of 31 /31
MICRORGANISMOS AOS QUADRADINHOS PROJETO DE LICENCIATURA DE BIOLOGIA APLICADA DANIEL JOSÉ COSTA RIBEIRO JULHO 2013

Microrganismos aos Quadradinhos

Embed Size (px)

DESCRIPTION

O objetivo principal deste trabalho é desmistificar a ideia de que o termo “micróbio” significa “perigo de morte”. Adicionalmente, pretendem-se ilustrar determinadas particularidades que certos microrganismos possuem (algumas delas essenciais à nossa própria sobrevivência) e uma forma apelativa e eficaz.

Text of Microrganismos aos Quadradinhos

  • MICRORGANISMOS AOS QUADRADINHOS

    PROJETO DE LICENCIATURA DE BIOLOGIA APLICADA

    DANIEL JOS COSTA RIBEIRO JULHO 2013

  • Ttulo do Projeto:

    Microrganismos aos Quadradinhos

    Autor:

    Daniel Jos Costa Ribeiro

    Trabalho realizado sob a orientao de:

    Alexandra Nobre (Professora Auxiliar)

    Departamento de Biologia (Escola de Cincias da Universidade do Minho)

  • Microrganismos aos Quadradinhos | Agradecimentos

    Daniel Jos Costa Ribeiro ii

    Agradecimentos

    Agradeo vigorosamente s seguintes pessoas:

    orientadora de Projeto, Professora Alexandra Nobre, que superou todas as minhas

    expectativas no desempenho da sua funo, ao fornecer inspirao e motivao para o que

    foram dois meses de muito trabalho e muitos becos sem sada.

    Aos meus pais, Antnio e Maria Ribeiro que reclamaram das luzes acesas enquanto eu vagueei

    por livros e papers durante horas. Sem eles isto no seria possvel porque, afinal de contas, so

    eles quem pagam as propinas.

    s grandes amigas Filipa Arajo e Catarina Ferreira que fizeram questo de me apoiar quando

    eu mais precisei, de uma maneira que poucas pessoas sabem como. Em especial a Catarina

    Ferreira que desempenhou um papel fulcral na execuo dos cartoons.

    Aos meus afilhados e eternos caloiros Joo Gomes, Bruno Sevivas e Sara Martins, que se

    preocuparam e ajudaram no desenvolvimento do projeto do seu padrinho, e se queixavam que

    tinham que estudar imenso, mal sabendo, coitados, o que desenvolver um projeto destes.

    Ainda assim, o seu apoio foi fundamental para manter a minha sanidade mental.

    Aos meus restantes amigos, que fizeram questo de demonstrar que o tempo s convida a praia

    e piscina, e de realar constantemente a expresso j faltou mais na esperana que isso me

    fizesse sentir melhor.

    Aos meus professores em geral, que contriburam para o conhecimento que adquiri at hoje

    nesta universidade. Um especial agradecimento aos que contriburam para a adrenalina de ter

    testes globais e projeto ao mesmo tempo.

  • Microrganismos aos Quadradinhos | ndice

    Daniel Jos Costa Ribeiro iii

    ndice

    Sumrio .................................................................................................................................................. iv

    Introduo ............................................................................................................................................. 1

    1. Comunicar Cincia .................................................................................................................... 1

    1.1 Atravs de livros .............................................................................................................. 1

    1.2 Atravs de recursos em rede ...................................................................................... 3

    1.3 Atravs da interao pessoal e abordagem hands-on ....................................... 3

    2. O texto e imagem na comunicao ................................................................................... 4

    2.1 O cartoon como veculo de comunicao de Cincia .......................................... 5

    3. A Microbiologia ........................................................................................................................... 7

    3.1 Os microrganismos e a opinio pblica ................................................................... 7

    Desenvolvimento ............................................................................................................................... 9

    1. A escolha dos tpicos a abordar ......................................................................................... 9

    1.1 Os microrganismos e a alimentao ......................................................................... 9

    1.1.1 A produo de vinhos ............................................................................................ 9

    1.1.2 Os probiticos ......................................................................................................... 10

    1.2 Os microrganismos e a sade ................................................................................... 10

    1.2.1 A produo de vacinas ........................................................................................ 10

    1.3 Os microrganismos e o meio ambiente ................................................................. 11

    1.3.1 Biorremediao .................................................................................................... 101

    2 A produo grfica dos cartoons ...................................................................................... 12

    2.1 O processo passo a passo........................................................................................... 12

    2.2 A Coleo Microrganismos aos Quadradinhos..................................................... 16

    2.2.1 A produo de vacinas ........................................................................................ 16

    2.2.2 Probiticos................................................................................................................ 17

    2.2.3 Fermentao alcolica ......................................................................................... 17

    2.2.4 Biorremediao ...................................................................................................... 18

    Consideraes Finais ..................................................................................................................... 19

    Referncias .......................................................................................................................................... 20

    Anexos ................................................................................................................................................... 22

    Anexo 1 - Exemplo de panfleto onde est presente a utilizao da imagem e do

    cartoon na comunicao de conhecimento na rea da Sade ....................................... 22

    Anexo 2 - As cinco escolhas estratgicas para a construo de arte sequencial

    animada e caractersticas importantes inerentes a cada uma delas ........................... 23

    Anexo 3 - Compilao dos resultado da pesquisa feita em dicionrios de Lngua

    Portuguesa, em formato de papel e disponveis online, sobre diversos termos do

    lxico comum associados taxonomia microbiana ............................................................ 24

  • Microrganismos aos Quadradinhos | Sumrio

    Daniel Jos Costa Ribeiro iv

    Sumrio O objetivo principal deste trabalho desmistificar a ideia de que o termo micrbio significa

    perigo de morte. Adicionalmente, pretendem-se ilustrar determinadas particularidades que

    certos microrganismos possuem (algumas delas essenciais nossa prpria sobrevivncia) e uma

    forma apelativa e eficaz.

    Aps uma pesquisa exaustiva no mbito da Microbiologia Aplicada, foi criada uma coleo

    composta por 4 tiras de cartoon que demonstram a utilidade dos microrganismos nas reas da

    Sade, da Alimentao e do Ambiente. Aqui est a prova de que possvel associar o humor ao

    rigor cientfico e dar vida coleo Microrganismos aos Quadradinhos.

  • Microrganismos aos Quadradinhos | Introduo

    Daniel Jos Costa Ribeiro 1

    Introduo

    1. Comunicar Cincia A partilha do conhecimento cientfico permite que a Cincia avance, que se desvendem

    mistrios e se desfaam preconceitos a cada dia que passa. As palavras de Dalai Lama, Share

    your knowledge. Its a way to achieve immortality (1) remetem-nos, comunidade cientfica,

    para um aspeto muito importante na Cincia: a transmisso do Conhecimento. De nada serve o

    Conhecimento se no for partilhado. E mesmo quando o , a linguagem e a forma utilizadas so,

    muitas vezes, desajustadas e at entediantes. A Cincia um mundo fascinante que dever ser

    transmitido ao pblico em geral, de forma apelativa e, simultaneamente, direta e precisa.

    Que estratgias de comunicao devem ser usadas? De que formatos e suportes dispem os

    comunicadores de Cincia, senso lato para passar a sua mensagem? Basicamente todas as

    estratgias so vlidas desde que resultem consequentes no seu propsito. Em termos de

    suporte/veculo da mensagem, as possibilidades so imensas e tm aumentado nos ltimos

    tempos, com o desenvolvimento dos recursos tecnolgicos e com a tomada de conscincia de

    que a Comunicao de Cincia sociedade um direito, e um dever. Um direito de todos os

    cidados. Um dever de quem tem acesso privilegiado a este domnio do Conhecimento. Seguem-

    se apenas alguns exemplos que me parecem interessantes referir.

    1.1. Atravs de livros Existem diversas colees de livros focadas nas mais diversas reas da Cincia, que utilizam uma

    linguagem desconstruda e acessvel ao cidado comum.

