Click here to load reader

MODELAÇÃO DA PROCURA TURÍSTICA EM … · La variable representativa de la demanda turística utilizada como variable dependiente fue número de pernoctaciones en establecimientos

  • View
    214

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of MODELAÇÃO DA PROCURA TURÍSTICA EM … · La variable representativa de la demanda turística...

  • 1

    MODELAO DA PROCURA TURSTICA EM MOAMBIQUE

    [MODELACIN DE LA DEMANDA TURSTICA EN MOZAMBIQUE]

    Hortncio Constantino

    Instituto Superior Politcnico de Gaza

    Paula Odete Fernandes

    Instituto Politcnico de Bragana

    Joo Paulo Teixeira

    Instituto Politcnico de Bragana

    reas temticas : K) Turismo

    Palavras-Chave : Turismo, Procura Turstica, Moambique, Modelao.

    82k

  • 2

    MODELAO DA PROCURA TURSTICA EM MOAMBIQUE

    Resumo

    O presente artigo tem como objetivo modelar a procura turstica em Moambique, para o

    perodo compreendido entre Janeiro 2004 e Dezembro 2013, recorrendo ao Mtodo de

    Regresso Linear Mltipla. A varivel nmero de dormidas nos estabelecimentos hoteleiros e

    similares, como representativa da procura turstica, foi utilizada como varivel dependente

    explicada pelas variveis ndice Harmonizado de Preos ao Consumidor e Produto Interno

    Bruto per capita, para os mercados de Moambique e frica do Sul. Pelos resultados obtidos

    concluiu-se que a varivel ndice Harmonizado de Preos ao Consumidor de frica do Sul a

    varivel que explica a variao da varivel dependente.

    MODELACIN DE LA DEMANDA TURSTICA EN MOZAMBIQUE

    Resumen

    El presente trabajo pretende modelar la demanda turstica en Mozambique, para el perodo

    comprendido entre enero de 2004 y diciembre de 2013, utilizando el mtodo de Regresin

    Lineal Mltiple. La variable representativa de la demanda turstica utilizada como variable

    dependiente fue nmero de pernoctaciones en establecimientos hoteleros y similares. Las

    variables explicativas utilizadas fueran ndice de Precios al Consumidor Armonizado y Producto

    Interno Bruto per cpita, para los mercados de Mozambique y Sudfrica. Por los resultados

    obtenidos se concluy que el ndice de Precios al Consumidor Armonizado de Sudfrica fue la

    variable que explica la variacin de la variable dependiente.

  • 3

    Introduo

    O turismo considerado como sendo uma atividade de grande importncia em muitos pases

    do mundo, dado que dum lado, este de uma forma direta ou indireta contribui significativamente

    para o Produto Interno Bruto de um pas e doutro lado, devido ao grande investimento

    financeiro realizado pelas empresas com os seus bens e servios, tais como, transportes

    (companhias reas) e hotelaria (alojamento), e ainda, pode se dizer o turismo uma fonte de

    gerao de emprego nas indstrias de servios a ele associados (Chu, 2011).

    O turismo em Moambique encontra-se dividido em trs grupos distintos, nomeadamente:

    turismo domstico que realizado por residentes dentro do territrio nacional; turismo recetor

    ou internacional realizado por turistas estrangeiros dentro de Moambique e por fim turismo

    emissor, realizado por Moambicanos fora do seu pas de residncia. Para Jones (2007) o

    turismo em Moambique uma atividade mdica mas no irrelevante e o seu contributo de

    cerca de 3,2% para o Produto Interno Bruto (PIB) e segundo o Ministrio do Turismo, para o

    ano de 2013, Moambique deu as boas vindas a mais de 1.900.000 turistas estrangeiros

    (Ministrio do Turismo, 2014). Moambique possui um rico potencial para se tornar um destino

    turstico de nvel regional e internacional (Resoluo n.o 14/2003 de 4 de Abril, 2003), para os

    autores Jones e Ibrahimo, (2007) o sector de turismo em Moambique est ainda numa fase

    crucial do seu desenvolvimento, ou seja, continua a ser relativamente moderada em tamanho,

    mas mostra o potencial para contribuir significativamente para o desenvolvimento do pas a

    longo prazo, atravs de ambos os efeitos sobre a gerao de novos empregos e estimulando

    outros sectores de atividade.

