Novo conceito na clareação dentária pela técnica no ...· Novo conceito na clareação dentária

  • View
    215

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of Novo conceito na clareação dentária pela técnica no ...· Novo conceito na clareação dentária

  • 55R Dental Press Estt, Maring, v. 5, n. 3, p. 55-66, jul./ago./set. 2008

    Caso Clnico

    Novo conceito na clareao dentria pela tcnica no consultrio

    Fabiano Carlos Marson*, Luis Guilherme Sensi**, Rodrigo Reis***

    ReSuMoO objetivo deste trabalho foi avaliar o tempo de decomposio e o pH dos agentes clareadores utilizados na clareao no consultrio, em re-lao ao tempo de aplicao. Foram selecionados 4 agentes clareadores e divididos em 4 grupos (n = 5): G1 - Opalescence Xtra Boost (Ultradent); G2 - Whiteness HP Maxx (FGM); G3 - Lase Peroxide Sensy (DMC) e G4 - White Gold Office (Dentsply). A ma-nipulao dos agentes clareadores seguiu as orientaes do fabrican-te. Para avaliao da dosagem de perxido de hidrognio em relao ao tempo, foi utilizado o mtodo de titulao do perxido de hidrog-

    PaLavRaS-Chave: Clareao dentria. Perxido de carbamida. Perxido de hidrognio.

    nio com permanganato de potssio preconizado pelo manual de farma-copia americana (USP) e avaliao do pH do agente clareador atravs do papel indicador universal de Mer-ck. No teste estatstico de ANOVA, foi observado a hiptese de igual-dade entre os grupos, avaliando o fator decomposio em relao ao tempo. No tratamento clareador de dentes vitais atravs da tcni-ca no consultrio com perxido de hidrognio, no h necessidade de trocas do agente clareador durante a sesso clnica, quando o agente clareador utilizado mantm o pH neutro.

    * Professor doutor de Dentstica e Clnica Integrada da Faculdade Uning. Coordenador do curso de especializao em Dentstica da Faculdade Uning/Maring e Uning/Cuiab.

    ** Professor doutor de Dentstica, Universidade de Baltimore, Maryland, EUA. *** Mestre em Odontologia Restauradora e Biomateriais pela Universidade de Michigan. Doutor em

    Odontologia pela UFRJ. Professor coordenador de Dentstica e Materiais Dentrios da FO-UNIGRANRIO.

  • Novo conceito na clareao dentria pela tcnica no consultrio

    56 R Dental Press Estt, Maring, v. 5, n. 3, p. 55-66, jul./ago./set. 2008

    INTRoDuo

    Atualmente, h uma grande procura dos pa-

    cientes por tratamentos estticos. Um sorriso

    com dentes brancos e alinhados to cultuado

    pela mdia que passou a ser o desejo de grande

    parte da populao. Um dos tratamentos mais

    solicitados a clareao dentria, que tem a

    finalidade de melhorar a aparncia dos den-

    tes. Este procedimento pode ser realizado em

    dentes vitais, de duas formas: tcnica em casa

    (supervisionada pelo dentista, que necessita da

    colaborao do paciente), ou tcnica no con-

    sultrio (realizada pelo profissional), erronea-

    mente denominada tcnica a laser 13,16.

    Na tcnica de clareao dentria no consul-

    trio so utilizadas concentraes mais altas,

    variando de 30% a 38% de perxido de hidro-

    gnio, em algumas aplicaes. No entanto, o

    profissional deve ficar atento durante o pro-

    cedimento clareador, pois a alta concentrao

    pode induzir efeitos colaterais, como sensibi-

    lidade dentria, irritao gengival e ulcerao

    nos tecidos moles bucais. Todos os tecidos mo-

    les do paciente (gengivas, bochechas, lngua e

    lbios) devem ser isolados do contato com o

    produto clareador. O profissional e sua equipe

    tambm devem se precaver, utilizando luvas,

    aventais ou jalecos de manga comprida e cu-

    los de proteo. A grande vantagem da tcnica

    de clareao dentria no consultrio que os

    resultados so alcanados em poucas, porm

    longas consultas (de duas a quatro sesses)9,13.

    Embora a clareao caseira seja a tcnica

    mais utilizada, consagrada e estudada h quase

    20 anos, alguns pacientes no optam por este

    tratamento, pois:

    - no querem utilizar o produto clareador

    todos os dias, durante o perodo de 2 a 3 se-

    manas;

    - no se adaptam tcnica devido utiliza-

    o da moldeira plstica;

    - fator marketing dos meios de comuni-

    cao e do dentista em relao clareao

    no consultrio, sendo solicitada pelos

    pacientes4,11.

    Vale ressaltar que, para a correta escolha da

    tcnica de clareao, necessria a avaliao

    completa do paciente, identificando o estado

    bucal atravs de radiografias, anamnese e exa-

    me clnico, visando diagnosticar a causa da al-

    terao de cor. O diagnstico ir nortear o den-

    tista na definio de qual plano de tratamento

    ser mais adequado7,22.

    As empresas que fabricam os agentes cla-

    readores recomendam que estes permane-

    am, no mximo, por 15 min sobre a superfcie

    dentria, podendo-se repetir esse processo por

    3 vezes na mesma sesso clnica. Contudo, no

    h, na literatura cientfica, uma base consolida-

    da deste protocolo. Devido ao surgimento de

    novas perguntas sobre a tcnica de clareao

    dentria, torna-se importante o estudo da efi-

    ccia deste procedimento. Dessa forma, este

    trabalho tem como objetivo avaliar in vitro a

    decomposio do agente clareador, em relao

    ao tempo, e verificar os resultados na clnica.