    Por exemplo, The Manga Guide to Molecular Biology faz parte da srie de Masaharu

    Takemura, Sakura e Ltd. Becom Co. (Fig. 1A) (2). O aspeto inovador desta coleo est na

    utilizao da manga, tcnica de desenho e animao japonesas, que permite ao leitor

    acompanhar as aventuras dentro do corpo humano, de um modo grfico sequencial. Alguns dos

    tpicos abordados passam pelos organelos celulares, pelos processos de mitose e citocinese e

    pelas tcnicas de clonagem e manipulao de DNA. Em termos de escrita ocidental tambm h

    vrios exemplos de colees de banda desenhada (BD) dedicadas a temas de cincia. Adventures

    in Synthetic Biology acerca do novo campo interdisciplinar da Biologia Sinttica (Fig. 1B),

    Conundrum of a Corona Virus, uma histria de detetives acerca da Sndrome Respiratria Aguda

    Grave e ainda Cindi in Space, a histria de uma super-herona em que se fala de ionosfera e de

    satlites (2) so apenas alguns.

    Numa vertente de texto tradicional, a coleo Cincia Aberta da Gradiva j h mais de 30 anos

    que disponibiliza, em portugus, as melhores obras de divulgao de Cincia. Das cerca de 200

    obras editadas gostaria de destacar Darwin aos tiros e outras histricas de cincia que, segundo

    garantem os autores David Maral e Carlos Fiolhais, anda volta de episdios divertidos ou

    pelo menos curiosos para falar de cincia e da vida dos cientistas (3) (4) e Pipocas com

    telemveis e outras histrias de falsa cincia (Fig. 1C), dos mesmos autores, que promete

    desmontar aldrabices cientficas espalhadas na Internet, nos media, nos supermercados e at

    em escolas e universidades (5).

    No poderei tambm deixar de realar a coleo Era uma vez, um clssico de desenhos

    animados dos anos 80 tambm editado em livro e em coleo de cromos (Fig 1D). O

  • Microrganismos aos Quadradinhos | Introduo

    Daniel Jos Costa Ribeiro 2

    funcionamento do corpo humano e das clulas era abordado de tal forma fascinante, que me

    influenciou a mim, e com certeza muitos dos meus colegas, a enveredar pela rea da cincia (6).

    Figura 1 - Livros que abordam temas de cincia destinados a um pblico abrangente: Manga Guide to Molecular Biology (A); Adventures in Synthetic Biology (B); Pipocas com Telemveis e Outras Histrias de Falsa Cincia (C) e Era Uma Vez (D).

    A

  • Microrganismos aos Quadradinhos | Introduo

    Daniel Jos Costa Ribeiro 3

    1.2. Atravs de recursos em rede Outro excelente meio ao nosso dispor para divulgar Cincia a Internet. E excelente porqu?

    Porque dada a forma como evoluiu nos ltimos anos espalhando-se por todo o globo

    (obviamente h assimetrias considerveis com, por exemplo, o continente africano numa

    posio claramente desfavorecida), permitiu democratizar a partilha de informao e de

    conhecimento. Dados de 2012 indicam que existem cerca de 2,4 mil milhes de utilizadores de

    internet a nvel mundial e que esto disponveis para consulta cerca de 634 milhes de websites

    (7). Na Web, uma das formas mais comuns de difuso do conhecimento cientfico feita atravs

    de blogues (ou blogs, em ingls). Para se ter uma ideia, recuperam-se 29 800 000 resultados de

    pesquisa cruzando os termos blog e cincia no motor de busca Google (8). O blogue De

    Rerum Natura (do latim, sobre a natureza das coisas), fundado h vrios anos por cientistas

    portugueses reconhecidos e envolvidos na divulgao da Cincia, faz parte de uma grande lista

    que traz ao leitor, diariamente, informao sobre: a atualidade nos mais diversos campos de

    interveno humana, descobertas cientficas recentes, lanamento de livros relacionados com a

    Cincia, eventos que relacionam a Cincia e a Arte, para citar apenas alguns aspetos (9). Um

    outro blogue dedicado a esta temtica Cincia ao Natural, o blogue de Lus Azevedo

    Rodrigues convidado pelo Jornal Pblico, um stio na Web onde se podem encontrar

    publicaes direcionadas para a Evoluo e Histria da Terra. Para alm de blogues, a Web

    permite muitos outros formatos como pginas de projetos, pginas de instituies (museus,

    centros de investigao, universidades, escolas, etc.) e a criao de perfis e de grupos

    extremamente dinmicos nas redes sociais, como por exemplo, o Facebook. Estes so apenas

    alguns dos muitos exemplos de como, cada vez em maior nmero, surgem na rede recursos que

    permitem abrir a Cincia sociedade.

    1.3. Atravs da interao pessoal e abordagem hands-on Uma forma de comunicao de Cincia com enorme sucesso e que torna o pblico recetor, ator

    do prprio processo, levada a cabo por centros de experimentao de cincia e Museus de

    abordagem hands-on. Em Portugal, embora esta filosofia seja seguida por diversos museus de

    gnese recente ou pela atualizao/reciclagem de museus mais clssicos, sem dvida que o

    Pavilho do Conhecimento em Lisboa e a rede de dezenas de Centros Cincia Viva disseminados

    por todo o territrio nacional (http://www.cienciaviva.pt/centroscv/), tm um papel

    incontornvel na divulgao da cultura cientfica e tecnolgica junto da populao portuguesa.

    Constituem espaos dinmicos de conhecimento e de lazer, onde se estimula a curiosidade

    cientfica e o desejo de aprender e em que se convidam os visitantes de todas as idades, a

    participar em atividades e exposies interativas. Uma das iniciativas de grande sucesso que

    lhes est associada o Programa Cincia Viva no Vero

    (http://www.cienciaviva.pt/veraocv/2013/) lanado em 1997 e cuja adeso por parte da

    populao enorme. Basta dizer que este ano o programa foi lanado no dia 9 de Julho e, aps

    apenas 15 minutos da abertura, j contava com mais de 4000 inscries (Fig. 2) (10).

    Numa outra vertente, o Circo Matemtico (http://ludicum.org/cm) um projeto proposto pela Associao Ludus e constitudo por um grupo de pessoas, entusiastas da Matemtica obviamente, com formaes diversas e complementares, por forma a conseguirem atingir um nvel de interveno muito abrangente. O seu principal objetivo maravilhar, divertir e atrair para a matemtica mediante a realizao de atividades ldicas variadas. Nas aes de animao so usados materiais simples como puzzles, quebra-cabeas, jogos de cartas e mesmo artefactos de iluso de tica. Os espetculos com durao inferior a duas horas so adequados ao pblico a que se destinam e incluem animaes de rua, espetculos de sala, aes em escolas e em

  • Microrganismos aos Quadradinhos | Introduo

    Daniel Jos Costa Ribeiro 4

    empresas, formao de animadores, atuaes em feiras de cincia, entre muitos outros formatos (11). Seguindo uma filosofia ligeiramente diferente, mas ainda assim privilegiando o contacto direto com o pblico, surge o grupo de stand-up comedy Cientistas de P (http://cientistasdepe.pt) coordenado pelo bioqumico David Maral a que se juntaram cientistas das mais diversas reas desde a Biologia Arqueologia e Informtica, para citar apenas algumas (Fig. 2). A ideia surgiu em 2009 quando iniciou um ps-doutoramento em comunicao de cincia sob a superviso do professor Carlos Fiolhais, com um projeto que visava recorrer ao teatro e ao humor para comunicar cincia. Desde ento, o grupo tem vindo a aumentar em nmero de elementos e as atuaes tambm se multiplicam de dia para dia.

    Figura 2 - Cartaz ilustrativo do programa CIncia Viva No Vero 2013 ( esquerda) e logotipo do grupo de stand-up comedy Cientistas de P ( direita).

    2. O texto e imagem na comunicao Como se sabe, os estilos de aprendizagem utilizam basicamente trs formas de perceo da informao: a visual, a auditiva e a cinestsica, sendo que grande parte da populao se enquadra na primeira categoria. As pessoas visuais fazem uso da viso como forma de obter e reter as informaes, ou seja, compreendem muito melhor um texto associado a um grfico, a uma ilustrao ou a uma foto, do que uma mancha de texto apenas (12). Segundo Rota & Izquierdo, a conjugao de texto e imagem tem uma enorme capacidade de contar histrias e transmitir mensagens (13). Na verdade, basta olhar ao nosso redor para perceber o uso e abuso da imagem no dia-a-dia, sobretudo na publicidade, quer na imprensa diria, quer na televiso ou mesmo em formatos maiores como cartazes/posters e outdoors. Quando o objetivo cativar a ateno e partilhar informao sem que esta seja perdida instantaneamente, a imagem, quando usada com os critrios adequados, revela-se o melhor mtodo (14).

