Microssistema orelha e sua utilizao como diagno diagnostico na Medicina Tradicional Chinesa, ... Na Medicina Tradicional Chinesa o diagnostico realizada com uma viso do exterior para

  • View
    218

  • Download
    4

Embed Size (px)

Text of Microssistema orelha e sua utilizao como diagno diagnostico na Medicina Tradicional Chinesa, ... Na...

  • 1

    ________________________________________________________________

    1 Fisioterapeuta Ps-graduando em acupuntura 2 Fisioterapeuta, especialista em metodologia do ensino superior, mestranda em aspectos bioticos e jurdicos em sade

    Microssistema orelha e sua utilizao como diagnostico

    Aida Lima Amaral

    1

    aidalim@ig.com.br

    Dayana Priscila Maia Mejia2.

    Ps-graduao em acupuntura Faculdade vila

    Resumo

    Na Medicina Tradicional Chinesa existem tcnicas de tratamento diagnsticos variados,

    entre elas est a auriculoterapia, um dos microssistemas, existentes na medicina tradicional

    chinesa no qual consiste que uma pequena parte do corpo pode refletir o corpo todo. A

    auriculoterapia tem como representao do corpo todo, um feto de cabea para baixo no

    pavilho auricular.

    O diagnostico na Medicina Tradicional Chinesa, visa combater principalmente o agente

    causador, e revitalizar e fortalecer a resistncia natural do corpo, tendo a viso do

    microssistema e do macrossistema.

    Sabendo a localizao dos pontos e a anatomia da aurcula se pode ter um diagnstico

    atravs de uma inspeo minuciosa. O objetivo desta pesquisa relatar a importncia e

    fornecer informaes sobre a auriculoterapia e como atravs da mesma se obter um

    diagnstico. O presente artigo elaborado atravs de uma metodologia de reviso de diversas

    bibliografias. Justifica-se pela importncia de ampliar o conhecimento do microssistema

    orelha e sua valia para realizao de um diagnostico. Resultando positivamente quanto

    eficcia da aurculo para se obter um diagnostico.

    Palavras-chave: Medicina Tradicional Chinesa; Auriculoterapia; Diagnose.

    1. Introduo

    A Medicina Chinesa baseia-se nas teorias Yin-Yang e Cinco elementos. Essas teorias so

    base de todo conhecimento oriental (SENNA; SILVA; BERTAN, 2012).

    Yin e Yang representam qualidades opostas, mas complementares. Cada coisa ou fenmeno

    poderia existir por si mesma ou pelo seu oposto. Alm disso, Yin contm a semente do Yang,

    de tal maneira que ele pode se transformar em Yang e vice-versa (MACIOCA, 2007).

    Fonte: Senna; Silva; Bertan, (2012).

    Figura 1 - Smbolo Yin e Yang

  • 2

    A teoria dos Cinco Elementos aborda a ideia de que o mundo material formado por

    elementos que so em nmero de cinco, ao saber: gua, madeira, fogo, terra e metal. Estes

    elementos participam de um continuo ciclo de gerao, que se refere forma como se

    originam, e de um ciclo de dominao, que apresenta o poder natural de um elemento sobre

    outro (SENNA; SILVA; BERTAN, 2012).

    Fonte: Fonte: Senna et al. (2012) Figura 2 - Os Cinco Elementos

    A Medicina Tradicional Chinesa (MTC) um vasto campo de conhecimento, de origem e de

    concepo filosficas, abrangendo vrios setores ligados sade e doena. Suas concepes

    so voltadas muito mais ao estudo dos fatores causadores da doena, a sua maneira de tratar

    conforme os estgios da evoluo do processo de adoecer e, principalmente, aos estudos das

    formas de preveno, ponto sobre o qual reside toda essncia da filosofia e da Medicina

    Chinesa. Para tanto, a Medicina Chinesa enfatiza os fenmenos precursores das alteraes

    funcionais e orgnicas, que provocam o aparecimento de sintomas e sinais. O fator causal

    desses processos nada mais que o desequilbrio da energia, ocasionada ou pelo meio

    ambiente, com origem externa, ou pela as emoes retidas, de origem interna (YAMAMURA,

    2001).

    A Medicina Tradicional Chinesa utiliza-se de vastos materiais e tcnicas milenares de

    tratamento e diagnostico. Dentre elas est a auriculoterapia, uma tcnica que se utiliza o

    pavilho auricular para realizar tratamento, diagnostico e preveno. A auriculoterapia uma

    tcnica da acupuntura, que usa o pavilho auricular para efetuar tratamento de sade,

    aproveitando o reflexo que a aurcula exerce sobre o sistema nervoso central (SOUZA, 2001).

    Um diagnstico realizado precocemente tem grande importncia, pois atravs do mesmo

    pode-se realizar o tratamento certo, impedindo o agravamento da patologia. Na Medicina

    Tradicional Chinesa o diagnostico realizada com uma viso do exterior para o interior, com

    uma viso primeiramente para as manifestaes reflexas nos microssistemas.

