Click here to load reader

MPE Brasil 2014

  • View
    220

  • Download
    1

Embed Size (px)

DESCRIPTION

 

Text of MPE Brasil 2014

  • POR VENCERPAIXOVENCEDORAS ETAPA

    2013 NACIONAL

    REALIZAO

    APOIO

  • CASES DE SUCESSO

    VISO DAS LIDERANAS

    10

    11

    12

    13

    LUIZ BARRETTOSEBRAE

    ELCIO ANIBAL DE LUCCAMBC

    JORGE GERDAU JOHANNPETERGERDAU

    WILSON FERREIRA JR.FNQ

    16

    20

    22

    26

    30

    BIOTECNO INDSTRIA

    BIOTECNO

    DESTAQUE DE INOVAO

    BORKENHAGEN

    CONTABILIDADESERVIOS

    DON RAMN SPA RELAXANTESERVIOS DE TURISMO

    EFETIVA INFORMTICACOMRCIO

    34

    38

    42

    46

    50

    FAZENDA DAS ALMASAGRONEGCIO

    LABVITASERVIOS DE SADE

    OUROCAR AUTOCENTER

    DESTAQUE DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

    SYSTEM IDIOMASEDUCAO

    VISION SYSTEMSERVIOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAO

  • SUMRIOEXPEDIENTE

    SOBRE O PRMIO

    MissoPromover o aumento da qualidade, produtividade e competitividade das Micro e Pequenas Empresas MPE, disseminando os conceitos e prti-cas de gesto por meio de um pro-cesso de reconhecimento.

    VisoSer referncia nacional pela melho-ria da qualidade, competitividade e sustentabilidade das MPE.

    COMIT EXECUTIVO

    Francisco TeixeiraIsabel ReisJoana BonaLuiz Eduardo Teixeira MaltaPlinio Csar Marques

    REALIZADORES Servio Brasileiro de Apoio s Micro

    e Pequenas Empresas (Sebrae) Movimento Brasil Competitivo (MBC) Gerdau Fundao Nacional da Qualidade (FNQ)

    EXECUOCritrio - Inteligncia em Contedo

    PROJETO GRFICO E DIAGRAMAORenan Sampaio - WCE Editora

    COORDENAO GERALAlessandra Monteiro Porn

    MOVIMENTO BRASIL COMPETITIVOSBN - Quadra 1 - Bloco B - Sala 404Edifcio CNCBraslia/DF - 70041.902Fone/Fax: (61) [email protected]

    10

    11

    12

    13

    COMIT GESTOR

    Andrei MartinezAndria Ferreira NeresClaudia PereiraEtelvina CostaFrancisco TeixeiraIsabel ReisJoana BonaJulia e Gasperi ScaratiLucimeire DiasLuiz Eduardo Teixeira MaltaLuiz Fernando Bergamini de SMaria Isabella P. BezerraMarta Romilda Paula de LimaPlinio Csar MarquesRosli Martins da RosaNikelma Moura

    COMIT TCNICO

    Alessandra Cunha SouzaAndrei MartinezCarmem LciaEliane Lobato Peixoto BorgesFrancisco Teixeira NetoGnia Anglica PortoGiovana RibeiroHlio CarvalhoHugo Henrique Roth CardosoIsabel ReisJailson RibeiroJoana BonaMarcus Vinicius Lopes BezerraNathaniel PereiraRita PatussiRogrio AllegrettiSrgio Schaumloeffel

    proibida a reproduo total ou par-cial dos contedos desta publicao sem a prvia autorizao expressa do Movimento Brasil Competitivo. O MBC no se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos depoimen-tos/cases apresentados. As fotos e ilustraes utilizadas foram cedidas pelas respectivas organizaes en-volvidas para divulgao.

  • Para vencer o Prmio MPE Brasil, tivemos de apresentar uma estrutura coesa, um sistema de gesto de qualidade bem implantado e domnio tecnolgico de nossos produtos.

