Novo Documento Do Microsoft Office Word

  • View
    21

  • Download
    0

Embed Size (px)

Transcript

OSermo de Santo Antnio aos Peixesfoi proferido na cidade deSo Lusdo Maranho em1654, na sequncia de uma disputa com os colonosportuguesesnoBrasil.O Sermo de Santo Antnio aos Peixes constitui um documento da surpreendente imaginao, habilidade oratria e poder satrico doPadre Antnio Vieira, que toma vriospeixes(o roncador, o pegador, o voador e o polvo) como smbolos dos vcios daqueles colonos.Com uma construo literria e argumentativa notvel, o sermo pretende louvar algumas virtudes humanas e, principalmente, censurar com severidade os vcios doscolonos. Estesermo(alegrico) foi pregado trs dias antes dePadre Antnio Vieiraembarcar ocultamente (a furto) para Portugal, para obter uma legislao justa para os ndios.Todo o sermo uma alegoria, porque os peixes so uma metfora dos homens.Captulo I[editar|editar cdigo-fonte]Exrdio: No captulo I fica-se a conhecer o conceito predicvel (VOS ESTIS SAL TERRAE),"Vs Sois o Sal da Terra". Este conceito vai ser encaminhador para todo o sermo (alegrico). O sal representa a palavra de Deus e terra significa os Homens que habitam na terra. O efeito do Sal preservar o bem e impedir a corrupo. Padre Antnio Vieira faz ainda referncia a Cristo Senhor para reforar e dar credibilidade s suas palavras.Captulo II[editar|editar cdigo-fonte]Exposio e confirmao:Temos os louvores aos peixes em geral: bons ouvintes, obedientes, tranquilos, devotos e prudentesCaptulo III[editar|editar cdigo-fonte]Vos, diz Chrito Senhor noo, fallando com os Prgadores, ois o al da terra: & chama-lhe al da terra, porque quer que faa na terra, o que faz o al. O effeito do al he impedir a corrupo, mas quando a terra e v ta corrupta como et a noa, havendo tantos nella, que tem officio de al, qual er, ou qual pde er a caua deta corrupo? Ou he porque o al na alga, ou porque a terra e no deyxa algar.

Sermo de Santo Antonio aos Peixes (1654)

Peixe de Tobias Cura a cegueira"(...) sendo o pai de Tobias cego, aplicando-lhe o filho aos olhos um pequeno do fel, cobrou inteiramente a vista;" Expulsa os demnios"(...) tendo um demnio chamado Asmodeu morto sete maridos a Sara, casou com ela o mesmo Tobias; e queimando na casa parte do corao, fugiu dali o demnio e nunca mais tornou;" RmoraUm peixe pequeno mas tem muita fora. Representa a fora da palavra de Santo Antonio. Afraquezaenadacom queluz"(...) se se pega ao leme de uma nau da ndia (...) a prende e amarra mais que as mesmas ncoras, sem se poder mover, nem ir por diante.""Oh se houvera uma rmora na terra, que tivesse tanta fora como a do mar, que menos perigos haveria na vida, e que menos naufrgios no mundo!""(...) a virtude da rmora, a qual, pegada ao leme da nau, freio da nau e leme do leme" Apenas comparvel lngua de Santo Antnio, que serve de guia s pessoas. TorpedoPeixe que faz descargas elctricas para se defender. Representa a converso. Faz abanar, faz passar adout, obome avirgindadedo Esprito Santo"Est o pescador com a cana na mo, o anzol no fundo e a bia sobre a gua, e em lhe picando na isca o torpedo, comea a lhe tremer o brao. Pode haver maior, mais breve e mais admirvel efeito? De maneira que, num momento, passa a virtude do peixezinho, da boca ao anzol, do anzol, linha, da linha cana e da cana ao brao do pescador" Faz t(r)emer os pe(s)cadores Quatro OlhosV para cima e para baixo. Representa a capacidade de distinguir o bem do mal (cu/inferno). AVigilncia,providncia"Esta a pregao que me fez aquele peixezinho, ensinando-me que, se tenho f e uso da razo, s devo olhar direitamente para cima, e s direitamente para baixo: para cima, considerando que h Cu, e para baixo, lembrando-me que h Inferno" (Seno por amor a Deus (cima), ento, por repdio ao inferno (baixo))Captulo V[editar|editar cdigo-fonte]Neste captulo faz-se repreenses aos peixes em particular, que representam os diversos defeitos humanos:-Os Roncadores:Soberba, Orgulho.Muita arrogncia, pouca firmeza.-Os Pegadores:Parasitas.Vivem na dependncia dos grandes, morrem com eles.-Os Voadores:Presuno, Ambio.Foram criados peixes e no aves-O Polvo:Traio.Ataca sempre de emboscada porque se disfara, comparado a Judas

Pregado em So Lus do Maranho, a 13 de Junho de 1654,trs dias antes de se embarcar ocultamente para o Reino. Revela fina ironia, riqueza nas sugestes alegricas e agudo senso de observao sobre os vcios e vaidades do Homem, comparando-o atravs de alegorias, aos peixes. Critica a prepotncia dos grandes que, como peixes, vivem do sacrifcio de muitos pequenos, os quais "engolem" e "devoram". O alvo so os colonos do Maranho, que no Brasil so grandes, mas em Portugal "acham outros maiores que os comam, tambm, a eles." Censura os soberbos (=rocandores), os pregadores (=parasitas); os ambiciosos(=voadores); os hipcritas e traidores (= polvos). "O polvo com aquele seu cabelo na cabea, parece um monge; com aqueles seus ralos estendidos, parece uma estrela; com aquele no ter osso nem espinha, parece a mesma brandura, a mesma mansido. E debaixo dessa aparncia to modesta ou dessa hipocrisia to santa, testemunham constantemente (...) que o dito polvo o maior traidor do mar." muito conhecido o exrdio deste sermo, que permite estabelecer a unidade e a circularidade do argumento, que volta sempre o ponto inicial, o conceito predicvel: "Vs sois o sal da terra",Vos estis sal terrae. S. Mateus, V, l3.