    MaTeRIaL e MToDoS

    Foram utilizados quatro agentes clareado-

    res para verificao da decomposio do gel

    em relao ao tempo de utilizao, compondo

    os 4 grupos estudados (Tab. 1). Utilizou-se o

    mtodo da USP (United States Pharmacopeia),

    que as indstrias de produtos para sade, cos-

    mticos e farmacuticos utilizam para aferir

    o teor e demais propriedades relevantes das

    matrias-primas, no caso especfico, o perxi-

    do contido nos agentes clareadores.

    Foram utilizados 30 corpos-de-prova para

    cada grupo avaliado, totalizando 120 corpos-

  • Fabiano Carlos Marson, Luis Guilherme Sensi, Rodrigo Reis

    57R Dental Press Estt, Maring, v. 5, n. 3, p. 55-66, jul./ago./set. 2008

    de-prova. Para obteno de cada mdia e des-

    vio-padro foram utilizados 5 corpos-de-prova

    (n = 5), que esto dispostos no tabela 2.

    O mtodo utilizado para verificao da con-

    centraco do perxido em relao ao tempo

    de aplicao foi a titulao de perxido de hi-

    drognio com permanganato de potssio. Este

    mtodo descreve a dosagem de perxido de

    hidrognio e aplica-se a amostras que conte-

    nham essa substncia. O presente mtodo ba-

    seia-se na reao de permanganometria, con-

    forme a frmula:

    2KMnO4 + 5H2O2 + 4H2SO4 = 2KHSO4 +

    2MnSO4 + 5O2 + 8H2O

    A mistura do agente clareador seguiu as

    normas de cada fabricante (Tab. 1). Aps a

    mistura do agente clareador, foi pesada ana-

    liticamente uma quantidade de amostra, que

    continha aproximadamente 20g de perxido

    de hidrognio, em um bquer de 100ml. Na se-

    qncia, foram adicionados 10ml de gua des-

    tilada e transferida quantitativamente para um

    balo volumtrico de 250ml. Transferiu-se 5ml

    da soluo amostral para um frasco de iodo

    de 250ml e adicionados 20ml de cido sulf-

    rico 2N. Foi feita a titulao com a soluo de

    permanganato de potssio 0,1N, at que a cor

    rosa-plida persistisse por quinze segundos.

    Aps, os dados obtidos foram aplicados na se-

    guinte frmula:

    C =m

    V x fc x 1,701 x 100

    Onde:

    C = concentrao (p/p) de perxido de hi-

    drognio;

    V = volume de permanganato de potssio

    0,1N utilizado na titulao, em mililitros;

    fc = fator de correo da soluo de per-

    manganato de potssio 0,1N;

    m = massa da amostra em miligramas.

    Para verificao do pH foi utilizado o papel

    indicador universal (Merck). Este papel vem

    cortado em tiras impregnadas com reagente

    em embalagem que apresenta a escala de co-

    res, cada cor indica um pH diferente, que vai

    de 1 a 14 (mtodo da USP - United States Phar-

    macopeia).

    O seguinte procedimento foi utilizado: mis-

    turou-se o agente clareador de acordo com as

    normas do fabricante de cada produto; em se-

    guida, a mistura foi colocada em contato com

    o papel indicador; aguardou-se 1 minuto, para

    que houvesse tempo de reao entre o papel e

    a mistura; e foi comparada a colorao obtida

    na tira de papel (Merck) com o padro da emba-

    lagem, obtendo-se o pH do produto.

    nome comercial %* fabricante manipulao

    G1 Opalescence Xtra Boost 38% Ultradent duas seringas que se acoplamuma contm o perxido e a outra o ativador

    G2 Whiteness HP Maxx 35% FGM mistura da fase 1(perxido) com a fase 2 (espessante) na proporo de 3 gotas de perxido para 1 gota de espessante

    G3 Lase Peroxide Sensy 35% DMC mistura da fase 1 (perxido) com a fase 2 (espessante) na proporo de 3 gotas de perxido para 1 gota de espessante

    G4 White Gold Office 35% Dentsply duas seringas que se acoplam uma contm o perxido e a outra o ativador

    Tabela 1 - Caractersticas dos grupos amostrais estudados.

    * Concentrao de perxido de hidrognio.

  • Novo conceito na clareao dentria pela tcnica no consultrio

    58 R Dental Press Estt, Maring, v. 5, n. 3, p. 55-66, jul./ago./set. 2008

    ReSuLTaDoS

    As mdias dos valores da decomposio do

    gel clareador em relao ao tempo esto suma-

    rizadas na tabela 2 e no grfico 1 e as mdias

    dos valores do pH do gel clareador na tabela 3.

    A anlise de varincia (ANOVA) foi utilizada

    para verificar se existia diferena estatstica en-

    tre os grupos analisados, aplicada a um nvel de

    5% de significncia e, a partir deste, a hipte-

    se de igualdade entre os grupos foi aceita (p >

    0,0002).

    CaSo CLNICo 1

    Paciente do gnero feminino, com 22 anos

    de idade, insatisfeita com a colorao dos seus

    dentes, compareceu ao consultrio solicitando

    de tratamento esttico. Aps exame clnico,

    rad