Click here to load reader

Método Harmonia

  • View
    611

  • Download
    120

Embed Size (px)

Text of Método Harmonia

  • 1

    Harmonia

    Conceitos e Idias

  • 2

    Introduo

    O principal foco deste livro esta nos conceitos e idias apresentados nele; Ele trata de maneira simplificada as matrias do estudo msical se atendo mais a objetividade e maneira de enxergar um assunto.

    O aprofundamento nas terminologias e classificaes dos vrios assuntos contidos aqui pode ser encontrada em uma serie de outras publicaes.

    Nosso objetivo criar uma viso dos assuntos atravz de comentrios e exemplos msicais levando o leitor a uma compreenso melhor do mtodo de analise e composio apresentados no final do livro; que trata de Monotonalidade e tonalidade expandida (termos criados por Arnold Schoenberg (compositor e terico de Harmonia)).

    Os assuntos seguem em uma ordem progressiva demonstrando de maneira clara como chegar ao conhecimento passado ao final do livro e o entendimento da tabela final.

    Alguns conceitos abordados aqui podem se apresentar de forma distinta ao que se encontra em outras publicaes nestas ocasies peo que mantenham-se abertos as novas idias e experimentem a validade delas.

  • 3

    Harmonia Matemtica!

    Falo isso, no intuito de mostrar que como na matemtica, possvel sistematizar as notas atravz de funes harmonicas e aproximar qualquer estudante dos conceitos do funcionalismo usado nos sculos (XVIII XXI).

    A harmonia na msica significa a organizao de sons consecutivos (Acordes) e o encadeamento deles (Conduo das vozes)

    Assim como na matemtica, as notas possuem lgica nos seus encadeamentos, e varias idias de como combin-las. E como na matemtica estas combinaes so exponenciais.

    Neste livro vamos abordar seus fundamentos e suas principais estruturas passando CONCEITOS E IDIAS que ajudem o leitor a ter uma compreenso razovel de harmonia e sua aplicao, de maneira lgica e direta, com exemplos extrados de onde esta toda a verdadeira informao, que so as prprias composies.

    O livro voltado para guitarristas, violonistas e instrumentos com trastes em geral, acostumados ao sistema cifrado e a msica popular que mesmo com seu escasso acesso a informaes slidas criam os mais inesperados movimentos e solues harmnicas.

    No entanto, pode e deve ser usado por qualquer musico que tenha interesse pelo conhecimento harmnico e suas implicaes na composio e interpretao.

    Grande abrao a todos e bons estudos!

    Edson Vieira - Edblues

  • 4

    Semitom O menor intervalo entre duas notas msicais, no sistema ocidental (dodecafnico) denominado SEMITOM (meio-tom).

    Gosto de pensar em semitons como se fossem o "centmetro" da msica. Ele nossa unidade de medida; com ele comeamos a entender como se relacionam s notas entre si, suas distncias e sonoridades obtidas.

    Desta maneira a escala com suas 12 notas passa a ser encarada como uma rgua e as notas passam a ter entre si uma relao de distncia relativa (assim como 2 para 4 e 6 para 8) Com isso comeamos nossa viso matemtica sobre as notas, e enxerg-las como distncias entre si e a partir de uma tnica (nota principal).

    Nos instrumentos de traste ele a distancia de um traste a outro na mesma corda, nos instrumentos de teclas distncia de uma tecla a outra consecutiva.

    Esta viso matemtica ajuda a compreender os processos e formulas de construo de escalas e acordes

    Casas no brao de um violo ou guitarra.

    12 11 10 9 8 7 6 5 4 3 2 1 0

    Na guitarra a distncia entre cada casa de um semitom.

  • 5

    Acidentes Acidentes so sinais usados para indicar alterao nas notas.

    Existem vrios tipos de acidentes, sinais de dinmica, intensidade, formulas de compasso entre tantos outros... (Mais usados na escrita clssica)

    No livro usarei apenas os mais usados no sistema cifrado.

    Para maiores conhecimentos dos sinais recomendo (Paschoal Bona-ISBN: 85-7407-070-X)

    O Sustenido (#) aumenta uma nota em meio-tom

    Usamos o sustenido quando acendemos uma escala em meio tom de sua nota natural

    O Bemol (b) abaixa a nota em meio-tom

    Usamos o Bemol quando descendemos uma escala em meio tom de sua nota natural

    ( | ) - Barra de compasso Usada para separar os acordes obedecendo a sua formula de compasso

    ( || : ) Barra dupla com dois pontos usada para marcar a repetio de um trecho de acordes duas vezes .

    ( % ) sinal de repetio do compasso anterior.

    ( n X ) - indicao de quantas ( n) vezes (X) devera ser repetido o trecho ou compasso quando mais de duas.

    (----| 1 vez) indicao de repetio de trecho diferente; na primeira vez com uma cifra e da segunda com outra cifra.

  • 6

    Cifras So letras que representas as notas msicais, elas so formadas por letras e nmeros. o sistema de grafia das notas que irei usar por todo o livro.

