NORMA REGULAMENTADORA N 10 SEGURANA EM preventivas de controle do risco eltrico e de outros riscos adicionais, mediante tcnicas de anlise de risco, ... em eletricidade

Embed Size (px)

Text of NORMA REGULAMENTADORA N 10 SEGURANA EM preventivas de controle do risco eltrico e de outros riscos...

  • NORMA REGULAMENTADORA N 10 SEGURANA EM INSTALAES E SERVIOS EM ELETRICIDADE 10.1- OBJETIVO E CAMPO DE APLICAO Orientaes objetivas quanto s especificidades e genricas quanto as finalidades e apli-cabilidade, resumindo e condicionando as disposies regulamentais.

    10.1.1 Esta Norma Regulamentadora NR estabelece os requisitos e condies mnimas objetivando a implementao de medidas de controle e sistemas preven-tivos, de forma a garantir a segurana e a sade dos trabalhadores que, direta ou indiretamente, interajam em instalaes eltricas e servios com eletricidade. 10.1.2 Esta NR se aplica s fases de gerao, transmisso, distribuio e consu-mo, incluindo as etapas de projeto, construo, montagem, operao, manuten-o das instalaes eltricas e quaisquer trabalhos realizados nas suas proximida-des, observando-se as normas tcnicas oficiais estabelecidas pelos rgos compe-tentes e, na ausncia ou omisso destas, as normas internacionais cabveis. Necessidade de obedincia a normas tcnicas o que a torna parte integrante da legislao, logo de aplicao obrigatria. No trata de periculosidade nem estabe-lecem adicionais de pagamento para tanto existe legislao especfica. A norma prescreve unicamente a preveno de acidentes e no sua recuperao e ou compensao. O conceito do trabalho em proximidade (trabalho durante o qual o trabalhador pode entrar na zona de controlada, ainda que seja com parte de seu corpo ou com extenses condutoras representadas por materiais, ferramentas ou equipa-mentos que manipule) atinge os trabalhadores circunvizinhos sujeitos a influncia das instalaes ou execuo de servios eltricos que lhes so prximos.

    [C1] Comentrio: No termo mnimo denota-se a inteno de regulamentar o menor grau de exibilidade, passvel de auditoria e punibilidade no universo de medidas de controle e sistemas preven-tivos possveis de aplicao.

    [C2] Comentrio: O termo garanti-a estende o conceito a todos os traba-lhadores envolvidos assegurando-lhes o direito a segurana e sade quando houver intervenes, aes fsicas do trabalhador com interferncia direta ou indireta em servios ou instalaes eltricas.

    [C3] Comentrio: Fica claro o alcance do texto aos trabalhadores diretos, objetivamente envolvidos na ao, bem como aos trabalhadores indiretos, sujeitos a reao, irregularidades ou ausncia de medidas de controle e sistema de preveno, usurios de sistemas eltricos e outras pessoas no advertidas.

    [C4] Comentrio: Conjunto das partes eltricas e no eltricas associa-das e com caractersticas coordenadas entre si, que so necessrias ao funcio-namento de uma parte determinadas de um sistema eltrico.

    [C5] Comentrio: Impe a norma a todas as atividades desde a produo ou gerao at o consumo final de energia eltrica. Projeto, construo, reformas, operao e manuteno incluindo o conceito de trabalho em proximidade.

  • 10.2 - MEDIDAS DE CONTROLE Representam o coletivo das aes estratgicas de preveno destinadas a eliminar ou reduzir, mantendo sob controle as incertezas e eventos indesejveis com capacidade potencial para causar leses ou danos a sade dos trabalhadores e, dessa forma, trans-por as dificuldades possveis na obteno de um resultado esperado, dentro de condi-es satisfatrias.

    10.2.1 Em todas as intervenes em instalaes eltricas devem ser adotadas medidas preventivas de controle do risco eltrico e de outros riscos adicionais, mediante tcnicas de anlise de risco, de forma a garantir a segurana e a sade no trabalho. A utilizao de ferramentas de anlise de risco passa a ser um procedimento obri-gatrio e devem existir evidncias objetivas de sua elaborao. (Evidncias objeti-vas = reunies, envolvimento de pessoas relacionadas ao trabalho e o registro fi-nal do trabalho em uma planilha ou formulrio equivalente). Observe-se que a norma no estabelece qual ferramenta de anlise deve ser usa-da mas, a utilizada, deve identificar os riscos potenciais de acidentes fsicos e ma-teriais, bem como identificar e corrigir problemas operacionais implementando uma maneira correta para execuo de cada etapa do trabalho. Deve ser uma fer-ramenta de exame critico da atividade ou situao com fim de identificao e an-tecipao dos eventos indesejveis e acidentes passveis de ocorrncia, possibili-tando a adoo de medidas preventivas para os trabalhadores, terceiros e do meio ambiente. 10.2.2 As medidas de controle adotadas devem integrar-se s demais iniciativas da empresa, no mbito da preservao da segurana, da sade e do meio ambi-ente do trabalho. O termo grifado implica imposio. Gera o entendimento de que as iniciativas im-plementadas de preservao e segurana devem ser complementadas com as medidas de controle de risco eltrico adotas. Isso impe forte caracterstica ge-rencial ao processo.