    O presente trabalho tem como principal objetivo modelar a procura turstica em Moambique,

    com destaque para o turismo domstico e turismo recetor, atravs de um modelo causal ou

    economtricos, ou seja, com a aplicao do mtodo de regresso linear mltipla. Nesta ordem

    de ideias, a varivel dependente ou explicada nmero de dormidas nos estabelecimentos

    hoteleiros em Moambique, para o perodo compreendido entre Janeiro 2004 e Dezembro

    2013. Para tal, o conjunto de variveis explicativas selecionadas, de acordo com o objetivo do

    estudo, foram o ndice Harmonizado de Preos ao Consumidor (IHPC) e o Produto Interno

  • 4

    Bruto per capita (PIB). O estudo realizou-se tendo em conta os dois maiores emissores

    tursticos de Moambique, sendo este, o principal emissor turstico e a frica do Sul que

    constitui o maior emissor turstico internacional e as razes devem-se proximidade geogrfica

    entre os dois pases, o que facilita a entrada via terrestre, area ou martima a um custo

    relativamente baixo.

    O artigo encontra-se estruturado, aps a presente introduo, da seguinte forma: no primeiro

    ponto apresenta um enquadramento da temtica; no segundo ponto apresenta o

    desenvolvimento metodolgico; e no terceiro ponto apresenta-se a parte emprica e a resposta

    ao principal objetivo deste trabalho, ou seja, a criao de um modelo que permita modelar a

    procura turstica em Moambique; por fim, apresentam-se as principais concluses do estudo.

    1. Enquadramento Terico: Modelao da procura tur stica

    Nos ltimos anos tem-se assistido a um aumento considervel do nmero de publicaes

    relacionadas com a modelao da procura turstica (e.g., Witt & Witt, 1995; Lim, 1997; Song &

    Li, 2008; Dwyer, Forsyth & Dwyer, 2010; Tribe & Xiao, 2011; Rigall-I-Torrent & Fluvia, 2007,

    2011). Este aumento nas publicaes revela um interesse cada vez maior por parte dos

    gestores tursticos e no s, na preciso dos resultados da previso e modelao de modo a

    acautelar riscos futuros dado que o produto turstico perecvel (Witt & Witt, 1995; Li, Blake, &

    Cooper, 2011). Song e Witt (2000) referem que devido ao papel fundamental da procura como

    determinante da rentabilidade do negcio, estimativas de procura futura prevista constituem um

    elemento muito importante em todas atividades de planeamento, pelo que uma previso exata

    da procura turstica essencial para o eficiente planeamento por parte de negcios

    relacionados com o turismo, em particular devido perecibilidade do produto turstico.

    A procura turstica para um determinado destino pode definir-se como uma combinao de

    produtos e servios tursticos que os consumidores (turistas) esto dispostos a comprar

    durante um determinado perodo de tempo especfico e sob um dado conjunto de condies

    Song e Witt (2000). Segundo estes autores, as condies que se relacionam com a quantidade

    de turismo procurado incluem preos de turismo para o destino (custo de vida dos turistas no

    destino e o custo de viajar para o destino) a disponibilidade de preos tursticos de destinos

    concorrentes ou substitutos, rendimento de potenciais consumidores, despesas de publicidade,

    gostos dos consumidores do mercado emissor e outros fatores sociais, culturais, geogrficos e

    polticos.

    Seguindo esta linha de raciocnio e uma vez que se pretende contribuir para a criao de um

    modelo que permita modelar a procura turstica em Moambique, para efeitos de modelao

    recorreu-se a modelos causais que tem a vantagem de analisar as relaes causais entre uma

  • 5

    varivel dependente ou explicada e as variveis ou fatores que a influenciam, ou seja, variveis

    explicativas ou dependentes (Song & Li, 2008). Segundo Witt e Witt (1992) citados por Ramos

    e Rodrigues (2014), a anlise da procura turstica, utilizando os mtodos causais segue uma

    metodologia adequada para estimar modelos e prever valores futuros, que podem resumir-se

    como os seguintes passos: (i) selecionar as variveis que influenciam a procura turstica e

    especificar as suas relaes em uma forma matemtica; (ii) organizar dados relevantes para o

    modelo; (iii) usar dados para estimar os efeitos quantitativos das variveis que influenciam a

    varivel a ser prevista; (iv) executar testes no modelo estimado para analisar a qualidade dos

    ajustes; (v) se os testes mostram que o modelo satisfatrio, em seguida, us-lo para fazer

    previses.