    H tempos pacientes no podiam expor o corpo para realizao de tratamentos e diagnsticos,

    e foi observado que manipulando algumas reas do corpo a mesma se refletia em outras

    regies do corpo, podendo afirmar a existncia de reas reflexas conhecida como

    microssistema, que contm em uma regio a representao do corpo completo. Como o

    microssistema orelha, o qual pode observar a imagem de um feto de cabea para baixo,

    refletindo no pavilho auricular o corpo todo. Podendo atravs de uma observao minuciosa,

    do pavilho auricular, pois o prprio corpo d sinal de desarmonia energtica nessas regies,

    atravs de dor, aumento da sensibilidade em regio especfica, colorao diferenciada, aspecto

  • 3

    anatmico, entre outras... Com isso saber quais rgos estariam em desequilbrio, tendo como

    realizar uma diagnose bem mais precisa.

    2. Microssistema Orelha

    Um dos princpios no qual o diagnostico pela observao na medicina chinesa baseado de

    que cada pequena parte individual do corpo reflete o todo. Exemplos importantes da aplicao

    desse principio para a diagnose so os diagnsticos da face, da lngua, do pulso e da orelha

    (MACIOCIA, 2007).

    A acupuntura auricular citada no tratado de acupuntura e moxa busto mais antigo j

    encontrado na China, segundo o Nei Jing, explica a estreita relao entre o pavilho auricular

    como um micro sistema a ser explorado e a auxiliar no tratamento de vrios desequilbrios

    (FONSECA, 2011).

    Microssistemas so regies do corpo, que correspondem entre uma parte individual e o todo,

    como a face, a lngua, o pulso, a orelha, que so reas pequenas do corpo humano, porm que

    refletem e representam, o corpo na sua totalidade.

    A acupuntura auricular uma aplicao bem conhecida, partindo do principio que uma nica

    parte do corpo reflete um todo. De acordo com essa teoria, a orelha se assemelha a um feto de

    ponta-cabea e h um ponto no pavilho auricular que reflete cada parte ou rgo do corpo

    (MACIOCA, 2007).

    Os antigos mdicos chineses (acupunturistas) utilizavam o pavilho auricular como forma de

    diagnostico, principalmente em relao aos rins, mas de longa data que os chineses estudam

    os pontos auriculares (FONSECA, 2011).

    A auriculoterapia um ramo da acupuntura destinado a tratamento das enfermidades fsicas e

    mentais atravs de estmulos de pontos situados no pavilho auricular. Cada orelha tem

    pontos de reflexo que correspondem a todos os rgos e funes do corpo (SOUZA, 2001).

    Quando um rgo ou vscera ou parte do corpo humano apresenta alguma doena, aparece

    reao reflexa na regio correspondente ao rgo lesado na orelha, caracterizando os pontos

    auriculares (YAMAMURA, 2001).

    Na conceituao do Nei Ching, o mais antigo livro de acupuntura, o pavilho auricular um

    rgo isolado, que mantm relao com todos os rgos e regies do corpo. Dos doze

    meridianos de acupuntura sistmica, seis tm relao direta com a orelha: Triplo Aquecedor,

    Intestino Delgado, Estomago, Vescula Biliar, Bexiga e Circulao-Sexo. Os demais:

    Intestino Grosso, Pulmo, Corao, Rim, Fgado e Bao- Pncreas esto relacionados

    indiretamente com a aurcula atravs dos meridianos de ligao de Vasos Maravilhosos

    (SOUZA, 2001).

    Os meridianos Yang do pavilho auricular so intestino grosso, intestino delgado, vescula

    biliar, triplo aquecedor, estmago e bexiga passam ao redor da orelha ligando-se a orelha de

    forma direta, e os meridianos Yin, que so: pulmo, corao, pericrdio, fgado,

    bao/pncreas e rins esto ligados a orelha por meio de ramificaes (FONSECA, 2011).

    Compreende-se que tudo esta em tudo, a energia flui nos meridianos, mas com ajuda do

    sangue e tambm do sistema nervoso (FONSECA, 2011).

    3. Anatomia orelha

  • 4

    A orelha consiste em uma cartilagem elstica nica, coberta por fina camada de pele,

    penugem, glndulas sebceas e sudorparas, e inervada e vascularizada. constituda por

    um tecido fibrocartilaginoso, formado tambm por ligamentos, tecido adiposo e msculos,

    que sustentam suas estruturas anatmicas. O lbulo da orelha a nica regio do pavilho que

    no apresenta cartilagem. A orelha est dividida em trs partes: orelha externa, a orelha mdia

    e a orelha interna. Orelha interna: Tambm chamada de labirinto, apresenta em sua parte

    anterior a cclea, estrutura responsvel pela audio, e o vestbulo em sua parte posterior,

    responsvel pelo equilbrio. Orelha mdia: Se encontra em um espao do osso temporal, onde

    se localizam os ossculos martelo, estribo e bigorna, suspenso por ligamentos e responsvel

    pela transmisso das ondas sonoras. O ouvido mdio tambm responsvel pelo equilbrio da

    presso entre a regio externa da orelha e a rinofaringe, que se localiza do outro lado do

    tmpano. Orelha externa: formado pelo meato auditivo e pelo pavilho, que tambm

    denominado pavilho auditivo ou pavilho da orelha e possui uma estrutura em forma de

    concha. O pavilho da orelha est ligado cabea por meio da pele, msculos, ligamentos e

    pelo meato auditivo externo (SENNA; SILVA; BERTAN, 2012).

    Fonte: Hecker et al (2001)

    Figura 3 - Orelha externa

    Segundo, HECKER et al. (2007) O formato externo do pavilho auricular formado por u