    Um campo em que a imagem desempenha um papel fundamental o da informao mdica populao. recorrente haver dificuldade por parte do cidado comum em compreender conceitos, procedimentos e regras ligadas aos cuidados bsicos de sade (15). Isto acontece dada a sua complexidade e utilizao de um lxico especfico, desconhecido de grande parte da populao. No entanto, como descrito por Delp e Jones, a presena de imagem associada ao

  • Microrganismos aos Quadradinhos | Introduo

    Daniel Jos Costa Ribeiro 5

    texto em panfletos com indicaes mdicas e destinados aos utentes, desperta um interesse muito maior por parte da populao-alvo. Alm disso, possibilita uma melhor compreenso da mensagem comparativamente s situaes em que a literatura fornecida apenas sob a forma de texto. Adicionalmente, de acordo com estes autores, parece que o uso da imagem permite ao paciente-idoso memorizar melhor os procedimentos a seguir e os conselhos descritos nos panfletos (16). Por outro lado, quando o recetor da mensagem a populao infantil, os elementos grficos e a cor aumentam o grau de ateno e a compreenso. So inmeros os exemplos de panfletos, desdobrveis e mesmo cartazes que fazem uso desta estratgia para passar a sua mensagem de modo eficiente. Encontra-se um exemplo elucidativo no Anexo 1 da pgina 22.

    2.1. O cartoon como veculo de comunicao de Cincia O termo cartoon surgiu na Idade Mdia referindo-se ao esboo de uma obra de arte, pintura ou

    escultura. S mais tarde, j no sculo XIX, foi associado a uma ilustrao de carcter humorstico

    publicada na imprensa diria, de que exemplo pioneiro a revista Punch (Fig. 3) (17) (18).

    Figura 3 - Primeiro cartoon publicado na revista Punch (retirado de http://punch.photoshelter.com/about/).

    Hoje em dia pode definir-se cartoon como um desenho ou pintura no-realista, que usa na sua

    gnese elementos como a stira, a caricatura ou o humor. O termo cartoon amplamente

    associado a tiras de BD, como o Calvin & Hobbes, e tambm a desenhos animados, j que so

    utilizadas na sua conceo tcnicas semelhantes s da BD (ver Anexo 2 da pgina 23) (17). Em

    Portugal, esta estratgia usada em vrios jornais, entre eles o Expresso, o Pblico ou A Bola,

  • Microrganismos aos Quadradinhos | Introduo

    Daniel Jos Costa Ribeiro 6

    funcionando como veculo de crtica social aos mais recentes acontecimentos, nos diversos

    setores da sociedade (Fig. 4).

    Figura 4 - Exemplo de uma tira do cartoon "Calvin" que reflete preocupaes ambientais (adaptado de http://www.cooperativeindividualism.org/political-economy-of-calvin-and-hobbes-3.html).

    Assim, o cartoon, como forma de arte sequencial composta por texto e imagem, revela-se uma ferramenta interessante para a divulgao descontrada de conhecimento cientfico. H mesmo quem defenda que a imagem, incluindo o cartoon, permite que os alunos se interessem por Cincia e a aprendam, em vez de se resumirem a decorar texto para os exames (19). No mbito do campo virtual surgem alguns blogues e pginas em redes sociais que publicam regularmente cartoons sobre cincia e que, boleia de algum humor, despertam o pblico que os visita para assuntos srios e atuais de natureza cientfica. o caso das pginas Dirio de Biologia (http://diariodebiologia.com), Saturday Morning Breakfast Cereal (http://www.smbc-comics.com) e do projeto STOL Science Through Our Lives na rede social Facebook (http://fb.com/pages/STOL-Science-Through-Our-Lives/157428631036940). Resumindo, quando utilizados na Cincia, os cartoons permitem ao leitor adquirir conhecimentos sobre vrios temas e assuntos srios e reais, mesmo que se usem abordagens mais fictcias e fantasiosas para explicar conceitos verdadeiros (2). Na figura seguinte est patente um exemplo de interesse atual.

    Figura 5 - Exemplo de cartoon cientfico, ilustrando o processo de transformao gentica de microrganismos e da transferncia horizontal de genes responsvel pela disseminao da resistncia bacteriana a antibiticos, um problema com que a sociedade atual se debate (retirado de http://www.deviantart.com/art/Cell-meets-plasmid-151423037).

  • Microrganismos aos Quadradinhos | Introduo

    Daniel Jos Costa Ribeiro 7

    3. A Microbiologia A vida no planeta Terra apareceu h muito tempo, cerca de 3,7 mil milhes de anos atrs, sob a

    forma de organismos unicelulares muito simples (20). Cr-se que no Perodo Pr-Cmbrico todas

    as formas de vida seriam microscpicas (21). Pode dizer-se ento que os microrganismos

    habitam o planeta h muito mais tempo do que a espcie humana, e que mesmo assim

    conseguiram sobreviver at aos dias de hoje.

    Figura 6 - Evoluo da vida no planeta Terra, evidenciando os procariotas como primeiras formas de vida existentes

    (adaptado de http://www.tutorvista.com/content/biology/biology-iii/organic-evolution/organic-evolution.php).

    Os microrganismos so seres vivos ubquos, capazes de habitar qualquer tipo de ambiente. Esto

    por todo o lado, desde o fundo dos oceanos at ao limite da atmosfera, devido sua grande

    variabilidade, versatilidade metablica e capacidade de suportar condies abiticas em que,

    partida, seria impensvel a existncia de vida (22) (23) (24). A ttulo de curiosidade, note-se que

    o intestino de um ser humano possui entre 500 a 1000 espcies diferentes de bactrias (25) e

    que existem cerca de 10 vezes mais clulas bacterianas do que clulas humanas no nosso corpo

    (26). Sabe-se ainda que os microrganismos possuem cerca de 50% do carbono orgnico e 90%

    do azoto orgnico existentes no nosso planeta (22).

    O seu estudo foi impulsionado por diversos feitos e descobertas que permitiram revelar,

    primeiro a sua existncia, e depois o seu funcionamento. Alguns marcos incontornveis dos

    primeiros passos no estudo da microbiologia so: o primeiro registo de estruturas frutferas de

    um fungo realizado por Hobert Hooke em 1665, a construo do primeiro microscpio de

    Antoine Van Leeuwenhoek em 1676 que permitiu observar bactrias e, mais tarde, no sculo

    XIX, o destronar da Teoria da Gerao Espontnea por Louis Pasteur (24).

    3.1. Os microrganismos e a opinio pblica Para o pblico em geral as palavras micrbio, bactria e microrganismo, so quase sempre

    sinnimo de algo nocivo, prejudicial e causador de enfermidade. A sua presena passa

    naturalmente despercebida pelo simples facto de, na sua grande maioria, serem invisveis a olho

  • Microrganismos aos Quadradinhos | Introduo

    Daniel Jos Costa Ribeiro 8

    nu o que no ajuda, em nada, compreenso dos benefcios que esto associados sua

    presena. Para o cidado comum a sua existncia (quase) s se torna realidade quando algo de

    desagradvel acontece, seja o aparecimento de alguma doena, a deteriorao de um alimento

    ou a decomposio de uma estrutura. Assim, inevitvel que as pessoas associem os

    microrganismos a doenas, mesmo quando apenas uma minoria patognica (23). Esta tendncia visvel, at em fontes aparentemente credveis que definem bactria como Ser

    vivo microscpio que pode causar doenas (27) ou microrganismo que causa doenas (28). E

    consonante com a ideia errada que a populao em geral tem sobre este grupo de seres vivos,

    desconhecendo que a Vida, simplesmente no existiria sem eles. Esta uma ideia bastante

    antiga, que teve origem mesmo antes da inveno do microscpico, quando Girolamo

    Fracastoro props, em 1546, que as doenas epidmicas fossem causadas por entidades capazes

    de transmitir a infeo por contacto direto ou indireto ou mesmo atravs de longas distncias

    (29). Na tabela 1 do Anexo 3 (pgina 24) esto compilados os resultados de uma pesquisa de

    termos associados Microbiologia e feita em diversos dicionrios de Lngua Portuguesa.

