Namorado de Aluguel - Kasie West

  • View
    248

  • Download
    9

Embed Size (px)

DESCRIPTION

 

Text of Namorado de Aluguel - Kasie West

  • TraduoDbora Isidoro

  • EditoraRassa CastroCoordenadora editorialAna Paula GomesCopidesqueLgia Alves

    RevisoMaria Lcia A. MaierCapa, projeto grfico e diagramao daverso impressaAndr S. Tavares da SilvaFoto da capaCarlos Caetano/Shutterstock

    Ttulo originalThe Fill-In Boyfriend

    ISBN: 978-85-7686-512-4

    Copyright Kasie West, 2015Todos os direitos reservados.

    Publicado originalmente por HarperTeen (Estados Unidos).Edio publicada mediante acordo com Taryn Fagerness Agency

    e Sandra Bruna Agencia Literaria, SL.

    Traduo Verus Editora, 2016Direitos reservados em lngua portuguesa, no Brasil, por Verus Editora. Nenhuma parte desta obra pode ser reproduzida ou transmitida por qualquer forma e/ou

    quaisquer meios (eletrnico ou mecnico, incluindo fotocpia e gravao) ou arquivada em qualquer sistema ou banco de dados sem permisso escrita da editora.

    Verus Editora Ltda.Rua Benedicto Aristides Ribeiro, 41, Jd. Santa Genebra II, Campinas/SP, 13084-753

    Fone/Fax: (19) 3249-0001 | www.veruseditora.com.br

    CIP-BRASIL. CATALOGAO NA FONTESINDICATO NACIONAL DOS EDITORES DE LIVROS, RJ

    W537n

    West, KasieNamorado de aluguel [recurso eletrnico] / Kasie West; traduo Dbora Isidoro. - 1. ed. - Campinas, SP: Verus, 2016.recurso digital

    Traduo de: The Fill-In BoyfriendFormato: epubRequisitos do sistema: Adobe Digital EditionsModo de acesso: World Wide WebISBN 978-85-7686-512-4 (recurso eletrnico)

    1. Romance americano. 2. Livros eletrnicos. I. Isidoro, Dbora. II. Ttulo.

  • 16-31841CDD: 813CDU: 821.111(73)-3

    Revisado conforme o novo acordo ortogrfico

  • Ao meu pai, que me ensinou a ler para aprender, e minha me, que me ensinou a ler pordiverso

    Amo vocs

  • 1Em alguma parte do meu crebro, provavelmente a parte sensata que parecia terdesaparecido no momento, eu sabia que deveria desistir e ir embora, preservar um poucoda minha dignidade. Em vez disso, abracei a cintura dele com mais fora e colei o rostoem seu peito. Definitivamente, no era a razo que estava no comando do meu crebro.Era o desespero. E, mesmo sabendo que desespero no atraente, eu no conseguia mecontrolar.

    Ele suspirou e soltou um pouco de ar, o que me permitiu apertar ainda mais o abrao.No assim que as jiboias matam suas presas? Nem esse pensamento me fez solt-lo.

    Gia, sinto muito. Ento no faz isso. E, se tem que fazer, no pode esperar duas horas? O que voc acabou de falar me faz ter certeza que no. Voc s quer que as suas

    amigas me vejam. No verdade. Tudo bem, meio que era. Mas s por causa da Jules. Ela havia se

    infiltrado no nosso grupo um ano atrs e, bem lentamente, tentava jogar minhas amigascontra mim. Sua ltima jogada era dizer que eu estava mentindo sobre namorar h doismeses. Ento, sim, eu queria que minhas amigas vissem que eu no estava mentindo.Que era ela quem tentava dividir nosso grupo ao meio. Ela era a doena contagiosa. Noeu.

    Mas no era s por isso que eu queria que Bradley ficasse comigo agora. Eu gostavadele de verdade antes de ele decidir terminar comigo no estacionamento na noite dobaile de formatura. Mas, agora que ele estava exibindo seu atestado de cretino, eu squeria que ele entrasse, provasse que existia, desse um soco no estmago da Jules pormim, talvez, e depois fosse embora. Era pedir demais? Alm disso... Oi? Era minhaformatura. Ele ia mesmo me fazer entrar sozinha no baile onde provavelmente eu seriacoroada rainha?

  • No s com isso que eu me importo... Minha voz estremeceu, embora eutentasse no demonstrar fraqueza. Bom, exceto pelo fato de estar grudada nele como setivesse levado um choque de alta voltagem.

    s com isso que voc se importa. E confirmou minha impresso hoje, quandome viu e a primeira coisa que disse foi: Minhas amigas vo morrer. Srio, Gia? Vocno me v h duas semanas, e essa a primeira coisa que fala?

    Tentei lembrar. Foi isso mesmo que eu falei, ou ele estava inventando coisas paratentar se sentir melhor? Ele estava lindo mesmo. E, sim, eu queria que minhas amigasvissem como ele era lindo. Isso era errado?

    E no caminho para c voc passou o tempo todo planejando como ns amosentrar. Disse exatamente como eu tinha que olhar para voc.

    Sou meio controladora. Voc sabe disso. Meio?Um carro parou na vaga em frente ao lugar onde eu estava quase espremendo todo o

    ar para fora do corpo do meu namorado... ex-namorado. Um casal desceu do banco detrs. No reconheci nenhum dos dois.

    Gia. Bradley desgrudou minhas mos e se afastou. Eu preciso ir. A viagem devolta longa.

