monografia assédio moral FUCAPE

Embed Size (px)

Text of monografia assédio moral FUCAPE

  • FACULDADES SANTO AGOSTINHO

    FACULDADE DE CINCIAS SOCIAIS APLICADAS - FACISA

    KARINE GOMES DOS SANTOS SOUTO

    ASSDIO MORAL NO TRABALHO, PRTICAS E CONSEQUNCIAS: UM ESTUDO

    DE CASO NAS EMPRESAS DO RAMO DE CONFECES ASSOCIADAS CMARA

    DE DIRIGENTES LOJISTAS DE MONTES CLAROS

    Montes Claros MG

    2009

  • FACULDADES SANTO AGOSTINHO

    FACULDADE DE CINCIAS SOCIAIS APLICADAS - FACISA

    KARINE GOMES DOS SANTOS SOUTO

    ASSDIO MORAL NO TRABALHO, PRTICAS E CONSEQUNCIAS: UM ESTUDO

    DE CASO NAS EMPRESAS DO RAMO DE CONFECES ASSOCIADAS CMARA

    DE DIRIGENTES LOJISTAS DE MONTES CLAROS

    Monografia apresentada Faculdade de Cincias Sociais Aplicadas da Faculdade Santo Agostinho, para obteno do ttulo de Bacharel em Administrao, na rea de Recursos Humanos sob a orientao do Professor Edson Antunes Quaresma Jnior.

    Montes Claros MG

    2009

  • Dedico este trabalho aos meus pais queridos, pelo

    apoio incondicional nesta caminhada, pelo amor e

    dedicao fundamentais para a formao de tudo o

    que sou.

    Ao meu esposo Frank e meu filho Marco Antnio,

    pelo apoio e compreenso de minha ausncia, que

    acreditaram em meu sonho e caminharam comigo

    para a realizao dele.

  • Agradecimentos

    A Deus, fonte de vida, pela graa de conceder-me esta vitria.

    Aos meus irmos pelo incentivo e por estarem sempre junto a mim, mesmo que distantes.

    Ao meu orientador Professor Edson, pela pacincia, dedicao e intervenes pontuais, que tanto

    contriburam para o meu crescimento.

    A todos os meus colegas do curso de administrao, de forma especial Ana Paula, ngela,

    Eliane, Edna, Jordane, Lidilanne e Wagner, companheiros nas horas mais cruciais, cujas

    presenas me serviram de pilar e incentivo para a permanncia na academia.

    Aos professores da Faculdade Santo Agostinho, todos sem distino, que de forma sbia e

    dinmica souberam transmitir seus conhecimentos, contribuindo para a formao do saber crtico.

    Enfim, a todos que de alguma forma contriburam para a realizao deste trabalho.

  • ...Voc aprende que realmente a vida tem valor

    e que voc tem valor diante da vida! Nossas ddivas

    so traidoras e nos fazem perder o bem que

    poderamos conquistar se no fosse o medo de

    tentar.

    (Willian Shakespeare)

  • RESUMO

    Neste trabalho, o tema desenvolvido foi assdio moral no trabalho: prticas e conseqncias. Um estudo de caso em empresas do ramo de confeces associadas Cmara de Dirigentes Lojistas de Montes Claros. Assim, estabeleceu-se por objetivo do estudo investigar, a partir da literatura disponvel sobre o tema, a existncia do assdio e suas implicaes para o bem-estar fsico e emocional da pessoa. Para tanto a metodologia utilizada caracterizou-se pela pesquisa descritiva, combinado com a pesquisa bibliogrfica. Nela foram pesquisados 191 colaboradores, por meio de questionrios, cujas questes buscaram alcanar o objetivo. Assim, diante dos resultados obtidos, pde-se evidenciar a existncia do assdio moral para a populao pesquisada, que apresentou um ndice considervel, bem como, as atitudes e comportamentos hostis, humilhantes e constrangedores sofridos pelos trabalhadores e trabalhadoras durante a sua jornada de trabalho. Levantou-se ainda a ocorrncia do assdio moral nas empresas fonte deste estudo e observou-se o aspecto discriminatrio e as implicaes para o bem-estar fsico e emocional da populao pesquisada.

    Palavras-chaves: assdio moral; subjetividade; gesto de pessoas; qualidade de vida; sade fsica

    e emocional.

