of 6 /6
INSTÂNCIAS COLEGIADAS, PLANEJAMENTO E GESTÃO DO SUS Conferências de Saúde: Reúnem representantes dos usuários, do governo, dos profissionais de saúde, dos prestadores de serviços e parlamentares para avaliar a situação da saúde e propor diretrizes para formulação da Política de saúde nos municípios, Estados e no País. Conselhos de Saúde: São órgãos de controle do SUS pela sociedade nas esferas municipal, estadual e federal. Têm caráter permanente e deliberativo, sendo compostos por representantes do governo, prestadores de serviço, profissionais de saúde e usuários. Atuam na formulação de estratégias e no controle da execução da política de saúde na instância correspondente, inclusive nos aspectos econômicos e financeiros, cujas decisões serão homologadas pelo chefe do poder legalmente constituído em cada esfera do governo. Comissão Intergestores Tripartite (CIT) : É integrada por cinco representantes do Ministério da Saúde, cinco do Conselho Nacional de Secretários Estaduais de Saúde (Conass) e cinco do Conselho Nacional de Secretários Municipais de Saúde (Conasems). O coordenador é indicado pelo Ministério da Saúde. Funciona desde 1994. MÓDULO II 21

Módulo II

Embed Size (px)

DESCRIPTION

 

Text of Módulo II

  • INSTNCIAS

    COLEGIADAS,

    PLANEJAMENTO E

    GESTO DO SUS

    Conferncias de Sade: Renem representantes dos usurios, do

    governo, dos prossionais de sade, dos prestadores de servios e

    parlamentares para avaliar a situao da sade e propor diretrizes para

    formulao da Poltica de sade nos municpios, Estados e no Pas.

    Conselhos de Sade: So rgos de controle do SUS pela sociedade nas

    esferas municipal, estadual e federal. Tm carter permanente e

    deliberativo, sendo compostos por representantes do governo,

    prestadores de servio, prossionais de sade e usurios. Atuam na

    formulao de estratgias e no controle da execuo da poltica de

    sade na instncia correspondente, inclusive nos aspectos econmicos e

    nanceiros, cujas decises sero homologadas pelo chefe do poder

    legalmente constitudo em cada esfera do governo.

    Comisso Intergestores Tripartite (CIT): integrada por cinco

    representantes do Ministrio da Sade, cinco do Conselho Nacional de

    Secretrios Estaduais de Sade (Conass) e cinco do Conselho Nacional

    de Secretrios Municipais de Sade (Conasems). O coordenador

    indicado pelo Ministrio da Sade. Funciona desde 1994.

    MDULO II

    21

  • Comisso Intergestores Bipartite (CIB): Tem composio tambm

    paritria. integrado por representao da Secretaria de Estado de

    Sade (SES) e do Conselho Estadual de Secretrios Municipais de Sade

    (Cosems) ou rgo equivalente. O Secretrio de Sade da capital

    membro nato. Funciona com comisses regionais.

    na que se denem as polticas do SUS/ MG e a aplicao dos CIB

    recursos do Fundo Estadual de Sade. muito importante a presena do

    gestor em suas reunies que acontecem ordinariamente, uma vez por

    ms.

    Conselho Nacional de Secretrios Municipais de Sade (Conasems):

    rgo colegiado de representao dos Secretrios Municipais de Sade

    em mbito nacional. Congrega todos os municpios brasileiros. Sua

    nalidade atuar em defesa do SUS.

    O CONASEMS REPRESENTA TODAS AS SECRETARIAS MUNICIPAIS DE SADE

    NA CIT. IMPORTANTE O GESTOR SE CADASTRAR NO SITE PARA RECEBER

    INFORMAES SOBRE O QUE SE PASSA PELO SUS EM NVEL NACIONAL. UM

    A VEZ POR ANO O CONASEMS REALIZA O SEU CONGRESSO, QUE SE

    TORNOU O MAIOR EVENTO DA SADE PBLICA NO BRASIL.

    O planejamento uma das principais ferramentas de sucesso em

    qualquer tipo de administrao. E no diferente em uma Secretaria de

    Sade. Para isso, so utilizados instrumentos de planejamento da gesto

    do SUS. Os principais so:

    Os instrumentos de planejamento e

    gesto do SUS

    22

  • Instrumento Periodicidade Observaes

    Plano Municipal de

    Sade (PMS) e Plano

    D i r e t o r d e

    Regionalizao (PDR)

    A cada 4 anos

    Deve ser elaborado no

    primeiro ano de gesto

    em curso, executado a

    partir do segundo ano de

    gesto at o primeiro ano

    da gesto seguinte.

    Plano Plurianual de

    Gesto (PPAG)A cada 4 anos

    Deve ser elaborado no

    primeiro ano de gesto

    em curso, observando os

    p r a z o s p r e v i s t o s n a

    legis lao v igente e

    executado a partir do

    segundo ano de gesto

    at o primeiro ano da

    gesto seguinte.

    L e i d e D i r e t r i z e s

    Oramentrias (LDO)Anual

    Deve ser encaminhado

    ao legislativo conforme os

    p r a z o s p r e v i s t o s n a

    legislao vigente.

    Le i O rament r ia

    Anual (LOA)Anual

    Deve ser encaminhado

    ao legislativo conforme os

    p r a z o s p r e v i s t o s n a

    legislao vigente.

