Click here to load reader

Mpe Sp 2005 Mpe Sp Promotor de Justica Prova

  • View
    224

  • Download
    11

Embed Size (px)

DESCRIPTION

PROVA MPSP

Text of Mpe Sp 2005 Mpe Sp Promotor de Justica Prova

N 576/05 PGJ 84 CONCURSO DE INGRESSO NA CARREIRA DO MINISTRIO PBLICO 2005 O Procurador-Geral de Justia Substituto e Presidente da Comisso do 84 Concurso de Ingresso na Carreira do Ministrio Pblico 2005, no uso de suas atribuies e em cumprimento ao disposto no art. 9 pargrafo nico do Regulamento do Concurso de Ingresso na Carreira do Ministrio Pblico, AVISA que faz publicar as questes objetivas da prova preambular do 84 Concurso de Ingresso na Carreira do Ministrio Pblico 2005, realizada em 16 de outubro de 2005, e os respectivos gabaritos.

Ministrio Pblico do Estado de So Paulo 84. Concurso de Ingresso na Carreira do Ministrio Pblico do Estado de So Paulo Prova Preambular 16.10.2005

VERSO 1 Direito Penal 01. Aponte a nica alternativa na qual todas as quatro classificaes so apropriadas ao delito definido no art. 269, do CP Deixar o mdico de denunciar autoridade pblica doena cuja notificao compulsria. (A) Crime omissivo imprprio, norma penal em branco, crime de perigo e crime que admite tentativa. (B) Crime omissivo puro, crime que no admite tentativa, crime de consumao antecipada, crime de ao mltipla. (C) Crime omissivo puro, crime prprio, norma penal em branco e crime de mera conduta. (D) Crime prprio, crime formal, crime de ao nica e crime comissivo por omisso. (E) Crime que no admite nenhuma forma de concurso de pessoas, crime que no admite tentativa, crime permanente e crime formal. 02. unicamente correto afirmar que (A) o delito de quadrilha s se consuma com a prtica de qualquer delito pelo bando ou por alguns de seus integrantes. (B) ao dispor sobre crimes tentados, o Cdigo Penal prev possibilidade de casos com resposta penal equivalente dos consumados. (C) em se tratando de contraveno penal, a punibilidade da tentativa segue as regras do Cdigo Penal. (D) crime falho outra designao dada tentativa imperfeita. (E) o Cdigo Penal condiciona o reconhecimento da modalidade tentada de determinado crime existncia, na Parte Especial, de previso especfica quanto sua admissibilidade. 03. Assinale a alternativa incorreta. (A) A chamada "autoria mediata" delineada na conduta de quem consegue a subtrao de bens alheios atravs de menor de 18 anos. (B) No isento de pena o estranho que colabora com o filho no furto de bens pertencentes aos pais deste. (C) No concurso de pessoas, dispensvel prvio acordo, mas se exige um vnculo ou liame psicolgico entre elas. (D) No concurso de agentes, a interrupo da prescrio decorrente de sentena condenatria recorrvel produz efeito relativamente ao co-autor absolvido. (E) Em roubo praticado em concurso por dois agentes, pode-se reconhecer a modalidade consumada para um e a tentada, para o outro. 04. Entre outras disposies, a Lei n. 11.106, de 28 de maro de 2005, revogou: I. o art. 217, do Cdigo Penal, que definia o delito de seduo; II. o inciso III, do art. 226 do Cdigo Penal, que estabelecia aumento de pena em razo da condio de casado do autor de crime contra os costumes. Assinale, ento, a nica alternativa incorreta. (A) Em I, est definida a chamada abolitio criminis. (B) II norma que se encaixa no conceito de Lex mitior: ao suprimir causa de aumento de pena, pode favorecer o agente com definio de resposta penal menos rigorosa que a lei anterior. (C) II no pode ser aplicada retroativamente para beneficiar agente que j est condenado por sentena transitada em julgado. (D) Em virtude de I, deve cessar de imediato a execuo da pena resultante de condenao definitiva pelo delito de seduo. (E) Por seu contedo e carter retroativo, I retrata hiptese de extino de punibilidade, prevista no art. 107 do Cdigo Penal. 05. Assinale a alternativa que est em desacordo com disposio do Cdigo Penal relacionada com circunstncias agravantes. (A) A agravao da pena obrigatria, ainda que a circunstncia funcione, tambm, como elementar do crime. (B) A enumerao das agravantes taxativa. (C) A incidncia de uma agravante no pode conduzir a pena para alm do patamar mximo cominado ao crime. (D) Descaracterizada a reincidncia, pelo decurso do prazo de 5 anos, a condenao anterior pode ser considerada a ttulo de maus antecedentes. (E) O Cdigo Penal no estabelece limite mximo de idade quando se refere "criana" como agravante. 06. Assinale a alternativa incorreta: Perante o Cdigo Penal, a condio de reincidente em crime doloso (A) prevista como preponderante no concurso de circunstncias agravantes e atenuantes. (B) relevante na aferio do estgio mnimo de cumprimento de pena exigido para o livramento condicional. (C) constitui causa interruptiva de prescrio. (D) configura pressuposto necessrio imposio de medida de segurana. (E) exerce influncia no clculo do prazo da prescrio da pretenso executria. 