    Por tudo o que foi dito atrs, e por influenciarem o planeta de tantas e to variadas formas, estes seres merecem uma ateno especial neste projeto. Assim, ao desafio proposto de utilizar a tcnica do cartoon para comunicar conceitos de Cincia a um pblico generalizado juntou-se esta rea da Biologia que est geralmente associada a uma srie mitos, preconceitos e ideias deturpadas, que podem resultar em receios, em comportamentos errados e mesmo em tomada posies extremadas e perigosas por parte de alguns elementos da populao.

  • Microrganismos aos Quadradinhos | Desenvolvimento

    Daniel Jos Costa Ribeiro 9

    Desenvolvimento

    1. A escolha dos tpicos a abordar Chegado a esta fase foi altura de decidir, no imenso mundo de possibilidades em que os

    microrganismos se revelam teis e at mesmo indispensveis, quais os tpicos que faria sentido

    abordar. Basicamente, e pensando de um modo sistemtico em termos de Microbiologia

    Aplicada, os microrganismos desempenham papis fundamentais em trs grandes reas:

    Alimentao, Sade e Ambiente. A proposta inicial era elaborar uma coleo de seis cartoons,

    dois associados a cada uma das reas referidas anteriormente. Entretanto, com o passar do

    tempo e a tomada de conscincia de todo o trabalho envolvido, o objetivo inicial foi

    redimensionado para um conjunto de quatro cartoons, ainda assim abarcando os trs grandes

    domnios de atuao microbiana.

    1.1. Os microrganismos e a alimentao A rea da microbiologia alimentar , provavelmente, a menos desconhecida para o cidado

    comum, ou pelo menos, aquela em que ele apresenta, empiricamente, alguma capacidade de

    entendimento. Afinal toda a produo de alimentos fermentados como o iogurte, o queijo, a

    cerveja, o vinho, o vinagre e o po remonta a dezenas de sculos atrs (24), quando o processo

    foi descoberto de modo acidental e, mais tarde, intencionalmente levado a cabo pelo Homem

    como forma de aumentar, quer a capacidade de conservao, quer as caractersticas

    nutricionais e organolticas do alimento em causa. No caso particular das bebidas alcolicas

    parece que devemos recuar muito mais no tempo, at aos finais da Idade da Pedra, ou seja,

    10.000 AC (30). Numa vertente menos tradicional, os microrganismos so imprescindveis na

    produo industrial de: (i) vitaminas; (ii) aditivos alimentares como corantes, conservantes,

    espessantes e gelificantes; (iii) no processamento e maturao do ch, caf e cacau e ainda; (iv)

    na produo de novos alimentos como single-cell protein, alimentos resultantes de manipulao

    gentica e alimentos probiticos (23) (31). Ainda na rea alimentar no posso deixar de referir

    os macrofungos, vulgarmente conhecidos por cogumelos, que desempenham um papel

    preponderante na dieta alimentar de determinadas populaes (32).

    1.1.1. A produo de vinhos

    O vinho um produto caracterstico do nosso pas, sendo em Portugal que se produz o melhor

    vinho do Mundo (33). um dos produtos mais exportados, importante na nossa economia

    (34), faz parte da cultura portuguesa e leva o nome de Portugal aos quatro cantos do Mundo.

    Por ser cada vez menos comum a produo de vinho em pequena escala, a perceo da

    sociedade sobre a produo do vinho cada vez menor. O facto de as leveduras no serem

    visveis a olho nu, contribui para que no seja associada qualquer atividade biolgica ao

    processo, quando na verdade a flora microbiana presente no mosto essencial e imprescindvel.

    De forma a dar relevncia a um processo que nos to caro achei que seria pertinente a

    elaborao de um cartoon em volta desta temtica. O seu objetivo ser demonstrar o que

    acontece durante a produo de vinho, na perspetiva de atuao da levedura Sccharomyces

    cerevisiae.

  • Microrganismos aos Quadradinhos | Desenvolvimento

    Daniel Jos Costa Ribeiro 10

    1.1.2. Os probiticos

    A sociedade atual est cada vez mais sensibilizada para a vantagem de seguir uma alimentao

    saudvel (35) (36). Hoje em dia, o consumidor informado procura alimentos que, para alm das

    propriedades nutricionais promovam benefcios especficos para a sade, (37). Os probiticos

    so microrganismos vivos adicionados a alimentos que, ao serem ingeridos com alguma

    regularidade, permitem melhorar o desempenho e a funo de determinados rgos, e

    consequentemente, do organismo no seu todo. So frequentemente processados por adio a

    iogurtes, j que estes constituem alimentos de consumo dirio, regular, com tempo de vida de

    prateleira curto e mantidos em condies refrigeradas, tudo condies necessrias para

    manuteno e atuao adequadas do microrganismo probitico (38). O consumo deste tipo de

    alimentos aumentou 128% em apenas 5 anos, entre 2004 e 2009 (39), o que explica a crescente

    variedade de probiticos nas prateleiras das superfcies comerciais. Entre estes microrganismos

    destacam-se Bifidobacterium bifidum e Lactobacillus acidophillus (40). Um deles ser

    protagonista de um dos cartoons da coleo.

    1.2. Os microrganismos e a sade verdade que muitos microrganismos so capazes de nos provocar doenas mas apenas alguns

    se revelam verdadeiramente letais ao ser humano. Na sua grande maioria e em condies

    normais de funcionamento do sistema imunitrio, somos indiferentes maioria dos

    microrganismos (41). Por outro lado, h muitos exemplos de microrganismos capazes de

    promover a nossa sade, direta ou indiretamente. O exemplo paradigmtico ser, porventura,

    a descoberta da penicilina, o primeiro antibitico produzido intencionalmente. Em 1929

    Alexander Fleming detetou a capacidade bactericida de um fungo que tinha crescido, por

    acidente, nas placas de Petri onde tinha inoculado culturas de Staphilococcus. Este

    acontecimento abriu as portas descoberta dos antibiticos que so hoje produzidos em larga

    escala para combater infees bacterianas (22) (24).

    A vacinao, criada por Edward Jenner em 1796 para o combate da varola uma das estratgias

    de maior sucesso na profilaxia de doenas usada at aos dias de hoje (22) (24) (42). Uma vacina

    pode conter organismos inteiros, partes de microrganismos ou toxinas por eles produzidas, que

    foram previamente alterados de forma a desencadear uma resposta segura do sistema

    imunitrio do hospedeiro. Tambm o facto de o nosso corpo estar totalmente colonizado por

    certos microrganismos confere-nos uma barreira adicional a outros nocivos, e funciona como

    um sistema imunitrio secundrio. Sem esta proteo inata estaramos demasiado expostos e

    muito mais suscetveis a quaisquer ataques microbianos (43).

    Outro exemplo inevitvel de referir a produo de insulina por manipulao gentica de

    Escherichia coli, uma hormona envolvida na manuteno do nvel de glicmia e imprescindvel

    qualidade de vida dos pacientes de diabetes tipo I (44).

    1.2.1. A produo de vacinas

    As vacinas so poderosos meios de preveno de doenas, produzidas pela primeira vez por

    Jenner. Permitem-nos fortalecer o nosso sistema imunitrio, pois contm partes de

    microrganismos patognicos (por vezes at inteiros) ou as suas toxinas desativadas, permitindo

    a produo de anticorpos, e em consequncia, a imunizao contra uma determinada doena

    (45). O processo de vacinao tem tambm a vantagem de, ao impedir o contgio dos indivduos

    imunizados, evitar a propagao da patologia e o aparecimento de epidemias (46). O Programa

    Nacional de Vacinao define as imunizaes obrigatrias e essenciais para qualquer cidado

  • Microrganismos aos Quadradinhos | Desenvolvimento

    Daniel Jos Costa Ribeiro 11

    portugus. Se bem que haja vacinas em que uma nica toma garantia de imunizao vitalcia,

    no caso do ttano e da difteria, causadas, respetivamente, por C. tetanus e C.diphteriae, um

    adulto dever ser imunizado a cada 10 anos (47). Apesar da imunizao representar maior

    garantia de sade para a populao adulta, existe por vezes, alguma dificuldade em a cumprir,

    seja por relutncia, por preconceito, ou mesmo por esquecimento (48). Por esta razo foram

    escolhidos os caos especficos de produo e funcionamento da vacina do ttano e da difteria

    para a representao em cartoon.

