Click here to load reader

Novos modelos declarativos: Modelo 1B e Modelo · PDF filePROPOSTA 02 Novos modelos declarativos: Modelo 1B e Modelo 112 ... de representação não é aceite como gasto e como tal

  • View
    233

  • Download
    0

Embed Size (px)

Text of Novos modelos declarativos: Modelo 1B e Modelo · PDF filePROPOSTA 02 Novos modelos...

CABO VERDE

ANGOLA | BRASIL | CABO VERDE | ESPANHA | MADEIRA | MOAMBIQUE | PORTUGAL

Novos modelos declarativos:

Modelo 1B e Modelo 112

Aspetos a considerar para o apuramento

do lucro tributvel

NDICE

Novos modelos declarativos: Modelo 1B e Modelo 112

NDICE

INTRODUO | 03

TABELA 1 APLICABILIDADE E DATAS DE SUBMISSO | 04

TABELA 2 TAXAS DE TRIBUTAO AUTNOMA E DEDUES ACEITES | 06

VARIAES PATRIMONIAIS | 07

GASTOS NO DEDUTIVEIS | 08

ANGOLA | BRASIL | CABO VERDE | ESPANHA | MADEIRA | MOAMBIQUE | PORTUGAL

PROPOSTA

02

Novos modelos declarativos: Modelo 1B e Modelo 112

INTRODUO

Foram aprovados os novos modelos declarativos, atravs da Portaria N78/2015, denominados MOD 1B e MOD 112,

apresentando alteraes significativas quanto ao seu contedo, e data de apresentao no que respeita ao MOD

112, passando-se de modelo de tributao simples para um modelo mais complexo.

Uma alterao substancial a ter em considerao o princpio da verdade declarativa que torna as declaraes

com carcter definitivo aps a sua entrega, dando desta forma mais responsabilidade ao contribuinte sobre o

seu contedo, sem prejuzo das autoridades fiscais desencadearem aes inspetivas para verificao da correta

aplicao da lei.

De seguida apresenta-se um resumo das obrigaes e referidas formas e data de apresentao.

03ANGOLA | BRASIL | CABO VERDE | ESPANHA | MADEIRA | MOAMBIQUE | PORTUGAL

https://www.dnre.gov.cv/dnre/sites/default/files/multimedia/desdobraveis/Desdobr%C3%A1vel Declara%C3%A7%C3%A3o Eletr%C3%B3nica Mod 112.pdfhttps://www.dnre.gov.cv/dnre/sites/default/files/multimedia/desdobraveis/Desdobr%C3%A1vel Declara%C3%A7%C3%A3o Eletr%C3%B3nica Mod 112.pdf

PROPOSTA

0304

Tabela 1

Enquadramento Fiscal Modelo a Entregar Forma de EntregaData de

EntregaAplicabilidade

MOD 1B At 31-05-2016

Declarao de Informao

Contabilistica e FiscalAt 31-07-2016

Associaes sem Fins

LucrativosMOD 1B

Por Transmisso

Eletrnica de DadosAt 31-05-2016

Obrigatrio, apenas

quando obtenham

rendimentos

resultantes de qualquer

atividade de natureza

comercial, industrial,

agrcola ou piscatria.

Titulares de

Rendimentos de Cat. AMOD 112

Por Transmisso

Eletrnica de DadosAt 31-03-2016

Facultativo. Torna-se

obrigatorio desde que

obtenham rendimentos

de Cat. B ou C.

MOD 1B e MOD 112 At 31-05-2016

Declarao de Informao

Contabilistica e FiscalAt 31-07-2016

Pessoas Singulares

Titulares de

Rendimentos de Cat.C

MOD 112Por Transmisso

Eletrnica de DadosAt 31-05-2016 Obrigatrio.

Pessoas ColetivasPor Transmisso

Eletrnica de DadosObrigatrio.

Pessoas Singulares

Titulares de

Rendimentos de Cat.B

enquadrados no Regime

de Contabilidade

Organizada

Por Transmisso

Eletrnica de DadosObrigatrio.

Novos modelos declarativos: Modelo 1B e Modelo 112

ANGOLA | BRASIL | CABO VERDE | ESPANHA | MADEIRA | MOAMBIQUE | PORTUGAL

05

A ttulo informativo, relembramos que so considerados

rendimentos de Categoria B, todas as contraprestaes

colocados a disposio do seu titular, desde de que proceda

direta ou indiretamente de atividades empresariais ou

profissionais. A essa categoria de rendimentos esto sujeitos

os engenheiros, arquitetos, mdicos, advogados,

contabilistas, etc., reforando que os mesmos esto

obrigados a dispor de contabilidade organizada, estando

sujeitos ao regime de transparncia fiscal caso pratiquem

a atividade profissional e empresarial atravs de uma

sociedade de profissionais, conforme disposto no CIRPC, no

seu Art. 2.

Outra novidade introduzida pelo CIRPC a tributao

autnoma, a qual se aplica a todos sujeitos passivos

enquadrados no regime de contabilidade organizada ou que

beneficiem de um regime de tributao privilegiada.

A tributao autnoma dever ser liquidada em Maio do ano

seguinte a que dizem respeito os rendimentos, desde que se

verifiquem as despesas abaixo, sendo majoradas em 10%

pontos percentuais, caso o contribuinte apresente

prejuzo fiscal no exerccio em que incorra em tais

despesas ou beneficie de um regime de tributao

privilegiada.