Exrdio- Captulo 1Neste primeiro captulo, mais conhecido porexrdio(a introduo), o Padre Antnio Vieira expe o tema e as questes centrais que vai defender, bem como o plano estrutural do seu sermo.Vieira, a partir do conceito predicvel Vs sois o sal da terra, em analogia com Santo Antnio [que] foi sal da terra e foi sal do mar, visa criticar a humanidade que est cada vez mais corrupta. Quando ele sugere que a culpa se encontra no sal refere-se aos pregadores que proferem uma coisa e depois agem de outra forma, ou ento afirma que a culpa se encontra na terra, referindo-se assim aos ouvintes uma vez que estes no ligam s palavras da verdadeira doutrina.Visto que o Padre Antnio Vieira no obtinha os efeitos desejados da sua pregao decidiu deixar de pregar aos homens e preferiu antes dirigir-se aos peixes, tal como Santo Antnio j o fizera.No princpio Vieira vai realar e apreciar as virtudes dos peixes, mas em seguida ir apontar-lhes os defeitos de modo a tentar corrigi-los.Sntese:Neste captulo, Vieira critica a humanidade, que est cada vez mais corrupta, e os pregadores que, havendo tantos, no conseguem alcanar os seus objetivos. Utiliza as expresses sal para os pregadores e terra para os ouvintes. Exceo para Santo Antnio, que Vieira admira bastante e do qual aborda a histria ocorrida com este em Arimino, onde pregava aos hereges e foi alvo da tentativa de apedrejamento por parte destes.

ExposioCaptulo II Louvor das virtudes dos peixes, em geralNeste captulosero criticados os homens por analogia com os peixes, como est expresso nesta passagem irnica: Ao menos tm os peixes duas boas qualidades de ouvintes: ouvem e no falam. Vieira deixa bem claro que este sermo uma alegoria, referindo-se frequentemente aos homens. Os peixes ora sero, metaforicamente, os ndios ora os colonos.Neste captulo, pois, o pregador pretende repreender os vcios dos homens, opostos s virtudes dos peixes.Louvor das virtudes, em geral :- ouvem e no falam;- vs fostes os primeiros que Deus criou;- e nas provises[...] os primeiros nomeados foram os peixes;- entre todos os animais do mundo, os peixes so os mais e os maiores;- aquela obedincia, com que chamados acudistes todos pela honra de vosso Criador e Senhor;- aquela ordem, quietao e ateno com que ouvistes a palavra de Deus da boca do seu servo Antnio.[...] Os homens perseguindo a Antnio[...] e no mesmo tempo os peixes[...] acudindo a sua voz, atentos e suspensos s suas palavras, escutando com silncio[...] o que no entendiam."- s eles entre todos os animais se no domam nem domesticamSntese:Vieira inicia aexposiocom uma pergunta retrica: Enfim, que havemos de pregar hoje aos peixes? e de seguida indica aestruturado sermo: dividirei, peixes, o vosso Sermo em dois pontos: no primeiro louvar-vos-ei as vossas atitudes, no segundo repreender-vos-ei os vossos vcios (ll. 23-24).O resto do captulo abordado por Vieira com asvirtudesgerais dos peixes.

Captulo III Louvor das virtudes dos peixes, em particularNo captulo III (considerado por alguns, o 1 momento daconfirmao), Vieira continua a elogiar os peixes, mas desta vez os seus louvores aos peixes so individualizados, visam peixes em particular.Vieira utiliza quatro tipo de peixes para comprovar a relao entre o homem e o divino.OSanto Peixe de Tobias, peixe bblico, grande em tamanho, possui nas suas entranhas um fel que cura da cegueira e um corao que expulsa os demnios (o fel era bom para curar da cegueira, o corao para lanar fora os demnios ); representa as virtudes interiores, a bondade, e o poder purificador da palavra de Deus.ARmora, peixe to pequeno no corpo e to grande na fora e no poder, quando se prende a um navio tem fora razovel para a segurar ou determinar o seu rumo (se se pega ao leme de uma nau da ndia [] a prende e a amarra mais que as mesma ncoras, sem se poder mover, nem ir por diante.); expressa a fora ou o poder da palavra dos pregadores: a lngua de S. Antnio era uma rmora na terra tinha fora para dominar as paixes humanas como a soberba, a vingana, a cobia e a sensualidade (as quatro naus do sermo).OTorpedoorigina descargas eltricas que acabam por fazer oscilar o brao do pecador (Est o pescador com a cana na mo, o anzol no fundo e a boia sobre a gua, e em lhe picando na isca o torpedo, comea a lhe tremer o brao. Pode haver maior, mais breve e mais admirvel efeito?); simboliza o poder da palavra de Deus, em converter, em fazer o ser humano arrepender-se.OQuatro-olhoscontm dois pares de olhos, uns para cima e outros para baixo (e como tm inimigos no mar e inimigos no ar, dobrou-lhes a natureza as sentinelas e deu-lhes dois olhos, que direitamente olhassem para cima, para se vigiarem das aves, e o