    O grande diferencial o fator anmico do gestor. importante que ele acredite no processo que adotou, acreditando em suas decises e ultrapassando a zona de conforto.

    Ganhar muito bom, mas conseguir implantar as premissas do questionrio do MPE Brasil vale ainda mais a pena.

    NERCI LINCK

    VICENTE ATZ

    Diretor da BiotecnoRefrigerao MdicaCATEGORIAS INDSTRIA E DESTAQUE DE INOVAO

    JEAN SANDRO PEDROSODiretor tcnico da Efetiva InformticaCATEGORIA COMRCIO

    O prmio mostra para o Brasil inteiro que existem empresas capacitadas a investir no capital humano e profissional.EDVINO

    BORKENHAGENDiretor institucional da Borkenhagen ContabilidadeCATEGORIA SERVIOS

    preciso continuar nesta estrada sem fim que a busca pela excelncia, sempre com os ps no cho, foco no cliente e ateno nossa responsabilidade social.FRANCIS

    MARCEL POSTDiretor da Vision SystemCATEGORIA SERVIOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAO

    Gestor do Hotel Pousada Spa Relaxante Don Ramn CATEGORIA SERVIOS DE TURISMO

    6

  • COM A PALAVRA

    Chegar ao final de um prmio como o MPE Brasil traz uma satisfao imensa para toda a equipe; significa que nossa gesto est trilhando o caminho certo.

    preciso adotar prticas de gesto. Assim, verificamos o que est dando certo e que segue e o que tem dado errado para mudarmos.

    Um bom planejamento mais um pilar fundamental da boa gesto e no pode ser negligenciado.

    VIRGOLINO ADRIANO MUNIZ

    JOO JACSON FREIRE SOARES

    VANESSA TENRIO

    Um empreendedor um indivduo que no espera as coisas acontecerem.RITA DE

    KSSYA MELODiretora da LabVitaCATEGORIA SERVIOS DE SADE

    Diretor da Fazenda das AlmasCATEGORIA AGRONEGCIO

    Scio proprietrio da Ourocar AutocenterCATEGORIA DESTAQUE DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

    Diretora da System IdiomasCATEGORIA EDUCAO

    7

  • 10

    11

    12

    13

    LUIZ BARRETTOSEBRAE

    ELCIO ANIBAL DE LUCCAMBC

    JORGE GERDAU JOHANNPETERGERDAU

    WILSON FERREIRA JR.FNQ

  • VISO DAS LIDERANAS

    O QUE ELES PENSAM SOBRE OS NEGCIOS?

  • 10

    VISO DAS LIDERANAS

    LUIZ BARRETTO

    Todos desejam que as empresas brasileiras sejam cada vez mais reconhecidas no mundo. E quem conhece a economia dos pases desenvolvidos sabe da importncia dos pequenos negcios.

    Presidente do Sebrae Nacional

    PEQUENAS E GRANDES EMPRESAS TRABALHANDO JUNTAS

    O BRASIL todo discute formas de aumentar a competitividade e a produ-tividade das empresas nacionais. Para o Sebrae, preciso dar oportunidade para que pequenas e grandes empresas pos-sam trabalhar juntas. Existe muito des-conhecimento sobre esse tema: a grande empresa acha que o pequeno no ca-paz de ser seu fornecedor ou distribui-dor; e o pequeno acha que a grande no o aceitar. Contudo, o que temos visto ao longo desses ltimos anos no Sebrae o sucesso dessas parcerias.

    H quase dez anos, desenvolvemos um programa nacional, chamado de Encadeamento Produtivo, no qual fa-zemos uma ponte entre as grandes empresas, que so ncoras dos proje-tos, e os pequenos negcios, que podem ser fornecedores ou distribuidores das companhias de grande porte.