    Cabe sublinhar que existem vrias variveis para medir a procura turstica numa certa regio

    ou Pas (Witt & Witt, 1995; Lim, 1997). Os autores anteriormente referenciados, concluram que

    a medida mais popular para medir a procura turstica o nmero entradas registado nas

    fronteiras, a segunda medida so os gastos efetuados pelos turistas no local de destino. A

    outra medida no menos importante para medir a procura turstica o nmero de dormidas de

    turistas no local de destino (Witt & Witt, 1995; Santos & Fernandes, 2010; Coshall &

    Charlesworth, 2011; Cunha & Abrantes, 2013).

    2. Desenvolvimento Metodolgico

    2.1. Enquadramento

    Para o presente trabalho, com objetivo de modelar a procura turstica em Moambique,

    incluindo turistas estrangeiros e nacionais, a varivel nmero de dormidas nos

    estabelecimentos hoteleiros e similares foi usada como varivel dependente no modelo,

    compreendendo o perodo de Janeiro 2004 a Dezembro de 2013 (120 observaes mensais).

    A introduo da varivel dependente ou explicada nmero de dormidas de nos

    estabelecimentos hoteleiros e similares em Moambique deve-se ao fato desta ser expressiva

    quando o assunto em questo modelar a procura turstica, nacional e internacional, em

    conjunto. Pois, esta varivel nmero de dormidas engloba dormidas referentes a nacionais e

    estrangeiros para um certo perodo em anlise o que permite uma avaliao mais criteriosa e

    realstica sobre os movimentos tursticos numa dada regio, o que pode ajudar os gestores

    tursticos a tomar certas medidas preventivas com relao a pocas de maior ou menor

    concentrao turstica (Cunha & Abrantes, 2013). A esta realidade alia-se o fato de existir uma

    base de dados relacionada com o nmero de dormidas em Moambique que resultado de

    inquritos realizados junto dos operadores tursticos registados em Moambique e que contm

    informao com uma qualidade considervel.

  • 6

    Assim, no presente estudo as variveis explicativas ou independentes que pretendem explicar

    a varivel dependente foram selecionadas de acordo com reviso da literatura dentro de uma

    gama de possveis variveis, nomeadamente, o ndice Harmonizado de Preos ao Consumidor

    (IHPC) e o Produto Interno Bruto per capita (PIB), para o perodo de Janeiro 2004 a Dezembro

    de 2013 (compreendendo 120 observaes mensais).

    A introduo das variveis independentes ou explicativas no modelo deve-se ao facto da

    varivel produto interno bruto em termos per capita a varivel mais consensual em vrios

    estudos relacionados com a procura turstica (Witt & Witt, 1995; Lim, 1997; Seetanah, 2011). O

    produto interno bruto per capita o rendimento nacional de um pas divido pelo nmero de

    habitantes que resulta em um rendimento mdio por habitante, saber o valor deste rendimento

    por pessoa de capital importncia, dado que, para que haja fluxos tursticos necessrio que

    os potenciais turistas tenham recursos financeiros e quanto maior for o PIB per capita maior a

    propenso ao turismo (o PIB per capita tem uma relao direta com o numero de dormidas); e

    com relao a varivel ndice harmonizado de preos ao consumidor, esta indica, o poder de

    compra dos turistas dos turistas, de salientar que esta varivel deve multiplicada pela taxa de

    cmbio entre o pas emissor e pas recetor (Witt & Witt, 1995).

    2.2. Modelo economtrico

    Tal como j foi referenciado, no presente trabalho utilizou-se um modelo casual ou

    economtrico, particularmente o Modelo de Regresso Linear Mltipla (MRLM). Este modelo

    utiliza-se quando se supe existir uma associao linear entre uma varivel endgena

    (dependente) de natureza quantitativa, e uma ou mais variveis exgenas tambm de natureza

    de quantitativa e tem como objetivo explicar e prever o comportamento da varivel dependente

    em funo das variveis independentes, necessitando para tal da expresso analtica que se

    traduz, obtida atravs do Mtodo dos Mnimos Quadrados, (e.g., Pestana & Gageiro, 2005;

    Hair, Black, Babin, Anderson & Tatham, 2009; Marco, 2014). A expresso do modelo vem

    dada por (Greene, 2000, p.210):

    1 2(x , x , ..., x )ik i i ik iy f= + ni ...,2,1= [1]

    1 2 12 ...ik k ik iy x x = + + + + ni ...,2,1= [2]

    Assim, o modelo de regresso linear mltipla consiste na formulao de um modelo de

    variveis independentes ( ) que contribuem para explicar ou influenciar a varivel

    dependente ( ), ou seja, este modelo assume que existe uma relao linear entre uma

  • 7

    varivel Y (a varivel dependente) e k variveis independentes, , (Greene,

    2000).

