o 29, jan./abr. 2012, p. 240-272 Sociologia da Vocação ... ?· Sociologia da Vocação Religiosa:…

Embed Size (px)

Text of o 29, jan./abr. 2012, p. 240-272 Sociologia da Vocação ... ?· Sociologia da Vocação...

  • Sociologias, Porto Alegre, ano 14, no 29, jan./abr. 2012, p. 240-272

    SOCIOLOGIAS240

    ARTIGO

    Sociologia da Vocao Religiosa: reproduo familiar e reproduo da Igreja

    ErnEsto sEidl*

    * Doutor em Cincia Poltica. Professor Adjunto da Universidade Federal de Sergipe UFS (Brasil). E-mail: eseidl@terra.com.br.

    Resumo

    O artigo tem por objeto o estudo das condies de produo social do gru-po de profissionais da Igreja catlica no estado do Rio Grande do Sul ao longo do sculo XX a partir da apreenso dos determinantes do fenmeno de construo de um celeiro de vocaes. A anlise do complexo investimento religioso no enquadramento de populaes majoritariamente rurais ou semirrurais, compostas por famlias muito numerosas, de forte prtica religiosa e desprovidas de recursos demonstrou o sistema de fatores objetivos a agir na produo de abundantes vocaes religiosas em indivduos dotados de propriedades sociais bastante ho-mogneas. O exame das vivncias e das lgicas de engajamento individual do processo de converso religiosa, explorado atravs de um conjunto de relatos de profissionais da Igreja, indica a constante combinao de tarefas pedaggicas relativamente sutis e eufemizadas de construo de percepes subjetivas sobre a religio, a vocao e as oportunidades ofertadas pela vida religiosa.

    Palavras-chave: Igreja catlica. Vocao religiosa. Reproduo social.

  • Sociologias, Porto Alegre, ano 14, no 29, jan./abr. 2012, p. 240-272

    SOCIOLOGIAS 241

    A

    Sociology of Religious Vocation: family reproduction and Church reproduction

    Abstract

    This article discusses the social conditions of production of a group of pro-fessionals of the Catholic Church in the Brazilian State of Rio Grande do Sul during the 20th century, based on the apprehension of the phenomenon of a seedbed of vocations. By studying the complex religious investments made by the Church in framing populations from rural or semirural areas, composed by very large and deeply religious families, which lack important social resources, the analysis brings to light a system of objective factors acting in the production of abundant religious vocations in individuals with fairly homogeneous social properties. The com-bination of subtle, euphemistic tasks in the making of subjective perceptions on religion, vocation and the opportunities offered by religious life is also subject of analysis through the exam of a series of reports by religious professionals on their experiences and commitments in the process of religious conversion.

    Keywords: Catholic Church, religious vocation, social reproduction

    Introduo

    questo de explicar em bases racionais o que no pode ser percebido pelos agentes sociais que vivenciam o fenmeno da vocao religiosa, seno como fato hu-manamente inexplicvel, como algo prprio ordem do divino, do espiritual ou do mistrio enfrenta

    necessariamente um desafio: o estabelecimento de uma srie de relaes objetivas entre, de um lado, a estruturao social e religiosa em determi-nado contexto e, de outro lado, as chances de produo de percepes, em um nmero reduzido de indivduos, de que possuem caractersticas

  • Sociologias, Porto Alegre, ano 14, no 29, jan./abr. 2012, p. 240-272

    SOCIOLOGIAS242

    prprias e adequadas para servir Igreja1. A fora das resistncias ao tra-tamento da vocao religiosa como fato social bom indicador da lgica de funcionamento do fenmeno, cujas manifestaes somente so per-ceptveis em termos propriamente religiosos de crena2. Vale dizer, todo sistema de justificao de escolha pela profisso religiosa est constru-do justamente sobre sua negao, ou, mais precisamente, pela inverso entre quem o sujeito e quem o objeto da escolha. A orientao vida religiosa ancora-se no princpio do chamamento espiritual de um indivduo escolhido e no no mero livre arbtrio pessoal que conduz ao encaminhamento para tal ou qual profisso. Nesse sentido, a prpria definio do exerccio religioso no o admite como profisso ou car-reira, mas como servio ou misso. E, como j constatado, a prpria recusa ao interesse profissional, ao lucro, ao ganho material, enfim, a todas as noes ligadas s relaes da esfera econmica constitui um dos traos mais tpicos da esfera religiosa (Bourdieu, 1996; Seidl, 2003).