    O sistema de escrita por partitura o mais completo que permite passar todo o tipo de expresso msical, rtmica, dinmica, harmnica e meldica;

    Recomendo seu aprendizado pelo numero de peas e material de qualidade escritos neste sistema, mais no o vejo mais como imprescindvel no aprendizado dos msicos de instrumentos com traste. (principalmente devido s novas tecnologias de programas de udio e midi como Encore e Siblius e sistemas de escrita como a tablatura)

    Como o livro se prope a traar principalmente a parte harmnica, a utilizao do sistema de cifras simplifica o processo de entendimento, por uma gama maior de msicos tanto os de formao acadmica (acostumados escrita clssica) como os de formao autodidata e popular (habituados com as cifras).

    As Cifras usam as letras do alfabeto para representar as notas msicais onde:

    A = L B = Si C = D D = R E = Mi F = F G = Sol

    As letras smbolos e nmeros usados junto s cifras

    (#) ao lado das letras indica Sustenido

    (b) ao lado das letras indica Bemol

    (m) indica que o acorde menor

    (M) usada na marcao da 7 maior nos livros brasileiros (vide Almir Chediak)

    () indica acorde diminuto

    (nmeros ao lado das cifras) indica intervalos adicionais ou indicativos (Add 9)

    ( ou maj ) indica 7 maior em algumas cifragens

    (# ou +) ao lado de nmeros na cifra indica Aumentado

    (b ou -) ao lado de nmeros na cifra indica Menor

  • 7

    A Cifra no define a posio (oitava) onde ser tocado o acorde nem a disposio das notas dentro dele. Isso significa que se temos uma cifra ex.: C7M ela pode ser tocada com qualquer disposio de suas notas ( C E G B ou C G B E ou C B E G ...etc...) contanto que a Tonica esteja no baixo.

    A cifra s define a categoria do acorde (maior, menor, aumentado ou diminuto) e a nota do baixo (em acordes invertidos).

    Existem muitos mtodos e sistemas de cifragem pelo mundo, com situaes que geram duvidas na sua interpretao, vou colocar algumas formas de marcao mais comuns.

    1 Cifragem diferentes para o mesmo acorde

    C7+ = C7M = C maj 7 = C 7 .....

    Dependendo do autor do livro, ele pode adotar alguma dessas cifragens ou ainda outras...

    2 Cifragem de acordes invertidos C/E, G7/B...

    Uma das notas do acorde (Tnica, 3, 5, 7) vai para o baixo sem mudar a funo do acorde (isto sem mudar seu objetivo no trecho msical) no acorde invertido C/E, o C o acorde bsico e E a nota do baixo.

    3 Estrutura superior (Trades de estrutura superior)

    um tipo de cifragem onde temos uma cifra "Sobre" a outra como numa frao. A primeira estrutura o nosso acorde at a sua stima, as estruturas superiores so as 9 11 e 13, que formam trades so chamados tambm de trades de estrutura superior ex.: E_ A7+ (Mi maior sobre l com stima maior) mais comum aos pianistas por conterem sete notas no acorde; eles tambm podem ser usados com ttrades ou outras combinaes Este modo de cifragem especialmente utilizado em acordes politonais (Acordes hbridos).

    4acordes hbridos so tambm conhecidos como acordes politonais por possurem notas comuns a geralmente duas escalas.

    Ex.: Am9/Bb Este acorde tem a particularidade de possuir as nota Bb, B, C na sua formao nos levando a pensar que pode vir da mistura das escalas de F maior e C maior, por exemplo, (a combinao pode vir de outros modos).

    Gerando um modo que poderia ser chamado de ldio add9b ou elio add9b (idia conhecida como compresso modal)

  • 8

    Escala cromtica

    a seqncia completa das notas com os 12 tons; comeando do A ficaria:

    A (A#/Bb) B C (C#/Db) D (D#/Eb) E F (F#/Gb) G (G#/Ab) A

    A escala cromtica formada por semitons, quando tocamos um trecho com mais de trs notas consecutivas chamamos de cromatismo.

    Ex. B C C# ela nos ajuda na visualizao e leitura das notas no instrumento

    A escala cromtica obtida atravs do ciclo de 5 da escala maior

    C- G- D- A- E- B- F#- C#- G#- D#- A#- F- C

    Hierarquia dos sons

    O Ouvido humano percebe o som atravs de freqncia das notas, estas freqncias so ouvidas por ns quando se encontram entre 16 Hertz e 20.000 Hertz.

    Sons abaixo de 16 Hz so muito graves e o nosso ouvido no capaz de perceb-los o mesmo ocorre com sons acima de 20.000 Hz que so muito agudos.

    Outra caracterstica que ouvimos os sons do grave para o agudo devido durao da srie harmnica; um som grave gera uma srie harmnica maior do que um som agudo ( que seja perceptvel ao nosso ouvido) isso leva a uma predominncia harmnica dos sons graves que so tidos como tnicas dos nossos acordes enquanto os sons agudos so percebidos como intervalos em relao a eles.

    Em uma inverso de acorde nossos ouvidos percebe uma diferena na sonoridade do acorde mesmo ele mantendo sua funo harmnica no trecho msical.