    1.3. Os microrganismos e o meio ambiente Tambm a nvel do meio ambiente os microrganismos apresentam imensas vantagens para o

    ser humano, senso lato. Aps a Revoluo Industrial e depois da 2 Guerra Mundial, os nveis de

    poluio atmosfrica e no solo atingiram nveis difceis de ignorar. Mais tarde, com o boom de

    desenvolvimento tecnolgico e consequente pico no consumo de combustveis, o panorama

    piorou consideravelmente. A revoluo verde das dcadas 60 e 70 do sculo XX associada ao

    consumo massivo de fertilizantes e pesticidas qumicos tambm contribuiu, grandemente, para

    o aumento alarmante dos nveis de poluio. Atualmente usam-se microrganismos para

    remover eficientemente alguns poluentes do meio ambiente como o caso de biolixiviao de

    metais pesados do solo (49). A diminuio da utilizao de qumicos na agricultura por utilizao:

    de bioinsecticidas de origem microbiana (50), de bactrias capazes de fixar o azoto atmosfrico

    e o transformar em produtos facilmente assimilados pelas plantas (51) e ainda, de plantas

    micorrizadas altamente adaptadas a solos e climas (52), tambm tem consequncias muito

    positivas em termo ambientais.

    A biorremediao uma outra rea em que os microrganismos tm, j hoje, um papel de

    destaque. A sua enorme versatilidade metablica e capacidade de adaptao a condies

    extremas possibilita que, potencialmente, possam ser usados em situaes de desastre

    ecolgico (como fuga de efluentes ou derrames de petrleo) para metabolizar total ou

    parcialmente, os compostos nocivos (52).

    1.3.1. Biorremediao

    A remediao biolgica o processo de remoo ou mitigao de agentes poluentes com

    recurso a organismos vivos, sejam elas plantas (fotorremediao), microrganismos

    (biorremediao) ou eventualmente, outros (52) (53). Apesar de poder ocorrer

    espontaneamente na natureza sem a interveno do Homem (biorremediao intrnseca), pode

    tambm ser potenciada por ele (bioestimulao e bioaumento ou bioampliao) como acontece

    nas estaes de tratamento de guas. As vantagens deste processo relativamente remoo

    qumica ou mecnica incluem menor necessidade de equipamento, de energia e de mo-de-

    obra, o que se reflete num menor custo. Alm disso, evitam-se processos como escavaes,

    remoo e transporte de solos pois a atividade microbiana ocorre no prprio local (54). No

    entanto, apesar das enormes vantagens referidas, a biorremediao dependente da interveno

    humana (bioestimulao e bioaumento) encontra-se ainda em fase muito incipiente, em termos

    de aplicao prtica no terreno. A ttulo de exemplo de exceo, refira-se um desastre

    ecolgico de enormes propores que se registou no Alasca nos anos 90. Por acidente, um

    cargueiro libertou 500000 toneladas de petrleo no oceano, numa zona de reserva natural e ps

    em risco todo um ecossistema mpar. A par com a remoo mecnica foram adicionados

    nutrientes especficos que permitiram duplicar a taxa natural de biodegradao do petrleo

    (55).

  • Microrganismos aos Quadradinhos | Desenvolvimento

    Daniel Jos Costa Ribeiro 12

    Os microrganismos tm, virtualmente, a capacidade de metabolizar qualquer composto e desse

    modo, de recuperar desastres ecolgicos causados pelo homem. Em situaes em que a

    biodiversidade est em risco podem ser uma ajuda preciosa. Por isso mesmo, esta temtica

    pareceu-me merecedora de um cartoon que elucide, ou pelo menos alerte o pblico, para o

    contributo dos microrganismos na remediao das catstrofes causadas pelo Homem.

    2. A produo grfica dos cartoons Antes de iniciar a elaborao dos cartoons foi essencial adquirir alguns conhecimentos sobre as

    tcnicas e as premissas inerentes sua conceo e ver vrios exemplos da aplicao da arte

    sequencial animada em geral, e do cartoon em particular, ao campo da Cincia. Tendo em conta

    que o recetor-alvo um pblico geral, sem restrio de sexo ou idade, e no particularmente

    conhecedor de Cincia para alm do senso comum, para que o cartoon funcione torna-se

    imprescindvel adaptar o teor humorstico, o contedo cientfico e a linguagem utilizada, a este

    mesmo pblico. Segundo Scott McCloud, o desenho de banda-desenhada deve ter em conta 5

    aspetos importantes: o nmero de quadros essenciais transmisso da mensagem, a

    contextualizao visual da histria (presena/ausncia de pormenores), a capacidade de

    comunicao rpida e clara, os elementos textuais indispensveis (e apenas esses) e o fluxo da

    leitura do cartoon seguindo uma ordem correta (Anexo 2 da pgina 23) (56). Destaca-se ainda a

    importncia da cor, luminosidade e do texto sonoro (onomatopeias) que devero ser apelativos

    sem prejudicar a leitura do cartoon (57).

    2.1. O processo passo a passo Passarei a relatar o processo passo a passo, tomando como exemplo o cartoon sobre o

    mecanismo de produo de vacinas. De um modo geral, posso dizer que na gnese de todos os

    cartoons houve um procedimento equivalente, composto por muitas etapas e que foi

    melhorado de modo emprico e iterativo, medida que iam aparecendo as dificuldades.

    Para este cartoon foram selecionadas duas personagens principais: os bastonentes Clostridium

    tetani e Corynebacterium diphteriae, causadores do ttano e da difteria, respetivamente.

    Inicialmente os esboos foram produzidos em papel de desenho, usando lpis e/ou caneta e

    tendo sempre presentes as escolhas da tabela apresentada no Anexo 2 da pgina 23 (Fig 7).

    Figura 7 - Etapa 1 da conceo do cartoon: as personagens C. tetani ( esquerda) e C. diphteriae ( direita).

  • Microrganismos aos Quadradinhos | Desenvolvimento

    Daniel Jos Costa Ribeiro 13

    Depois de aprovados os esboos como representativos das principais caractersticas dos

    microrganismos em causa, a saber, bastonetes de dimenses equiparveis, foi necessrio pensar

    num enredo cientificamente correto, coerente, simples e com algum humor (Fig 8).

    Figura 8 - Etapa 2 da conceo do cartoon: a construo do enredo.

    Seguidamente desenharam-se vrios quadros e, aps a sua digitalizao, procedeu-se

    adaptao dos desenhos de modo a corrigir eventuais erros surgidos na conceo. Foi tambm

    nesta fase que se construram os dilogos. Chegado aqui deparei-me com alguns avanos e

    recuos j que tive que reduzir o nmero de quadros a no mximo quatro, valor limite adequado

    a uma tira. No foi fcil. Havia muita informao a ser passada e com a reduo e fuso de

    quadros, a mensagem tinha que continuar a ser cientificamente correta, coerente, simples e

    bem-humorada. Algumas imagens e ideias perderam-se como o caso do exemplo seguinte

    (Fig. 9).

    Figura 9 - Etapa 3 da conceo do cartoon: ajuste da quantidade de quadros.

    Seguiu-se a pintura digital dos desenhos com recurso ao software Adobe Photoshop CS6 v13.0

    (http://www.adobe.com/products/photoshop.html). Foi utilizado um fundo em gradiente para

    suavizar a visualizao do cartoon e destacar as personagens, estas coloridas usando cores vivas.

  • Microrganismos aos Quadradinhos | Desenvolvimento

    Daniel Jos Costa Ribeiro 14

    A tira fez-se acompanhar de texto repartido ao londo dos vrios quadros que ajudou a transmitir

    e a clarificar a mensagem associada aos bales de fala.(Fig 10)

    Figura 10 - Etapa 4 da conceo do cartoon: pintura digital e introduo de texto.