    Programao Anual

    de Sade (PAS)Anual

    Deve ser elaborado no

    vigente ano para ser

    e x e c u t a d o n o a n o

    seguinte.

    23

  • Instrumento Periodicidade Observaes

    Relatrio Anual de

    Gesto (RAG)Anual

    D e v e s e r e n v i a d a a

    resoluo de aprovao do

    Relatrio Anual de Gesto

    Municipal, relativo ao ano

    anterior CIB, pelo Conselho

    Municipal de Sade, at dia

    31 de maio do ano em curso.

    D e v e s e r e n v i a d a a

    resoluo de aprovao do

    Relatrio Anual de Gesto

    Estadual, relativo ao ano

    anterior CIT, pelo Conselho

    Estadual de Sade, at dia

    31 de maio do ano em curso.

    D e v e s e r e n v i a d a a

    resoluo de aprovao do

    Relatrio Anual de Gesto

    Federal, relativo ao ano

    anterior CIT, pelo Conselho

    Nacional de Sade, at dia

    31 de maio do ano em curso.

    T e r m o d e

    C o m p r o m i s s o d e

    Gesto (TCG)

    A cada 4 anos

    Deve ser elaborado no

    primeiro ano de gesto em

    curso, executado a partir do

    segundo ano de gesto at

    o primeiro ano da gesto

    seguinte.

    24

  • Plano Municipal de Sade (PMS): o instrumento que apresenta

    as intenes e os resultados a serem buscados no perodo de

    quatro anos, os quais so expressos em objetivos, diretrizes e

    metas. a denio das polticas de sade numa determinada

    e s f e r a d e g e s t o . a b a s e p a r a a e x e c u o , o

    acompanhamento, a avaliao e a gesto do sistema de sade.

    Plano Diretor de Regionalizao (PDR): O Plano Diretor de

    Regionalizao (PDR) da sade tem como propsito constituir um

    dos pilares para a estruturao e descentralizao dos sistemas

    de co-gesto e organizao dos servios de sade em redes,

    tendo em vista possibilitar o direcionamento equitativo da

    implementao das polticas pblicas. O PDR , portanto, um

    instrumento de planejamento em sade ao estabelecer uma

    base territorial populacional para clculo das necessidades, da

    priorizao para alocao dos recursos, da descentralizao

    programtica e gerencial.

    Plano Plurianual de Gesto (PPAG): o instrumento que explicita,

    de forma detalhada, a programao da gesto, comprometida

    com a gerao de resultados e com o alcance do equilbrio

    scal.

    Lei de Diretrizes Oramentrias (LDO): o instrumento por meio do

    qual o governo estabelece as principais diretrizes e metas da

    Administrao Pblica para o prazo de um exerccio. Ela

    estabelece um elo entre o Plano Plurianual de Ao

    Governamental e a Lei Oramentria Anual, uma vez que

    refora quais programas relacionados no PPAG tero prioridade

    na programao e execuo oramentria.

    Lei Oramentria Anual (LOA): a lei que estima os valores da

    receita e xa os valores da despesa para determinado exerccio.

    25

  • Programao Anual de Sade (PAS): o instrumento que

    operacionaliza as intenes expressas no Plano Municipal de

    Sade. Nela so detalhadas as aes, as metas e os recursos

    nanceiros que operacionalizam o respectivo Plano, assim como

    apresentados os indicadores para a avaliao (a partir dos

    objetivos, das diretrizes e das metas do Plano de Sade).

    As aes e metas contidas no Plano Municipal de Sade e na

    Programao Anual devero ser inseridas no Plano Plurianual

    (PPA), na Lei de Diretrizes Oramentrias (LDO) e na Lei

    Oramentria Anual (LOA).

    Relatrio Anual de Gesto (RAG): o instrumento que apresenta

    os resultados alcanados, apurados com base no conjunto de

    indicadores, que foram indicados na Programao para

    acompanhar o cumprimento das metas nela xadas.

    O RAG constitui a prestao de contas do Fundo Municipal de

    Sade, e dever ser preenchido anualmente no SARGSUS.

    Sistema de Apoio ao Relatrio de Gesto do SUS, at 31 de maio

    de ano seguinte. Toda Secretaria tem sua senha, bem como o

    presidente do Conselho Municipal de Sade (CMS). O

    preenchimento do Sistema obrigatrio.

    Termo de Compromisso de Gesto (TCG): o instrumento que

    contm as responsabilidades sanitrias do gestor, os objetivos e

    metas do Pacto pela Vida, os indicadores de monitoramento e

    avaliao dos Pactos.

    Contrato Organizativo de Ao Pblica (COAP): Institudo pelo

    Decreto presidencial 7508/ 2011 um acordo de colaborao

    rmado entre entes federativos com a nalidade de organizar,

    integrar as aes e servios de sade na rede regionalizada e

    hierarquizada, com denio de responsabilidades, indicadores

    e metas de sade, critrios de avaliao de desempenho,

    recursos nanceiros que sero disponibilizados, forma de controle

    e scalizao de sua execuo e demais elementos necessrios

    implementao integrada das aes e servios de sade

    Todos os municpios devero assinar o COAP. Os gestores estaro

    assumindo responsabilidades, contudo, as clusulas devem ser

    bem estudadas e vericada a oferta de servios do municpio e

    de sua Regio de Sade.

    26