    Este texto apoia-se em conjunto de resultados de investigaes so-bre a estruturao da Igreja catlica no estado do Rio Grande do Sul e as condies de formao de sua elite dirigente ao longo da segunda metade do sculo XX. Grosso modo, tratou-se da tentativa de apreenso dos deter-minantes do fenmeno de construo de um celeiro de vocaes religiosas assentado sobre determinadas reas do Estado, cujo apogeu foi alcanado na dcada de 1960. Neste artigo, as questes centrais remetem, em pri-

    1 Sou grato aos pareceristas de Sociologias, cujas crticas e sugestes procurei incorporar na maior medida.2 Caberia chamar ateno prpria postura refratria ou de recusa de cientistas sociais e pesquisadores da Igreja a ultrapassar explicaes irracionais atribudas vocao religiosa. Acreditamos que isso se deva, em boa medida, ao tipo de relao estabelecida entre esses estudiosos e o universo catlico (ou da religio, de modo mais amplo), muitos dos quais, inclusive, prestam servio instituio atravs de pesquisas, assessorias e outras formas de legitimao social. No Brasil, exemplos dessa perspectiva aparecem em Fernandes (2004), Gregory; Oliveira; Ceva (1969), Medeiros e Fernandes (2005), Oliveira (2005) e Serbin (2008). Sobre o problema do interesse no cientfico de pesquisadores da religio por seus objetos de pesquisa, consultar Bourdieu (1987).

  • Sociologias, Porto Alegre, ano 14, no 29, jan./abr. 2012, p. 240-272

    SOCIOLOGIAS 243

    meiro lugar, a discusses acerca das condies de produo e reproduo social de um grupo profissional institucionalizado. Em especial, busca-se problematizar a temtica a partir de um ngulo particular das bases da pro-duo coletiva de adeso a um projeto implicando um engajamento total do indivduo. Para tanto, as anlises concentraram-se sobre o conjunto de engrenagens, instncias, agentes e contextos scio-histricos ligados ao fe-nmeno da vocao religiosa e, por essa via, da prpria reproduo institu-cional da Igreja catlica. Tal procedimento remeteu tentativa de captura dos modos de imposio da crena e de sua lgica por meio do exame dos mecanismos com que a instituio catlica logrou recrutar contingentes expressivos de jovens e encher seminrios, institutos e conventos ao longo de dcadas fenmeno amplamente celebrado pela Igreja em ocasies e meios diversos. Ao mesmo tempo, implicou pr em evidncia as proprieda-des sociais daqueles agentes e as formas como vivenciaram o processo de recrutamento e de converso religiosa3. Cabe destacar que neste trabalho no so abordados diretamente os efeitos prprios do sistema seminarstico sobre a elaborao de projetos religiosos.

    Em contraste com a viso naturalizada da relao entre o mundo ca-tlico das colnias de imigrantes e a adeso de muitos de seus membros a um projeto de vida religiosa, presente tanto nas fontes bibliogrficas

    3 O material emprico utilizado composto principalmente por dados coletados atravs de en-trevistas e de questionrios, para os indivduos vivos, e de fontes bibliogrficas e documentais diversas (biografias, enciclopdias, notcias fnebres, preitos de reconhecimento) para o caso dos religiosos j falecidos. Dentre o conjunto de profissionais da Igreja examinados, incluiu-se a totalidade do episcopado rio-grandense (inclusive atuando fora do estado), diretores de se-minrios e de institutos de formao religiosa, superiores de ordens e congregaes masculinas (Maristas, Jesutas, Franciscanos, Capuchinhos e Lassalistas), telogos e sacerdotes, e leigos ad-ministradores em postos dirigentes (Conferncia Nacional dos Bispos do Brasil - CNBB, Critas, Pastorais). Em especial, as entrevistas biogrficas (n=51) forneceram informaes detalhadas sobre diversidade de aspectos: desde indicadores sociais correntes como profisso dos pais, tamanho da famlia e posio na fratria, origem geogrfica e tnica, at relatos consistentes sobre as condies culturais de socializao religiosa familiar e escolar.

  • Sociologias, Porto Alegre, ano 14, no 29, jan./abr. 2012, p. 240-272

    SOCIOLOGIAS244

    sobre catolicismo e imigrao4 quanto nos relatos dos religiosos, o exame detalhado das condies objetivas e subjetivas de produo da vocao procurou trazer tona os efeitos da dinmica histrico-social subjacente ao fenmeno do chamado celeiro vocacional gacho (De Boni, 1980). Partindo das referncias ao dito processo de renovao catlica levado a cabo ao longo de dcadas, buscou-se demonstrar os efeitos daquela es-truturao social e de suas peculiaridades culturais sobre o funcionamen-to do recrutamento religioso realizado principalmente entre as dcadas de 1940 e 1980, perodo que compreende parte central das trajetrias sociais dos membros do grupo estudado.

    A formao da Nova Igreja Rio-grandense ou Igreja dos imigrantes

    A construo de um aparato religioso no Rio Grande do Sul esteve inicialmente apoiada em gama expressiva de ordens, congregaes e institutos religiosos euro-peus, atrados pela ampla oportunidade de servios junto ao contingente imigrante que aflua ao estado desde 1824. Ao simples fornecimento bsico de assistncia espiritual aos colonos catlicos, majoritariamente compostos por alemes e italia-nos, a presena religiosa nos ncleos coloniais desdobrou-se em complexo esque-ma de enquadramento social e cultural que lograria colocar sob a lgica da Igreja fraes importantes do universo das comunidades rurais em que se ancorara a colonizao. Desde as escolas paroquiais at a imprensa alem e italiana, pas-sando pelas organizaes culturais e cooperativas agrcolas, a normativizao social da conduta pblica e privada na vida comunitria levaria a chancela da autoridade catlica. Ao lado do contingente de religiosos e religiosas