    Foi ainda necessria a correo digital de pequeninos detalhes no desenho (falhas de trao,

    imperfeies, posicionamentos de imagem, etc) que obrigaram a trabalhar com um zoom

    mnimo de 200%. Por vezes, j nesta fase adiantada do processo, teve-se conscincia de que

    poderia haver alguma omisso de dados desejveis inequvoca compreenso da mensagem

    por parte do pblico alvo. Ento procedeu-se adio de um elemento grfico produzido

    digitalmente e colado ao quadro existente (caso contrrio, seria necessrio proceder novamente

    ao desenho manual e repetio de todos os passos previamente elencados). Foi o caso do

    cartaz criado para o quadro 3 da tira, que remete para a relao entre as personagens principais

    e a vacinao (Fig 11).

    Figura 11 - Etapa 5 da conceo do cartoon: correo digital de detalhes e adio de elementos grficos posteriores.

  • Microrganismos aos Quadradinhos | Desenvolvimento

    Daniel Jos Costa Ribeiro 15

    Seguiu-se a introduo dos dilogos das personagens com recurso a bales de fala simples que

    permitem uma leitura clara do seu contedo (Fig 12).

    Figura 12 - Etapa 6 da conceo do cartoon: introduo dos dilogos das personagens com recurso a bales de fala.

    Foram ainda adicionadas margens de cor negra aos quatro quadrados finais de modo a melhorar

    a organizao do mesmo e a aumentar o contraste com as cores do cartoon. A margem serviu

    ainda para a identificao projecto e do autor no canto inferir direito (Fig. 13).

    Figura 13 - Etapa 7 da conceo do cartoon: adio de margens de cor negra e identificao do projeto e autor.

  • Microrganismos aos Quadradinhos | Desenvolvimento

    Daniel Jos Costa Ribeiro 16

    O passo final passou por organizar a tira na sua sequncia lgica e de corrigir algumas gralhas/

    pormenores de ltima hora que, por mais cuidado que se tenha, sempre acontecem (Fig. 14).

    Figura 14 - Etapa 8 da conceo do cartoon: correo de gralhas e pormenores de ltima hora.

    Finalmente, aps todos estes procedimentos e muitas dezenas de horas de trabalho, o cartoon

    foi considerado finalizado. O objetivo de utilizar desenhos simples, de fcil compreenso e

    apelativos, para transmitir a um pblico geral algum conhecimento cientfico no mbito da

    microbiologia aplicada utilizando apontamentos de humor, foi considerado alcanado (Fig. 15).

    2.2. A Coleo Microrganismos aos Quadradinhos A coleo consiste num conjunto de 4 tiras de cartoon onde so abordadas diferentes temticas

    dentro das reas da Microbiologia ligada Sade, Alimentao e ao Ambiente.

    2.2.1. A produo de vacinas

    Neste cartoon esto presentes informaes pertinentes sobre os microrganismos causadores

    do ttano e da difteria, nomeadamente a sua morfologia e o seu papel na produo de vacinas.

    Est ainda ilustrada uma das estratgias utilizadas para a criao de vacinas (usando as toxinas

    dos microrganismos), bem como a necessidade de tomar vrias doses de vacina como garantia

    de imunizao. O cartoon remete ainda para o efeito nas vacinas no fortalecimento do sistema

    imunitrio (Fig. 15).

    Figura 15 - Verso final do cartoon que aborda a temtica da produo de vacinas.

  • Microrganismos aos Quadradinhos | Desenvolvimento

    Daniel Jos Costa Ribeiro 17

    2.2.2. Probiticos

    Este cartoon remete para existncia de microrganismos benficos ao ser humano que so

    adicionados a alimentos, associando o ser cariz nutricional com outro promotor da sade.

    Apresenta como protagonista a bactria Bifidobacterium bifidum e acrescenta algumas

    informaes, nomeadamente: a sua morfologia, o modo como podemos ter acesso a ela e os

    benefcios imediatos que traz sade do sistema digestivo (Fig. 16).

    Figura 16 - Verso final do cartoon que aborda a temtica dos alimentos probiticos.

    2.2.3. Fermentao alcolica

    Neste cartoon d-se enfoque a Saccharomyces cerevisae e ao seu papel na produo de vinho

    atravs da fermentao alcolica. Alm da sua morfologia esto ilustrados alguns

    acontecimentos inerentes produo de vinho, nomeadamente: a matria-prima para

    produo de vinho, o processo de multiplicao celular por gemulao, a libertao de produtos

    de fermentao, a alterao de cor do mosto ao longo do processo, o tempo de durao da

    fermentao primria e a mudana de ambiente aps este processo (Fig. 17).

    Figura 17 - Verso final do cartoon que aborda a temtica da fermentao alcolica do vinho.

  • Microrganismos aos Quadradinhos | Desenvolvimento

    Daniel Jos Costa Ribeiro 18

    2.2.4. Biorremediao

    Neste cartoon pretende-se ilustrar a capacidade de vrios microrganismos em efetuar trabalho

    de limpeza e purificao de ecossistemas, estejam poludos devidos ao humana ou no. A

    mitigao dos efeitos nocivos do derrame de petrleo em alto mar (mar negra) o exemplo

    concreto abordado. Na tira reala-se o facto de este ser um processo complexo e moroso e de

    poder ser composto por vrias etapas, entre as quais a remoo mecnica, qumica ou

    resultante do metabolismo microbiano. No est evidenciado uma espcie em particular porque

    esto envolvidos vrios microrganismos diferentes, com metodologias diferentes mas sempre

    com o objetivo de deixar os ecossistemas um pouco mais limpos (Fig. 18).

    Figura 18 - Verso final do cartoon que aborda a temtica da biorremediao.

  • Microrganismos aos Quadradinhos | Consideraes Finais

    Daniel Jos Costa Ribeiro 19

    Consideraes Finais Uma das razes que me levou a interessar-me por este projeto foi o facto de representar um

    mundo desconhecido para mim. O objetivo de fazer os meus prprios cartoons foi um desafio,

    simultaneamente aliciante e assustador. Ainda assim, apesar deste ltimo ponto, arrisquei.

    No foi, de todo, uma tarefa fcil. s dificuldades inerentes pesquisa e redao da monografia,

    somam-se todas aquelas relacionadas com o desenho e edio digital, reas nas quais no

    possuo qualquer formao. Estive limitado ao meu fluxo de imaginao e criatividade porque,

    afinal, fazer Cincia com piada no to fcil quanto possa parecer.

    A qualidade final dos cartoons superou todas as expectativas. Considero que foi um objetivo

    cumprido. Apenas tenho a lamentar a reduo do nmero de cartoons a que inicialmente me

    tinha proposto, quando ainda no tinha conscincia das horas de trabalho inerentes criao

    da coleo.

    Espero que estes cartoons cumpram a sua misso ao levar conhecimento ao maior nmero de

    pessoas possvel. Terei todo o gosto em ced-los para eventuais exposies e outros eventos de

    divulgao cientfica.

  • Microrganismos aos Quadradinhos | Referncias

    Daniel Jos Costa Ribeiro 20

    Referncias 1. Lama, Dalai. High Lama in the Gelug School of

    Tibetan Buddhism. pp. 1357-1419.

    2. Science comics as tools for science education and

    communication: a brief, exploratory study. Tatalovic,

    M. 2009, Journal of Science Communication.

    3. Darwin Aos Tiros e Outras Histrias de Cincia.

    Editora Gradiva. [Online] [Citao: 11 de 06 de

    2013.] gradiva.pt/?q=C/BOOKSSHOW/6781.

    4. Costa, Suely. Jornalismo de Cincia. s.l. :

    Universidade Nova de Lisboa. Novo livro revela

    "Darwin Aos Tiros".

    5. Pipocas Com Telemveis e Outras Histrias de

    Falsa Cincia. Editora Gradiva. [Online] [Citao: 11

    de 06 de 2013.] gradiva.pt/?q=C/BOOKSSHOW/7134.

    6. Era Uma Vez o Corpo Humano (verso original).

    Produtora Procidis/Hello Maestro. [Online] [Citao:

    11 de 06 de 2013.] hellomaestro.fr/il-etait-une-fois-

    la-vie.html.

    7. Internet 2012 In Numbers. Pingdom. [Online]

    royal.pingdom.com/2013/01/16/internet-2012-in-

    numbers.

    8. Resultados de pesquisa "blog cincia". Pesquisa

    Google. [Online] [Citao: 23 de 06 de 2013.]

    goo.gl/rtbWo.

    9. De Rerum Natura. [Online]

    http://dererummundi.blogspot.pt/.

