Modelo Monografia UNIDERP

  • Published on
    10-Jul-2015

  • View
    1.751

  • Download
    4

Embed Size (px)

Transcript

<p>UNIVERSIDADE ANHANGUERA UNIDERP Curso de direito</p> <p>COLOQUE SEU NOME (14 maisculas)</p> <p>TITULO (14 MAISCULAS)</p> <p>Campo Grande/MS ANO</p> <p>COLOQUE SEU NOME(14 Maiscula)</p> <p>COLOQUE OTITULO ( 14 MAISCULA)</p> <p>Monografia apresentada como exigncia do Curso de Direito da Universidade Para o Desenvolvimento do Estado e da Regio do Pantanal UNIDERP para obteno de aprovao em Monografia jurdica II, sob orientao do (a) Professor (a) __________________________________.</p> <p>Campo Grande/MS ANO</p> <p>TERMO DE APROVAO</p> <p>A</p> <p>monografia</p> <p>intitulada:</p> <p>--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- apresentada por -------------------------------------------, como exigncia parcial para a obteno de aprovao na disciplina Monografia Jurdica II Banca Examinadora da UNIDERP ANHANGUERA, obteve nota ___________, para a aprovao.</p> <p>BANCA EXAMINADORA</p> <p>_____________________________________ Prof. Orientador (a)-Especialista, Mestre (a), Doutor (a)</p> <p>_________________________________ Membro da Banca</p> <p>_________________________________ Membro da Banca</p> <p>Campo Grande, ______de ______________ de 20.</p> <p>OPTATIVO</p> <p>Dedico este trabalho com muito carinho a minha famlia, em especial aos meus pais ------------------------------------------------------------minha namorada -----------------que por diversas vezes me incentivaram, compartilharam e compreenderam meus anseios para que o meu objetivo de formao acadmica fosse alcanado.</p> <p>AGRADECIMENTOS</p> <p>Agradeo a todos que direta ou indiretamente participaram e possibilitaram a realizao e concluso deste trabalho, com orientaes positivas e crticas construtivas que contriburam de alguma forma para essa etapa de minha vida. Igualmente, agradeo a minha famlia pela compreenso, sendo cmplices de meus anseios para que meu objetivo viesse a ser alcanado. A minha (meu) orientadora (or) minha eterna gratido, pela inestimvel contribuio, pelo empenho minha formao acadmica.</p> <p>OPTATIVO</p> <p>RESUMO</p> <p>500 palavras Palavras - Chave: 4 palavras</p> <p>OBRIGATORIO</p> <p>SUMRIO</p> <p>EXEMPLORESUMO v INTRODUO 07 1 10 1.1 10 1.2 15 2. 17 2.1 19 2.2 RELAES DO DIREITO DO TRABALHO COM OS DEMAIS RAMOS DO 21 2.3 23 3. DA COMPETNCIA DA JUSTIA DO TRABALHO E SUA AMPLIAO 27 3.1 RELAO DE TRABALHO RELAO DE EMPREGO DIREITO PRINCPIOS DO DIREITO DO TRABALHO CONCEITO DE DIREITO DO TRABALHO EVOLUO NO BRASIL EVOLUO MUNDIAL EVOLUO LEGISLATIVA</p> <p>33 3.2 34 4. 37 4.1 38 4.2 42 CONSIDERAES 51 REFERNCIAS 53 FINAIS ESTUDO DE CASO RELAO DE TRABALHO X RELAO DE CONSUMO RELAO DE CONSUMO RELAO DE TRABALHO X RELAO DE EMPREGO</p> <p>INTRODUO</p> <p>O xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxxxxxx. Antes xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx. Com xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx. Numa primeira</p> <p>xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx.</p> <p>Desta</p> <p>forma,</p> <p>_____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _______________________. Fezse___________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________. Referida Emenda______________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _______________________________________________. Com___________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ __. A relao_______________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ ____________. Ao _____________________________________________________________</p> <p>_____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ ___________________________________________________________. Desta _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ __________________________________________________. Em _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _________________.</p> <p>1. EVOLUO LEGISLATIVA</p> <p>CAPITULO 1 do DIGESTO ExemploExemplo abaixo de uma citao numrica (observe que a citao aparece na nota de rodap).Ao analisar o que pode acontecer no futuro, preciso estudar e compreender o passado, estudando o que ocorreu no curso do tempo. Herclito j dizia: o homem que volta a banhar-se no mesmo rio, nem o rio o mesmo rio nem o homem o mesmo homem1.</p> <p>Pois com o_______________________...</p> <p>Se optar por citao no numrica, use o a forma apresentado abaixo:Ao analisar o que pode acontecer no futuro, preciso estudar e compreender o passado, estudando o que ocorreu no curso do tempo. Herclito j dizia: o homem que volta a banhar-se no mesmo rio, nem o rio o mesmo rio nem o homem o mesmo homem.(MARTINS, 2006, p 03).</p> <p>1</p> <p>MARTINS, Srgio Pinto. Direito do Trabalho. 22 ed. So Paulo: Atlas, 2006, p 03.</p> <p>1.1 EVOLUO MUNDIAL</p> <p>O ______</p> <p>trabalho</p> <p>era</p> <p>_____________________________________________________________</p> <p>A palavra trabalho vem do latim Tripalium que na sua traduo significa instrumento de tortura.Desta forma, a escravido era defendida como um instrumento necessrio ao aprimoramento mental do homem, como o disse Aristteles ao defender que somente os ricos e ociosos poderiam adquirir conhecimento, rebaixando-se o trabalho a condio humilhante, posto que somente executado por escravos, que eram completamente destitudos de valor intrnseco, considerando apenas os homens livres como detentores de mritos.2 A jornada de trabalho era muito longa, chegando at a 18 horas no vero; porm, na maioria das vezes, terminava com o pr-do-sol, por questo de qualidade de trabalho e no por proteo aos aprendizes e companheiros.3</p> <p>Nesta poca a jornada de trabalho era excessiva, mas em 1789 com a Revoluo Francesa, as corporaes foram suprimidas por serem incompatveis com o ideal de liberdade do homem. Segundo Martins:Com a Revoluo Industrial, os trabalhadores comearam a trabalhar em troca de salrios, ou seja, com a mudana, houve uma nova cultura a ser aprendida e uma antiga a ser desconsiderada, portanto, o trabalho transformou-se em emprego..4 Afirma-se que o Direito do Trabalho e o contrato de trabalho passaram a desenvolver-se com o surgimento da Revoluo Industrial. Constata-se nessa poca, que a principal causa econmica do surgimento da Revoluo Industrial foi o aparecimento da mquina a vapor como fonte energtica. 5</p> <p>Idem, ibidem, p 14. MARTINS, op cit, p. 05. 