MODELOS E PARÂMETROS INTERNACIONAIS DE .Metodologia: Foi realizada uma pesquisa em bases de dados

  • View
    212

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of MODELOS E PARÂMETROS INTERNACIONAIS DE .Metodologia: Foi realizada uma pesquisa em bases de dados

Modelos e parmetros internacionais de projeo de especialidades mdicas

1

MODELOS E PARMETROS

INTERNACIONAIS DE PROJEO

DE ESPECIALIDADES MDICAS

Modelos e parmetros internacionais de projeo de especialidades mdicas

2

Autores:

Sbado Nicolau Girardi (Estao de Pesquisa de Sinais de Mercado; Ncleo de

Educao em Sade Coletiva; Faculdade de Medicina; Universidade Federal de

Minas Gerais)

Cristiana Leite Carvalho (Estao de Pesquisa de Sinais de Mercado; Ncleo de

Educao em Sade Coletiva; Faculdade de Medicina; Universidade Federal de

Minas Gerais)

Lucas Wan der Maas (Estao de Pesquisa de Sinais de Mercado; Ncleo de

Educao em Sade Coletiva; Faculdade de Medicina; Universidade Federal de

Minas Gerais)

Jackson Freire Araujo (Estao de Pesquisa de Sinais de Mercado; Ncleo de

Educao em Sade Coletiva; Faculdade de Medicina; Universidade Federal de

Minas Gerais)

Alice Werneck Massote (Estao de Pesquisa de Sinais de Mercado; Ncleo de

Educao em Sade Coletiva; Faculdade de Medicina; Universidade Federal de

Minas Gerais)

Ana Cristina de Sousa van Stralen (Estao de Pesquisa de Sinais de Mercado;

Ncleo de Educao em Sade Coletiva; Faculdade de Medicina; Universidade

Federal de Minas Gerais)

Joice Carvalho Rodrigues (Estao de Pesquisa de Sinais de Mercado; Ncleo

de Educao em Sade Coletiva; Faculdade de Medicina; Universidade Federal

de Minas Gerais)

Modelos e parmetros internacionais de projeo de especialidades mdicas

3

MODELOS E PARMETROS INTERNACIONAIS DE PROJEO DE

ESPECIALIDADES MDICAS

INTERNATIONAL MODELS AND PARAMETERS FOR MEDICAL

SPECIALTIES PROJETION

Instituies patrocinadoras: Organizao Pan-Americana de Sade (OPAS/OMS)

Representao do Brasil e Ministrio da Sade.

Modelos e parmetros internacionais de projeo de especialidades mdicas

4

Resumo:

Introduo: O setor de sade considerado uma atividade econmica de trabalho

intensivo, onde os recursos humanos so o insumo mais importante para a prestao de

cuidados sade, sendo seu planejamento fundamental para a pre

stao de um servio de sade de qualidade. O planejamento de recursos humanos

envolve estimar a fora de trabalho necessria para atender s demandas futuras de

servios de sade.

Objetivo: Realizar uma reviso de literatura dos modelos de projeo existentes para

calcular a demanda e oferta de mdicos e quais so os parmetros utilizados

internacionalmente para planejar e calcular os recursos humanos em sade.

Metodologia: Foi realizada uma pesquisa em bases de dados eletrnicas (Medline-

Ovid, Sciello, Pubmed).

Resultado: Os principais modelos de projeo de mdicos/especialistas encontrados na

literatura geralmente se baseiam em quatro tipos de abordagens: por oferta, que buscam

calcular o nmero de profissionais necessrios para servir a populao no futuro; na

demanda, que se refere quantidades tipos de servios de sade que a populao ir

buscar; na necessidade, que envolve estimar o nmero de profissionais ou quatidade de

servios necessrios para fornecer um padro de servio ideal; e atravs de

benchmarking, que pretendem identificar pases ou regies que possuem uma

similaridade demogrfica e de perfis de sade, porm deferem no custo e

desenvolvimento de recurso de sade.

Discusso: No existe uma formula nica para se estabelecer a razo ideal de mdicos

por habitantes. Normalmente os planejadores de fora de trabalho em sade utilizam

uma combinao de modelos e mtodos para realizar projees de mdicos, que so

constantemente moldados e adaptados. Alm disto, fica evidente que as projees da

fora de trabalho no podem ser realizadas isoladamente, pois so altamente

dependentes de fatores demogrficos, sociais, culturais e econmicos que afetam o

sistema de sade dos diversos pases.

Palavras-Chaves : recurso humanos em sade, tcnicas de planejamento; determinao

de necessidade de cuidados de sade.