    10. Programa Cincia Viva no Vero teve 4000

    inscritos em 15 minutos. Pblico. [Online]

    publico.pt/n1599419.

    11. Circo Matemtico. Ludicum. [Online] [Citao: 14

    de 06 de 2013.] ludicum.org/cm.

    12. Visual, Auditory, Kinaesthetic Learning Styles and

    Their Impacts on English Language Teaching.

    Gilakjani, Abbas Pourhossein. Iro : Journal of

    Studies in Education, 2012.

    13. "Comics" as a tool for teaching biotechnology in

    primary schools. Rota, Gladis e Izquierdo, Juan.

    Chile : Electronic Journal of Biotechnology, 2003.

    14. Messaris, Paul. Visual Persuasion: The Role of

    Images in Advertising. s.l. : SAGE Publications, 1997.

    pp. 1-5.

    15. Satisfaction, compliance and communication.

    Ley, P. s.l. : Br J Clin Psychol, 1982, Vol. 21, pp. 241-

    54.

    16. Communicating information to patients: the use

    of cartoon illustrations to improve comprehension of

    instructions. Delp C, Jones J. s.l. : Acad Emerg Med,

    1996, pp. 264-70.

    17. Becker, Stephen. Comic Art in America. s.l. :

    Simon & Schuster, 1959.

    18. History of Cartoon. Punch Magazine. [Online]

    punch.photoshelter.com/about.

    19. Comics as a Narrative in Natural Science

    Education. Arroio, Agnaldo. So Paulo, Brasil :

    Journal of Educational Science.

    20. Cell evolution and Earth history: stasis and

    revolution. T, Cavalier-Smith. s.l. : Philos Trans R Soc

    Lond B Biol Sci, 2006, Vol. 361, pp. 969-1006.

    21. An Ecological Theory for the Sudden Origin of

    Multicellular Life in the Late Precambrian. Stanley, S.

    s.l. : Proc Natl Acad Sci USA, 1973, Vol. 70, pp. 1486-

    9.

    22. Sherwood, Linda M., Woolverton, Christopher J.

    e Willey, Joanne M. Prescott, Harley & Klein's

    Microbiology. 7. 2008. pp. 1-13.

    23. Postgate, John. Microbes and Man. 4. pp. 1-4; 17-

    18; 163-173.

    24. Madigan, Michael T., et al. Brock Biology of

    Microorganisms. 13. 2010. pp. 1-3; 9-14; 99; 771.

    25. Your Body Is a habitat ... for Bacteria. Pappas, S.

    s.l. : Science Now Daily News, 2009.

    26. The indigenous gastrointestinal microflora. Berg,

    R. s.l. : Trends in Microbiology, 1996.

    27. Maxi Dicionrio Ilustrado 1 Ciclo. s.l. : Texto

    Editores, 2011.

    28. Lxico - Dicionrio Online da Lngua Portuguesa.

    [Online] lexico.pt.

    29. The History of the Germ Theory. s.l. : The British

    Medical Journal 1 (1415): 312. 1888.

    30. Alcohol, Culture, and Society. Patrick, Charles H.

    Durham, North Carolina : Duke University Press,

    1952.

    31. Noel, Jeffrey. Microbes Importance.

    Microbes.org. [Online] [Citao: 27 de 06 de 2013.]

    microbes.org/microbes-importance.

    32. Nutritional and medicinal importance of

    mushrooms. Wani, Bilal Ahmad, Bodha, R. H. e Wani,

    A.H. India : Journal of Medicinal Plants Research,

    2010.

  • Microrganismos aos Quadradinhos | Referncias

    Daniel Jos Costa Ribeiro 21

    33. Vinho Portugus considerado o melhor vinho

    tinto do mundo no Concurso Mundial de Bruxelas

    2013. Portugal Global. [Online] http://goo.gl/dQVGy.

    34. Produtos Mais Exportados Por Portugal. Online

    24. [Online] http://www.online24.pt/produtos-mais-

    exportados-por-portugal/.

    35. Functional foods: At the frontier between food

    and pharma. Mollet, B e Rowland, I. s.l. : Current

    Opinio in Biotechnology, 2002.

    36. Functional foods and the european consumer.

    Young, Y. Reino Unido : The Royal Society of

    Chemistry, 2000.

    37. Lactobacillus paracasei spp. paracasei F19:

    survival ecology and safety in human intestinal track

    - A survey of feeding studies within the PROBDEMO

    project. Saarela, M et al. s.l. : Microbial Ecology in

    Health and Dieseases, 2002.

    38. Yogurt as probiotic carrier food. Lourens-

    Hattingh, Analie e Viljoen, Bennie C. frica do Sul :

    International Dair Journal, 2001.

    39. Consumers' perception and attitude towards

    probiotic food. Sim, How Whee. Malaysia : School of

    Food Sciene and Nutrition Universiti Malasya Sabah,

    2010.

    40. Health and Nutritional Properties of Probiotics in

    Food including Powder Milk with Live Lactic Acid

    Bacteria. Food and Agriculture Organization; World

    Health Organization. Crdoba, Argentina : s.n., 2001.

    41. Verjovsky, M., Jurberg, C. e Rumjanek, V.M.B.D.

    Estudos de caso: diferentes vises sobre os

    microrganismos. s.l. : Instituto de Bioqumica

    Mdica, Universidade Federal do Rio de Janeiro,

    2009.

    42. The history of vaccines and immunization:

    familiar patterns, new challenges. Stern AM, Markel

    H. s.l. : Health Aff, 2005, Vol. 24(3), pp. 611-21.

    43. The role of the intestinal microflora for the

    development of the immune system in early

    childhood. Ouwehand, A., Isolauri, E. e Salminen, S.

    Finlndia : European Journal of Nutrition, 2002.

    44. Synthesis of human insulin gene VIII. Construction

    of expression vectors for fused proinsulin production

    in Escherichia coli. Guoa, L, et al. s.l. : Gene, 1984.

    45. World Health Organization. World Health

    Organization. Vaccination greatly reduces disease,

    disability, death and inequity worldwide. [Online]

    http://www.who.int/bulletin/volumes/86/2/07-

    040089/en/.

    46. Cultural Perspectives on Vaccination. The History

    of Vaccines (A Project of the College of Physicians of

    Philadelphia). [Online]

    historyofvaccines.org/content/articles/cultural-

    perspectives-vaccination.

    47. Programa Nacional de Vacinao. Portal da

    Sade. [Online]

    portaldasaude.pt/portal/conteudos/informacoes+ut

    eis/vacinacao/vacinas.htm.

    48. Influenza vaccine preference and uptake among

    older people in nine countries. Kwong, Enid Wai-

    yung, et al. s.l. : Journal of Advanced Nursing, 2010.

    49. Environmentally important bacteria for pollution

    treatment. 2013, Research*eu Results Magazine,

    Vol. 23, p. 30.

    50. Bacillus thuringiensis: A story of a successful

    bioinsecticide. Bravoa, A, et al. Mxico/EUA : Insect

    Biochemistry and Molecular Biology, 2011.

    51. Atmospheric nitrogen fixation by methane-

    oxidizing bacteria. Davis, J, Coty, V e Stanley, J. s.l. : J.

    Bacteriol, 1964.

    52. Bioremediation. An overview. Vidali, M. Itlia :

    Pure Appl. Chem, 2001.

    53. Soil Venting - Optimization of Venting Techniques

    for Remediation of VOC Contaminated Soils.

    Hornung, U. 1997.

    54. A Citizen's Guide to Bioremediation. Environment

    Protection Agency. Estados Unidos : s.n., 2012.

    55. Bioremediation for Marine Oil Spills - Background

    Paper. U.S. Congress, Office of Technology.

    Washington, DC : s.n., 1991.

    56. McCloud, Scott. Making Comics. New York : s.n.,

    2006. pp. 1-37.

    57. Duncan, Randy e Smith, Matthew J. The Power of

    Comics - History, Form and Culture. New York : The

    Continuum International Publishing Group, 2009.

