇÃo elÉtrica abrigada de 600kva e de reforma

  • View
    219

  • Download
    1

Embed Size (px)

Text of Memorial Descritivo PROJETO ELÉTRICO DE IMPLANTAÇÃO · PDF file1 de 15...

  • 1 de 15

    Memorial Descritivo

    PROJETO ELTRICO DE IMPLANTAO DE SUBESTAO

    ELTRICA ABRIGADA DE 600kVA E DE REFORMA E ADEQUAO DAS SALAS

    DE AULA,ALOJAMENTOS E VESTIRIO NA ACADEMIA DA POLCIA MILITAR

    DO ESTADO DE GOIS ENDEREO: Rua 252, n21, St. Leste Universitrio Goinia GO CEP 74.603-240

    AUTOR: Eng. Eletricista Gustavo Carrijo Tiago CREA 14700/D-GO

    Goinia, agosto de 2017

  • 2 de 15

    Memorial Descritivo e Especificaes OBRA: Projeto Eltrico de Implantao de Subestao Eltrica Abrigada de 600kVA e de Reforma eAdequaodasSalasdeAula,AlojamentoseVestirionaAcademia daPolcia Militar do Estado deGois

    ENDEREO: Rua 252, n21, St. Leste Universitrio Goinia GO CEP 74.603-240

    PROPRIETRIO: Agncia Goiana de Transportes e Obras AGETOP

    1 GENERALIDADES

    1.1. O objetivo deste memorial descrever os servios, fixar normas gerais e

    especificar os materiais referentes ao Projeto Eltrico de Implantao de Subestao Eltrica Abrigada de 600kVA e de Reforma e Adequao das Salas de Aula, Alojamentos e Vestirio, a ser construda na Academia da Polcia Militar do Estado deGois;

    1.2. O projeto foi desenvolvido seguindo as diretrizes adotadas pelo Comando da

    Academia e os Engenheiros da AGETOP, atravs de sugestes feitas pelas partes, tendo como objetivo o melhor atendimento possvel s edificaes, sem, entretanto, fugir da tcnica adequada e sem deixar de lado o aspecto da economicidade e praticidade daobra;

    1.3. Todos os materiais a serem utilizados nas instalaes devero ser novos e estarem

    de acordo com as especificaes destememorial;

    1.4. Os eletricistas e seus auxiliares devero ser tecnicamente capacitados para a execuo dos trabalhos de instalao, devendo os mesmos seguir o projeto elaborado da melhor maneira possvel. Quaisquer dvidas, sempre procurar o Autor doProjeto;

    1.5. Os servios devero ser entregues com as instalaes em perfeito estado de

    funcionamento, de acordo com a fiscalizao do responsvel tcnico daobra;

    1.6. Qualquer alterao, em relao ao projeto e/ou emprego de material inexistente na praa, s ser permitida, aps consulta ao autor do projeto, sob pena de possveis danos sinstalaes.

  • 3 de 15

    2. APRESENTAO DOPROJETO

    2.1 O projeto apresentado em pranchas tipo A-1 e A-0, contendo plantas baixas, convenes, especificaes, notas, esquema unifilar, quadro de cargas, demanda e queda de tenso, implantao e demais detalhes construtivos para um melhor entendimento e leitura doprojeto.

    3. DESCRIO DOPROJETO

    3.1 Em resumo, as edificaes tratam-se da Academia da Polcia Militar do Estado de Gois, sendo que na sua maioria so trreo e mais 1 (um) pavimento destinados ao atendimento dos policiaismilitares.

    3.2 As edificaes sero alimentadas por um ramal em tenso primria de 13,8 kV, sendo derivado para instalao de 01 subestao abrigada de 600kVA, ver planta da subestao.

    3.3 Da subestao de 600kVA, sai um ramal que alimentar o quadro de distribuio geral de baixa tenso, localizado dentro da subestao, de onde sero derivados circuitos para alimentao dos demais quadros dedistribuio.

