Click here to load reader

Miolo RUTE 11ago - AITT · PDF file Messina, Luiz Ary. II. Ribeiro Filho, José Luiz. III. Lopes, Paulo Roberto de Lima. ... cançar as populações das áreas mais remotas do Brasil

  • View
    1

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of Miolo RUTE 11ago - AITT · PDF file Messina, Luiz Ary. II. Ribeiro Filho, José Luiz....

  • Rio de Janeiro, 2014

    RUTE 100 As 100 primeiras unidades de Telemedicina no Brasil e o

    impacto da Rede Universitária de Telemedicina (RUTE)

    José Luiz Ribeiro Filho Luiz Ary Messina

    Paulo Roberto de Lima Lopes editores

  • © José Luiz Ribeiro Filho, Luiz Ary Messina e Paulo Roberto Lopes (editores). Todos os direitos reservados aos editores José Luiz Ribeiro Filho, Luiz Ary Messina e Paulo Roberto Lopes. É proibida a reprodução ou transmissão desta obra, ou parte dela, por qualquer meio, sem a prévia autorização dos editores. Impresso no Brasil.

    ISBN 978-85-7650-439-9

    Coordenação, organização e supervisão Viviane Rosalem

    Coleta de dados Bruna Amaral / Luan Meirelles / Max Moraes / Thiago Lima Verde

    Projeto gráfico Juliana Jesus

    Diagramação e capa Samara Tomé

    Revisão Rodrigo Reis / Viviane Rosalem

    Produção Editorial Thaís Garcez

    E-papers Serviços Editoriais. http://www.e-papers.com.br E-papers Serviços Editoriais Ltda. Rua Mariz e Barros, 72, sala 202 Praça da Bandeira – Rio de Janeiro CEP: 20.270-006 Rio de Janeiro – Brasil

    CIP-Brasil. Catalogação na fonte Sindicato Nacional dos Editores de Livros, RJ

    R939 RUTE 100 : as 100 primeiras unidades de telemedicina no Brasil e o impacto da Rede Universitária de Telemedicina (RUTE) / editores Luiz Ary Messina ; José Luiz Ribeiro Filho ; Paulo Roberto de Lima Lopes. – 1. ed. – Rio de Janeiro : E-papers, 2014.

    506 p. : il. ; 23 cm.

    Inclui bibliografia ISBN 978-85-7650-439-9

    1. Telemática médica. I. Messina, Luiz Ary. II. Ribeiro Filho, José Luiz. III. Lopes, Paulo Roberto de Lima.

    14-14794 CDD: 610.285 CDU: 610.285

  • Sumário

    Prefácio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5

    PARte I Panorama telessaúde . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11

    CAPítuLo I A implantação de 100 unidades de telemedicina, novos avanços e perspectivas tecnológicas e a Gestão da Comunidade na Rede universitária de telemedicina (Rute) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13

    CAPítuLo II A modernização dos hospitais universitários federais no Brasil . . . . . . . . . . 26

    CAPítuLo III A universidade Aberta do Sistema Único de Saúde (uNA-SuS) . . . . . . . . . . 32

    CAPítuLo IV Contexto e perspectivas do Programa Nacional telessaúde Brasil Redes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39

    CAPítuLo V telessaúde na América Latina: a estruturação do projeto Protocolos Regionais de Políticas Públicas para telessaúde . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52

    CAPítuLo VI Programa de e-Saúde da organização Pan-Americana da Saúde (opas): cada vez mais próximos do acesso universal à saúde . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 61

    CAPítuLo VII A experiência da rede ePoRtuGueSe da organização Mundial da Saúde (oMS) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65

    CAPítuLo VIII Pesquisa tIC Saúde 2013: indicadores para o acompanhamento das práticas de telessaúde . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73

    CAPítuLo IX Avaliação: um componente importante da telemedicina . . . . . . . . . . . . . . . . 78

  • PARte II o impacto da Rute em alguns estados do Brasil – relato de experiências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 89

    PARte III Catálogo de unidades da Rute . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .141

    PARte IV Catálogo de Grupos de Interesse especial (SIGs) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .373

    PARte V Catálogo de Serviços RNP . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .467

    PARte VI Resultados de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) da RNP com potencial para a saúde . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .485

  • Prefácio

    Meu interesse e compromisso de longa data em apoiar os serviços de tele- medicina, como parte do programa de e-Saúde na Organização Mundial da Saúde (OMS), e meu conhecimento e valorização do trabalho implemen- tado no contexto brasileiro me colocam em uma posição privilegiada para aprender a partir dos exemplos nacionais de telemedicina, e permitem-me refletir sobre as questões globais de e-Saúde. Esta publicação, As 100 primei- ras unidades de Telemedicina no Brasil e o impacto da RUTE, é um excelente exemplo do que um país pode e tem feito, e destaca as lições que devem ser compartilhadas com todo o mundo.