Modelos e parmetros internacionais de projeo de especialidades mdicas

5

Introduo

O setor de sade considerado uma atividade econmica de trabalho intensivo,

onde os recursos humanos so o insumo mais importante para a prestao de cuidados

sade, bem como a maior proporo de despesas, representando mais de 70% do custo

de cuidados sade (Bloor & Maynard, 2003; Mable & Marriott, 2001). Desta forma, o

planejamento de recursos humanos em sade fundamental para a prestao de um

servio de sade de qualidade. Longe de ser um processo simples, o planejamento de

recursos humanos envolve estimar a fora de trabalho necessria para atender s

demandas futuras de servios de sade (Roberfroid, Lonard & Stordeur, 2009).

A fora de trabalho em sade representada por uma diversificada agregao de

grupos e indivduos que trabalham em uma grande variedade de posies. No se trata

de um nmero fixo, sendo constantemente moldado por influncias externas e a

classificao usualmente leva em considerao o fato de profisses serem ou no

regulamentadas e reconhecidas. O termo fora de trabalho em sade, geralmente, diz

respeito a profissionais de sade, como mdicos, enfermeiros, psiclogos, dentistas,

dentre outros, mas h tambm uma definio ampliada da fora de trabalho em sade

que inclui a fora de trabalho no-profissional, como lideres comunitrios, voluntrios,

pacientes que exercem auto-cuidados e familiares que prestam cuidados sade. Neste

ensaio vamos trabalhar com a primeira definio, considerando especificamente a fora

de trabalho mdica especializada.

Atualmente o grande desafio para muitos sistemas de sade planejar a fora de

trabalho para garantir o nmero adequado de profissionais para o futuro. O

planejamento pretende enfrentar os seguintes problemas: (1) o excesso de profissionais

em algumas ocupaes ou a falta em outros; (2) a formao insuficiente ou treinamento

Modelos e parmetros internacionais de projeo de especialidades mdicas

6

inadequado; (3) m distribuio funcional da fora de trabalho, como por exemplo,

excesso de especialistas ou cirurgies, que tende a conduzir o sistema de sade em

direo ao cuidado urbano e hospitalar; (4) m distribuio geogrfica da fora de

trabalho entre reas rurais e urbanas; (5) presso poltica de se contratar mais

trabalhadores do que o plausvel, resultando em baixos salrios, baixa produtividade e

alta taxa de rotatividade de pessoal (Hall 2008).

Nesta perspectiva, o objetivo fundamental do planejamento da fora de trabalho

em sade assegurar que existam profissionais suficientes, com as especialidades

adequadas, no lugar certo, na hora certa, prestando o servio certo e eficaz para a

populao que o necessita, com um custo acessvel (Hall, 2007, Mable & Marriott,

2001). A expectativa de falta de mdicos gera a preocupao de que os pacientes sero

privados de importantes servios de sade, os profissionais ficaro sobrecarregados, os

preos ficaro mais altos e haver um maior tempo de espera para servios de sade.

Por outro lado, extrapolar o nmero ideal de mdicos pode resultar em custos

excessivos dos recursos de sade, prestao de servios desnecessrios e subemprego de

profissionais com uma correspondente perda de habilidades (AMWAC Report 2003.1;

Grumbach, 2002). Ambos os cenrios podem gerar um quadro de sade populacional

defasado. Atualmente muitos pases esto alternando entre excesso e escassez de

profissionais de sade (Roberfroid, Lonard & Stordeur, 2009).

Projetar o nmero adequado de profissionais uma tarefa muito complexa, pois

implica um balanceamento entre demanda e oferta. A demanda e oferta so

influenciadas por vrios fatores relativamente imprevisveis que influenciam

diretamente sobre o nmero de trabalhadores de sade, tais como: mudanas

demogrficas (queda da fecundidade, reduo da mortalidade, envelhecimento

populacional), mudanas epidemiolgicas (modificaes nos padres de morbidade,

Modelos e parmetros internacionais de projeo de especialidades mdicas

7

invalidez e mortalidade) (Rodrigues, F. G 2008), mudanas tecnolgicas, avanos

cientficos e novos tratamentos, mudanas culturais e sociais, mudanas nas polticas

governamentais de atrao e reteno de profissionais e mudanas da prpria fora de

trabalho mdico, como o envelhecimento e feminizao da profisso (Channon,

Matthews & Lerberghe, 2007). Um aspecto ainda pouco abordado so as mudanas das

relaes entre profisses em termos de sua jurisdio de trabalho (como, por exemplo, a

questo o Ato Mdico). Estas mudanas remetem a uma redistribuio horizontal (a

transferncia de responsabilidades de uma categoria mdica para outra) ou vertical (

tambm conhecida como task-shifting, a transferncia de responsabilidades, para outras

categoriais profissionais ou para categorias tcnicas) (Campos F. E, Machado M. H,

Girardi S. N., 2009 & Smits M, Slenter V, Geurts J, 2010).

A principal forma de intervir sobre o balanceamento entre oferta e demanda

atravs da definio do nmero de trabalhadores de sade a serem formados. Entretanto,

a deciso de treinar mais ou menos tra