    Segundo Marco (2014) no modelo de regresso linear univariado est subjacente um conjunto

    de pressupostos para a sua aplicao. De seguida passa-se a apresentar os pressupostos,

    (Gujarati, 1995, pp. 192-193):

    (i) A mdia dos erros aleatrios ser zero

    E ( ) = 0, onde E ( ) = 0 [3]

    (ii) A no existncia de correlao entre os erros aleatrios

    [4]

    (iii) Homoscedasticidade, a varincia dos erros aleatrios ser

    var ( ) = . [5]

    A conjugao dos pressupostos ii) e iii) faz com que a matriz das varincias e

    covarincias dos erros aleatrios seja dada por = E , em que a

    matriz I a matriz identidade.

    (iv) As variveis independentes so no-aleatrias (fixas), ou seja, a covarincia entre

    o e qualquer varivel independente ser nula

    [6]

    (v) O modelo economtrico estar bem especificado (caracterstica da matriz .

    (vi) No existir multicolinariedade entre as variveis independentes , isto , serem

    independentes entre si.

    (vii) Sendo, ~ N (0, ), i = 1,2,, n , ento

    ~ N (0, ) [7]

    tem distribuio normal multivariada onde 0 a matriz nula.

    Dado que a distribuio de , normal multivariada, corresponde distribuio de quando

    esta sofre uma translao permitindo que a sua mdia se torne nula, ter-se- que

    E[ ] = X [8]

    e que varincia da varivel dependente observada (V [ ] = ) seja simbolicamente

  • 8

    ~ N ( , ) [9]

    3. Modelao da Procura Turstica: O caso de Moamb ique

    3.1. Apresentao e comportamento das variveis do modelo

    Para a construo do modelo economtrico foram selecionados os dois emissores tursticos

    com mais peso no turismo Moambicano, nomeadamente, frica do Sul e Moambique. Ora a

    frica do Sul tem o estatuto de maior mercado emissor turstico estrangeiro representando

    cerca de 44,27% do total das entradas em 2013 e as razes por detrs desse fator so:

    primeiro, devido sua proximidade com Moambique e da a facilidade de entrada quer via

    terrestre, martima ou area, segundo com a abertura do mercado livre da SADC1 que eliminou

    o visto de entrada na regio Austral de frica, faz com haja cada vez mais procura do turismo

    em Moambique por parte de turistas Sul-Africanos e por fim, o fato de Moambique possuir

    praias mais prximas das principais cidades da frica do Sul que so procuradas

    principalmente no perodo de frias, ou seja, no ms de Dezembro.

    Os dados referentes a frica do Sul foram recolhidos junto do Statistics South Africa (SSA,

    2014) e para Moambique, os dados foram recolhidos junto ao Instituto Nacional de Estatstica

    de Moambique (INE, 2014).

    Fazendo agora uma anlise descritiva, grfica, da varivel Nmero de dormidas nos

    estabelecimentos hoteleiros e similares (Figura 1), pode observar-se a evoluo para o

    perodo de Janeiro de 2004 a Dezembro de 2013. Para o caso vertente de Moambique, esta

    varivel no mostra uma tendncia de sazonalidade tpica e constante ao longo dos anos mas

    h a considerar trs situaes distintas para os meses de Janeiro, Abril e Dezembro. Ou seja, o

    ms de Janeiro o que menos turistas recebe e este facto deve-se seguinte razo: os

    turistas neste perodo esto a fazer um movimento inverso, isto , retorno terra de origem.

    Relativamente ao ms de Abril h a considerar que a srie regista um incremento e este deve-

    se ao fato de ser um ms que se comemora a Pscoa Crist o que motiva um grande nmero

    de movimentos tursticos e consequentemente uma procura maior pelas estncias tursticas.