Novos modelos declarativos: Modelo 1B e Modelo 112

ANGOLA | BRASIL | CABO VERDE | ESPANHA | MADEIRA | MOAMBIQUE | PORTUGAL

Ler mais

Ler mais

http://goo.gl/5ze2fQhttp://goo.gl/RThWGJhttp://goo.gl/RThWGJhttp://goo.gl/RThWGJhttp://goo.gl/5ze2fQhttp://goo.gl/5ze2fQhttp://goo.gl/5ze2fQhttp://goo.gl/RThWGJ

06

Despesas no documentadas 40% 50% -

No so consideradas como

gasto e como tal acresce ao

Lucro Tributvel.

Todos os encargos

relacionados com viaturas

ligeiras de passageiros ou

mistas, motos e motociclos

10% 20%

A taxa de tributao

autnoma recai sobre o total

do gasto registado na

contabilidade.

30% do total dos gastos

registado na contabilidade no

so dedutveis, pelo que

acresce ao Lucro Tributvel.

Encargos dedutveis relativos a

despesas de representao10% 20%

A taxa de tributao

autnoma recai apenas

sobre 50% do total do gasto

dedutvel.

Os restantes 50% da despesa

de representao no aceite

como gasto e como tal deve

acrescer ao Lucro Tributvel.

Ajudas de Custo e deslocao

em viatura prpria10% 20% - -

Remuneraes em espcie 10% 20% - -

Importncias pagas ou devidas

a entidades que beneficiem de

regime de tributao privilegiada

60% 70% -Acresce ao Lucro Tributvel

pela totalidade

Despesas Gastos no DedutevisC/Prejuzo

Fiscal

Taxa de Tributao

ObservaesC/Lucro

Tributvel

Novos modelos declarativos: Modelo 1B e Modelo 112

Tabela 2

ANGOLA | BRASIL | CABO VERDE | ESPANHA | MADEIRA | MOAMBIQUE | PORTUGAL

07

Chama-se a ateno de que o valor da tributao

autnoma apesar de ser calculado e liquidado junto com

a autoliquidao, no contribuir para o clculo dos

pagamentos fracionados a serem apurados e liquidados

nos exerccios posteriores.

No s a tributao autnoma uma novidade no novo

MOD 1B, mas tambm a forma de apuramento do lucro

tributvel sofreu grandes alteraes, influenciadas pelas

variaes patrimoniais no refletidas no resultado e

pelas correes fiscais agora bem definidas no CIRPC.

Variaes Patrimoniais Positivas e Negativas no

refletidas no Resultado

Todas as variaes patrimoniais positivas e negativas

no refletidas no resultado lquido, devero concorrer

para a formao da Matria Coletvel, exceo as

expressas no Art.. 26 e 32 do CIRPC respetivamente

Assim, o novo MOD 1B prev rubricas de valores a

acrescer ou a deduzir das variaes patrimoniais

positivas e negativas no refletidas no resultado, assim

como acrescer a quota-parte dos subsdios a ativos no

correntes, depreciveis ou amortizveis.

Os subsdios e subvenes relacionadas com

ativos no correntes a que se refere o ponto acima,

acresce ao Lucro Tributvel, sempre que:

O valor reconhecido na contabilidade seja

inferior ao que resulta do reconhecimento em

partes iguais durante o perodo mnimo de vida

til, quando este seja inferior a 10 anos, ou

durante 10 anos quando esse perodo de vida

til seja superior;

Ou no caso de respeitar a elementos do ativo

no depreciveis ou amortizveis, devem ser

includos no lucro tributvel, em fraes iguais,

durante o perodo em que os elementos a que

respeitam sejam inalterveis nos termos da lei

ou do contrato ao abrigo dos quais os elementos

foram concedidos ou, nos restantes casos,

durante 10 (dez) anos, sendo o primeiro o do

recebimento do subsdio.

:

Novos modelos declarativos: Modelo 1B e Modelo 112

ANGOLA | BRASIL | CABO VERDE | ESPANHA | MADEIRA | MOAMBIQUE | PORTUGAL

08

Gastos no dedutveis

O novo MOD 1B, no seu quadro 6 Apuramento da Matria Coletvel destina-se exclusivamente a diversos tipos

de acrscimos que concorrem para a determinao da Matria Coletvel. No vamos descrever exaustivamente

todos os campos para alm dos gastos mencionados na tributao autnoma, focando-nos apenas na forma de

tratamento contabilstico dos pontos abaixo:

a) Depreciaes e amortizaes

Descrio dos elementos Condies e limites A acrescer Observaes

Elementos do ativo no sujeitos a

deperecimentoNo so aceites na totalidade.

A totalidade do valor registado como

gasto.

Bens imoveis na parte correspondente

ao valor dos terrenos ou na parte no

sujeita a deperecimento

A parte da depreciao

correspondente ao valor do terreno

no aceite pela totalidade. Quando

no for possivel separar o valor do

imovel do valor do terreno, dever

atribuir-se ao terreno, 25% do valor

global.

A parte que exceda, caso o valor do

imvel esteja a ser depreciado pelo seu

valor total.

Viaturas Ligeiras de passageiros e/ou