  • Microrganismos aos Quadradinhos | Anexos

    Daniel Jos Costa Ribeiro 22

    Anexo 1

    Anexo 1 - Exemplo de panfleto onde est presente a utilizao da imagem na comunicao de conhecimento na rea da Sade (retirado de http://www.portaldasaude.pt/portal/conteudos/a+saude+em+portugal/noticias/arquivo/2011/5/dgs+crianca+sol.htm)

  • Microrganismos aos Quadradinhos | Anexos

    Daniel Jos Costa Ribeiro 23

    Anexo 2

    Anexo 2 - As cinco escolhas estratgicas para a construo de arte sequencial animada e caractersticas importantes inerentes a cada uma delas. (Adaptado de Scott McCloud Making Comics

    pg1-37 1st ed, 2006)

    Escolhas Estratgicas para Construo da Arte Sequencial Animada

    MOMENTO QUADRO IMAGEM TEXTO FLUXO Decidir o que incluir ou no numa banda-desenhada, de forma a comunicar um enredo da modo direto e eficiente. Acertar o nmero de quadros necessrio e suficiente. (A remoo ou a adio de quadros podem alterar o enredo da histria. Se a remoo de um quadro no afetar o enredo, ento esse quadro no ser essencial.)

    Relaciona-se com a distncia, o ngulo e o corte da imagem que compe o quadro. A variao do ngulo s deve ser usada quando necessria, (Esta mudana pode desviar a ateno do leitor do que importante realar). A distncia a que os objetos e personagens so desenhados permite incluir um maior ou menor nmero de pormenores, que contextualizam a ao. A posio central de um quadro a primeira zona a focar ateno do observador. (As cenas e os objetos mais importantes devero localizar-se aqui).

    Assegurar a representao clara das personagens, dos objetos e do ambiente. A imagem como um todo deve comunicar de forma rpida e clara (um desenho pode ser esteticamente perfeito mas se for incapaz de comunicar uma mensagem ou ideia, no serve).

    O texto fornece informao valiosa a uma imagem O texto tem que estar em harmonia com a imagem. O texto ajuda a direcionar uma imagem com uma ideia vaga no sentido desejado. O texto permite encurtar o nmero de quadros necessrios para contar a histria. O texto deve ser usado apenas quando as imagens fazer sozinhas no passam a mensagem desejada, ou quando no so a melhor soluo para comunicar uma ideia.

    O fluxo refere-se ordem correta dos quadros e dos objetos neles contidos. O fluxo guia o leitor durante a histria, primeiro da esquerda para a direita e s depois de cima para baixo. (Esta regra aplica-se tanto organizao entre vrios quadros como aos elementos dentro do mesmo quadro, p.e. bales de fala.) Por vezes usa-se o desenho fora dos limites dos quadros, de forma a recriar o movimento e a auxiliar o leitor na ordem correta.

  • Microrganismos aos Quadradinhos | Anexos

    Daniel Jos Costa Ribeiro 24

    Anexo 3

    Anexo 3 - Compilao dos resultado da pesquisa feita em dicionrios de Lngua Portuguesa, em formato de papel e disponveis online, sobre diversos termos do lxico comum associados taxonomia microbiana

    Fungo

    Organismo unicelular ou pluricelular, que se

    reproduz por esporos e pode ser parasita de

    planta ou animal ou viver sobre matrias orgnicas

    que se encontrem de preferncia em ligares

    hmidos e pouco iluminados.

    Cogumelo. Organismo que se cria em ambiente

    hmido.

    Planta criptogmica sem clorofila;

    cogumelo.

    Organismo eucariota, geralmente saprfito

    ou parasita., sem clorofila, cujas

    paredes celulares contm quitina.

    Organismo que se cria em ambiente

    hmido

    Designao do grupo de seres vivos eucariticos,

    heterotrficos e microconsumidores.

    Germe Organismo na fase inicial do seu desenvolvimento;

    embrio.

    Micro-organismo que pode provocar doenas (adaptado)

    Microrganismo susceptvel de

    provocar doenas. = Bactria, Micrbio

    (adaptado).

    Micrbio.

    Levedura

    Fungo responsvel pela fermentao na

    panificao e indstria de bolos e bebidas.

    Fermento. No encontrado Fermento Fermento Fermento.

    Grupo de fungos unicelulares, muitos

    dos quais so utilizados na panificao e na indstria de bolos e

    bebidas produzidas por fermentao;

    fermento.

  • Microrganismos aos Quadradinhos | Anexos

    Daniel Jos Costa Ribeiro 25

    Bacilo

    Microrganismo microscpico em

    forma de filamento ou bastonete que pode

    causar doenas contagiosas.

    Vibrio que determina doenas no organismo

    animal.

    Designao genrica das bactricas com forma

    de bastonete ou filamento curto.

    Vibrio que determina doenas no organismo

    animal. Espcie de micrbio.

    Designao geral de bactrias em forma de filamento ou de

    bastonete, com algumas espcies

    patognicas para o homem.

    Bactria

    Microrganismo unicelular que

    desempenha a sua atividade em

    importantes reaes qumicas e na

    produo de doenas.

    Nome geral dado aos micrbios unicelulares

    de forma alongada (bacilos), esfrica (cocos)

    ou espiralada, sem membrana nuclear e que se alimentam segundo o

    modo vegetal.

    Ser vivo microscpico que

    pode causar doenas; micrbio.

    Microrganismo unicelular procariota,

    sem pigmento de clorofila, que vive no

    solo, na gua, sobre os animais e vegetais ou nos lquidos orgnicos

    destes ltimos, responsvel pela decomposio de

    substncias orgnicas e pela propagao de

    doenas.

    Nome geral dado aos micrbios unicelulares

    de forma alongada (bacilos), esfrica

    (cocos) ou espiralada, sem membrana nuclear e que se

    alimentam segundo o modo vegetal.

    Microorganismo que causa doenas.

    Designao de seres vivos microscpicos

    unicelulares, procariotas,

    desprovidos de membranas internas.

    Bolor

    Aglomerado de fungos, que se desenvolve na matria orgnica em decomposio; mofo.

    Vegetao criptogmica parasita, originada pela

    humidade

    Fungo que surge em algo que est a

    apodrecer.

    Vegetao criptogmica que se forma nas

    matrias orgnicas quando entram em

    decomposio.

    Vegetao criptogmica parasita,

    originada pela humidade.

    Aglomerado constitudo por fungos, que se desenvolve na

    matria orgnica em decomposio.

  • Microrganismos aos Quadradinhos | Anexos

    Daniel Jos Costa Ribeiro 26

    Micrbio

    Ser vivo, animal ou vegetal, de dimenses to pequenas que s visvel ao microscpio. Microrganismo capaz de provocar doenas.

    Organismos microscpico (animal ou vegetal); bactria;

    bacilo.

    Microrganismo que pode causar doenas em

    pessoas e animais.

    Organismo microscpico,

    animal ou vegetal. Bactria.

    Organismo microscpico (animal ou vegetal); bactria;

    bacilo.

    Organismo vivo que provoca doenas.

    Ser vivo, animal ou vegetal, de

    dimenses to pequenas que s

    pode ser visto com o auxlio do

    microscpio, que causa doena;

    Microrganismo que causa doena.

    Microrganismo Organismo animal ou vegetal de dimenses

    microscpicas.

    Bactria;organismo excessivamente

    pequeno.

    Ser animal ou vegetal, visvel ao

    microscpio.

    Organismo microscpico,

    animal ou vegetal.

    Organismo excessivamente

    pequeno, como as bactrias, os

    protistas, os vrus, etc.

    Micrbio.

    Organismo, animal ou vegetal, de

    dimenses microscpicas.

    Nota: Os dicionrios em formato de papel foram escolhidos por se encontrarem atualmente venda ao pblico em livrarias. Os dicionrios online selecionados devem-se classificao do maior

    nmero de pesquisas do Google, sendo priberam.pt, lexico.pt e infopedia.pt os trs primeiros Exclui-se o portoeditora.pt por se tratar da mesma editora de dicionrios em formatos de papel j

    contemplada

    (1) - Dicionrio da Lngua Portuguesa Porto Editora, 2012; (2)- Dicionrio de Bolso Lello Lello Ediores, 2012; 3 - Maxi Dicionrio Ilustrado 1 Ciclo Texto Editores, 2011;

    (4) - Dicionrio Fundamental da Lngua Portuguesa Texto Editores, 2009; (5) - Priberam Dicionrio online; (6) - Lxico Dicionrio online; (7) Infopdia Enciclopdia e

    Dicionrios Porto Editora online

    1 (1) (2) (3) (4) (5) (6) (7)