  • LISTA DE FIGURAS

    FIGURA 1 As tenses indivduo vs organizao .................................................... 25

    FIGURA 2 Causas, comportamentos e conseqncias do assdio moral ............... 50

  • LISTA DE QUADROS

    QUADRO 1 Evoluo da gesto de pessoas ........................................................... 29

  • LISTA DE GRFICOS

    GRFICO 1 Caracterizao dos respondentes em relao ao sexo .......................... 61

    GRFICO 2 Caracterizao dos respondentes em relao faixa etria ................. 62

    GRFICO 3 Caracterizao dos respondentes em relao a renda .......................... 63

    GRFICO 4 Caracterizao dos respondentes em relao ao estado civil ............... 63

    GRFICO 5 Caracterizao dos respondentes em relao a escolaridade ............... 64

    GRFICO 6 Caracterizao dos respondentes em relao ao cargo ........................ 65

    GRFICO 7 Identificao do assdio moral ............................................................ 65

    GRFICO 8 Caracterizao dos respondentes que afirmaram assdio por sexo ..... 66

    GRFICO 9 Caracterizao dos respondentes que afirmaram assdio por idade .... 67

    GRFICO 10 Caracterizao dos respondentes que afirmaram assdio por estado

    civil ................................................................................................................................

    67

    GRFICO 11 Caracterizao dos respondentes que afirmaram assdio por

    escolaridade ...................................................................................................................

    68

    GRFICO 12 Formas de assdio sofrido pelos respondentes .................................. 69

    GRFICO 13 Ocorrncia do assdio moral ............................................................. 70

    GRFICO 14 Reflexos para o trabalhador ............................................................... 71

    GRFICO 15 Conseqncias do assdio moral ....................................................... 72

    GRFICO 16 Tipos de assdio moral ...................................................................... 73

    GRFICO 17 - Caracterizao dos respondentes que afirmaram assdio horizontal

    por cargo ........................................................................................................................

    74

  • SUMRIO

    1 INTRODUO .................................................................................................... 11

    2 REFERENCIAL TERICO ............................................................................... 17

    2.1 A nova organizao do trabalho .................................................................. 17

    2.2 A viso subjetiva das relaes no trabalho ................................................. 20

    2.3 Gesto de pessoas .......................................................................................... 28

    2.3.1 Novas questes da gesto de pessoas tendncias .................................. 31

    2.4 Qualidade e Qualidade de vida no trabalho ............................................... 34

    2.5 Conceituao de assdio moral .................................................................... 45

    2.5.1 Conseqncias do assdio moral ............................................................... 49

    2.5.2 Como evitar a prtica do assdio moral ................................................... 54

    3 METODOLOGIA ................................................................................................ 58

    3.1 Abordagens Metodolgicas .......................................................................... 58

    4 APRESENTAO, ANLISE E DISCUSSO DOS DADOS

    COLETADOS .........................................................................................................

    61

    5 CONCLUSO ...................................................................................................... 76

    REFERNCIAS ...................................................................................................... 79

    ANEXO I Questionrio ....................................................................................... 84

  • 11

    1 INTRODUO

    Este trabalho destinou-se a investigar a possibilidade de existncia do assdio moral nas empresas

    do ramo de confeces, associadas Cmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Montes Claros,

    bem como, identificar e analisar as prticas e conseqncias deste, no cotidiano dos

    colaboradores que trabalham nestas empresas.

    Desde os primrdios das civilizaes j se falava em trabalho. Trabalhava-se para produzir o

    alimento, construir casas, para a subsistncia. Com a evoluo dos tempos, o conceito de trabalho

    tambm evoluiu, principalmente porque passou-se a remunerar as pessoas por tal atividade, ou

    seja, recebia-se um salrio em troca da fora de trabalho.

    Trabalhar pode fazer parte da rotina do ser humano e proporcionar-lhe satisfao em vrios

    segmentos da vida, no apenas por questes financeiras, mas tambm por promover a integrao

    social das pessoas, e ainda a qualidade de vida, sucesso e felicidade.

    Neste sentido, precisa-se compreender o indivduo nas organizaes como seres complexos e no

    somente enquanto um recurso a ser explorado. Seria preciso vislumbr-lo como um ser nico

    enquanto pessoa, mas geral enquanto espcie. Seres habilidosos, capazes de apresentar um bom

    desempenho em suas atividades, mesmo com todas as mudanas que circundaram o mundo do

    trabalho.

    Essas mudanas associadas a um conjunto de inovaes tecnolgicas e gerenciais difundidos na

    indstria em nvel internacional, torna perceptvel a constituio de um novo paradigma de

    organizao, qualitativamente diferente do modelo disseminado a partir da revoluo industrial,

    que tinha como caracterstica a organizao cientfica do trabalho. A partir da Escola das

    Relaes Humanas, desenvolvida por Elton Mayo1, as idias de participao, de relaes

    i