    3.4 A medio ser feita em baixa tenso, atravs dosTCs.

    3.5 O medidor instalado na subestao sertrifsico.

    4. ENTRADA DEENERGIA

    4.1 A entrada de energia composta de uma subestao, de 600kVA, abrigada instaladaemedificaoapropriada.Aalimentaosersubterrneadesdearedede A.T. da CELG at os Transformadores, e subterrnea do transformador at a proteo geral. Os cabos de baixa tenso utilizados sero EPR/XLPE Singelos 0,6/1kV, classe de encordoamento 2. Da proteo geral derivam os cabos alimentadores para os quadros de distribuio de energia.

    5. MEDIO

    5.1 A medio composta de uma caixa de medio polifsica, sendo executada atravs deTCs.

    5.2 A caixa de medio ser instalada na parede da subestao abrigada, do lado de fora da edificao, com a finalidade de facilitar aleitura.

  • 4 de 15

    5.3 A medio ser instalada em caixa metlica padro CELG, conformeprojeto.

    6. SUBESTAOABRIGADA

    6.1 A subestao ser instalada por profissional especializado, pela empresa licitada para executar aobra;

    6.2 Todos os materiais utilizados na subestao devero ser novos, fabricados e testados de acordo com as Normas Tcnicas Brasileiras, especificadas para cadacaso;

    6.3 Dois transformadores de distribuio trifsicos, a seco, com potncias de 300 kVA, 4 fios, neutro acessvel e aterrado, ligao tringulo/estrela, tenso primria de 13.800V a 12.000V, com taps comutveis de 600V em 600V, tenso secundria de 380/220V, 60 Hz, (SIEMENS, WEG, ROMAGNOLE, TRAFO ou equivalente de mesmo padro dequalidade);

    6.4 Eletrodutos de ferro galvanizado, 4, (TUPY, APOLO, THOMEU ou equivalente de mesmo padro dequalidade);

    6.5 Cabos de cobre secundrio, EPR/XLPE 90, bitola 185mm, (PIRELLI, FICAP, SIEMENS, REIPLS ou equivalente de mesmo padro dequalidade);

    6.6 Caixas metlicas para conjunto de medio kWh, padro CELG, com dispositivo para lacre (PASCHOAL THOMEU, ELETROMIG ou equivalente de mesmo padro dequalidade);

    6.7 Hastes de aterramento, tipo copperweld, 5/8 x 3,00 metros, com conector de cobre, tipo grampo, reforado de 5/8 (MAGNET, INTELLI, ELETROTCNICA ou equivalente de mesmo padro dequalidade);

    6.8 Cabos de cobre n, de 70mm2, para aterramento (PIRELLI, ITAIPU, POWER, INTELLI ou equivalente de mesmo padro dequalidade);

    6.9 Caixas de passagem de alvenaria, meia vez, com medidas internas 800 x 800x 1.000 mm, revestida internamente com argamassa de cimento e areia, com tampa de concreto, ala embutida e dreno de brita N.1 no fundo da caixa;

    6.10 Caixas de inspeo do aterramento, de alvenaria meia vez, com medidas internas 200 x 200 x 250 mm, revestida internamente com argamassa de cimento e areia, com tampa de concreto, ala embutida e dreno de brita N. 0 fundo dacaixa.

  • 5 de 15

    7. QUADRO GERAL DE DISTRIBUIO DE BAIXA TENSO -QGBT

    7.1 O quadro geral de distribuio em caixa metlica, construdo em chapa de ao, com espessura mnima de 2 mm, de embutir, pintura eletrosttica, porta de uma folha com fechadura e vedao, grau de proteo IP-23, com placa de montagem. Cemar, acessrios para montagem de disjuntores e barramento neutro, fase e terra montado em isoladores tipo bujo, com proteo em acrlico com espessura 6mm para os barramentos em cobre, conforme projeto. Fabricao (SIEMENS, ELSOL, CEMAR ou equivalente de mesmo padro dequalidade);

