Noções de Orçamento Público para o TST - Aula 00 .Segundo Aliomar Baleeiro, o orçamento público

Embed Size (px)

Text of Noções de Orçamento Público para o TST - Aula 00 .Segundo Aliomar Baleeiro, o orçamento...

  • AULA DEMONSTRATIVA

  • Copyright Direitos Reservados ao site: www.estudioaulas.com.br 2

    NOES DE ORAMENTO PBLICO PARA O TSTTEORIA E EXERCCIOS COMENTADOS

    Joo Leles

    AULA DEMONSTRATIVA!

    SUMRIO

    1. PLANO PLURIANUAL NA CF/88 .......................................................... 6

    1.1 Planos e Programas Nacionais, Regionais e Setoriais ..................... 8

    2. LEI DE DIRETRIZES ORAMENTRIAS ................................................ 8

    3. LEI ORAMENTRIA ANUAL ............................................................. 11

    QUESTES COMENTADAS .................................................................... 14

    QUESTES PARA TREINAR .................................................................... 22

  • Copyright Direitos Reservados ao site: www.estudioaulas.com.br 3

    NOES DE ORAMENTO PBLICO PARA O TSTTEORIA E EXERCCIOS COMENTADOS

    Joo Leles

    AULA DEMONSTRATIVA!

    JOO LELESAnalista de Planejamento e Oramento do Ministrio Pblico da Unio, aprovado no concurso de 2013, ps-graduado em Contabilidade Pblica e Lei de Responsabilidade Fiscal. pro-fessor em cursos de graduao em Direito, cursos promovidos pelo Ministrio Pblico, e de preparatrios para concursos, tambm palestrante sobre tcnicas de escrita e de apren-dizado. J foi Tcnico de Oramento do Ministrio Pblico da Unio (aprovado em 16 lugar) e Analista Jurdico da Agncia Nacional de Transporte Terrestres (aprovado em 13 lugar), com lotao na Superintendncia de Gesto e atuao na ge-rncia de Licitaes e Contratos.

    Ol, futuros servidores pblicos!

    Sou o professor Joo Leles, e vamos iniciar o nosso curso de Noes de Ora-mento Pblico focado no concurso do Tribunal Superior do Trabalho (TST), cargo de Tcnico Judicirio rea Administra va.

    Antes de entrarmos efe vamente no contedo do nosso curso, gostaria de dizer a vocs sobre o processo de estudo para concursos pblicos. Ele geralmente dividido em trs etapas: APRENDIZADO do contedo; APLICAO do conhecimento por meio da resoluo de exerccios; e REVISO da matria, por meio de esquemas, resumos, releitura e repe o de exerccios j resolvidos.

    Esse ciclo necessrio e traz resultados efe vos para quem o aplica. o que se costuma chamar de me vencedor, ou seja (repe ndo), APRENDIZADO APLICAO REVISO.

    O nosso curso se dedica a esses trs requisitos:

    Exposio terica de forma completa, simples e obje va, com uma linguagem mais acessvel.

    Exerccios resolvidos e comentados.

  • Copyright Direitos Reservados ao site: www.estudioaulas.com.br 4

    NOES DE ORAMENTO PBLICO PARA O TSTTEORIA E EXERCCIOS COMENTADOS

    Joo Leles

    AULA DEMONSTRATIVA!

    No h a exigncia de conhecimentos prvios. O curso voltado tanto para pessoas que nunca estudaram o assunto quanto para o aluno mais avanado.

    O obje vo do nosso curso que ele seja (e ser) sufi ciente para sua aprovao no concurso.

    DICA:

    Antes de iniciarmos nosso contedo, gostaria de dar uma sugesto acerca da matria. Sugiro que, aps estudarem todos os PDFs deste curso, vocs leiam v-rias vezes e grifem os ar gos 165 a 169 da Cons tuio Federal. Tais ar gos tra-tam do Oramento Pblico e tm alta incidncia em questes de concursos. No decorrer dos PDFs esses ar gos estaro presentes para corroborar a expla-nao, mas a leitura integral e consolidada desses disposi vos indispensvel.

    Vamos comear compreendendo alguns conceitos iniciais sobre nossa disciplina e qual o seu obje vo:

    O estudo de AFO/Oramento Pblico abarca a receita pblica (obteno de re-cursos), o crdito pblico (criao de recursos), o oramento pblico (gesto de recur-sos) e a despesa pblica (dispndio de recursos).

    Isso tudo necessrio para que o Estado custeie, de forma planejada e estrutu-rada, a sua manuteno, programas governamentais, sade, educao, segurana, e pol cas pblicas em geral. Alm disso, gerenciar adequadamente aquilo que perten-ce ao povo, tudo em conformidade com as normas e legislaes respec vas.

    Segundo Aliomar Baleeiro, o oramento pblico o ato pelo qual o Poder Exe-cu vo prev e o Poder Legisla vo autoriza, por certo perodo de tempo, a execuo das despesas des nadas ao funcionamento dos servios pblicos e outros fi ns adota-dos pela pol ca econmica ou geral do Pas, assim como a arrecadao das receitas j criadas em lei.

  • Copyright Direitos Reservados ao site: www.estudioaulas.com.br 5

    NOES DE ORAMENTO PBLICO PARA O TSTTEORIA E EXERCCIOS COMENTADOS

    Joo Leles

    AULA DEMONSTRATIVA!

    O Plano Plurianual (PPA), a Lei de Diretrizes Oramentrias (LDO) e a Lei Ora-mentria Anual (LOA) so as leis que regulam o planejamento e o oramento dos en-tes pblicos federais, estaduais e municipais.

