NOÇÕES DE DIREITO .noÇÕes de direito administrativo – tst 2007/2008 – v_rg_s 3 noÇÕes de

Embed Size (px)

Text of NOÇÕES DE DIREITO .noÇÕes de direito administrativo – tst 2007/2008 – v_rg_s 3 noÇÕes de

  • NOES DE DIREITO ADMINISTRATIVO TST 2007/2008 V_RG_S

    3

    NOES DE DIREITO ADMINISTRATIVO

    ESTADO, GOVERNO E

    ADMINISTRAO PBLICA: CONCEITOS, ELEMENTOS,

    PODERES E ORGANIZAO; NATUREZA, FINS E

    PRINCPIOS Segundo o eminente administrativista Hely Lopes

    Meirelles1, o estudo da Administrao Pblica como um todo, compreendendo a sua estrutura e as suas atividades, deve partir do conceito de Estado, sobre o qual repousa toda a concepo moderna de organizao e funcionamento dos servios pblicos a serem prestados aos administrados.

    Conceito de Estado amplo o conceito de Estado. Do ponto de vista

    poltico, segundo Malberg, citado pelo autor acima, Estado uma comunidade de homens fixada sobre um territrio, com poder superior de ao, de mando e de coero. Sob o prisma constitucional Estado pessoa jurdica territorial soberana e, segundo nosso Cdigo Civil pessoa jurdica de Direito Pblico Interno (Art. 14, I). Como ente personalizado, o Estado, que pode atuar tanto no campo do Direito Pblico como no do Direito Privado, ainda, neste aspecto Estado de Direito, isto , o Estado juridicamente organizado e obediente s suas prprias leis.

    Elementos do Estado O Estado constitudo de trs elementos

    originrios e indissociveis: Povo, Territrio e Governo soberano. Povo o componente humano do Estado; Territrio a sua base fsica; e Governo soberano o elemento condutor do Estado que detm e exerce o poder absoluto de autodeterminao e auto-organizao emanado do Povo. Em conseqncia, no h Estado independente sem soberania.

    E soberania o poder absoluto, indivisvel de organizar-se e de conduzir-se segundo a vontade livre de seu Povo e de fazer cumprir suas decises, at pela fora, se necessrio.

    1 Direito Administrativo Brasileiro. 18 ed. atualizada por Eurico de Andrade Azevedo, Dlcio Balestero Aleixo e Jos Emmanuel Burle Filho. 1990 - Veralice Celidonio Lopes Meirelles. Malheiros Editores. So Paulo. 1993. P-55)

    Poderes de Estado A vontade estatal manifesta-se atravs dos

    chamados Poderes de Estado. Segundo a clssica diviso de Montesquieu, at hoje adotada nos Estados de Direito, os Poderes de Estado so o Legislativo, o Executivo e Judicirio, independentes e harmnicos entre si e com suas funes reciprocamente indelegveis (Art. 2. da CF/88). Esses Poderes inseparveis fazem parte da estrutura do Estado, cada um com sua funo precpua.

    Assim, o Poder Legislativo tem a funo principal (precpua) e normativa de elaborar leis. O Poder Executivo, por sua vez, deve converter a lei em ato individual e concreto, o que constitui sua funo administrativa. E, finalmente, o Poder Judicirio tem a funo de aplicar a lei de forma coativa ou impositiva.

    Diz-se que essas funes so precpuas porque a todos os Poderes so tambm outras atribudas funes ou atos administrativos, logicamente, restritos sua organizao e ao seu funcionamento.

    Organizao do Estado matria constitucional e diz respeito diviso

    poltica do territrio nacional, estruturao dos Poderes, forma de Governo, ao modo de investidura dos governantes, aos direitos e garantias dos governados, entre outras. Alm dessas disposies constitucionais que moldam o Estado soberano h ainda a legislao complementar e ordinria que institui a organizao administrativa das entidades estatais e suas autarquias, fundaes e empresas estatais, institudas para executar os servios pblicos.

    No Estado Federal, que o que interessa no

    nosso caso, a organizao poltica que era dual (abrangendo apenas a Unio e os Estados-membros) compreende agora, em nossa Federao, a Unio, os Estados-membros, o Distrito Federal e os Municpios, que so tambm, por conseguinte, entidades estatais ou entidades com autonomia poltica, administrativa e financeira. Estas entidades, juntamente com suas autarquias, fundaes e entidades paraestatais que tratam do servio pblico, constituem a chamada Administrao Pblica, em sentido amplo.

    Organizao da Administrao Aps a organizao soberana do Estado, com a

    instituio constitucional dos trs Poderes que compem o Governo, e a diviso poltica do territrio nacional, segue-se a Organizao da Administrao que representa a estruturao legal das entidades e rgos que iro desempenhar as funes, atravs de agentes pblicos (pessoas fsicas) e instituda por lei. E a atua o Direito Administrativo organizatrio.

    O Direito Administrativo impe as regras jurdicas de organizao e funcionamento do complexo

  • NOES DE DIREITO ADMINISTRATIVO TST 2007/2008 V_RG_S

    4

    estatal e as tcnicas de administrao indicam os instrumentos e a conduta mais adequada ao pleno desempenho das atribuies da Administrativas.