    Primeiramente, identificamos nas

    grandes empresas quais so suas deman-das por exemplo, que tipo de produto ou servio elas podem adquirir dos peque-nas. A partir desse diagnstico, atuamos para melhorar a gesto dos pequenos negcios, com cursos, consultorias, orien-tao para certificaes de qualidade (essenciais para quem trabalha com grandes empresas), mapeamento e de-senvolvimento de processos de trabalho etc. Oferecemos subsdio na consultoria de inovao para as pequenas microem-presas e, dessa forma, ajudamos a melho-rar a cadeia produtiva como um todo.

    O programa Encadeamento Pro-dutivo gera mais recursos, aumenta o faturamento das pequenas empresas e reduz o custo das grandes companhias, ao mesmo tempo em que oferece uma gama de fornecedores e distribuidores mais qualificados. O mais importante que gera qualidade para todos os en-

    volvidos. Sabemos que as pequenas e grandes empresas so concorrentes em muitos casos, mas elas tambm podem ter papis complementares.

    Atualmente, o Sebrae atende quase 20 mil pequenas e microempresas, com 116 projetos nacionais e regionais de Enca-deamento Produtivo. Nosso investimento ultrapassa R$ 120 milhes. A estimativa de negcios entre as empresas de R$ 4,5 bilhes; portanto, de fato, trata-se de um grande mercado a ser desenvolvido.

    Todos desejam que as empresas brasileiras sejam cada vez mais reco-nhecidas no mundo. E quem conhece a economia dos pases desenvolvidos sabe da importncia dos pequenos negcios. No podemos pensar no desenvolvi-mento do Brasil sem envolv-los, muito menos pensar em desenvolvimento sem trabalho em conjunto, com as maiores empresas brasileiras.

    O Servio Brasileiro de Apoio s Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) uma entidade privada sem fins lucrativos, criada em 1972, com a misso de promover a competitividade e o desenvolvimento sustentvel dos empreendimentos de micro e pequeno porte. A instituio atua com foco no fortalecimento do empreendedorismo e na acelerao do processo de formalizao da economia por meio de parcerias com os setores pblico e privado, programas de capacitao, acesso ao crdito e inovao, estmulo ao associativismo e na realizao de feiras e de rodadas de negcios. O Brasil tem cerca de 9 milhes de micro e pequenas empresas, que representam

    99% das empresas brasileiras. Elas geram cerca de 70% das novas vagas formais de emprego, so responsveis por 40% da massa salarial e tm participao no PIB de cerca de 27%. Alm das micro e pequenas empresas, uma nova categoria de empresrios, em vigor desde 2009, j rene mais de 4 milhes de pessoas. So os Microempreendedores Individuais (MEI), que faturam at R$ 60 mil por ano. O papel do Sebrae mostrar aos empresrios de pequeno porte as vantagens de se ter um negcio formal e auxili-los na identificao de oportunidades e na preparao para enfrentar os desafios por meio da capacitao e da gesto empresarial.

    Sobre o Sebrae

  • 11

    VISO DAS LIDERANAS

    ELCIO ANIBAL DE LUCCA

    Pretendemos mostrar para a sociedade como a causa da competitividade um exerccio de cidadania, onde todos so beneficiados.

    PAIXO POR COMPETITIVIDADEO MOVIMENTO BRASIL

    COMPETITIVO (MBC) comparti-lha com o empreendedor brasileiro o sonho de criar solues inovado-ras e contribuir para o desenvolvi-mento socioeconmico do pas. Por essa natureza, intrnseca insti-tuio, seus programas, projetos e aes, acreditamos na fora motriz gerada pelo MPE Brasil, que a cada ano nos surpreende com histrias e exemplos de superao e de paixo pela competitividade.

    Temos orgulho em participar e fortalecer essa grande rede junto a

    to importantes organizaes, que contribui sistematicamente para a disseminao de conhecimento e ferramentas que auxiliam na defi-nio de diretrizes estratgicas de crescimento de empresrio

Search related