MÓDULO I: Ciclo de Estudos Tema: Honorários e Ética ... ?· Honorários Advocatícios – Legislação…

Embed Size (px)

Text of MÓDULO I: Ciclo de Estudos Tema: Honorários e Ética ... ?· Honorários Advocatícios –...

  • MDULO I:Ciclo de Estudos

    Tema: Honorrios e tica Profissionaltica Profissional

    Dia: 04/08/14 19:00 horasPalestrante: Jos Elvas de Aquino

    Neves

  • Honorrios

    Segundo o Dicionrio Aurlio, genericamente,honorrios correspondem a remunerao a quemexerce profisso liberal como por exemplo,advogado, mdico, etc; proventos.advogado, mdico, etc; proventos.Trata-se de tpico de suma importncia para osadvogados, tanto para os que atuam como pessoafsica ou para aqueles que integram sociedade deadvogados, tendo em vista que o exerccio daprofisso fica condicionado ao percebimento deremunerao condizente.

  • Honorrios Advocatcios Legislao Aplicvel

    A Lei n. 8.906/94, Estatuto da Advocacia, Captulo VI,DOS HONORRIOS ADVOCATCIOS, estabelece:Art. 22. A prestao de servio profissional assegura aosinscritos na OAB o direito aos honorriosconvencionados, aos fixados por arbitramento judicial econvencionados, aos fixados por arbitramento judicial eaos de sucumbncia. 1 O advogado, quando indicado para patrocinar causade juridicamente necessitado, no caso de impossibilidadeda Defensoria Pblica no local da prestao do servio,tem direito aos honorrios fixados pelo Juiz, segundotabela organizada pelo Conselho Seccional da OAB.

  • 3 Salvo estipulao em contrrio, um tero dos honorrios devido no incio do servio, outro tero at a deciso deprimeira instncia e o restante no final.

    4 Se o advogado fizer juntar aos autos o seu contrato dehonorrios antes de expedir-se o mandado de levantamento

    Honorrios Advocatcios Legislao Aplicvel

    honorrios antes de expedir-se o mandado de levantamentoou precatrio, o juiz deve determinar que lhe sejam pagosdiretamente, por deduo da quantia a ser recebida peloconstituinte, salvo se este provar que j os pagou. 5 O disposto nesse artigo no se aplica quando se tratarde mandato outorgado por advogado para defesa emprocesso oriundo de ato ou omisso praticada no exerccioda profisso.

  • Art. 23. Os honorrios includos na condenao, porarbitramento ou sucumbncia, pertencem aoadvogado, tendo este direito autnomo para executara sentena nesta parte, podendo requerer que oprecatrio, quando necessrio, seja expedido em seufavor.

    Art. 24 A deciso judicial que fixar ou arbitrarhonorrios e o contrato escrito que os estipular sottulos executivos e constituem crdito privilegiado nafalncia, concordata, concurso de credores,insolvncia civil e liquidao extrajudicial.

  • 1 A execuo dos honorrios pode ser promovida nosmesmos autos da ao em que tenha atuado o advogado,se assim lhe convier.

    2 Na hiptese de falecimento ou incapacidade civil doadvogado os honorrios de sucumbncia, proporcionais aotrabalho realizado, so recebidos por seus sucessores ourepresentantes legais.

    3 nula qualquer disposio, clusula, regulamento ou 3 nula qualquer disposio, clusula, regulamento ouconveno individual ou coletiva que retire do advogado odireito ao recebimento dos honorrios de sucumbncia. 4 O acordo feito pelo cliente do advogado e a partecontrria, salvo aquiescncia do profissional, no lheprejudica os honorrios, quer os convencionados, quer osconcedidos por sentena.

  • Art. 25 Prescrevem em cinco anos a ao de cobranade honorrios de advogado, contado o prazo:I - do vencimento do contrato, se houver;II do trnsito em julgado da deciso que os fixar;III da ultimao do servio extrajudicial;IV da desistncia ou transao;V da renuncia ou revogao de mandato.

    Art. 26 O advogado substabelecido, com reserva depoderes no pode cobrar honorrios sem intervenodaquele que lhe conferiu o substabelecimento.(Obs.: O STF na ADin 1.194-4, declarou inconstitucionalo 3 do art. 24).

  • Por seu turno o Cdigo Processo Civil, institudopela Lei n. 5.869/73, em seu art. 20 estabelece:

    Art. 20. A sentena condenar o vencido a pagar aovencedor as despesas que antecipou e osvencedor as despesas que antecipou e oshonorrios advocatcios. Essa verba honorria serdevida, tambm, nos casos em que o advogadofuncionar em causa prpria. 1 O juiz, ao decidir qualquer incidente ou recurso,condenar nas despesas ou vencido.

  • 2 As despesas abrange no s as custas dos atosdo processo, como tambm a indenizao deviagem, diria de testemunha e remunerao deassistente tcnico.3 Os honorrios sero fixados entre o mnimo dedez por cento (10%) e o mximo de vinte por centodez por cento (10%) e o mximo de vinte por cento(20%), sobre o valor da condenao, atendidos:

    a) O grau de zelo do profissional;b) O lugar de prestao de servio;c) A natureza e importncia da causa, o trabalho

    realizado pelo advogado e o tempo exigido para oseu servio.

