MOBILIZAÇÕES CONTRA O DESMONTE DA .Esse é um exemplo da ... do desmonte da Petrobras com a venda

  • View
    212

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of MOBILIZAÇÕES CONTRA O DESMONTE DA .Esse é um exemplo da ... do desmonte da Petrobras com a venda

  • Jornal do Sindicato dos Petroleiros do Esprito Santo - Regional Centro- Sul

    Maro/1 - 2016 N 1065

    MOBILIZAES CONTRA O DESMONTE DA PETROBRAS

    Pg. 2Sindipetro-ES

    denuncia assdio moral

    Pg. 4Sindicatos se unem contra a venda dos Campos Terrestres

    Pg. 7

    Pg. 3

    Eleies dos CAs, representam de fato a categoria petroleira?

  • 2 Maro - Primeira Quinzena - 2016

    SINDIPETRO-ES DENUNCIA ASSDIO MORAL NA P-57

    Seminrio vai debater sade do trabalhador e assdio moral na Petrobras

    No bastasse toda a tenso, desgaste emocional e fsico, ocorrido durante a greve, os trabalhadores da P-57 esto sofrendo, diariamente, assdio de seus gerentes. A lideranas so autoritrias e no tm controle emocio-nal para lidar com suas equipes elas, que deveriam ter como princpio bsico estabelecer a harmonia e integrao no ambiente de trabalho, agem como verda-deiros "capatazes" e no respeitam os direitos funda-mentais do trabalhador, como o direito greve. At hoje, alguns so perseguidos e sofrem retaliaes por terem participado do movimento de greve. Mudanas nas escalas sem aviso prvio, alterao de frias de

    forma unilateral, e alocao de engenheiros na platafor-ma, com desvio de funo, so algumas atitudes de retaliao e punio adotadas pela gerncia.

    A direo do Sindipetro-ES j solicitou reunio com o RH e com o gerente geral para dar um basta nesta situao. "No vamos permitir comportamentos abusivos que possam atentar contra a dignidade e integridade psicolgica dos trabalhadores. Toda a prtica de assdio moral no trabalho deve ser denunciada ao Sindicato", frisa o diretor de offshore do Sindipetro-ES, Wallace Ouverney.

    No dia 27 de abril, o Sindipetro-ES vai realizar o 1 Seminrio sobre Assdio Moral no Trabalho e Sade do Trabalhador. Trata-se de um tema que vem ocupando a agenda das entidades sindicais que constantemente lidam com casos e denncias de trabalhadores vtimas de assdio moral uma conduta que acaba afetando a sade dos profissionais, a qualidade do trabalho e suas relaes sociais e familiares.

    O evento aberto a todos os funcionrios prprios (filiados ou no) e terceirizados do Sistema Petrobras e vai trazer especialistas no assunto, como a professora doutora em Psicologia Social Terezinha Martins dos Santos Souza, da Escola de Servio Social da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (Unirio) e Vivian Pizzinga, psicanalista e escritora, com mestrado em sade coletiva pelo IMS/Uerj.

    FIQUE LIGADO 1 Seminrio Sobre Assdio Moral e Sade do Trabalhador

    Data: 27 de abril de 2016 . Horrio: Das 13h45 s 18h30 . Local: Auditrio do Hotel Ilha do Boi, em Vitria. A inscrio gratuita e dever ser feita no site do Sindipetro-ES

  • Maro - Primeira Quinzena - 2016 3

    Contra o desmonte da Petrobras no Esprito Santo

    Mais uma vez o governo, acionista majoritrio da Petro-bras, e o Conselho de Administrao da empresa usam o trabalhador para pagar a conta da poltica equivocada e temerria adotada pela empresa nos ltimos anos. O desmonte da Petrobras no Esprito Santo, resultado do Plano Negcios de Gesto 2015-2019, se d com total conivncia e apoio do atual governador Paulo Hartung, um privativista nato.

    O fechamento de diversas unidades e a reduo dos servios gerou centenas de demisses de trabalhadores terceirizados no TIMS e CPVV, cujas atividades sero encerradas at o final de abril. No Edivit, onde ficam as sedes administrativas da BR Distribuidora, Transpetro e Petrobras, mais de um tero dos terceirizados foram demitidos e novas demisses esto previstas. Em alguns casos, os contratos so encerrados e os trabalhadores recontratados com salrios e benefcios menores. Outras empresas tiveram suas atividades reduzidas, pois ficaram impossibilitadas de manter a prestao dos servios, inclusive deixando seus empregados sem a garantia de que iro receber seus direitos trabalhistas.

    Para o coordenador-geral do Sindipetro-ES, Paulo Rony Viana, o clima de medo e desamparo. "O impacto na economia local e para a sociedade capixaba imensur-vel, j que diversas famlias esto sendo afetadas. Os sindicatos propuseram diversas alternativas para que o trabalhador no fosse penalizado, porm os gestores da Petrobras no deram a menor ateno. A responsabilida-de social da empresa est sendo rasgada e jogada no lixo", frisa o coordenador.

  • Sindicatos se unem contra venda dos campos terrestres

    Reunidos em Salvador, no ltimo dia 5, os representan-tes dos sindicatos do Esprito Santo, Bahia, Sergipe, Cear e Rio Grande do Norte traaram uma srie de estratgias e definiram aes conjuntas para barrar a entrega dos campos terrestres nos Estados e o processo de privatizao anunciado pela Petrobras. A chamada "Cesso de Direitos de Explorao" divulgada pela estatal ao mercado financeiro, atravs de "Fato Relevan-te", nada mais que a doao de uma expressiva riqueza do povo brasileiro, a empresrios privados.