    Pelo menos ele parecia sinceramente triste.Cruzei os braos, finalmente encontrando um pouco de dignidade. Tarde demais. Tudo bem. Vai. Voc devia entrar. Est incrvel. Voc no pode simplesmente me xingar e ir embora, ou alguma coisa assim? No

    preciso te achar fofo depois de tudo isso. Ele era fofo, e pensar que meu desesperopara segur-lo ali no tinha a ver s com as minhas amigas comeava a dominar minhasemoes. Engoli o que sentia. Eu no queria que ele soubesse que estava memachucando de verdade.

    Ele sorriu de um jeito brincalho e ento aumentou o tom de voz: Nunca mais quero falar com voc. Superficial, esnobe, egocntrica. Voc merece

    entrar l sozinha!Por que soou to convincente? Mantive o nosso teatrinho. Odeio voc, babaca!Ele jogou um beijo, e eu sorri. Fiquei olhando at ele entrar no carro e ir embora.

    Ento o sorriso sumiu do meu rosto e meu estmago deu um n. Acho que ele pressupsque eu conseguiria carona para casa. Ainda bem que todos os meus amigos estavam ldentro... esperando que eu aparecesse com o cara de quem falava havia dois meses.

  • Rosnei, tentando transformar a dor em raiva, e me apoiei na traseira de umacaminhonete vermelha. Foi quando chamei a ateno de um cara sentado ao volante docarro minha frente. Endireitei rapidamente as costas, porque nem um estranho podiame ver desabando, e ele baixou a cabea.

    O que aquele cara estava fazendo sentado no carro? Ele pegou um livro e comeou aler. Estava lendo? Sentado no estacionamento de um baile de formatura e lendo? Entolembrei: o casal que havia descido do banco de trs. Ele tinha ido levar algum. A irm ouo irmo mais novo, talvez.

    Dei uma avaliada no cara enquanto ele lia. No dava para ver muita coisa, mas eleno era feio. Cabelo castanho, pele morena. Podia at ser alto, porque a cabeaultrapassava o apoio do encosto, mas era difcil ter certeza. No fazia o meu tipo. Cabeloum pouco desgrenhado, meio magro, culos... mas teria que ser esse. Eu me aproximeida janela do carro. Ele estava lendo um livro de geografia, ou alguma coisa sobre omundo em oitenta dias. Bati na janela, e ele ergueu a cabea lentamente. E demorouainda mais para baixar o vidro.

    Oi eu disse. Oi. Voc estuda aqui? Se sim, e eu nunca o tinha visto, no daria certo. Porque

    havia boas chances de as pessoas o conhecerem. Qu? Voc estuda neste colgio? No. A gente acabou de mudar para c, mas estou terminando o ano na minha

    antiga escola.Melhor ainda. Eles eram novos na rea. Veio trazer seu irmo? Irm. Perfeito.Ele ergueu as sobrancelhas. Voc vai ser o meu par. Ah... Ele abriu a boca, mas isso foi tudo o que saiu. Voc mora perto daqui? Porque no d pra voc entrar assim, de jeans e camiseta.

    Muito menos com essa estampa de cabine telefnica.Ele olhou para a prpria camiseta, depois para mim outra vez. Cabine telefnica? Srio? Voc tem uma cala escura e uma camisa social, pelo menos? Talvez uma gravata?

    Uma gravata azul-petrleo seria incrvel para combinar com a minha roupa, mas eu no

  • esperaria tanto. Inclinei a cabea. Ele realmente no era o meu tipo. Minhas amigasiam perceber. E por acaso voc tem lentes de contato e algum produto para o cabelo?

    Vou fechar a janela. No. Por favor. Pus a mo em cima do vidro. Ser que alguma vez eu j sentira

    tamanho desespero? Meu namorado acabou de terminar comigo. Voc deve ter visto.E eu no quero entrar no meu baile de formatura sozinha. Alm disso, minhas amigas jno acreditam que ele existe. uma longa histria, mas eu preciso que voc seja ele.Duas horas. tudo o que eu peo. Alm do mais, voc est a esperando a sua irm. Droga. A irm. Ela ia gritar o nome dele e estragar tudo? S teramos que evit-la. Oucontar o segredo para ela. Eu ainda no tinha decidido. Vai ser muito mais divertidodo que ficar sentado em um estacionamento.

    Ele ainda me olhava como se eu fosse maluca. Eu me sentia maluca. Voc quer que eu finja que sou o Capito Amrica? E apontou para a rua.Fiquei confusa a princpio, mas logo me dei conta de que ele estava se referindo a

    Bradley, cujo porte fsico era meio impressionante. Elas no o conhecem, no sabem como ele . Alm do mais, voc ... Apontei

    para ele sem terminar a frase. Tentei pensar em um super-heri diferente para comparar,mas nenhum me veio cabea. No era um assunto que eu dominava. Ser que tinhaalgum mais magro? Homem-Aranha? No ia parecer um elogio.

    Ele ficou ali, imvel, me encarando, me esperando terminar a frase. Eu pago.Ele ergueu as sobrancelhas. Tenho certeza que existem servios desse tipo. Quem sabe se voc ligar para o

    disque-mich ou alguma coisa assim?Revirei os olhos, mas no consegui evitar um sorriso. Voc sabe o nmero de cor?Ele soltou uma nica risada. Tudo bem. Se voc no gosta da ideia de aceitar dinheiro, fico te devendo essa. Devendo o qu? No sei... Se um dia voc precisar de um encontro de mentira, pode contar comigo. No costumo precisar de encontros de mentira. Bom, tudo bem. Fico contente por saber que voc consegue um encontro sempre

    que quer, mas comigo no assim. Quer dizer, normalmente eu consigo, masobviamente no aqui, no meio de um estacionamento vazio. Eu teria que chorarlgrimas de mentira para conseguir um encontro de mentira?

    Tudo bem.

  • Tudo bem? Fiquei surpresa, embora tivesse esperana de que ele dissesse sim. S