  • 4 Nas causas de pequeno valor nas de valorinestimvel, naquelas em que no houver condenao oufor vencida a Fazenda Pblica, e nas execues,embargadas ou no, os honorrios sero fixadosconsoante apreciao equitativa do juiz, atendidas asnormas das alneas a, b e c do pargrafo anterior.

    5 Nas aes de indenizao por ato ilcito contrapessoa, o valor da condenao ser a soma dasprestaes vencidas com o capital necessrio a produzir arenda correspondente s prestaes vincendas (art. 602),podendo estas ser pagas, tambm mensalmente na formado 2 do referido art. 602, inclusive em consignao nafolha de pagamento do devedor.

  • Dentre outros dispositivos, versamtambm sobre honorrios advocatcios, oart. 35 e seguintes do Cdigo de tica eart. 35 e seguintes do Cdigo de tica eDisciplina; arts.389, 395, 404, 418, 450, III,do Cdigo Civil.

  • Consideraes e doutrina a respeito

    Conforme se v do art. 22 da Lei n.8.906/94, anteriormente mencionado,existem trs modalidades de honorrios:existem trs modalidades de honorrios:

    1. convencionados2. arbitrados judicialmente e

    3. sucumbncia.

  • Os convencionados (convencionais oucontratuais) so aqueles livrementeestabelecidos entre o advogado e o cliente. Nahiptese de inexistncia de contrato escrito e derelutncia do cliente no pagamento dosrelutncia do cliente no pagamento doshonorrios cobrados pelo advogado, pode esterecorrer ao arbitramento judicial, quando devero juiz, por sentena, fixar uma quantia queremunere de forma adequada o servioadvocatcio prestado.

  • As duas primeiras modalidades, portanto, seexcluem mutuamente e a terceira s incide emdeterminadas causas, a teor do art. 20 doCPC, compondo juntamente com os honorriosCPC, compondo juntamente com os honorriosconvencionados/arbitrados a remunerao doadvogado daquele que venceu a demanda.

  • Ao abordar, os honorrios convencionados,Paulo Lbo, em sua respeitada obraComentrios ao Estatuto da Advocacia e daComentrios ao Estatuto da Advocacia e daOAB, Editora Saraiva, 5 edio, 3 tiragem2010, pg. 139, assevera:

  • Na atualidade, o advogado um profissional que

    exerce uma atividade necessariamente remunerada,

    mediante o pagamento do preo do servio por ele

    estipulado, observadas as diretrizes que a entidade

    fiscalizadora (OAB), determina, inclusive na tabela de

    honorrios.honorrios.

    Cabe primacialmente ao profissional fixar o valor de

    seus servios, no podendo o Poder Judicirio

    promover sua reviso, salvo se ultrapassar os limites

    mximos fixados na tabela de honorrios, quando

    houver ou quando se caracterizar a leso.

  • D-se a leso quando o advogado se

    aproveitar indevidamente na inexperincia do

    cliente ou de seu estado de necessidade,

    cobrando valores desproporcionais e acima

    da mdia dos praticados em situaesda mdia dos praticados em situaes

    assemelhadas. A legislao civil comina com

    sano de anulabilidade o excedenteconfigurador da leso.

  • 1.3 Honorrios ConvencionadosNa transcrio do Art. 22, da Lei 8.906/94,propositalmente, grifamos os honorriosconvencionados, porque pretendemos lhes dar maiornfase, visto que so aqueles ajustados entre onfase, visto que so aqueles ajustados entre oadvogado e seu cliente.

    Na estipulao de seu valor, alguns tpicos devem serlevados em considerao pelo advogado, dentre osquais, como ressalta Paulo Lbo, obra citada pg.140, destacam-se:

  • a) a relevncia, o vulto, a complexidade e adificuldade das questes versadas;

    b) o trabalho e o tempo necessrios;

    c) a possibilidade de ficar o advogado impedido dec) a possibilidade de ficar o advogado impedido deintervir em outros casos, ou de se desavir comoutros clientes ou terceiros;

    d) o valor da causa, a condio econmica do clientee o proveito para ele resultante do servioprofissional;

  • e) o carter da interveno, conforme se trate deservio a cliente avulso, habitual ou permanente;

    f) o lugar da prestao dos servios, fora ou no dodomiclio do advogado;

    g) a competncia e o renome do profissional;g) a competncia e o renome do profissional;

    h) a praxe do foro sobre trabalhos anlogos. Soelementos exemplificativos que servem dediretrizes deontolgicas para o advogado, ao fixarseus honorrios, e como frenagem tentao daganncia desmedida.

  • Afora, esses tpicos, sobre nossa tica merecetambm considerao o fato do cliente ser autorou ru no processo.A condio de autor oportunizar ao advogadouma melhor anlise das possibilidades de xito dauma melhor anlise das possibilidades de xito dademanda, orientando seu cliente a respeito do seuajuizamento ou no.O mesmo no ocorre quando o cliente figura comoru na demanda, pois neste caso s restar aoadvogado promover a defesa.

  • No primeiro caso, via de regra, a possibilidade doadvogado receber honorrios sucumbnciais serbem maior, fato este, que logicamente deve serlevado em considerao quando da estipulao doshonorrios convencionados.Nos chamados contratos de risco, casos em queNos chamados contratos de risco, casos em queo advogado s receber honorrios ao final dademanda na hiptese de sua procedncia, oscuidados na estipulao dos honorriosconvencionados