NOSSA PROPOSTA PARA CONSTRU‡ƒO DA PAZ. 38 Flauta Doce e Flauta Transversal 39 Acordeom / Sanfona

  • View
    219

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of NOSSA PROPOSTA PARA CONSTRU‡ƒO DA PAZ. 38 Flauta Doce e Flauta Transversal 39 Acordeom /...

Todos os direitos reservados. Proibida a reproduo no todo ou em partes

PGINA Assunto: 01 Nossa Proposta de Paz 02 O que inicializao musical? 03 Projeto Social SaciArte 07 Grupo musical SaciArte 08 Apresentao da Apostilha 10 O que msica? 14 Curso de inicializao Musical 32 A primeira apresentao 33 Ai que saudades da Amlia(violo) 34 Partituras 35 Como comprar seu instrumento 36 Instrumentos de Percusso 37 Piano de Cauda e Teclado Eletrnico 38 Flauta Doce e Flauta Transversal 39 Acordeom / Sanfona 40 Viola, Violo e Viola Caipira 41 Violino

NOSSA PROPOSTA PARA CONSTRUO DA PAZ.

A todas as pessoas do mundo conturbado que estamos vivendo, nestes tempos difceis, apresentamos uma proposta de construo da paz, com cidadania e responsabilidade social. Num momento em que a paz so-cial se nos apresenta como um beco-sem-sada, sem uma luz no fim do tnel! Esperamos assim estar contri-buindo para pacificar a humanidade um tanto quanto meio louca a estas alturas dos acontecimentos, j bas-

tante catica, em decomposio!

Espero que alguns de vocs tambm elaborem suas propostas para a paz ou entrem para o Projeto Violn-cia No do Movimento Formiguinhas do Vale, nos apresente crticas e propostas, para que juntos possa-

mos construir a paz social e um meio ambiente mais limpo, agradvel e autosustentvel. A paz social, uma sociedade mais justa e uma melhor qualidade de vida s podem ser construdas com a

participao de cada um de ns no coletivo da massa social, com atitudes reais e determinadas.

Em l986 sai da cidade de So Paulo para me fixar definitivamente nesta maravilhosa cidade de So Jos dos Campos. Foi quando tomei conhecimento do universo da violncia escolar, ao observar o comportamento

agressivo da maioria de alunos, das crianas em geral e das tambm no to crianas; na sua falta de soli-dariedade para com os mais velhos, o desassossego, as inquietudes de tendncias agressivas, a falta de

respeito para com o Meio Ambiente, a ausncia de valores ticos, morais e espirituais. Existem sim algumas gloriosas excees.

No entanto visvel nas notcias da rdio e da televiso, que essas atitudes esto alcanando nveis de coni-vncia social assustadoramente insuportveis, com alto grau de degradao do Meio Ambiente e da vida nas

cidades.

Conclui que o interior de uma sala de aula um palco de dramatizao da violncia, onde as peas so a-presentadas, uma aps outra, na forma de desrespeito ao professor, desacatos, ameaas, etc.; por alunos

que desrespeitam ao professor, no respeitam seus colegas, no respeitam a si mesmo; fazem do templo da aprendizagem o palco da violncia e de seu habitat um cesto de lixo.

Foi ai que percebi que a violncia escolar extenso da violncia familiar, e a social influenciada pelos e-xemplos de corrupo e de impunidade daqueles que deveriam ser exemplares e, que cresce diariamente em progresso geomtrica, de maneira assustadora a ponto de colocar em risco a convivncia amistosa e sadia nas Comunidades; se nada fizermos para reverso das causas desta situao, o futuro se nos apre-

senta deveras, preocupante. E para reverter este quadro catico que resolvemos dar uma singela contribui-o para o processo de construo da paz, fundando o MOVIMENTO FORMIGUINHAS DO VALE, uma OS-

CIP, sem fins lucrativos, que em seus projetos imprime a Educao Ambiental e o Equilbrio Social, como seus principais objetivos.

A Associao Cultural, Educao, Meio Ambiente Desenvolvimento Sustentvel do Cone Leste Paulista,

Formiguinhas do Vale pertence humanidade e, seus projetos, esto sendo construdos por todos ns, que tomamos conscincia das causas e, temos a certeza que algo precisa mudar.

Ela tem a configurao final que desenharmos, ter a pintura que fizermos.

Vamos desenh-la?

O Movimento j conta com alguns projetos de construo da paz, Viveiro Escola Planta Brasil, SaciArte e o Arte&Sobra outros, esto em processo de registro nos rgos competentes, e interligados, como elemento multiplicador e de comunicao ao Jornal Educao,Gazeta Valeparaibana, com edio mensal de 10.000

exemplares. www.gazetavalepraibana.com

Tambm contamos com o apoio das comunidades abrangidas, nossas maiores colaboradoras, beneficirias, divulgadoras e incentivadoras; comunidades carentes da Zona Leste de So Jos dos Campos; comunida-des de divulgao e valorizao das culturas, tradies alem de diversas Escolas Pblicas e Privadas das

cinco regies que compem o Cone Leste Paulista: Vale do Paraba, Litoral Norte, Regio Bragantina, Regi-o Serrana da Mantiqueira e Regio Alto do Tiet.