    7.2 Sero instalados dois disjuntores termomagnticos tripolares de 500A para proteo contrasobrecorrentes;

    7.3 No quadro geral de distribuio de baixa tenso (QGBT), ser instalado o dispositivo de proteo contra surtos (DPS), conforme prev a NBR-5410, com as seguintes caractersticas eltricas: tenso nominal 280V, frequncia 60Hz, correntes de descargas com onda 8/20 s: nominal 20kA e mxima 40kA, demais caractersticas conforme IEC61643-1;

    7.4 O aterramento do QGBT ser feito atravs de hastes de aterramento de cobre com bitola 5/8 x 3,0 metros de comprimento interligadas pelo cabo de proteo de bitola #35mm. A distncia mnima entre hastes ser de 3 metros. As hastes de aterramento sero enterradas no pavimento subsolo (garagens), sendo recobertas com o contrapiso de concreto da garagem. As mesmas hastes sero interligadas com o sistema de proteo contra descargas atmosfricas do edifcio(pra-raios).

    8. QUADROS DEDISTRIBUIO

    8.1 Os quadros de distribuio dos pavimentos sero todos construdos em chapa de ao, com espessura mnima de 1,5 mm, de embutir, pintura eletrosttica, porta de 1 folha, com fechadura e/ ou trinco, tampa interna removvel, acessrios para montagem de disjuntores e barramento de neutro, fase e terra (SIEMENS, ELSOL, CEMAR ou equivalente do mesmo padro dequalidade);

    8.2 Sero instalados nos locais indicados no projeto, todos a 1,50 m do centro da caixa ao pisoacabado;

    8.3 Os disjuntores de proteo dos circuitos, instalados nestes quadros, encontram- se indicados no esquemaunifilar.

  • 6 de 15

    9. CONDUTORESELTRICOS

    9.1 Todos os condutores eltricos, internos, sero de cobre eletroltico, tmpera mole, isolao de PVC (70C), com caractersticas especiais quanto a no propagao e auto-excitao do fogo, com pureza eletroltica de99%;

    9.2 J os cabos de alimentao do quadro geral de baixa tenso e dos quadros de distribuio, devero possuir uma isolao de EPR/XLPE 90;

    9.3 Todas as emendas ou derivaes, em condutores de bitola igual ou inferior a 4mm2, sero feitas de acordo com a tcnica correta e, a seguir, isoladas com fita isolante. Para condutores com bitola superior, devero ser usados conectores de presso, fita de auto fuso e fitaisolante;

    9.4 Qualquer emenda ou derivao, em condutores eltricos, s poder ocorrer no interior de caixas de passagem, caixas de luminrias, interruptores ou de tomadas, e nunca no interior deeletrodutos;

    9.5 Para facilitar a passagem de condutores eltricos em eletrodutos, aconselhvel a trao dos mesmos por meio de arame galvanizado n. 12BWG;

    9.6 Os condutores s sero instalados no interior dos eletrodutos, aps a concluso do revestimento de paredes e tetos e, ainda, com os mesmos completamente isentos de umidade e de corpos estranhos, a fim de no criarem obstculos para a passagem dosmesmos.

    9.7 Especificaes:

    9.7.1 Condutores do ramal subterrneo: Desde o transformador at a proteo geral, e da proteo geral para os quadros de distribuio, isolao de 0,6/1kV, Singelos tipo Sintenax (PIRELLI, SIEMENS, FICAP, REIPS ou equivalente do mesmo padro dequalidade);

    9.7.2 Condutores para instalao interna: Com isolamento para 750 V, Singelos, do tipo Antiflan (PIRELLI, SIEMENS, FICAP, REIPS ou equivalente do mesmo padro dequalidade);

    9.7.3 Fita isolante: Plstica, anti-chama (PIRELLI, 3M, LORENZETTI ou equivalente

Search related