    No Esprito Santo, a produo de 14 mil barris/dia. Temos hoje cerca de 290 empregados prprios e 1.200 terceirizados. Esto venda os campos de Itanas, Sm-8, Suruaca, Cancan, So Jorge, Cedro. Restando Fal, Ibu, So Rafael e Santa Luzia.

    Segundo o coordenador-geral do Sindipetro-ES, Paulo Rony Viana, foi criada uma agenda de mobilizaes que ir envolver a categoria, parlamentares, movimentos sociais e a sociedade organizada. "Vamos nos unir em torno desta pauta comum de resistncia e combate privatizao da empresa. Esto entregando as nossas reservas, o patrimnio do povo brasileiro, por uma baga-tela, exatamente como aconteceu na era FHC com a privatizao das estatais", explica.

    Apenas nessa primeira "liquidao", enquanto a estatal espera arrecadar, no mximo, somente R$ 800 milhes (Jornal Valor Econmico), as empresas privadas iro

    VAMOS LUTA!

    roubar do povo brasileiro 257 milhes de barris de leo e gs em reservas provadas, que so aquelas j descobertas, em plena produo. No bastasse isso, ainda vo levar, de brinde, toda a infraestrutu-ra de escoamento, bombeamento, tratamento e transferncia do petrleo e do gs para as Refina-rias e Terminais.

    Somente essas reservas, esto avaliadas em mais de R$ 3,08 bilhes de reais, considerando que o barril de petrleo ainda no extrado vale, apenas R$ 12,00, ou seja, U$ 3,00. Depois dessa doao, se a cotao do petrleo subir, o que todos os analis-tas avaliam que o mais provvel, imaginem o lucro fcil e bilionrio dessas empresas privadas, a custo do dinheiro pblico, do esforo, da intelign-cia, do suor e do sangue derramado pelos trabalha-dores da Petrobras, prprios e terceirizados, nesses mais de 53 anos de explorao e produo dos campos terrestres.

    A venda dos campos terrestres criar srios proble-mas para os trabalhadores e os municpios situados nos entornos das regies petrolferas. Para os sindi-catos, essa a pior direo que a Petrobras j teve e o interesse da maioria de seus gestores a priva-tizao da empresa. No entanto, os diretores ressaltam que somente com enfrentamento ser possvel reverter ou minimizar a deciso da estatal.

    4 Maro - Primeira Quinzena - 2016

  • Vrios setores da empresa tiveram suas atividades transfe-ridas para o Rio de Janeiro, como o setor Tributrio da Transpetro e toda a Gerncia de Logstica que atendia principalmente as plataformas localizadas no Estado. O intrigante que o novo porto que atender s demandas das plataformas do Esprito Santo fica em Campos, no Rio de Janeiro, cujo contrato de cerca de R$ 3 bilhes e que ainda no possui rea de armazenamento.

    Toda a logstica de material ter de ser feita em Maca e, posteriormente, transportada para Campos, gerando um elevado custo para a empresa, alm de prejudicar o tempo de atendimento das plataformas. Em plena crise, qual o objetivo e a quem interessa essa transferncia? O discurso de economizar cai por terra e, na prtica, quem est pagando a conta so os trabalhadores.

    Transferncias de unidades para outros Estados

    Maro - Primeira Quinzena - 2016 5

    A realocao dos empregados prprios tambm outro transtorno. Eles esto sendo obrigados a mudarem de base, de cidade e at de Estado. O que tambm onera a empresa - na maioria dos casos ser necessrio pagar indenizaes ou adicional de transferncia para esses petroleiros.

    O mais irnico que tanto na Petrobras quanto na Transpetro, petroleiros de outros Estados esto sendo transferidos para as bases capixabas, recebendo adicional de transferncia, antes mesmo que os petro-leiros nativos sejam realocados, preferencialmente nas proximidades de seus domiclios como est previsto no Acordo Coletivo de Trabalho (ACT). Esse um exemplo da ineficiente gesto de pessoas que perdura no sistema Petrobras.

    Centenas de petroleiros do estado da Bahia estiveram presentes em um debate pblico, no dia 14 de maro, promovido pelo Sindipetro local, FUP, CUT e movimen-tos sociais, na Assembleia Legislativa da Bahia (Alba). O diretor do Sindipetro-ES, Davidson Lomba, represen-tou o Esprito Santo. O objetivo era fazer uma forte defesa dos campos terrestres da Regio Nordeste e do Esprito Santo, do pr-sal e da Petrobras como uma empresa 100% pblica.

    Alm disso, o evento serviu para apresentar e aprovar propostas para realizar essa defesa do patrimnio pblico. Das medidas discutidas, foram selecionadas a criao de uma subcomisso em defesa da Petrobras na Alba, convocar as Assembleias Legislativas, prefei-tos e governadores do Nordeste para defender a empresa do capital privado; solicitar reunio com o governador da Bahia, Rui Costa; com o presidente da Petrobras, Aldemir Bendine e com a presidente Dilma Rousseff, e elaborar uma carta aberta aos governado-res, ressaltando a indignao da categoria com a venda dos campos terrestres.

    Petroleiros e movimentos sociais defendem os campos terrestres na Bahia

    Assembleia Legislativa da Bahia

  • PETROLEIRO PRESSIONAM DEPUTADOS E SENADORES NO CONGRESSO NACIONAL

    PELA RETIRADA