4 Idem, ibidem, p. 05 5 Idem, ibidem, p 05.2 3</p> <p>1.2 EVOLUO NO BRASIL</p> <p>No .................................................................................................... ........................................................................................................................... ........................................................................................................................... ........... Para o doutrinador Srio Pinto Martins:Inicialmente as constituies brasileiras versavam sobre a forma de Estado e de governo, no entanto, com o passar do tempo passou a tratar sobre todos os ramos do Direito, e, especialmente, do direito do trabalho, como ocorre com nossa constituio atual.6 dignificante da pessoa humana, erigindo-se qualidade de direito inafastvel.7</p> <p>6 7</p> <p>MARTINS, op. cit., p. 09. NIMER, op. cit., p 25.</p> <p>2. CONCEITO DE DIREITO DO TRABALHOPrimeiramente,. Segundo Srgio Pinto Martins:Direito do Trabalho o conjunto de normas que visam garantir melhores condies de trabalho e sociais ao trabalhador, onde a lei estabelece um mnimo de direitos, nada impedindo que as partes venham a convencionar maiores vantagens ao trabalhador.8 A melhoria das condies de trabalho e sociais do trabalhador vai ser feito por meio da legislao que, antes de tudo, tem por objetivo proteger o trabalhador, que considerado o plo mais fraco da relao com o seu patro. Este normalmente mais forte economicamente, suportando os riscos de sua atividade econmica. 9</p> <p>Nas palavras do doutrinador Carlos F. Zimmermann:Direito do trabalho ramo da cincia do Direito que tem por objeto as normas as instituies jurdicas e os princpios que disciplinam as relaes de trabalho subordinado e determinam os seus sujeitos e as organizaes destinadas proteo deste trabalho em sua estrutura e atividade, como leciona Amauri Mascaro Nascimento.10</p> <p>Para Miriam Petri:O direito do trabalho, dentro de um conceito bastante simplificado, consiste no conjuntos de normas jurdicas incidentes sobre as</p> <p>2.1 PRINCPIOS DO DIREITO DO TRABALHO</p> <p>MARTINS, op. cit., p.17. Idem, ibidem, p 17. 10 NETO, Carlos F. Zimmermann. Direito do Trabalho. 2 ed., So Paulo: Damsio de Jesus. 2004, p 20-21.8 9</p> <p>2.2 RELAES DO DIREITO DO TRABALHO COM OS DEMAIS RAMOS DO DIREITO</p> <p>Considerando que</p> <p>2.3 RELAO DE EMPREGO</p> <p>Para podermos</p> <p>.por um curto perodo determinado), no se qualificando como</p> <p>3. DA COMPETNCIA</p> <p>3.1 RELAO DE TRABALHO</p> <p>CONSIDERAES FINAIS</p> <p>Este trabalho monogrfico</p> <p>REFERNCIAS</p> <p>EXEMPLO</p> <p>ALMEIDA, Amador Paes de. Curso Prtico de Processo do Trabalho. 16 ed. So Paulo: Saraiva, 2005. ALMEIDA, sis de. Manual de Direito Processual do Trabalho. 9 ed. So Paulo: LTr., ANDRADE, Andr Gustavo Corra de. A inverso do nus da prova no Cdigo de Defesa do Consumidor: o momento em que se opera a inverso e outras questes. Pesquisado no site Escritrio Online, 19/02/2003, acesso em 03 nov. 2006. BRASIL. Legislao. Constituio da Repblica Federativa do Brasil. 21 ed. So Paulo: Saraiva, 1999. CALVET, Otavio Amaral. A Nova Competncia da Justia do Trabalho: Relao de Trabalho versus Relao de Consumo. disponvel em: http//www.diex.com.br/material/int_trabalho/artigo_novacompetencia.pdf, acesso em 19 de jun. 2006. DELGADO, Maurcio Godinho. Curso de Direito do Trabalho. 2 ed. So Paulo: LTr, 2001. Disponvel em: http://www.escritorioonline.com/webnews/noticia.phd?id_noticia=3195&amp;,</p> <p>DELGADO, Maurcio Godinho. Curso de Direito do Trabalho. 