Moderniza§£o da contabilidade da UE - ec. 1 Breve explica§£o da contabilidade de exerc­cio

  • View
    213

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of Moderniza§£o da contabilidade da UE - ec. 1 Breve explica§£o da contabilidade...

  • COMISSO EUROPEIA

    Modernizao da contabilidade da UEMelhor informao de gesto

    e maior transparncia

    O guia do novo sistema de informao financeira da UE

    kg804043_PT_Couv.indd 2 19/05/08 11:32:02

  • Melhor gesto dos fundos pblicos

    Dispor de uma informa-o fi nanceira de elevada qualidade essencial para uma gesto efi caz no sec-tor pblico.

    Aps a reforma da sua contabilidade em 2005, a Unio Europeia aposta agora na criao de um sis-tema de informao fi nan-ceira de nvel mundial. No centro da reforma, encon-

    tra-se a transio de um sistema tradicional de contabili-dade de caixa para um sistema mais preciso e efi ciente de contabilidade de exerccio.

    No uma mera mudana tcnica. uma mudana profunda na cultura de gesto, vital para assegurar o controlo efi caz das despesas, minimizar os riscos de erros ou irregularidades e melhorar a gesto quotidiana dos fundos da UE.

    Creio sinceramente que estas melhorias produziro um efeito visvel a longo prazo no desempenho da UE e, consequentemente, traro benefcios concretos aos seus cidados.

    Dalia GrybauskaitComissria responsvel pela Programao Financeira e Oramento

    Responsabilidade e transparncia

    A utilizao pela Comis-so Europeia das normas internacionais de conta-bilidade do sector pblico no desenvolvimento das suas novas regras de con-tabilidade uma etapa importante na reforma da gesto fi nanceira no sen-tido de uma informao fi nanceira completamente transparente.

    A Federao dos Contabilistas Europeus recomenda vivamente a utilizao da contabilidade de exerccio pelos governos e entidades de sector pblico, dado que esta aumenta a responsabilidade e a transparncia da informao fi nanceira e fornece a melhor informao para fi ns de planeamento e de gesto.

    Esperamos que o exemplo da UE e das entidades pbli-cas e governos que j introduziram normas semelhantes incentive outros a faz-lo, da resultando uma informa-o fi nanceira mais transparente, clara e comparvel no sector pblico dentro e fora da Europa.

    David DevlinPresidente da Federao dos Contabilistas Europeus

    kg804043_PT_Couv.indd 3 19/05/08 11:32:11

  • 1

    Breve explicao da contabilidade de exerccio

    Contabilidade de caixa e contabilidade de exerccio

    mais fcil explicar a contabilidade de exerccio com-parando-a com a contabilidade de caixa tradicional:

    Na contabilidade de caixa, as transaces s so regis-tadas quando ocorre um pagamento ou um recebi-mento. Ao contrrio da contabilidade de exerccio, a contabilidade de caixa no faz distino entre a compra de um activo e o pagamento de uma despesa: ambos so simples pagamentos.

    Na contabilidade de exerccio, as transaces so reco-nhecidas quando tm lugar: se um projecto fi nanciado pela UE enviar um pedido de pagamento em Dezem-bro, este registado nesse ms, mesmo que o paga-mento seja efectuado no ano seguinte.

    Na contabilidade de exerccio, as transaceNa ntab dad de exerc cio as ransaces so reconhecidas quando tm lugar: se um projenhenhecidas qdas quandoando tmtm lugalugar: ser: se umum prm projecto fi nanciadopela UE enviar um pedido de papelapela UE enE enviar uiar um pm pediddido deo de pagamento em Dezem-bro, este registado nebrobro, este te regisegistado do nesse ms, mesmo que o paga-mento seja efectumentento seja eeja efectuado no ano seguinte.

    Vantagens da contabilidade de exerccio

    Panormica completa do activo e do passivo

    Perspectiva plurianual das demonstraes fi nanceiras

    Viso analtica dos movimentos contabilsticos

    Contabilidade de exerccio no sector pblico: uma perspectiva globalPases da OCDE que baseiam as demonstraes fi nanceiras consolidadas na contabilidade de exerccio (1):

    Gesto e tomada de deciso mais efi cazes atravs de uma melhor informao

    Auditorias mais efi cazes graas a registos claros e coerentes

    Controlo poltico mais apertado devido melhor viso do impacto fi nanceiro das polticas

    Menor risco de erros nos pagamentos a benefi cirios

    1

    (2) (2)

    Austrlia Canad Finlndia Frana

    Grcia Nova Zelndia Sucia Sua

    Reino Unido Estados Unidos Islndia Itlia

    (1) Fonte: Organizao de Cooperao e Desenvolvimento Econmicos (OCDE).

    (2) Contabilidade de exerccio com alguns elementos de contabilidade de caixa.

    kg804043_PT_int.indd 1 19/05/08 11:30:48

  • 2

    Contabilidade da UE: panormica geralp gp gppp gggg

    Contabilidade da UE: Sabia queO sistema de contabilidade da UE regista cerca de 1 450 000 pagamentos por ano?

    As contas da Unio Europeia servem dois objec-tivos principais: primeiro, mostram autori-dade oramental da UE (ou seja, ao Parlamento Europeu e ao Conselho da UE, que composto pelos governos dos Estados-Membros), bem como aos cidados, a forma como o oramento aprovado foi executado durante o ano (contabi-lidade oramental de caixa).