    A RNP conseguiu reunir uma série de instituições brasileiras para trabalhar de forma construtiva, utilizando tecnologias da informação e da comunica- ção (TICs) para que as pessoas que vivem em áreas remotas possam receber o atendimento e a atenção médica que necessitam. Meu interesse é ver a telemedicina e outras tecnologias de comunicação contribuindo para a Co- bertura Universal de Saúde, cujo objetivo é garantir que todas as pessoas tenham acesso aos serviços de saúde de que necessitam sem que sofram prejuízos financeiros, tanto agora quanto no futuro.

    A telemedicina como parte de programas de e-Saúde tem a possibilidade de melhorar a qualidade dos serviços de saúde, reduzindo os custos e assegu- rando o acesso equitativo aos serviços. Tem o potencial de capacitar pessoas oferecendo-lhes o conhecimento e serviços que atendam às suas necessi- dades. A telemedicina, com sua abordagem multidisciplinar à prestação de serviços, tem sido utilizada pela RNP que é, por si, multidisciplinar. Este en- foque facilita a conexão de múltiplas instituições em um modelo interligado que destaca o que há de melhor em cada uma delas.

    Cada instituição trouxe não somente sua própria experiência como também recursos humanos e financeiros para fazer destas 100 primeiras unidades, um grande sucesso com diversas lições a serem aprendidas.

    A RNP formada pelo setor acadêmico e provedores de saúde oferece in- fraestrutura e apoio financeiro juntamente com o compromisso de traba- lhar para um só objetivo, assegurando um pré-requisito essencial para sua sustentabilidade.

  • 6 RUTE 100

    O livro não é apenas uma documentação fiel das 100 unidades de teleme- dicina estabelecidas pela RNP, mas também, e talvez mais importante ain- da seja a análise do impacto que a rede tem tido em diferentes níveis, en- focando os custos, qualidade e equidade, que também contribuem para a construção do corpo de evidências sobre o valor de e-Saúde em geral e da telemedicina, em particular.

    A implementação de 100 unidades de telemedicina abriu o caminho para uma maior colaboração nacional, regional e internacional, gerando aumen- to na produção científica dos diferentes colaboradores. O uso de novas me- todologias de ensino para enfrentar a escassez de recursos humanos para a saúde chama a atenção das autoridades nacionais de saúde para o poten- cial desta tecnologia. Destaca-se especialmente a sua capacidade de levar e utilizar os conhecimentos existentes em áreas urbanas para as áreas rurais, permitindo o intercâmbio entre as lições, o aprendizado e a integração de potencialidades e conhecimentos em todos os níveis do sistema de saúde no Brasil.

    A implementação das 100 unidades de telemedicina significou a inclusão di- gital e a redução da desigualdade digital e do conhecimento, onde as pessoas têm acesso à informação, ao diagnóstico à distância e podem beneficiar-se de serviços especializados melhorando consideravelmente a prestação de serviços em áreas rurais ou carentes. Isso tem contribuído para a formação contínua de profissionais de saúde aumentando sua satisfação, comprome- timento e melhorias nos serviços.

    As lições aprendidas em diferentes níveis estão bem documentadas nes- ta publicação, demonstrando as mudanças que podem ser sentidas na área da saúde da família, teleconsultoria e colaboração internacional. Vale destacar as principais conquistas, incluindo a construção da infraes- trutura tecnológica em todos esses locais, a aceitação de normas de e-Saúde por parte dos profissionais de saúde e pacientes, a integração bem sucedida da força de trabalho das instituições acadêmicas, hospitais, agências gover- namentais e outras empresas participantes.

    E mais, a implementação das 100 unidades da RUTE abriu as portas para a colaboração internacional trazendo conhecimentos para o Brasil forta- lecendo a cooperação Sul-Sul on de o Brasil pode oferecer suporte técnico para outros países.

    Essa publicação será de

Search related