Motor Fire

Embed Size (px)

Text of Motor Fire

MECNICA DE VECULOS LEVES

MOTOR FIAT FAMLIA FIRE(1.0 8V E 1.3 16V)

2005

2005. SENAI-SPMotor FIAT famlia FIRE (1.0 8v e 1.3 16v) Publicao organizada e editorada pela Escola SENAI Conde Jos Vicente de Azevedo.

Coordenao geral Coordenador do projeto Organizao do contedo

Luiz Carlos Emanuelli Jos Antonio Messas Jlio Csar Potigo Ulisses Miguel

Editorao

Teresa Cristina Mano de Azevedo

SENAI

Servio Nacional de Aprendizagem Industrial Escola SENAI Conde Jos Vicente de Azevedo Rua Moreira de Godi, 226 - Ipiranga - So Paulo-SP - CEP. 04266-060

Telefone Telefax E-mail Home page

(0xx11) 6166-1988 (0xx11) 6160-0219 senaiautomobilistica@sp.senai.br http://www.sp.senai.br/automobilistica

2

SUMRIO

Caractersticas / Inovaes Bloco do Motor rvore de Manivelas Pulverizadores de leo / Cilindros

5 7 9 10

mbolos / Biela

11

Posio de Montagem do Conjunto Biela / Pisto

12

Bloco Inferior

13

Pino do mbolo

14

Fasagem do Motor FIRE 1.0 8V e 1.3 8V

15

Fasagem do Motor FIRE 1.0 16V e 1.3 16V

16

Cabeote Motor FIRE 1.0 8V e 1.3 8V

18

Cabeote Motor FIRE 1.0 16v e 1.3 16v

19

Passos para Remoo e Reparao do Cabeote Superior

20

Sistema de Lubrificao

21

Sistema de Arrefecimento

22

Volante dos Motores FIRE

23

Lista de Ferramentas Utilizadas nos Motores FIRE

24

3

Tabela de Torque dos Motores FIRE

25

Evoluo dos Motores FIRE (Flex e Hp)

26

Alteraes do Motor 1.3 8V Flex

27

Ficha Tcnica Motor FIRE 1.0 8V

28

Ficha Tcnica Motor FIRE 1.0 16V

30

Ficha Tcnica Motor FIRE 1.3 8V

32

Ficha Tcnica Motor FIRE 1.3 16V

34

Referncia Bibliogrfica

36

4

MOTORES DA FAMLIA FIRE1.0 - 8V / 1.3 - 8V, 1.0 - 16V / 1.3 - 16VO primeiro motor FIRE Mille surgiu na Itlia em meados de 1984, tornando-se um grande avano tecnolgico para a poca. Hoje aps 16 anos, chega ao Brasil a terceira gerao do motor FIRE com cilindradas de 1.0 litro e 1.3 litros significando uma verdadeira revoluo.

Os motores da famlia FIRE se aplica nos veculos:Palio, Palio Weekend, Siena, Strada, Dobl, Uno e Fiorino.

PRINCIPAIS CARACTERSTICAS

Menor consumo Torque em baixa rotao (curva de torque plana) Menor peso (cerca de 20% de reduo) Mais compacto (tamanho reduzido) Menor nmero de componentes (manuteno)

INOVAES APLICADAS NOS MOTORES FIREColetor de AdmissoFabricado em plstico. A utilizao do plstico permite obter menor rugosidade na parede interna do coletor o que proporciona melhor fluidez no ar de admisso para enchimento do cilindro e uma menor temperatura no coletor.

Bloco InferiorComposto de alumnio com mancais sinterizados. Permite uma estrutura mais rgida diminuindo a rumorosidade do motor.

Comando de Admisso/ DescargaMais prximos propicia um menor ngulo entre vlvulas. Com o comando de descarga acionado diretamente por uma polia de fora do motor, consegue-se uma maior aproximao entre os dois eixos e uma cmara de combusto mais compacta o que traz como benefcio o aumento na velocidade de queima, maior rendimento termodinmico e conseqente melhoria nas emisses. 5

Nova BielaFabricada em ao SAE-1008 liga ML- 215 com tratamento superficial em jateamento de esferas. Caracterstica - fundida em uma nica pea e posteriormente fraturada permitindo montagem mais precisa.

Junta de CabeoteMetlica resiste altas temperaturas e a altas presses.

AdmissoCom sistema cross flow admisso e descarga realizados em lados opostos. Com isto, temos uma melhora no arrefecimento, um melhor rendimento e melhoria na partida a frio.

6

BLOCO DO MOTOR

Etiqueta de cdigo de barras

IDENTIFICAO DO BLOCOA etiqueta de cdigo de barras tem como finalidade fornecer informaes dimensionais e caractersticas de fabricao do bloco.

Observao A etiqueta de cdigo de barras s ter utilidade para motores novos (que nunca tenham funcionado).

7

Exemplo

01 BBAA 22111- 10.10.07.09.07- 92541-OK 8BK

00 1.0 16v

01 1.3 16v

02 1.0 8v

03 1.3 8v

BBAA- classe dos cilindros ABC ( normais ) ou abc ( majoradas )

22111-classe dos mancais fixos- classe 1- 51,705 a 51,709mm 2- 51709 a 51713mm 3- 51,713 a 51717mm 10.10.07.09.07- fim milesimal de cada mancal

8

RVORE DE MANIVELASExiste uma marcao numrica de trs algarismos no primeiro contra peso da rvore de manivelas referente ao fim milesimal de cada mancal fixo, e a presena de quatro letras maisculas para quando os dimetros dos mancais das bielas forem STD e minsculas para quando os dimetros forem minorados para 0,127mm.