    Por fim, o ms de Dezembro o que mais turistas recebe, este facto, deve-se s seguintes

    razes: este o ms em que verificam frias laborais e escolares, assim sendo, motiva muitos

    turistas a deslocarem-se, quer de turistas nacionais quer de turistas estrangeiros, com principal

    destaque para os turistas Sul-Africanos que representa a maior percentagem de entradas com

    1 Do ingls Southern African Development Community, ou seja, comunidade de desenvolvimento da frica Austral.

  • 9

    cerca de 32% em 2004 e cerca de 44% em 2013 (INE, 2014). De salientar que o ano de 2011

    verificou o pico mais elevado devido preparao e realizao dos Jogos Olmpicos de frica.

    Figura 1. Nmero de dormidas em Moambique.

    A Figura 2, mostra a evoluo do ndice Harmonizado de Preos ao Consumidor (IHPC) para

    os dois maiores emissores tursticos de Moambique (frica do Sul, AF; e Moambique, MOC).

    Ora o IHPC representa o poder de compra dos indivduos de um certo pas, pelo que para o

    caso do IHPC da frica do Sul, dado que esta expressa em Rands houve a necessidade de

    multiplicar a srie pelo valor de inflao de modo a referir esse poder de compra para

    Moambique tal como sugere (Witt e Witt, 1995). Verifica-se que para Moambique o IHPC tem

    vindo aumentar de uma forma crescente. Por outro lado, para frica do Sul, apenas registou

    aumentos significativos entre o perodo de Janeiro de 2009 e Dezembro de 2011, e nos ltimos

    anos tem-se estagnado.

    Figura 2 . ndice Harmonizado de Preos ao Consumidor.

  • 10

    Quanto evoluo do Produto Interno Bruto per capita para os principais emissores tursticos

    em Moambique, constata-se que os turistas Sul-Africanos possuem maior rendimento mdio por

    habitante comparativamente com o rendimento mdio por habitante de Moambique.

    Figura 3 . Produto Interno Bruto per capita.

    3.2. Resultados empricos

    Tal como referido no ponto anterior, a construo do modelo teve como varivel dependente o

    nmero de dormidas nos estabelecimentos hoteleiros e similares em Moambique para o

    perodo de 2004:01 a 2014:12. Ainda, a varivel dependente nmero de dormidas ser

    explicada por um conjunto de variveis explicativas selecionadas de acordo com o peso

    significativo dos mercados emissores em relao quota de mercado turstico, sendo que os

    mercados com maior peso so Moambique (MOC) e frica do Sul (AF). Neste caso, as

    variveis explicativas usadas para a construo do modelo explicativo do comportamento das

    dormidas, foram: ndice Harmonizado de Preos ao Consumidor [IHPC] e o Produto Interno

    Bruto per capita [PIB].

    Assim sendo, no caso em estudo vem dado pela seguinte expresso:

    1 2 3 4 5i AF MOC AF MOC iProcura Turstica em Moambique IHPC IHPC PIB PIB = + + + + + [10]

    A construo do modelo economtrico para explicar o comportamento da variao da varivel

    dependente nmero de dormidas nos estabelecimentos hoteleiros em Moambique foi obtido

    atravs do mtodo de seleo de preditores Stepwise. Este mtodo utilizado para obter a

    combinao tima de variveis independentes, pela remoo de variveis cuja importncia no

    modelo reduzido pela adio de novas variveis e mais apropriado no caso em que se

    verifica correlaes elevadas entre as variveis independentes (Marco, 2014). Partindo do

    modelo inicial de anlise com quatro variveis independentes, nomeadamente: ndice

    Harmonizado de Preos ao Consumidor da frica do Sul e de Moambique; e Produto Interno

  • 11

    Bruto per capita de Moambique e frica do Sul, verificou-se uma multicolinearidade entre as

    variveis, o que at certo ponto dificultou a escolha do melhor modelo explicativo. Recorreu-se

    ao Stepwise como forma de selecionar variveis independentes, donde se constatou que

    somente a varivel ndice Harmonizado da frica do Sul tinha qualidades estatsticas

    suficientes para modelar a procura turstica em Moambique, medida pelo nmero de dormidas

    nos estabelecimentos hoteleiros e similares.