    Segundo o art. 165 da CF/1988:

    Art. 165. Leis de inicia va do Poder Execu vo estabelecero:

    I o plano plurianual;

    II as diretrizes oramentrias;

    III os oramentos anuais.

    A Cons tuio Federal de 1988 recuperou a fi gura do planejamento na Adminis-trao Pblica brasileira, por meio do PPA e da LDO. Assim, tanto o PPA quanto a LDO so uma inovao da CF/1988.

    De acordo com o art. 166 da CF/1988, os projetos de lei rela vos ao plano pluria-nual, s diretrizes oramentrias, ao oramento anual e aos crditos adicionais sero apreciados (analisados e votados) pelas duas Casas do Congresso Nacional, na forma do regimento comum.

  • Copyright Direitos Reservados ao site: www.estudioaulas.com.br 6

    NOES DE ORAMENTO PBLICO PARA O TSTTEORIA E EXERCCIOS COMENTADOS

    Joo Leles

    AULA DEMONSTRATIVA!

    1. PLANO PLURIANUAL (PPA) NA CF/88

    O Plano Plurianual PPA o instrumento de planejamento do Governo Federal que estabelece, de forma regionalizada, as diretrizes, obje vos e metas da Adminis-trao Pblica Federal para as despesas de capital e outras delas decorrentes e para as rela vas aos programas de durao con nuada. Reproduz as intenes do gestor pblico para um perodo de quatro anos, podendo ser revisado, durante sua vigncia, por meio de incluso, excluso ou alterao de programas.

    Segundo o art. 165 da CF/1988:

    1 A lei que insti tuir o plano plurianual estabelecer, de forma re-gionalizada, as diretrizes, objeti vos e metas da administrao pblica federal para as despesas de capital e outras delas decorrentes e para as relati vas aos programas de durao conti nuada.

    Entendendo o Ar go!

    Forma regionalizada: oportunidades de inves mentos que sejam defi nidas a par r das realidades regionais e locais, levando a um desenvolvimento mais equilibra-do entre as diversas regies do Pas.

    As diretrizes: so normas gerais e estratgicas que mostram a direo a ser se-guida na gesto dos recursos pelos prximos quatro anos.

    Os obje vos: correspondem ao que ser perseguido com maior nfase pelo Go-verno Federal no perodo do Plano.

    As metas: so medidas, podendo ser de natureza quan ta va ou qualita va, a depender das especifi cidades de cada caso.

    As despesas de capital: so aquelas que contribuem, diretamente, para a for-mao ou aquisio de um bem de capital, como, por exemplo, a construo de uma ponte ou rodovia. O termo e outras delas decorrentes se relaciona s despesas cor-rentes que esta mesma despesa de capital ir gerar aps sua realizao. Despesas

  • Copyright Direitos Reservados ao site: www.estudioaulas.com.br 7

    NOES DE ORAMENTO PBLICO PARA O TSTTEORIA E EXERCCIOS COMENTADOS

    Joo Leles

    AULA DEMONSTRATIVA!

    correntes so as des nadas manuteno da mquina pblica (pagamento de pes-soal, encargos sociais, custeio etc.). Nesse mesmo exemplo, todo gasto corrente rela-cionado respec va obra, como o custeio com sua manuteno, dever estar previsto no referido Plano.

    Programas de durao con nuada: so aqueles cuja durao se estenda pelos exerccios fi nanceiros seguintes. Se o programa de durao con nuada, deve cons-tar do PPA. Logo, as aes cuja execuo esteja restrita a um nico exerccio fi nanceiro esto dispensadas de serem discriminadas no PPA do Governo Federal, porque no se caracterizam como de durao con nuada.

    Quanto aos investi mentos, determina o art. 167 da CF/1988:

    1 Nenhum investi mento cuja execuo ultrapasse um exerccio fi -nanceiro poder ser iniciado sem prvia incluso no plano plurianual, ou sem lei que autorize a incluso, sob pena de crime de responsabilidade.

    O PPA elaborado no primeiro ano de mandato do Presidente da Repblica e entra em vigor no segundo ano. A par r da, tem sua vigncia at o fi nal do primeiro ano do mandato seguinte. A ideia manter a con nuidade dos programas.

    ATENO!

    Sempre cai em prova! Revise!

    PPAEstabelecer, de forma regionalizada, as diretrizes, obje vos e metas (DOM) da Administrao Pblica Federal para as despesas de capital e outras delas decorrentes e para as rela vas aos programas de durao con nuada.Nenhum inves mento cuja execuo ultrapasse um exerccio fi nanceiro pode-r ser iniciado sem prvia incluso no plano plurianual, ou sem lei que autorize a incluso, sob pena de crime de responsabilidade. inovao da CF/1988, assim como a LDO.

    O projeto de PPA encaminhado pelo Execu vo ao Congresso at 31 de agosto.

  • Copyright Direitos Reservados ao site: www.estudioaulas.com.br 8

    NOES DE ORAMENTO PBLICO PARA O TSTTEORIA E EXERCCIOS COMENTADOS

    Joo Leles

    AULA DEMONSTRATIVA!

    1.1 Planos e Programas Nacionais, Regionais e Setoriais

    O PPA adotado como referncia para os demais planos e programas nacionais, regionais e setoriais previstos na Cons tuio Federal. Eles tm, muitas vezes, dura-o superior ao PPA, porque so de longo prazo, como o Plano Nacional de Educao (Lei n 13.005/2014 PNE 2014-2024), cuja durao de 10 anos.

    ATENO!

    Os planos e programas sero elaborados em consonncia com o PPA, ainda que tenham durao superior!

    2. LEI DE DIRETRIZES ORAMENTRIAS NA CF/88