CARACTERSTICAS DA RVORE DE MANIVELAS

Ferro fundido nodular (tipo b) Temperada por induo 04 contrapesos, 05 mancais fixos Dureza de 280 a 320 Hb, ou Hrc maior 48 Moentes 01 classe normal + 01 classe minorada Munhes 03 classes normais + 03 classes minoradas (vermelha/azul/amarela) Encosto axial 01 classe normal + 01 classe minorada Permite retifica de 0,25mm e 0,50mm

9

PULVERIZADORES DE LEOTem como finalidade promover o arrefecimento da cabea do mbolo e permitir a lubrificao do pino.

Observao Na substituio do motor parcial, deve-se remover os pulverizadores do motor velho e verificar o bom funcionamento da vlvula (mola esfera) de cada um deles, para que possam ser utilizados no novo motor.

CARACTERSTICA DOS PULVERIZADORES

Presso de trabalho 1,0 bar 0,1 bar. Montado sob interferncia atrs das bronzinas de mancal.

CILINDROSOs cilindros so usinados diretamente no bloco e permitem retficas de 0,20mm e de 0,40mm.

10

MBOLOSOs mbolos (pistes) so fabricados em trs classes normais dimensionais A, B e C, sendo que as variaes de uma classe outra de 0,010 mm.

Observao O mbolo do motor Flex 1.3 8V contm uma camada de grafite na regio da saia o que contribui para prolongar a vida til da pea.

BIELAA biela fundida em uma nica pea e posteriormente fraturada.

Observaes

Nunca montar a capa invertida em relao biela, pois poder inutilizar a mesma de forma irreversvel

Os parafusos da biela recebem torque angular e recomendvel sua substituio toda vez que efetuar a desmontagem da biela.

11

POSIO DE MONTAGEM DO CONJUNTO BIELA / PISTO

Lado de admisso Lado de escape

Cano de gua.

ESQUEMA DE MONTAGEM BIELA / PISTO PARA MOTORES FIRE OMESMO PARA TODAS AS VERSES Como referncia, a seta na cabea do mbolo deve ficar voltada para o lado da polia e o nmero do cilindro gravado na biela, oposto ao cano de gua.

12

BLOCO INFERIORO bloco inferior de alumnio fundido em uma nica pea com apoio para as bronzinas em ao sinterizado.

O aperto do bloco inferior deve se iniciar do centro para as extremidades em X; inicialmente pelos parafusos de 10mm e posteriormente pelos de 8mm.

Observao

Existem 2 pinos guias para manter a perfeita centralizao do bloco inferior. Entre o sub-bloco e o bloco do motor utilizar loctite ultra black.

13

PINO DO MBOLOO pino do mbolo do tipo fixo.

Observao

Para montagem do pino deve-se aquecer a biela a temperatura de 240C. Teste a fixao do pino na biela conforme ferramenta de trao. A desmontagem do pino de pisto deve ser feita na prensa.

14

FASAGEM DO MOTOR 1.0 - 8V / 1.3 - 8VPara executar a fasagem corretamente siga os procedimentos a seguir:

Posicione o virabrequim de forma que os pistes 1 e 4 fiquem prximos do PMS. Com auxlio de um apalpador com relgio comparador ajuste exatamente a posio dos pistes no PMS.

Retire a tampa traseira do comando de vlvulas e encaixe a ferramenta padro n 60353113.

TENSIONAMENTO DA CORREIATensione a correia utilizando a ferramenta do tipo balana com o cursor deslocado a 70mm da origem, sem o peso adicional, de forma que o rolamento gire no sentido antihorrio.

Observao Certifique-se que a polia do comando de vlvulas esteja solta durante a operao.

15

FASAGEM DO MOTOR 1.0 - 16V / 1.3 - 16VPara executar a fasagem corretamente siga os procedimentos a seguir:

Retire as velas do primeiro e segundo cilindros. Introduza as ferramentas de nivelamento. Gire o motor no sentido horrio de forma a obter o nivelamento das ferramentas. Esse nivelamento ocorre no momento em que a ferramenta do segundo cilindro subir e a do primeiro descer.

Observao

Existem duas posies na rvore de manivelas que os mbolos se alinham na mesma altura, ou seja, a cada 180, mas somente uma correta.

A posio incorreta no causa nenhum dano, porm o motor no entra em funcionamento.

Retire os dois tampes existentes nas laterais do cabeote superior e introduza as ferramentas de fasagem dos comandos.

16

TENSIONAMENTO DA CORREIA

Com a polia do comando de vlvulas solta, tensione a correia atravs do rolamento tensor at atingir a tenso mxima.

Aperte a polia do comando de vlvulas com o torque recomendado. Retire as ferramentas dos comandos de vlvulas. Gire o motor duas voltas no sentido horrio para que a correia se acomode. Confira novamente a fasagem introduzindo as ferramentas nos comandos. Ajuste o tensionamento da correia atravs do rolamento tensor de forma que as marcas 2 e 3 do rolamento fiquem alinhadas.

17

CABEOTE DO MOTOR FIRE 1.0 - 8V / 1.3 - 8V

Na reparao de cabeotes dos motores 8 vlvulas devemos observar que:

Utilizam tuchos mecnicos. A folga axial est contida no ltimo mancal de apoio do comando de vlvulas. Devido simetria da face do cabeote importan