    O modelo resultante da aplicao do mtodo Stepwise para selecionar variveis independentes

    para o modelo foi uma Regresso Linear Simples e apresenta-se na Tabela 1 as medidas de

    desempenho do modelo.

    Tabela 1 . Medidas de Desempenho do Modelo Estimado.

    Modelo Coeficiente Erro Padro Rcio-t Valor p Significncia

    Constante 33688,3 3672,65 9,1728

  • 12

    4. Da estatstica de Durbin-Watson para testar a hiptese de autocorrelao entre os

    resduos, verifica-se que o teste de Durbin-Watson, o d=0,745212 com um valor de prova

    de 1,88738e-015, ou seja, rejeita-se a hiptese nula. Na correo da autocorrelao entre

    os resduos, constata-se que o d=2,169536, ou seja, o valor de Durbin-Watson encontra-se

    no intervalo de [dU; 4-dU], pelo que pode concluir-se pela ausncia da autocorrelao, ou

    seja, h evidncias estatsticas suficientes para afirmar que no se rejeitar a hiptese nula;

    5. Da estatstica de White atravs do teste TR2 para testar a hiptese de homogeneidade

    entre os resduos, o valor de TR2 obtido de 3,922121 e o valor de prova=0,140709. Como

    o valor de prova superior a 10%, logo constata-se que existem evidncias estatsticas

    para no rejeitar a hiptese nula, isto , pode-se afirmar que no existe violao do

    pressuposto de homoscedasticidade. As caractersticas dos estimadores continuam a ser

    BLUE2;

    6. Do teste da normalidade, na Figura 5, constata-se que o modelo segue distribuio normal

    dado que a estatstica de ( )2 2 0, 84 4 = com valor de prova de 0,5557, ou seja, maior

    que o nvel de significncia de 5%. Pode dizer-se que a hiptese dos erros seguirem

    distribuio normal de mdia 0 e desvio padro constante ( (0, ) . ..)j N i e esta

    salvaguardada, ou seja, h evidncias estatsticas para afirmar que hiptese nula no

    violada porque a mdia aproximadamente igual a zero e o desvio padro constante.

    0

    5e-006

    1e-005

    1,5e-005

    2e-005

    2,5e-005

    3e-005

    3,5e-005

    4e-005

    4,5e-005

    -30000 -20000 -10000 0 10000 20000 30000

    Densid

    ade

    uhat1

    uhat1N(1,3461e-011 9182,6)

    Estatstica de teste para normalidade:Qui-quadrado(2) = 0,844 [0,6557]

    Figura 4. Normalidade dos resduos.

    De modo geral, pela interpretao dos resultados apresentados anteriormente, o melhor

    modelo para estimar a Procura Turstica em Moambique o modelo que inclui apenas a

    varivel ndice Harmonizado de Preos ao Consumidor de frica do Sul, pois esta ser a

    2 Do ingls Best Linear Unbiased Estimators.

  • 13

    varivel que permitir produzir cenrios macroeconmicos adequados para a procura turstica

    em estabelecimentos hoteleiros em Moambique. Assim, o modelo vem dado pela seguinte

    equao:

    33688,3 140,741i AF iProcura Turstica em Moambique IHPC = + + [11]

    Concluso

    O principal objetivo do presente estudo passou por construir um modelo que permitisse

    modelar a Procura Turstica em Moambique, perceber se o ndice Harmonizado de Preos ao

    Consumidor tem efeitos na captao de turistas e se o nvel de rendimento per capita dos

    turistas fundamental para um crescimento sustentado das dormidas tursticas em

    Moambique.

    Assim, para explicar a varivel dependente nmero de dormidas nos estabelecimentos

    hoteleiros e similares, para o perodo Janeiro de 2004 a Dezembro de 2013, teve-se em conta

    as variveis explicativas ndice Harmonizado de Preos ao Consumidor e o Produto Interno

    Bruto per capita, para os mercados de frica do Sul e de Moambique. De referir que se

    escolheram estes dois mercados emissores por serem os que apresentaram uma quota

    significativa quando comparadas com outros mercados emissores.

    Cabe sublinhar que o primeiro Modelo de Regresso Linear Mltiplo, para estimar a procura turstica,

    no foi possvel utilizar uma vez que se detetou a violao do pressuposto da multicolinearidade das

    variveis explicativas, deixando os estimadores de ser BLUE. Assim, optou-se por utilizar o Modelo de

    Regresso Linear Simples, recorrendo ao mtodo de seleo de variveis Stepwise, pois obteve-

    se o melhor modelo de anlise onde somente a varivel ndice Harmonizado de Preos ao

    Consumidor de frica do Sul que apresentou qualidades estatsticas suficientes para explicar

    o comportamento da varivel dependente.