    Governo e Administrao, embora sejam termos

    muitas vezes confundidos devem, contudo, ser distinguidos. Governo, em sentido formal, o conjunto de Poderes e rgos constitucionais. Em sentido material, o complexo de funes estatais bsicas. E, em sentido operacional, a conduo poltica dos negcios pblicos. Segundo Hely Meirelles, o Governo ora se identifica com os Poderes e rgos supremos do Estado, ora se apresenta nas funes originrias desses Poderes e rgo como manifestao da Soberania. O Governo atua mediante atos de Soberania ou de autonomia poltica na conduo dos negcios pblicos. J Administrao Pblica, em sentido formal, o conjunto de rgos institudos para consecuo dos objetivos do Governo; em sentido material, o conjunto das funes necessrias aos servios pblicos em geral; e, em sentido operacional, o desempenho perene e sistemtico, legal e tcnico, dos servios prprios do Estado ou por eles assumidos em benefcio da coletividade. A Administrao , pois, todo o aparelhamento do Estado preordenado realizao de seus servios, visando satisfao das necessidades coletivas.

    Natureza A natureza da administrao pblica a de um

    encargo de defesa, conservao e aprimoramento de bens, servios e interesse da coletividade, impondo-se ao administrador pblico a obrigao de cumprir fielmente os preceitos do Direito e da moral administrativa que regem a sua atuao. Na administrao pblica, o administrador obedece ordens e instrues que esto concretizadas nas leis, decretos, regulamentos e atos normativos e outros especiais.

    Fins Os fins do Governo e da Administrao Pblica,

    consistem em exercer um conjunto de funes do Estado, incluindo a jurisdio e a legislao, alm de arrecadar e aplicar recursos (tributos), aproveitar recursos humanos e materiais disponveis, executar obras e servios de interesse comum da coletividade, manter a segurana, a educao e o bem-estar social, entre outras.

    Os fins da administrao pblica resumem-se

    num nico objetivo: o bem comum da coletividade administrada, ou dos administrados. Segundo o Prof. Cirne Lima, o fim, e no a vontade do administrador determina todas as formas da administrao. Jaz, conseqentemente, a administrao pblica debaixo da legislao que deve enunciar e determinar a regra do Direito.

    Princpios

    Os princpios bsicos da administrao pblica esto alicerados nas quatro proposies constitucionalmente estipuladas: legalidade, impessoalidade, moralidade e publicidade, entre outros (Art. 37, caput, da CF/88).

    Como adiante sero amplamente analisados, consistem esses princpios fundamentais, que condicionam as atividades administrativas, basicamente em:

    Princpio da legalidade, segundo o qual a

    vontade da Administrao Pblica decorre da lei sendo-lhe permitido fazer apenas o que a lei lhe autoriza. As leis que regem a Administrao so de ordem pblica e seus preceitos no podem ser descumpridos por seus agentes, sob pena de responsabilidade funcional e penal.

    Princpio da impessoalidade, significando que a

    Administrao no pode atuar com vistas a beneficiar ou prejudicar determinadas pessoas (p. ex., admisso ao servio pblico, sem concurso), sendo inconcebvel qualquer espcie de discriminao entre pessoas.

    Princpio da moralidade, onde se destacam os

    traos da licitude e honestidade pelo qual no deve o agente praticar atos em proveito prprio ou locupletando-se custa do errio pblico ou praticando atos de improbidade administrativa. So princpios enumerados na Constituio Federal (Art. 37), alm de outros gerais previstos em leis.

    Princpio da publicidade, pelo qual se exige

    ampla divulgao e transparncias nos atos praticados pela Administrao, salvo aquilo garantido por sigilo previsto em lei. A divulgao se d por publicao em jornal ou dirio oficial.

    DIREITO ADMINISTRATIVO Conceito Direito Administrativo, segundo o conceito do

    consagrado e saudoso Prof. Hely Lopes Meirelles (in DIREITO ADMINISTRATIVO BRASILEIRO op. cit. p-29), sintetiza-se no conjunto harmnico de princpios jurdicos que regem os rgos, os agentes e as atividades

    pblicas tendentes a realizar concreta, direta e

    imediatamente os fins desejados pelo Estado. Conjunto harmnico, segundo ele, significa a

    sistematizao de normas doutrinrias de Direito, indicando o carter cientfico da disciplina, sabendo-se que no h cincia sem princpios tericos prprios. Que regem rgos, os agentes... indica que ordena a estrutura e o pessoal do servio pblico; as atividades pblicas que a seriao de atos da Administrao Pblica, praticados nessa qualidade, e no quando atua, excepcionalmente, em condies de igualdade com o particular, sujeito s normas do Direito Privado. E, finalmente, tendentes a realizar... expresso que caracteriza e delimita o objeto do

  • NOES DE DIREITO ADMINISTRATIVO TST 2007/2008 V_RG_S

    5

    Direito Administrativo, eis que, em resumo, para atendimento dos seus fins, o Estado atua em trs sentidos: administrao (organizao e funcionamento dos seus servios, administrao de seus bens, regncia de seu pessoal e formalizao de seus atos de administrao), legislao (elaborao das leis) e jurisdio