Ento, meus caros amigos professores, coordenadores, diretores e concidados, ao fazermos o lanamento oficial aqui, hoje, de um trabalho que comeou em 2004, prestamos contas humanidade do que fizemos,

at agora, e do que pretendemos fazer daqui para frente, juntamente com todos os envolvidos e os que vie-rem a se envolver no processo de construo de dias mais felizes para as Comunidades envolvidas, ao par-

ticiparem ativamente de nossos projetos, na busca por uma sociedade de paz e autosustentvel.

Filipe de Sousa

O QUE INICIALIZAO MUSICAL? Como o prprio nome diz, a inicializao da criana, do jovem e do adulto no mundo musical, podemos cham-la de a pr-escola da msi-ca. Tem como objetivo principal dar ao aluno condies para o estudo de um instrumento musical do ponto de vista sensorial, intelectual e afetivo.

Muitas crianas, jovens e at adultos, quando decidem entrar em um ensino de msica, j o fazem direto com o estudo de algum instrumento. Est atitude no recomendada. Numa comparao grotesca, seria o mesmo que se matricular num curso de datilografia, sem que saiba ler e escrever. recomendvel que a criana e tambm o adulto (nunca tarde!) primeiro pas-sem pela inicializao musical para depois, ento, iniciar o aprendizado de um ins-trumento especfico. O curso de inicializao musical, normalmente, dividido em trs fases: o per-odo intuitivo, a apresentao de smbolos e, a leitura intensiva. O perodo intuitivo o que mais justifica a inicializao musical. A criana e ou o adulto deve primeiro vivenciar, criar, realizar, sentir, experinciar a msica no prprio corpo para depois ento, chegar no aprendizado terico dos fenmenos musicais. Somente atravs deste processo a criana e o adulto tornar-se-o capazes de expressar-se com li-berdade atravs da msica. No so raros os casos de crianas e adultos muito criativos, que ao iniciar o aprendizado de msica diretamente com um instrumento acabaram perdendo a cri-atividade. O professor, cumprindo seu dever, ensina somente teoria e exerccios tcnicos, deixando de lado o desenvolvimento da sensibilidade e o esprito criativo to presente, especialmente nas crianas acima dos sete anos. No curso de inicializao musical a criana ou o adulto tambm tero a oportu-nidade de conhecer, manusear, experimentar e escutar uma gama variada de instru-mentos, dando assim a esses cidados, melhor possibilidade de escolher um ins-trumento com o qual venham a descobrir uma maior afinidade, para um estudo mais aprofundado, no futuro. Pais ansiosos escolhem um instrumento com o qual eles tm maior afinidade, e colocam seus filhos para ter aula e este impulso tambm pode ser notado em adul-tos. Aps algum tempo, no raro ver o antes interessado, desestimulado e desin-teressado em freqentar as aulas de msica. A escolha do instrumento deve ser fei-ta pelo interessado e seu aprendizado deve comear aps j ter passado por uma preparao anterior. O ideal aprendizado de um instrumento especfico deve se iniciar simultanea-mente ao processo de alfabetizao, por volta dos sete anos de idade, onde a cons-tituio fsica comea a se tornar favorvel para essa prtica.

Filipe de Sousa

OSCIP Formiguinhas do Vale - Projeto de Iniciao Musical

Trata-se de uma atividade cultu- ral e educativa que se utiliza de qua-tro instrumentos; a musicaliza- o, a cultura da msica, as tradi-es e as festas populares, co- mo agentes transformadores que se quer, contribuam na formao social dos participantes atravs do conhecimento terico e prtico, que lhes ir proporcionar o desenvol-vimento do gosto pela Msica, Artes e Culturas Brasileiras, elevan-do sua motivao e auto estima, com o descobrimento de aptides artsticas. O contedo desta proposta inclui o educando e o cidado em atividades que estreita-ro a convivncia em grupo, aprimorando a expresso pessoal, sensibilidade s situ-aes do seu dia a dia, valorizao das Artes e Culturas Brasileiras e senso discipli-nar, que lhe proporcionaro reflexos positivos em sua vida familiar e comunitria, au-xiliando no discernimento mais apurado e maior compatibilizao nas matrias curri-culares, efetivando seu sucesso pessoal dentro e fora da sala de aula. Pretende tambm este Projeto Social a formao de Agentes Multiplicadores de infor-mao e conhecimento, tornando-o um Projeto Social de ampla abrangncia sempre com a finalidade de Construo da Paz com a valorizao das Culturas e Artes Brasileiras, bem como viabilizar a sustentabilidade ambiental e social. Plano do Projeto: -Introduo das Culturas, Artes e Festas Populares Brasileiras; -Conhecimento sobre as diversas expresses musicais; -Conhecimento sobre a origem e a sonorizao dos diversos instrumentos musicais; -Execuo dos instrumentos: 1 - Viola Caipira, Violo, Cavaquinho, Contra-Baixo; 2 - Flauta doce, Flauta Transversal, Harmnica,Trompete, Saxofone, Trombone; 3 - Violino; Violoncelo; 4 - Piano, rgo, Acordeom (Sanfona), Teclado eletrnico; 5 - Os dive