    Referncias

    Chu, F-L. (2011). A piecewise linear approach to modeling and forecasting demand for Macau tourism. Tourism Management, 32, 1414-1420.

    Coshall, J., & Charlesworth, R. (2011). A management oriented approach to combination forecasting of tourism demand. Tourism Management, 32, 759-769.

    Cunha, L., & Abrantes, A. (2013). Introduo ao turismo. (5.a Ed.) Lisboa.

    Dwyer, L., Forsyth, P., & Dwyer, W. (2010). Tourism Economics and Policy. Bristol: Channel View Publications.

    Greene, W. (2000). Econometric analysis. (4. Ed.). New York

    Gujarati, D. (1995). Basic Econometrics. McGraw-Hill. (3. ed.).

  • 14

    Hair, J., Black, W., Babin, B., Anderson, R., & Tatham, R. (2009). Anlise multivariada de dados. Bookman.

    INE (2014). Instituto Nacional de Estatstica de Moambique. On-line em www.ine.gov.mz.

    Jones, S. (2007). A economia de turismo em Moambique: tamanho, impacto e implicaes. Discussion papers No. 55P, 43.

    Jones, S., & Ibrahimo, H. (2007). The Economic Contribution of Tourism in Mozambique: Present and Future. In Conferncia Inaugural do Instituto de Estudos Sociais e Econmicos. Desafios para a investigao social e econmica em Moambique.

    Li, S., Blake, A., & Cooper, C. (2011). Modelling the economic impact of international tourism on the Chinese economy: A CGE analysis of the Beijing 2008 Olympics. Tourism Economics, 17(2), 279-303.

    Lim, C. (1997). Review of international tourism demand models. Annals of Tourism Research, 24(4), 835-849.

    Marco, J. (2014). Anlise Estatstica com Spss Statistics. Edies Slabo, Lda. (6.a Ed.).

    Ministrio de Turismo (2014). Ministrio do turismo: Indicadores de referncia na rea do turismo referncia 2004-2013.

    Pestana, M., & Gageiro, J. (2005). Descobrindo a regresso: com a complementaridade do SPSS. Edies Slabo, Lda. (5.a Ed.).

    Ramos, C., & Rodrigues, P. (2014). Tourism demand modelling and forecasting an overview. Revista de Turismo Contemporneo, 2(2), 323-340.

    Resoluo n.o 14/2003. (2003). Poltica de turismo de Moambique.

    Rigall-I-Torrent, R., & Fluvia, M. (2007). Public goods in tourism municipalities: Formal analysis, empirical evidence and implications for sustainable development. Tourism Economics, 13(3), 361-378.

    Rigall-I-Torrent, R., & Fluvia, M. (2011). Managing tourism products and destinations embedding public goods components: A hedonic approach. Tourism Management, 32, 244-255.

    Santos, N., & Fernandes, P. (2010). Anlise e previso da procura turstica na regio norte de Portugal. 16.o congresso de APDR.

    Seetanah, B. (2011). Assessing the dynamic economic impact of tourism for island economies. Annals of Tourism Research, 38(1), 291-308.

    Song, H., & Li, G. (2008). Tourism demand modelling and Forecasting-A review of recent research. Tourism Management, 29, 203-220.

    Song, H., & Witt, S. (2000). Tourism demand modelling and forecasting: Modern econometric approaches. Routledge.

    Song, H., Witt, S., & Li, G. (2003). Modelling and forecasting the demand for Thai tourism. Tourism Economics, 9(4), 363-387

    Song, H., Wong, K., & Chon, K. (2003). Modelling and forecasting the demand for Hong Kong tourism. Hospitality Management, 22, 435-451.

  • 15

    SSA (2014). Statistics South Africa. On-line em http://www.statssa.gov.za.

    Tribe, J., & Xiao, H. (2011). Developments in tourism social science. Annals of Tourism Research, 38(1), 7-26.

    Witt, S., & Witt, C. (1995). Forecasting tourism demand: A review of empirical research. International Journal of Forecasting, 11, 447-475.