07. Aponte a nica alternativa que no constitui entendimento jurisprudencial objeto de Smula do Superior Tribunal de Justia, envolvendo circunstncias agravantes ou atenuantes. (A) Para efeitos penais, o reconhecimento da menoridade do ru requer prova por documento hbil. (B) A reincidncia no influi no prazo da prescrio da pretenso punitiva. (C) A incidncia de circunstncia atenuante no pode conduzir reduo da pena para abaixo do mnimo legal. (D) A confisso perante a autoridade policial configura circunstncia atenuante mesmo quando retratada em Juzo. (E) A reincidncia penal no pode ser considerada como circunstncia agravante e, simultaneamente, como circunstncia judicial. 08. Considere os seguintes enunciados, relacionados com prescrio: I. O art. 89, 6., da Lei n. 9.099/95, estabelece causa interruptiva de prescrio ao dispor que "no correr a prescrio" durante o prazo da suspenso condicional do processo. II. Reconhecida a prescrio da pretenso punitiva, no prevalece nenhum efeito da sentena condenatria eventualmente existente. III. Reconhecido crime continuado na sentena condenatria, no se computa o acrscimo da pena decorrente da continuao no clculo da prescrio retroativa ou intercorrente. Esto corretos (A) todos os trs. (B) nenhum dos trs. (C) apenas I e II. (D) apenas I e III. (E) apenas II e III. 09. Aponte a alternativa que est em desacordo com disposio do Cdigo Penal relacionada com extino de punibilidade. (A) No se estende receptao a extino de punibilidade do crime antecedente, que seu pressuposto. (B) A sentena que concede perdo judicial pode ser considerada para efeito de reincidncia. (C) A perempo s pode ser reconhecida em ao penal exclusivamente privada. (D) No delito de falso testemunho, a retratao s produz efeito se ocorrida antes da sentena no processo em que se deu esse ilcito. (E) Reconhecida a prescrio da pretenso executria, subsistem os efeitos secundrios da condenao. 10. Considere os seguintes enunciados, relacionados com os temas de imputabilidade penal (CP, art. 26) e medida de segurana: I. No cabvel imposio de medida de segurana aos plenamente imputveis. II. Nos casos de semi-imputabilidade, no permitida a cumulao da pena e medida de segurana. III. Nas hipteses de inimputabilidade plena, a regra a absolvio seguida de imposio de medida de segurana consistente em internao em hospital de custdia e tratamento, podendo o juiz optar pelo tratamento ambulatorial no caso de crime punido com deteno. Esto em conformidade com o sistema estabelecido no Cdigo Penal, (A) apenas I e II. (B) apenas II e III. (C) apenas I e III. (D) nenhum dos trs. (E) todos os trs. 11. Aponte a alternativa que est em desacordo com disposio do Cdigo Penal envolvendo concurso de crimes. (A) No concurso formal e no crime continuado, a pena final no poder exceder aquela que resultaria da cumulao. (B) possvel o reconhecimento da continuidade delitiva entre crimes consumados e tentados. (C) Nos casos de concurso material, a prescrio incide sobre a soma das penas cominadas ou aplicadas a cada crime. (D) Na condenao por roubo em concurso formal perfeito, as multas devem ser aplicadas cumulativamente. (E) No concurso de crimes culposos, a substituio por restritivas de direito possvel qualquer que seja o total das penas privativas de liberdade. 12. Perante o Cdigo Penal, a chamada embriaguez preordenada pode, por si s, (A) conduzir excluso da imputabilidade penal. (B) constituir causa de diminuio de pena. (C) render ensejo incidncia de circunstncia atenuante. (D) configurar circunstncia agravante. (E) caracterizar qualificadora do crime de homicdio. 13. Assinale a alternativa que est em desacordo com disposio do Cdigo Penal relacionada com pena de multa. (A) Relativamente multa, a prescrio da pretenso punitiva opera-se sempre em 2 anos, mesmo nos casos em que cominada ou aplicada cumulativamente com pena privativa de liberdade. (B) Aps o trnsito em julgado da deciso condenatria, aplicam-se multa as normas pertinentes dvida ativa da Fazenda Pblica. (C) A quantidade dos dias-multa deve ser estabelecida levando-se em conta as circunstncias judiciais que informam a fixao da pena-base. (D) Incabvel multa substitutiva se imposta pena privativa de liberdade superior a um ano. (E) A suspenso condicional da pena no se estende multa. 14. Tendo em conta as regras estabelecidas no Cdigo Penal para a aplicao da pena, permitido ao juiz, na sentena condenatria, (A) considerando favorveis todas as circunstncias judiciais, estabelecer a "pena-base" aqum do limite mnimo previsto na lei. (B) atenuar a pena diante de circunstncia no prevista expressamente na lei, sendo ela relevante e no concomitante com o crime. (C) estender o sursis pena restritiva de direitos. (D) fixar o regime inicial fechado em caso de crime apenado com deteno. (E) fazer incidir como agravante circunstncia que qualifica o crime. 15. Aponte a alternativa que est em desacordo com disposies do Cdigo Penal relativas aos crimes contra o patrimnio. (A) No furto, o reconhecimento da qualificadora do concurso de pessoas independe da identificao dos co-autores. (B) No impede a configurao do roubo o fato de o agente intimidar e subjugar a vtima apenas simulando portar arma. (C) O latrocnio pode configurar-se mesmo quando terceiro, alheio aos fatos, seja vtima da