    10.2.3 As empresas esto obrigadas a manter esquemas unifilares atualizados das instalaes eltricas dos seus estabelecimentos com as especificaes do sis-tema de aterramento e demais equipamentos e dispositivos de proteo. As especificaes documentadas asseguram que os elementos de proteo no sejam substitudos por outros aleatoriamente, no compatveis com os demais e-lementos das instalaes.

    10.2.4 Os estabelecimentos com carga instalada superior a 75 kW devem consti-tuir e manter o Pronturio de Instalaes Eltricas, contendo, alm do disposto no subitem 10.2.3, no mnimo: A documentao eltrica , habitualmente, uma incgnita nos estabelecimentos, sendo suas especificaes, caractersticas e limitaes raramente conhecidos pelo trabalhador ou usurio. Doravante todas as informaes devem ser organizadas sob a forma de um pronturio mantido pelo empregador ou por pessoa formal-mente designada pela empresa e permanecendo a disposio de todos os envol-vidos com instalaes e servios com eletricidade. Se pretende a criao de uma memria dinmica das instalaes eltricas, dos procedimentos de trabalho, dos sistemas de medidas de proteo, das realizaes

    [C6] Comentrio: Aes que impli-cam interferncia nas instalaes eltri-cas representadas pelas tarefas de trabalho necessrias ao desenvolvimen-to dos servios.

    [C7] Comentrio: Capacidade de uma grandeza com probabilidade de causar leses ou danos a sade e a segurana das pessoas.

    [C8] Comentrio: um mtodo sistemtico de exame e avaliao de todas as etapas e elementos de um determinado trabalho para desenvolver e racionalizar toda seqncia de opera-es que o trabalhador executa.

    [C9] Comentrio: a expresso mais simples e objetiva da instalao eltri-ca. Corresponde a representao grfi-ca dos componentes eltricos e as suas relaes funcionais e contm os com-ponentes principais dos circuitos.

    [C10] Comentrio: Documentos tcnicos que caracterizem a existncia de documentao atualizada sobre as instalaes, os servios e os profissio-nais autorizados a intervir nessas insta-laes;

  • de treinamentos, capacitaes, contrataes, certificaes, testes de rigidez diel-trica etc. Da surge a oportunidade de gesto responsvel e avaliaes a qualquer tempo que, com a documentao atualizada, facilitar estudos e pesquisas aos trabalhadores e demais interessados com a promoo de auditorias fiscalizadoras e aes de segurana. a) conjunto de procedimentos e instrues tcnicas e administrativas de seguran-a e sade, implantadas e relacionadas a esta NR e descrio das medidas de controle existentes; b) documentao das inspees e medies do sistema de proteo contra des-cargas atmosfricas e aterramentos eltricos; c) especificao dos equipamentos de proteo coletiva e individual e o ferramen-tal, aplicveis conforme determina esta NR; d) documentao comprobatria da qualificao, habilitao, capacitao, autori-zao dos trabalhadores e dos treinamentos realizados; e) resultados dos testes de isolao eltrica realizados em equipamentos de proteo individual e coletiva; f) certificaes dos equipamentos e materiais eltricos em reas classificadas; e g) relatrio tcnico das inspees atualizadas com recomendaes, cronogramas de adequaes, contemplando as alneas de a a f.

    10.2.5 As empresas que operam em instalaes ou equipamentos integrantes do sistema eltrico de potncia devem constituir pronturio com o contedo do item 10.2.4 e acrescentar ao pronturio os documentos a seguir listados: a)descrio dos procedimentos para emergncias; b) certificaes dos equipamentos de proteo coletiva e individual;

    Sistema eltrico de potncia conjunto de instalaes e equipamentos destina-dos a gerao, transmisso e distribuio de energia eltrica at medio inclusi-ve.

    10.2.5.1 As empresas que realizam trabalhos em proximidade do Sistema Eltrico de Potncia devem constituir pronturio contemplando as alneas a, c, d e e, do item 10.2.4 e alneas a e b do item 10.2.5.

    10.2.6 O Pronturio de Instalaes Eltricas deve ser organizado e mantido atua-lizado pelo empregador ou pessoa formalmente designada pela empresa, devendo permanecer disposio dos trabalhadores envolvidos nas instalaes e servios em eletricidade.

    10.2.7 Os documentos tcnicos previstos no Pronturio de Instalaes Eltricas devem ser elaborados por profissional legalmente habilitado.

    10.2.8 - MEDIDAS DE PROTEO COLETIVA

    10.2.8.1 Em todos os servios executados em instalaes eltricas devem ser previstas e adotadas, prioritariamente, medidas de proteo coletiva a-plicveis, mediante procedimentos, s atividades a serem desenvolvidas, de forma a garantir a segurana e a sade dos trabalhadores. A desenergizao dos circuitos pressupe manter os circuitos sem energia durante a execuo dos servios.

    10.2.8.2 As medidas de proteo coletiva compreendem, prioritariamente,

  • a desenergizao eltrica conforme estabelece esta NR e, na sua impossibi-lidade, o emprego de tenso de segurana. Tenso de segurana aquela denominada de extra-baixa tenso (menor que 50 V em CA) utilizada prioritariamente em ambientes externos, molha-dos, sujeitos a ficarem inundados .... Utilizadas nos pontos onde outras medidas de controle sejam insuficientes para garantir a segurana ou por restries tcnicas. A tenso de s