    Segundo, apresentam as demonstraes fi nancei-ras anuais das instituies, incluindo o balano, que descrevem a situao fi nanceira da UE, com todos os activos e passivos, em 31 de Dezembro (contabilidade geral de exerccio).

    -,

    mo o

    Contabilidade geral

    Mostra todas as despesas e receitas do exerccio oramental (resultado econmico), destinando-se a estabelecer a situao fi nanceira das instituies (balano). Baseia-se, desde 2005, numa contabilidade de exerccio.

    Contabilidade oramental

    Fornece uma imagem pormenorizada de como o oramento anual foi gasto e baseia-se na contabilidade de caixa.

    kg804043_PT_int.indd 2 19/05/08 11:30:53

  • 3

    A reforma do sistema ABAC

    A reforma do sistema ABAC (Accrual Based Accoun-ting contabilidade de exerccio) faz parte do esforo global de modernizao da gesto fi nanceira da UE rea-lizado pela Comisso. Em Dezembro de 2002, a Comis-so apresentou um ambicioso plano de aco que visava, em apenas dois anos, passar para um sistema de contabilidade geral de exerccio a partir de 2005. Como previsto, em Janeiro de 2005 passou a aplicar-se o novo sistema de contabilidade, tendo entrado em vigor um novo conjunto de regras contabilsticas.

    Normas internacionaisAs novas regras baseiam-se nas normas internacionais de contabilidade do sector pblico (IPSAS Interna-tional Public Sector Accounting Standards) e, relativa-mente aos factos contabilsticos ainda no abrangidos por estas, nas normas internacionais de contabilidade IAS (International Accounting Standards) e nas normas internacionais de informao fi nanceira (IFRS Inter-national Financial Reporting standards).

    Tecnologias da informaoA arquitectura do sistema informtico, um elemento crucial do sistema contabilstico da UE e da reforma, foi globalmente reformulada para assegurar que todos os factos contabilsticos so devidamente registados quando tm lugar e no somente os movimentos de caixa. O resultado fi nal foi a preparao das contas anu-ais de 2005 com base nas novas regras contabilsticas.

    Contas da UE e declarao de fi abilidade (DAS)

    A declarao de fi abilidade (ou DAS, de dclaration dassurance) emitida anualmente pelo Tribunal de Contas Europeu. Na DAS, o Tribunal emite o seu parecer sobre duas questes separadas:

    1) se as contas da UE so fi veis;

    2) se a totalidade das transaces subjacentes eram efectivamente legais e correctas (por exemplo, se o benefi cirio recebeu o montante correcto a tempo).

    Desde a primeira DAS, em 1994, o Tribunal declarou as contas da UE fi veis (1) com reservas, referindo-se principalmente aos pr-fi nanciamentos (ou seja, aos adiantamentos a benefi cirios de ajudas da UE), que devem ser registados como dvidas perante a UE, caso o projecto no esteja terminado. Esta questo resolvida a partir de 2005 com a introduo de contabilidade de exerccio.

    (1) Por outro lado, nas sucessivas DAS o Tribunal no pde, at agora, emitir um parecer positivo sem reservas quanto regularidade de algumas transaces (segunda questo), o que muitas vezes erradamente interpre-tado como um parecer negativo sobre as contas propriamente ditas.

    Reunio da Comisso de Controlo Oramental do Parlamento Europeu com os membros do Tribunal de Contas Europeu, Luxemburgo, Maio de 2005.

    kg804043_PT_int.indd 3 19/05/08 11:30:57

  • 4

    Fluxo de trabalho fi nanceiro

    Sistemas informticos: segurana e funcionalidade

    Os sistemas informticos so as artrias em que a infor-mao contabilstica circula, analisada e armazenada. Um dos elementos cruciais da reforma a reformula-o global das solues existentes a nvel dos sistemas informticos.

    Sistemas informticos: Si t i fSistemas informticos:formticos: s: segurana e funcionalidade segurana e funciosegurana e funcionalida e funcionalidade onalidade ade

    Os sistemas informticos so as artrias em que a infor-O i tOs sistemas informas informticos sticos so as aro as artriaartrias emas em qum que aque a ina infornfor-ormao contabilstica circula, analisada e armazenada.mao contabilstontabilstica circca circula, ula, analianalisadaisada e aa e armarmazemazenaenadaada.a.Um dos elementos cruciais da reforma a reformula-UUm dos elemementos ccruciais dais da rereformorma a a ra refoeformrmulmula-a-o global das solues existentes a nvel dos sistemaso global dobal das solusolues exies existe tstentes a tes a nvnvel dvel dos dos siss sistemstemamasasinformticos.i finformticoscos.

    O utilizador inscreve as operaes fi nanceiras no sistema integrado com base na web

    Armazm de dados

    Relatrios Gesto

    Os dados conciliados so enviados para um nico armazm de dados

    SWIFT (2) Pagamentos Cobrana de receitas

    Informao melhorada e mais completa sobre as contas da UE

    Menor risco de erros nos pagamentos a benefi cirios

    Sistemas de gesto fi nanceira ABAC:

    Contratos Fluxo de trabalho oramental Fluxo de trabalho de exerccio

    (facturas, garantias, pr--fi nanciamen