3 ed. So Paulo: LTr, 2003. DELGADO, Maurcio Godinho. Curso de Direito do Trabalho. 4 ed. So Paulo: LTr, 2004. FILOMENO, Jos Geraldo Brito. Manual de Direitos do Consumidor. 8 ed. So Paulo: Atlas, 2005. Dissdios decorrentes de prestao de servios cabem JT. Fonte TST, 03/02/2006, Disponvel em: http://ext02.tst.gov.br/pls/no01/no_noticias.exibe_noticia? p_cod_noticia=6160&amp;p_cod_area_noticia=ASCS, acesso em 20 set. 2006. GIGLIO, Wagner D. Direito Processual do Trabalho. 13 ed. So Paulo: Saraiva, 2001. GIUSTI, Miriam Petri Lima de Jesus. Sumrio de Direito do Trabalho e Processo do Trabalho. 2 ed. So Paulo: Rideel, 2004. p 09. http://www.trt24.gov.br:8080/www/ +jurisprudenciaPesquisaMostraProcesso.jsp?idmaster=159763&amp;expr= competncia&amp;tipo=ADPL&amp;esquema=www acesso em 03/11/06. http://www.trt24.gov.br:8080/www/processoNumeroResultado.jsp, op. cit. JUNIOR, Mrio Gonalves. Competncia Ampliada. As Relaes de Trabalho previstas na Emenda 45. Pesquisado no site: Consultor Jurdico, disponvel em: http://conjur.estadao.com.br//static/text/41204,2, acesso em 03 de nov. 2006. Justia Trabalhista pode aplicar Cdigo de Defesa do Consumidor. Pesquisado no site Consultor Jurdico, 07/07/2005, Disponvel em: http://www.idec.org.br/noticia.asp?id=4398&gt;, acesso em 20 set. 2006.</p> <p>LEITE, Carlos Henrique Bezerra. Curso de Direito Processual do Trabalho. 3 ed. So Paulo: LTr, 2005. p. 43/44. MANUCCI, Daniel Diniz. Como identificar uma relao de consumo. Pesquisado em Jus Navigandi, Teresina, ano 4, jun. 2000. Disponvel em: http://jus2.uol.com.br/doutrina/texto.asp?id=688, acesso em 20 set. 2006. MARTINS, Srgio Pinto. Direito do Trabalho. 15 ed. So Paulo: Atlas, 2002. MARTINS, Srgio Pinto. Direito do Trabalho. 21 ed. So Paulo: Atlas, 2005. MARTINS, Srgio Pinto. Direito do Trabalho. 22 ed. So Paulo: Atlas, 2006. MARTINS, Srgio Pinto. Direito Processual do Trabalho. 25 ed. So Paulo: Atlas, 2006. NASCIMENTO, Amauri Mascaro. Curso de Direito do Trabalho. 17. ed. So Paulo: Saraiva, 2001. NASCIMENTO, Amauri Mascaro. Curso de Direito Processual do Trabalho. 21 ed. So Paulo: Saraiva, 2002. NASCIMENTO, Amauri Mascaro. Iniciao ao Direito do Trabalho. 28 ed. So Paulo: LTr, 2002. NETO, Carlos F. Zimmermann. Direito do Trabalho. 2 ed., So Paulo: Damsio de Jesus. 2004. NIMER, Miriam Amina de Freitas. Nova Competncia da Justia do Trabalho. Campo Grande: UCDB, 2006.</p> <p>Pesquisado 03/11/06.</p> <p>no</p> <p>site</p> <p>http://www.trt24.gov.br:8080/www/processoNumeroResultado.jsp acesso em</p> <p>ROMITA, Arion Sayo. O Processo do Trabalho Aps a Emenda Constitucional 45/2004 Aspectos Procedimentais. Revista de Direito do Trabalho n 119. Ano 31. Julho-Setembro, 2005. ROMITA, Arion Sayo. Dissdios decorrentes de prestao de servios cabem JT. Fonte TST, 03/02/2006, disponvel em: http//ext02.tst.gov.Br/pls/no01/no_noticias.Exibe_Noticia? p_codnoticia=6160&amp;p_cod_rea_noticia=ASCS, acesso em 19 de jun. 2006. SZNIFER, Moyses Simo. O Direito do Consumidor e a ampliao da competncia 19 de jun. 2006. VADE MECUM JURDICO. So Paulo: Editora RCN, 2005. WAMBIER, Luiz Rodrigues. Curso Avanado de Processo Civil. 7 ed. So Paulo: Rt, 2005. da Justia do Trabalho. disponvel em: http//www.flaviotartuce.adv.Br/secoes/artigosc/Moyses-CDC.doc, acesso em</p>